História Luz ou Trevas - Capítulo 7


Escrita por: ~

Exibições 16
Palavras 1.870
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aí vai mais um capítulo.
Espero que gostem !!!! :)

Capítulo 7 - Cinco Dias?


Fanfic / Fanfiction Luz ou Trevas - Capítulo 7 - Cinco Dias?

Minha cabeça latejava de uma forma descomunal, meus músculos estavam parecendo gelatina, tentei abrir os olhos no entanto a claridade me segava completamente, pisquei forte tentando ajustar minha vista ao ambiente, a primeira coisa que vi foi o teto branco, desorientada continuei a fitar o teto sem saber onde eu estava, tentei me levantar mais meus músculos me impediam de me mover, olhando em volta reconheci a enfermaria, o cheiro de álcool invadiu minhas narinas, não havia percebido que alguém segurava a minha mão até conseguir mover os dedos, sentado na poltrona com a cabeça apoiada em minha cama estava Fan, ele levantou bruscamente a cabeça e me fitou com aqueles olhos cor de mel arregalados.

- Ela acordou! – Gritou ele. – Você está bem? Sente dor em algum lugar? – Tentei me sentar, mas Fan me impediu de imediato. – Você precisa ficar deitada, a enfermeira já está chegando! – As orelhas em baixo de seus olhos indicavam cansaço, mas de certa forma me alegrava ver Fan ao meu lado, mesmo que me bombardeando de perguntas, era bom ter meu amigo de volta.

- O que aconteceu? – Minha foz falhou, saiu rouca e fraca como se eu não falasse a dias. Tossi forte.

- Acho que é melhor descansar mais um pouco Amy. – Ele acariciou minha cabeça afastando a mecha do cabelo que caíra sobre meus lábios.

- Fan, não me faça perguntar de novo. – Olhei o mais sério que pude considerando que meu corpo não me obedecia.

- Você abusou da magia avançada, seu corpo não aguenta essa carga. Desmaiou no fim da luta.

- Como estão os outros? Estão bem?

- Sim estão, aquele garoto, Appolo... deixou a sala uns minutos antes de você acordar, Luna teve que arrastá-lo daqui. Ele não queria sair nem para tomar banho. – Fan me encarava como se tivesse dito algo que não podia.

- A quanto tempo eu estou aqui? – Ele desviou os olhos, bagunçou os cabelos. – Fan, a quanto tempo estou aqui? –  A enfermeira abriu as cortinas da cama com uma mão enquanto equilibrava uma bandeja na outra.

- Consegue se sentar? – A enfermeira perguntou com uma voz gentil. Me sentei com dificuldade, e a enfermeira me entregou um copo d’água e alguns comprimidos. – Está com enjoo, tontura ou algo parecido? – Perguntou ela pegando o copo de volta depois de eu engolir os comprimidos.

- Não, eu estou bem. – Minha voz havia voltado ao normal. – Minha cabeça e o meu corpo doem, só isso que está me incomodado.

- Isso é normal, esteve inconsciente por vários dias. – Disse ela pondo a mão em minha testa medindo a minha temperatura e nos deixou.

- Vários dias? Quantos dias? – Fan não queria me responder, tentei me levantar da cama, mas ele me segurou, seus olhos estavam tristes, ele se preocupava comigo, mas estou com raiva dele.

- Cinco dias! – Alguém respondeu atrás de Fan, Appolo se aproximou, não sei explicar que expressão era aquela, raiva, preocupação, felicidade, alivio, tudo misturado. Seus olhos fundos me mostrava que provavelmente não dormia a vários dias também. Ele se aproximou de mim sem nem olhar para Fan, ajoelhou-se ao meu lado e tomou a mão que Fan segurava a pouco, ele apertou um pouco meus dedos e se afastou. Afagou meu cabelo.

- Como você se sente? – Seus ferimentos já haviam se curado por completo, o que indica que de fato estou aqui a vários dias, não queria acreditar nisso, não pode ser verdade, pode?

- Estou ótima! – Respondi olhando para a mão que ele segurava. O que aconteceu nesse tempo que eu estive apagada?

- Amily Ravens, não ouse mentir para mim! – Sorri, apesar de não ter graça alguma, de algum jeito Appolo fazia eu me sentir bem.

- Tudo bem, ótima não seria a palavra correta, mas eu estou mesmo bem, só um pouco cansada.

 - Então descanse mais um pouco! – Ele afagou novamente minha cabeça. Olhei para ele instintivamente, seus olhos negros me fizeram perder o ar, uma sensação quente invadiu meu peito, um nervosismo, minhas mãos começaram a suar, apertei o lençol que cobria minhas pernas, com tanta força que meus dedos começaram a ficar vermelhos, um sorriso preguiçoso surgiu em seus lábios, engoli em seco, meu coração palpitou forte, mal conseguia respirar, ele desceu a mão da minha cabeça afastando meu cabelo para trás da orelha, acariciou minha bochecha. Não sei por motivo meu coração batia tão rápido.  

- Então, já vou indo. Você vai ficar bem, Amy? – Tinha esquecido de que Fan estava ali, senti minhas bochechas queimarem de vergonha, o que está acontecendo comigo? Eu não sou assim. Fan se levantou da poltrona me olhando, esperando uma resposta, fiz que sim com a cabeça.

- Desculpe por preocupar você. – Para falar a verdade queria conversar um pouco mais com ele, foi bem esquisito, ele não brigou comigo por ter sido imprudente com a magia. Talvez seja por que eu acabei de sair de acordar.

- Tudo bem, não se preocupe com isso, apenas descanse. – Ele olhou para Appolo e depois para mim, suspirou e saiu da enfermaria, nos deixando a sós. Appolo se sentou na poltrona onde Fan estava a pouco, seus olhos negros passeavam por mim, eu não conseguia imaginar o que se passava na cabeça dele, ele era tão indecifrável.

- Por que fez aquilo? – Ele perguntou sem olhas nos meus olhos, bagunçou os cabelos e retornou a me olhar.

- Fiz o que? – Devolvi a pergunta

- Por que continuou usando aquela magia se sabia que não iria aguentar? – Ele se ajeitou na poltrona. – Eu pesquisei, sabia? – Disse suspirando, como se tentasse se acalmar. – Não era um simples escudo, Escudo elementar, transferido para uma pessoa que não é do mesmo elemento que ela, é quase impossível, e você fez isso parecer magia básica. Por que você arriscou sua vida em um simples treino?

- Não era um simples treino! – Respondi de imediato

- Não? – Ele franziu o cenho. – Por que não?

- Não queria que você, Luna ou Jason fossem feridos por ele.

- Ele quem? Fan?

- Não... Arthur. Eu não sei como explicar. Tem algo de errado com ele. – Appolo riu.

- É claro que tem, ele é um imbecil! – Appolo disse ainda rindo. Continuei séria olhando para ele.

- Não é isso Appolo. Quando Fan me apresentou ele, eu senti... – tremi com a lembrança, me abracei e desviei os olhos. – Ele é perigoso Appolo.

- AMILY! – Uma voz feminina gritou da porta da enfermaria, Luna apareceu correndo e se jogou em cima de mim me abraçando. Meus músculos ainda estavam doloridos, mas nada que eu não podia suportar. Luna começou a chorar em meus braços, ela soluçava. Se afastou analisando-me, foi então que reparei o roxo em rosto, franzi o cenho. – Desculpe, está com dor em algum lugar? A enfermeira disse que acordaria, mas que estaria dolorida, e verdade? Por que usou uma magia tão avançada? Como sabia dela? É claro que foi estudando, você é estudiosa. Você está com dor de cabeça? Com febre? – Ela pôs a mão na minha testa. – Não está com febre, isso é um bom sinal, né? – Eu daria risada se não estivesse preocupada com aquela mancha roxa em seu rosto.

- Eu estou bem, desculpe por preocupa-la. – Sorri. – O que é isso no seu rosto? – Perguntei apontando para a mancha.

- Ah, não foi nada. Não se preocupe com isso. - Ela sorriu escondendo a mancha.

Olhei para Appolo, ele encarava Luna. Sabia o que tinha acontecido com ela e sabia que ela não me contaria.

- Luna, Jason não sabe que Amily acordou, porque não vai lá chama-lo?

- Ah, é verdade. Ele também estava muito preocupado! – Luna estava tão eufórica por eu estar bem, que nem se deu conta de nada. Passou como um furacão pela enfermeira que entrava.

- E então, o que aconteceu com ela? – Perguntei ignorando a enfermeira que mexia no armário de remédios.

- Ela pediu para não contar, mas visto como você estava preocupada em querer defende-la, não seria justo esconder isso de você.

- Anda logo, para de enrolar e conta!

- Foi Kelly, depois do seu desmaio, o professor soou o apito parando completamente os treinos, mandaram chamar a equipe média e o diretor. Contamos para ele que foi você quem nos ajudou a maior parte da luta, nos dizendo as magias que deveríamos usar, dissemos que você achou que a outra equipe atacaria com tudo por causa da rivalidade que tinha entre mim e Arthur. Dois dias atrás saíram os resultados daquele treino e como esperado de você, ficamos em primeiro lugar, mesmo com o seu desmaio. – Ele fez uma pausa, parecia orgulhoso. – Kelly não gostou que sua equipe ficou em segundo lugar, disse coisas horríveis a seu respeito, Fan desmanchou com ela quando ele percebeu a cobra que ela é. Com tudo, ela não parou, foi aí que Luna não aguentou mais, a xingou de tudo quer nome que você pode imaginar.

- Não imagino Luna xingando.

- Pois é, enfim. Kelly não gostou e respondeu com um soco na cara dela.

- Só mais cinco minutos, ela precisa descansar. – Avisou a enfermeira que deixou a sala na mesma velocidade que entrou. Assim que a ela saiu eu me levantei da cama, minhas pernas ainda não estavam completamente firmes, cederam ao peso do meu corpo e se não fosse pelos reflexos rápidos de Appolo eu estaria no chão e não em seus braços novamente.

- Ficou louca? Seu corpo ainda não se recuperou do trauma que sofreu, não pode se levantar até receber alta! – Appolo me segurou em seus braços fortes, me colocou de volta na cama e se sentou na beirada. – Não me assuste desse jeito!

- Desculpe, eu só queria... – Ele me olhava atentamente.

- Queria o que? – Sua voz saiu como um sussurro.

- Queria ver se ainda podia... andar. – Respondi olhando para minhas mãos.

- Como assim, as enfermeiras não me falaram nada sobre essa possibilidade. – Ele bagunçou os cabelos. – O que mais essa magia poderia fazer com você? – Não queria responder a essa pergunta. – Responde Amily. – Ele estava ficando impaciente, dava para ver a preocupação em seus olhos, como nos de Fan, quando estávamos em Salamandra no bosque de cerejeiras.

- Meu corpo é fraco, não aguenta algumas magias, dependendo da magia posso ficar inconsciente por vários dias, meses ou eu poderia morrer. – Respondi ainda olhando para as minhas mãos.

- E mesmo sabendo disso você continua usando essas magias? Por que está fazendo o curso se sabe que pode morrer? Eu não intendo isso. – Ele se levantou frustrado, andando de um lado para o outro.

- Eu estou fazendo o curso, por que quero proteger as pessoas, quero achar a minha mãe e provar para todos que ela ainda está viva, eu sinto que ela está viva, eu sinto isso como eu sinto que tem alguma coisa de errada com Arthur, como eu sinto que Luna não quer ser guardiã, como eu sinto que Fan não está feliz, como eu sinto que Jason está apaixonado pela Luna. Eu não sei explicar como isso acontece. – Ele parou de andar e me encarou.

- E quanto a mim?

- O que?

- O que você sente?


Notas Finais


Gostaram??
Deixe aí nos comentários o que acharam!!
Em breve terá mais!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...