História Loving a Psychopath - Imagine IM (Changkyun) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Personagens Originais, Show Nu, Won Ho
Tags Psicopata
Exibições 263
Palavras 1.545
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura
Talvez tenha ficado curto,perdão

Capítulo 5 - Chapter Five


Depois de receber o "aviso" de Changkyun tratou de andar o mais próxima possível do mesmo. Entraram em uma casa que desde o lado de fora parecia ser mais confortável e nova. I.M entrou chamando por alguém e logo se ouviu barulhos de passos nas escadas.

-Hey, Jooheon ! - Disse cumprimentando o mesmo com um aperto de mãos seguidos de uma batida no ombro. Quando _______ ouviu o nome Jooheon ser pronunciado ficou surpresa,poderia ser o mesmo ?

- O que vai querer dessa vez ? - Perguntou o mais velho ignorando a presença da garota.

- Eu já tinha conversado com o Shownu. - Começaram a se distanciar fazendo com que a garota não pudesse mais ouvir a conversa.

Então permitiu-se movimentar o corpo. Passou os olhos ao redor da casa - que era muito bem arrumada.- prestando atenção em cada detalhe. Mas não demorou muito para os dois retornarem e Changkyun trazer consigo alguns papéis e uma maleta.

- É só isso mesmo? - Jooheon disse segurando nos ombros de I.M

- Sim,por enquanto. - Empurrou as mãos do mesmo de seu ombro e sua expressão havia mudado , parecia estar perturbado.

Changkyun tinha um novo "brinquedo". Fez sinal com a cabeça para que a menina o acompanhasse,a mesma se reverenciou rapidamente. Logo saiu da casa,caminhando atrás de Changkyun 

- Ya, caminhe mais devagar ! - Disse fazendo o mesmo parar de caminhar e encarar a garota de forma assustadora que fez a mesma abaixar a cabeça e apenas segui-lo.

Changkyun entrou no carro deixando dessa vez a garota para fora. Ligou o carro e fez a garota se apressar ao entrar no carro.

-Ficará na minha casa essa noite. - Disse encaixando o cinto de segurança

. - O que ? Eu n-não Po... - foi interrompida. 

- Você não tem opção. - O que disse fez a menina se calar por alguns instantes e apenas assentir.

- Mas e se...

- Porra ! Você pergunta demais,poderia ficar quieta até chegarmos na minha casa ?! - A garota assustou com o tom elevado que Changkyun usou e por nunca ter sido tratada assim sentiu seus olhos marejarem. - Aish ! - Gritou mais uma vez bagunçando os cabelos com uma única mão.

- Desculpa... - Disse baixo, tentando ao máximo segurar as lágrimas.

O único som que poderia se ouvir dentro do carro era a respiração de ambos e o barulho da estrada. Pararam próximo ao centro de Seul , mais precisamente em frente ao uma casa. Desceu do carro carregando ainda consigo a maleta. Destrancou a porta de entrada e deu passagem a ______, que nesse momento estava muito assustada. Era como casa bonita e confortante.

- Senta aí , vou buscar algumas coisas lá em cima. - Ela apenas assentiu e se sentou em um poltrona.

Changkyun trouxe várias folhas com dados e imagens , esparramou todas elas pela mesa e se sentou na outro poltrona logo à frente de _________. Levou uma das mãos a testa, ao que parecia sentia dores de cabeça.

- Está bem ? Quer que eu pegue algum remédio? - A garota disse preocupada.

Por que ela se importa? Por que estava sendo gentil ? Como pode simplesmente confiar em alguém que viu matar outra pessoa ?

- Eu vou pegar para você. - Disse se levantando e indo em direção à cozinha procurando por água. -

 A cozinha como o restante da casa era bem organizada e o que mais chamou a atenção da menina foi a quantidade de facas penduradas próximas a pia. - Isso a fez engolir em seco - Pela janela pode ver que tinha começado a chuviscar. Adorava chuva,mas ali não era o local indicado para se vivenciar disso.

Voltou a sala,onde Changkyun ainda estava na mesma posição apoiado na mesa de vidro. Procurou por alguns comprimidos dentro da bolsa e colocou sobre a mesa próximo ao braço esquerdo do rapaz.

- Toma . - Assim que acabou de dizer o mesmo bate o braço no copo fazendo o mesmo se estilhaçar no chão e Changkyun se levantou indo em direção a mais baixa que caminhava agora de costas.

- Eu pedi ? Eu disse que estava com dor de cabeça? - Seus olhos a fuzilavam e seus punhos estavam cerrados.

- Changkyun... - Disse baixo sentindo as lágrimas de pavor escorrerem pelo seu rosto. - Changkyun ! - Gritou já não podendo mais conter as lágrimas ao sentir aos mãos do mesmo grudarem em seu pescoço. Que no mesmo instante largou e o alto som de um trovão ecoou pela casa.

- Aish ! - Gritou com a respiração descompassada. - Vai lá, me interna em um manicômio também. - Disse se sentando no chão próximo à porta. - Está perdendo tempo .

- Eu não vou te internar . - Ela disse se aproximando devagar do mesmo.

- E por que não ? Conta que eu matei uma garota e quase fiz o mesmo com você agora. - A menina apenas discordou com a cabeça e se agachou ao lado do rapaz que estava quase a chorar também.

- Eu não acho que precisa ser internado, você só precisa de... Cuidados. - Disse sorrindo entre as lágrimas e abraçando o mesmo.

- Você não sente medo ? Eu posso te atacar a qualquer momento. - Retribuiu o abraço.

- Se você realmente desejasse me atacar não teria me abraçado agora. - Sorriu. - Você não faz isso por vontade própria e eu sei disso. Você nunca teve alguém que lhe dissesse o quando é importante para ela; Você nunca sentiu o que é ser amado de verdade; Nunca sentiu que alguém se preocupa com você e passou a amar você do jeito que você é.

- Porque a única que fazia isso me deixou. - Apertou ainda mais o abraço. - Ela teve uma doença e acabou m... - Agora ele foi interrompido - primeira vez que alguém tinha o interrompido.- Foi beijado inesperávelmente por ______ , que logo o pediu passagem com a língua e o mesmo assentiu , intensificando o beijo. As mãos de Changkyun que antes começaram a passear pelas costas da garota e ao chegar a barra de sua blusa , a mesma se separou de I.M e retirou suas mãos da barra de sua blusa.

- Pare de pensar no passado,mesmo que eu sinta medo estarei aqui com você. Ok ? - Passou a mão sobre o rosto de Changkyun. Que apenas levantou e se dirigiu de volta à mesa onde estava os papéis.

- Eu preciso de um favor seu. - Disse mexendo esparramando mais ainda os papéis.

- Desde que eu não mate e não prejudique ninguém.

- Tecnicamente não. - Disse e abriu finalmente a maleta que carregava , revelando dentro dela um revólver. - Agora eu tenho alguns planos para seguir e preciso da sua ajuda apenas para concluir , já que o curso da sua faculdade entra nisso.

- E o que é ?

- 5 Pessoas morrem em sequência e no meio delas uma pessoa de alto cargo na sociedade. Deixaria muito óbvio isso ?

- Não... Bem, eu acho que não.

- Eu sei que não. Até por qu...- Houve uma queda de energia. - Cacete... - Se dirigiu ao interruptor desligando e ligando as luzes. - Continuaremos amanhã. -

Tá bom... Aí ! - Disse ao bater o fêmur em algum lugar. -

- O que foi agora ? - Perguntou Changkyun ligando a lanterna do celular.

- Só bati em algum lugar,nada de mais. - Sorriu.

- Venha, os quartos são lá em cima. - Disse pegando no pulso da garota e a guiando para o andar de cima.

Caminharam pelo extenso corredor até chegar no fim dele e também ao quarto de Changkyun. Ele continuou a iluminar o quarto para que a menor pudesse se guiar. Abriu o guarda-roupas e de lá tirou uma camisa xadrez comprida e deu para a menina se vestir.

- Não me trocarei na sua frente. - Disse agarrando a blusa junto ao peito.

- Então fique sem luz. - Disse se virando para ir embora.

-Não ! Eu me troco, mas você vai ter que dormir aqui.

- Por que deveria ?

- Sua casa é muito escura. - Disse manhosa.

O mais novo apenas fungou como resposta e esperou a garota se trocar. Depois que a mesma já havia trocado suas roupas, Changkyun confiou o telefone em suas mãos para que o mesmo pudesse também trocar de roupa - o que foi bem rápido, já que o mesmo dorme apenas com um short.- Ao ver o telefone lembrou-se que não mandada nenhuma mensagem a amiga, avisando se estava tudo bem. E assim que Changkyun pegou seu telefone de volta , a garota resolveu mandar uma mensagem para a amiga.

- Mandando mensagem para quem ? - Perguntou Changkyun empurrando a mais nova para o outro lado da cama.

- Sun Hee.

- Hum... Boa noite ! - Disse e se virou para o lado contrário da garota, mas pode logo sentir braços entrelaçarem sua cintura.

- Boa noite , I.M ! - Disse abraçada a sua cintura e afundando seu rosto nas costas de Changkyun


Notas Finais


Beijo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...