História Loves, Desires And Passions - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Amor, Diversos, Drama, Fluffy, Girlxgirl, Lesbicas, Originais, Romance, Universidade, Yuri
Exibições 14
Palavras 1.376
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Festa, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Decepcionada com vocês. Toda tentativa de interação que faço vocês ñ respondem. Isso não é legal. Esse oi é da Ari 💙.

Capítulo 21 - Carnaval part.1


Fanfic / Fanfiction Loves, Desires And Passions - Capítulo 21 - Carnaval part.1

Tempos longe dessa história, confesso que me perdi bastante na escrita dela. Faltou acontecimentos é verdade, mas aqui estou Após sete meses do último capítulo.

Voltei a estudar, minha situação financeira melhorou depois que Aline veio morar comigo. Ela agora trabalha em uma loja de departamento. 

E foi na rotina cansativa que cruzei com Samantha no metrô.

Era um cardume de pessoas, todas com pressa e semblantes sérios. Estava distraída com meus pensamentos quando senti um beliscar na bochecha.

Seu cheiro era de cabelo fresco, sua pele estava fresca, o frio do pós banho e calor do meu suor nos causava um choque na alma.

  Eu estava cansada louca para chegar em casa e ela estava leve e feliz para chegar na faculdade. Sorrimos e seguimos cada uma o seu caminho. De alguma forma aquilo me tocou, melhorando o meu espírito.

- São três da manhã, solta esse notebook. - disse Aline voltando para o quarto.

- Acho que perdi o jeito de escrever. Eu não consigo continuar.

- Consegue, eu sei que sim. Wesley chega amanhã?

- Chega. - respondeu fechando o aparelho e deitando na cama em seguida. - Está com saudades dele ou do Gui?

- Dele. Vamos parar de graça mocinha? Ou vou ser obrigada a te bater?

- Ok, me rendo. Samy também vem. Se prepare para dividir cama.

- Que isso? Daqui a pouco aquele bairro todo vem pra cá.

- Como se tivesse longe disso acontecer.

- Verdade. Até hoje não sei como nosso grupo do Ensino Médio está junto mesmo em outro estado.

- Aline, você sabe. Eu vim para estudar e trabalhar. Como meu curso é jornalismo, escolhi uma faculdade daqui para facilitar no futuro. Seus pais nunca saíram daqui, você só foi morar com sua vó em BH por conta de uma crise. Mesma coisa a Larissa, já que o pai dela era um tosco.

- Mas e a Brenda e a Ariel?

- Brenda é viajante. A família dela sempre muda, por isso ela ficou muito tempo longe de nós. Ariel é a melhor amiga dela e precisava de um lugar, entendeu?

- No geral, é um castigo mesmo. - a morena deu de ombros e foi para seu quarto.

No dia seguinte o apartamento acordou mais animado, Wesley, Samara e Guilherme haviam chegado às oito em ponto. Exaustos por conta da viagem de carro, os três deixaram as malas em um canto da sala e se jogaram no sofá.

- Café? - indaguei segurando uma bandeija com três xícaras coloridas.

Era nítido como o semblante de todos mudavam a cada gole de café, parecia que a felicidade voltava aos poucos para seus corpos.

Eles não estavam muito diferentes da última vez que nos vimos, exceto Samara, que agora era dona de um lindo black verde.

- Que sofá macio. Acho que não vou passar muito perrengue essa noite. - disse Wesley.

- Você vai dormir comigo seu ridículo. Esse sofá está exclusivo para a Samy.

- Por quê pra mim Mandy? Não é porque eu durmo em um sofá todo dia que eu não queira uma cama confortável às vezes. - ela riu.

Aline acordou e nós cinco ficamos conversando até a hora do almoço. Era bom matar a saudade dos meus "amigos-família". Eram eles que eu via todos os dias em casa.

Resolvemos ir ao shopping comer em alguma lanchonete para comemorar o dia. Brincamos e corremos entre corredores de roupas como um bando de crianças energéticas. Tiramos fotos e rimos como se não existisse o amanhã.

- Fiquei sabendo que cruzou com a Samantha esses dias, Mandy. - disse Guilherme dando um gole em seu refrigerante em seguida.

- Foi no metrô. Coisa rápida. Estava com pressa e ela também.

- Ainda está chateada? - indagou Samara.

- Eu não sei mais. Vocês que liam a história devem estar confusos já que eu não contei tudo. Samantha ficava com várias garotas pelas costas, a única coisa que me conforta é o dia que fui ver Ariel.

- O dia que vocês quase transaram? - questionou Guilherme.

- Sim. Me arrependo por não ter mentido na hora. Um não e eu poderia ter tido uma tarde maravilhosa. Porra, a cor dos olhos da Ariel quando ela me jogou no meio daqueles lençóis me faz vibrar.

- A cor dos olhos? Porra digo eu.

Tanta coisa pra te fazer vibrar naquele momento, Amanda.

- Você não entende, Samy. Eles estavam transbordando desejo. O mesmo sentimento que os meus.

- Por quê você foi ver Ariel? Deu a atender pelo último capítulo que naquele dia você e Samantha estavam afastadas. - disse Wesley.

- Havíamos discutido na noite anterior. Samantha o tempo todo jogava com outras pessoas entende? Ariel pelo menos chegou na minha frente e disse que não estava contente com nossa relação. E pensar que fiquei dias chorando ao som de Marília Mendonça pra isso.

- Vergonha alheia. Eu te entendo. - Samy disse fazendo todos rirem.

- Eu só acho que agora Aria devia voltar.

- Gosto do Wesley por motivos de que ele joga na cara e depois dá de ombros. Eu concordo. - Samy se levantou e Wesley pegou seu celular.

Voltamos para casa e ficamos na sala vendo filmes. Já era previsível que iríamos passar o feriado de Carnaval todo nela. A campainha tocou e Wesley correu para abrir a porta, era óbvio que ele já sabia quem era.

Era Ariel, com uma camisa azul e suspensórios. Ela era uma das pessoas que não ficavam estranhas usando suspensórios, muito pelo contrário, era um charmezinho.

- A roupa da Ariel me fez lembrar algo.  - disse Aline em tom baixo.

- Posso saber o quê?

- Pode. Seu ponto fraco sempre foi ela mais menininho. - ela se levantou e foi para a cozinha.

Olhei para Ariel enquanto ela jogava truco com os meninos e Samy e comecei a pensar na fala de Aline. Ariel era linda de qualquer forma e estilo, mas o mais "meninho" mexia comigo de forma diferente.

Um sorriso bobo surgiu em meus lábios, eu não conseguia parar de sorrir e sentir minhas bochechas ficarem quentes. Esse era o meu sinal verde de apaixonada. O nervossismo e a capacidade de falar coisas desconexas também.

Me levantei e fui para a cozinha pegar algo para comer. Peguei uma maçã e me encostei no balcão.

- Oi. - disse Ariel entrando na cozinha e pegando um copo em seguida.

- Oi. Como foi a viagem?

- Boa. Tirando o medo.

- Como seus pais reagiram? - indaguei e notei um nervosismo tomando conta de Ariel.

- Meus pais ficaram chateados pois não os visitei depois que voltei definitivamente pro Brasil. E minha mãe me pediu perdão. Ela me abraçou forte e pediu perdão, Mandy.  - o silêncio tomou conta e eu a abracei, um abraço forte e caloroso.

- Você é livre agora. Livre para ser quem você realmente é.

- Obrigada, Mandy. - ela me beijou no rosto e voltou para a sala.

Me debrucei na bancada e fiquei olhando Ariel de longe, pensando em como ela deveria estar frágil por conta da conversa. Eu sabia como as palavras haviam cortado Ariel, por isso ela não mantinha contato direto com sua mãe. Mas eu também sabia como esse perdão iria curar suas feridas e estava feliz por isso.

O relógio marcava meia-noite e o quinteto de amigos ainda estavam distraídos no truco. Amanda por sua vez estava adormecida na poltrona com o notebook no colo.

Aline cutucou a ruiva e mostrou a situação da amiga, sorrindo em seguida. Ariel se levantou colocou o aparelho em cima da mesa de centro e carregou a mais nova até a cama.

- Ari. - chamou a cacheada baixinho se enroscando na ruiva.

- Estou aqui meu amor. Volte a dormir, ok? - ela beijou sua testa e deitou a amada na cama.

- Fica comigo? - o pedido de Amanda se tornou uma ordem e Ariel deitou ao seu lado.

Não demorou para Amanda voltar a dormir, mas Ariel continuou ao seu lado zelando por seu sono. Um "eu te amo" foi dito baixo e a porta do quarto fechada.

- O otp é tão lindo. - disseram Samara, Aline e Guilherme em uníssono.

- Vocês me deixam sem graça. - Ariel abaixou a cabeça escondendo que estava a corar, fazendo o trio rir.


Notas Finais


Parte dois em breve. Entrem no grupo 💙. https://chat.whatsapp.com/8M0yIHIV3yzAyh3PDr4Upy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...