História Madness - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dylan O'Brien, Ian Somerhalder, Justin Bieber, One Direction, Shawn Mendes, Zac Efron
Personagens Dylan O'Brien, Harry Styles, Justin Bieber, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Drama, Romance, Violencia
Visualizações 84
Palavras 3.407
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Poesias, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIEEEEEEEEEEEEEE, QUE SAUDADE MEU AMORES!!!

Capítulo 12 - Dream On


Fanfic / Fanfiction Madness - Capítulo 12 - Dream On

 

 

 

— Tanto faz, amigo Malik. — dei de ombros e segui em sua frente indo em direção à sala de desenho quando o sinal ecoou por meus ouvidos.

 — Alguém sabe qual é a merda que essa professora tá inventando? — Malik perguntou num tom rude a uma garota que também havia sido escolhida para ficar à tarde. A coitada também não fazia ideia.

— Não. — disse abaixando a cabeça receosa.

— Porra... — respondeu nervoso enquanto eu o encarava minuciosamente. — Qual foi? — perguntou reparando meus olhos contra si.

— Você se irrita por tão pouco. — ri em resposta, ele murmurou como um velho de 108 anos.

— Olá queridos... — a professora adentrou a sala sorridente trazendo consigo alguns panfletos e sua bolsa velha, logo seu olhar pairou em Zayn e seu sorriso passou a ser de deboche. — Olha só quem compareceu, o bad boy rebelde da classe.

— Ok, agora dá pra dizer o motivo de me fazer estar aqui essa hora da tarde na escola? — disse impaciente.

— Vamos com calma querido... — gargalhou. — Temos que esperar até que todos cheguem.

— Eu tenho que escovar meus dentes, posso ir ao banheiro? — perguntei ainda com receio de ter algum pedaço de alface em meu dente.

— Pode sim querida. — disse simpática enquanto eu procurava por minha escova de dentes em minha bolsa e saia paciente porta à fora. Vi que Zayn me perseguia com o olhar como se pedisse para que eu voltasse.

Após escovar meus lindos dentes, voltei a sala de artes e vi que Malik não estava mais lá, então meio que me desesperei por um segundo, até vê-lo com uma líder de torcida em frente a porta. Galinha do caralho.

— Ele é muito lindo, não é? — uma loira sardenta perguntou se aproximando de mim, revirei os olhos e a encarei.

— Não, ele não é. — respondi em tom seco, a garota soltou um risinho e prosseguiu.

— Não é? Então por que está com tanto ciúme? — riu. — Você tem uma quedinha por ele, é fato. Eu também tenho, relaxa.

 

O que???

Ela estava brincando com a minha cara por acaso?

— Eu não tenho quedinha nenhuma por ele, somos apenas amigos. — ressaltei.

— Qual é o seu nome? — perguntou simpática enquanto eu ainda assistia a anoréxica se jogando no Zayn.

— Adrielle. — falei sem humor.

— Ah, a intercambista? Sabia que não era daqui, seu sotaque é maravilhoso! Meu nome é Claire. — sorriu.

— Obrigada, Claire. — sorri falso.

— Vi seu desenho, não podia ter desenhado o Zayn melhor... Você é uma artista e tanto.

— Obrigada novamente, Claire. — até que eu estava gostando daquela garota, mesmo que por sua vez ela não parava de falar nenhum minuto.

— De nada. — sorriu se ajeitando em seu lugar, até que Zayn parou de conversar com a piranha e se sentou ao meu lado.

— Vi você me encarando. — sussurrou em meu ouvido.

— Que? — fiz de desentendida. — Pelo amor de Deus, Malik. Tenho mais o que fazer!

— Pode até ter, mas estava me encarando. — provocou.

— Não gosto daquela garota, só isso, não tem nada a ver com você. — revirei os olhos.

— Ata. — respondeu risonho.

O que ele queria dizer com aquele “ata”?

— Ok, todos estão aqui. — a professora disse conferindo a turma. — Então gente, tenho uma noticia maravilhosa para vocês!!! — disse sorridente.

 

 

POV’S EVE

 

— O que foi? O que aconteceu? — perguntei nervosa, não era nada bom.

— Por causa da puta da Megan e do Justin eu vou ser vigiada o tempo todo nessa joça e vou ter que estar aqui quando der 22:00 se não vou ser expulsa. — disse entre lágrimas.

— Ufa, achei que fosse algo mais grave. — respirei aliviada. — E falando de Justin, ele está lá embaixo te esperando, quer uma chance.

— Mais grave? Vai se foder Evellyn. — disse rude. — O que ele tá fazendo aqui? — seu semblante era de raiva e repúdio.

— Quer uma chance Ana. Vai me dar uma carona pra escola durante um mês e ainda vai pagar meu lanche, tudo por você. Não acho que esteja pra brincadeira. — falei séria.

— O que? — perguntou desacreditada. — Vou lá resolver isso agora! — disse impaciente marchando pelo corredor em direção a porta de saída.

— Não, você está nervosa, vai agir sem pensar e vai se arrepender. — falei segurando seu braço.

— Eu não preciso de ninguém mandando em mim, se eu quisesse isso eu voltava pro Brasil. — disse nervosa.

— Então volta pra merda do Brasil Ana Luiza. Que porra, isso tudo não aconteceria se você não fosse esquentada. Não coloca a culpa nos outros porque você também é culpada dessa merda. E para de falar comigo assim como se eu merecesse, porque eu não mereço. — me exaltei e fui a caminho de nosso quarto dando de ombros a Ana que ainda estava em choque.

— Você tem razão... — respirou fundo. — Me desculpa. — disse chorando novamente.

— Tudo bem, só vai tomar um banho que eu falo com o Justin e depois vocês resolvem isso. — falei conciliadora, ela assentiu fazendo o que eu pedi. Desci as escadas e expliquei a Justin que foi embora e jurou que iria ligar para ela mais tarde.

 

 

POV’S DRII

.           — Então gente, tenho uma noticia maravilhosa para vocês!!! — disse sorridente.  — Todos que foram selecionados farão parte de uma exposição de arte, e seus desenhos serão expostos para o público no final do ano, até lá terão muito tempo para fazerem o desenho que quiserem, confio em vocês. — quando terminou de dizer todos faziam festa, menos eu e... Zayn.

— O que??? Sério?! Ai meu Deus, acho que eu não estou preparada. — falei nervosa, meu coração batia a 100 km/h.

— Você é uma das mais talentosas da sala, não pode recusar uma oferta dessas, Adrielle. — disse conciliadora.

— Honestamente.. Não acho que eu tenha tempo para isso, professora. — Zayn relatou.

— Então pode ajudar a Dri. — disse sorridente.

— Que? — ele revirou os olhos.

— Você veio porque quis, agora escolhe. Ou participa e expõe uma obra totalmente sua, ou auxilia a Adrielle. Mas como é muito ocupado, acho melhor optar em ajudar alguém.

— Ok. — bufou. — Eu ajudo.

— O que? Eu não preciso de ajuda. — resmunguei.

— Sem mimimi. — a professora disse sem paciência. — Todas as semanas preciso de esboços de seus prováveis desenhos para eu analisar o andamento, boa sorte.. É só isso! — disse recolhendo seus pertences e saindo porta a fora, logo desaparecendo pelo corredor.

— É serio? Porque ela não nos disse isso na sala de aula hoje pela manhã? — resmungou Malik como sempre.

— Você é detestável, dá pra parar de reclamar pelo menos um minuto?? — bufei impaciente pegando as minhas coisas e me retirando dali. O fato de expor uma obra minha para o público mexia comigo, eu sempre tive vergonha, não sabia como reagir.

— Não, não dá. — rebateu.

— Então reclama bem longe de mim.

— Eu reclamo aonde eu quiser.

— Ata. — dei de ombros indo em direção ao meu armário depositando meus pertences ali, logo fui em direção ao ponto de ônibus.

— Eu te dou carona, não precisa ir nesses ônibus horríveis.

— Gosto dos ônibus daqui. — Seu semblante era confuso.

— Qual é Dri, somos amigos, não vou deixar você ficar aí se posso te levar. — Ofegou e tornou a me encarar.

— Tá. — respirei fundo e entrei em seu carro logo chegando à fraternidade. 

 

Já era tarde, e a hora que eu havia combinado de sair com Zayn se aproximava, eu procurava por todos os lados um vestido rosa chamativo para usar, mas não achava de jeito nenhum. Até que Evellyn achou um na sua mala e disse que me emprestaria. Seria a primeira vez que eu iria usar um vestido desses, e tudo por causa de uma pessoa que nem estava interessada em mim, que fase.

                — Hey, Dri! – escutei uma voz calma e baixa quando passei pela janela do quarto. Meu coração parou por um segundo, era a voz dele, de Zayn Malik, sem dúvidas.

            — Oh... Oi, ainda não me arrumei, e nem comecei... Na verdade, eu tinha até esquecido. — ri sem graça a ele que me encarava com aqueles olhos cor de mel, ruborizei.

            — E esse vestido rosa que está na cama, vem dizer que não estava escolhendo a roupa pra ir? — riu cínico.

Droga, ele me pegou.

            — Ok... Você me pegou. — ri sem graça pra ele que não tirava aquele sorriso cafajeste do rosto.

            — Esteja pronta daqui 1 horas, não se atrase, por favor. — piscou fechando sua janela rapidamente, sem que dê tempo à resposta.

            — Ok.. — mordi o lábio, meio que estava desesperada sem saber como reagir a aquilo tudo.

 

Não era um encontro, era? É claro que não era...

Tomara que não seja, oh Deus.

 

            Horas se passaram e eu já estava arrumada, talvez houvesse exagerado um pouco na maquiagem, mas eu não sabia o que me esperava. Então coloquei o vestido rapidamente e logo calcei meus sapatos, já escutava a voz impaciente de Zayn pela janela, então só gritei para que ele descesse rapidamente, para me encontrar lá embaixo.

            Descendo dei de cara com ele e seu carro de luxo, e bem, eu sou uma garota que admira muito carros daquele tipo. Ele não estava com esse carro hoje de manhã.

            — Puta que pariu Zayn, isso é um Mustang? Jesus! — perguntei boquiaberta vendo aquela belezura diante de mim.

            — É sim, gostou? — sorriu surpreso como se não esperasse tal reação.

            — Porra, ainda pergunta? Que sonho! — sorri animada entrando no carro, ele era realmente lindo.

            — Então quer dizer que curte carros? — perguntou surpreso me encarando por um momento.

            — Sim, meu avô era mecânico, aprendi muita coisa sobre carros com ele, é meio que uma paixão, entende? — ri empolgada.

            — Pensei que não fosse tão interessante, Dri. — sorriu de lado me olhando com ânimo. Fiquei nervosa de novo, caralho, seu filho da puta.

            — Para aonde nós vamos? — perguntei nervosa, acho que ele reparou na minha impaciência e começou a rir baixo da minha cara de nervoso.

            — Calma meu bem. — riu. — Você se arrumou tanto, acho que devo recompensar o esforço indo pra algum lugar tipo... um restaurante? — perguntou ligando o carro, aquele som me deixava de alguma forma... Excitada.

            — Não, vamos pra um lugar menos formal, por favor. Só me arrumei assim por medo de não estar arrumada o bastante, você não me disse aonde iriamos.

            — Ok, que tal... Um bar? — perguntou como se não soubesse outro lugar para ir. — Ou pra praia.

            — Que tal o bar e a praia? — sorri convincente. — Mas nada de bebidas fortes, ok? Você está dirigindo um Mustang cara.

            — Bar, e depois praia de madrugada... tenho uma surpresa. — piscou.

Meu coração foi a mil, o que ele queria dizer com aquilo? Éramos apenas amigos, não éramos?

            — De madrugada? E se sentirem minha falta? Eu vou me foder, Malik.

            — Não, eu vou te foder. – arregalei os olhos em espanto. – Estou brincando virgemzinha. — gargalhou enquanto eu me recuperava do susto.

            — Relaxa, já falei com a Evellyn e com a Ana, elas já tem tudo sobre controle. — Disse fazendo uma curva sinuosa, já dava para ver a praia daqui.

            — A Ana? Ela nem vai com a sua cara se quer saber! – admiti.

            — Bem, ela ficou empolgada quando eu disse que íamos sair, talvez esteja ansiosa achando que temos algo, ela realmente não sabe que somos só amigos. – gargalhou, e eu fiz o mesmo.

Então isso não era um encontro? Ufa.

            — Ela é louca. — ri sem humor. — Eca, eu e você... — zombei. — Até parece.

            — Ei, nem venha dizer que nunca ficaria comigo, eu sou maravilhoso porra.     

            — Eu nunca ficaria com você Zayn, nem em um milhão de anos. Te vejo apenas como um amigo muito chato por sinal. Só aceitei sair com você porque se ajoelhou.

            — É bom saber disso... — disse fazendo biquinho.

            — Ah, qual é! — ri enquanto ele fazia cena. — Ok, eu aceitei sair com você porque você me ajudou muito com a Ana, e foi muito divertido ter passado aquela noite contigo, mas você é insuportável às vezes e se acha muito. — admiti.

            — Então é pra falar sobre defeitos, certo? — me encarou minuciosamente, eu ri de nervoso. — Você é patética às vezes, não vou dizer que aquela noite não significou nada pra mim porque até que foi legalzinha, mas isso não muda o fato de você ser tão insuportável. — respirou fundo e prosseguiu. — E eu ia dizer que esse seu vestido é ridículo, mas até que ele caiu bem em você, porque você é tão patética quanto ele. — riu.

 

Merda, ele não gostou do vestido. Porra Estephs!!!

 

            — É sério? Ele é tão feio assim? — perguntei nervosa.

            — Ok, eu peguei pesado. – gargalhou. — Só disse isso pra te estressar, eu odeio rosa, mas tenho que admitir que ficou uma gracinha em você, porém você não deixa de ser patética.

            — Você é um babaca Zayn, é isso o que você é! — brinquei enquanto ele estacionava o carro em um estacionamento próximo a praia. Agora eu já estava incomodada com aquele vestido que na verdade já estava me incomodando antes por ser rosa e apertado demais, eu odiava vestidos, e agora odeio a Estephs por me obrigar a usa-lo sabendo que o Zayn detesta rosa.

            — Se você me xingar mais uma vez eu te jogo no mar como oferenda a Iemanjá, não brinca comigo. — disse me encarando e saindo do carro sem olhar pra trás, uau que badboy. Sai logo atrás dele que revirou os olhos quando cheguei.

            — Até que Iemanjá iria gostar de mim, né? — ri enquanto ele adentrava um bar rústico a alguns metros do estacionamento.

            — Não, ela ficaria insatisfeita. — disse sério sentando-se em um acento vermelha escuro, logo fez sinal para que eu fizesse o mesmo, mas eu não conseguia por conta daquele vestido insuportável.

            — Qual é, não sou tão insuficiente assim, você acaba com a minha autoestima, sabia? — ri e ele fez o mesmo me puxando pelo braço como se eu fosse uma criancinha com dificuldade de subir numa cadeira.

            — Como consegue ser tão dramática assim? — revirou os olhos ainda com um sorriso acentuado em seu rosto.

            — Não sou dramática, apenas sentimental. — fiz biquinho enquanto me ajeitava no acento.

            — Uma vodka, e o de sempre, por favor. — pediu ignorando meu drama. Arregalei os olhos visto que ele não poderia beber. “O de sempre”, então quer dizer que ele frequenta este lugar muitas vezes???

            — Você não é tão insuficiente, tá bem? — perguntou em um tom conciliador ignorando meu olhar surpreso enquanto o cara colocava uma vodka em um copo e um líquido azulado em outro.       

— Obrigada Zayn, você é muito compreensivo. — ri cínica ignorando o fato de que eu iria sair carregada esta noite.

— Eu sei. — disse sério bebendo sua bebida azulada de uma vez, fiquei assustada, mas fiz o mesmo com a vodka, mesmo que não gostasse muito de vodka, não queria dar uma de insatisfeita, ele estava pagando mesmo, foda-se.

— Zayn, você vai dirigir, vai com calma... — falei ainda tentando digerir aquela vodka horrível.

— Quem disse? — riu pedindo mais uma bebida.

 

Oh céus...

 

— O que?! – perguntei assustada.

— Estou brincando, até lá já estarei sóbrio. — piscou.

— Está pensando em voltar que horas, Malik?

— Só se divirta, tá bem? Você é muito esquentadinha... – disse bebendo mais um copo daquela bebida esquisita. – Traz outra vodka pra essa dramática aqui, por favor.

— Se quer que eu beba contigo, eu escolho a porra da bebida. – falei sem paciência.

— Quem está pagando sou eu. – disse sério.

— Estou pouco me fodendo, quem me chamou foi você, então sustenta.

— Ok... – deu de ombros.

— Me traz a mesma bebida que ele pedir. — o encarei por um momento, ele riu como se estivesse surpreso por tal ato.

— Aqui. — o barman depositou o copo em minha frente, peguei-a sem pensar duas vezes e bebi, até que era... muito bom.

— Nossa, o que é isso? – perguntei curiosa.

— Gostou? — Zayn perguntou surpreso.

— Sim, é muito bom.

— É minha bebida favorita.

— Do que é feita?

— É Apauê azul, traz tequila, cointreau, curaçau blue, suco de limão e gelo. — O garçom se intrometeu.

— Nunca ouvi falar. – admiti.

— Nossa, nem eu sabia disso. – Zayn gargalhou, e eu já estava alterada o bastante pra reparar em seu sorriso mais profundamente do que o normal.

— Como não? Você pediu como se só bebesse isso.

— Mas eu só bebo isso. Eu cheguei aqui um dia puto da vida e falei para que trouxessem a bebida mais forte que tivessem aqui, e me trouxeram essa. Daí eu gostei e toda vez que venho só peço essa.

— O que? A mais forte? — perguntei assustada.

— Não era a mais forte, fui com calma já que ele estava sozinho e aparentava estar magoado, típico daqueles caras que sofrem desilusões amorosas e dão trabalho para os barmans... Então dei uma bebida razoável para ele não passar mal se não iria sobrar pra mim. – O barman admitiu enquanto secava um copo em suas mãos.

— Você me enganou. — Zayn encarou o barman por um minuto e eu não conseguia segurar a gargalhada, logo ele começou a rir também, e que sorriso...

— Porra, eu fiquei até puto, mas a sua risada é muito engraçada, não consegui segurar.

— Vai se foder, Malik. – ri.

 

[...]

 

Depois de alguns copos de Apauê Azul eu já estava fora de mim. Havíamos encontrado uma mesa de sinuca e apostamos que quem perdesse iria ter que beijar alguém da escolha do vencedor. E como é obvio... ele roubou e eu perdi. Até porque era uma das primeiras vezes que eu jogava e ainda estava bêbada.

— Eu já sabia que perderia. — ele gargalhou.

— Vai se foder. — falei séria o encarando.

— Vamos ver algum pretendente... — disse com um olhar analisador sob todos do bar, até que não era um bar muito frequentado por velhos e barrigudos alcoólatras, graças a Deus.

Ele. — apontou para um garoto loiro maravilhoso sentado ao lado de uma garota ruiva mais linda do que ele.

 

Ok, Zayn está ficando louco?

 

— O que? Ele está com a namorada.

— Mas é claro que está. —riu. — Jogue seu charme.

— Charme? Que charme? — perguntei confusa, nada fazia sentido.

— Realmente, você não tem. — gargalhou.

— Para. — fiz voz de choro.

Ok, então beija essa boca. — apontou para seus lábios rosados. Ele estava me testando?

— Ok...

 

 

Fui em direção ao garoto loiro, ele já me encarava de longe. Quando cheguei finalmente ao seu lado, o garoto sorriu confuso, até que eu o beijei.

 

O interessante é que ele não parou, e nem reagiu contra mim, só a favor. Sem perceber eu já estava montada em seu colo, no meio do bar, e Zayn olhava tudo aquilo assustado, e parecia estar detestando.

 

— Meu Deus. — falei sem fôlego me levantando sem graça, o que o álcool estava fazendo comigo?

— Uau. — o garoto loiro dos olhos verdes vibrantes me encarava como se pedisse outro beijo.

Olhei para seu lado e sua companheira me olhava mais perplexa do que Zayn, ao lembrar-me de tal situação, sai correndo pela porta do bar sem rumo.

 

 O que eu estava pensando?

 

— Puta que pariu Adrielle. — Zayn gritou pelo meu nome, logo correndo atrás de mim.

— Puta que pariu digo eu, puta que pariu. — gargalhei.

— Não, eu que digo. Porra, você preferiu beijar um cara com sua namorada do lado do que me beijar? Qual é a merda do seu problema? — disse me puxando pelo braço enquanto eu queria correr por aí, caralho, estou muito bêbada.

— Somos amigos Zayn, não confunda as coisas. — falei saltitando. — Estou me sentindo uma vagabunda agora, e o pior é que essa sensação é boa. — ri enquanto Zayn ria de mim.

— Quem disse que amigos não podem se pegar? – perguntou cessando o riso.

— Calma, você tá falando sério? Quer me pegar?

— Não, eu não falei que quero te pegar, só disse que amigos podem se pegar, só isso.

— Ah entendi, você disse que queria ser meu amigo pra me pegar... — gargalhei. — Não precisava fingir ser meu amigo pra me beijar Zayn, era só pedir, que burro.

— Então me beija. — disse se aproximando de mim, meu rosto explanava dúvida, ele estava me deixando tão confusa e eu estava bêbada demais para entender alguma coisa.

— Não, eu não pego amigos. — disse enquanto ele olhava intimamente para mim.

— Ok, vai se foder. — deu e ombros.

— Porra, tenho que te admitir uma coisa.

— O que? — disse enquanto caminhávamos rumo à praia. Ele parecia curioso.

— Stephs falou comigo, e ela é uma vaca, sabia? — relatei.

— Eu sei que ela é, uma vaca suculenta. — um sorriso amplo surgiu em seus lábios, aquilo me dava ânsia de vômito.

— Eu tô falando sério. — bufei irritada enquanto ele me fitava sem parar, aquilo de certa forma me acomodava.

— Ela te mandou usar esse vestido, não mandou? Ela é a única pessoa que sabe o ódio que eu tenho por vestidos rosa.

— Pior que foi. — riu com a minha sentença.

— Você é bem sexy de rosa, Dri. 


Notas Finais


Eai, o que vocês acham? Vai rolar entre os dois ou não???
PS: ME DESCULPEM PELA DEMORA...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...