História Love Like You - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Andrei Soares "Spok" Alves, Gustavo Stockler (Nomegusta), Kéfera Buchmann, Lucas "Luba" Feuerschütte, Lucas "T3ddy" Olioti, Malena "Malena0202" Nunes
Personagens Andrei Soares "Spok" Alves, Gustavo Stockler, Kéfera Buchmann, Lucas "LubaTV", Lucas Olioti, Malena0202
Tags Kesta, L3ddy, Malepok
Exibições 173
Palavras 1.473
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esse capitulo
Pode ter algumas palavras meio
Ofensivas ta
Só isso que eu queria avisar

Capítulo 10 - Let's Play Children


P.O.V. T3ddy
( A Noite)
Todos já estavam em suas barracas, eu fui ficar com a Malena e o Spok, acompanhado do Luba
Não sei se é proibido, ficar na barraca dos outros de noite, mais é aquele tipico foda-se de sempre dominava minha mente.
- Alguem me explica por que a Kéfera esta na barraca dela com o professor?- O Luba pergunta, enquanto mexe em meu cabelo
- Ouvi dizer que eles tavam se pegando mais cedo- Malena diz com uma cara maliciosa.
- Será?- Pergunto com uma cara ainda pior que a da Malena.
- Bando de povo malicioso- Spok diz sério. Até que ouvimos um grito feminino bem alto- O que foi isso?
- Vamos ver- Digo saindo da barraca junto com todo mundo.
Chegamos até a barraca da Kéfera, e vimos que ela não estava lá, nem o professor, perguntamos a todos que estavam por perto, mais ninguém tinha visto os dois. Tínhamos que aceitar, O professor e a minha amiga haviam desaparecido.
P.O.V. Luba.
( De manhã)
Queríamos ter saido de noite, mais o diretor não deixou, disse que era perigoso, e que mais alunos poderiam sumir.
Estavamos todos na barraca da Malena, ela estava desamparada, chorava muito e seu rosto estava bem vermelho, o Spok que ficou a todo tempo do lado dela, a consolando, fazendo ela se sentir melhor, quem diria que o garoto que a irritava a uns tempos atrás mudou.
Ele pediu para que eu e o T3ddy saissemos da barraca, acho que para ele tentar fazer ela dormir, já que ela ficou acordada a noite toda.
Aproveitamos para sair com um grupo para procurar os dois, o urso estava bastante abalado, porém não havia chorado, mais eu sei bem como ele deve estar se sentindo por dentro.
P.O.V. Spok.
- Mah…- Eu dizia passando a mão em seus cabelos, enquanto ela continuava a chorar em meu colo- Você precisa dormir…
- Não quero, e nem consigo- Ela dizia soluçando- A Kéfera é uma pessoa tão boa, por que querem levar ela?- Ela dizia chorando ainda mais.
- Porque nem todo mundo no mundo é bom- Eu a levantei, deixando-a sentada e a puxei para um abraço- Agora- Eu cochichei em seu ouvido- Você vai tentar dormir.
- Antes- Ela pega algo com cuidado em sua bolsa, esperando que eu não veja- Vou ao banheiro- Ela diz porém a seguro.
- Solta isso- Eu abro suas mãos e retiro a lâmina de lá- Agora pode ir.
Ela bufa e vai, um tempo depois ela volta e deita de novo em meu colo.
- Quer que eu saia para você poder dormir melhor?- Digo já abrindo a barraca.
- Não…- Ela fala com uma voz manhosa e segura minha mão- Deita comigo?- Ela pede com uma cara muito fofinha.
- Você realmente consegue tudo o que quer comigo né- Digo deitando, e ela deitando de frente para mim, eu a abraço com apenas uma das mãos, ela se vira, e puxa consigo meu braço indicando que eu a abraçasse novamente.
Cubro nós dois e permanecemos assim, ela ficou um pequeno tempo acordada, depois dormiu, eu adormeci um pouco depois que ela, fiquei pensando se a Kéfera e o professor estariam bem, eu espero que sim.
P.O.V. Gusta
Acordei num lugar escuro, ao meu lado estava a Kéfera desmaiada, ela não apresentava nenhum sinal estranho, parecia que apenas haviam nos jogado ali.
Tudo que eu me lembro é de sentir uma forte pancada na cabeça quando estava na barraca com a Kéfera, depois disso, só me resta outras lembranças mais cedo do dia anterior.
Fui para perto dela, para verificar se sua respiração estava boa, depois disso, fui checar o local em que nós dois nos escontravamos.
Estava tudo bem escuro, a única luz vinha de uma janela bem pequena, pela aparência parecia ser um porão de uma casa, um lugar não visitado por um bom tempo, já que tudo que se encontrava lá tinha bastante pó.
Encontrei uma escada que levava até uma porta que se encontrava fechada, reparei que havia algo atrás da porta, pois quando a balancei pude sentir.
Desci novamente e me posicionei sentado, bem ao lado dela, apoiado em seu corpo.
- Indio…- Ouvi uma voz fraca me chamar, me fazendo olhar para trás.
- Que bom que você acordou- Eu digo dando um pequeno sorriso.
- O que aconteceu?- Ela se levanta, me fazendo bater as costas no chão.
- Aii- Eu reclamo, voltando a sentar, desta vez sem apoio nas costas- Acho que fomos sequestrados.
- Só me lembro de gritar, depois disso eu desmaiei- Ela olha para mim- O que é isso- Ela se ajoelha em minha frente olhando para minha cabeça machucada.
- Acho que me bateram um pouco- Eu digo colocando a mão por cima da dela.
- Vou procurar algo para limpar isso- Ela se levanta e vai em direção as caixas que estavam jogadas naquele chão empoeirado.- Achei- Ela volta ao meu lado com uma caixinha de primeiros socorros.- Aqui tem algodão, um paninho e alguns curativos.
- Ta bom- Eu digo sentando reto.
- É melhor você sentar em outro lugar- Ela diz e olha em direção a uma caixa grande de madeira- Ali- Ela aponta.
- Okay- Digo levantando e sentando no lugar que ela pediu.
Ela foi até mim e começou a limpar minha cabeça, com bastante cuidado, eu sempre reclamando, até porque sou muito mole quando estou com dor.
- Pronto, acabei- Ela diz se sentando ao meu lado- Precisava reclamar tanto?- Ela suspira e olha minhas costas- To vendo que tem mais um lugar machucado.
- Ah não…- Eu bufo.
- Deixa de ser mole- Ela fala num tom provocativo- Tira a camisa.
Ela estava de costas para mim, procurando mais coisas para limpar, depois que tirei a camisa ela se virou e ficou me olhando.
- Quer um babador- Digo levantando e cochichando em seu ouvido.
- Não.- Ela diz séria e me empurrando- Agora fica quieto- Ela começa a limpar o outro ferimento.
Depois de toda essa "sessão de tortura", ela ficou parada olhando naquela janela trancada, em seu rosto, caiam algumas lagrimas teimosas, ela abraçava a si mesmo procurando conforto.
- Ei- Eu digo parado logo atrás dela, fazendo-a se virar- Não vai acontecer nada com a gente - Eu digo tentando a fazer sentir melhor.
- Eu sei mais- Ela suspirou e voltou a chorar novamente, dessa vez sendo surpreendida por meu abraço ,se aconchegando em meus braços em busca de conforto.
Nesse momento ouvimos o barulho da porta sendo destrancada e nos separamos, nós dois encostamos na parede e entrelaçamos nossas mãos.
Eu ouvia os lentos passos da pessoa, o que me deixava com mais medo ainda, aos poucos a figura foi se revelando e eu pude ver o… Paulo.
- Eai?- Ele disse com aquele sorriso maléfico de sempre- Vamos brincar crianças?- Ele ri novamente, outros três homens descem, dois me seguram, e o outro a Kéfera.
- É o seguinte- Ele diz se aproximando dela e segurando seu rosto com uma das mãos.- Um de seus amigos, ficou me devendo um favor, eu sempre falo o favor depois, só para ser chato mesmo, quando eu falei que o favor te incluia, ele não cumpriu, dei um dia a ele, e nada, então, achei melhor eu mesmo fazer o que quero.
- Você é nojento- Ela disse tentando morder a mão dele o fazendo se afastar.
- Quero saber por que me levaram também?- Digo indignado.
- Ah, você estava no lugar errado, a hora errada-Ele se aproxima dela novamente, enquanto um homem bem forte a segurava.
- Saia de perto de mim- Ela tentava lutar.
- Olha professor, fiquei sabendo que vocês andam se envolvendo, aposto que vai ser horrível para você presenciar tudo isso- Ele sorri.
Ele chega perto dela, e vai retirando sua blusa e passando aquelas mãos sujas pelo corpo dela, que estava chorando muito.
Aquela cena cortava meu coração , mais o que eu podia fazer? Se a cada movimento meu, um daqueles homens me dava um soco.
Ele tentava retirar outra peça dela, mais ela se mexia muito.
- Fica quieta Vadia!!!- Ele
gritou e deu um tapa na cara dela- Se não for por bem, vai ser por mal…- Ele da outro sorriso, retira uma faca e começa a passar ela nos bracos da Kéfera, depois faz o mesmo comigo.
Ele fica um tempo lá nos observando, vendo como nos dois nos contorciamos de dor, ele simplesmente sorria, era um verdadeiro psicopata.
Ele recebeu uma ligação e saiu da sala acompanhado de seus homens, sem falar nenhuma palavra.
Cheguei perto da Kefera que estava no canto do local, e a abracei, ela correspondeu rapidamente, mesmo com as dores, sempre tínhamos força para abraçar um ao outro.


Notas Finais


Foi isso gente
Espero que tenham gostado
Um beijo<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...