História Love without limits (BoruSara) - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Borusara, Boruto, Naruto, Sarada
Visualizações 110
Palavras 2.183
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Escolar, Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu sei..
Agora que as aulas voltaram não dá pra postar na mesma frequência então está demorando um pouco mais.

Ainda estou pensando em um horário fixo pra add capítulos mas não sei ainda.

Capítulo 12 - Meu idiota


Fanfic / Fanfiction Love without limits (BoruSara) - Capítulo 12 - Meu idiota




Sarada on



Naquele dia cordei calmamente  sentindo algo leve e suave sobre o meu rosto, algo como.. Uma mão? 

Acordei com o susto e me sentei rapidamente  na cama, segurando aquela mão leve e macia. Abri os olhos calmamente, encontrando outros grandes olhos verdes que me olhavam de uma maneira preocupada.

-Vim ver se você estava melhor.. Você dormiu a tarde toda. _ Suas palavras saíram de uma forma macia e suave até meus ouvidos. 

Balbuciei algumas palavras ilegíveis e logo  soltei sua mão. Sentia meu corpo leve e mole. Era uma sensação de cansaço bem estranha. 

Procurei as segas pelos meus óculos, mas eles me foram dados pela minha mãe. Levantei e estiquei lentamente meus braços, eu não havia percebido,  mas o sol já estava quase se pondo.

-Eu dormi a tarde toda? Foi isso? _ Eu disse olhando para a janela.

-Você dormiu por seis anos Sarada. _Arregalei os olhos enquanto ela parecia falar a coisa mais normal do mundo.

-Que?!

-Tô brincando. Mas você dormiu a tarde inteira. Eu sei que você não dormiu direito por causa da sua missão mas mesmo assim, não é normal dormir tanto. 

-E eu tô morrendo de fome.

-Não está na hora da janta ainda mas eu prometo fazer alguma coisa legal.. Pode ser um.. Sei lá. Eu vou comprar algo pronto e chego já já.

-OK mais não demore muito.

-Ah, seu pai saiu como todo fim de semana, tente não fazer bagunça até eu voltar. 

-Você sabe que eu não faço isso.

Antes de eu terminar minhas palavras, ela já havia saído do quarto e fechado a porta, deixei que um suspiro escapasse da minha boca.

Respirei fundo e voltei meu olhar a grande janela do meu quarto. O sol já não era mais visto, dando lugar a escura e fria noite e aquele maravilhoso céu estrelado. 

Nem adiantaria apontar a câmera para o quarto dele, era visível que ele não estava ali. Corei levemente apenas por pensar nele.

Realmente eu gosto dele.

Eu estava completamente perdida em meus pensamentos, uma série de idéias se faziam e se desfaziam em minha mente.

Apoiei meu corpo com as mãos me pondo para fora da janela, sentindo o vento gélido batendo contra meu rosto, era algo realmente nostálgico. 

  Lembrei - me de Chocho, dos moleques da rua, da praia, dos meu amigos, da minha antiga vida.

Brasil... Talvez um dia eu volte.

Era realmente

Senti mãos masculinas me abraçando por traz, o que me trouxe arrepios por todo meu corpo. Será que Boruto não sabe bater na porta, ou dar um aviso?

-Oi.

-Oi. Está melhor? _ Senti seu rosto repousar sobre meu ombro. -Fiquei preocupado.

-Sim. Não foi tão grave, não se preocupe tanto.

-É impossível não me preocupar com você Sarada. Ver você caída e desacordada daquele jeito.. Isso mexe comigo.

-Eu sei me cuidar. Não se preocupe tanto.

-Promete que não vai mais se arriscar? 

-Promete que vai me proteger de novo quando eu me arriscar?

Olhei para seu rosto, seus olhos azuis brilhavam e refletiam as estrelas. Ele olhou pra mim igualmente, mas eu simplesmente voltei minha atenção ao vazio da noite.

-Isso significa que você vai se arriscar de novo?

-Talvez. 

-Bem, se você fizer isso de novo eu juro te proteger. A todo custo. 

Seria mais fácil eu proteje-lo do que o contrário e, provavelmente eu teria jogado isso na sua cara, se eu não o amasse tanto. Apenas sorri.

-Você é tão...

Não terminei de falar, fiquei de frente pra ele, com um sorriso estampado no rosto. Apoiei minhas mãos em seu ombro.

-Tão idiota.

Era óbvia a minha intenção, mas minha mãe abriu a porta de repente e entrou. Nós nos separamos de uma maneira rapida e completamente constrangidos.

-Sarada!

Senti - me culpada, mas ao mesmo tempo tinha vontade de sorrir da situação. 

-Não olhe assim pra mim.

O silêncio reinou, mamãe permanecia levemente corada e nos olhava como se acabassemos de cometer um crime.

-Certo, mamãe o que você trouxe?

Tentei destrai-la, ela sabia que eu e Boruto estávamos juntos então porquê o espanto? Me agradeci mentalmente por contar a ela acidentalmente naquele dia, pois, se ela houvesse nos encontrado daquela maneira sem saber de nada, seria uma bronca enorme.

Até porquê agora ela já é até uma cúmplice nossa, já que sabe de tudo e não contou nada ao Sasuke.

-E-Eu..

-Esqueça o que você viu.

Tomei as sacolas de sua mão e sai do quarto enquanto ela falava algo para Boruto. Fui até a cozinha e coloquei tudo sobre a mesa.

Escutei passos pela escada e logo depois mamãe apareceu sorrindo levemente para mim e Boruto com um calo na cabeça. 

Bem, pelo menos não foi em mim.

-Eu comprei sorvete e ingredientes pra um sanduíche. 

Olhei para ela com a pior cara possível de descrença e reprovação. Ela sempre soube que eu odeio sorvete, dês de que eu era pequena Sasuke me convenceu de que sorvete era algo horrível, já que ele também não gosta então eu cresci não gostando.

-Não faça essa cara, só porque você não gosta não significa que os outros não devem comer também. _Ela cruzou os braços. 

-Hm.

Falar Hm foi uma das poucas coisas que aprendi com o meu pai.

Montei uma enorme pilha de comida e as vesti com pão. Certamente era o melhor de todos. Sorri vitoriosa com meu grande feito, enquanto eles apreciavam algo como sorvete de creme.

Sentei em uma cadeira de frente para Boruto e ao lado da minha mãe, admirei suas faces tristes por comer algo tão...

-Está muito bom Sarada. Você deveria provar. _ Eu a olhei com repugnância e fingi não ser sua filha.

Mantive a maior distância possível aquilo. Olhei da mesma forma para Boruto, mas não consegui conter meu olhar.

Era tão estranha aquela sensação. Como se na sua boca aquele doce tão ruim tivesse um gosto tão bom que me dava até vontade de provar.

Era quase incontrolável a vontade de tomar aquela colher de sua boca e joga-lo naquela mesa, até eu lebrar que mamãe estava do meu lado.

-O que foi Sarada? Você está vermelha. _ Mamãe passava a mão na minha testa.

-Acho que a febre está voltando. _Disse Boruto.

-Mas eu não tive febre hoje. 

-Você teve febre a tarde, mas estava dormindo.

Eu me espantei. A quanto tempo Boruto estava aqui em casa?

-Não acho que seja febre.. _Disse mamãe. 

-Então.. o que é? _ Boruto acabava de limpar a tigela com o próprio dedo.

-Nada de mais. Eu estou bem.

O jeito como ele come como se fosse uma criança, levando aquele dedo sujo de sorvete até a boca e se melando até mesmo sua testa, era algo tão idiota.

Isso. Meu idiota.

-Ela está ficando mais vermelha. Deve ser febre. _ Boruto disse levantando a camisa para limpar a boca com ela.

-Sarada, vou fazer uns remédios. 

-H-Hein?

-Vai ficar tudo bem Sarada.

-Já está tudo bem. Fiquem tranquilos.

Tentei levantar, mas prendi o meu pé em alguma coisa e acabei caindo.

-Ela desmaiou! Rápido peg..

Apenas consegui ver formas nebulosas se mexendo como loucos, definitivamente eles são loucos. Mas, na verdade eu estava com sono de mais para me levantar.




***



Acordei com uma pessoa ao meu lado, segurando em minha cintura, mas não consegui distinguir quem é. 

Rolei pela cama a solta e acabei caindo no chão, com um estralo. Senti algo líquido em minhas costas.

-Sarada!

-Estou bem, só está sangrando um pouco de novo.. Quem é?

-É o Boruto, não se mexa viu?

Mas algumas movimentações estranhas que não pude identificar e senti o toque de suas mãos nas minhas.

-Os seus óculos quebraram ontem quando você desmaiou, sua mãe saiu hoje cedo para conseguir novos e me deixou cuidando de você. 

-Eu não desmaiei, e além do mais, porque minha mãe deixaria você cuidando de mim?

-Ora. Porque ela confia em mim.

-Sei.

Soltei sua mão, já me sentia segura o suficiente para conseguir andar.

-Já estou bem e não preciso de ajuda. 

-Deixa de ser chata.

Ele pegou em minha mão novamente e me deu um rápido Beijo, sem que eu pudesse fazer qualquer coisa para protestar e desceu calmamente degrau por degrau pela escada.

Sentei na mesa balançando os pés esperando calmamente até ele me dar um copo de água. 

-Não precisa me paparicar tanto assim.

-Claro que precisa. Você é minha namorada. Não é? 

Quase me afoguei naquele copo de água pelas suas últimas palavras. Isso seria um pedido de namoro?

-Sim.. Acho que sim.

Pulei da mesa e senti o frio toque do piso em meus pés, eu me sentia nua sem meus óculos. 

-Vamos?

Senti sua mão sobre meu ombro, me direcionando até o quarto de novo, mesmo não conseguindo ver muita coisa, consegui achar a cama, onde eu me sentei.

-Obrigado por se preocupar tanto comigo.

-Faço isso porque gosto de você.

Sorri meiga para ele.

-Cheguei

Olhei para o canto do quarto e a porta se abriu, em alguns segundos coloquei meus óculos novos.

-Finalmente. 

-Desculpe, tive que andar a vila toda para encontrar esses óculos. 

-Tudo bem, é muito bom cuidar da Sarada.

-Cheguei._Era meu pai, podia escutar sua voz.

Quando voltei a olhar Boruto, ele não estava mais lá, pude ver seu sorriso vitorioso do outro lado da janela.

-O que vocês duas estão fazendo? _ Sasuke tinha os olhos vermelhos e as pálpebras pesadas.

-Nada.

-Como passaram a noite?

-Ah, foi normal

-Hm.

Quando ele saiu do quarto, nós duas demos risadinhas cúmplices. 

Nunca pensei que pudesse ser tão amiga da mamãe. 

-Vou falar com seu pai.

-Enfim sós. _ Eu disse olhando para o meu reflexo no espelho. - E então? O que fazemos agora?






Será que elas estão lá? 

Não, eu não as vejo dês do último dia de aula.

Vamos tentar.

Serei feita de trouxa.

Conversaremos sobre meninos?

Será qu-

Meus pensamentos foram interrompidos quando eu percebi que já havia chegado.

Dei três toques na "porta" mas não tive resposta. Abri a porta de vagar e constatei decepcionada que não havia ninguém lá. 

Estava vazio, com a mesma cara feminina e fofa, embora vazia ainda havia uma pequena foto das meninas unidas em uma provável festa do pijama secreta.

Dei um leve sorriso, elas sempre foram legais assim e eu não percebia? 

Senti que alguém me observava, mas o cômodo estava vazio.

-Tem alguém aqui? Meninas? _Falei baixinho.

Senti algo ser jogado contra mim, seriam kunais ou algo parecido? Era um ataque?

Eu provavelmente teria me defendido se meus reflexos não estivessem tão ruins, apenas coloquei minha mão para absorver o impacto e proteger meu corpo.

"Splash"

Sentia gotas de água escorrerem pela minha mão, e outras gotas próximas ao meu corpo, não entendi muito a situação, mas acho que era um balão de água. 

-Mas.. o que?

Abri um dos meus olhos mas logo os fechei de novo. Em um instante, fui bombardeada de mais e mais balões até que minha roupa ficasse completamente encharcada.

Abri meus olhos de novo. Eu estava irritada, se era essa a intenção de quem quer que fosse, havia conseguido. Procurei pelos meus óculos que haviam caído durante o ataque, quando fui atingida de novo na cabeça. 

Coloquei meus óculos no lugar e me recompus. Levantei e pulei a janela, correndo entre as árvores. 

-E então,  vocês desistem? _ Disse Inojin.

-N-Nunca. _Sumir disse  com dificuldades para se movimentar, notei que as sombras de todas elas estavam ligadas à Shikadai. 

-Boruto! _ Disse Inojin. 

-Certo.

Várias bolas de água foram a tiradas em todas elas e embora eu não entendesse muito bem a situação, sabia que fazia parte da ordem natural do mundo que eu as ajudasse.

-Ah! _Elas gritaram. Notei que todas elas estavam completamente molhadas também. 

-Não adianta, nos vencemos.

-Nunca. Não podem nos prender por muito tempo. 

Apareci de repente entre elas. Me sentia a mais super fodastica de todas e estava prestes a atacar.

-Vou acabar com isso em um único golpe.

-Sarada!? _ Os meninos disseram em coro.

Não disse nada, apenas ataquei com meus clones das sombras escondidos e os amarrei de maneira que não conseguissem se mover.

-Conseguimos! _Gritou Sumire. 

-Ainda não. 

Fiz um sinal com a cabeça para meus clones e em questão de segundos, os meninos estavam igualmente molhados com os balões de água. 

Eles estavam furiosos.

-Agora solte a gente, podem ficar com o território. Não queríamos mesmo.

-Se são tão bons, se soltem sozinhos. _Disse uma delas.

Eu concordei com ambas, embora quando elas tenham virado de costas eu joguei umas kunais, cortando suas cordas.

Corri um pouco e as alcancei facilmente.

-Porque vocês estavam brigando? _ Perguntei.

-Pela casa na árvore. Eles querem toma-la de nós. 

-E porque eles fariam isso? 

-Porque era deles primeiro, nós a tomamos deles no começo do ano.

Agora eu entendo a rivalidade que sempre teve entre eles. No fundo eu sempre soube que era excluída das suas brincadeiras.

-E agora que estamos molhadas desse jeito?

-Vamos nadar em algum rio?

-Não temos roupas de banho.

-Já estamos molhadas mesmo.

-Melhor não,  eu vou pra casa

-Está bem. Mas você perderá toda a diversão. 

Sorri e voltei pra casa, estava morrendo de fome e não havia tempo para pensar muito.

-Cheguei.

Fechei a porta e procurei por sinal de alguém. Segui alguns barulhos na cozinha.

-Mãe? Sasuke?

Chego lá e percebo que eles estavam tendo uma discussão. 

-Sarada..

Eu sempre soube que eles discutiam quando eu não estava em casa, mas mamãe sempre acabava o perdoando.

-Você vai mesmo fazer isso com ela?

-Não posso negar Sakura.

-Claro que pode!

-Nos não podem-

-Aaah!_Gritei tentando chamar a atenção de ambos.

-Será que vocês podem parar com isso? _Perguntei tentando me acalmar.

Eles fizeram um silêncio de culpa.

-Porque vocês estão brigando dessa vez?

-Vamos voltar ao Brasil.

-O que?!

Depois de um dia tão legal assim, eu devia imaginar que algo assim deveria acontecer.


Notas Finais


:,(
Sim, eles vão voltar.
Não, Sarada não gosta de sorvete.
Sim, Eu amo vocês.
Não, não morram.
Sim, o próximo capítulo será mais interessante.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...