História Love Me Daddy - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Rap Monster
Tags Babykink, Bangtan Boy, Bts, Imagine, Incesto, Namjoon, Sugar Daddy
Visualizações 337
Palavras 1.081
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong Bolinhos de Silla >//<

Capítulo 31 - Ser mais garota


A escuridão deve ser melhor que isso
Deixa eu decidir não quero ser submisso
A escuridão deve ser melhor que isso
Solta minha mão deixa eu abraçar o abismo
(Supercombo - Eutanásia)

Min-Su on

Fui abrindo meus olhos lentamente, o som de uma maquina apitando cada 3 segundos me deixava com náusea. As paredes brancas de um hospital desconhecido me deixou confusa, na onde eu estou?

— Ela acordou Doutor – Uma voz feminina que seria de uma enfermeira ecoou pelo quarto.

— Senhorita Min-Su?! – Tento olhar para a pessoas mas minhas vistas estavam embaçada.

— A-Acho que s-sou eu – Respondo fechando fortemente os olhos.

— Olhe aqui – Abro os olhos – Quantos dedos você vê? – Pergunta, olhei para sua mão.

— São... oito? Não uma m-mão não tem oito dedos... Seria quatro? – Fico esperando o mesmo me responder.

— Sim, são quatro – Anota algo na plancheta – Sente dor? – Assenti – Na onde? – Passo a mão na barriga, n-não isso não pode ser...

— M-Meu filho – Sinto um nó na garganta.

— Precisamos conversar sobre isso também – O tom de sua voz me deixou abalada, me levantei da cama tirando a agulha do meu braço.

— Por favor tente se acalmar – Pediu dando sinal para a enfermeira.

— COMO VOU ME ACALMAR? – Miro para o mesmo e o puxo pelo jaleco – Me diga a verdade por favor, ele está bem? – Fico fitando seu rosto esperando uma resposta boa.

— E-Ele era só um feto – Sinto uma pontada no coração me deixando cega.  

— Ele se foi? – Me sentei com as pernas cruzadas e as mãos sem força, minhas lágrimas molhavam o lençol da cama. 

— Ele era só um feto, nem sabia o que estava acontecendo – Leva sua mão até minha cabeça.

— Ele era meu, MEU está entendendo? – O olho com ódio.

— Tente se acalmar, sim!? – Tomo essa pergunta como um comando.

— NÃO EU NÃO QUERO EM MANTER CALMA, EU QUERO MORRER ISSO QUE EU QUERO – Gritei e logo enfermeiros entraram vindo até mim e me segurando a força, sinto uma picada na veia e logo tudo embaça.

— Tente descansar – Escuto ao longe antes de apagar.

Minha mente não se mantinha quieta, estava um turbilhão de pensamentos me dando dores e muitas vezes me senti sufocada com tantos interrogatórios. Ele morreu então... Porque quando eu tomo uma decisão tudo da errado?

Eu estou me odiando agora, estou me odiando de ter pensado em abortar, me imagino ter feito isso e isso está me matando por dentro, meu coração está se deteriorando aos poucos.

Mas eu iria matar ele antes, não ia? Eu tomei a iniciativa e tudo começou a dar errado, tudo deu errado. Até mesmo a parte que me envolvi com Hoseok... AH EU QUERO VOLTAR ATRÁS E TER MEU FILHO...

Mas agora ele virou uma estrela... Uma estrela na constelação da minha alma... 

Min-Su off

S/N on

Saber que Min foi atropelada numa rua estranha me deixou assustada, Seok me abraçou quando eu ameacei de cai de joelhos, minhas penas viraram gelatina e eu apenas tive que abraçar Jin o máximo que conseguia para me acalmar.

— Calma, ela está bem – Advertiu acariciando minhas costas.

— Ela é minha amiga Jin, eu deveria ter procurado entender a mesma – Me culpo.

— Hey, não foi culpa sua e nem dela – Soluço, não conseguia compreender esse acidente. 

— Porque isso não aconteceu comigo? – Pergunto baixinho.

— Não diga bobagens, agora ela precisa de você dando força a ela – Me separei do abraço – Ela perdeu alguém importante para ela – Franzo o cenho.

— Quem? – Pergunto me controlando ao máximo. 

— S/A, Min estava grávida – Paraliso.

— G-Grávida... – Minha voz sai vaga.

— Sim – Assentiu.

— Hoseok... DESGRAÇADO Empurro o mesmo e me viro seguindo rumo as escadas.

— HEY S/N NÃO FAÇA BOBAGENS – Grita me mas eu apenas subo mais rápido virando no corredor e indo para o quarto do mesmo.

Meu temperamento estava explosivo, poderia facilmente matar um em apenas cinco segundos. Abri a porta metendo foda-se, mas ai você percebe que não era boa ideia quando vê uma cena chamada sexo. Sim, ele estava fazendo isso com uma mulher considerada bonita, "considerada" não quer dizer que é...

— HEY, CAI FORA – Me aproximo da cama fazendo a guria se sentir envergonhada.

— Vá para o banheiro – Diz em japonês. 

— VÁ PARA FORA – Gritei também em japonês, se ele acha que eu gastei minha mesada toda pra aprender essa língua e não saber falar, ele se enganou;  

— O que quer aqui!? – Perguntou se sentando na cama, totalmente pelado.

— Queira sair, obrigado – A mulher me olha faz reverencia e vai para o banheiro, talvez se trocar.

— As putas realmente são ótimas, melhores que em Seoul – Revirei os olhos.

— Quer cobrir isso, obrigado de nada – Taco uma box que eu peguei com nojo.

— Não sou obrigado – Joga a box para trás.

— Foda-se – Rebato.

— Faço isso em você – Se levanta.

— SABE QUE EU POSSO ARRANCAR ESSE NEGOCIO COM MINHA MÃO, NÃO É – Ameacei gritando o que fez o mesmo sorrir.

— Esses gritos, são bem atraentes – Ignora o fato de eu ser um ser maligno quando irritada.

— VOU ARRANCAR ESSA POHA SE VOCÊ NÃO PARAR – Vejo que nada fazia efeito.

— Não vou parar, está legal até – Logo a mulher saiu rápido do banheiro com a bolsa pegando o dinheiro que estava no criado mudo. Não disse nada e apenas saiu – Ela se sentiu ofendida pelo o que você fez com ela, atrapalhar o trabalho dos outros que coisa feia – Respirei fundo, fechando os olhos por alguns minutos e quando os abri a desgraça estava feita. Hoseok estava colocando a mão no pau com dor e até se ajoelhou no chão.

— Olha aqui, se você acha que sou como qualquer uma ai que você come e joga fora está muito enganado – Ergo seu rosto puxando seus cabelos para trás – Espero que esteja feliz pois Min-Su perdeu o filho e também espero que esteja ciente  que eu posso me vingar de você, posso te machucar muito mais – Largo seu cabelo me distanciando.

— Garotas não são como você, você nem parece garota deveria ser gentil – Me virei e ergui a camiseta mostrando meus seios e o dedo do meio. 

— Minha piroka pra você Hoseok – Saio logo em seguida daquele quarto antes que eu voltasse e cortasse o negocio dele...

Se acha que eu sou qualquer garota, Tsc saiba que garotas não mostram os peitos e fala que tem piroka... Ah Min-Su queria que você me visse agora, queria que você estivesse aqui comigo me ajudando a conviver nessa casa de lunáticos, ficar 2 dias sem você é muito...

Acho que vou fazer uma visitinha para Seok...

Continua...


Notas Finais


(achei melhor assim, acho que Min-Su como mãe ela se tornaria depressiva pois veria Hoseok por mais algumas semanas)

Jal-ga...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...