História Love me Now - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens August Wayne Booth (Pinóquio), Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Emma Swan, Henry Mills, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Lacey (Belle), Malévola, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Neal Cassidy (Baelfire), Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Vovó (Granny), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Drama, Romance, Swanmills, Swanmillsfamily, Swanqueen, Swen
Visualizações 363
Palavras 2.019
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Volteeeeeeei

Com o desfecho dos três últimos capítulos.

Obrigada pelos comentários e favoritos, vocês são incríveis 💜

A música do capítulo e que deu nome a fanfic é: Love me now - John Legend (amo esse homem aaa 💜) vou deixar o link nas notas finais.

Sem mais...

Boa leitura!

Capítulo 22 - Love me now


De repente todo o andar foi pelos ares. Não se ouvia nada além de gritos de desespero e pedaços da grande construção desabando. Regina se mantinha estática olhando o fogo se alastrar e os bombeiros correrem para conte-lo.

- NÃAAAO! EMMAAA! - Ruby gritou, em claro descontrole. Tentou correr e entrar no hospital, mas foi impedida por August e Belle.

- Regina... - Zelena chamou, também não controlava suas lágrimas.

- Ela...não pode ser... - Foram as únicas palavras que a morena conseguiu pronunciar.

Zelena a abraçou, com toda a força que tinha, não poderia imaginar o que Regina estava sentindo naquele momento, mas precisava tentar conforta-la de alguma forma. Na cabeça de Regina, habitavam diversos pensamentos desconexos. Ela queria chorar, gritar, correr ou simplesmente acordar daquele pesadelo. Um segundo que Zelena tirou os braços do seu redor foi o suficiente para que ela, por impulso e desespero, largasse sua bolsa no chão e se pusesse a correr na direção do hospital. Lágrimas grossas e quentes desciam pelo seu rosto, fazendo suas vistas embaçarem e quase não ver para onde estava indo. Chegando próxima a barreira posta pelo esquadrão anti bomba, que separava a zona de perigo do espaço seguro, foi impedida de avançar.

- ME LARGUEM! EU PRECISO SALVAR A EMMA! POR FAVOR, ME DEIXEM PASSAR. - Berrava em desespero, se debatendo, tentando a todo custo se soltar dos homens que seguravam-na.

- Senhora, nós sentimos muito, não podemos deixar ninguém entrar, toda a zona está em alerta de perigo. - Um dos homens disse.

Então eles a soltaram e ela caiu de joelhos. Regina jurava que podia ouvir seu coração se partindo em um milhão de pedacinhos. Emma se foi e ela nem ao menos teve a chance de dizer que a amava. Mal conseguia respirar e sentia que desmaiaria alí mesmo. Olhou uma última vez para a entrada do hospital e pensou "Não acredito que já estou delirando", com as vistas embaçadas por causa das grossas lágrimas e com a certeza de que sua cabeça estava fazendo uma piada de mau gosto, avistou duas cabeleiras loiras saíndo - meio cambaleantes - de dentro do Seattle Grace.

- Não pode ser... - Sussurrou para si mesma.

Secou as lágrimas para tentar ver melhor e com algum esforço, se pôs de pé. O medo de estar delirando a consumia, mas ela queria acreditar que o que estava vendo era verdade, que sua loira estava viva e bem. Nem percebeu quando a melhor amiga e os outros residentes se aproximaram, tão descrentes do que estavam vendo quanto ela.

- Emma, ela está...viva. - Ruby disse e sorriu emocionada.

- Eu não posso acreditar. Como? - Regina perguntou.

Mas ninguém alí tinha a resposta e, tampouco, se importavam em como ela havia sobrevivido. O importante era que Emma Swan estava viva e, aparentemente, bem. Um pouco mais a frente, Emma recebia os primeiros socorros, havia inalado muita fumaça e teve alguns arranhões. Ingrid também estava sendo atendida, a cardiologista também não teve danos maiores, apenas um pulso descolado devido a uma queda durante a explosão. Depois de receber o atendimento necessário, Emma encarou a multidão que as observava, incrédulos do que estavam vendo, mas seus belos olhos verdes se prenderam aos castanhos daquela que, durante as horas de angústia, habitou sua mente. De longe pôde ver o sorriso que transbordava alívio no rosto de Regina, ela não poderia esperar mais.

Não queria esperar mais.

Então ela caminhou a passos largos, ignorando os chamados dos paramédicos, ignorando a dor física e psicológica que sentia por ter passado por tudo aquilo, no que era pra ser um dia feliz e tranquilo na cardiologia. Regina viu que Emma caminhava em sua direção e não esperou que a loira chegasse até ela, foi de encontro a mulher da sua vida. Em dado momento as duas apressaram os passos até se chocarem em um abraço cheio de alívio, saudade e, principalmente, amor.

Longos minutos se passaram até elas resolverem se soltar. Os olhos não se desprendiam e elas não queriam isso, sorrisos bobos e um silêncio confortável. Regina o quebrou com a única pergunta que habitava sua cabeça.

- Como? Como você está aqui? - A pergunta saiu num fio de voz.


(...)


Flashback on 

 20 minutos antes

O paciente já havia morrido devido a uma parada cardíaca, Ingrid tentou de tudo para trazê-lo de volta, mas nada adiantou. Apesar disso, ainda corriam perigo, ainda havia uma bomba alojada no peito dele que poderia explodir a qualquer minuto.

- Eu sinto muito pelo seu paciente, Dra. Fisher. - Arthur disse. - Mas agora precisamos retirar essa bomba daqui.

- Certo, fale o que devemos fazer e faremos. - Ingrid concordou.

- Emma, eu vou pedir que você tire o projétil lentamente, sem movê-lo da posição em que se encontra. - Arthur orientou. - Depois você vai me entregrar e vocês duas vão sair daqui, assim que estiverem em segurança eu saio com o explosivo. - Concluiu. - Vocês estão prontas?

Emma e Ingrid assentiram.

- Vamos lá, Emma, você consegue! - Ingrid incentivou.

Quase que em câmera lenta, Emma foi retirando sua mão de dentro do homem, segurando o projétil com todo o cuidado do mundo e, em seguida, o entregando nas mãos de Arthur.

- Tudo bem, agora vão! - Arthur ordenou.

As médicas deixaram a sala de cirurgia e correram para fora pelas escadas, mas antes que chegassem ao andar de baixo, houve a explosão. Emma e Ingrid se jogaram contra o chão para evitar serem atingidas pelo fogo e estilhaços.

- Ai! - Ingrid resmungou. - Acho que machuquei o braço.

- Temos que sair daqui agora. - Emma disse em meio a uma crise de tosses.

Ajudou a mais velha a se levantar e lentamente saíram daquele lugar, deixando para trás os destroços e o fogo que se alastrava rapidamente.


Flashback off  


 (...)


- Isso não importa agora, o importante é que eu estou viva. - A loira sorriu. - Eu preciso te dizer tanta coisa, Regina.

Love me now, love me now

Me ame agora, me ame agora

Oh, oh, love me now, oh, oh, oh, yeah

Oh, me ame agora

Love me now, love me now

Me ame agora, me ame agora

Oh, I want you to love me now

Oh eu quero que você me ame agora

Something inside us know's there's nothing guaranteed

Algo dentro de nós sabe que não há nada garantido

Yeah, girl I don't need you to tell me

Sim, garota, não precisa me dizer

That you'll never leave

Que você nunca vai embora

When we've done all that

Quando acabarmos com tudo isso

We could to turn darkness into light

Podemos transformar a escuridão em luz

Turn evil to good

Transformar o mal no bem

Even when we try so hard for that perfect kind of love

Mesmo quando tentamos esse tipo de amor perfeito

It could all fall apart

Tudo poderia desmoronar

- Shiii - Regina colou sua testa na de Emma. - Você não precisa me dizer nada agora.

- Preciso sim, por favor... - Emma viu Regina dar total atenção e prosseguiu. - Primeiramente eu queria te pedir desculpas por não ter reagido no dia que me beijou, - Regina ia dizer alguma coisa, mas a loira tapou os lábios dela com seu dedo indicador. - Eu fiquei tão surpresa que não soube o que fazer. Depois eu te ignorei e tentei fazer com que as coisas que eu estava sentindo fossem embora, eu não queria sofrer e muito menos te fazer sofrer, estava tão confusa, tão perdida, mas quando eu vi que não conseguia mais ficar longe de você, foi como um choque de realidade e eu pensei "Por que eu vou ficar longe dela se não é isso que eu quero?" E eu realmente não quero. Você entrou na minha vida e bagunçou tanta coisa, - Sorriram. - mas foi uma bagunça boa e eu quero que continue bagunçando. Sabe, eu vivia bem antes de você aparecer, mas eu não me sentia totalmente completa, sentia que faltava algo e quando você chegou foi como se o mundo ganhasse mais cor. O que eu quero dizer é que...eu quero ter você por perto, todos os dias e para sempre se for possível. Eu te amo, Regina, sei que isso pode parecer loucura, eu nem ao menos sei como ou quando começou, só sei que é verdadeiro e talvez você não sinta o mes... - Emma não conseguiu terminar.

Foi impedida de falar pelos lábios macios da mulher que amava. Era um beijo lento e carregado de sentimentos recíprocos, que logo se tornou salgado devido as lágrimas de Regina que se misturaram a ele. Ela estava radiante, poderia gritar para os quatro ventos a sua felicidade. Mas se conteve em apenas declarar-se para a mulher a sua frente.

- Eu também amo você, Dra. Swan. - Disse após o beijo. - E eu não pretendo ir a lugar nenhum, a menos que você vá comigo. E será um prazer estar ao seu lado todos os dias, eu quero te fazer feliz, Emma, quero cuidar de você e do Henry. Quero ficar.

O sorriso que Emma deu seria facilmente capaz de rasgar o seu rosto. Então voltaram a se beijar apaixonadamente, já estavam viciadas uma na boca da outra. De longe os amigos comemoravam.

- Bate aqui, amor. - Zelena levantou a mão para que Ruby batesse. - Somos ótimas cupidas.

- Até que enfim essas duas caíram na realidade. - Ruby disse respondendo ao cumprimento da namorada.

- Vocês já sabiam sobre elas? - August perguntou confuso, parecia ser o único supreso alí.

- Ai, meu bem, você é tão lento às vezes. - Belle disse o puxando para dar um selinho.

- Estava totalmente na cara, August. - Zelena disse com desdém.

- Homens, o que seriam de vocês sem nós mulheres, hein? - Ruby perguntou e deu um peteleco na cabeça do amigo.

- Ok, já podemos interromper o momento romântico delas? Eu estou tendo uma overdose de açúcar aqui. - Zelena perguntou, revirando os olhos.

- Acho que já aproveitaram bastante, vamos até lá. - Ruby disse e foram.

- Desculpe interromper o momento filme de romance dramático de vocês, mas tem gente aqui querendo falar com a nossa mulher bomba também. - Zelena brincou e recebeu um olhar reprovador de Regina.

- Emma Swan, eu só não te mato porque você não morreu, se tivesse morrido eu mataria você. - Ruby disse e todos riram.

- Eu não entendi nada, mas vou levar isso como uma declaração de amor. - Emma brincou e abraçou a amiga. - Me desculpe fazer vocês passarem por isso. - Disse abraçando os outros amigos.

- Está tudo bem agora, Emma, o importante é que você está bem. - Belle disse lhe oferecendo um sorriso cheio de ternura. - E você foi muito corajosa.

- Ninguém me elogia, eu também ajudei. - August resmungou cruzando os braços.

- Awn, meu amor, você foi incrível hoje. - Belle disse com uma voz manhosa, apertando as bochechas do namorado.

- Você parece um bebezão, August. - Ruby provocou.

- Parece tanto um bebezão que deve acabar com os seios da Belle. - Zelena brincou e todos riram, menos Belle que agora parecia um pimentão.

- Emma? - A loira ouviu sua voz ser chamada e virou-se para ver quem era.

Era Graham.

- Oi, Graham.

- Você está bem? Eu acompanhei tudo pela tv.

- Estou, obrigada pela preocupação. - Foi sincera.

- Eu posso te levar pra casa se quiser, você deve estar cansada. - Ofereceu, não havia segundas intenções nas palavras dele e Emma percebeu isso.

- Eu agradeço, Graham, mas, - Entrelaçou sua mão na de Regina. - Eu já tenho quem me leve para casa.

O homem olhou para as mãos juntas das mulheres e sua ficha caiu.

- Certo, fique bem. - Disse e saiu.

- Wow, vocês viram a cara dele? - Ruby perguntou.

- Cuidado com o falso. - Zelena disse e todos riram.

- Podemos ir pra casa? Eu estou exausta. - Emma pediu, encostando sua cabeça no ombro de Regina.

- Claro, vamos. - A morena disse. - Alguém quer carona? - Perguntou.

Todos negaram e agradeceram. Emma se despediu dos amigos com a promessa de que não colocaria a vida em risco no caminho para casa. Caminharam de mãos dadas até o carro e seguiram para a casa da loira. O dia havia sido exaustivo, mas valeu a pena cada segundo dele, pois agora aquelas duas mulheres estavam prontas para iniciarem sua jornada juntas.


Notas Finais


Aeeeeeê, acabou a angústia! Finalmente esse beijo saiu né mores.
Mas já vou avisando que o que está por vir talvez não agrade vocês rsrs 💜

Link da música: https://youtu.be/NmCFY1oYDeM

Deixem suas opiniões.

Volto logo!

Bjão 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...