História Lovely angel - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amizade, Amor, Anjos, Colegial, Romance
Exibições 3
Palavras 2.659
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


yoo pessoal
mais um epi!!
boa leitura!

Capítulo 10 - Drew


Fanfic / Fanfiction Lovely angel - Capítulo 10 - Drew

Era hora do intervalo na West side. Como sempre o barulho de pessoas conversando no refeitório era infernal. Eu procurava Drew por todos os cantos, e mesmo assim, nada de encontra-lo. Tinha acontecido o mesmo com Ariel. Eu não o via em parte alguma da escola. Decidi comer meu lanche no pátio externo. Como eu sempre fazia. Resolveria o assunto com Ariel depois.

Chegando ao pátio, pude perceber que os vários grupinhos continuavam sempre no mesmo lugar, e olhando mais adiante pude ver a ‘gangue’ de Drew, como Carmen costumava falar. Carmen esta que me deixava sozinha nos intervalos para se agarrar a Bob pelos cantos da escola. Drew acenou pra min assim que me viu, me chamando para se aproximar do grupo. Meu rosto queimou. Como era difícil encarar o garoto que dois dias antes tinha agarrado você sob efeito de álcool! Não que eu me importasse por ele ter me beijado. Eu gostava da ideia.

Quando me aproximei, Drew mostrou um lugar na grama ao seu lado. Me sentei.

- Olá Ruiva. Como você está? – Drew conversava em um tom muito calmo.

- Hmm, bem, eu acho. – eu não o olhava. Eu não conseguia.

- Bom. – ele disse olhando para o chão.

Alguns segundos se passaram, e eu e Drew não dizemos uma palavra. Seus amigos, Louis e Dick, se levantaram de repente.

- Eu e D. temos algo pra fazer na biblioteca. Nos esbarramos por ai depois. – disse Louis pegando sua mochila e se levantando, olhando para Dick.

- Ah, eh mesmo! O lance da biblioteca... Vamos indo nessa. – disse Dick, tocando na mão de Drew.

- Biblioteca? Vocês dois? –Drew olhando com uma das sobrancelhas erguidas.

- é cara. Biblioteca... - disse Louis pausadamente- estamos indo nessa. Até mais ruiva.

- A-até mais – eu disse sentindo-me envergonhada por ficar sozinha com Drew.

Louis e Dick se viraram e encaminharam para o prédio da escola. Deixando para trás Drew e eu, sentados na grama, lado a lado. Depois de alguns instantes, Drew começou a falar, me tirando de meus pensamentos. Quebrando a barreira do silencio entre nós.

- hmm, ruiva? Me desculpe por sábado á noite. – ele agora olhava para min.

- Não, não tem que se desculpar. A noite foi ótima. Eu quem peço desculpas. – eu olhava em seus olhos negros.

- Que bom. – ele disse aliviado. – pensei que estivesse com raiva. Não sei... Todas aquelas bebidas... E eu ter me descontrolado... – Drew olhava sinceramente para min.

- Não ficaria com raiva. Você me diverte Drew. E eu gosto disso. – eu disse sorrindo. Eu realmente gostava da companhia de Drew.

- Fico feliz com isso. – ele apoiou a testa em sua mão direita e sorriu.

- Ah, e desculpe por te deixar sozinho lá. Eu fui tirada da boate a força. – fiquei um pouco irritada ao lembrar de Ariel, e de nossa discussão patética no jardim.

- Você me deixou sozinho? – Drew perguntava confuso.

- Você não se lembra? Você e Ariel quase caíram na pancada! E depois ele te deixou encostado em uma pilastra e me carregou para fora, a força. – lembrei de como Ariel fez aquilo com apenas um toque em sua testa. E preferir não dizer esta parte.

- Ariel? – ele apertou os olhos tentando se lembrar – a ultima coisa de que me lembro foi de você e eu... lembro de ter te beijado – quando ele disse isso, senti meu rosto formigar- e depois de aparecer em minha cama em casa. Eu estava tão bêbado que não consigo me lembrar de como fui parar lá. Louis e Dick também não souberam me explicar. Eles nem sabem como eles chegaram em casa. – Drew sorria se divertindo.

Eu sorri também. Se Drew não se lembrava, não ia ser eu quem ia contar da quase briga na boate. Evitar brigas entre os dois era o melhor a se fazer.

- Você fica linda sorrindo, ruiva. – ele olhava diretamente para min.

Senti o coração dentro do peito apertar. Drew ficava tão lindo com seus cabelos até os ombros escorrendo pelo seu pescoço, que parecia um boneco de cera. Seu jeitão de astro de rock era muito sexy. E eu me pegara pensando em beija-lo novamente.

E de repente a imagem do rosto de Ariel apareceu em minha mente. Me assustei um pouco por me lembrar dele assim. Olhei para os lados.

- O que foi? Está procurando alguém? – Drew perguntava relaxadamente, olhando para min.

- hmm, digamos que sim...

- Quem é? Talvez eu possa te ajudar.

Não queria dizer á ele que estava procurando Ariel, bem quando eu e ele estávamos juntos.

- Não tem muita importância. – sorri me virando para ele.

Nesse instante o sinal tocou. Drew se levantou e me ajudou a ficar de pé, me levantando com uma de suas mãos. Passou seus braços sobre meus ombros e seguimos para o prédio da escola, vagarosamente. Me senti feliz e envergonhada. Andando juntos assim, eu tinha a leve impressão de que parecíamos um casal. Todas as meninas que cobiçavam a atenção de Drew me olhavam. Umas com cara de raiva, outras faziam expressões de inveja, e Drew andava despreocupadamente, me levando corredor a fora.

Paramos em meu armário, e ele esperou que todos os alunos entrassem para sala, me segurando pelo braço para que eu esperasse junto com ele. Ficamos um pouco atrasados. Drew me olhava profundamente, e eu me sentia confusa por dentro. Algo em min necessitava da proximidade de Drew. E foi quando ele me pressionou contra o meu armário. Meu coração pulando, e Drew olhando fixo em meus olhos.

- Ruiva... – disse Drew passando uma de suas mãos envolta da minha cintura, sua outra mão ao lado da minha cabeça, apoiada no armário.

Eu não disse uma só palavra, sabia exatamente o que ia acontecer. E ao mesmo tempo em que eu mal esperava por isso, algo em min não queria permitir que Drew aproximasse. Eu me sentia muito confusa, e sabia muito bem o motivo de toda a insegurança. Ariel era o nome. Eu também estava muito próxima á ele. Era ele quem não saia de minha cabeça. E por outro lado, eu desejava Drew.

Drew se aproximava vagarosamente de min, que não oferecia nenhuma resistência á isso. E como se meus pensamentos ganhasse forma, eu ouvi a voz de Ariel nitidamente em minha cabeça. E quando abri os olhos percebi que não só eu, mas Drew também tinha ouvido, pois estava parado, ainda me segurando, olhando para o lado. Acompanhei seu olhar.

Ariel estava parado bem próximo a nós, no meio do corredor, com as duas mãos no bolso. Olhei furiosamente para ele. Ariel era o cara mais inconveniente que eu conhecera. Só aparecia quando eu não o queria por perto. E incrivelmente, quando eu estava com Drew.

- Estão atrasados. A monitora esta vindo pelo corredor lá atrás. – Ariel falava tranquilamente.

Drew olhou para o final do corredor. Ele não estava mentindo, a monitora vinha logo a trás, e quando nos viu, apertou os passos. Drew soltou-se de min, separando os nossos corpos suavemente. E virando-se para Ariel olhou em seus olhos.

- Valeu cara. – disse sendo um pouco rude. E virando-se para min – te vejo depois da aula. – e passou por Ariel pisando forte no chão, indo em direção à porta de sua sala, não antes de ser parado pela monitora, que esbravejava as regras da escola.

- Vamos para sala? – Ariel perguntava relaxadamente, seguindo para a porta da sala de biologia.

Eu o olhei com raiva. Quem ele pensava que era? Ariel me dava nos nervos. O segui, passando em sua frente e abrindo a porta da sala. Interrompemos a aula do Sr. Grog, que explicava algo sobre a reprodução dos animais.

Sentei em minha carteira, abrindo meu livro, a fim de não ser incomodada por Ariel.

- Está saindo com Drew Randlle? – ele me perguntava abaixando meu livro. Ariel tinha aproximado sua carteira da minha, com a desculpa de não ter trago seu material.

- Isso não é da sua conta Ariel. – eu conversava em um tom irritado, porém baixo. Não queria ser mandada a diretoria por perturbação da aula.

- Acontece que é sim. Por que eu me importo com você.

- Ah é? Então por que você não responde á algumas perguntas minhas? Talvez eu responda as suas. – eu olhava para ele nervosamente.

- Você sabe que eu não posso te responder. Eu já disse isso. – sua expressão era muito seria.

- Claro. Já disse sim. – eu dizia irritada.

O silencio entre nós durou muitos minutos. Mas eu não conseguia prestar atenção na aula. Não com Ariel ao meu lado. Eu queria respostas. Eu queria saber por que Ariel tinha tanto interesse em min. O que isso significava de verdade? Por que ele conseguia me deixar tão calma e tão nervosa ao mesmo tempo? Eu não conseguia parar de pensar em Ariel.

- jess... Confie em min... Eu queria poder te dizer, mas não posso. Já estou me arriscando demais por me manter tão próximo a você... – suas palavras eram sinceras. Magoadas.

Senti meu coração se apertar. A raiva dando lugar a uma leve sensação de tristeza. Olhei em seus olhos. Ariel parecia tão sincero...

-Só me diga... Você não está envolvido em algo ilegal não é? Ou perigoso... Você me diria...?

Ariel deu um sorriso melancólico. Com certeza não esperava que eu o fizesse esse tipo de pergunta.

- Claro que não jess, não tem nada a ver com isso. Acredite em min. Eu com certeza te diria se fosse algo assim.

Eu me senti melhor. Pelo menos eu podia descartar o fato de Ariel ser um criminoso ou algo do tipo. Eu acreditava nele. Eu sentia como se eu o conhecesse desde muito tempo. Eu sorri para ele e deitei minha cabeça em seu ombro sem pensar. Estávamos escondidos pelo livro de biologia, e ninguém na sala parecia se importar. Como se eu e ele estivéssemos em outro mundo. Isso sempre acontecia quando eu estava perto de Ariel. Todos os meus pensamentos turbulentos davam lugar a alegria. A paz. Ele me aconchegou em seu ombro, escorando sua cabeça na minha.

- Então, está saindo com ele? – seu tom de voz era calmo.

- Não sei... Não sei se eu quero isso mesmo. Eu gosto de Drew, mas eu estou confusa... – senti que falaria para Ariel a qualquer momento, que ele me deixava assim. Mas não o disse, apenas me calei. E de certa forma, ele parecia saber, sem eu ao menos precisar dizer uma palavra.

Ele sorriu levemente. E quando eu o olhei, ele estava olhando ternamente para min. Os olhos dourados em meio à luz do por do sol, alaranjada que entrava pela janela da sala, tão lindos e grandes, que pareciam me sugar para dentro deles. Senti meu corpo inteiro relaxar perante ao calor que emanava dele, morno, aconchegante.

Na hora em que o sinal tocou, Ariel se levantou de sua mesa, olhou para min e apenas disse:

- Faça o que seu coração mandar. Seja sincera com você mesma jess. Não permita que eu a confunda.

E saiu da sala rapidamente. Sem olhar para trás. Como Ariel sabia que ele me confundia? Ele realmente lia meus pensamentos mais profundos... Senti um sorriso brotar em meu rosto. Eu estava me sentindo tão calma, que podia jurar que Ariel era o melhor remédio para min, quando estava me sentindo triste e com raiva.

Quando saí no portão da escola, Drew estava escorado á uma pilastra, me esperando. Quando me viu, veio em minha direção. A mochila pendurada só por uma alça. As mãos no bolso.

- Pra onde você está indo agora? – ele me perguntava seriamente.

- Hmm. Tenho que estar daqui à uma hora no Doc’s.

- Posso te dar uma carona? Assim sobra mais tempo antes de você ter que trabalhar – agora ele dava um leve sorriso.

Concordei com a cabeça, e segui Drew até o jeep, estacionado numa vaga bem perto de nós. Abri a porta e sentei no carona. Drew tirou o carro e partiu rumo ao centro. De carro eu chegaria ao Doc’s mais de quarenta minutos antes de pegar meu turno.

Fomos o caminho todo sem dizer uma palavra. E quando Drew estacionou, ele segurou uma de minhas mãos, que estavam sobre o meu colo.

- Ruiva, quer saber o que eu sinto por você? – eu fiquei surpresa e envergonhada quando ele disse isso. Não disse uma palavra, na esperança que ele prosseguisse. – eu gosto de você. Eu quero estar com você.

Ou eu estava entendendo errado, ou Drew estava me pedindo em namoro. Me senti feliz e muito confusa. E me lembrei das palavras ditas por Ariel, não conseguindo dizer uma só palavra a Drew.

- eu sei que você está confusa... Eu percebo como você olha pra ele... – Drew olhava pra min, as mãos quentes envolvendo as minhas.

- ele...?

- Ariel. Eu não sei o que já rolou entre vocês, ou se rola alguma coisa. Mas eu queria te dizer que eu estou aqui com você. Eu preciso de você.

Senti meu coração inchar quando Drew disse que precisava de min. Nunca alguém na vida já tinha me dito aquilo. Eu estava feliz e magoada. Não sabia se correspondia aos sentimentos de Drew. Não queria dizer não, mas também não queria dizer sim.

- Drew... Eu...

- Não precisa me responder nada ruiva. – ele disse sorrindo e tirando suas mãos de cima das minhas. – sei como é difícil estar confuso. Posso dizer que eu também estou. Talvez eu só esteja apressando as coisas...

Confuso? Drew também estava confuso? Até então que eu sabia Drew não tinha envolvimento com nenhuma garota que eu conhecera da escola. E agora ele dizia estar confuso. Aproveitei a situação para esclarecer algumas coisas que estavam em meu coração. Mais que tudo, eu considerava Drew agora, como um amigo. Ele havia sido próximo. Atencioso. E eu queria muito retribuir tal favor.

- Como é se sentir... Confuso?

Drew olhou para min surpreso. Eu olhava para minhas mãos. Com o canto dos olhos eu pude perceber, Ele sorriu melancolicamente.

- É quando você já não tem certeza mais se sabe o que quer. É quando você tem medo de magoar as pessoas a sua volta se tomar as decisões erradas e voltar para trás.

Eu olhava atenciosamente para Drew agora. Ele descrevera exatamente o que eu estava sentindo. E ali no jeep, eu pude ver uma camada mais profunda de Drew que eu não conhecia. E que eu começava a admirar. Por baixo de toda sua casca grosseira, Drew era alguém sensível. Eu podia detectar a magoa em seus olhos.

- Drew? – eu olhava para ele.

 Ele olhou pra min despertando de suas lembranças e seus pensamentos, esperando que eu dissesse.

- quem é a garota?

Drew pareceu ainda mais surpreso. E depois com um sorriso:

- Você é esperta ruiva. Tenho que admitir. – sua expressão melancólica – havia uma garota sim. Mas já faz muito tempo. E eu já não sei mais se devo me lembrar disso. E ao seu lado eu consigo me esquecer de tudo por um instante, eu gosto de você, entende? Mas não posso fazer de você meu curativo, e sabemos que você não me vê assim nesse exato momento... Ou estou errado?

- Na verdade... Eu nem sei o que dizer... Sinceramente.

- Eu sei como é estar apaixonado. É uma droga.

- Acho que estamos os dois ferrados. – eu disse sorrindo.

Drew sorriu juntamente comigo. E quando eu desci de seu carro, ele também desceu. Segurou-me e me abraçou. Bem forte. Fiquei por alguns segundos sendo esmagada pelos seus braços, minha cabeça encostada em seu peito. O abraço de Drew era realmente muito bom.

E quando ele me soltou, ele acenou para min, dizendo para que eu subisse o Beco do Doc’s. eu segui em frente, e quando olhei para trás, Drew olhava para min, mas a expressão era de tristeza.


Notas Finais


espero que tenham gostado!
bjos da Chii-chan ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...