História Love So Life - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Visualizações 14
Palavras 2.352
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpa pela demora meus amores, prometo que recompenso vocês com muitas palavras,
Boa leitura bombons❤

Capítulo 9 - Beauty and the Beast


Ming acordou com uma respiraçestma em sua nuca e os dedos ainda entrelaçados aquela mão branca, grande e macia,coiadamente macia o que fazia o pequeno Hao ter pensamentos puros e não tão puros assim. Coisas que foram afastadas rapidamente quando o descolorido percebeu que Jun estava ardendo em febre e tossia de vez em outra, o desesperado, não sabia se as crianças já estavam acordadas ou algo do gênero e com toda certeza ele não iria trabalhar naquele dia mesmo que ficasse um pouco -mais- apertado para pagar suas contas.

Ele saiu de seus devaneios com mais uma tossida de Jun, que estava deveras enfermo, ele estava mais pálido que o normal, soava frio e seu queixo batia. Hao Hao estava apavorado mas precisava pensar o que faria naquele dia, com certeza iria cuidar do Wen todavia, seria melhor deixar as crianças na creche pois elas ficariam preocupadas com ao ver o tio nesse estado e acabariam por ser um pouco mais de preocupação para Xu.

Ele levantou do meio dos lençóis quentes e cobriu o corpo trêmulo de Jun procurando suas roupas pela casa, elas estavam na sacada secando, Ming pegou apenas a calça jeans, não tiraria o moletom do moreno, Minghao poderia até ser um pouco lendo entretanto não era tão besta ao ponto de perder a oportunidade de ficar com aquela peça quentinho que tinha um cheiro tão reconfortante para si. Depois de trocado e arrumado rumou até o quarto de porta branca com desenhos vendo dois pequeninos seres totalmente descabelado correndo para lá e para cá rindo um do outro, tão elétricos logo cedo, Ming pensou.

Bom dia bebês-Ming sorriu vendo os pequenos grudarem em suas pernas como pequenos carrapato sorrindo com os rostos de sono ainda.

-Bom dia Hao hao-os loirinhos se pronunciaram meio embolados e Xu sorriu do apelido que tinha sido atribuído a si pelos pequenos.

-Vamos nos arrumar para ir a escola?-perguntou recebendo um sim em conjunto enquanto eles se sentavam nas diversas almofadas coloridas esperando que o loiro maior os ajudassem a se arrumarem. E foi o que ele fez, colocou roupas confortáveis e quentinhas para aquele dia de inverno, enfeitando-os um pouco enquanto cantarolava qualquer música infantil que lhe vinha a cabeça.

-Vamos?-colocou os braços na cintura enquanto as crianças ainda corriam pelo quarto.

Ming ouviu uma tosse e viu um Junhui pálido e com olheiras os olhando, o que ele estava fazendo ali? Ele era louco? Ming o olhou pasmo enquanto ele sorria minimamente como se fosse uma criança que tivesse acabado de aprontar alguma arte.

-Senhor Wen, o que está fazendo fora da cama? O senhor precisa descansar-Ele empurrava Jun para a cama mas, seus pulsos finos foram segurados e o olhar mesmo caído pelo resfriado era penetrante e sim, Minghao estava ficando doido com aquilo.

-Eu estou bem...-ele só poderia estar tirando uma com a cara do loiro, ele não tinha forças nem para andar direito por aí e ficava falando que estava bem, que besteira.

-Não, o senhor não está bem, vá descansar, tem chá ainda, está na cafeteira então deve estar quente ainda, tem algumas frutas e coisas do gênero, eu irei até a farmácia e irei levar as crianças para a escola, se alimente e descanse por favor.

Depois de se despedirem do tio Ming levou os gêmeos para a escola cumprimentando rapidamente todas os professores que eram seus amigos e depois foi direto para a farmácia comprar os remédios necessários, o dia estava muito frio e pelo jornal parecia que naquele dia a neve era prevista para aquela região, fazendo Xu se apressar para comprar as coisas e voltar para a casa dos Wen.

Quando o loiro chegou estava tudo silencioso então decidiu ir para a cozinha preparar o mingau de arroz que tinha decidido fazer para que seu patrão melhorasse logo. Com aquilo pronto e tudo em perfeita ordem na cozinha ele pegou a sacola de remédios e foi para o quarto se deparando com um Junhui somente de calça de modelos com os cabelos pingando e algumas gdas gotículas desciam por seu pescoço até seu tórax, seria excitando se as bochechas do moreno não estivessem tão vermelhas, ele com certeza tinha tomado banho quente que só piorou suas condições. Ming mesmo sentindo não só suas bochechas quentes mas suas orelhas também andou meio atrapalhado até Jun e colocou a bandeja sobre seu colo.

-Coma um pouco para conseguir tomar os remédios. - ele apenas disse isso enquanto vasculhada na sacola morrendo de vergonha procurando os antitérmicos e alguns para resfriados. Jun nada falou, apenas comeu em silêncio enquanto Ming pegava um copo de água para ele conseguir engolir os remédios que tinham cores variadas, seria bonito se não fosse trágico.

Xu aproveitou para pegar uma toalha para secar os fios marrons pois se Jun dormisse com eles molhados seria pior.

Enquanto o garoto fazia isso e aquilo o moreno observava cada vez mais ele, tinha se tornado um vício, ele era tão fofo preocupado, enquanto seus dedos esguios massageavam seus cabelos os secando com calma seus olhos escuros estavam concentrados e em seus lábios um bico involuntário se formava, ele era tão bonito, Jun sentia como se ele fosse um pecado no qual ele não conseguia rejeitar.

Os braços grandes de Jun enlaçaram a cintura fina de Minghao o puxando para um abraço e depois se deitando na cama com o loiro por cima, um choque e tanto para o descolorido que não sabia como agir

Delírio de febre

O nariz foi roçado na pele branca do pescoço de Xu e um beijo foi depositado ali.

Delírio de febre

Um sussurro, obrigado era o que ele dizia, e logo depois ele já tinha o largado e estava dormindo, sua respiração era calma, a única coisa que não estava calma ali era Ming

É, Jun não estava em seu pleno estado mental.

Nem o coração de Minghao 

Ele batia de uma forma desgovernada, parecia que queria sair de sua boca, seu corpo parecia uma verdadeira escola de samba. Foi lavar as coisas enquanto batia com a mãe fechada no peito.

"acalme-se coração"

.

.

.

.

.

.

-Me poupe por favor, eu sou novo para morrer, ainda não fui no show da minha rainha Beyoncé nem no da minha diva Lady Gaga, não confessei meu amor platônico para o Hansol, não falei para minha mãe que fui eu quem quebrei os vasos dela, não falei que fui eu quem quebrei o fone do Jihoon nem que fui eu que dei o gato pulguento do Minghao, não fiz nada ainda, por favor me salva Gdragon!

-Eita, desse jeito vai ser expulsode casa e ser deserdado por sua mãe Seungkwan- uma risada escandalosa sem igual foi ouvida e Seungkwan já sabia quem era exatamente.

-Seokmin! Quer me matar de susto veada!? Sabe quanto eu orei para não ter meu corpinho violado ou ser morto e deixado nesse meio do nada, sua cara está parecendo de um fantasma já aí você vem assim, quer que eu morra? O que estava fazendo aqui? É algum tipo de gangster ou algum traficante criminoso, cafetao? Ou você se vende? Nossa...nunca pensei que você passasse por tudo isso, posso te ajudar amigo..

-Boo, para de tagarelar groselha e me ouve, eu vim aqui porque te vi adentrando e resolvi te seguir vendo o que você estava fazendo aqui...

-Ata, mas então por que a cara de morto-vivo? Ahh..já sei, começa com Lee e termina com Chan, o que você andou fazendo para o bebê do Jeonghan? Considere-se um homem capado já Lee Seokmin.

-talvez eu tenha bebendo além da conta e chegado doido em casa depois da festa, só talvez mesmo, aí ele está bravo comigo e eu acabei por dormir no sofá, ou seja, não dormi.

-Aish! Bem feito, Chan fez certinho, orgulho desse garoto, e você, sei idiota, aprende.-Seung saiu rebolando como sempre esperando que Seok o mostrasse a saída daquele lugar.

.

.

.

.

.

Jonathan já teria arrancado o instrumento de fazer filhos de Seokmin se ele não estivesse pior do que todos os seus amigos com suas vidas amorosas juntos, ele estava péssimo, o dia frio o ajudava a esconder o real motivo das bolsas escuras debaixo dos olhos e do rosto vermelho, fingindo que estava resfriado.

Seungkwan já chegou espalhando purpurina pela cafeteira até a mesa onde Jeonghan e Chan estavam sentados, aquela mesa espalhava melancolia e depressão para todo o refeitório, era uma cena de dar arrepios, Seok já chegou e puxou Chan para alguma canto, ou eles saiam de lá nos amassos ou nos tapas, veremos no que vai dar.

-Hyung, nem para colocar uma maquiagem para disfarçar isso? Que decepção Jeonghannie... 

-Cheollie...-ele resmungou e afundou o rosto nos braços apoiado na mesa.

-Olha aqui, essa mesa é a mesa das decepções, você com esse seu fim de namoro falso, e eu com meu amor platônico, aish! Sinceramente, essas coisas não podem ver um estrangeiro que ficam com fogo no ânus, mereço, olha aquele sorrisinho, tão hetero, posso morrer já...

-Se eles fossem heterossexuais Seungcheol não teria aceito colocar sua reputação em jogo namorando falso com você e Hansol não daria aquelas olhadas nada discretas para a sua banda naquela manhã Seung, então parem de mimimi-jihoon brotou entregando um café bem forte para Jeonghan que precisava daquilo para ficar acordado e se sentou começando a se deliciar com sua fatia de bolo de morango.

-Hoje vocês fizeram uma aposta para ver quem me mata do coração primeiro? Porque sério, eu estou aponto deorrer de ataque cardíaco já, e por que não tem café para mim?

-Porque ele ficou acordado a noite inteira e você não-falou brevemente voltando a se lambuzar de chantilly, Lee parecia uma criancinha, aos 21 anos não sabia nem comer algo doce sem se lambuzar.

De repente o baixinho se levantou acenando para alguém, ele não poderia apenas levantar o braço pois de tão pequeno a pessoa não conseguiria ver, um garoto de cabelos quase brancos acenou de volta, ele tinha os olhos que pareciam os ponteiros do relógio quando marcando 10:10, e tinha um sorriso de coelho com bochechas cheias, ele era doce, coisa que não combinava com a personalidade amarga de Jihoon, coisa que atriu sorrisinhos maliciosos da parte dos amigos, Jihoon apenas sorria evitando olhar para os dois ao seu lado.

-Vim o mais rápido que pude-o garoto se aproximou e foi perceptível que ele além de doce era lindo, Jihoon tinha tirado a sorte grande.

-Ahn, não precisava....aqui, por obtém-se lhe entregou o embrulho e o garoto agradeceu com um lindo sorriso, seus olhos se fecharam formando linhas, que belo eyesmile.

Seungkwan coçou a garganta chamando a atenção de ambos.

-Primeiro, Jihoon, tem chantilly no canto da sua boca, segundo não vai nos apresentar seu amigo?-deu ênfase na palavra amigo dando um sorriso de canto.

-seungkwan e Jeonghan esse é Kwon Soonyoung, vizinho do patrão do Minghao, esse são Yoon Jeonghan e Boo Seungkwan, meus amigos.-Jihoon falou vermelho tentando limpar o canto de sua boca com o guardanapo.

-Ah...prazer...bem...eu...não queria incomodar..

-Ah, que isso, você não incomoda...hm...como se conheceram? 

-Ele foi um dia atrás do amigo de vocês e sem querer trocou o número das casas...aí nos conhecemos..

-Hum....e você por acaso estuda aqui também?

-Isso...

-Parem de fazer interrogatório com o garoto, deixem ele em paz...-Jihoon pediu meio envergonhado do jeito de seus amigos.

-Não, tudo bem, não tem problema, já estou acostumado, os pais das minhas antigas namoradas faziam a mesma coisa-ele sorriu novamente, e Jihoon azedou sua expressão, aquilo não poderia estar acontecendo.

-Bem, obrigado por ontem, agradeço muito você ter me ajudado, pode ir agora, acho que o povo da sua sala deve estar te esperando.

Soonyoung percebeu que tinha feito algo errado, e pressionou os lábios um no outro em repreensão, só não sabia o que tinha feito, o garoto que tinha o óculos de armação dourada redonda delicada maior que seu próprio rosto agora tinha uma carranca emburrada, era fofo e ao mesmo tempo preocupante.

-Eu não sei o que eu fiz mas, eu irei para a sala, se precisar de mim sabe onde me encontrar, né? Até depois, e, o que quer que esteja acontecendo com vocês vai melhorar-se sorriu acenando e foi embora.

-Parabéns elfo rabugento, estragou todas as suas chances com o bonitao.-Seungkwan olhou o garoto que agora estava de braços cruzados ainda com a mesma expressão.

-Eu sequer tinha? Eu sequer queria? Ele é hétero, não ouviu ou está surdo? E além do mais eu também, sem contar que deve ter namorada.

-É, realmente aqui é a mesa da depressão...

.

.

.

.

.

Wonwoo espirrava uma hora ou outra enquanto guardava os livros na biblioteca, ele amava o lugar mas aquilo estava precisando de uma faxina geral. Resolveu então que iria falaste com algum responsável para ele limpar no dia seguinte em seus horários vagos.

A armação prateada redonda caia perfeitamente bem em seu rosto fino, Wonwoo era uma pessoa um tanto quanto bonito e também um tanto quanto não social.

30 minutos, e nenhuma notícia sequer de Mingyu, ele não tinha desmarcado o estudo, não tinha nem sequer mandando alguma mensagem depois daquela festa, talvez estivesse de ressaca ou algo do gênero.

2:00, e nada, já tinha se passado o tempo de estudo e Wonwoo estava focado em seu livro de range policial sentado em uma das poltronas púrpuras do local espirrando hora ou outra.

3:00, nenhuma mensagem, nenhuma informação, Wonwoo ficou preocupado mas, não tinha coragem o suficiente para ir atrás do garoto, então depois de sua rinite atacar ele olhava seu nariz vermelho que escorria no banheiro da escola. Ele estava mal, seus olhos doíam e, sua cabeça estava latejando, era horrível, pior que ele nem tinha sequer algum remédio na bolsa. Ele andava pelos corredores praticamente vazios devagar para não bater em nada, nem seus óculos estavam ajudando, estava tudo turvo, até bater de frente com alguém, ele abaixou colocando as mãos na cabeça.

-Aish...desculpe...-ele tentava massagem a cabeça mas só doía mais e mais.

- O que foi Wonwoo, não está se sentindo bem?

-Mingyu, que bom que está bem, fiquei preocupado...eu estava na biblioteca te esperando e minha rinite acabou atacando, pode me ajudar a ir para a enfermaria por favor?

Sem aviso Wonwoo sentiu braços fortes rodearam seu corpo e seus pés saírem do chão, o Kim tinha o pego no colo enquanto o levava para a enfermaria, apenas deitou sua cabeça para tentar amenizar a dor e não falou absolutamente nada enquanto era levado.








Notas Finais


Ruim? Péssimo? Bom? Comentem o que acharam, até o próximo amores❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...