História Love of a Vampire - Capítulo 19


Escrita por: ~ e ~PotatoDesu

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Akashi Seijuro, Alexandra Garcia, Aomine Daiki, Chihiro Mayuzumi, Himuro Tatsuya, Kise Ryouta, Kiyoshi Miyaji, Kotarou Hayama, Kuroko Tetsuya, Makoto Hanamiya, Midorima Shintarou, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Nijimura Shuuzou, Personagens Originais, Reo Mibuchi, Riko Aida, Shoichi Imayoshi, Shougo Haizaki, Takao Kazunari, Yukio Kasamatsu
Tags Akashi, Aomine, Bishounen, Deredere, Haizaki, Harem, Hayama, Himuro, Imayoshi, Kise, Kuroko, Kuroko No Basket, Makoto, Midorima, Murasakibara, Nijimura, Takao, Tsundere, Vampiro, Vampiros, Yandere
Exibições 28
Palavras 8.073
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Harem, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 19 - 18 - Um aviso


Fanfic / Fanfiction Love of a Vampire - Capítulo 19 - 18 - Um aviso

Pov-Juria

Ouvi o som do meu despertador e abri os olhos com preguiça. O desliguei e olhei para a tela do celular, eram sete horas. Cocei os olhos e me levantei, me espreguiçando. Olhei ao redor, já estava claro. Suspirei, já era segunda e eu não queria ir para o colégio, e eu não queria ir, principalmente por causa do que tinha acontecido no último dia.

O Girafa tinha me beijado, e ele era a pessoa de quem eu menos esperava algo assim, sempre pensei que ele gostava da Akane, mas não... Ele tinha me beijado, e também teve aquela conversa no carro.... E depois no apartamento, eu morreria se ele passasse a noite aqui, e trancaria a porta do meu quarto antes.

Bufei e dei de ombros. Andei até meu guarda-roupa e peguei o uniforme. Sai do quarto, fui ao banheiro, tomei um banho, fiz minha higiene e vesti o uniforme. Quando sai do banheiro, fui para a cozinha, e me lembrei de que haviam sobrado alguns dangos dos que eu tinha feito ontem. Abri a geladeira e peguei o prato, ainda tinham cinco dangos.

Fechei a geladeira e fui para a sala, a porta do quarto da Akane ainda estava fechada, mas eu podia ouvir um som baixo vindo de lá, então já estava acordada. Me sentei no chão e coloquei o prato sobre a mesinha de centro. Peguei um dos dangos e liguei a televisão, procurando algo para assistir, e parei em um canal, estava passando uma matéria sobre a banda dos garotos. Coloquei o controle no sofá e fiquei prestando atenção enquanto comia os dangos.

A apresentadora estava falando sobre a rápida difusão da imagem deles, e sobre o fato deque a cada dia, o número de fãs crescia. Bufei, aquelas garotas eram irritantes. Eles eram atenciosos com as fãs, pelo o que foi dito, mas sempre que estávamos junto a eles, não parecia, como no shopping, quando saímos correndo, Takao-kun tinha dito que não queria que interferissem, talvez... Fosse por causa do que aconteceu nos últimos dias? Faria sentido, mas mesmo assim... As fãs sempre estavam atrás deles, em qualquer lugar, até no prédio.

A porta do quarto de Akane se abriu. Olhei na direção dela, já estava com o uniforme.

-Ohayo. -Falei.

-Yo...

-Quer dangos?

-Não... -Ela olhou para a televisão.

Olhei para a televisão também, a “matéria”, ainda estava passando, mas a apresentadora tinha parado de falar, estavam passando apenas fotos dos garotos, um a um, eram fotos profissionais, eles ficavam ainda mais bonitos. Espere, o que estou pensando? Balancei a cabeça, voltando a olhar para a televisão.

-Midorima ficou bonito nessa foto, não acha? -Akane se sentou ao meu lado.

-É...

-Já se decidiu quando vai se declarar?

-N-Não tem o que eu declarar.

-O seu amor por ele. E por favor, não venha com aquela conversa de que eu gosto do Akashi, você não vai escapar.

-.... Mas você gosta dele.

-Não gosto dele.... Somos só amigos, eu não gosto de ninguém da realidade. Só de personagens 2D.

-Vou fingir que acredito.

-Voltando ao assunto, quando?

-Akane, pare de insistir nisso.

-Não, você gosta dele e ele de você. Eu não posso fazer nada. E sabe, Izaya-senpai está certo, humanos são muito interessantes.

Bufei e ela se levantou sorrindo, e foi para a cozinha. Voltei a comer meus dangos, ela só me confundia ainda mais. Desde criança ela teve essa implicância com o Mido-kun, sempre falava que eu gostava dele, quando éramos só amigos, e nada mais, mas depois do beijo.... Parecia que estávamos mais distantes, aquilo era estranho e me incomodava, não que o beijo não tivesse sido bom, mas o fato de que não conversávamos mais como antes, parecia até que tínhamos nos tornado apenas colegas. Queria voltar a conversar com ele como antes, mas era impossível, eu podia tentar, já que ele nunca daria a iniciativa de uma conversa, porque ele um tsundere, e nisso, a Akane estava certa, mas... E quanto aos meus sentimentos por ele? Eu não sabia o que sentia, por nenhum deles, mas os sentimentos eram tão.... Parecidos, como se de algum modo, eu sentisse a mesma coisa por todos, mas de formas diferentes. Suspirei, nada daquilo era normal, eu era uma grande idiota.

Akane saiu da cozinha e se sentou no outro sofá. A olhei e então voltei minha atenção ao meu prato de dangos, só tinha mais um. O peguei e comecei a comer, e quando terminei, me levantei e coloquei o prato na pia da cozinha. E voltei para a sala, a televisão tinha sido desligada. Me sentei novamente e olhei para Akane, parecia séria.

-Aconteceu alguma coisa? -Perguntei.

-Nada, só cansei daquela coisa chata e desliguei. Onde já se viu, ficar falando do meu cunhado...

-A-Akane! -Senti meu rosto um pouco quente.

-O que?

-Chega por hoje...

-Está de mal humor.

-Talvez eu esteja.

-Hm.... Tanto faz. -Ela se deitou no sofá e pegou o celular do bolso, então me olhou. -Juria, para quem você estava mandando mensagens ontem?

-.... Para o Tats-kun.

-Certeza? Você ficou bem.... Alegre ao receber a primeira.

-N-Não fiquei, e sim, era ele.

-Hm.... Não pareceu. -Ela falou e eu desviei o olhar. -Nem vou falar o que eu pensei, okay?

-Ahn?

-Mensagem, você feliz, pessoa de cabelo verde que não vou falar o nome.

-Eu estava falando com o Tats-kun.

-Traindo o Midorima.... Você não tem vergonha disso?

-Eu não estou traindo ninguém! Eu não estou namorando com o Mido-kun e eu estava apenas conversando com o Tats-kun, nada de mais!

-Mas está saindo com o Midorima.

-Não estou saindo com o Mido-kun.

-Sim, está saindo com o Midorima, o Shin-chan, o Mido-kun, o Midorimachii, o Shintaro. Pode escolher como quer chama-lo, mas está saindo com ele.

-Não estou saindo com ele.

-Está noiva então?

-N-Não!

-Contanto que eu seja convidada para o casamento, faça o que quiser. -Ela suspirou.

Bufei, me levantando. Fui para o meu quarto e procurei pelo meu celular, ele estava na pesa de cabeceira, o peguei, havia uma notificação. Cliquei para ver, era uma mensagem do Takao-kun.

“Yo, Ju-chan! Bom dia! Como está? Estou com saudades, não vejo a hora de irmos para o colégio, quero te ver logo > < “

Senti minhas bochechas corarem, ele tinha mesmo escrito aquilo? Takao também não estava ajudando nem um pouco, só o Mido-kun e o Tats-kun estavam “calmos”, mas Kise-kun, Takao-kun e Aomine-kun, nem um pouco.

Suspirei e me sentei na cama, não podia deixar Akane ver aquela mensagem, mas também não podia deixar Takao sem uma resposta. Respirei fundo e digitei.

"Yo Takao, bom dia. Estou bem, daqui a pouco já vou para o colégio. ”

Demorou cerca de segundos e meu celular vibrou, ele tinha respondido.

"Ju-chan, não seja tão "seca", está até parecendo a Ki-chan"

Suspirei e enviei outra mensagem.

"Gomen, não foi minha intenção"

"Certo então.  :p "

Acabei rindo um pouco por causa do emoticon, e me levantei. Voltei para a sala, Akane continuava lá.  Olhei para meu celular novamente, eram sete e quarenta e cinco. Me sentei no outro sofá e Akane me olhou.

-O que aconteceu? -Ela perguntou. -Você está corada...

-Ahn... N-Não aconteceu nada...

-Sei...

Fiquei em silencio, não podia continuar corada, eu não devia nem ficar corada, se continuasse assim, ia ter problemas, principalmente se isso acontecesse perto da Akane. Continuamos mais um pouco em silencio. Peguei meu celular, faltavam cinco minutos para as oito. Me levantei e ela me olhou.

-Vamos? -Perguntei.

-Claro...

Andei até a porta, mas como as chaves estavam com Akane, a esperei.

-Ande logo, Akane. -Falei.

-Pare de ser tão chata, sei que está ansiosa para ver o Makoto...

-O que?! Fala sério, até o Makoto agora?!

-Já que não assume o Midorima... -Ela deu de ombros.

-Ninguém merece...

-Foi engraçado o dia em que ele ficou te encarando.

-F-Foi assustador!

-E engraçado. -Ela abriu a porta e me deu passagem.

-Não foi não.

Sai e fui para o elevador, o “chamei”, e demorou um pouco até ele se abrir, para minha felicidade, estava vazio, se eu visse aquela garota do segundo andar novamente, acabaria jogando ela no elevador. Suspirei e entrei. Apertei para que fossemos para o saguão, e ele se fechou. Olhei para Akane, eu estava sem assunto, ela estava estranha e não me falava o motivo. Suspirei.

O elevador se abriu novamente, estávamos no saguão. Saímos dele, e em seguida, do prédio.

-Vamos a pé, ou de taxi? -Perguntei.

-Não estou afim de andar em um carro com um desconhecido...

-.... Okay.

-Se quiser pegar um taxi, eu pago para você...

-Não, eu prefiro ir com você.

-Okay.... Procurou coisas relacionadas a signos?

-.... Não.

-Pelo que vi, câncer e virgem tem uma boa compatibilidade.

A olhei, por quanto tempo continuaria com aquilo? Já estava começando a me irritar. Continuamos andando em silencio, até chegarmos ao colégio. Encarei o portão em silencio, e entrei. Olhei ao redor, não tinha nem sinal dos meninos, só várias pessoas em seus “grupinhos”.

-Ohayo, Akane-san, Juria-san. -Ouvi uma voz ao nosso lado.

Dei um pequeno pulo e olhei na direção, Kuroko-kun estava ali.

-O-Ohayo, Kuroko-kun...

-Yo, Kuroko.

-Acabaram de chegar?

-S-Sim... -Falei. Ainda estava um pouco assustada, Kuroko-kun conseguia aparecer do nada, e eu ainda não tinha me acostumado a isso.

-Vamos? -Ele falou.

-Claro.

Começamos a andar. Era bom andar com ele, não era tão mais alto do que eu (só cerca de vinte centímetros) e era simpático, mesmo não falando muito com ele, pelo menos éramos amigos, e não havia chance alguma de passar disso. Pelo menos quanto a uma pessoa eu tinha certeza que tudo continuaria como foi no passado, e o Musa-chan.

-Kuroko-kun?

-O que foi, Juria-san?

-Você sente saudades da Momoi-chan?

-Sim.

-Queria que ela voltasse...

-Também, Momoi-san era uma grande amiga.

-Concordo.

-A Momoi faz falta mesmo... -Akane disse.

-Sim...

Suspirei. Não demorou e tínhamos chegado a sala. Entramos e fomos para nossos lugares, apenas Musa-chan estava lá, dos nossos amigos.

-Yo, Ju-chin, Aka-chin.

-Yo, Musa-chan!

-Yo, Murasakibara.

Me sentei e olhei ao redor, Makoto e Haizaki estavam lá, pareciam estar conversando. Desviei o olhar, eles ainda me davam medo, principalmente o Makoto, por sorte, parecia que o Haizaki não implicava tanto comigo. Olhei para a porta e fiquei a encarando, até que vim um cabelo loiro entrando. Sorri, eles finalmente haviam chegado. Kise-kun nos olhou e abriu um largo sorriso.

-Yo, Juriachii! Akanechii!

-Yo, Kisechii...

-Yo, Kise-kun.

Ele foi para o seu lugar, ainda sorrindo. Voltei a olhar para a frente, os meninos entraram e sentaram-se em seus lugares. Os olhei, pareciam normais, estranhamente normais, mas eu não sabia se era algo bom, ou não. Olhei para Mido-kun, estava sério como sempre, só que parecia distraído. Sorri de canto e me virei, ficando de frente com ele. Levei minha mão aos seus óculos e os tirei, ele arregalou um pouco os olhos, corando de leve. Ri um pouco.

-O-O que você está fazendo, Juria?

-Só estou vendo os seus óculos. -Falei colocando-os, tinha um grau.... Alto.

Tentei focar meu olhar em algo, mas tudo ficava um pouco embaçado. Olhei novamente para Mido-kun, parecia estar forçando a vista para me olhar. Ri um pouco.

-Juria, devolva-os...

-Espera, só mais um pouco.

-Juria. -Ele suspirou.

Tirei os óculos e entreguei a ele.

-O grau é mais alto do que eu imaginava...- Sorri.

Ele pegou os óculos e os colocou novamente, estava um pouco corado. Ele desviou o olhar, ri de leve, estava.... Fofo.

Ouvi passos, então olhei para a porta, o professor Ulquiorra havia entrado na sala. Voltei a me virar para a frente. E ele foi para sua mesa, onde colocou seu material. Fiquei em silencio.

-Preciso que dois alunos busquem quinze livros, algum de vocês se candidata?

Continuei em silencio, enquanto vários alunos se ofereciam. O professor pegou uma folha e a olhou.

-Juria e Ashuk? Poderiam pega-los para mim?

Ashuk? Quem era Ashuk? Uma garota se levantou, parecia baixinha. Tinha cabelos castanhos, um pouco encaracolados e olhos da mesma cor, parecia simpática. Me levantei também.

-Iguais a este, por favo. -Ele mostrou um livro, na capa, havia uma foto do que parecia ser uma construção grega.

-Okay. -A menina respondeu.

Comecei a andar e ela também. Ashuk foi na frente e abriu a porta da sala, parecia animada. Saímos, ela era pouco menor do que eu. Começamos a andar, ela me olhava.

-Então.... O seu nome é Juria, ne? -Ela perguntou.

-Sim, e o seu é Ashuk, certo?

-Sim... -Ela me abraçou. -Você e fofa.

-A-Ahn.... O-Obrigada.... Eu acho... -Corei um pouco.

Ela me soltou, sorrindo. Sorri de volta e voltamos a andar, era estranha, mas parecia ser legal, até lembrava a mim mesma. Ri um pouco, e ela me olhou.

-Posso te chamar de Juria-tan?

-Ahn.... Claro. -Falei e ela sorriu. -Mas só se deixar eu te chamar de Ashuk-chan.

-Certo então.

Talvez pudéssemos acabar virando amigas, eu estava sem Momoi-chan, e a Akane estava estranha. Ashuk, por outro lado, parecia ser bem parecida comigo, podíamos nos dar bem.

Sorri também e ela parou de andar.

-A sala é aqui. -Ela falou.

-Ah, eu tinha me esquecido, só vim aqui uma vez.

-Não tem problema. -Ela riu.

-Ela abriu a porta e entramos, olhando por todos os lados, a procura dos livros.

-Como era a capa mesmo? -Ela perguntou.

-Tinha uma espécie de construção grega.

-Certo...

Procurei mais um pouco, até encontrar.

-Achei. -Falei sorrindo.

Ela me olhou e sorriu. Peguei um pouco dos livros e a entreguei, e peguei o resto, pela primeira vez, poderia carregar a maior parte, era a vantagem de andar com pessoas menores do que eu. Saímos da sala, e com muito custo, consegui fechar a porta com meu pé. Então comecei a andar, os livros eram mais pesados do que pareciam, mesmo que fossem só cerca de oito ou nove. Suspirei e Ashuk-chan me olhou.

-O que aconteceu? -Ela perguntou.

-Nada, só que os livros são muito pesados.

-Ou você está se sentindo fraca porque não está com o seu namorado? -Ela sorriu.

-M-Meu namorado? -Senti minhas bochechas ficarem quentes.

-É, aquele de cabelo verde.

-N-Não! Somos só amigos!

-Você pegou os óculos dele hoje, e ele ficou vermelho, outro dia, ele passou a mão na sua cabeça, e pelo visto, ele se preocupa com você...

-É-É que somos amigos desde pequenos... -Fiquei mais vermelha. -E-Espera... Como assim “Pelo visto ele se preocupa com você”?

-Ele gosta de você!

-N-Não!

-Vocês já se beijaram?

-N-Não...

Senti meu rosto ficar completamente vermelho, até uma desconhecida estava falando que eu e Mido-kun estávamos juntos.

-Mas me diga, você gosta dele?

-Não.... E-Ele para mim, é só um amigo... -Falei e ela virou o rosto. -.... O que foi?

-Você não está assumindo.

-Não tem o que eu assumir.

-Que você gosta dele como ele gosta de você.

-Já não basta a Akane e agora você também?

-Quem é Akane?

-A garota que eu sempre estou junto, de cabelo laranja, ela é minha prima.

-Mas.... Aka quer dizer vermelho...

-Eu também nunca entendi isso, acho que quando ela era menor, o cabelo era mais escuro.

-Você devia faze-la pintar o cabelo, para combinar, que nem os seus amigos. -Ela sorriu e eu ri um pouco.

-Acho que ela iria querer me esganar se eu falasse isso.

-Então... -Ela suspirou. -Já que você não tem nada com o Midorima-kun, você não se importaria se eu pedisse para sair com ele, né?

-O que?! -Olhei para ela com os olhos um pouco arregalados.

-É, já que vocês são só amigos...

-A-Ahn.... B-Bem...

-Sabia! Você gosta dele!

-E-Eu não gosto dele! Só que ele é meu amigo...

-Você ficou com ciúmes, essa é a prova.

-Ciúmes como amiga.

-Como futura namorada.

-Não, apenas amiga.

-Sei... -Ela sorriu de canto. -Mas de qualquer modo, era brincadeira, ele não faz o meu tipo.

-O-Okay...

Continuamos andando, e não demorou para que chegássemos na sala. A porta estava aberta, então entramos, o professor estava vendo alguns papeis em sua mesa. Fomo até ele e deixamos os livros lá.

-Obrigado. -Ele se levantou. -Organizem-se em duplas, cada uma usará um livro.

Droga, com quem eu ia sentar? Olhei para os meninos um pouco nervosa e fui para meu lugar. Kise-kun me olhou e então olhou para Aomine-kun.

-Ju-chan! -Takao-kun colocou sua mesa junto a minha. -Vamos fazer uma dupla, certo? -Ele disse sorrindo.

-C-Claro.

Olhei para a frente, e notei uma coisa, Kuroko-kun estava com a Akane, aquilo era estranho, ela sempre sentava com o Akashi, o Aomine-kun ou o Imayoshi, então aquilo era um pouco estranho. Suspirei e olhei para minha mesa, eu ainda não tinha pego meu material. Me virei e peguei o caderno e o estojo, que estavam na mochila, e os coloquei sobre a mesa. Voltei a olhar para a frente, em silencio.

-O que aconteceu, Ju-chan?

-Nada...

-Está estranha...

-Não é nada. -Falei sorrindo.

-Se você diz... -Ele sorriu também.

-Posso fazer um desenho no seu caderno?

-Ahn... Claro.

Peguei o caderno dele e um lápis, fui até a última página e comecei a desenhar, sem deixa-lo ver. Eu estava com um sorriso no rosto, e Takao-kun tentava espiar de todas as maneiras possíveis. Não demorou muito e eu terminei, e mostrei a ele, sorrindo.

-Um unicórnio em chibi! -Falei.

Ele olhou para o desenho e começou a rir. Sorri, colocando o caderno em sua mesa.

-Por que um unicórnio, Ju-chan?

-Eu amo unicórnios. -Ele ficou me encarando em silencio. -Que foi? -Perguntei rindo.

-Eu não esperava por isso...

-Por que não? Nunca notou minha “pequena” fascinação por unicórnios?

-.... Não, sempre pensei que fosse uma brincadeira.

-É que unicórnios são fofos.

-.... Só, não faz sentido, Ju-chan.

Fiz bico e ele voltou a ficar em silencio. Olhei para a frente e então para o professor, estava mexendo em alguns papeis. Olhei para meu caderno.

-É mais divertido rabiscar o caderno do Mido-kun...

-E-Eh?! Do Shin-chan?

-É... Ele não crítica meus unicórnios...

-Ei, eu não critiquei, só disse que é estranho você ter essa obsessão por eles.... Você prefere o Shin-chan.... -Ele fez bico.

-Eu não falei isso!

-Mas pensou.

-Não pensei não.

-Você que disse que prefere o Shin-chan.

-Eu não falei isso, falei que prefiro rabiscar o caderno dele.

-E que gosta mais dele.

-Eu nunca disse isso...

-Mas quis dizer...

-N-Não! -Senti minhas bochechas ficarem vermelhas. Ele sorriu.

-Isso quer dizer que prefere a mim?

-E-Eu também não disse isso...

-Ju-chan gosta mais de mim do que do Shin-chan!

-T-Takao-kun! E-Eu não falei isso!

-Ouviu isso, Shin-chan?

-T-Takao-kun! -Fiquei completamente corada.

-Eu sei a verdade, Ju-chan, que você ama só a mim.

-A-Ahn... -Eu não podia negar, mas falar que aquilo era verdade, seria errado, porque, nenhuma das duas, era certa.

Ele continuou me olhando, mas já não sorria. Eu não sabia o que responder. Olhei para o professor, estava entregando os livros, colocando um para cada dupla. Fiquei em silencio, até ele passar pela nossa mesa, e colocar um dos livros. Olhei para Takao-kun, estava olhando para o outro lado da sala, mais especificamente, para aqueles dois. Voltei a olhar para Takao-kun, estava sério.... Coloquei uma mão em seu ombro.

-...Takao-kun?

-Huh? -Ele me olhou.

-Tudo bem?

-Sim.... Eu acho.

-O que aconteceu?

-Nada...

-.... Tem certeza?

-Sim. -Ele sorriu.

-Okay. -Sorri de canto.

-Vamos começar? -Ele olhou para o livro.

-Vamos.

Olhei para o professor, estava sentado, e tinha escrito algo na lousa, números. Eram a página e os exercícios que devíamos fazer, certamente tinha feito isso para que todos pudessem ver. Takao-kun estava procurando a página, e eu em silencio.

-Aqui. -Ele colocou o livro no meio de nos dois. -São essas, certo?

-São. -Olhei para o livro;

-Vamos começar então. -Ele falou um pouco animado.

Assenti com a cabeça e começamos a fazer a lição, estava meio complicada, mas conseguimos fazer, só tínhamos demorado. Takao-kun demorava um pouco para entender, e eu tinha que explicar a ele, mas tínhamos terminado, isso era o importante. Esperamos um tempo e o professor passou, vendo os cadernos.

Ficamos em silencio até o sinal tocar.

Nos levantamos e saímos da sala. Fomos para o terraço, onde nos sentamos, conversamos um pouco, até o sinal tocar novamente, então voltamos para a sala, teríamos aula com o Szayel, e finalmente saberíamos quem seriam as nossas duplas. Eu estava um pouco nervosa, haviam muitas opções, boas e ruins.

Eu já estava sentada em meu lugar quando o professor entrou, e não demorou para todos os alunos entrarem também. O professor colocou seu material na mesa e pegou uma folha, provavelmente com os resultados da prova. Entrelacei os dedos, estava nervosa. Meu parceiro, ou parceira, poderia ser qualquer um da sala. Poderia até ser..... Não, ele não, qualquer um menos o Makoto. Olhei para Akane, queria muito que fosse ela minha dupla ou até a Ashuk-chan, até o Akashi era aceitável, mesmo que eu corresse risco de vida, seria melhor que o Makoto.

-Vou anunciar as duplas resultantes dos testes da última aula. -O professor anunciou e eu suspirei nervosa. -Lembrem-se, seus parceiros de laboratório não são facilmente substituíveis, mas caso haja necessidade, eu reformularei as duplas.

Aquilo foi um grande alivio, mesmo vindo dele. Mas era melhor que nada. Ele suspirou e eu fiquei esperando. Ele começou a falar as duplas, e eu ouvia atenta.

Tats-kun iria com Musa-chan, era bem irônico, eles eram grandes amigos.

Aomine-kun e Kise-kun, também muito irônico.

Mido-kun e Takao-kun, o que me deixou bastante surpresa, não que eu achasse o Takao-kun burro, de jeito nenhum, mas Mido-kun era.... Um nerd. Realmente esse teste não tinha sentido, a não ser que Takao-kun tivesse “chutado” muito bem as questões e acertado a maioria. Suspirei, e continuei a ouvir.

Depois, Kuroko e Akane, outra dupla que me surpreendi. Era bem estranho os dois como uma dupla, mas diferente do Takao-kun, os dois tinham boas notas. 

A outra dupla foi Akashi e Imayoshi, era uma dupla bem sinistra, pelo menos eu já saberia longe de quem eu sentaria.

Eu estava nervosa novamente, faltava apenas eu. Continuei em silencio, até que ouvi meu nome.

-Juria e Ashuk.

Me segurei o máximo possível para não gritar de alegria, eu não ficaria com um desconhecido, nem com um conhecido que eu não queria ter conhecido. Até parecia que o professor Ulquiorra tinha nos chamado de propósito. Sorri animada, e o professor continuou falando as duplas. Olhei para onde Ashuk-chan sentava, ela estava me olhando também. Sorri para ela e ela sorriu de volta.

-Vamos para o laboratório agora, peguem um caderno e uma caneta. -O professor falou.

Suspirei e peguei o caderno e o estojo. Os alunos se levantaram, levantei-me também e começamos a andar. Olhei ao redor, procurando por Ashuk-chan, ela parecia estar um pouco para trás. Saímos da sala e eu continuei procurando por Ashuk-chan, até que a vi, andando em minha direção, com um sorriso no rosto. Sorri também.

-Ohayo Ashuk-chan!

-Ohayo! -Ela parou ao meu lado e começamos a andar juntas. -Estou tão feliz, Juria-tan.

-Por que?

-Somos uma dupla.

-Pois é, fiquei bem feliz também.

-Eu sei que você ia querer ir com um dos seus amigos, mas eu fui a escolhida.

-Mas você é minha amiga.

-Não de infância.

-Mas não deixa de ser, e para ser sincera, queria que fosse você.

Ela sorriu, sorri de volta, e voltei a olhar para frente, continuando a andar. Olhei para meu outro lado, Kise-kun estava lá. O olhei e ele olhou para mim, sorrindo. Sorri de volta, corando um pouco e desviei o olhar, olhei novamente para Ashuk-chan, ela estava olhando para a frente. Olhei para frente também, o mais difícil de encarar era o Kise-kun, ele tinha dito que me amava, o que me deixou ainda mais confusa. Suspirei.

Continuamos andando e fomos no mesmo andar da sala de culinária, paramos na sala ao lado. O professor abriu a porta e os alunos entraram, Ashuk-chan foi "correndo" na minha frente, para se sentar em uma das bancadas da frente. Suspirei e fui atrás dela. Me sentei ao seu lado, os outros alunos foram entrando, e nós estávamos na segunda bancada desde a parede. Olhei para o lado, Akashi e Imayoshi estavam sentados ali, aquilo não daria certo. Com tantas bancadas, por que Ashuk-chan tinha que escolher justo aquela? Olhei para o outro lado, estava uma garota e um garoto, que eu não conhecia. Olhei para trás, Mido-kun e Takao estavam lá, o que me surpreendeu um pouco. Takao-kun sorriu para mim e eu sorri de volta.

-Certo, certo, todos se lembrem de seus lugares. -Ouvi a voz do professor, e me virei para a frente, ele estava em pé. Todos os alunos ficaram em silêncio. -Hoje vou passar uma pequena revisão sobre alguns reagentes.

Suspirei e comecei a prestar atenção nele, até que ele terminou de explicar a parte teórica. Quando ia começar a passar as comandas para o experimento, o sinal tocou. Todos começaram a se levantar, me levantei também. Todos saímos do laboratório, Ashuk-chan continuava ao meu lado.

-Onde você fica no intervalo? -Perguntei.

-Com meu irmão.

-Não sabia que você tinha um irmão, quem é?

-O Kaduk, aquele. -Ela apontou para um garoto um pouco a nossa frente. Era um pouco maior do que eu, parecia uma versão masculina dela. Ri de leve.

-Ele se parece muito com você, até no nome.

-Somos gêmeos. -Ela riu.

-Ele é da nossa sala, não é?

-Sim.

Sorri de canto e olhei para o lado, Akane estava lá. Ela me olhou também, e em seguida a Ashuk-chan. Continuei olhando para ela.

-Vai me trocar por alguém menor que você? -Ela perguntou.

-Claro que não. -Falei rindo.

-Qual seu nome? -Ela falou e Ashuk-chan olhou para ela.

-Ashuk.

-...Ashuk, agora é sua responsabilidade faze-la se declarar ao Midorima.

-Q-Que?! -Senti minhas bochechas corarem, e Ashuk-chan sorriu. -N-Não! Nem pensem nisso!

-Pode deixar, Juria-tan e ele ficarão juntos.

-Ashuk-chan!

-Pronto. -Akane suspirou. -Não vou mais te "irritar" com isso do Midorima.

-Vou fingir que acredito. -Suspirei.

Continuamos até chegarmos na sala, mas estávamos em silencio. Entramos. Coloquei o meu material em cima da minha mesa e fiquei esperando os outros para sairmos da sala juntos. Eles não demoraram, e Ashuk-chan saiu antes junto com o irmão. Akane e eu saímos junto com os meninos, e ela estava ao meu lado mais uma vez.

-"Vai me trocar"...É sério? -Perguntei.

-Você ficou bem intima daquela garota...

-Ela é bem simpática, foi bem fácil fazer amizade.

-Notei.... Até sabe sobre o Midorima.

-.... Ela achou que éramos...É....

-Namorados.

-É-É....

-Sabia que não era a única que ia notar o que tem entre vocês...

-Não começa, o assunto não é esse.

-Okay, mas eu já disse, não vou mais implicar com isso...

-Finalmente.

-Você tem a Ashuk para isso agora.

-Não vai me dizer que está com ciúmes? -Sorri.

-Não. Fico até feliz, agora você pode ir com ela na casa dos meninos e me deixar no apartamento, assistindo anime.

-É... Não.

-Não vai demorar e você nem se lembrará de mim.

-É, eu não vou lembrar da pessoa que eu vejo todo dia e que mora junto comigo.

-Primeiro, você é quem mora comigo. E nunca se sabe, eu posso me mudar.

-O tio Yahiko vai deixar mesmo...

-Eu posso ir morar com ele.

-.... Não.

-Sim.

-Não.

-Você não vai dar importância.... Vai estar morando com seu marido.

-Você disse que não ia mais falar disso.

-Não citei nomes.

-Mas eu já entendi a referência.

-Não teve referência nenhuma, eu só falei "marido", se você pensou em alguém, não tenho culpa.

Bufei e continuamos a andar até o terraço, quando chegamos, Takao-kun e Kise-kun já não estavam mais conosco. Conversamos um pouco, até que eles chegassem. Sorri, estava com fome. Eles entregaram os lanches e eu abri o meu, comendo em silêncio, enquanto os meninos conversavam entre si. Era bom vê-los conversando, sem estar em destaque, como normalmente acontecia quando falava com o Kise-kun ou o Takao-kun, as vezes me incomodava. Depois de terminar o lanche, continuei em silêncio, apenas ouvindo a conversa dos meninos, até o sinal tocar novamente.

Suspirei e me levantei, eu estava com preguiça e teríamos aula com o Barragan. Saímos do terraço, e ao chegarmos na sala, o professor não estava lá. Sorri de leve e me sentei, talvez ele fosse faltar. Guardei meu caderno, estava com quase certeza de que ele não iria e do nada, tinha ficado animada. Coloquei meu material todo na mochila e me sentei de costas para a parede. Olhei para Mido-kun e ele me olhou também.

-Por que guardou o material?

-Porque não vamos ter essa aula.

-Como tem tanta certeza?

-Intuição. -Falei sorrindo e ele me encarou sério. -O que foi? Eu tenho uma ótima intuição.

-Sei...

-Está duvidando de mim, Shintaro? -Perguntei com um sorriso sarcástico.

-É lógico, virgem é um dos signos com menos sorte hoje.

-Você vai se arrepender dessas palavras quando o vice-diretor passar por aquela porta falando que estamos dispensados. -Falei confiante.

-Ou você, quando o professor Ggio ou o Tesla entrar.

-Quer apostar?

-Não.

Ouvi passos e olhei rapidamente para a porta da sala, era o vice-diretor Gin. Sorri, olhando para Mido-kun, ele bufou. Olhei para frente novamente, Gin estava lá, em frente a todos.

-Olá alunos, hoje infelizmente o professor Barragan não pode vir e vocês serão dispensados mais cedo. -Ele explicou e eu sorri mais ainda.  -Arrumem suas coisas e já podem sair. -Ele sorriu e foi para a porta.

Peguei minha mochila.

-Um ponto para mim. -Falei olhando para Mido-kun.

-Sabe que não me importo com isso, não sabe?

-Vocês estão todos de mal humor hoje?

-Logico que não.

-Está parecendo, já é a segunda vez que vocês acabam com meu entusiasmo.

Ele me olhou e se levantou. Revirei os olhos e me levantei também. Começamos a andar, e saímos da sala, Mido-kun continuava andando ao meu lado. Olhei para ele de canto, estava olhando para a frente, sério como sempre. Suspirei, olhando para baixo. Olhei para o outro lado, Musa-chan estava lá, e eu me sentia menor do que de costume, era um péssimo lugar para uma pessoa com um metro e sessenta ficar. Suspirei e continuei até chegarmos na frente do colégio, eu estava com preguiça de novo.

Olhei em volta procurando a Akane, que estava atrás de mim. Olhei para ela, que olhou para Mido-kun e depois para mim. Corei um pouco e desviei o olhar.

-Vamos? -Ela perguntou suspirando.

-Vamos... -Olhei para os outros. -Até amanhã.

Kise-kun me olhou, um pouco triste. Forcei um sorriso, não me sentia bem ao vê-lo daquele jeito, dava um aperto no coração ver ele triste, mas eu não queria sair, apenas ficar no apartamento, estava muito confusa. Desviei o olhar e olhei para Akane, estava evitando o olhar também.

-Até. -Tats-kun disse.

Sorri de leve e comecei a andar. Olhei para Akane, que estava ao meu lado.

-O que aconteceu? Normalmente você até pediria para ir na casa dos garotos... -Ela perguntou.

-Estou meio indisposta hoje, quero dormir.

-Certo...

-Vamos de táxi? Eu não quero andar...

-Ache um taxi então...

Olhei em volta e vi um, estava um pouco longe, se aproximando de nós, parecia vazio. Fiz sinal e ele parou, confirmei então que realmente estava vazio. Sorri e olhei para Akane.

-Vamos? -Perguntei

-Sim. 

 Abri a porta de trás do táxi e entrei, Akane entrou em seguida. Olhei para o taxista, era o mesmo que outro dia, o reconheci pela cicatriz. Sorri, ele tinha sido bem simpático na última vez.

-Onde vão querer ir? -Ele perguntou sorrindo.

-No apartamento Sakamaki. -Falei.

-Certo.

Ele começou a dirigir e eu olhei pela janela, haviam vários alunos por lá, e a limusine dos garotos não estava mais. Suspirei. Fiquei em silêncio até chegarmos no prédio. Perguntei quanto havia ficado e o paguei, ele agradeceu e saímos.

Entramos no prédio e fomos para o elevador. Um homem de cerca de trinta anos saiu e nós entramos. Apertei para que fossemos para o quinto andar e as portas se fecharam. Continuamos em silencio até elas se abrirem novamente. Saímos e fomos para nosso apartamento.

Akane abriu a porta e eu entrei, ela entrou em seguida. Eu estava com fome, então deixei a mochila na sala e fui para a cozinha. Abri a geladeira, haviam alguns manjus que eu havia feito na noite anterior. Peguei-os e sai da cozinha, fui para meu quarto, peguei meu notebook e o coloquei na cama, antes de me sentar, lembrei que não havia me trocado.

Fui até o guarda-roupa e peguei as primeiras peças que achei, uma camiseta cinza larga, e uma bermuda roxa, que eu quase nunca usava. Me troquei e me sentei na cama. Liguei o notebook e peguei um manju, que comi enquanto esperava que ele ligasse. Olhei para a sua tela, estava na área de trabalho, e eu fiquei encarando meu papel de parede, continuava com aquela foto. Sentia saudade daquele tempo, quando éramos todos amigos, apenas amigos, nada além disso. Suspirei. Mexi um pouco no notebook enquanto comia os manjus, eles estavam gostosos, e eu tinha que me distrair um pouco.

 

Pov-Midorima

Eu estava no escritório do meu pai, vendo alguns papeis, já fazia um tempo que havíamos chegado a mansão, e tinha algumas correspondências que eu precisava ver, mas nada de relevante. Eu estava terminando de guardar uma pilha de cartas em uma das gavetas, quando meu celular tocou. Ele estava sobre a mesa, então o olhei, era o Nijimura ligando, o que me deixou um pouco surpreso. O peguei e atendi.

-Nijimura?

-Yo, Midorima.

-O que aconteceu? -Perguntei.

-Nada, só estou ligando para avisar que amanhã estarei de volta.

-Amanhã?

-Sim, vou desembarcar as quatro, aí.

-Certo...

-Como estão as coisas?

-Como sempre... -Eu não ia contar sobre as meninas, não por telefone.

-Okay, eu tenho que desligar. Até amanhã.

-Certo.

Ele desligou e eu suspirei. Coloquei o celular na mesa novamente, Nijimura iria voltar, e eu teria mais um com quem dividir a atenção da Juria, certamente seria problemático contar tudo a ele, apensar, que até eu havia aceitado, então ele acabaria também. Suspirei. Teria que contar aos outros sobre a volta dele, mas também avisar para que não contassem para as garotas, para que deixassem saber disso apenas quando fossemos busca-lo, porque caso contrário, elas ficariam alegres demais, principalmente a Juria. Suspirei, aquela situação estava complicada.

Me levantei e sai do escritório. Fechei a porta e fui para a escada, a desci e parei na sala, onde me sentei em um dos sofás, ninguém estava lá, mas eu podia ouvir barulhos, aparentemente vinham da cozinha.

Suspirei e me levantei. Fui até lá e abri a porta, a cozinha estava completamente suja de farinha. Bufei e olhei para Kise e Takao, ele estava caído no chão, rindo, e Kis sentado em uma das bancadas, também rindo. O forno parecia estar ligado. Os dois me olharam e em seguida, se entreolharam.

-Y-Yo... Shin-chan....

-Posso saber o que aconteceu aqui? -Falei.

-É-É..... Bem...

-Estou esperando. -Cruzei os braços.

-É que eu e Takaochii lembramos que a Juriachii tinha dado a receita do bolo que ela fez aquele dia para o Tatsuyachii, então decidimos tentar fazer... -Kise explicou. Os encarei em silencio. -Aí fizemos essa.... Pequena bagunça...

-Pequena...

-Não é tão grande assim Shin-chan.... -Takao olhou em volta. -Ahn...

-Quero que limpem tudo isso.

-Ah, Midorimachii... -Kise fez bico.

-E não quero que tenham ajuda.

-Mas, Shin-chan!

-Sem, "mas".

-Da um desconto Midorimachii, estávamos entediados...

-Não tenho culpa disso. -Os dois fizeram bico. -Vocês têm uma hora.

-O que?! É muito pouco! -Takao se levantou.

-Não importa.

-Shin-chan isso é injustiça!

-Vocês bagunçaram aqui em menos tempo. -Falei sério.

Sai da cozinha, ainda podia ouvi-los reclamando, mas não dei atenção, e fui para a sala novamente. A televisão estava ligada, e Himuro estava sentado em um dos sofás. O olhei, parecia concentrado no que estava assistindo, mas me olhou de canto, era difícil acreditar que ele havia beijado a Juria antes de mim.

-Aconteceu algo na cozinha? -Ele perguntou.

-Só o Takao e o Kise.... Como sempre.

-Eles pegaram aquela receita de bolo "escondido", já imagino a bagunça que deve estar lá.

-Exato.

Ele riu um pouco. Me sentei no outro sofá, olhando para a televisão. Ficamos em silêncio por um tempo, e eu me levantei, iria para a biblioteca. Himuro me olhou.

-Onde vai?

-Na biblioteca.

Ele ficou em silencio e voltou a olhar para a televisão. Suspirei e comecei a andar. Abri a porta da biblioteca e entrei, depois encostei a porta. Olhei ao redor, Akashi estava lá. Ele olhou para mim e eu fui até onde ele estava.

-Olá, Shintaro.

-Olá...

-O que está fazendo aqui?

-Procurando um lugar calmo.

-Fala isso por causa do Kazunari e do Ryota?

-Sim. -Suspirei.

Me sentei em um dos sofás, respirando fundo, não tinha o que fazer. Olhei ao redor, tudo ali estava em silêncio, a casa daquele jeito ficava estranha. Aomine provavelmente estava dormindo.

Normalmente, em um horário como esse, as meninas estariam aqui, mas Juria estava tão estranha, primeiro na sala quando pegou meus óculos e depois quando queria fazer uma aposta por causa do professor ter faltado, e ainda falou que eu estava de mal humor... E na hora de sairmos, ela sempre falava apenas "até", mas desta vez tinha falado "Até amanhã", como se não quisesse nos ver mais durante o dia, e aquilo não era nada comum vindo da Juria, ela sempre queria estar conosco, mesmo depois de tudo. Ela parecia não querer aceitar nossos sentimentos, como se tentasse "superar" o que tinha acontecido, agindo como antes, como se fossemos apenas amigos. Era bom, mas ao mesmo tempo, não. Eu não me sentia bem com aquilo, era como se estivesse forçando-a a gostar de mim, eu não entendia o que se passava na cabeça dela. Suspirei, as vezes ela me deixava confuso.

Fitei o teto, respirando fundo novamente. Por quanto tempo isso iria durar? E com o Nijimura lá.... Eu não sabia muito bem o que ele sentia em relação a Juria, mas esperava o pior. Eles eram muito próximos quando éramos menores, até demais. Balancei a cabeça, tinha que parar com aquilo, eu estava sentindo ciúmes sem mesmo o Nijimura ter voltado, era idiota.

-O que aconteceu? -Ouvi a voz de Akashi. O olhei. -Você parece preocupado. Está pensando na Kisuke?

-Não.... Exatamente. -Ele me olhou, arqueando uma sobrancelha. -Nijimura vai voltar amanhã.

-...E?

-Ele era muito próximo da Juria.

-E você está com ciúmes?

-Sim... -Suspirei, ele ficou em silencio. -É ridículo... -Sussurrei para mim mesmo.

-Não exagere, Tatsuya, Ryota, Kazunari e até o Daiki tem ciúmes delas.

Suspirei, ser comparado ao Takao não ajudava nem um pouco. Olhei para o relógio em meu pulso, eram quadro e trinta e seis, ainda não havia dado uma hora para aqueles dois limparem a cozinha   quando eu fui lá, era por volta de quatro horas. Suspirei novamente e me levantei.

Fui até uma das estantes e comecei a olhar os livros, procurando algum interessante, mas eu já tinha lido todos dali. Fui para as outras prateleiras, procurando com mais atenção, até que parei em frente a um, não me lembrava de ter lido ele. O peguei e voltei para o sofá, me sentei novamente. Li o resumo do livro, parecia com um que Juria tinha me contado.

Abri o livro e comecei a ler, continuei assim por um bom tempo, até ouvir a voz de Takao e Kise, e a porta da biblioteca se abriu. Olhei, os dois pareciam crianças, estavam completamente sujos com farinha.

-Terminamos, Midorimachii.

Olhei para o relógio, eram cinco e doze.

-Demoraram mais que uma hora. -Falei.

-Gomen, é que.... Estava mais bagunçado do que pensávamos. -Takao disse sorrindo, suspirei. -Acho melhor irmos agora...

-A propósito, o bolo está pronto.

-Certo...

-Queria que as meninas estivessem aqui para experimentar. -Kise falou.

-Podíamos chama-las.... Mas a Ju-chan estava estranha.

-Ela falou "Até amanhã”.

-Sim... Juriachii nunca fala "Até amanhã" depois do colégio, Akanechii até seria mais comum... -Assenti.

-Mas amanhã as duas vão vir aqui querendo ou não. -Takao disse.

-Como assim, Takaochii?

-Vamos chama-las, e elas não terão como recusar.

-Por que diz isso, Takao? -Perguntei.

-Porque hoje está um tédio sem elas aqui...

-Mas como você vai faze-las vir?

-Com nossa arma secreta... -Ele fez um pouco de suspense. -Kise! Se elas falarem que não querem vir, o Kise vai começar a chorar.

-Acho que irão ter um motivo real para virem amanhã. -Akashi disse.

-Como assim? -Takao perguntou, parecia confuso.

-Conte, Shintaro.

-Nijimura irá voltar amanhã.

-Nijimurachii? Sério?

-Sim.

-Isso é..... Uma boa notícia. -Ele fitou o chão.

-É... -Takao falou olhando para mim. -Né?

-Suponho que sim.

-Falou com ele em relação às meninas?

-Preferi não contar.

-Então ele vai descobrir só amanhã.

-Como acham que Nijimurachii vai agir?

-.... Eu não tenho ideia.

Ficamos em silencio.

 -Vamos contar as meninas ou vamos fazer uma "surpresa"? -Kise perguntou.

-Prefiro que contemos amanhã antes de irmos busca-lo.

-Que horas ele vai chegar?

-As quatro. -Olhei para Kise e Takao, pareciam pensativos. -Esqueçam isso por enquanto e vão se limpar, então vão poder comer o bolo.

-Hai! -Kise falou saindo de lá e Takao o seguiu.

Suspirei e a porta se fechou, estávamos apenas Akashi e eu lá novamente. Olhei para meu livro novamente e voltei a ler, estava bem avançado, eu lia rápido, já estava perto da metade. Continuei por um bom tempo, até que ouvi a porta se abrindo novamente. Olhei para ver quem era.

-Shin-chan, vamos logo!

-Já vou. -Falei suspirando.

-Certo. -Ele sorriu.

-Akashichii também! -Ouvi Kise gritando, provavelmente estava na cozinha.

-Eles pegaram mesmo essa receita da Kisuke? -Akashi perguntou.

-Sim.

-Parem de demorar, vamos logo!

Suspirei, me levantando, deixei o livro no sofá e fui até Takao, ele sorriu e saiu da biblioteca. Sai em seguida e fomos os três para a sala de jantar. Ele abriu a porta e entrou, entrei depois, Aomine e Himuro já estavam lá. Fui até meu lugar e me sentei. Aos poucos os outros iam chegando, faltava apenas Kise, e não demorou para ele entrar, estava com o bolo em mãos, estava com uma boa aparência, apesar de que um lado parecia maior do que o outro. Suspirou.

-Só ficou um pouco torto... -Kise falou se sentando.

-Mas garanto que está ótimo! -Takao disse sorrindo.

-Quer cortar, Takaochii?

-Claro.

-Acho melhor eu cortar. -Aomine disse.

-Por que?

-Porque você é você.

-Ei!

-É verdade, aceite isso. Aomine falou, pegando a faca, e cortou o bolo em pedaços. -Pronto. -Ele colocou a faca em cima da mesa.

-Posso pelo menos colocar nos pratos, já que não posso nem cortar?

-Não fazendo nenhuma bagunça.

-Certo!

Ele colocou os pedaços nos pratos e nos entregou. Olhei para o bolo, era de chocolate, bem previsível. Eu não gostava muito de doces, mas seria obrigado a comer. Suspirei e peguei um pouco, o levei até minha boca e experimentei, não estava tão ruim. Sorri de leve e olhei para os outros, pareciam ter gostado.

-Então? -Takao perguntou animado.

-Ficou bom. -Himuro disse e os dois sorriram.

-Não está ruim. -Aomine falou.

-Ahn... Obrigado? -Kise perguntou confuso e Aomine deu de ombros.

Voltamos a comer o bolo e eu continuei em silencio enquanto os outros conversavam. Quando Kise e Takao contaram que Nijimura iria voltar, todos ficaram em silencio.

-Mais um para ficar pegando no meu pé. -Aomine falou.

-Você parece que pede para isso, Aominechii.

-Olha quem fala...

-Eu não fiz nada Aominechii.

-Só beijou as duas.

-Você também! -Kise exclamou.

-Você foi antes.

-Isso não muda nada.

-É lógico que muda.

-Claro que não, não agora

-Kise, você só tem cara de certinho

-Isso não é verdade...

-Sei...

Eles ficaram em silêncio.

-Vai ser difícil explicar tudo para ele. -Takao falou.

-Ele vai ter que aceitar, né, Midorimachii?

Fiquei em silencio.

-...Shin-chan?

-Suponho que sim, mas não podemos força-lo a nada.

-É...

-Como vocês acham que ele vai reagir? -Himuro perguntou.

-Não sei, mas se até o Shin-chan aceitou ele vai aceitar também.

-É... Acham que Nijimurachii... Gosta das duas também?

-Ele conversava bastante com as duas... -Takao falou. Suspirei. -Mas só vamos descobrir quando ele chegar.

-É... -Falei.

Todos ficamos em silencio novamente, aquele era um assunto complicado, mas tínhamos que encarar a verdade. Respirei fundo e olhei para todos ali, pareciam pensativos. Terminamos de comer em silencio, e aos poucos, todos saíram. Sai também, e fui para meu quarto.

Entrei e fechei a porta. Seria bom tomar um banho, então fui para o banheiro. Liguei a torneira da banheira e me despi, quando terminei, a banheira já estava quase cheia. Fechei a torneira e entrei, a agua estava na temperatura perfeita. Respirei fundo, e fiquei um tempo apenas sentindo a agua, para depois me ensaboar. Quando terminei, lavei meu cabelo, e afundei minha cabeça na agua, para tirar o xampu do cabelo, e o sabão do corpo. Fiquei submerso por mais alguns instantes e só então, voltei a superfície da banheira, tirando o excesso de agua do cabelo.

Me levantei e sai da banheira, coloquei a toalha na cintura e sai do banheiro, encostando sua porta. Fui até meu guarda roupa e peguei uma calça jeans e uma camisa laranja. Me vesti e sentei-me em uma poltrona que havia ali.

Peguei meu celular, faltavam cerca de três horas para o jantar, e eu não tinha o que fazer. Pensei um pouco e me lembrei do livro que havia iniciado antes de ir comer o bolo, eu poderia lê-lo por um tempo.

Me levantei e sai do quarto. Fui em direção as escadas, quando estava no segundo andar, podia ouvir a voz de alguns na sala. Desci e vi que Aomine, Kise, Takao e Himuro estavam na sala. Os olhei de canto, estavam conversando. Fui para a biblioteca e entrei, não havia ninguém lá. Andei até a mesa onde havia deixado o livro, ele continuava lá. O peguei e o abri, na página que havia parado. Sai da biblioteca e encostei a porta, enquanto andava até a escada novamente, olhei para a sala, todos continuavam ali. Takao acenou para mim, sorrindo. Suspirei e comecei a subir a escada, voltando ao terceiro andar.

Entrei no meu quarto e voltei a me sentar na poltrona. Peguei o livro e continuei a ler até termina-lo. Peguei meu celular, eram nove horas. Suspirei, já estava na hora de ir jantar. Não demorou e ouvi batidas na porta. A olhei e me levantei. Fui até ela e a abri. Era um dos mordomos.

-Com licença senhor, o jantar já está pronto.

-Já estou indo. -Falei.

Ele se curvou e saiu. Deixei o livro sobre a cama e voltei para a porta. Sai e a fechei. Olhei para o corredor, Aomine estava lá, suspirei e ele me olhou.

-E aí pervertido de óculos? -Ele falou sorrindo.

-Não comece, Aomine. -Cruzei os braços.

-Está de mal humor só porque a Juria gosta mais do Nijimura do que de você?

O ignorei, começando a andar, ele riu e me seguiu. Descemos as escadas e fomos para a sala de jantar, quase todos estavam lá. Me sentei, faltava apenas Kise. Demorou um pouco e ele abriu a porta, sorrindo.

-Desculpem pela demora. -Ele se sentou.

Olhei para mesa, o jantar já estava servido. Agradecemos e começamos a comer, estava bom, como sempre. Comemos em silêncio. Olhei para a frente, em questão de horas, Nijimura estaria sentado ali, não era algo ruim, eu teria mais alguém responsável lá, não teria que ter que cuidar de tudo sozinho e que me preocupar tanto com Aomine ou com o Kise. Suspirei e olhei ao redor, todos estavam terminando, e como sempre, Aomine havia saído assim que terminou. Suspirei e me levantei. Sai da sala de jantar e fui para a escada.

Subi e fui para meu quarto, entrei e encostei a porta, estava escuro, então acendi a luz. Olhei ao redor, não tinha nada para fazer.

Fui para a cama e me sentei. Peguei o meu celular novamente, eram dez e dezoito. Me levantei e fui até meu guarda-roupa, peguei meu pijama e me troquei. Me deitei em seguida e olhei para o teto, respirando fundo.

Fechei os olhos, e continuei assim até cair no sono.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...