História Starlight - Capítulo 4


Escrita por: ~

Exibições 163
Palavras 2.133
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente, me perdoem pela demora. É que estamos no 4° bimestres e as coisas ficam apertadas :p

Boa leitura!

Capítulo 4 - Ela é encrenqueira


Fanfic / Fanfiction Starlight - Capítulo 4 - Ela é encrenqueira

Minha mãe estava mais alegre, porém preocupada. Cheng não tinha voltado para casa e fazíamos a mínima ideia de onde ele estava, sem notícias do monstro, as pessoas que resolveram nos ajudar não podiam entrar em ação.

Pus os fones no ouvido e relaxei na cadeira, somente esperando para que as pessoas entrassem e a aula começasse. Por dentro, não vou mentir, estava ansioso para que Yura chegasse. Para mim continua sendo um sentimento esquisito, mas eu realmente queria passar a maior parte do tempo com ela. O jeitinho da menina me fazia rir, o modo como fala e como age infantilmente em momentos certos. Por incrível que pareça, eu havia reparado muitas coisas em Yura.

Sorri ao pensar nela...

– Do que você está rindo, hein, Kim Taehyung? – abro os olhos e a vejo sentada ao meu lado.

– Não posso sorrir mais?

– Pode, mas você estava sozinho na sala, então fica estranho.

– Aigoo, vai me dizer que você nunca fez o mesmo quando estava sóbria em seu quarto?

– Aish, vamos mudar de assunto. – sorri ao deixá-la um pouco irritada pela primeira vez. – Você foi embora ontem.

– E qual o problema?

– O problema é que eu peguei no sono e um menino me deixou dormir.

– Tá, mas o que isso importa?

– Meus pais não me acordaram.

– E daí?

– E daí que eu perdi o jantar! – aumentou um pouco seu tom de voz – Não posso deixar de comer, aonde há comida, eu tenho que estar lá.

Novamente, como na noite anterior, eu a encarei impressionado e ela levantou as sombrancelhas.

– O que tanto olha? Nunca viu alguém idolatrar a comida?

– Sim, eu sou um... – sorri de lado.

– Pois bem, irá ficar aqui durante duas horas?

– Como assim?

– Soube que o professor de física está doente, então teremos tempo vago. – fechei os olhos e soltei um ar pela boca – O que foi?

– Nada demais, eu só precisava de muitas aulas de física... – peguei minha mochila enqunto me levantava, segui até a porta e Yura me acompanhou.

– Por quê? – andávamos lado a lado no enorme corredor.

– Estamos no último ano, a profissão que pretendo seguir exige essa matéria.

– Posso saber que profissão é essa?

– Astronomia.

– Oh, isso é interessante. Eu pretendo me tornar atriz!

– Atriz? Sério? – meio que debochei.

– Algo contra?

– Não, só foi estranho imaginá-la atuando. – chegamos ao pátio onde encontrei meus amigos.

Somente Jungkook e Jimin estavam sentados numa mesa de madeira que ficava à sombra de uma grande árvore. Fiquei parado enquanto olhava para a expressão de Jeon, ele parecia irritado e o mais velho também.

– Ei, não vai me apresentar aos seus amigos? – disse dócil.

– Por acaso você é minha namorada pra eu fazer isso? – ficamos frente a frente.

– Ommo, eu só queria conhecê-los, não precisa ser ignorante. – continuei a encará-la impassível – Quer saber, achei que você fosse mais legal e agindo dessa forma, é bem melhor eu me manter longe.

– É melhor mesmo. – ela outra vez levantou as sobrancelhas e passou por mim, sendo assim, esbarrando de propósito e com um pouco de força em meu ombro esquerdo.

Umedeci rapidamente os lábios e me virei para voltar a me direcionar aos garotos. Joguei a mochila em cima da mesa e sentei no banco ao lado de Jimin.

– Ah, pronto! Era só o que me faltava. – ele disse – Não basta Jungkook estar de cara fechada desde que o vi, agora você também está irritado? Por favor, colaborem comigo porque ninguém testou minha paciência ainda.

– O que há com você? – perguntei à Jeon, que me olhou com desprezo. – Diz logo o que aconteceu.

O garoto fechou os olhos e puxou um forte oxigênio.

– Lilla.

– Nossa, se eu pergunto o que tá rolando você me ignora, mas se o Tae pergunta você responde.

– Cala a boca, Jimin. – Jungkook estava realmente decepcionado com algo.

– O que tem a Lilla?

– Fui buscá-la para o nosso maravilhoso encontro marcado, mas ela disse que surgiu um compromisso de última hora e que não poderia ir.

– Isso é motivo pra você estar desse jeito?

– Jimin, pode esperar eu acabar de explicar? – Park fez gestos com as mãos indicando que ficaria calado.

– Enfim, hoje quando passávamos pela casa dela, eu a vi beijando Taeyong. – nesse momento, arregalei os olhos e Jimin bateu forte na mesa ao me olhar.

– Eu bem que avisei que não ia com a cara daquela menina! – sorriu vitorioso – Sempre estive certo, que emoção...

– Oi, Kookie... – a própria disse com doçura enjoativa na voz e entrelaçou seus braços no pescoço de Jeon. – Desculpe por ontem, mas nós podemos remarcar, prometo ir...

Ela beijou o pescoço dele!

– Vê se me esquece... – disse a empurrando – Se soubesse que você era uma vagabunda desde o início, eu nem terei começado a notá-la.

Levamos nossos queixos ao chão.

– K-kookie... por que disse isso? O que foi que eu fiz pra você? – a voz de inocente dela fez com que eu e Jimin nos olhássemos e colocássemos a língua pra fora em forma de nojo.

– Já falei pra você me esquecer.

– Kookie...

– Meu nome é Jungkook, agora saia antes que eu me irrite de vez.

O clima ficou extremamente tenso entre eles dois, enquanto isso, Jimin se aproximou do meu ouvido e disse baixo:

– Aí, se ele avançar nela você filma... – dei um leve empurrão no mesmo que ria.

– Tá esperando o que?

– Você é um idiota... – disse poucamente sôfrega.

– E você uma rodada.

Ficamos incrédulos com a revolta de Jungkook, já Lilla, somente fingindo e sem deixar uma lágrima cair, saiu de nossa presença.

– Não acha que pegou pesado?

– Não, agora o que realmente importa é: não gosto de mais ninguém, posso pegar quem eu quiser. – pareceu mais feliz.

Jimin e eu demos de ombro com o novo modo de agir do garoto e logo tratamos de colocar os assuntos em dia.

No tempo em que ficamos ali, me pus a pensar nela. Comecei a me culpar por tê-la afastado ao invés de aproximado-a. Eu realmente não sabia o que tinha acontecido, falávamos tão bem desde que a vi hoje, por que me irritei? Fui um idiota com certeza.

[...]

Durante todos os tempos de aula Yura trocou de lugar com Seulgi, ela não queria sentar ao meu lado. Fiquei mal com aquilo, não pela garota não estar ali, mas sim porque ainda me culpava por ter bancado o ignorante. Deveria ter se questionado o porquê dessa mudança de ontem para hoje,

– Finalmente! – disse Seulgi assim que o sinal bateu, ela arrumou suas coisas e logo se levantou, saindo juntamente aos outros.

Observei-a sair com Yura e revirei os olhos, em seguida também me retirando. Novamente aquele corredor cheio de pessoas, eu caminhava com a intenção de chegar a porta principal e sair do lugar. Queria aproveitar a sexta dormindo o máximo que eu puder. Mas quando eu estava prestes a sair, Jimin veio até mim com notícias.

– Cara, você precisa ver isso... – estava ofegante por ter corrido e me puxou para outro corredor.

Uma multidão de alunos estavam envolvidos numa roda, ansiosos por algo e rindo. Ouvi vozes femininas naquele espaço no meio, passei pelas pessoas e pude chegar à frente, vendo então, Jay e Yura discutindo.

– Toda vez que eu olho pra você, sinto raiva, desde o momento em que você chegou nessa escola tem roubado Jaebum de mim! – ela empurrou o ombro direito da menina que apenas ouvia impassível. – Ele é meu namorado e você não deve se intrometer no nosso relacionamento! – olhei em volta e achei, um pouco longe, o principal assunto entre elas, ele ria juntamente a Yugyeom enquanto assistiam tudo o que acontecia. – Im Jae Bum é meu namorado, põe isso na merda da sua cabeça inútil e fica longe dele. E da próxima vez que eu vê-los juntos, eu Juro, Lee Yura, que faço da sua vida um inferno!

– Ah, jura? E é você quem vai ser o satanás? – ela estava de braços cruzados, depositando um olhar sem importância para a adversária. – O que posso fazer se sou melhor do que você?

Ela mal terminou a frase e Jay avançou na garota, elas caíram no chão e os tapas, puxões de cabelo e arranhões foram deixados pelas próprias em ambas. Os alunos começaram a gritar, já eu não podia ficar parado como os outros, então mandei um olhar para Jungkook que logo entendeu. Ele puxou Jay pela cintura, tirando-a de cima da garota. Yura se levantou e novamente foi para cima dela, larguei minha mochila e para evitar mais conflito, segurei-a também pela cintura.

– O que está acontecendo aqui? – o diretor aparece, fazendo todos se calarem.

– Essa idiota que começou! – disse Yura.

– Sua babaca! – as duas se puseram a debater-se, dificultando as coisas para mim Jungkook.

– Calem a boca! Quero que parem com esta palhaçada e se eu vê-las brigando outra vez, tanto dentro como fora dessa escola, chamarei seus pais e levarão suspensão! – o diretor disse rude – Circulando todos vocês, as aulas já acabaram.

Assim foi feito e os alunos voltaram sair do recinto. As meninas se encararam e viraram para lados opostos, sobrou somente Jimin, Jungkook e eu, demos de ombro e também saímos.

– Tae, nós vamos à biblioteca para pegar alguns livros e depois iremos jogar, você vem? – Jimin fez o convite.

– É... – hesitei – Não, hoje não. Preciso fazer algumas coisas em casa, deixa pra próxima... – digo me virando.

Eles não pestanejaram e eu andei na direção de minha casa, com as mãos nos bolsos da calça. Meio que segui Yura, pois eu não tirava os olhos dela. A garota andava batendo os tênis brancos no chão, a mochila em suas costas balançava e o vento fazia seus fios de cabelo voarem. Ri ao imaginar o bico que deveria estar em seus lábios.

Ela entrou em sua casa, e eu desacelerei os passos ao ver o que se passava em minha casa. Uma mini van estacionada à beira da calçada, e dois homens vestidos de branco levavam Cheng. O colocaram dentro do carro e trataram de irem embora, observei aquela cena como se estivesse em câmera lenta. O monstro me fuzilou através da janela, ódio extremo foi compartilhado naquele pequeno momento. Meus olhos acompanharam o carro até que virassem a esquina, eu nem sabia mais qual reação demonstrar.

Fitei o asfalto por algum tempo e levemente sorri, bati o olhar para a casa de Yura e consegui ver a porta se fechar rapidamente. Foi apenas mais um motivo para eu achar algo engraçado. Corri para minha mãe que me aguardava na varanda, abracei-a com toda força, a ponto de tirá-la fo chão.

– Muito obrigada... – ela disse ao me olhar – Se não fosse por você, nada disso estaria acontecendo... – fez carinho em minha bochecha.

– Eu prometi que cuidaria de você e que iria nos deixar livres dele, pois bem, consegui com uma ajuda. – colocamos, mais uma vez, um sorriso na boca.

Fomos para dentro e como sempre, ela disse que iria preparar alguma comida. Subi as escadas pulando os degraus e entrei em meu quarto, removi a mochila deixando no chão e com rapidez, olhei através da janela.

Yura não tinha tirado nem mesmo o uniforme, estava simplesmente deitada e com o rosto enfiado no travesseiro. Ela socou o colchão por, provavelmente, raiva do ocorrido na escola. Virou-se de barriga para cima e respirou fundo, então, começou a debater-se. Pus a mão na boca ao rir e finalmente fui trocar de roupa, o que demorou pois inventei de dançar e em seguida, voltando lá para baixo.

– Mãe, por que as garotas gostam de brigar? – me sentei ao balcão.

– Por que está me fazendo essa pergunta?

– É que houve uma briga na escola hoje, e tudo por causa do capitão do time de futebol, como elas podem ser tão burras? Brigar por um garoto, isso é ridículo!

– Nem tudo é o que parece ser, Tae. – disse enquanto se movimentava – Uma das duas poderia ser inocente, ou pode ter acontecido um mal entendido. Mas se ambas forem daquelas meninas que gostam de mandar em tudo e em todos, aí sim é burrice. Duas moças crescidas brigar por apenas um rapaz é não saber se dar o valor, se continuarem assim, com certeza serão pessoas desagradáveis quando virarem mulheres. – me serviu o kimchi quente – Até mesmo uma ameaça é idiota, elas deveriam se resolver com esse determinado garota, e não entre as próprias. Bem, agora coma. – acariciou em meu cabelo e foi fazer outras coisas.

Fiquei pensativo com aquela briga, sei que conheço Yura há um dia, mas também já tenho uma ideia sobre a mesma. Ela não brigaria por Jaebum, ou talvez eu possa estar enganado. Só perguntado para saber, e não vou mentir, eu queria muito saber.

Para falar toda a verdade sobre Yura, eu bem que queria me aproximar dela, quem sabe possa aceitar um convite meu. Já que é nova por aqui...


Notas Finais


Não liguem pro nome do capítulo, foi uma luta pra pensar, pra escrever, pra conseguir postar...

Eu iria até fazer continuação, mas não podia passar de hoje e eu já tava quase dormindo, por isso o capítulo não ficou TÃO bom. Mas espero que tenham gostado...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...