História Love Rebel Season Second - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Lucy Hale
Personagens Justin Bieber, Lucy Hale
Tags Amy Adams, Justin Bieber, Love Rebel-bad Blood
Visualizações 11
Palavras 3.084
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Notas finais BEEEEEEEEEM importantes


Boa leitura meus amores


Xoxo

Capítulo 34 - Terceira temporada capítulo 7


Fanfic / Fanfiction Love Rebel Season Second - Capítulo 34 - Terceira temporada capítulo 7

 

10/02/2017– sexta feira 

Mesmo dia 

20:26 P.M

Suíte presidencial 

 

 

 

—Como assim?– grito vendo Chris me olhar entediado, até mesmo calmo demais para a situação onde ele se encontra agora

—Não há nada que eu possa fazer para encontrar quem tirou essa foto Amy, você quer que eu faça o que? Que eu encontrei a pessoa pelo ângulo da foto? Sabe que eu ainda não aprendi a fazer milagres!– diz se levantando da minha cama

—Mas Chris, tem alguma coisa que você possa fazer, pense!– peço, quase implorando. Jogo a toalha que eu usava para enxugar meu cabelo no chão

—Bem, acho que sim!– diz  começando a digitar novamente, me sento ao seu lado, colocando meus brincos e calçando meus saltos, fechando a tira em volta da canela 

—O que vai fazer?– pergunto me levantando, indo ate minha penteadeira 

—Vou entrar no sistema de câmeras no estacionamento do dia em que estivemos lá, acho que consigo achar alguma coisa!

—É claro que vai conseguir, você é Jesus da digitação!– digo vendo ele jogar um travesseiro em mim. Vou para frente e ouço alguns perfumes meus caírem –Seu desgraçado, olha meus perfumes!– reclamo, os colocando em pé novamente 

—Não quebrou, então não reclama!– murmura enquanto eu faço minha maquiagem, colocando minha lente de contato preta. 

—Pra que você quer todos no galpão?– Chris pergunta e eu o olho através do espelho enquanto passo base 

—Tenho um plano!– respondo, apenas. Mas claro que isso não deixa Chris feliz, ele quer saber tudo antes de todos, e isso um dia o fará morrer pela minha mão, sua ansiedade é irritante demais 

—Qual?

—Tudo o que você precisa saber é que esse plano é incrível!– respondo vendo ele parar de digitar e me olhar sarcástico –Vai se foder, Chris!– ouço sua risada enquanto termino de passar delineador 

 

No mesmo tempo que termino minha maquiagem "fofa", como tem que ser meu visual agora, Chris bate palmas, sorrindo vitorioso

 

—Eu sempre consigo!– diz e vou até ele. Vejo o estacionamento do shopping e eu e minha equipe saindo pelas portas, um homem de preto está atrás de um carro que está parado de frente as portas. Ele tem uma câmera fotográfica em mãos e parece tirar muitas fotos. 

—Acha que consegue o achar?– pergunto relutante vendo Chris deixar a cabeça cair um pouco para o lado

—Vai ser difícil e demorado, mas acho que consigo. Posso fazer isso no carro? Estamos atrasados, você marcou as oito, já são oito e quarenta!– diz se levantando, fechando o MacBook e o colocando de baixo do braço. 

—Tudo bem, vamos. – respondo colocando a bolsa bege no braço, pegando a chave do meu carro novo, não muito chamativo, e meu celular com uma capinha rosa da qual eu odiei. –Todos já foram?– pergunto parando no corredor vendo Chris fechar minha porta, colocando a senha para travar ate voltarmos. Todos os quartos tinham senha para entrar, ao lado de cada porta, havia uma caixinha prateada com números de um a nove. Uma nova tática inventada por Chris e Chaz. Mas claro que a casa toda também tinha alarme, e sempre que saiamos ligavamos o alarme. 

—Sim, eles já estão lá. – diz ao meu lado descendo as escadas. 

—Você vai comigo no meu carro?– pergunto descendo o segundo lance de escadas

—Sim, a menos que você não queira!– diz sorrindo malandro

 

Reviro os olhos e presto atenção nos degraus para não cair com meus saltos brancos. Quando chego na sala, suspiro aliviada. Ando ate hall de entrada e abro a porta, espero Chris ligar o alarme e fechar a porta. Meus seguranças ja estão no gramado de frente a porta, em volta de meu carro com seus carros maiores que o meu. Os mesmos quatro carros iriam me acompanhar ate o galpão sete

—Bom, vamos lá!– ouço Chris dizer antes de entrar no carro

 

 

***

 

—Caralho, você ta linda. Use mais cores claras, combina com você!– ouço Mary dizer no fundo do galpão assim que entro. Julie e Selena param em minha frente, me avaliando minuciosamente, me olhando de cima a baixo. Olham minha calça jeans clara – já que mesmo eu "morrendo" não poderia ficar sem usar jeans– e minha blusa estilo cigana, deixando meus ombros e colo amostra. Olham minha sandália de salto alto branco e aberto, da qual eu detesto usar, ja que meus dedos escorregam e eu sempre acabo tropeçando. Olham meus cabelos agora secos e assentem como se avaliassem uma modelo 

 

—Algumas coisas ainda faltam, como cores vivas e acessórios, a maquiagem deixa a desejar mas ela está indo bem!– Julie diz deixando a cabeça cair para o lado, Selena assente e eu balanço a mão fazendo alguns pingentes das minhas pulseiras balançarem 

—Saiam da minha frente, porra!– esbravejo, olhando feio pra elas – Eu estou cagando para as minhas roupas, é só eu botar uma roupa branca e já era, parem com essa frescura!– digo vendo elas saírem da minha frente reclamando. Mary está sentada no colo de Ryan, que mexe nos cabelos curtos de Mary. Emma está dando socos em um saco de areia pendurado no teto, e Chaz segura o saco para ela. Chris vai até Julie e fica com ela. Selena se senta na mesa de reuniões, de frente onde Justin está. 

—Bem, vamos lá, quero começar isso logo!– digo, colocando minha bolsa e a pasta preta que estava dentro do meu carro, em cima da mesa. Meu molho de chaves tilintam assim que eu as coloco na mesa. Justin se ergue e me da um selinho rápido e volta a se sentar corretamente ao meu lado esquerdo, Mary se senta ao meu lado direito, sendo que eu estou na ponta da mesa. O resto se espalha pela cumprida mesa de vidro escuro. Chaz pega uma garrafa de água e joga para Emma que a pega no ar graciosamente. 

—Bem, eu pensei muito sobre isso, e não foi fácil decidir isso, mas acho que vai ser o melhor pra todos. – começo ainda ficando de pé, olhando para todos sentados me encarando confusos – Todos sabem que temos que pegar Troi o mais rápido, e sabe que quem tem medo, teme. Ele não sai sozinho, são raras as vezes, e sabe que seus seguranças são excepcionais. Suas redes são monitoradas de ponta a ponta, ate mesmo Chris não conseguiria entrar– ouço o murmúrio de Chris 

—Você sempre me pondo pra baixo, ja estou acostumado!– diz abrindo meu MacBook que trouxe 

—Primeiro você sabe que eu amo você, mas sabe que sempre vai existir a rixa por você comer minha irmã!– respondo simples vendo Julie abrir a boca inconformada 

—Não me coloquem no meio da briguinha imbecil de vocês dois!– pede, se jogando para trás na cadeira, se encostando brava, de braços cruzados 

—É a mesma coisa com Selena, ela não gosta do Justin!– rebate Mary, com um pirulito na boca. Onde ela achou um pirulito?

—E eu não gosto dessa praga!– murmura Justin me olhando, evitando olhar Selena 

—Muito menos eu de você, seu escroto!– ruge Selena, se inclinando para frente olhando Justin mortalmente 

—Não vamos começar certo? Parem com essa tolice, porra! Somos uma equipe e não quero brigas dentro de nossa própria equipe. Christian, não é que eu te ponha pra baixo, Trent me disse que sete haquers comandam o sistema de Troi, acha que consegue os driblar sem eles descobrirem? Fique à vontade, mas depois não venha me pedir ajuda. Você quem faz a merda e acha que quem vai limpar serei eu? Está enganado. – digo vendo ele afundar o corpo para baixo –E então? Acha que consegue?

—Eu poderia tentar, mas o máximo que eu ficaria dentro do sistema sem verem que eu estava ali seria uns três minutos!– responde como se sentisse algo amargo na boca

—Continuando, Troi é protegido pra caralho, não pegariamos ele caso planejassemos algo espalhafatoso, pensei em algo, inesperado!– digo, vendo eles me olharem ainda mais curiosos 

—Como?– Ryan pergunta pensativo 

—Simples, ataque surpresa. Troi não estará pensando que vamos o atacar de uma hora pra outra, ele nunca pensaria que seria morto em um bar ou em algum restaurante, pensaria que nós estaríamos nos expondo demais, mas isso seria apenas um blefe, por que é exatamente o que vamos fazer!

—Perfeito, se não fosse por um único motivo. Como vamos escapar do lugar tão rápido?– Chaz pergunta pegando o papel que eu lhe estendia, entreguei um relatório para todos, vendo eles lerem. O relatório era breve, significava o que cada um teria que fazer e a função de cada um para a importância da missão 

—Sim, Chaz tem razão. As próprias pessoas que estarão no lugar ligarão para a polícia, assim como os próprios homens de Troi vão atrás de você. Ate você escapar, já vai estar morta!– completa Emma 

—Eu ja pensei em tudo, amores.– começo, sendo sarcástica. Eles reviram os olhos, bravos– Eu vou matar Troi, não vão estar esperando por mim, ele vai se confundir, estou loura e bem diferente da Amy morta, até eles verem que fui eu quem matei Troi, vou pelo menos, estar em alguma rua. – respondo vendo eles confirmarem 

—Mas eles podem te perseguir com carros, e se te acharem vão matar você!– diz Justin olhando para o papel 

—Eu também pensei nisso. Eu vou matar Troi, e vou fazer eles verem que fui eu, vou fugir com um carro e vou fazer eles verem o carro. Mas Selena vai estar me esperando com um carro idêntico ao meu. Eu me escondo e ela vai no meu lugar. O meu carro vai estar com um adesivo de uma outra cor do carro original de Selena assim como a placa, se eles encurralarem Selena, ela vai descer do carro e eles verão que não sou eu. Troi sabe que Selena não está nesse mundo, pensa que ela é só uma bastarda que foi renegada pela própria irmã, é o que ele pensa né? Mas na verdade Selena vai ser a cereja do bolo, o Grand finale pra nossa vitória. – finalizo, vendo todos me olharem surpresos. Emma grita, batendo palmas. Os outros a acompanham, sorrindo felizes 

—Você sempre nos surpreendendo!– diz Ryan, balançando a cabeça rindo

—É, possa ser que dê certo!– Chris diz olhando para algo em seu computador– Achei algo interessante!– diz mais concentrado em meu computador 

—O que?– pergunto, dando a volta na mesa, parando atrás dele

—Magicamente, eu achei o cara que tirou suas fotos. Bruce Dickinson, 36 anos. Mora em Liverpool, Inglaterra. – a tela cintila com a foto do tal Bruce. Ele ate era bonito, olhos azuis, cabelo claro e não era magricelo, mas também não era bombado. –Ele é ex detetive da CIA, agora é detetive por conta própria. Dois filhos, esposa, mãe e pai vivos, o que vai fazer?– Chris pergunta rodando a cadeira me olhando sorrindo maldoso 

—Quero ele, não vai adiantar envolver a família dele nisso. Eles nunca abrem a boca quando envolve família, ele sabe como não ser dobrado, o cara era da CIA, sabe passar por um psicológico do caralho.– explico, passando minhas mãos umas nas outras, pensando o que fazer –Eu vou pra lá, tenho que saber por que ele tirou aquela foto. Com certeza deve ser algum engraçadinho querendo me botar medo

—Eu vou também!– Justin afirma, se levantando

—Adoraria isso, mas não. Vocês ficam aqui, resolvendo tudo sobre a missão de Troi. Alguns tem várias coisas para fazer e um milhão de pedidos para pedir. Selena, você sabe o quão é especial para essa missão, não sabe?– pergunto, pegando minha bolsa e chaves de cima da mesa. Ela está relutante, de olhos arregalados 

—S-sim, eu sei Amy, não te decepcionaria!– responde trêmula 

—Ótimo, por que um erro seu, eu morro!– digo a verdade vendo ela arregalar ainda mais o olhar – Você está me entendendo né? Por que isso é realidade, você vai precisar ser perfeita, sem vacilar. – ando ate Justin, e seguro em seu ombro, ele se levanta ficando do meu lado

—Sim Amy, eu entendo!

—Chaz, você pode vir comigo? Christian também!– peço vendo eles acentirem e se levantarem, os outros ficam confusos, me olhando estranhos 

—E eu?– Justin pergunta baixinho 

—Pode ir também, me esperem la no escritório certo?– digo vendo eles concordarem e subirem as escadas de metal

—O que você quer falar com eles?– Julie pergunta birrenta

—É, o que eles precisam saber e nós não?– complementa Emma 

—O que foi? Está de segredinho agora? Você mesma disse que somos uma equipe e não deveria haver rixa entre nós!– Mary diz com ressentimento 

—Podem parar, parecem crianças! Quero pedir algumas coisas para Chaz e Chris, depois eu peço para eles contarem a vocês. Mas não é por isso que eu estou aqui pra falar com vocês, é outra coisa!

—Dizendo assim, parece que somos os piores alunos de uma sala de aula!– Ryan diz baixo e Mary dá risada

—Vocês chegam perto. Tem notícias de Bruna e Za?

—Sim, ela nos liga algumas vezes.– Julie responde pegando seu celular 

—E como Za está?

—Esta bem, se recuperando bem. Acordou do coma e já está andando, devagar, mas está. – Ryan diz, se levantando 

—Graças a Deus, e como as crianças estão?

—Bem também, sentem saudades mas sabem que se ficarem lá, estarão salvas. – Mary responde, se deitando de barriga pra cima no chão, entrando de baixo de um carro

—Tudo bem, temos que organizar as coisas o mais rápido possível, quero acabar com Troi logo e trazer meus filhos pra cá!– digo vendo todos acentirem – você vai ter que pintar seu cabelo Selena!– peço dando a volta na mesa, parando no primeiro degrau da escada de metal

—Por que?– pergunta confusa 

—Podem desconfiar de você ser eu, sei lá, pela distância, e podem abrir fogo. Pinte de castanho, depois que eu matar ele, você faz o que quiser no cabelo!– respondo vendo ela concordar. Subo o lance de escada e abro a porta do meu escritório, vendo Justin de pé ao lado da janela atrás da mesa, Chris sentado em uma poltrona mexendo em meu MacBook, mas ele tinha o seu apoiado no braço da poltrona. Chaz estava de pé em frente o carrinho com bebidas alcoólicas. 

 

—O que você quer assim de tão importante que ninguém pode saber?– Justin começa, virando de frente pra mim. Me sento em minha poltrona pedindo meu MacBook para Chris. Ele saí das páginas que usava e me entrega, colocando em minha frente na mesa

—Começando por Chaz, preciso te pedir um favor!– começo, pegando meu celular e enviando uma mensagem para meu piloto, avisando sobre onde iríamos, com destino a Liverpool 

—Estou aqui pra isso!– Chaz responde dando de ombros, virando o copo com whisky na boca

—Quero que você treine Selena, coisa pequena, não como nós sabemos lutar. A ensine como se defender caso alguém vir para cima dela, caso isso aconteça, ela saberá se proteger até chegarmos. – peço vendo meu piloto perguntar que horas eu sairia. Respondo o mais rápido possível, peço para ele já esperar na pista de pouso do aeroporto 

—Tudo bem!– Chaz concorda, enchendo mais um copo de whisky 

—Mostre a ela como usa uma arma, não todas, claro, não daria tempo, mas apenas uma pistola. – travo meu celular, o colocando em cima da mesa

—Só isso?– pergunta indo até a porta com a garrafa de baixo dos braços 

—Sim, obrigada! Se eles perguntarem, diga que só vai treinar Selena, eles não precisam saber de tudo!– ele sai da sala me deixando com Justin me olhando atento

—Bem, vocês dois vão ser importante!– começo, soltando um riso – Sei que você queria ir comigo ate Liverpool, Justin, mas infelizmente nem tudo na vida é realizado. 

—O que você quer dizer?– pergunta confuso, Chris deixa seu MacBook de lado por um instante, prestando atenção em mim 

—Eu vou com Chris a Liverpool!– respondo, o olhando. Chris concorda, voltando a mexer em seu bendito laptop 

—Mas isso não faz sentido, eu deveria ir com você!– Justin teima, ficando na frente da mesa 

—Sim, eu sei. Mas você é meu substituto, você vai tomar conta de tudo ate eu voltar, se nós dois saíssemos séria um desastre deixar tudo na mão desses desastrados. Provavelmente eles fechariam as cargas todas erradas. E além do mais, você tem cinco cargas para entregar amanhã lembra? Dois para a fraternidade e três para mandar até Las Vegas, além de ter que ir no Trent e pegar a maconha que encomendei, tem que entregar depois de amanhã para outra fraternidade, ou seja, você está lotado de serviços!– repondo vendo ele abaixar a cabeça e assentir 

—É, você tem razão!

—Eu sempre tenho!– digo rindo, me levantando – Chris, vamos agora para Liverpool, vamos passar em casa e pegar nossas coisas, passaportes e algumas roupas. Volto o quanto antes, prometo!– digo beijando Justin. Ele assente e ouço Chris fechar seu MacBook. 

 

Me despeço de todos, os avisando sobre onde vou e sobre eles terem que fazer suas respectivas funções sobre a missão de matar Troi. Quando chego em casa, já são umas dez da noite, eu e Chris vamos para os nossos quartos. Pego uma mala média vermelha. Coloco algumas peças de roupas como duas calças jeans claras, cinco blusas coloridas e um tênis, um vestido rosa claro, mas só em caso de emergência. Coloco algumas blusas de frio, por que sei que lá é frio. Algumas lingeries e minha mala de produtos como maquiagem, produtos de higiene e alguns perfumes, pronto. Desço com a mala ate meu escritório, e pego alguns maços de dinheiro. No total, tenho vinte mil em cédulas de cem, além dos meus cartões de crédito. Abro uma gaveta em baixo de minha mesa e pego meu passaporte. Os coloco dentro da bolsa e empurro uma estante para o lado, vendo algumas armas ali. Pego duas, com munições. 

 

Fecho a mala, pegando minha bolsa de mão, indo ate a sala. Peço para algum segurança colocar minha mala dentro do carro. Chris ainda não desceu, então subo novamente até meu quarto, pego uma jaqueta verde, ja que estava ventando lá fora. Checo vendo minha bolsa se não havia esquecido nada. Meu MacBook estava dentro da bolsa bege, meu celular, meu passaporte e carteira. Um tablet estava ao lado do MacBook, e pensei que poderia ser coisa de Chris. 

—Vamos?– ele pergunta da porta do meu quarto, tinha uma mochila preta nos ombros, assim como uma outra mochila mas mãos, onde palpitei que ali estaria algumas armas, computadores e dinheiro. 

—Vamos!– respondo decidida a encontrar Bruce Dickinson. 


Notas Finais


Oieee sei que eu não estou em posição de pedir nada, mas ultimamente eu vejo que não tenho tantas leitoras como antes, ou ainda tenho só que vocês não se manifestam. Gente eu quero saber de vocês o que estão achando, preciso que me falem, é uma ótima forma de me motivar também ok?

Bem eu acho que provavelmente eu vou começar a postar mais rapidamente os capítulos, até por que essa minha história está quase completa, pretendo não enrolar muito, já que são três temporadas e vocês devem estar de saco cheio.

Bem é só isso,

All the love, Saah


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...