História Love Yourself (Imagine Park Jimin) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Imagine, Park Jimin
Exibições 140
Palavras 2.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei, mas chegay com o cap novo!

A música não tem nada a ver com o cap, mas é uma pista para o que vem no próximo capítulo, ok?!
(acho que falei mais do que deveria)

Vamos ao cap!

Capítulo 3 - Capítulo 2


Capítulo 2 

"But sometimes, I just want somebody to hold 
(Mas, às vezes, eu só quero alguém para abraçar) 
Someone to give me their jacket when its cold 
(Alguém para me dar seu casaco quando está frio) 
[...] 
And I know it’ll be worth the wait 
(E eu sei que vai valer a pena a espera)" 

Dear No One – Tori Kelly 

O dia realmente estava um inferno. Tive de ficar a aula inteira conversando, sendo que o professor estava passando uma matéria sobre a Segunda Guerra Mundial, mais necessariamente falando sobre Hitler, que no caso é a única coisa que eu gosto em história. E eu fui obrigada a ouvir sobre a transa de uma das descaradas com um cara que estava no meio da rua. Sim, ela realmente fez isso. Posso ter uma imagem bem parecida com a dela, porém sou muita mais bonita e não sou trouxa o suficiente pra uma coisa tão repugnante assim! 

— E você, S/N? Tudo certo pra sentir o Yoongi de novo dentro de você? - Ok, acho que existiam formas mais educadas de se dizer isso. 

— Sim, vai acontecer... - Digo revirando os olhos, minha paciência estava esgotando já só de ouvir a voz irritante dessa descarada nojenta. - Com licença, mas eu preciso ir. - Me levanto e saio pelo corredor, indo até a sala de artes, que seria minha próxima aula. 

E infelizmente a pessoa que eu não queria ver estava lá, bem na tela ao lado da minha. 

— Bom, hoje nós iremos mexer um pouquinho com o nosso passado. - Claro que revirei os olhos, mas por dentro achei que seria muito legal. - Eu queria que vocês contassem através de uma pintura alguma passagem muito importante em sua infância. - Várias pessoas deram pulinhos de alegria e começaram a sussurrar uns para os outros, enquanto eu e algumas das descaradas ficávamos apenas sérias. - Pode ser algum passeio que vocês adoraram quando eram pequenos, alguma pessoa que marcaram a vida de vocês... Fiquem à vontade para desenhar e tenham um ótimo trabalho! - O professor bate palmas e todo mundo começa a correr atrás de pinceis e tintas necessárias. 

O que eu iria fazer? A primeira árvore que plantei, junto com... Não, esquece! 

Eu poderia desenhar a lagoa... Ah, também não dá! 

E se eu desenhasse... 

Não, não, não, e não! Nada disso! Não vou desenhar algo que se remeta ao queridinho ao meu lado! 

Quer saber? Vou desenhar o primeiro dente meu que caiu... 

... Mas foi ele que arrancou pra mim! 

Merda. Tudo isso é uma merda! 

A solução é desenhar o vestido que eu mais gostava. Pronto. 

Apesar de que eu ganhei dele no meu aniversário... 

Ah, o dinheiro era da mãe dele, então eu posso desenhar sossegada. 

Começo a desenhar o contorno do vestido, que no caso era um cor de rosa que em minha cabeça era de bailarina, só porque a saia era meio rodada e tinha uma borboleta de tule por cima do peito e um laço na cintura. Sim, eu poderia ser igual à outras meninas e pensar que aquilo era um vestido de princesa, mas não, eu achava que era de bailarina. 

Assim que termino, vou para a mesinha pegar a tinta rosa. E adivinha... A peste decidiu pegar a tinta verde bem na hora. Nossas mãos relaram uma na outra, e quase tive um troço. Se eu não estivesse fora de mim mesma, eu iria mandar ele à merda, como eu faria com qualquer outra pessoa. Mas aquele toque... Sério, não sei o que deu em mim. 

Pinto todo o vestido, dando leves toques para fazer um pequeno sombreado e acabo rapidamente, a primeira de toda a sala. Fazia tempo que isso não acontecia. Tanto é que todo mundo virou arregaladamente em minha direção, e ainda aumentaram os olhos mais ainda depois de ver o resultado do meu trabalho.  

Merda. Por que eu tive que fazer isso? 

— Seu desenho ficou bonito. - Jimin sussurra para mim assim que todos os olhares se desfocaram de mim. O encaro por um tempo, porém ele continuava focado em sua tela. 

— Como é? - Pergunto cruzando os braços e o mesmo dá um sorriso. Porra, por que ele foi sorrir desse jeito? 

— Ah, eu sei muito bem que você é uma boa artista. - Ele me olha de soslaio, ainda sorrindo. Vem cá, desde quando eu dei essa liberdade pra ele falar comigo como se nada tivesse acontecido? - Você sabe que eu sempre gostei dos seus desenhos, até tenho alguns guardados em casa. - Fecho os olhos, tentando não pular em cima do pescoço dele. 

— Jimin, quantas vezes eu vou ter que... - Ele apenas faz um "shiu" pra mim e volta a desenhar. Ah, mas isso não vai ficar assim... - Ei, não faça shiu pra mim não! - Ele prensa os lábios e faz o mesmo som de novo, me fazendo perder a paciência e ir em sua direção. - Olha aqui, garoto, você é muito... - Minha frase acabou morrendo após olhar a tela dele. 

Não. Ele não fez isso... 

O desenho era realmente um retrato do parque. O parque em que nós dois nos conhecemos. Como eu sei que isso foi uma indireta bem direta pra mim? Digamos que o ponto focal do desenho era o balanço para duas pessoas, que balançava sozinho. A conclusão que eu tive, porque liguei todos os fatos? Antes, aquele balanço estava ocupado, e quando eu digo antes, eu quero dizer quando ainda éramos amigos. Agora, aquele balanço está vazio, porque não estamos mais "juntos", por assim dizer. 

O que eu penso sobre isso? Jimin é um iludido. 

— S/N? - Acordo de meu transe quando Jimin me chama, e acabo por encará-lo. - Por que você...? - Assim que ele me encara e em seguida o desenho, ele faz uma cara de surpreso. - Você ainda lembra. - Ele arregala os olhos. - Você lembra de como a gente se conheceu. - Engulo em seco. Porra, por que é que eu ainda não dei as costas? 

— Jimin, por favor... - Nego com a cabeça. - Para de ser tão trouxa ao ponto de pensar que eu lembre por questão de que eu sinto sua falta. - Pigarreio, tentando manter meu tom de voz. - Eu e você sabemos muito bem que eu só me lembro disso porque o real sentido é que foi a pior escolha da minha vida inteira ter ido brincar contigo. - Ele engole a cabeça e engole em seco enquanto me aproximo dele para sussurrar. - Então, por favor, pare de fazer isso antes que eu tome providências contra você. Sabe que eu não quero isso, mesmo que você mereça... - Na mesma hora o sinal toca e saio da sala, indo direto para um canto onde pudesse ficar sozinha. 

E sim. Eu chorei. 

Não iria aguentar esperar chegar em casa para chorar por conta daquele idiota. Precisava botar tudo o que tinha pra fora e voltar a ser a mesma S/N de sempre. As lágrimas eram o único modo de aguentar alguma coisa assim. 

— S/N? - Oh, não. Ele me seguiu. Merda. - Você está chorando? - Ele pergunta enquanto se abaixa para ficar na mesma altura que a minha. 

— Não, só estou soando pelos olhos... - Ele dá um pequeno sorriso e se senta na minha frente. - Não é dá sua conta se estou chorando ou não. 

— Se eu perguntar, com certeza vai ser da minha conta. - Reviro os olhos e seco as lágrimas com as costas das mãos. - Me diz o motivo, vai? - Nego com a cabeça e pego meu celular para ver o estado do meu rosto. Crítico. Bem crítico. - S/N, você sempre me disse que eu era a única pessoa que você me contava essas coisas, sabe que se precisar pode descontar em mim. - O encaro feio. 

— As coisas mudaram, Jimin. - Estralo o pescoço. - Tenho as meninas pra contar se eu quiser, e só não conto pro Yoongi porque seria muito esquisito conversa sobre isso durante o sexo. - Jimin revira os olhos e me segura pelos ombros, me assustando um pouco. 

— S/N, pode parar com esse seu teatro. - Arregalo os olhos. - Acha que não percebi que você está fazendo isso, essas coisas idiotas, mas na verdade essa não é você? - Engulo em seco. Merda. - Pra começar, eu tenho certeza que você nem ao menos sabe o nome daquelas retardadas que só ficam do seu lado por ibope. - Tenho que me segurar para não concordar com ele. - E outra, você só está com Yoongi porque o papel de garota que você está interpretando normalmente ficam com qualquer um que aparece em sua frente. - Abaixo um pouco o olhar. - Cadê a garota que jurou perder a virgindade só depois do casamento? A louca da matemática que sempre quis participar da grande olimpíada de exatas assim que chegasse no ensino médio? E a talentosa menina que queria ter uma obra sua em alguma exposição famosa, principalmente se fosse em Paris? - A essa hora eu não tinha nem mais olhos. Eu tinha lágrimas no lugar deles. - Você precisa parar, S/N, essa não é você! - Engulo em seco, tentando me recompor. 

— Jimin, as pessoas mudam. - Digo num sussurro. - Você é um exemplo. - Ele engole em seco. - Sempre teve problemas de se socializar com os outros, agora você até tem um canal no YouTube! - Ergo os braços para o ar. - Assim como você acabou me esquecendo, eu também te esqueci e me tornei alguém melhor do que eu já era, alguém que simplesmente se desligou de qualquer sentimento amigável pelas pessoas. Como você mesmo disse, eu nem sei o nome daquelas garotas! É isso o que eu sou! A garota que nem liga pros outros! - Ele começa a negar com a cabeça. 

— Você ligava antes. E ainda ajudava muitas pessoas. Como eu... - Ele encara minha alma agora, e acabo abaixando o olhar para tentar segurar as lágrimas que estavam para cair. - S/N, você não sabe o quanto importante você foi e é pra mim. Posso não ter dado a atenção certa pra você, mas você continua no meu coração do mesmo jeito que sempre foi. 

— Pelo amor de Deus, pare de dizer bobagens... - Ponho as duas mãos na cabeça, como se tampasse meus ouvidos. - Só pare. Eu não aguento mais ouvir a mesma desculpa de sempre. - O encaro novamente. - Pare de ser assim, Park! Isso está me irritando já! Não tente pagar de bom moço, porque você não é! Um bom moço não larga as pessoas para ficar com outras, ok? - Ele abaixa o olhar e me ponho de pé. 

— S/N, você nem sabe o motivo... - Ele me olha e se põe de pé. - Eu poderia explicar aqui e agora, mas você não vai acreditar em mim. - Ele, com seu dedão, seca uma única lágrima no canto de minha mandíbula. - Mas eu só estou te pedindo uma, uma única chance! - Ele me segura pelos ombros, me olhando profundamente. - Vá em minha casa hoje, a gente pode conversar, você pode desabafar o que quiser ao invés de ficar chorando, eu posso contar como vai minha vida, ou a gente faz o que você quiser, mas por favor, me dê uma chance pra te mostrar que o Jimin que sempre te amou, que sempre foi o seu amigo, ainda está aqui e ainda te vê como a mesma S/N que encontra esperança em todo lugar! - Engulo em seco. - Quem sabe a gente não vê que foi a maior estupidez em tudo o que deu o nosso nós? - Ele me olha piedoso. 

Aquela proposta... Aquela proposta acabou por chamar a minha atenção. 

Eu realmente estava precisando de alguém, alguém que se oferecesse para conversar sobre como a minha vida estava indo, porém isso nunca aconteceu. 

E é por isso que, mesmo por tantos fatos e tantos acontecimentos, eu deveria dizer... 

Sim. Eu aceito a sua proposta.


Notas Finais


AAAAAAAAAAAAH PIRANDO ESTOU!!!!!!!

O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...