História Loyalty and Trust - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Revenge
Personagens Personagens Originais, Victoria Grayson
Tags Drama, Romance
Exibições 48
Palavras 990
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Essa história é baseada no caso entre Victória Harper e Pascal Lemarchal, embora as coisas não tenham saído como o planejado na série eu amo muito esses dois e é digno terem uma história só deles, então chega de enrolação e vamos la *--*

Capítulo 1 - Paris


Fanfic / Fanfiction Loyalty and Trust - Capítulo 1 - Paris

Victoria olhou para o mapa de Paris com uma esmagadora sensação na boca do estômago. Por que ela veio aqui? Ela não sabia nem falar francês, e muito menos descobrir onde precisava ir. Seu conselheiro não tinha dado qualquer ajuda e ela poderia dizer que o homem estava irritado com outra estudante americana, uma bolsista. Ela sentiu um profundo sentimento de pesar e um súbito pânico nas ruas movimentadas. A beleza da cidade desvaneceu-se rapidamente em um sonho terrível que ela não poderia escapar.
          Ela sentiu formar um nó na garganta quando Patrick veio à sua mente, como fez a cada segundo do dia. Como ela poderia deixá-lo? Será que ele sente que ela se foi? Ele estava sendo bem cuidado? E se Jimmy pudesse localizá-lo? Não, ela não podia pensar assim. Ela garantiu que Jimmy nunca iria encontrá-lo, mas o medo ainda era evidente. Ela sentou-se em um banco próximo para tentar parar o tremor que tomou conta de seu corpo.
                   Ela respirou fundo e olhou para a vista. O Sena estava bem a sua frente, mas ela não encontrou consolo na água corrente. Ela não encontrou nenhum conforto na beleza histórica ao redor dela. Tudo o que podia pensar era Patrick, e quão desesperadamente queria segurar seu bebê em seus braços novamente. Ela se manteve lembrando que esta era a única maneira que tinha de ambos terem uma vida decente, mas isso não a confortava muito.
                Ela puxou a camiseta junto aos braços a fim de espantar o frio que cortava seus ossos. Ela tinha que encontrar seu caminho de volta para o alojamento de estudantes antes que ficasse muito escuro. Ela não conhece a cidade bem o suficiente para ficar perdida durante horas a noite. Reunindo o controle que ela conseguiu, ela se levantou, endireitando seu mapa. Começando pela rua, ela navegou o seu caminho por alguns quarteirões até perceber que não poderia estar indo na direção certa.
                Ela olhou em volta e tomou a decisão de continuar até encontrar uma loja ou uma amigável pessoa que lhe desse umas indicações. Em vez de encontrar qualquer uma dessas coisas, ela encontrou-se em uma parte questionável da cidade. No entanto, de forma alguma ela se virou, parecia ter a mesma aparência. Seu nervosismo intensificou-se quando viu pequenos grupos de pessoas, homens fumando cigarros fora do que parecia ser estabelecimentos questionáveis. Eles riam para ela quando ela passava, então ela manteve a cabeça baixa e acelerou o passo. Ela ouvia os homens rirem quando sentiu alguém agarrar a borda da sua saia, aterrorizada ela virou-se para ver um pouco do tecido sendo puxado, puxando-a para ele, enquanto os outros fizeram comentários em sua língua nativa que ela não conseguia entender. Ela tentou empurrá-lo para fora do seu alcance, que só o fez rir de suas tentativas. Ele a agarrou quando ouviu outro homem chamá-lo da porta do estabelecimento.
                        Ela podia ouvir a música no interior quando um homem de cabelo escuro, não muito mais velho do que ela, saiu com alguns de seus companheiros atrás dele. Ele disse algo severamente ao homem incomodando-a, o fazendo deixa-la ir.
               "Obrigado", disse ela um pouco sem fôlego, olhando para o jovem, que vinha em sua direção. Ele olhou para ela um pouco surpreso, obviamente, não esperando seu sotaque.

"Você é bem-vinda," Ele deu um sorriso torto, olhando para ela por um momento, "Você está aqui de visita?"

Ela sorriu um pouco timidamente para seu pesado sotaque e um sorriso encantador, "Eu uhm, eu só vim para a escola aqui na universidade de arte."

"Ah, eu fui um semestre antes... entediada?" Ele diz fazendo uma pausa para encontrar a palavra certa em Inglês antes de assentir, feliz com a sua seleção, "Senhorita, você não deveria estar nesta parte da cidade sozinha agora."

"Eu estava tentando encontrar meu apartamento," Ela olha um pouco para baixo, para o mapa enrugado, sentindo-se autoconsciente.

"Ah, eu estou bem ciente, de onde os dormitórios ficam, deixe-me levá-la:" Ele acena com a cabeça antes de dizer algo para seus amigos em francês.
Isso não é necessário, realmente, obrigado," Ela balança a cabeça, tendo cuidado com ele depois da experiência com os homens em sua vida. Ela nunca deixar- se ser vítima novamente. Desta vez, ela estava indo para ter sucesso na recriação de si mesma.
                Ele olhou-a por um momento antes de assentir uma vez, "Eu vejo que as americanas são tão teimosas como dizem. Vem por aqui, vou pelo menos orientá-la para o bloco mais próximo."
                Ela soltou um suspiro, olhando para o braço estendido. Eles estavam em público, ele não podia fazer nada muito ruim, podia? Ela timidamente colocou o braço em torno do seu, seguindo seus passos em silêncio. Ela olhou para ele, notando-lhe manter uma distância respeitosa, olhando em frente para onde estava indo. Esperando  que sua tentativa de fazê-la se sentir confortável fosse verdadeira, ela o deixou guiá-la sobre a ponte.

Depois de alguns minutos de silêncio, ele parou perto de um poste de luz, "Não é o seu dormitório," Ele sorriu, apontando para a rua um pouco distante dali, "Devo levá-la até la?"

"Eu tenho que partir daqui, obrigado," Ela balança a cabeça rapidamente, puxando o braço do dele.

"Ah, então vou ver você daqui, para ter a certeza de que vai entrar no edifício seguro, ok?" Ele sorriu um pouco de sua rejeição.

"Eu vou ficar bem, realmente, obrigado novamente," Ela balança a cabeça uma vez antes de se virar para ir para seu dormitório às pressas. Ela olhou para trás uma vez para vê-lo olhando para ela e sorrindo, brincando. Ela não podia dizer o que ele queria dela, uma vez que ele não tentou qualquer avanço a caminho de casa. Talvez ele fosse um jovem verdadeiramente agradável? Ou talvez ele fosse outro Jimmy disfarçado? Ela não tinha planos de descobrir de qualquer maneira. Então, ela conseguiu dar um sorriso falso antes de desaparecer no edifício e fora de sua vista.
 


Notas Finais


O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...