História Magnética - Capítulo 93


Escrita por: ~

Postado
Categorias Arrow, Homem de Ferro (Iron Man), Homem-Aranha, Liga da Justiça, Os Vingadores (The Avengers), Supergirl, The Flash, Thor
Personagens Alex Danvers, Anthony "Tony" Stark, Barry Allen (Flash), Cisco Ramon, Clark Kent (Superman), Clint Barton, Detetive Joe West, Diana Prince (Mulher Maravilha), Dr. Bruce Banner (Hulk), Dr. Harrison Wells, Dra. Caitlin Snow, Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Iris West, James Rupert "Rhodey" Rhodes, Jane Foster, Kara Zor-El (Supergirl), Leonard Snart (Capitão Frio), Loki, Maria Hill, Mick Rory (Onda Térmica), Natasha Romanoff, Nick Fury, Oliver Queen (Arqueiro Verde), Pepper Potts, Personagens Originais, Peter Parker, Pietro Maximoff (Mercúrio), Sam Wilson (Falcão), Steve Rogers, Thea Queen, Thor, Visão
Tags Arrow, Flash, Os Vingadores, Supergirl
Exibições 493
Palavras 1.830
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Acharam que acabou????? Vou fazer uma coisa bem estilo os filmes da Marvel. Ter cenas pôs-créditos importantes para a história ou epílogos.

Enfim....... Boa leitura!!!! :) :D

Capítulo 93 - Epílogo


Epílogo. 

Torunn permanecia de cabeça baixa mas, mesmo assim, tentava por uma postura confiante. 

Olhou para Odin, que a fitava pensativo. 

— Sei que estás decepcionado comigo, pai de todos — Torunn o olhou nos olhos — Perdão por ter ignorado o caminho certo e a minha honestidade e de ter mentido para meus pais e os Vingadores. Foi errado da minha parte... Mas só quero que saibas que fora por uma causa nobre. 

— Tem razão, Torunn. Estou decepcionado com você. Eu esperava mais vindo da minha única neta — Torunn voltou a baixar os olhos. — Agora me diga, Torunn. Você está arrependida de tudo o que fez? 

Aquela era uma incógnita para Torunn. Ela sentia os olhares de todos sobre ela e sabia que esperavam que ela dissesse sim. Mas, se dissesse sim, então a sua prima, Thomas, o time Flash, Anna e principalmente Dylan foram em vão na sua vida? Eles não se passavam de arrependimentos? Os seus sentimentos por Dylan, a descoberta sobre Taylor e as coisas que aprendera com Anna e Thomas foram tudo em vão? 

Ninguém gosta de contrariar Odin, mas Torunn recebia algumas vantagens por ser parente dele é única neta sua. Mas, mesmo assim, lhe dava um arrepio e calafrios. Olhou para o seu pai, depois para a sua mãe — que, por acaso, estava muito estranha ultimamente. A pele mais pálida, olheiras abaixo dos seus olhos e parecia mal se manter em pé, praticamente — e depois para Lady Sif e o seu filho, Uller. Os olhos azuis de Torunn se encontraram com os de Uller. Ela conseguiu decifrar o seu olhar. Ele queria que ela falasse a verdade. Um olhar de encorajamento. Parecia que Uller já sabia de tudo o que ela já passara só de olhar para Torunn. 

Torunn olhou para Odin e, ao invés de encher o peito, tomar uma postura reta, um olhar confiante e falar em um tom de voz de honra, ela simplesmente sorriu e com um olhar sincero disse.: 

— Não! — Torunn sentiu todo mundo naquele local olhá-la com uma mistura de surpresa e perplexidade. Mas, mesmo assim, Torunn continuava com um sorriso pequeno, mesmo com Thor a olhando com um olhar de reprovação e surpresa. Uller foi um caso diferente. Sorriu ainda mais. 

— Não? 

— Não — esclareceu Torunn — Eu errei, eu sei disso. Mas tem coisas que eu não me arrependo nem um pouco. 

— Os seus novos amigos mortais? — indagou Odin. 

— Sim. E eles são diferentes dos outros. Alguns têm até seus defeitos — Torunn refletiu — Mas, sinceramente, eu acho que nunca irei encontrar outras pessoas como as que eu encontrei há pouco tempo em nenhum dos outros nove reinos. 

— Principalmente Dylan. — resmungou Thor. 

— Quem é Dylan? 

— N-Ninguém — gaguejou Torunn, rapidamente fazendo uma coisa que Taylor sabia fazer além de desenhar e pintar. Ficar vermelha — Um garoto que eu conheci... 

— Um garoto? — Odin perguntou, finalmente entendendo a situação. Ele olhou para Thor. 

— Ele é um garoto! Apenas um garoto! — afirmou Torunn. "Um garoto que beijei" completou ela a frase em sua mente. 

— Depois discutiremos sobre os seus amigos mortais, Torunn. E também sobre esse Dylan — falou Odin. — Temos mais coisas importantes para discutir com você. 

— Como assim? — Torunn perguntou. Odin e Thor trocaram olhares. 

— Eu não queria que os Vingadores e a S.H.I.E.L.D. soubessem antes — disse Thor — Ainda hoje tenho de avisa-los. E quero que seja a primeira a saber de tudo. 

Torunn ficou em silêncio, permitindo que eles continuassem. 

— Loki fugiu da prisão — alertou Thor — Faz muito tempo... 

— Muito tempo? — Torunn se exaltou — Pai, por que não me falaste isso? 

— Não o interrompa, Torunn — disse Odin. 

— Perdão! 

— Por isso quis te levar para Midgard — explicava Thor — Foi um erro eu achar que dava conta da situação, mas... Ele fugiu para Midgard. — Torunn o ouvia atentamente. Ela tentou se controlar, pois não queria deixar na cara o seu desespero e nervosismo. — Tentei confronta-lo, mas, durante o nosso confronto ele me disse que sentia uma energia te chamando para Midgard, em algum lugar de Nova York. 

Torunn gelou. Sabia que estava completamente pálida. Queria dar uma desculpa, mas isso deixaria mais na cara que escondia algo. 

— Loki tinha a ajuda de duas pessoas. E o mais estranho eram serem da sua idade — continuava Thor — E a garota era extremamente parecia com Loki... 

Torunn tentava encaixar as peças daquele quebra-cabeça na sua mente. 

— E, Torunn, eu sei que sabe de algo — Thor se aproximou mais de sua filha — Você esteve envolvida em todas as coisas estranhas e anormais que acontecia em Midgard. Você e a filha de Tony Stark. 

— Mas pai. Eu não sei... 

— Torunn, você me fez perceber que os nossos filhos escondem coisas dos pais — disse Thor. — Por isso serei mais claro. Você sabe o que Loki procurava? — ele continuava olhando nos olhos de Torunn, tornando-se impossível de mentir para o mesmo — Diga-me se é minha filha e quer um dia governar Asgard. 

— Pai... Eu não posso... — murmurou Torunn — Eu fiz uma promessa! 

— Quer então confiar mais em estranhos do que na sua família? 

— É por um motivo maior. Se ele falar, Loki pode ganhar a batalha! 

— Que batalha? 

— Uma batalha que estás por vir — falou Uller da boca para fora, atraindo a atenção de todos. 

— Como, Uller? — perguntou Torunn. 

— Eu pressenti isso — revelou Uller. Torunn, por milésimos de segundos, esqueceu-se de que o seu amigo de infância desenvolvia ainda o seu poder de vidência. Não exatamente de ler o futuro. E sim de prever acontecimentos importantes. — Eu não sei o que é! Mas vai haver uma batalha, e você está nela, Torunn! 

— Sabe a ameaça, Uller? — perguntou Thor. Uller negou. 

— Não, não! Não será aqui em Asgard — Uller confundiu a cabeça de todo mundo — Não envolverá ninguém daqui apenas a Torunn! — ele olhou fixamente para Torunn — Tem a ver com você e os seus amigos, Torunn! Eu não sei o que é e não faço a mínima ideia do que seja! 

— Como assim Torunn? — indagou Odin — O que os seus amigos mortais tem de tanta importância assim? 

— Nada! — mentiu Torunn — Mas é que... Taylor é meta-humana... 

Torunn sabia o real problema disso. 

— Mas, Torunn, não é uma batalha com o qual estamos acostumados — esclareceu Uller — São várias batalhas, e a primeira delas tem a ver com uma de sua amiga! — "Taylor" pensou Torunn — E é uma batalha mental. 

Uller estava incerto. 

— Não se esforce, Uller — pediu Torunn — Já fez o suficiente. Tenho de avisa-los... 

— Não, Torunn! Seus amigos serão os últimos a saberem — interrompeu Thor. — Além do mais, creio que tenha a ver com a Taylor. 

— Informem a mim mais sobre essa Taylor — Torunn gelou mais uma vez — Acredito que ela seja importante para nós. — Odin olhou para Torunn — E o que tiver de falar, Torunn, eu irei descobrir. Ainda me é incerto se foi uma boa ideia te levar para Midgard. 

— Foi uma boa ideia — exclamou Torunn — Não estou arrependida de nada! 

— Depois falamos disso — Thor disse. Ele olhou para Jane e a aproximou de sua filha. 

— Temos uma coisa para te falar, Torunn. — diz Jane. 

— O quê? — perguntou ela. Seu pai pegou a sua mão e a levou para a barriga de Jane. Depois de segundos, Torunn arregalou os olhos e sentiu a nova vida se formando ali. 

Torunn abraçou sua mãe, tentando fazer o maior cuidado para não fazer força para ficar contra a sua barriga. Ela tinha lágrimas nos olhos. Ela não chorava desde sempre, a não ser nos ombros de Uller e, há pouco tempo, nos ombros de Dylan. 

Thor olhava para mãe e filha sorrindo. A sua filha se afastou daquele abraço e colocou a mão na barriga da mãe. Já se fazia um tempo que Torunn não via mais Jane, e percebeu que a barriga já havia começado a inchar. Mais do que devia até. Thor te falou que fora a mesma coisa com os meses de gestação de Torunn. Foram mais rápido do que o normal. Ela não conseguia mais desfazer aquele sorriso do seu rosto. Jane tocou no seu rosto, também sorrindo. 

— Eu vou ter um irmão — falou ela, animada. Ela voltou a abraçar a sua mãe — Há quanto tempo... 

— Um mês — falou Jane. 

— Decidimos esperar você voltar para falarmos — falou Thor — Acreditamos que em menos de três meses ele nasce. 

— Ele? É um menino? — exclamou Torunn — Mas três meses? 

— Talvez seja esse o poder dele. Regeneração! — murmurou Jane. 

— Pode ser. Ele será bem forte — admirava Thor, se aproximando delas. 

Depois de alguns parabéns em direção da família agora se expandindo. 

Os dois irmãos sorriram enquanto contemplavam aquela cena. 

A garota tapou a boca do irmão e o afastou do portal. O mesmo cuspiu na mão de sua irmã e a afastou de sua boca. 

— Para com isso, Drika — mandou o seu irmão. 

— Se não fizer barulho e cuspir na minha mão, agradeço — retrucou Drika. Seus olhos voltaram-se para o portal. — Ingênuos. Quer dizer que terá mais um filho careta de Thor? O que acha disso, Magnus? 

— Perfeito! — exclamou Magnus — Pai, quando vamos ataca-los? Seria uma boa hora agora. 

— Esperem, meus filhos — pediu o homem, olhando à vista debaixo dos prédios. Os três estavam em cima de um deles. Estando em cima de um prédio, lhes davam sensação de poder. 

— Mas pai, Ary e a filha dela estão mortas — protestou Magnus — Como sabe que estão vivas? 

— Uma delas está viva, Magnus — disse o seu pai — Ary quer que eu a encontre. E algo me diz que a minha sobrinha poderá me levar a sua prima. 

— Essa tal de Taylor deve ser bem importante até! 

— Entenda, Drika. Os entes queridos são sempre os seus pontos fracos — explicou. 

— Até para você? — indagou ela. — Nós somos os seus pontos fracos, pai? 

— Não tenho pontos fracos — afirmou. Magnus e Drika se entreolharam com o sorriso se desfazendo dos seus rostos. 

— Então não somos importantes para você? — perguntou Drika — Nem Loki se... Importa com... 

— Silêncio! Olhem! — alertou Loki. Seu sorriso se alargou mais no seu rosto e apontou com o seu cetro para um ônibus em movimento — É ali onde está o nosso futuro. 

Magnus e Drika foram para cada lado de Loki, mas, antes, Magnus pegou o seu braço. 

— Pare de ser estúpida, irmã! — sussurrou Magnus para Drika com rispidez — Se é uma Laufeyson, então não tem ponto fraco! 

— Quem te disse que eu tenho? — protestou Drika, soltando-se de Magnus — Cuide da sua vida, Magnus! 

— Como se a filha de Loki pergunta uma coisa dessas para o pai? — indagou Magnus. Drika revirou os olhos, disfarçando com a sua a grosseria as suas dúvidas. 

Eles olharam para a mesma direção que o pai olhava. 

— Ary quer que eu a encontre. Ela queria que eu a encontrasse! — Loki dizia — É ali onde ela está. Só temos que esperar a hora certa para atacar! 

Magnus e Drika optaram por se esquecerem da revelação que tiveram do seu pai e sorriram. O mesmo sorriso travesso que Loki também tinha, e também olharam para o ônibus saindo da cidade. Loki tinha uma aura maligna envolta dele. 

— Hora de voltar para casa, sobrinha! 


Notas Finais


Tannnn. Dannnn dannnn dannnn. Dannnn dannnn. Dannnnnnnn

Continua a musiquinha do Heathens pq eu amo de paixão essa música SZ!!!!

Sim, vai ter segunda temporada. Quando eu vou postar???? Devo dizer que vai demorar, pois eu tenho que me concentrar mais na escola pq a vida tá difícil..... Mas não esquentem que terá sim segunda temporada, nas férias. Vai demorar, eu sei. Mas vai ter sim. Só posso dizer que digamos que possa tomar um tom mais sombrio, mas claro vai ter um pouco de comédia (eu espero conseguir fazer algumas risadas e piadas) e terá pelo menos no máximo 20 capítulos. Ainda não sei ao certo. Mas. Quando ter segunda temporada, eu posto um capítulo avisando. E que fico muito feliz também por também terem acompanhado a fanfic e gostado muito dela. Sem vcs, a fanfic não chegaria até aqui e nem sequer teria uma segunda temporada.

Enfim..... Vou ficar um tempo mesmo sem postar nada, então..... Fiquem com Deus e bjs em queijos enqueijados.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...