História Madness - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 12
Palavras 1.448
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 21 - High by the Beach


Fanfic / Fanfiction Madness - Capítulo 21 - High by the Beach

Sam andava de um lado para o outro, seguindo Anna enquanto ela arrumava alguns discos nas prateleiras.

- Vamos, vai ser bom. – insistia o garoto pela décima vez. – Temos que aproveitar, não vamos ficar de férias para sempre.

A garota finalmente parou o que estava fazendo para voltar toda sua atenção para Sam.

- Eu não gosto muito de praia, você sabe disso. E além do mais, não tenho dinheiro.

- Para de bobagem, o objetivo é se divertir. E eu sei que se você pedir, Paul te dará um adiantamento.

A garota revirou os olhos, sorrindo levemente.

- Como você é insistente! – ela gargalhou. – Onde é essa tal casa?

- Alice me passou o endereço, Nick dirige.

Ela franziu a sobrancelha.

- Você já falou com ele? Porque aposto que não.

- Ele vai topar.

- Sam, ele não sai da casa a dias. Fica o dia inteiro com a mãe.

- Eu sei, e justamente por isso que precisamos convencê-lo a ir. Ontem eu fui lá e a mãe dele quase implorou para que eu o levasse para dar uma volta.

Anna mordeu o lábio inferior, pensativa. Permaneceu assim por apenas poucos segundos, mas para Sam pareceu uma eternidade.

- Eu não sei... Emily não está na cidade e Vanessa está gripada. Então seremos só nos três? Eu não sei se é uma boa ideia...

- Anna é só um dia em uma casa de praia, nada pode dar errado.

- Geralmente é quando alguém diz isso que dá tudo errado. – ela o fitou pensativa. – Ok, Sam nós vamos. Mas eu não entendo nem porque Alice nós chamou para o aniversário dela, sendo que será algo mais ‘’íntimo’’.

- Ela nos chamou porque só assim para o Nick ir.

- É... – ela revirou os olhos novamente. – Ainda tem isso.

Sam sorriu.

- Então eu já vou indo! – anunciou empolgadamente. – Saímos hoje a tarde, não se atrase.

- Eu ainda tenho que pedir para os meus pais.

O garoto já andava em direção a saída da loja.

- Eles irão. Esqueceu que hoje é aniversario de casamento deles?

Anna assentiu balançando a cabeça positivamente, contorcendo o rosto em duvida logo após.

- Como você sabe disso? – gritou.

Sam gargalhou.

- Eu sei de tudo! – gritou ainda de costas.

                                                                   . . . . . . . .

O caminho até a casa de praia não foi muito longo e nem cansativo, havia sido bem confortável para os três envolvidos, já que eles se distraíram bastante conversando. Sam foi o primeiro a descer do carro, seguido por Anna e por último Nick, que não estava muito no clima para diversão. Assim como na última vez, só havia saído porque sua mãe insistiu para que fizesse.

Alice veio recebe-los animada, com seu belo sorriso estampado no rosto. Abraçou um a um antes de guia-los para dentro da casa, onde haviam mais 5 pessoas. Era realmente para os íntimos.

Anna correu seus olhos pela linda casa de madeira escura, se vislumbrando com a simplicidade e elegância da casa. Alice realmente era tão rica quanto falavam, pensou a garota. E no fundo se perguntava o porque dela estudar na mesma escola que eles, quando obviamente tinha condições de estudar em qualquer uma que quisesse.

- Vem, Anna! – chamou Alice. – Vou te mostrar onde você vai dormir.

A adolescente então a seguiu, chegando a um belo quarto com uma cama de casal e algumas poucas malas em um canto. Assim que elas adentraram, Alice fechou a porta.

- Nós vamos dividir o quarto! – a garota de cabelos rosas sorria.

Anna forçou um sorriso, enquanto sua mente trabalhava rápido. Ela colocou suas coisas em um canto e logo já fitava Alice novamente.

- Ok... – soltou o ar lentamente. – Alice, sem querer ser grossa ou nada assim, mas isso tudo aqui não pode ser só gentileza, porque nós não somos tão amigas assim. Não ao ponto de dormir juntas ou de aniversários íntimos.

O sorriso de Alice se desfez lentamente, dando lugar a uma expressão aflita.

- Eu sei, desculpa. É que você é muito próxima do Nick e você o conhece bem e... – ela deslizou a mão sobre o rosto. – Desculpa.

- Tudo bem, eu já meio que desconfiava que se tratava disso.

- Eu só queria me aproximar dele. – ela sorriu de nervosismo. - Porque quando eu estou perto dele meu coração dispara e eu não sei o que dizer ou fazer. Achei que ter você por perto me ajudaria.

- Alice, isso é tudo muito estranho pra mim. e desculpa mas o Nick é o ex da minha melhor amiga. – na sua cabeça ela riu de como aquilo soava hipócrita. – Eu não posso simplesmente servir de cupido para vocês dois.

- Eu sei, eu sei... É que todo mundo pensa que eu sou apaixonada por ele desde o nono ano. Mas não, eu sou apaixonada pelo Nick desde que tinha 12 anos.

Anna continuou calada, sem ter o que dizer.

- É ridículo mas eu sou completamente louca naquele garoto. Meu coração palpita só de olhar para ele. Você sabe como é isso? Gostar de alguém tanto assim?

- Não... – saiu quase como um sussurro. – Não sei.

- E eu sei que Nick é seu amigo, e também sei que ele nunca trairia a namorada dele se não estivesse infeliz no namoro. Eu posso fazê-lo feliz, só preciso de um pouco de ajuda para que ele perceba isso. Anna... Eu me guardei para ele.

- O que?

- Eu sou virgem. – ela revirou os olhos. – Não que eu nunca tenha tido oportunidades, mas não era com o Nick. Não era perfeito.

Anna estava com os pensamentos a mil, não sabia como se sentia em relação a tudo o que havia ouvido. Não sabia se sentia bem ou não por Nick poder ficar com alguém daquela maneira.

- Ok... – disse por fim.

                                                                 . . . . . . . .

A chuva desmoronou em poucas horas, caindo intensamente. Anna a observava, sentindo a areia fofa em seus pés. Ela estava debaixo de uma espécie de caverna no meio da praia, cobertas por grandes pedras. A chuva não a molhava e ela podia ficar ali, afastada de todos na casa. Queria ir embora dali, não  pertencia a aquele lugar.

Tudo que ela ouvia era o barulho da chuva caindo, se concentrando aquilo para que acalmasse seus pensamentos. Soltou um breve suspiro ao ver uma figura familiar se aproximando. Era Nick.

- Nick! – falou com preocupação na voz. – Você está louco de sair nessa chuva? Você está encharcado!

- Eu não deveria ter vindo... – ele sorriu. – Odeio areia.

Anna se levantou, o fitando.

- Você pode ficar resfriado.

O garoto bagunçou os cabelos, retirando o excesso de água dos mesmos.

- Se isolando de todo mundo? Bem típico seu.

Ela sorriu timidamente, ignorando que ele não havia respondido nenhum de seus comentários.

- Um pouco... Só vim pensar um pouco e acabei ficando presa aqui por causa da chuva.

- Pensar em que?

- Em algumas coisas. – ela sorriu. – Na verdade, eu precisava falar com você.

- Sobre...

- A Alice.

Nick se aproximou.

- O que tem ela?

Anna repensou o que falaria, tomando coragem.

- Ela é uma garota legal e boa, acho que vocês dariam certo se você tentasse conhece-la.

Nick fechou os olhos enquanto mordia o maxilar.

- O que você está fazendo? – ele a fitou intensamente.

- Só... Ela gosta de você. Muito.

Nick balançou a cabeça pensativo, um pouco perdido em pensamentos.

- Não fique com ela aqui. – Anna prosseguiu. – Não enquanto eu estiver aqui.

O garoto permaneceu calado.

- Porque eu te quero tanto que até me dói. Todos os meus órgãos, todos os meus ossos doem. É torturante o quanto eu quero você.

Nick se aproximou mais ainda, mas a garota recuou.

- Mas não podemos passar por aquilo de novo.

Ele não a ouviu, apenas continuou se aproximando até que as costas dela tocassem a grande pedra e sua boca tocasse na dela. Nick colou seu corpo molhado no da garota, a apertando pela cintura.

Sua camisa foi arrancada rapidamente e os atos dos dois eram apressados, rápidos. Nick a segurou e logo sentiu sua cintura sendo entrelaçada pelas pernas dela. Logo seus lábios deslizavam pelo pescoço da garota, enquanto ouvia a respiração apressada da mesma.

Anna abriu os olhos que manteve fechados o tempo todo, e logo seu corpo todo congelou. Os olhos dela se permaneceram vidrados em algo a sua frente.

- Droga... – sussurrou para si mesma

Nick percebeu que ela havia parado.

- O que foi?

Ele olhou na direção em que ela olhava, visualizando Alice parada segurando uma sombrinha verde, os fitando.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...