História Lunor, the fire witcher - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Witcher
Personagens Geralt de Rivia, Personagens Originais
Exibições 6
Palavras 2.173
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ecchi, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Shounen, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha quem voltou!!!! Olá meus fãs!!!
.........................................................
Olá meus fãs!!!
.........................................................
Bom, acho q ñ tem ninguém para me saudar agora. O quê? Nunca teve? Poxa.
Quero me desculpar por ñ ter feito dessa uma fan fic semanal, mas é que eu sou burro e eu tenho q me focar 200% nos estudos (e 800% no video game)
Mas sempre que possível estarei postando os capítulos, em dias aleatórios, vc entra no site e vê: OLHA LÁ CAPÍTULO NOVO DE "THE FIRE WITCHER"!!!
Hã? ninguém vai fazer isso? Poxa.

TENHAM UMA BOA LEITURA!!!

Capítulo 3 - O verdadeiro monstro


Vellen, 13:00, calor de rachar o coco.

  Lunor havia chegado em Vellen, como de costume, estava com fome e sem dinheiro. Enquanto caminhava usando sua espada de aço como apoio, ele se deparou com uma multidão barulhenta.

  - Mas o quê (arf) está acontecendo (arf) ali? - disse Lunor olhando para a multidão na entrada de uma floresta.

  Lunor se aproximou de lá, e logo alguém o perguntou:

  -Por acaso você seria um bruxo? - perguntou um rapaz segurando um ancinho.

  -Por aqui é normal (arf) ver pessoas com olhos amarelos andando com duas espadas?- disse Lunor.

  -Como assim? - disse uma mulher se intrometendo - Ou você é, ou você não é.

  -Se vocês forem me oferecer um serviço, (arf) estou ao seu dispor. - disse Lunor colocando a mão na barriga.

  -Temos um serviço. - disse o rapaz. - Está vendo aquela mulher ali? - apontou para mulher que estava chorando no centro da multidão. - O marido dela foi morto por um monstro que habita esta floresta.

  -Se eu for aceitar o serviço, (arf) vou precisar de um pouco mais de informações. - disse Lunor meio cansado.

  -Quer detalhes?! - disse o homem indignado. - Pois bem, o bom homem saiu na semana passada para comprar mercadorias em Novigrad. Ontem, as crianças acharam o corpo dele na floresta, porém, o corpo estava tão destruído, que só conseguimos reconhecê-lo agora. - disse o homem, ficando nervoso.

  -Espere um pouco. E as roupas? Não daria para reconhecê-lo pelas roupas? - perguntou Lunor.

  -Até daria, mas o corpo estava pelado quando o encontraram. - disse a mulher intrometida.

  -Pelado? - disse Lunor confuso.

  Lunor pensou um pouco, até que decidiu aceitar o contrato.

  -Muito bem, estou dentro! Mas antes vamos falar de minha recompensa! - disse Lunor com um sorriso malicioso.

  -Ugh! Bem que dizem que os bruxos não movem os traseiros se não por uma boa quantia. Quanto quer? - disse o rapaz.

  Lunor estendeu a mão, fazendo o sinal de 2.

  -D-Dois mil?! Pode esquecer!!! Eu não ...

  -Quero 2kg de carne adiantado, e mais 2kg para quando eu terminar o serviço. - disse Lunor interrompendo o rapaz.

  Todos estavam boquiabertos. Onde já se viu? Matar monstros em troca de carne?

  Lunor havia acabado de comer sua carne e entrado na floresta com o rapaz.

  -É aqui. - disse o rapaz, apontando para o chão.

  Lunor examinou rapidamente o local, viu as marcas de sangue no chão, e sentiu o forte cheiro de sangue pairando no ar.

  -É melhor você voltar pra vila agora, como pode ver, aqui é perigoso. - disse Lunor.

  -Tudo bem, tenha sorte em sua caçada. - disse o rapaz já correndo de volta pra vila.

  Lunor, usando seus sentidos de bruxo, começou a examinar a área de forma mais minunciosa.

  -O sangue está seco, mas toda essa quantidade fez com que o cheiro permanecesse até agora. -Lunor olhou no chão e viu pegadas enormes perto de onde o corpo havia sido destroçado. - Pelo tamanho e a profundidade das pegadas, diria que é um Demônio. As pegadas vieram dali e ... hã? - Lunor havia notado algo estranho.

  Ele rapidamente correu para ver o que era, e atrás de uma árvore achou algo interessante.

  -Mas isso aqui são ... roupas? Por que as roupas dele estão jogadas aqui?

  Lunor começou a se lembrar de todas as informações.

  -Espera um pouco, se ele ia para Novigrad comprar mercadorias, por quê ele não foi de carroça? Andar milhares de metros carregando compras, quem é o idiota que faria isso? Tem algo errado, alguém mentiu.

  Lunor olhou novamente no chão e notou que havia mais de um rastro de pegadas.

  -Analisando os dois rastros, dá pra ver que a outra pessoa estava com o cara na hora do ataque. Lunor se levantou - Essa pessoa deve ter as respostas, embora eu já tenha uma ideia do que aconteceu.

  Lunor seguiu o rastro de pegadas que acabou em uma outra vila. Chegando lá, ele perguntou para uma mulher que passava carregando uma bacia de madeira com roupas.

  -Com licença, a senhora poderia me aju... - disse Lunor, mas fora interrompido.

  -UM BRUXO?! AAAHHHHH!!! SOCORRO!!! - gritou a mulher que saiu correndo, acabou tropeçando e derrubando a bacia, não se abalando, levantou rapidamente e correu desesperadamente, esquecendo as roupas no chão.

  Lunor estava se segurando para não rir e perder sua postura de homem sério, então ele foi recolher as roupas para se distrair.

  -Cacetada! Mas que catinga! Parece que alguém morreu aqui e... - Lunor achou um vestido ensanguentado no meio das roupas sujas. - MAS O QUÊ?!

  Lunor se levantou rapidamente e perguntou para um grupo de 4 homens que estavam voltando da roça:

  -Ei! Aquela mulher que saiu correndo gritando, alguém sabe se esse vestido é dela? - disse Lunor mostrando o vestido fedido.

  -Ah! É dela! - disse um dos homens - Eu a vi com esse vestido numa noite em que ela foi para a floresta sozinha, mas ele não estava sujo assim.

  -Ah, é mesmo? Muito obrigado, rapazes! - disse Lunor correndo para seguir as pegadas da mulher.

  Seguindo as pegadas, ele facilmente a encontrou escondida atrás de uma árvore.

  -Olá, minha senhora! - disse Lunor, com um sorriso malicioso. - A senhora tem um minuto?

  -Por favor, não me mate!!! - disse a mulher se ajoelhando e chorando.

  -Espere, não vou te matar, contanto que responda as minhas perguntas. - disse Lunor tirando sorriso da cara, e colocando uma expresssão totalmente séria, e sacando sua espada de aço para abalá-la psicologicamente, facilitando, assim, perceber se ela mentir.

  -Pode perguntar. - disse a mulher, soluçando.

  -Este vestido ... - disse Lunor pegando o vestido. - ... porque está manchado com sangue?

  -Foi o monstro!!! - disse a mulher, se levantando mas não parando de chorar.

  -Sim, mas esse sangue não é seu, é do... do... ué? - disse Lunor percebendo que não sabia o nome do felizardo.

  -O nome dele era Gale. - disse a mulher limpando as lágrimas.

  -Espera um pouco! O cara que morreu, o Gale, ele queria pular a cerca, mas por quê na floresta? Isso era algum fetiche dele? - disse Lunor, com cara de nojo.

  -Não... - disse a mulher hesitante.

  -Então era seu?! - disse Lunor, com cara de nojo.

  -NÃO!!! É que... - disse a mulher, com um pouco de medo.

  -O que aconteceu? - perguntou Lunor.

  -Na verdade, me pagaram para levá-lo na floresta e matá-lo.

  -Oh, então foi isso. - disse Lunor, como se confirmasse uma hipótese. - E quem seria o contratante?

  -Foi Kraven, um ex-caçador que mora na mesma vila de Gale. - disse a mulher apontando na direção da vila.

  -Mais uma pergunta. - disse Lunor, num tom de voz mais calmo.

  -Sim? - disse a mulher, agora, relaxada.

  -Como vocês sabiam que o demônio iria atacar vocês? Vocês poderiam ter feito a festa lá, e o monstro poderia não ter atacado. Se isso acontecesse, o que você e Kraven fariam? Você transaria com Gale toda noite na floresta, até que o Demônio atacasse? - perguntou Lunor.

  -Quanto a isso, Kraven me deu este óleo, ele me disse que isto atrairia o monstro rapidamente. - disse a mulher tirando um frasco de seu bolso.

  -Eu sabia! Me dê isto! Vou usá-lo para atrair o demônio para fora da toca. Em um local fechado ele teria vantagem de terreno, mas em um local aberto, eu poderei me movimentar melhor.

  -Agora eu posso ir? - disse a mulher, com um pouco de pressa.

  -Só mais uma coisa, você usou o óleo como isca, mas porque o demônio só atacou o Gale?

  -Eu disse para ele que esse cheiro me excitava, nem precisei pedir, e ele derramou o óleo sobre o corpo.

  -Agora tudo faz sentido: Só as roupas dele estavam lá, porque ele tirou as roupas para passar o óleo no corpo, e antes que você se despisse também, o demônio atacou. Como Gale estava coberto pelo óleo, o demônio foi atrás dele, e após tê-lo matado, deve ter revirado o cadáver até o cheiro sumir, deixando assim, o cadáver praticamente irreconhecível. - disse Lunor, explicando para a mulher, tudo o que ela já sabia. - Tudo se encaixa, mas... essa explicação é meio... idiota. - disse ele com cara de decepcionado.

  Lunor dispensou a mulher, e voltou para o local da morte de Gale.

  -Bom, vamos começar! - disse Lunor despejando todo o óleo no chão.

  Lunor rapidamente se escondeu, e após alguns segundos o demônio apareceu.

  -Que gigante! Faz tempo que eu não vejo um desses! - pensou Lunor.

  Aproveitando que o demônio estava distraído com o cheiro da isca, Lunor avançou por um ponto cego, e perfurou várias vezes a cabeça do demônio com sua espada de prata.

  O demônio se assustou e arremessou Lunor para longe, e quando abriu a boca para devorá-lo, Lunor usou Igni para incinerá-lo por dentro.

  -Só tinha tamanho. - disse Lunor, pegando um pouco das entranhas do demônio, para provar que havia matado o demônio.

  Chegando na vila, Lunor estava indo em direção à casa de seu contratante, para pegar sua recompensa. No caminho, ele se encontrou com a viúva.

  -IAE!!! Matei o monstro da floresta. - disse ele, parecendo insensível.

  Os olhos da moça se encheram de lágrimas.

  -Não se preocupe, eu vou matar o demônio que matou seu marido. - disse Lunor com a mão no ombro da mulher confusa.

  Lunor bateu na porta, e entrou logo em seguida, sem esperar resposta.

  -Não ensinam modos na escola de bruxos? - diz o homem do ancinho, sentado na cama.

  -Estou com um pouquinho de fome. - disse Lunor pegando as entranhas de seu bolso.

  -Oh! Claro, ali está! - disse apontando os 2kg de carne sobre a mesa.

  -Opa, é disso que eu tô falando! - disse Lunor salivando, e enquanto se preparava para comer, disse: Posso fazer algumas perguntas?

  -Claro, porque não? - disse o cara se sentando à frente de Lunor.

  -Por acaso um bruxo da escola do lobo passou por aqui? - disse Lunor, enquanto comia.

  -Escola do lobo?- disse o cara confuso.

  -Um bruxo com esse mesmo medalhão que o meu, com a cabeça de lobo. - disse Lunor, mostrando o medalhão.

  -Na verdade, os Nilfgaardianos passaram por aqui levando um bruxo semana passada. - disse o homem colocando a mão no queixo.

  -Akito com os Nilfgaardianos? Mas isso quer dizer que Nyatty vai se encontrar com ele antes. Ou não, isso não parece ser coisa do Akito. - pensou Lunor. - Para onde acha que levaram ele?

  -Provavelmente levaram ele para Poleiro do corvo, talvez ainda esteja lá, ou talvez já o tenham transferido para o QG de Nilfgaard em Vellen.

  -Entendo. - disse Lunor se levantando de sua cadeira.

  O homem se levantou também para acompanhá-lo até a saída de sua casa.

  -Obrigado pelas informações, Kraven. - disse Lunor estendendo o braço para um aperto de mão.

  -Ora, engraçado, não lembro de ter lhe dito meu nome. - disse Kraven, com um olhar preocupado.

  -Você não disse, foi a sua amiga da vila vizinha quem me contou, a propósito, ela te agradece pelo óleo. - disse Lunor entregando o óleo para Kraven. - Parece que faz muito bem pra pele, segundo o Gale.

  -Então você sabe. - disse Kraven, com um olhar ameaçador.

  -Sim, acho que sei até o motivo, dá pra sentir o cheiro do perfume da viúva pela casa inteira. - disse Lunor, com um sorriso cínico.

  -É isso mesmo, aquele cara não merecia a mulher que tinha, Chloe merece um homem melhor, por isso, ele tinha que morrer. - disse Kraven, com seus ideais malucos

  -Concordo com você, um homem que trai sua mulher não é mesmo um bom caráter. - disse Lunor, assentindo com a cabeça.

  -Sim, e logo, logo, ela será minha. O coração dela está frágil, basta um empurrãozinho e eu a terei de corpo e alma. - disse Kraven, quase enlouquecendo.

  -Me desculpe, mas acho que você não terá tempo para isso. - disse Lunor, estampando um sorriso maligno no rosto.

  -Hã? - disse Kraven ao notar a espada de aço perfurando seu estômago. - Mas o que você ...

  -Não importa se matou por amor, o fato é que você fez uma dama chorar, e ainda quer se aproveitar do luto dela para satisfazer seus próprios desejos. Isso eu não posso perdoar, colega.

  -Maldito! Cof! Cof! - Kraven estava tossindo sangue.

  -Um cara que passa por cima dos sentimentos da mulher para ficar com ela, é pior do que um demônio que mata por instinto, o verdadeiro monstro aqui... - Lunor tiirou sua espada do estômago de Kraven, embainhando-a, e colocou sua outra mão no peito dele. - ...é você!

  Lunor usou o sinal Igni que incendiou Kraven, e parte da casa.

  Mesmo com os gritos e as chamas que saíam de dentro da casa, Lunor estava saindo tranquilamente, pela porta da frente.

  -Então minha próxima parada é: Poleiro do corvo!


Notas Finais


Espero que tenham gostado, esse capítulo saiu de repente, enquanto eu lavava a louça, então acho q ñ ficou mt bom. Mas a história principal está mt mais bem-feita, eu já pensei nela completamente, mas é difícil criar capítulos soltos como esse, para enrolar a história, embora eu já tenha elaborado alguns melhores que esse huhuhuhu.
Tomara que se divirtam com o que está por vir, e tenham uma boa semana (ou mês, porque só Deus sabe quando voltarei)!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...