História Lovers - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chaz Somers, Justin Bieber, Lucy Hale, Ryan Butler
Personagens Chaz Somers, Jaxon Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Lucy Hale, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Tags Amantes, Amor, Drama, Jatherine, Justin Bieber, Lovers, Lucy Hale, Romance, Traição
Exibições 86
Palavras 1.792
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Lovers 💖 Eu não sei o que dizer pra me desculpar com vcs. São quase 2 meses sem atualizar e sei que isso é um grande vacilo.

Peço desculpas de verdade, mas muita coisa aconteceu nesses quase 2 meses, inclusive a perda de alguém muito importante pra mim, que me causou uma pequena depressão e eu não consegui escrever. Na verdade ainda tá sendo bem difícil porque exatamente hj faz 1 mês que ela se foi, então não garanto que o cap esteja muito bom.

Pra piorar, quem está no último ano da escola como eu, sabe como fim de ano é complicado principalmente pelos vestibulares, então não tive muito tempo disponível. Enfim, espero que entendam meus motivos e não me abandonem, vcs são demais pra mim! 😍

Boa Leitura ❤

Capítulo 33 - Silêncio


Ele dirigia rapidamente, ajustei o cinto de segurança em meu corpo, e pedi para ele diminuir a velocidade, mas quem disse que ele me ouviu? Cerca de dez minutos depois, tínhamos chegado à mansão. Ele estacionou o carro em frente à porta da entrada, e saiu, nem se importando de botar a camiseta. 

O segui, ele abriu a porta, e para nossa sorte não havia nenhum empregado circulando pela sala, e eu nem podia imaginar o pai de Justin nos pegando nessa situação. Subimos as escadas depressa, passamos pelo corredor e logo entrei em seu quarto, dessa vez eu abri a porta e ele rapidamente fechou vindo em minha direção, e me abraçando por trás. 

- Justin pare! -disse enquanto começava a esquivar-me dele. - Tenho que ligar para minha mãe. - falei, em seguida pegando o telefone sem fio, que ficava em cima de uma mesinha perto a cama. Disquei o numero e esperei enquanto chamava. 

Desisti de me afastar por que sabia que ele não iria parar, e para piorar começou a beijar meu pescoço. - Para - sussurrei baixo quando minha mãe atendeu ao telefone. 

- Mãe - comecei nervosa e ouvi Justin rir baixo. - Vou chegar mais tarde hoje. - disse dando-o uma cotovelada para ele se afastar, mas ele nem saiu do lugar. 

- Onde você está Katherine? - escutei sua voz preocupada do outro lado da linha. Eu não podia mais mentir, não para minha mãe. Dei um pequeno suspiro. 

- Estou na casa do Jus...  - então me lembrei do que havia contado a ela. - Estou na casa do Jason. - disse sem graça, e percebi que Justin parou de beijar meu pescoço imediatamente. 

- Kath, por favor, não demore, venha logo. - ela falou e em seguida desliguei o telefone. 

Virei-me para por o telefone em seu lugar, e vi Justin me olhando com uma cara de desentendido. 

- Como assim na casa do Jason? - perguntou me encarando de braços cruzados. Sorri de canto. 

- Eu contei a verdade para minha mãe, só que tive que te botar outro nome, não é mesmo? - me expliquei mordendo os lábios. - Vai que um dia desses, ela deixava seu nome escapar na frente de Hannah. 

- E tinha que ser logo o nome dele? - ele falou como se ainda não acreditasse. - Garota, você é má! - ele começou a se aproximar sorrindo, e eu comecei a dar passos para trás, porém, não estava nem um pouco nervosa e achava graça da situação. - Eu não posso deixar as coisas assim. O que será que devo fazer com você? - enquanto ele se aproximava, eu andava para trás, só que acabei por encostar-me à cama, e cai sentada. - Sem saída para você - ele deitou em cima de mim segurando meus pulsos. Encarou-me, olhando em meus olhos. - Por que você tem que ser tão bonita? – perguntou, começando a acariciar o meu rosto com o polegar.

Abaixei os olhos, mas ele logo ergueu minha face, levantando o meu queixo. Fitou-me de um jeito que queria falar algo, mas de novo ele não disse nada, apenas me beijou. 

Fechei os olhos apreciando seus lábios, enquanto minhas mãos abraçavam suas costas nuas. Eu poderia ficar assim para sempre, apenas lhe beijando. Mas ele queria mais, e eu não podia negar quando suas carícias ficavam mais quentes, seus lábios mais urgentes e o meu corpo começava a ansiar pelo seu também. 

Justin se desfez das minhas roupas e se livrou do pouco que restava em seu corpo, e de novo eu sentia todas aquelas sensações, minhas mãos trêmulas em seus cabelos, meu corpo todo quente, as pernas em torno de seu corpo, bambas. Mas ele continuava ardente, querendo mais de mim. 

Sentou-se com as costas na cabeceira da cama e me pegou pela cintura, fazendo-me sentar em cima do seu corpo de uma vez. Gemi alto segurando em seus ombros, e ele me conduzia com suas duas mãos grandes segurando firme minha cintura. Nossa respiração cada vez mais alta. Não aguentando mais, lhe abracei pelo pescoço, gemendo alto. Ficamos assim por incontáveis minutos. Ele saiu de dentro de mim gemendo rouco em meu ouvido, me arrepiei toda, meu corpo todo estava sensível e tudo o que eu conseguia era me agarrar nele. 

Descansei minha cabeça em seu ombro enquanto minha respiração se acalmava, ele também respirava alto, e minha mão esquerda que estava encostada em seu peito, sentia seu coração acelerado. 

Aconchegamo-nos na cama, estava de lado, enquanto que ele permanecia de barriga para cima encarando o teto. Minha mão acariciava seu peito, ele fazia um leve carinho em meus cabelos, com seu braço em torno de mim. O encarei e ele parecia pensativo. Nós precisávamos conversar, as coisas estavam dando certo entre nós, não tinha brigas, eu acreditava nele, por mais que ele fosse um pouco misterioso. Mas isso tudo só aconteceu, depois de tudo que ele me disse na sexta feira à noite. Não deveríamos fingir que nada aconteceu, nem esquecer tudo que ele disse e nem o que eu mesma falei. Respirei fundo e também encarei o teto. 

- Justin eu não estava mentindo. - comecei sem ter coragem de lhe encarar. - O que eu disse hoje no carro, o que eu disse sexta antes de dormirmos, não foi da boca para fora. - era difícil falar disso tudo, naquele dia ele disse que precisava de mim, mas nunca falou que me amava. 

- Eu preciso saber se você também não estava mentindo. - disse enfim lhe encarando. Mas ele ainda encarava o teto. 

- É melhor não falarmos disso. - disse agora me olhando de relance. Mas eu prendi seu olhar. 

- Como assim? - lhe perguntei, ele estava me deixando confusa. 

- Esquece Katherine, esquece aquele dia. - disse agora se levantando e começando a botar suas roupas. Eu me levantei também, me pondo em sua frente. 

- Me desculpe Justin, mas não da para esquecer assim de uma hora para outra. - falei lhe encarando, mas tudo o que ele fez foi abotoar sua calça e abrir a porta do guarda roupas, parecendo escolher alguma peça. 

Eu ainda continuei o encarando, não acreditando no que estava acontecendo, mas ele não perecia dar à mínima. Senti meus olhos encherem-se d’água, mas não daria esse privilégio para ele, comecei a vestir minhas roupas que estavam jogadas pelo chão, e vi quando ele me encarou respirando fundo e balançando a cabeça negativamente, como se estivesse impaciente. 

Aproximou-se me pegando pelos ombros, mas eu virei meu rosto para o lado não querendo lhe encarar. 

- É melhor tanto para mim, quanto para você esquecer o que aconteceu naquela noite. - lhe fitei não entendendo o que ele queria com isso. 

- Por quê? Foi humilhante demais para você dizer tudo aquilo. - falei, mas ele não expressava nada. 

- Katherine, eu tinha bebido naquele dia, nem lembro direito do que falei. - eu sabia exatamente que era mentira. Mas por que ele estava fazendo isso? 

- Você tem razão, é melhor eu esquecer. Mas eu vou esquecer-me de tudo, não vale a pena me lembrar de nada. Você não vale a pena! - disse e não pude esconder minha decepção, pois uma lágrima escorreu do canto do meu olho, mas logo a limpei, nem isso ele merecia. 

Abri a porta do quarto, mas antes que saísse ele me pegou pelo braço, fechando a porta e me prensando nela. 

- Me solta. - disse com raiva. - Eu quero sair daqui. - eu não queria que ele me magoasse ainda mais. 

- Por que você tem que ser tão irritante, hein? - ele parecia estranhamente calmo. - Você não entende Kath, talvez um dia entenda. Por enquanto eu só peço que confie em mim. 

- Como você me pede isso, se não me conta nada? - perguntei, me acalmando mais. Alguma coisa em meu coração se aliviou, seria duro demais se minhas suspeitas fossem verdadeiras. 

- É melhor que as coisas fiquem assim. - ele começou a acariciar meu rosto. - Você não deveria estar passando por isso, mas eu sou egoísta demais. - eu queria entender o que ele estava dizendo, mas sabia que ele não iria me contar. Será que valeria a pena continuar mesmo assim com ele? Eu estaria o amando sozinha, sem ter certeza se ele nutria algum sentimento, que não fosse desejo. Não sabia o que fazer, mas ele me beijou e mesmo indecisa o correspondi. 

Descíamos as escadas em silêncio, o clima não estava nem um pouquinho parecido de como entramos, ele estava sério e eu completamente confusa. Justin abriu a porta e fomos até o seu carro, quando entrei no mesmo, vi que as horas já marcavam 23h40min da noite e esperava que minha mãe não estivesse muito preocupada. 

O caminho de volta fora completamente silencioso. Perguntava- me se tivesse ficado quieta e não ter tocado no assunto, se talvez as coisas estariam completamente diferentes agora. “Não!”, pensei, não iria ficar me culpando, era ele quem estava escondendo alguma coisa, mas não sabia até quando eu iria aguentar. 

Ele parou em frente a minha casa, sem o olhar eu abri a porta, mas dessa vez ele não me impediu. Não teve beijo de despedida, nenhuma palavra, nenhum olhar, só o silêncio. Não sabia dizer se isso era bom ou ruim.

Abri a porta, entrando em seguida, e para minha sorte as luzes estavam apagadas, não havia barulho, minha mãe com certeza estava dormindo. Abri a porta de seu quarto para conferir, e lá estava ela enrolada nos lençóis como sempre, com a respiração uniforme e o rosto sereno. Aproximei-me e depositei um beijo em sua testa. 

Fui para o meu quarto e me joguei na cama, me perguntava o porquê das coisas serem tão complicadas, porque ele não contava de uma vez o que estava me escondendo, mesmo que eu não o perdoasse, é melhor do que essa angustia que estou sentindo. Ele ficava tão frio de repente que sentia medo que ficasse assim para sempre, eu não queria que o seu lado bom desaparecesse. 

Fechei os olhos, sentindo as lágrimas descerem quentes. O melhor seria ficar sozinha, sem ele, mas era difícil, não dava para ignorar o que sentia. Eu o amava, e isso não é qualquer coisa.

Dormi tentando tirar todos os pensamentos ruins que invadiam minha mente, ele não me tratou assim por indiferença, ele tinha um motivo e disso eu tinha certeza. Ele não me usara. Ele não me enganara só para me levar para cama, ele me ama... - eu repetia várias vezes em minha mente. Até entrar em outro mundo, no meu sonho, onde todas as minhas doces ilusões eram verdadeiras.


Notas Finais


Já vou logo pedindo desculpas por esse Hot sem graça e sem sal ZzZ. Quem me conhece sabe que sou iniciante nisso, mas vou tentar melhorar. O que acharam do cap de hj? Me contem!

Ps. Prometo não demorar pra atualizar, agora que estou de férias tenho mais tempo. 😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...