História Mad City - The Dark Paradise - Capítulo 41


Escrita por: ~

Postado
Categorias Batman, Cameron Monaghan, Gotham
Personagens Alfred Pennyworth, Bruce Wayne (Batman), Comissário James "Jim" Gordon, Edward Nashton/Nygma (O Charada), Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina), Harvey Bullock, Jerome Valeska, Oswald Chesterfield Cobblepot (Pinguim), Pamela Lillian Isley / Poison Ivy (Hera Venenosa)
Tags Harley Quinn, Jerome Valeska, Mad Love
Exibições 51
Palavras 2.504
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Quem é vivo sempre aparece!! Desculpem pela demora, mas estou até o pescoço de coisas para fazer. Não tive tempo de responder ao outro comentário, nem revisar o capítulo. Desculpem qualquer erro que venha a ter. E sobre o capítulo, não me matem após lerem, se lembrem, relacionamentos terminam e começam a todo momento. Espero que gostem. Beijos com gosto de Pudim meus pequenos Maniaxs 💙💙

* Está fic contem referências de filmes, HQ, séries. Se você teve a mesma ideia de usar a referência, não é plágio *

Capítulo 41 - You Talk About Hatred And Revenge


Fanfic / Fanfiction Mad City - The Dark Paradise - Capítulo 41 - You Talk About Hatred And Revenge

Há algo de novo e você não vai sentir escuro dentro
Eu tenho que acreditar todo o sentimento
Que eu não posso esconder
É do jeito que você espera e tocar a minha alma
E quando nos beijamos 
Eu só sai do controle
Agora, cada vez que te vejo
Isso é tudo que eu quero te dizer
Agora que te encontrei
Não tome o seu amor

 

Meus dedos contornavam lentamente o copo com o resto de bourbon. Pego a garrafa que estava ao lado do meu pé - quase vazia - e despejo o restante do líquido já quente em meu copo. Eu não estava sóbria, e talvez eu não quisesse estar. Levo o cigarro novamente em meus lábios, soltando a fumaça quente e tóxica branca em seguida. Meus pensamentos pairavam no ar, longe de onde minha mente estava. E eu refletia, refletia sobre quando e como a minha vida começou a dar errado. A resposta veio, clara como o dia, e fria como a noite. Jerome. Jerome Valeska era a minha ruína e a minha salvação. Toda a dor, todo o sofrimento pelo qual passei foram unicamente e exclusivamente causados por Jerome. Pego a garrafa, jogando-a no chão ao perceber que o seu líquido já não a residia mais. Quebro o copo de vidro em minha mão, fazendo com que o mesmo quebrasse em milhares de pedaços, cortando minha mão por completo. Grito pela dor e ardência causada pelo corte, logo em seguida escutando a maçanete ser girada para o lado esquerdo, abrindo a porta. Ed apareceu com seu olhar misterioso e enigmático que tanto me conquistava, aproximou-se de mim, segurando levemente minha mão cortada.

-Novos desejos suicidas, Srta. Quinzel? - permaneci em silêncio, apenas encarando seus olhos, permitindo que aquela imensidão de mistérios pudesse tomar-me para Ed - Algo aconteceu, o que foi? - disse-me frio, sem pausas ou qualquer enrolações.

-Não sei mais se devemos atacar o Jerome - olhou-me extremamente confuso. Eu o odeio, e quero sua destruição. Mas não tenho certeza se a luta contra um Rei poderoso, o famoso Joker - o qual adotou o nome que eu o dei - jamais entregaria sua coroa tão facilmente -  Ele possui mais poder que nós. Eu o odeio, Ed - olho em seus olhos, mantendo certa distância do mesmo. Venho sentindo coisas estranhas por Ed, as quais vem assustando-me - Mas não podemos contra ele. Não podemos nos vingar - disse por fim, suspirando.

-Você fala de ódio e vingança - aproximou-se de mim, com uma irritação notória em seus olhos. Edward sempre foi como um irmão para mim, sempre esteve ao meu lado quando eu precisava dele, compartilhando momentos importantes ao meu lado. Não sou boba, não sou mais a propriedade de Jerome, e por não ser nenhuma boba, sei que Ed também está nutrindo um sentimento confuso por mim - Mas isso apenas serve para mascarar o que realmente te assusta. 

Meu corpo gelou ao ouvir suas palavras ditas de forma tão fria. Talvez ele estivesse certo. Talvez eu ainda amasse Jerome, só esteja com medo de admitir. É difícil para todos acreditar que posso deixar de amar Jerome, mas no fundo não sei se consigo nem sei se quero isso. Sentimentos tão fortes e intensos não morrem tão fácil. Mesmo com as ofensas e todas as vezes que ele tratou-me mal, eu não o odiava.

-Você ainda ama - fez uma breve pausa, como se fosse difícil para ele pronunciar tais palavras - Jerome Valeska.

Não. Eu apenas tenho ódio por ele. Quando o meu amor cego por Jerome foi embora, pude notar todo o mal que ele causou-me. Bufo irritada pelas palavras de Ed, notando a confusão que o antigo legista tinha em seu rosto. Edward puxou minha mão que não estava machucada, guiando-me até de volta para a poltrona marrom desgastada que havia no meu antigo quarto com Jerome. Suas mãos fortes e frias tocaram as minhas, passando delicadamente um algodão para limpar os machucados. Ed pegou o que faltava, e voltou a limpar meu ferimento. Era como se fosse a primeira vez que eu o visse. Meu coração estava acelerado, meu peito estava queimando, e tenho certeza de que ele notou que minhas mãos suavam com força total. Se eu estivesse em pé, tenho certeza que minhas pernas falhariam e levariam-me ao chão. Olho em seus olhos durante todo o tratamento. Seus toques eram lentos e delicados. Suspiro pesadamente, assim que Ed termina de limpar meu ferimento, o cobrindo com uma longa gaze. Suas mãos acariciavam as minhas lentamente, fazendo pequenos movimentos circulares formando um ponto de interrogação invisível com seus dedos. E naquele momento, eu me sentia bem. Não sentia-me sozinha. Pela primeira vez.

-De quantas garotas você cuida quando elas causam ferimentos em si mesmas? - sorrio de nervoso, tentando acalmar meus batimentos cardíacos, que já se encontravam além do normal.

-Garotas - disse sem pensar, rindo em seguida. Olho-o triste, fazendo com que o mesmo perceba o que aquelas simples palavras causaram-me - Garota - corrigiu-se, olhando no fundo dos meus olhos, transmitindo um calor intenso de sentimentos. O qual, era recíproco - Singular - disse nervoso.

Levanto-me lentamente, calculando cada movimento, assim como Ed, que observava cada movimento meu, tentando entender o que eu faria a seguir. Paro de frente para o mesmo, encarando meus pés pelo nervoso. Como se fosse a minha primeira vez, como se fosse com alguém que eu realmente amasse, e amasse-me de volta. Assim que me aproximei mais do corpo de Ed, ele distanciou-se de mim, nervoso. Olho-o confusa, não entendo o por que daquela reação.

-Não posso, Harleen - olhava para o chão, evitando contato visual - Não posso perder o controle com você. 

-E não vai - seguro seu rosto, obrigando-o olhar em meus olhos - Eu sei o que aconteceu com a Kristen Kringle, e sei que não queria que aquilo tivesse acontecido - pego suas mãos, os colocando em volta do meu pescoço, como se clamasse para que ele apertasse meu pescoço até que eu sufocasse e morresse, como fez com a Srta. Kringle - Não vai perder o controle comigo, Edward Nygma.

Seu olhar caiu sobre meus lábios carnudos. Meu peito subia e descia rapidamente, indicando o meu nervosismo. Ed apertou meu pescoço, fazendo com que eu fechasse os olhos esperando o que estava por vir. Mas ele não o fez. Senti suas mãos aliviarem contra o meu pescoço, mostrando que ele realmente podia se controlar. Que ele não desejava matar-me. Aproximou-me seu rosto do meu, fazendo com sua testa ficasse junto da minha. Ele queria isso, assim como eu. Suspiro ao sentir suas mãos em minha cintura, levando-me de encontro com seu corpo.

-Sou leve como uma pena - suas mãos puxaram-me mais até seu corpo, nos colando totalmente - Mas nenhum homem pode me segurar por muito tempo - sua mão livre acariciou minha bochecha lentamente. A essa altura, eu já devia estar completamente vermelha, algo que somente Ed causava em mim - O que eu sou? - sussurrou contra meus lábios de forma sexy, deixando-me anestesiada por seus toques e toda a sensualidade que Edward exalava. Seu dedo indicador passou por cima do meu lábio inferior, fazendo com que ele dissesse para baixo, conforme seu dedo descia. Minha respiração estava falha, quase inexistente - Sua respiração.

Ao tentar fazer menção de responder, Ed puxou minha nuca, levando meus lábios até os seus, os pressionando. Abro os lábios em resposta do seu gesto, sentindo Edward investindo sua língua contra minha boca. Uma corrente elétrica percorreu por meu corpo, ao sentir o choque de nossas línguas. As novas sensações e sabores que sua língua trocava com a minha, fazia-me sentir-me viva novamente. Movimentou sua língua profundamente, sendo correspondido rapidamente. Ed aprofundava cada vez mais, como se precisasse de mim a cada segundo, a cada momento, contra seu corpo. Levo minhas mãos em sua nuca, cravando minha nuca no mesmo local, arrancando um gemido rouco de Ed. Sorrio de satisfação com isso, tendo seu suspiro. Sua mão tocou minha perna esquerda, a segurando contra si, nos juntando mais. Mordo seu lábio inferior, sentindo seu sangue quente em meus lábios. Desceu as mãos de minhas costas, passando lentamente por minha cintura, apertando minha coxa. Olho em seus olhos, mordendo meu lábio inferior ao vê-lo com desejo por mim. 

-Tem certeza de que quer continuar com isso? - ele se importava com o que eu queria? Jerome apenas se importava com o seu prazer, independente de eu não querer dormir com ele - em alguns momentos - Jerome forçava-me. E foi ai que finalmente entendi. Edward Nygma é o homem certo para mim.

-É claro que tenho - levo minhas mãos em sua nuca, o trazendo para mim, beijando-o novamente. 

Sorrio para Ed, como se pedisse para que ele continuasse. Suas mãos deslizaram até minha perna, suspendendo-me do chão. Dou um levo grito pelo susto, fazendo com que ele dê uma risada gostosa de se ouvir. Parte de mim sente-se culpada por isso. É errado, sim, sentir-me culpada por estar indo dormir com alguém que não seja o Jerome. Mas não tenho motivos para sentir culpa. Não preciso me explicar para ninguém mais.Não tenho mais nada para provar. Porque eu não tenho nada a perder. Enlaço minhas pernas em sua cintura, colocando meus braços ao redor do seu pescoço. Ed caminhou comigo ainda em seu colo até minha cama, eu sentia cada gota de calor percorrer meu corpo em desejo a Ed. Mordo os lábios assim que sinto o colchão quente abaixo de mim. Ed olhava-me diferente. De uma forma que Jerome nunca tinha olhado-me. Como se aquele momento fosse único para ele. Ele parecia feliz por estar ali comigo, assim como eu. Enrosco minhas pernas em Ed, o trazendo para mim. Mordo seu lábio, sorrindo com a sua expressão. O mesmo abria lentamente os botões meu vestido, causando arrepios em mim. Suas mãos o tiraram delicadamente, deixando-me apenas de lingerie para ele, totalmente exposta. Sua língua e a minha misturando-se, conforme em tirava o paletó verde. Tiro o com ajuda dele, jogando no chão em seguida. Passo os dedos lentamente nos botões de sua blusa. Abrindo-os em seguida. Olho-o feito uma boba, tendo visão daquele corpo maravilhoso. A forma como ele respirava, fazendo com que seu peito subisse, suas veias levemente altas no braço, cada detalhe de deixava mais em transe por ele. 

-Eu sabia - sorriu para mim.

-Sabia o que? - levo as mãos até seu rosto, tirando de forma sexy seu óculos. Acariciando seu rosto. 

-Sabia que você gostava de mim - puxou-me, me beijando. 

Desço minhas mãos até o cinto de sua calça, tirando o mesmo rapidamente. Tudo estava perfeito, calmo e sem pressões. Ed tirou sua calça ficando apenas de cueca. Suas mãos se encontraram em meus seios, os apertando, fazendo-me gemer próxima de seu ouvido. Sinto seus dedos no fecho do meu sutiã, abrindo-o. Suspiro ao sentir sua proximidade, assim que sinto o mesmo chupando meus seios. Jogo a cabeça para trás, fechando os olhos instintivamente. Puxo seus cabelos negros, acariciando-os depois. Gemo seu nome, mas não eram gritos. Eram gemidos baixos e calmos, como se fosse a minha primeira vez com ele. Beijo-o intensamente, apertando Ed contra meu corpo. Suas mãos desceram até a minha intimidade, estimulando a mesma. Mordo meus lábios com força, enquanto minha mão direita aperta o lençol da cama. Arranho suas costas com força, fazendo com que ela sangre. Edward distribuía beijos em meus seios até meu pescoço, variando entre chupões e mordidas. Ed não fazia isso para marcar-me como sua propriedade - como Jerome fazia - fazia isso porque nós dois sentimos prazer nessas marcas. Deslizo minha mão de seu ombro até seu peitoral, arranhando o local. Passo minhas pernas na sua, fazendo com que ele olhasse-me. Edward olhava-me como se pedisse a minha permissão para continuar. 

-Eu não quero me magoar - sou sincera. Ele entendia perfeitamente o que eu queria dizer com isso.

-Eu nunca vou te machucar. Nem agora, nem nunca - completou, beijando-me.

Chupo sua língua, acariciando sua nuca. Ed desceu lentamente minha calcinha, fazendo com que eu suspirasse pesado de vontade. Fecho os olhos ao sentir suas mãos percorrendo meu corpo, acariciando-me. Sinto um leve apertão na coxa, e abro os olhos sorrindo para Ed. Gemo instantaneamente ao senti-lo me penetrando lentamente. Passo meus braços aos redor de seu corpo, o trazendo para mim. Beijo seus lábios incríveis, enquanto Ed entrava mais em mim, intensificando os movimentos conforme nossos movimentos aumentavam. Sua mão estava entrelaçada a minha, mordo sua orelha, ouvindo seus gemidos. Eu queria dizer que amava Ed, mas eu realmente o amava? Edward sempre esteve com Ozi, desde que o conheci, e eu sempre os achei um casal e tanto. E durante todo esse período, eu estava cega de amor por Jerome. E ambos se foram, restando apenas eu e Ed. Ele sempre esteve comigo, como um irmão, como um amigo, ele sempre era o que eu precisava. Ed disse que amar é sacrifício. É colocar a felicidade da pessoa a cima da sua. Então, é isso o que eu sinto. Cravo as unhas em Ed, assim que seus movimentos aumentam, fazendo com que meus gemidos se tornem mais altos. O mesmo beijou-me com desejo e intensidade. Sinto minhas pernas tremerem, e logo me desfazendo sobre ele, assim como ele sobre mim. Naquele momento não existia Jerome Valeska ou Oswald Cobblepot. Somente eu e Edward. 

-Edward... - sussurro.

-Harleen... - suas mãos acariciavam meu cabelo.

-Eu percebi que... - minha voz falha, e faço o possível para não chorar comn medo de sua reação - Eu amo você. 

-Eu também... - antes que ele pudesse terminar de falar, escutamos um som de tiro - Fique aqui - mas é claro que não. Sou Harleen Quinzel, jamais fujo do perigo. Pego minhas roupas, assim como Ed e começamos a nos vestir. Nossas armas estavam no quarto, e descemos com elas. A mansão estava em silêncio. Não havia nenhum sinal de arrombamento, seja lá quem entrou, conhece a mansão, e ainda está aqui dentro. Escuto uma risada e sinto meu corpo paralisar. Eu não acreditava no que estava vendo, como Ed que permanecia estático. O mesmo se aproximou de nós, encarando-me com ódio e desejo por minha cabeça em uma bandeja. Ele sentia-se traído? Ele estava morto, não é possível trair um morto, e para todos os efeitos ele merece isso. 

-Oswald!! - disse em forma de sussurro, procurando ver se aquela imagem da maldita ave a nossa frente era real ou apenas algo cruel em nossa imaginação. Sua respiração estava falha, assim como o meu coração que estava disparado.

-Você está vivo! - digo em total ódio, fazendo com que o homem pinguim olhasse-me com raiva, o sentimento era recíproco. Em um movimento brusco, Ozi acertou meu rosto com num soco fazendo com que eu perdesse a minha teoria de ataque. Assim que levanto o rosto, vejo sua arma apontada para mim.


Notas Finais


Comentem o que acharam!!! Irei responder os comentários assim que tiver tempo💙💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...