História Love Song - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Black Pink, CNBlue
Personagens Cl, D-Lite (Daesung), G-Dragon, Jisoo, Kang Min Hyuk, Personagens Originais, Rap Monster, Seungri, T.O.P, Taeyang
Visualizações 16
Palavras 1.152
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Me Desculpem pelo o terrivel atraso, esses dias estão sendo tenso, muita coisa pra fazer, muito trabalho pra entregar, muito pouco neurônio pra pensar.
Minha cabeca está um caos.
Por isso me desculpem se o capítulo não ficou muito bom.
Não sei quando irei postar outro. Me desculpem .

Capítulo 14 - Break


Fanfic / Fanfiction Love Song - Capítulo 14 - Break

Minha carta de desculpas

Autorreflexão é um presente do universo

Culpamos os outros, culpamos o mundo

Você conhece seu inimigo, e se conhece, o troféu é seu

Minha força vem da gratidão

Dizendo desculpe e obrigado

Isso é tudo que você precisa dizer durante sua vida.


- Por que minha esposa está tão magra, hein?- Passou suas mãos pelo meu corpo e apertou mais o abraço.- Sentiu tanto a minha falta que nem conseguiu se alimentar,huh?

- Esse foi um dos principais motivos.- sorri.

Saímos do prédio da YG e estávamos dentro do carro.

- Um dos? E qual foi os outros?- Me olhou por uns instantes e logo voltou os olhos para o trânsito.

- Tempo. Não tive tempo  pra nada.- bufei.- Ah, eu estou tão cansada.

- Aigoo Jagiya, tire férias e fique apenas comigo. 

Olhei pra ele e comecei a rir.

- Como se você fosse me dar descanso, não é mesmo senhor Choi?

- Eu apenas irei te dar o que você me pedir. Mudando de assunto, sobre o que você ouviu mais cedo, eu gostaria de conversar isso com você em outro momento. Certo? 

Era isso que eu estava esperando ele falar, mas na verdade eu estava com um pouquinho de medo do que o Yang faria com Choi e sua carreira. 

- Você irá me contar tudo detalhadamente? Se a resposta for sim, eu irei esperar.

- Eu irei te contar detalhe por detalhe.- pegou minha mão e deu um breve selar.- Obrigado por ser paciente comigo.- sorriu.

-  Você vai ficar bem? Digo... Você quase pediu demissão.

- Eu estou bem, Yang pensa que eu e os meninos somos marionetes dele. Não se preocupe, eu vou dar um jeito, fique tranquila. 

Estranhei quando ele entrou no nosso bairro.

- Esqueceu alguma coisa em casa?

- Não.- disse simplista.

-  Então por que estamos aqui? Você esqueceu que temos que voltar pra casa da sua mãe?

Ele estacionou o carro e desceu, fiz o mesmo que ele, Seung foi até a porta e quando fez menção de abrir a porta eu o parei.

- Você está me ouvindo?! Temos que voltar pra casa da sua mãe!

- Você quer ir lá mesmo estando cansada dessa viagem e aguentar as ofensas do meu pai? Por que se você quiser eu te levo.

Ele falou sério e se soltou de mim, entrou em casa sem falar mais nada e entrou no quarto e deitou na cama.

Que bicho mordeu ele?

- Por que está assim?

Perguntei assim que entrei no quarto e me deitei ao lado dele.

- Por nada. Por que não ligou pra mim ir te buscar?- suspirou.

- Eu queria fazer uma surpresa.- sorri sem jeito.

Ele me encarou e logo depois fechou os olhos.

Me senti estranha, mesmo quando à alguns meses atrás quando ele me tratava mal, eu nunca ne senti desse jeito, como se eu fosse a culpada.

- Vá descansar, amanhã voltaremos para Jeju.

- Eu falei ou fiz alguma coisa errada? 

- Não.- falou calmo.

Agora eu estou irritada. 

- Então me diz o por quê que você está assim comigo! Uma hora está todo carinhoso e noutra está como se eu fosse qualquer pessoa. Você me deixa confusa Choi, ficamos separados por 5 dias, será que você realmente sentiu a minha falta ou foi só pra fazer o papel de bom marido?!- exclamei irritada.

- Amanhã conversamos S/n, não é só você que está cansada. Boa noite.

Virou as costas pra mim e desligou o abajur.

Eu estava quente de raiva e meus nervos estavam à flor da pele, me levantei e fui tomar um banho pra tentar me acalmar. Foi uma tentativa impossível, mas um banho é sempre bem vindo. Saí do banheiro e vesti meu pijama, peguei uma coberta e um travesseiro. 

Quando eu ia abrir a porta Choi se levanta da cama e me olha confuso.

- O que está fazendo?

- Vou dormir no sofá. 

- Por quê? Aqui tem espaço suficiente.

- Porque eu quero. Vai que a sua mudança de humor seja transmissível.- olhei pra ele e sorri cínica.

Saí do quarto e desci as escadas pisando firme, me arrumei no estofado e logo adormeci.

Acordei com uns barulhos vindo da cozinha e fui lá ver o que era. Quando me aproximei vi um vuto preto mexendo nas gavetas do armário e me assustei na hora. 

Não seria Choi, porque ele nunca desce na madrugada. E só podia ser ladrão.

Assim que criei coragem pra gritar alguém veio por trás e colocou a mão em minha boca.

- Se você gritar eu te mato.- sussurrou em meu ouvido e eu senti uma lâmina gelada meu pescoço.

O outro homem virou para trás eu pude ver metade do seu rosto que estava descoberto e por algum minuto eu pensei ter visto ele em algum lugar, mas não conseguia me lembrar de nada, o medo estava tomando conta de mim.

O homem que estava me segurando apertou ainda mais a lâmina em meu pescoço e eu comecei a chorar.

- Não é pra machucar ela seu otário.- o outro que estava vasculhando o armário falou e eu reconheci a voz.

Era o irmão mais velho da Chaerin.

O outro afroxou a mão da minha boca.

- Kwang Soo?!- falei baixo.

- Merda! Vamos logo!

Passou por mim e o que estava me segurando me soltou e correu pra fora de casa.

- Se você comentar isso com alguém seu marido vai se dar mal, S/n.

Disse baixo e logo correu para fora.

Ainda estava parada no meio da cozinha tentando entender o que acabou de acontecer. Meu corpo estava tremendo e minhas mãos estavam suando frio. Peguei um copo de água e bebi o líquido como se a minha vida dependesse daquilo, quando ia colocaro copo na pia a luz se acende e faz com que o copo caia das minhas mãos e meu grito ecoa pelo local. 

- Hey!- A voz de Choi preenche o lugar.- O que aconteceu? 

Ele se aproximou e eu me encolhi no chão da cozinha, não estava conseguindo controlar o meu choro.

- Jagiya fale comigo! O que aconteceu? Por que está assim?

Se aproximou mais e antes que ele me tocasse eu me levantei e corri até a lavanderia onde me tranquei.

Minha cabeça doía e meu coração estava acelerado.

Ouvi batidas na porta.

- Vamos conversar Jagiya, abra a porta.

Passou-se 10 minutos e tudo estava silencioso, minha respiração voltou ao normal mas o medo ainda estava presente. Abri a porta devagar e me deparei com Seung parado frente à porta, assim que ele viu o meu estado me pegou no colo e me levou pro nosso quarto.

- Por favor S/n, me diga o que aconteceu, estou prestes à enlouquecer de preocupação.

- Me abrace.- sussurrei.

- O quê?

- Me abrace.- falei um pouco mais alto.

Sem demora ele me envolveu em seus braços e me senti segura.

- Tinha alguém... entrou...estava na cozinha.

- Tinha uma pessoa na cozinha?- assenti.

- Eu estou com medo Choi.- choraminguei.

- Xiii. Está tudo bem agora. Não vou mais te deixar sozinha.



Em algum momento

Eu comecei a olhar mais para o chão do que para o céu

É difícil até mesmo respirar

Eu estendo minha mão, Mas ninguém a segura








Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...