História Magic And Blood - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Camille O'Connell, Caroline Forbes, Davina Claire, Elijah Mikaelson, Emma Swan, Freya Mikaelson, Hayley Marshall, Kaleb Westphall, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Rebekah Mikaelson, Regina Mills (Rainha Malvada), Stefan Salvatore
Tags Davina Claire, Haylijah, Klaroline, Kol Mikaelson, Kolvina, Stebekah, The Originals
Exibições 67
Palavras 1.083
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OIE, GENTE <3
Bônus Stebekah, espero que gostem <3

Capítulo 29 - So This Is Love


Em 1920...

Rebekah

Stefan e eu rodopiávamos aquele salão pela… milésima vez? Não sei, o que importa é que ao som de jazz tudo fica melhor, e com um pouco de bebida tudo fica ainda melhor.

Dançar era algo que fazíamos absolutamente todas as noites, e automaticamente nos divertíamos também. Aquilo era… incrível, aquela sensação de dançar ao som daquelas músicas, era como se eu estivesse no céu. E é claro, com Stefan tudo ficava perfeito.

Ele era divertido, compreensivo, tinha senso de humor, e quando queria, conseguia ser perigoso e extremamente sensual… Ou seja, ele era perfeito pra mim.

Mas é claro, perfeito é apenas uma expressão. Perfeito Stefan não era, ele era quase, não totalmente.

Ele pensava muito em se divertir, e também se preocupava que eu também me divertisse, mas é claro que eu não queria apenas dançar o resto da minha vida. Eu queria mais que isso… Eu queria uma família.

Mas Rebekah, e seus irmãos? Eles não são da família? São, mas sinto que eles são muito distantes. Nik e Caroline estão em Mystic Falls, Elijah e Hayley podem estar em qualquer ponto deste planeta nesse exato momento e Freya estava junto com Kol, Davina e Mary Louise em Londres. Enfim, todos estavam distantes de mim. Não havia um contato muito direto.

E Stefan… Ele até poderia ser parte da “família” que eu tanto imaginava, mas sinceramente, tínhamos uma relação muito… É.

Mas o que faltava mesmo na minha vida era uma criança. Um filho, ou uma filha. Era tudo o que eu queria de verdade. Crianças iluminavam a minha vida, no caso de Mary Louise, por exemplo. Eu adorava estar com ela, toda aquela energia e alegria que ela passava, aquilo me fazia um bem imenso.

E quando Stefan ia brincar com Mary Louise, eu via que ele estava se divertindo, e que gostava daquilo. E se tinha uma coisa que eu amava ver, era Stefan sorrindo.

Enfim, eu queria ter filhos. Mas eu estava fadada a nunca ter nenhuma criança, ah, maldita a hora que virei vampira!

— Com licença, srta. Rebekah — uma jovem ruiva, até bem gostosa, se aproximou de mim — Deseja…?

Ela começou algo com coisas sobre cama, horas, beijos, e a calei com um beijo. Mulheres não eram exatamente o meu forte, mas aquela tinha que ficar quietinha.

— Fica caladinha — eu disse, a compelindo.

Stefan me olhava, admirado.

Peguei seu pulso “carinhosamente”, coloquei em minha boca, e cravei meus dentes naquela pele macia. Eu sinceramente nem estava com fome, mas eu queria desabafar em algo, no caso, alguém.

— Vem, Stefan — o chamei e ele veio, ficou com o outro braço.


Bebemos o sangue daquela mini prostituta até não haver mais uma gota. Estava delicioso.

— Nossa, Bekah — Stefan colocou o dedo sujo de sangue na boca — Essa está… uma delícia.

— Eu sei — e sorri maliciosamente — Agora vamos embora.

— Mas… está cedo e… — ele começou.

— Chega, Stefan, vamos agora — eu disse, peguei meu casaco e botei sobre os ombros.

xxxxx

Saímos do clube, e fomos à pé pra casa dessa vez. Geralmente vínhamos de carro, mas hoje propositalmente pedi para virmos à pé. Eu estava precisando conversar com ele sobre umas coisas.

Stefan colocou o braço sobre o meu ombro como se estivesse bêbado. Mas não estava, graças à Deus vampiros nunca conseguem ficar completamente bêbados.

Já estávamos bem afastados de tudo, então decidi começar. Não seria fácil, mas comecei.

— Stefan — comecei — Você já… quis ter filhos?

Ele me olhou de um jeito esquisito, como se estivesse me estranhando.

— Claro que já, Rebekah! Quem nunca? — ele falou, entre riscos.

Sorri um sorriso meio tímido pra ele. Hora de dar o bote.

— Porque não temos um? — perguntei.

Ele me olhou como se eu tivesse pirado.

— Está louca, Rebekah? Não podemos procriar — ele disse, mas dentre isso ele soltou um sorrisinho sexy — Mas é claro que podemos tentar… (A/N: momento Damon aqui)

Balancei a cabeça.

— Stefan, é sério, já tentamos muito, até demais — dei ênfase à última frase — Não estou me referindo ao modo, hã… original de ter uma criança, assim não rola, digo, tem outros métodos…

Stefan balançou a cabeça, rindo.

— Rebekah, você é muito sentimental… — Stefan disse.

— Eu não sou, tá! Só queria tentar… Sabe, tem orfanatos com várias crianças que são abandonadas por crianças, sabiam? — argumentei, fervendo de raiva.

— Nossa vida está ótima assim, Rebekah — ele disse.

Bufei de ódio. Como ele… podia, como se atrevia?

— Sabe, eu só queria às vezes ter a sorte da Davina… — comentei baixinho.

— Davina não teve sorte, foi tudo destino — Stefan disse — E ela sofreu muito antes de ter seu “final feliz” com Kol…

Não respondi. Ele estava certo. Que merda.

Mas será possível que eu nunca teria uma família, uma vida quase humana de verdade? Talvez até fosse pedir muito, mas pra mim era tão pouco…

— Rebekah — Stefan chamou, com aquele tom de “alerta” dele.

— O que foi? — perguntei, desanimada.

— Está ouvindo isso? — ele movimentava a cabeça como se estivesse procurando mentalmente por algo.

Me concentrei nos barulhos ao redor, e consegui focar em algo completamente inusitado, mas que eu conhecia bem: Um bebê, o choro de um bebê.

— Estou ouvindo — disse à ele — De onde está vindo?

Ele olhou ao redor, e começou a encarar um beco escuro que havia um pouco mais à frente.

— Ali? — questionei.

— Acho que sim — ele respondeu — Vamos lá.

Fomos até meio que correndo, e era um lugar totalmente escuro, sujo e frio. Não havia chances de um bebê sobreviver ali. Por falar nisso, não consegui ouvir nada.

— Rebekah — Stefan me chamou, e quando me virei pra ele, ele estava com um embrulhinho nos braços, e soube na hora que era um bebê.

— Oun, meu Deus — me aproximei dele — Está bem?

— Parece que está — Stefan respondeu — É uma menina.

Meu coração se apertou com tanta fofura.

— Stefan — eu disse — Vamos ficar com ela!

— O que?

— Vamos ficar com ela!

— Mas… mas, Rebekah… — Stefan começou — Não podemos, é errado e…

— Ah, Stefan, por favor — eu disse — Eu sou Rebekah Mikaelson, e você é Stefan Salvatore, podemos fazer qualquer coisa que quisermos…

Ele riu maliciosamente. Gostava de quando eu o elogiava daquela maneira.

— Nesse caso… — ele me beijou rapidamente — Claro que podemos!

Observei rapidamente nossa menininha. Ela tinha os cabelos claros, e olhos verdes. Era… perfeita.

— Qual o nome dela? — Stefan perguntou, subitamente.

Hesitei um momento.

— Que tal Claire? — questionei, sorrindo.


Notas Finais


Penúltimo capítulo da fanfic. Tô triste, não tô feliz.
Enfim, favoritem, comentem, e até o próximo (e último) capítulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...