História Love will keep us alive - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Kentin, Lysandre, Nathaniel, Rosalya, Violette
Tags Amor Doce, Castielxnathaniel, Castnath
Exibições 79
Palavras 1.739
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá humanos.

Capítulo 17 - Capítulo 17


Fanfic / Fanfiction Love will keep us alive - Capítulo 17 - Capítulo 17


 ~> POV’s Castiel


  Não acredito que o Nathaniel ficou de papinho com o novato, eu sei que ele é o representante e tal mas ele exagerou, ficaram conversando durante todo o 'tour' pela escola e não era assunto escolar pois os dois ficavam rindo direto e eu vi até o Nathaniel corar em um desses momentos. Como se não bastasse, quando eles estão se despedindo ele o chama de loirinho, só eu posso chamar assim, ‘MEU LOIRINHO’, to com tanta raiva que nem consigo olhar na cara do Nathaniel mas claro que o idiota aqui esperou ele pra ir embora.

 Chegamos em casa e ele foi fazer o almoço.

- Amor, me ajuda com o almoço? -perguntou manhoso

- Pede ajuda ao seu amiguinho. -respondi seco e fui para o quarto

- Ei, Cast, espera vai, não fica assim. -falou vindo atrás de mim

- Me deixa em paz Nathaniel, vai lá com seu amiguinho. -falei parando na porta do quarto

- Não.- falou bufando- eu quero ficar com você, com o idiota do meu namorado -falou se aproximando- poxa, to com saudades -disse com a voz manhosa- o dia hoje foi corrido, mal tivemos tempo pra ficar juntos -falou colando seu corpo ao meu- me dá pelo menos um beijo. -concluiu envolvendo os braços no meu pescoço.

- Eu quero saber tudo o que vocês conversaram. -falei sério tentando não me abalar com tentativa de sedução dele

- Assim tá parecendo meu pai hein! -falou se soltando de mim percebendo que isso não funcionaria

- Tá de brincadeira né?! -falei quase explodindo de raiva- obrigado pelo elogio. -conclui sarcástico e ele bufou

- Vamos parar com isso, por favor, não quero brigar com você, a gente tava tão bem, não vamos deixar uma besteira atrapalhar isso. -falou segurando meu rosto com as duas mãos e me olhando nos olhos

- Tem razão- suspirei- mas eu não vou conseguir acabar com isso antes de quatro coisas.

- O quê?  -falou depois de um longo suspiro

- Primeiro, porque você corou durante a conversa? -perguntei e ele riu

- Ele disse que eu parecia mas queria ter certeza então perguntou se eu sou o passivo. -falou desviando o olhar

- Hmn… Segundo, ele é ativo ou passivo?

- Passivo também.- respondeu sorrindo- espera,  -ficou sério- porque você quer saber isso? -perguntou com um pouco de ciúmes

- Curiosidade.- respondi provocando e ele me deu um soco no ombro- é só pra saber se ele não quer te comer.

- Acho bom que seja só isso mesmo. -respondeu sério- qual a terceira coisa?

- Ah sim, me prometa que nunca mais vai deixar ele ou qualquer outra pessoa te chamar de loirinho -respondi e ele ficou me olhando como se achasse que estava brincando- esse é o meu jeito de te chamar, você é o meu loirinho, não deixe mais ninguém te chamar assim. -conclui prensando ele contra a porta do quarto que nem tínhamos aberto ainda

- Tudo bem, vou falar com ele e com qualquer outra pessoa que se atrever a me chamar assim -fiquei encarando ele- eu prometo -concluiu quando percebeu o que eu queria

- Hmn… passou no teste. -falei sorrindo e ele sorriu também

- Mas ainda falta uma coisa.

- Eu não esqueci, não se preocupe, deixei o melhor pro final, eu quero um beijo. -mal terminei de falar e ele atacou meus lábios, segurei em sua coxa e o levantei, ele enroscou a perna na minha cintura e eu levei a gente pra dentro do quarto, sentei na cama com ele no meu colo

- Espera aí.- falou me empurrando

- Te machuquei?  -perguntei preocupado e ele sorriu

- Não idiota, relaxa, nem fizemos nada.  -respondeu rindo da minha cara- Eu também tenho algumas coisas pra te falar e pedir.

- Ah, tudo bem. -falei deitando na cama e ele continuou sentado em mim

- Primeiro, me desculpa por ter te comparado com meu pai naquela hora.

- Não se preocupa com isso amor, você só explodiu, estávamos discutindo é normal. -falei sorrindo

- Não, não é normal, você é totalmente diferente dele, mesmo você não tendo obrigação de cuidar de mim, você cuida e mesmo com raiva e morrendo de ciúmes você ainda estava se preocupando comigo e me esperou pra vir pra casa. -falou com os olhos marejados

- Eu cuido de você porque eu te amo meu loirinho, e não importa o que aconteça nada vai mudar isso, eu sempre vou me procupar com você mesmo que gente brigue. -falei abraçando o mesmo

- Eu também te amo -falou se aninhando no meu pescoço- estraguei o clima né?

- Podemos deixar isso pra depois. -falei sorrindo- era só isso que você tinha pra falar?

- Ah não -saiu do meu pescoço e passou a me olhar-  eu quero que você me prometa também que nunca vai deixar ninguém te chamar de ruivinho. -dei uma gargalhada e ele me olhou sério 

- Eu prometo amor.

- Por quê você riu?

- É que eu não dou intimidade pras pessoas me chamarem assim, não sou sociável como você. -falei e ambos sorrimos

- Verdade, acho que ninguém é maluco de chamar assim mas já está avisado.

- Ta bom, mais alguma coisa?

- Só avisar que vou conversar bastante com o Alexy por esses dias -falou e eu fiquei sério- e vai ser longe de você- fiquei com raiva e ele percebeu- se acalma, é por uma boa causa, eu quero fazer uma coisa especial pra você e ele tem mais experiência que eu com essas coisas então vou pedir ajuda dele. -falou acariciando meu cabelo

- E o que é essa coisa? Não tô gostando nada disso…

- Mas vai gostar -falou me interrompendo- e eu não vou contar o que é, é surpresa mas tenho certeza que você vai gostar, não vou falar mais nada além disso. -falou sério

- Tá bom, mas é só pra conversar, nada de ter aulinhas particulares com ele. -disse sério, me olhou como se isso fosse algo óbvio e me deu um selinho- quer voltar de onde estávamos?  -perguntei sorrindo malicioso e ele ficou me olhando- vamos almoçar primeiro. -falei e ele levantou rápido

- É por isso que eu te amo -falou sorrindo- vou lá preparar, vai tomando banho.

- Só por isso? -falei fazendo beicinho e ele mordeu-  também te amo e eu vou lá te ajudar pra ir mais rápido.

- Não precisa, tá quase tudo pronto de ontem, só vou esquentar e fazer o suco. E você sabe que têm muitas razões pra eu te amar e essa é uma delas. -concluiu, me beijou e foi andando

- Gostoso! -falei indo atrás dele e dando um tapa em sua bunda fazendo ele dar um pulinho


 Ele deu uma risadinha e continuou andando e eu fui tomar meu banho. Quando desci já estava tudo pronto, sentei na mesa de frente pra ele que tava só me esperando, esses momentos são tão bons, ficamos conversando sobre várias coisas e acabamos sabendo mais um sobre o outro. Acabamos e ele foi tomar banho, coloquei a louça pra lavar e arrumei a mesa, quando tava tudo pronto eu deitei no sofá e logo depois ele desce as escadas e deita junto comigo, ficamos de conchinha assistindo tv.

 Durante a tarde ele resolveu ler um livro e eu resolvi tocar guitarra, ele foi pro quarto pois disse que o som estava atrapalhando, umas duas horas depois ele ainda estava lendo então fui lavar a moto. Não sei quanto tempo depois eu acabei e fui para o quarto ele estava do mesmo jeito mas quando percebeu que eu estava ali ficou me olhando, eu estava sem camisa, com uma bermuda vermelha que acabei molhando um pouco, com o cabelo e o corpo também um pouco molhados.

- Quer um lencinho, amor? -perguntei debochando, ele acordou pra vida, piscou várias vezes e nem se deu ao trabalho de me responder, só voltou a ler- vou tomar banho, se quiser vir sinta-se à vontade. -falei um pouco chateado


  Fui tomar banho mas ele não apareceu, enrolei um pouco pra ver se ele ia entrar mas nada. Quando saí ele estava me esperando na porta, tirou minha toalha e me entregou uma roupa, me vesti enquanto ele colocava a toalha no lugar. Depois ele me puxou pela mão, me fez deitar na cama e se sentou perto, em seguida me puxou pra deitar em seu colo (foto do capítulo), acho que ele percebeu que eu estava chateado mas voltou a ler e eu fiquei olhando pra ele.

- Se o senhor não ficasse de fone durante a aula saberia por que estou fazendo isso, não me desconcentra desse jeito -falou quando percebeu que eu estava olhando pra ele- isso é um trabalho pra daqui dois dias, temos que ler o livro e responder umas perguntas sobre o mesmo.

- E porque não pediu minha ajuda?

- O livro é um romance, você não gosta, o próximo trabalho você faz sozinho.

- Ok, obrigado por me salvar dessa meu loirinho. -falei e ele voltou a ler, voltei a abraçar sua cintura e pouco depois senti sua mãos afagarem meus cabelos e eu peguei no sono


 Não sei quanto tempo depois eu acordei, mas ele tinha dormido também, pegou sono encostado na cabeceira da cama e o livro ficou em seu peito, peguei o livro, marquei a página e coloquei na mesinha do lado da cama, depois ajeitei ele e o cobri. Fui ao banheiro e depois vi a hora, eram 20:30 e a gente não tinha comido nada além do almoço, desci e preparei miojo, minha especialidade, comi e coloquei um pouco no prato pra ele, coloquei o prato em uma bandeja e fui para o quarto. Coloquei a bandeja na cama e comecei a acariciar seu cabelo, seu rosto e lhe dei um selinho, voltei a acariciar seu cabelo e ele acordou.

- Oi minha princesa. -falei provocando

- Oi idiota! -respondeu me dando língua- já tá na hora de ir pra escola?

- Felizmente não, eu dormi no seu colo e não sei quanto tempo depois você dormiu também, eu fiz miojo, te acordei só pra comer, só almoçamos hoje e agora já devem ser quase 21:00.

- Sério?! Eu dormi muito então e obrigado amor. -falou, me deu um selinho e sentou na cama


 Coloquei a bandeja no colo dele e fiquei olhando ele comer, quando ele acabou eu levei as coisas pra cozinha e depois deitei com ele. Ele queria voltar a ler mas eu não deixei, ele já tinha passado da metade do livro, falei pra ele terminar amanhã, ele concordou e fomos dormir de novo, desta vez de conchinha.


  


Notas Finais


Continua...?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...