História Magic Has a Price - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Danielle Campbell, Jack & Jack, Magcon
Personagens AnnaSophia Robb, Cameron Dallas, Danielle Campbell, Jack Gilinsky, Maia Mitchell
Tags Magcon
Exibições 61
Palavras 1.586
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Festa, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, como vocês estão? Já começo pedindo mil desculpas. Eu não quero e nem vou abandonar essa estória, prometo. Eu só estava com um bloqueio horrível, mas acho que acabou. Obrigada pelos favoritos em apenas 3 ( agora 4) capítulos, amo vocês. sz O próximo capitulo vai demorar pra sair, mas é porque tenho prova semana que vem, então fica difícil escrever. Porém, não vai demorar tantooo. Eu acho.
Boa leitura.

Tradução do título: Aniversário.

Capítulo 4 - Birthday


Faltam exatamente três minutos para a meia-noite. Três minutos para o meu aniversário de dezenove anos.

Eu estava animada para isso, por incrível que pareça. Digamos que eu estava ansiosa para saber o porquê de ter que voltar a praticar magia e imagino que isso seja um começo para saber sobre a origem de meus poderes.

— Parabéns pra você, nessa data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida. — minha mãe entrou em meu quarto cantando quando o relógio bateu meia-noite. Eu confesso que tinha me esquecido dela, pois estava muito animada com o que eu descobriria. — Ophelia, faça um desejo.

Então, reparei no pequeno bolo de chocolate que havia na mão de minha mãe e nele havia uma vela simples. Inclinei-me e fechei os olhos, logo fazendo meu precioso desejo e, em seguida assoprei, fazendo com que o fogo se apagasse.

— Parabéns querida. — Mackenzie, minha mãe, disse com um sorriso de orelha a orelha — Quer comer o bolo agora?

— Obrigada mãe. — abracei-a — Quero sim!

Desci as escadas na frente e vou até a cozinha, logo me sentando na mesa de vidro que havia ali. Era a mesma casa de três anos atrás, apenas com algumas mudanças, como pisos e móveis novos.

Minha mãe apareceu e colocou o bolo sobre a mesa. Em seguida foi até o armário, abrindo-o e pegando uma faca. Ela trajava um pijama cinza com um gato na frente e seus cabelos negros estavam em um coque mal feito. Ela é muito bonita e me sinto culpada por ela não ter encontrado alguém até agora.

— Então, como anda a faculdade?

— Bem, eu acho. — digo dando de ombros e comendo um pedaço do bolo — Mãe, isso aqui está maravilhoso.

— Obrigada, encomendei. — ela disse me fazendo rir — Mas e os namoradinhos?

— Achei que esse fosse o papel das tias, mas ok. Minha vida amorosa está horrível, obrigada por lembrar.

— Eu gostava daquele garoto… Thomas, eu acho. Mas você sempre gostou do mais difícil e mimado. — minha mãe disse me fazendo parar de comer — Desculpa, eu não queria...

— Tudo bem. — a interrompi — Então, como está o trabalho?

— Normal, como sempre. Querida, e aquele cara encapuzado? Você acha que ele quer te machucar ou algo do tipo?

— Acho que não, mãe. Talvez só queira me ajudar.

— É estranho alguém ajudar sem querer algo em troca. — assenti em concordância — Vou me deitar, boa noite.

— Boa noite, durma bem.

Então, ela saiu da cozinha e subiu as escadas indo em direção a seu quarto. Eu já tinha acabado de comer o bolo, mas ainda não estou pronta para ir me deitar. Eu quero pelo menos um sinal de que realmente vou descobrir alguma coisa.

Depois de alguns minutos — creio eu que foram muitos — desisti e subi as escadas indo até meu quarto e me jogando na cama. Me estiquei um pouco e peguei a caixa debaixo da minha cama, pegando as fotos novas que eu havia colocado ali. Eles estavam com um sorriso tão grande no rosto que fez uma lágrima rolar sobre meu rosto, mas logo a sequei com a manga da blusa.

Eu já tinha guardado a caixa — que estava velha por sinal — novamente debaixo da cama e peguei meu celular, mas logo o deixei de lado quando ouço um barulho vindo da cozinha. Eu aprendi com filmes de terror para nunca ir verificar o que é, mas eu precisava saber. Poderia ser o homem que tanto espero, né?

Levantei-me e caminhei até a cozinha em passos lentos. Ao entrar no cômodo, olho ao redor, mas não consigo ver nada além da escuridão.

— Mãe? É você?

Caminho até o interruptor, mas o mesmo não funciona. Sinto um ar gelado em minhas costas e sinto meu corpo paralisar.

— Quem é você?

— Esperava um cumprimento melhor já que está me esperando há dias. — virei-me lentamente dando de cara com um homem de uns 50 anos e um rosto oval. Confesso que ele era bem bonito, com a barba e cabelo de um tom loiro escuro, seus olhos azuis — Eu sei que sou bonito, mas não precisa ficar me encarando desse modo.

— Na verdade, eu estava esperando aquele cara encapuzado…

— Bom, ele me deu o trabalho de te treinar. — arqueei uma sobrancelha, confusa. — É o seguinte…

— Ophelia.

— Nome estranho. — ele diz me fazendo revirar os olhos — Enfim, primeiro parabéns pelos dezenove anos.

— Obrigada, mas será que pode me explicar o que está acontecendo logo?

— Não posso dizer tudo, mas estou aqui pra te treinar. Nos encontraremos na floresta perto da Heavenly Beach duas tardes por semana e eu irei te ensinar a lutar. Bom, serve pra você se proteger no futuro, ou até mesmo agora. A parte da magia ficará com o Nicolas, o cara encapuzado.

— Como vou saber que posso confiar em você? — ele sorriu e se inclinou para sussurrar no meu ouvido. Ele acabou de dizer a mesma frase que o homem encapuzado; “ A magia sempre tem um preço” — Tudo bem… Qual o seu nome?

— Isso permanecerá um mistério, por enquanto. — ele diz se virando e indo embora pela janela, como se fosse a coisa mais fácil do mundo. — Te vejo amanhã, bruxinha.

— Não me chame assim. — disse indo até a janela a tempo de vê-lo dar uma risada — Só me faltava essa…

Suspirei, cansada. Eu ia à floresta com Thomas, Hailey, Jimmy e Kenna fazer piquenique ou até mesmo acampar. Caminhei até a sala e me joguei no sofá, ligando a televisão.

— Tudo bem com a barraca de vocês? — Hailey perguntou para Jimmy e Thomas que estavam praticamente lutando com a barraca. Eles nos encaram e, em seguida, bufaram — Vocês podem pedir ajuda se quiserem.

— Não precisamos da ajuda de vocês, obrigada. — Jimmy respondeu, claramente irritado — Thomas, o que vamos fazer?

— Acho que deveríamos pedir ajuda, Jim. Está bem óbvio que não conseguiremos montar essa… coisa. — Tom informou e logo Jimmy assentiu — Garotas? — nós nos entreolhamos e rimos baixinho, logo virando para os mesmos — Nós realmente precisamos da ajuda de vocês!

— Sorte sua que estamos de bom humor, Tomzinho. — Kenna diz fazendo todos rirem — Vocês podem acender o fogo enquanto montamos a barraca de vocês, por favor?

Eles assentiram e adentraram na floresta. Nós três montamos a barraca dos dois rapidinho e logo fomos nos trocar; vesti uma calça moletom e uma blusinha branca com uma coruja e logo coloquei meu moletom que eu tinha de Intrumentos Mortais (minha saga de livros preferida); Hailey colocou um pijama sexy, mas colocou um casaco que cobria tudo, pois a mesma só não gostava de muitas coisas pra dormir; No caso de Kenna, ela colocou um short e uma blusinha confortável, mas bem exposto para esse frio. Porém, ao sairmos da barraca, ela pegou um cobertor e se cobriu, logo sentando na cadeira em frente a fogueira.

— Até que vocês foram rápido. — disse e eles reviraram os olhos.

— Ou talvez, vocês tenham demorado lá dentro. — Thomas disse pegando um graveto ao seu lado e colocando seu marshmallow — Vocês vão ficar ai mesmo ou vão vir comer?

Revirei os olhos e me sentei entre ele e Kenna, enquanto Hailey se sentou ao lado de Jimmy. Thomas estendeu um graveto pra mim e eu o peguei, dando um sorriso tímido.

— Então, querem uma história de terror? — Jimmy perguntou com uma voz rouca e assustadora, me fazendo arrepiar. Negamos com a cabeça e Thomas, ao meu lado, riu baixo — Então querem que o Thomas cante?

— O que?! Não vou cantar. — todos nós o olhamos e ele logo suspirou — Eu nem trouxe meu violão gente.

— Sorte sua que… — me levantei e fui até minha barraca pegando o violão preto com borboletas — eu trouxe o meu.

Thomas deu um sorriso falso e na hora de pegar o violão, sua mão tocou a minha, o que fez meu corpo arrepiar por completo.

Sentei-me novamente e ele logo começou a tocar, nos fazendo dar um sorriso involuntário.

— Não sei qual musica cantar. — Thomas disse enquanto continuava a tocar umas notas no violão — Qual vocês querem?

— Never be alone, conhece? — Kenna perguntou e Tom assentiu, logo me encarando — Então tá.

Thomas logo começou a cantar olhando pro chão e sua voz era incrivelmente linda e geralmente, o mesmo me olhava, mas apenas por uns segundos.

— Ele não para de te olhar. — Hailey sussurra o óbvio no meu ouvido — Acho que a música é pra você.

— Hailey, você está ficando louca! É claro que essa música não é pra mim.

— Tudo bem então. — ela diz voltando a prestar atenção na música — Só não deixa pra perceber quando for tarde demais.

A olhei, confusa. Era meio impossível Thomas estar gostando de mim com uma Kenna caidinha por ele, certo?

Em alguns minutos, creio eu que não foram muitos, ele terminou de cantar e logo voltamos a comer marshmallows.

— Eu te amo. — Hailey disse enquanto mordia o pescoço de Jimmy. Senti um aperto no coração, mas tentei disfarçar o máximo possível.

— Também te amo.

— Os pombinhos ai estão bem? — Kenna perguntou enquanto mordia um biscoito. — Porque tipo… não quero ficar de vela.

— Acho melhor dormirmos. — Thomas disse depois que eu bocejei — Está ficando tarde e precisamos aproveitar o mar amanhã.

Assentimos e dei boa noite para os garotos, logo indo até a barraca que eu dividiria com as meninas.

— Você viu o Thomas encarando a Lia? — Hailey perguntou a Kenna quando fechou a barraca. — Ele está caidinho por ela.

— Não está não. — Eu em Kenna dissemos em uníssono. — Enfim, vamos dormir.

Encarei Hailey, mas a mesma deu de ombros e se deitou. Depois de uns minutos raciocinando, fiz o mesmo.


Notas Finais


Bom, primeiramente, comentem. É bom saber o que vocês estão achando.
Sweet Destiny ( Cameron Dallas):https://spiritfanfics.com/historia/sweet-destiny-6658127
I'm Confused: https://spiritfanfics.com/historia/im-confused-6152441
Trailer 1: https://youtu.be/v1WS453lBR4
Trailer 2: https://youtu.be/Czy56Q7PS10
Twitter: @flowesrmendes


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...