História Love Like You (Hiatos até o fim da temp 8) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Daryl Dixon, Maggie Greene, Negan, Personagens Originais
Visualizações 42
Palavras 1.728
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Acho que esse cap ficou um pouco curto mas é porque escrevi no pc direto aqui no spirit ai não tenho muita noção de palavras. Então desculpe. </3
Boa leitura!

Capítulo 10 - Problem


POV Eveelyn

Negan levou Oz para passar a semana no Santuário, agora que ele havia, ou melhor, Candy, havia dado fim no grupo que o ameaçava eu me sentia confiante em deixa-lo com o pai. Por mais que eu saiba o que Negan faz e Candy viva me dizendo que ele era uma má pessoa não posso afasta-lo do Oz, o pequeno o ama tanto que parte meu coração pensar que por ser tão odiado pode morrer a qualquer momento.

Deixando aqueles pensamentos mórbidos de lado, aproveitei que Oz estava com o pai e Candy desfrutando de seu novo namorado para descansar, tirei os sapatos, deitei na cama e fechei os olhos pronta para um longo cochilo. Tolice a minha acreditar que poderia mesmo descansar.

- Qual o seu problema?! Você não entende que eles eram tão perigosos quanto os salvadores?! - Ouvi Candy gritar, provavelmente em seu quarto.

- Meu problema?! Você é tão louca quanto ele! Você sabe quantas crianças e inocentes haviam ali?! - Foi a vez de Daryl gritar, ouvi a porta do quarto de Candy bater. - Não me procure!

- O que?! D-daryl! - Minha irmã pareceu também deixar o quarto.

O que eu deveria fazer? Deixa-los discutir? Mas é claro que não, Candy apesar de inteligente e estrategista deixava seus sentimentos falarem mais alto, no caso a frustração e pelo tom de voz um pouco de raiva, Daryl parecia ser igual. Me levantei e rumei a cozinha, onde as vozes ecoavam mais alto, se eu fosse rápida talvez impedisse uma briga. Não verbal, mas física.

- Você matou centenas de pessoas só para me ter aqui com você! Achou mesmo que assim ia conseguir meu amor?! - O caipira gritava para Candy, cada um de um lado da mesa. Ainda não haviam notado minha presença.

- A-amor..? - Candy estava incrédula. Céus, ela ia mata-lo. - Acha mesmo que eu fiz isso para chamar a sua atenção? Acha que quis ser sua heroína para ganhar o seu amor?! Eu não fiz isso pelo seu amor! EU FIZ ISSO PORQUE AMO VOCÊ!!!

Daryl ficou estático, assim como eu, nunca a ouvi dizer aquilo com tanta vontade, com tanta fúria, pelo menos não a alguém que não pertencesse a nossa família. Minha irmã estava prestes a chorar, suas bochechas e nariz estavam avermelhados e os olhos cheios de lagrimas, ela virou o rosto para disfarçar dele e enfim me viu ali.

- Ivy. - Ela comprimiu os lábios, contendo as lagrimas que teimavam em escorrer uma a uma. - Prepare comida, água e algumas armas para o Daryl, por favor. Também entregue a ele a chave da moto, ele vai voltar para Alexandria.

Assenti e a vi deixar a cozinha arrastando-se destruída. Daryl continuou ali e o ignorei, ocupando-me em preparar o que minha irmã pediu, ele ficou calado por torturantes minutos, com as mãos enfiadas no bolso, até cortar o silencio com um grunhido.

- Você... - Ele começou mas parou logo em seguida, pensando se realmente deveria prosseguir. - Você sabia que ela estava fazendo aquilo para me libertar?

- Você foi a razão principal, mas não a única. - Respondi da forma mais simples possível, mas não foi o suficiente, seu olhar exigia mais e como sempre acabo bancando a boazinha, me rendi. - Não entendo muito bem, tento não me intrometer nos assuntos dos dois mas minha irmã estava tão preocupada quanto Negan, as vezes ela passava o dia todo os observando. Eles eram tão destrutivos quanto os salvadores, a diferença entre os dois, pelo que entendi ouvindo uma ou outra conversa, era que Negan usa os grupos dominados ao seu favor como um ditador, já o outro grupo... Para eles era matar ou morrer, não havia dialogo nem acordo. Minha irmã estava preocupada com Oz e eu, então já cogitava extermina-los.

- Haviam inocentes lá. - Ele argumentou. - Nós também queríamos acabar com os salvadores mas nos preocupamos em não matar inocentes.

- Foi o que eu disse. - Acabei rindo suavemente. - "Candy, você precisa pensar nos inocentes." mas minha irmã, caipira, não chegou onde chegou pensando como nós. Não haviam inocentes lá, as crianças, civis comuns, idosos e inválidos ficam em outra instalação. Todos a salvo da explosão.

- Então ela não matou nenhum inocente? - Ele estava evidentemente arrependido, assenti com a cabeça. - Merda... Ela nunca vai me perdoar.

- Oh, ela vai. Wendy é super sentimental, vai acabar indo atrás de você.

- E-eu... Posso fazer uma pergunta pessoal sobre ela? - Assenti mais uma vez. - Quantos anos ela tem? Pelo que entendi ela nunca teve namorados, mas não parece tão nova para isso...

- Se minhas contas estiverem corretas minha irmã tem trinta e dois anos. - Sorri. - E não, ela nunca se relacionou com homens, mas ela estava noiva quando tudo isso começou.

- Noiva? Mas...

- Uma mulher, Daryl. - Ele arregalou os olhos. Por que tanta surpresa? - Quando ela o perdoar, pergunte sobre Susan Lopes. Aqui está, tem comida para duas refeições, a chave da moto está na terceira gaveta na estante da sala e as armas lá no porão. Mande meus pêsames a Maggie.

Daryl não agradeceu, apenas saiu mal educado, fiquei ali o esperando e vi quando saiu rumo a garagem onde ficavam os automóveis. Subi as escadas rumo ao quarto de Candy e a encontrei encarando a janela com o olhar perdido no caçador lá embaixo, o assistimos ir embora em silêncio, cortado por pequenos soluços da minha irmã, ela havia chorado muito e isso eu nem precisava perguntar, estava estampado em seu rosto.

- Eu tentei explicar sobre os inocentes daquele grupo. - Contei chamando sua atenção. - Ele está arrependido, mas pedi que fosse mesmo assim. Você está bem?

- Nós transamos. - Ela simplesmente disse, então um sorriso brotou em seus lábios. - E nem doeu.

- Pequeno? - Debochei.

- Não vou falar o tamanho do pau enorme dele, sua safada. - Ela me empurrou brincalhona e não pude conter uma risada. - Fiquei magoada quando o ouvi falar tudo aquilo, mas estou melhor. Ele não tem culpa, eu faria pior se soubesse que alguém feriu pessoas inocentes por mim.

- E o que pretende fazer agora? - A empurrei de volta.

- Vou até o lixão procurar algumas peças para um trailer que o Negan trouxe e depois podemos visitar a Maggie. Darei um tempo ao Daryl, acho que também preciso disso. O que acha?

- Acho que você é a melhor irmã do mundo. - A abracei.

- Oh, quanta falsidade. - Candy revirou os olhos, mas acabou retribuindo o abraço. - Tudo por nós três, somos os três mosqueteiros.

- Um por todos. - Eu recitei.

- E eu pelos dois. - Ela completou firme. - Enquanto Oz e você estiverem comigo.

Então era isso, de novo isso. Desconfiança sobre Oz e eu nos mudarmos para o Santuário.

No dia seguinte Candy saiu para procurar as tais peças, mas retornou sem elas, dizendo que havia visto o grupo de Daryl no lixão tentando negociar com aquela mulher estranha. Minha irmã conhecia aquela mulher do lixão e sabia que não era confiável, então partiu para avisar Alexandria sobre a furada, pensei que essa visita duraria algumas horas mas um dia inteiro se passou e ela ainda não havia voltado. Era manhã do segundo dia quando vi três carros chegarem, dois carros do ano em que nasci e um carro grande e preto como os que políticos andavam, corri para recebe-los, estranhando rostos novos.

POV Wendy

Chegamos a mansão pela manhã, Ivy surgiu surpresa e Maggie correu para abraça-la.

- Maggie, eu sinto tanto por você. - Ivy choramingou, analisou nossa amiga e arregalou os olhos ao chegar em sua barriga. - Você está...? Oh, desculpe, que indelicado!

- Estou grávida. - Maggie confirmou com um enorme sorriso no rosto. - Ivy, esses é Paul, estou no grupo dele enquanto o bebê não nasce.

- Não seja modesta, você já é quase lider de Hilltop. - O homem revirou os olhos e sorriu para Ivy. - Pode me chamar de Jesus.

- Isso seria blasfêmia. - Ela se encolheu.

- Eveelyn, sempre tão devota. - Uma voz forte e brincalhona a chamou a atenção. A mulher alta, forte como um armário, negra com cabelo raspado e uniforme militar aproximou-se e ergueu minha irmã no ar. - E continua levinha como eu me lembrava! Haha!

- Susan, Ivy está ficando velha, vai acabar atacando a labirintite dela. - Debochei aproximando-me das três. - Quem diria, nós quatro juntas de novo.

- E... Eles? - Ivy apontou para o pequeno grupo que assistia a tudo com timidez.

- Esses são Jeff do grupo da Susan, Tara, Michonne e Sasha do grupo de Rick, você já as conhece, lembra? Essas são Cyndie e Natania de Oceanside. Rick foi buscar aquele tal de rei.

- Encontrou o Daryl?

- O caipira babaca? Oh sim, encontramos o caipira babaca. - Susan respondeu por mim, sempre possessiva. - Ele foi com o xerife e se for esperto não voltará.

- Não seja troglodita. - Revirei os olhos e comecei a caminhar. - Vamos entrar.

Quando encontrei Rick no balde de lixo descobri que ele estava tentando negociar com aquela vadia que parecia o Loide, Negan acabaria descobrindo porque aquela ali muda de lado conforme o peso do ouro então decidi contar tudo ao Rick. Eles queriam mesmo derrotar Negan, não havia o que eu pudesse fazer para impedi-los, então me uni a eles, assim poderia controlar o tamanho da destruição, enquanto Sasha buscava representantes de Oceanside, Michonne de Hilltop e Rick do Reino, fui até o Pentágono pedir ajuda a Susan. Por que fiz isso? Porque sabia que ela não me negaria nada e pedir reforços era a unica forma de vencer sem um mar de corpos aliados mortos. Rick já havia explicado que o rei não estava aberto a guerrear e por isso demoraria algum tempo, então retornamos sem ele, Daryl foi a seu encontro pois conhecia o caminho. Daryl... Mal o olhei nos olhos quando nos encontramos, Susan notou nosso clima tenso e seu lado possessivo tomou conta, tratando de amedronta-lo. Ele não tem culpa de nada, talvez eu tenha...

Afinal...

Não havia um esconderijo para os inocentes...

Todos foram mortos...


Notas Finais


Ariana Grande - Problem
https://www.youtube.com/watch?v=iS1g8G_njx8

Okay, por onde começamos? Susan?! A Candy estava noiva dessa Susan? E por que não estão mais?! Candy mentiu sobre os inocentes. Será que vai manter a mentira? Mistérios...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...