História "Love Potion" - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dakota, Kentin, Lysandre, Nathaniel
Tags Aletin, Alexy, Ambre X Dake, Armin, Casnath, Castiel, Castnath, Hibridos, Kenale, Kentin, Kenxy, Lysandre, Lysmin, Nathaniel, Personagens Originais, Sexo, Tretas
Visualizações 202
Palavras 1.796
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Ficção, Lemon, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!

Demorei um pouquinho, mas finalmente saiu o lemon especial do casal vencedor que, no caso, foi Kenale. E ficou bonito, porque teve um Casnath, um Lysmin e um Kenale agora. Só o top essa escadinha.

Lembrando que o 23 - acho eu - será o Talk Show para os personagens. Então mandem suas perguntas nos comentários com #TS, se não tiver a hashtag eu não conto no capítulo (ou talvez sim, se não houver tantos coments, mas mesmo assim use a hashtag).

OBS - Esse capítulo contém os riscos de:
- Ataques de fujoshis loucas;
- Sangramentos nasais;
- Spoilers.

PS - Capítulo não revisado, risco de conter erros gramaticais graves!

Podem ler agora, eu deixo!

Capítulo 21 - Kenale - Especial - União


O lustre cheio de velas pequenas, brancas e com vestígios de fogo azulado em suas pontas negras, girava calmamente de acordo com o ritmo da música acústica. O garoto de cabelos brancos tocava com leveza as teclas cor de creme do piano de calda longa branco. O clima era calmo, tranquilo e harmonioso, porém uma pessoa ali presente suava bem mais do que se é normal.

- Calma, cunhadinho. Vai ficar tudo bem! – riu abafado. – É normal a “noiva” se atrasar.

Armin balançava de trás para a frente. Usava um terno de cor roxa escura com detalhes dourados nas mangas e botões metalizados, uma calça cinzenta de zíper prateado, um par de sapatos pretos engraxados e um chapéu simples negro com uma faixa roxa e fina. Ria baixo da atitude do futuro cunhado.

Alexy estava uns dez minutos atrasados para o próprio casamento com Kentin, e seu noivo parecia nem um pouco quieto em relação ao atraso do azulado. O de cabelos castanhos roía as unhas e batia seu pé direito sucessivas vezes no palco coberto pelo tapete vermelho, assim como balançava as mangas de seu terno rosado por demanda do nervosismo.

Olhava de canto de olho o pai, Giles, o observando atentamente. Foi difícil para o velho aceitar que o único filho que tinha havia se virado para “o outro lado”, mas o aceitou de braços abertos – seu futuro genro também –, até porque o amava. Sua esposa chorava ao seu lado, totalmente emocionada ao ver seu “filhote” abrindo suas asas e tomando rumo ao caminho da liberdade.

- Concordo com o Min, tenho certeza que o Lexy chegará em pouco tempo.

Nathaniel deu um sorriso de canto. Estava de braços cruzados, o que levantava um pouco a parte superior de seu terno branco com gravata dourada. Tocava uma parte de seus cabelos dourados com a mão direita, os bagunçando levemente naquela área. Sentia o olhar quente do marido penetrar-lhe na alma, aparentemente irritado por chamar o ex-namorado pelo apelido, o que, de certa forma, o fez rir internamente.

- Verdade, Ken! Aquela bicha louca deve estar se arrumando toda para te ver de queixo caído!

Lucy disse num sorriso e um leve pulinho. Trajava um vestido da cor azul anil bem longo, que chegava a tocar no chão com uma parte transparente azulada, havia uma abertura em formato de “X” em suas costas e o decote era bem discreto. Sapateava propositalmente com seus saltos prateados, apenas para irritar o garoto de frente para todos.

- Pelo amor de Deus, pare com esse maldito barulho! – sussurrou.

Ryan segurava uma bíblia de capa negra em seus braços. A roupa branca e vermelha que usava era deveras quente, e tinha um enorme crucifixo de madeira escura em seu pescoço. Se voluntariou para fazer a cerimônia, pois o padre estava doente, mas não achou que iria ter que usar essa roupa que mais parecia um vestido de freira. Sem ofensas.

- Ah vai! Você está lindo de padre! – Nath riu. – Me pergunto como conseguiu arranjar uma mulher.

A garota do seu lado o deu uma singela cutucada no cotovelo. A morena riu e cruzou os braços, girou os olhos e sorriu.

- Talvez a culpa seja minha por não parar de amar esse idiota.

O garoto sentiu as bochechas corarem e tratou de tentar esconder-se atrás do enorme livro. Os padrinhos, que conversavam animadamente, riam baixinho entre si. Kentin continuava do mesmo jeito, mas pelo menos agora estava um pouco menos tenso.

 

- Papai! Por que suas bochechas ficaram gordas?

A menina de aproximadamente cinco anos de idade perguntou curiosa. Sua pele era cor café com leite, tinha cabelos longos e bastante volumosos, com cachos amarronzados e brilhosos. Seus olhos cor de caramelo observavam as emoções do pai adotivo, que mantinha a mesma cara emburrada de antes.

- Não tente entender, querida. – Castiel disse. – Seu pai me estressa. Só isso.

A garota riu baixo, para não acordar o garotinho loiro de sete meses deitado no colo da tia, Ambre, que apenas observava tudo com um sorriso nos lábios. Seu noivo, Dake, jogava Subway Surfers no celular, totalmente concentrado e com um sorriso vitorioso. Anos se passaram e seu orgulho continuaria ali.

Nem tudo mudou para os ex-alunos de Sweet Amoris.

 

- Se alguém é contra a esta união, que fale agora ou cale-se para sempre!

Ryan, o experiente padre, dizia com a voz grave, como se quisesse matar o desgraçado que quisesse impedir aquela união. Kentin prestava a total atenção no garoto a sua frente, que apenas sorria alegre, totalmente entretido com a emoção.

Alexy vestia um terno da cor rosa vibrante, daqueles que chama bastante atenção, junto a uma gravata alaranjada. Seus sapatos eram da cor grafite e sua calça era meio azul cobalto. Estava um verdadeiro arco-íris, como disse sua madrinha de casamento, Rosa, quando chegou a igreja. Mas para Ken o noivo estava perfeito, perfeito como sempre foi, e ele provaria isso. Agora.

- E pelo poder investido em mim. – ouviu leves risadas de uma morena e pigarreou baixo. – Eu vos declaro marido ... e marido. Pode beijar o noivo!

O castanho sorriu grande e tocou com delicadeza na bochecha avermelhada do mais baixo, que sorriu ao sentir o contato da mão macia em sua pele clara. Se aproximou e ficou na ponta dos pés, segurou em seus ombros e virou um pouco o rosto. O outro abaixou-se e uniu seus lábios aos do amado.

Os demais bateram palmas e gritaram palavras motivadoras ao casal. Todos os conhecidos se levantaram e foram abraçar os noivos, que riam recebendo as demonstrações de carinho alheias.

 

- Eu vou jogar o buquê!

O azulado riu empunhando o buquê repleto de flores brancas, amarelas e outras um pouco laranjas, todas unidas num lindo degradê, amarradas com um laço rosado no papel transparente coberto por coraçõezinhos vermelhos. Garotas e garotos riam loucos, inclusive um deles foi puxado por certa brutalidade pelo colarinho do terno.

- Onde pensa que vai, senhor Blanche?

Lysandre perguntou com uma cara nada amigável e mesmo assim continuava fofo. Tinha as bochechas vermelhas e boca bem unida, como se estivesse irritado em porção extra de fofura. Armin riu e segurou o rosto do maior com as duas mãos, lhe roubou um selinho e sorriu.

- Vou ir disputar belo buquê, o que mais eu faria indo para lá?

Perguntou em deboche, com a sobrancelha erguida e o corpo totalmente colado ao do marido. O maior suspirou e o abraçou pela cintura.

- Mas você já é casado, se não se lembra... – sussurrou.

- Então é isso? – riu alegre. – Eu ia tentar para que ficássemos ainda mais tempo juntos, bobo. Mas sei que um buquê idiota não é o suficiente para provar o meu amor por você, Cabeça de Vento.

Armin piscou para Lysandre. O platinado sorriu e o beijou lentamente, com seu toque de sensualidade embutido num gesto apaixonante e embriagador. Apenas o marido possuía aquele beijo e quem seria o moreno para negá-lo?

- Um! Dois! Três! – jogou as flores para cima e se virou rapidamente.

Várias mãos se manifestavam no mar de vestidos e ternos, porém apenas uma conseguiu a proeza de alcançar o buquê em seus dedos. O mais interessante era que ela nem tentou alcançá-lo, na verdade nem se levantou, e por isso arregalou os olhos claros, surpresa.

- M-Mãe? – Nathaniel perguntou, igualmente surpreso.

Uma Adelaide, viúva por cinco anos, sorriu compreensiva e afagou as folhas verdes das flores. Os outros riram da cara indignada do garoto loiro, que tentava raciocinar o fato de sua mãe arrumar outra pessoa. Tempos depois, todos foram para o salão de festas, aproveitando o resto da tarde com bebidas e salgadinhos.

 

* * *

 

Eram oito horas da noite quando a porta do quarto de hotel foi aberta rapidamente. O recém-casal vinha aos amassos em direção a cama em forma de coração, coberta por pétalas de rosas vermelhas e velas rosadas espalhadas por todo o cômodo.

Aos poucos, todas as roupas eram retiradas e jogadas por todo o quarto do hotel pago pela Lua de Mel. Se contorciam em meio ao beijo quente, espalhando todas as pétalas pelo chão liso. Ken desceu seus beijos para o pescoço claro do marido, onde depositava chupões fortes, marcando-o como seu.

Mordiscava seus botões rosados entre os dentes, puxando-os para os lados, lambendo o meio de seus mamilos. Apalpava as laterais do corpo do azulado, sentindo a maciez daquela pele com cheiro de rosas brancas. Era embriagador o incenso das velas coloridas misturado ao odor natural de Alexy, tornando tudo ainda mais sensual.

- A-Ahn ... K-Ken... – gemeu manhoso.

O geminiano gemeu mais alto quando sentiu seu falo ser coberto por uma cavidade molhada e um pouco gelada. Empurrou seu quadril em direção a boca do amado, que o chupava freneticamente, movimentando-se para cima e para baixo. Ainda fazia uma massagem no interior de suas coxas, encostando perigosamente a ponta de seus dedos na entrada rósea do garoto, que suspirou entre gemidos altos.

Kentin estendeu dois dedos para Alexy que, entendo o recado, o lambeu da forma mais sexy possível. O pisciano, que observava a cena erótica de canto de olho, gemeu no membro do marido e levou seus dedos lubrificados a entrada do menor. Enfiou o dedo do meio e continuou com os movimentos orais, percebendo assim o corpo do outro ficar menos tenso e este se entregar mais rápido ao prazer quando o segundo dedo foi introduzido em si.

- Tudo bem, amor? – sussurrou perto de seu ouvido, lambendo o lóbulo de sua orelha.

- A-Ahn... – suspirou sentindo algo duro encostar entre suas pernas. – V-Vá logo c-com isso, Ke-en...

O moreno entrou com delicadeza no corpo do menor. Se ajeitou na cama, ficando com seus braços posicionados de cada lado do mais baixo e com as pernas dele circundando sua cintura. Esperou alguns segundos e iniciou a primeira estocada. Firme, lenta e apaixonante.

Os gemidos eram sussurrados e precisos, alguns, por parte de Alexy, chegavam a ser um pouco mais altos – principalmente quando sua próstata era estimulada – porém o barulho não os importava. Estavam ali, juntos para sempre, unidos por sangue e alma. Agora o mundo descobriria a intensidade de amor daqueles jovens.

O azulado sentiu suas paredes apertarem e seu prazer expelir para fora do próprio corpo, junto a uma sensação gostosa tomar conta de sua consciência e de repente o sono chegar-lhe na cabeça. Ken, ao ser espremido pelo interior do amado, gemeu alto e se derramou dentro do corpo do mais novo.

- Te amo, Kentinho... – sussurrou, se ajeitando em seu colo.

O moreno sorriu e os cobriu, ainda sem sair de dentro do mesmo. Sentia a consciência esvair-se de si e, antes dele e Alexy dormirem, disse ainda sorrindo:

- Também te amo, Amor.


Notas Finais


Hey! Quer ler o Prólogo da minha fic Nath X Paqueras?

LINK (Atração): https://spiritfanfics.com/historia/atracao-9917473


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...