História Mais que amigos. - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Arrow, Emily Bett Rickards, Stephen Amell
Tags Stemily
Exibições 131
Palavras 4.384
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


"A moral nos proíbe de ceder às tentações, mas não nos consola por havermos resistido".
Marguerite Yourcenar.

Capítulo 7 - Cedendo à paixão.


Fanfic / Fanfiction Mais que amigos. - Capítulo 7 - Cedendo à paixão.

Cumprindo agenda de comparecimento, naquele momento, o elenco se deslocava para o Con de Sãn Diego num dos aviões da CW, onde passaram a maior parte do tempo jogando Truco.

__Uhu!! Nós ganhamos...de novo! ___ Emily declarou jogando a carta de maior peso na mesa e fazendo um gesto com os punhos fechados para exibir sua vitória. Willa provocou olhando para os dois caras à sua frente exibindo um sorrisinho pretensioso:

___E ai perdedores, vão jogar a toalha ou preferem tomar mais uma surra?___estavam jogando em dupla: Willa e Emily contra David e Paul. O primeiro resmungou:

___Tem alguma coisa errada, vocês estão trapaceando!___Emily tripudiou:

___Porque será que todo perdedor sempre diz a mesma coisa?___Willa não se conteve e riu a valer. De bico, Paul olhou pra Barrowman e desistiu:

___Paga logo porque se jogarmos novamente e elas ganharem mais uma vez, não vamos ter como justificar depois que foi sorte de principiante.___a aposta valia dois ingressos para o show do musical de Hamilton que Barrowman havia ganhado de um amigo, mas que não poderia usar devido a data do show coincidir com uma viagem marcada. Stephen estava sentado bem afastado do grupo, de cara fechada e apesar de tentarem incluí-lo na brincadeira, se recusou teimosamente. Provavelmente queria chamar sua atenção, mas desta vez ela não ia implorar para que ele falasse com ela; não iria mais facilitar pra ele continuar bancando o infantil.Os dois continuavam na mesma: se engalfinhando, mas ao mesmo tempo se desejando, como numa ligação muito profunda...só que hostil. Entretanto, antes de aterrissarem, ele advertiu o grupo a só darem entrevistas quando estivessem todos juntos e Emily franziu a testa tentando entender a razão para tal recomendação, mas não conseguiu evitar o assédio da imprensa no grande salão do hotel e acabou falando com os repórteres. Quando se aproximou do grupo novamente, ele a interpelou de forma ríspida, na frente de todos:

____Que parte sobre só conceder entrevistas em grupo, você não entendeu?____Emily apenas lhe lançou um olhar atravessado e se afastou sem dizer nada. Todos se entreolharam embaraçados, mas ninguém se atreveu a intervir, exceto por David que o aconselhou:

_____Man, pega leve com a Emily. Já se esqueceu que estamos no meio de um salão cheio de jornalistas?  Se continuar desse jeito, eles vão achar que vocês viraram inimigos.____acompanhando a loira com o olhar, Stephen não o encarava, mas se voltou ante o comentário e rebateu:

____Melhor pensarem isto do que saírem por aí inventando que temos um caso!____David arqueou o cenho:

_____Inventando?___Stephen lhe lançou um olhar meio combativo e o rechaçou:

____Fica fora disto parceiro, esta briga é entre mim e ela!____e se afastou indo atrás da Emily como um animal feroz, prestes a morder e David sabia perfeitamente bem quem. Quando Emily notou a aproximação dele, fez menção de escapar, mas Stephen a segurou pelo braço. Tentando não chamar à atenção, buscou se soltar, ordenando entre dentes:

____Me larga!

____Não, antes a senhorita precisa me dar algumas explicações!____e saiu a arrastando para longe da multidão. Ela se debatia e no caminho, o questionava, tentando constrangê-lo:

_____Você já se esqueceu que sua esposa está aqui?? Você devia estar com ela agora!!!___mas ele não lhe deu resposta e a conduziu para um vão escondido entre a sala de imprensa e o corredor que dava para os toaletes. Estavam sozinhos e Emily temeu.____o que estamos fazendo aqui? Eu quero voltar para o salão agora!___ se encararam. O azul dos olhos dele pareciam mais escuros, como o céu anunciando tempestade:

____Irá quando terminarmos de conversar! Porque você é a única que nunca faz o que eu mando?

____Você sabe perfeitamente bem que a imprensa me cerca muito e eu não consigo me esquivar...porque deu esta ordem? Para depois ter com o que pegar no meu pé?____ele desviou o olhar, momentaneamente sem graça, confirmando suas suspeitas, mas birrento, ignorou sua acusação e continuou o ataque:

____Qual é o seu problema? Quer me provocar ou não se ajusta bem com ordens?___ela soltou uma risada curta e zombou:

____Talvez seja o contrário...talvez seja você que não se “ajuste” bem com alguém contrariando suas vontades! Você é o capitão, mas leva este título muito ao pé da letra!____ ele a metralhou com os olhos, mas um movimento involuntário de sua língua sobre os lábios, desviou completamente a atenção dele e sem conseguir disfarçar a cobiça, ficou observando aquele gesto como se tivesse sido hipnotizado.  Ato contínuo, espalmou as duas mãos, uma em cada lado da parede, prendendo Emily dentro deste limite e aproximou o rosto até que ela pôde sentir seu hálito quente. Sentindo as pernas fraquejarem, Emily engoliu em seco e tentou se impor,mas sua voz saiu quase que com desespero:

____Me deixe ir...___com os olhos fixos agora no colo dela que subia e descia com a respiração agitada, ele sentenciou com a voz arrastada:

____Não...temos contas a acertar ____Se arrepiando inteirinha, o corpo sendo sacudido por emoções violentas e a umidade crescendo constrangedoramente, colocou as mãos no peito dele tentando afastá-lo com um queixoso protesto:

___Você não tem vergonha do que está fazendo comigo? Criando situações e me pressionando só pra me levar a fazer o que você quer? ___mas Stephen a comprimia, roçando seu corpo cheiroso e forte no dela, expondo a dimensão de seu desejo. Movendo a cabeça, procurava sua boca, enquanto Emily virava a dela, fugindo. Ele soprou a resposta em seu ouvido:

___ Nós dois queremos a mesma coisa minha pequena, nós dois.___e ainda tentando abocanhar seus lábios, suplicava persuasivo ___vem aqui...me dá a sua língua...deixa eu te beijar...____ficou assim até ela ceder. Por um instante Emily sucumbiu, deixando que seus lábios brincassem com os dela, o delicioso contato se prolongando por mais alguns segundos. As mãos dela subiam e desciam pelo peito dele numa carícia involuntária e as dele, uma segurava sua cabeça pela nuca, intensificando o beijo e a outra apertava suas nádegas, atraindo seu corpo pequeno e roliço para o dele. Estavam assim, quando subitamente ouviram um click seguido de um clarão. Sobressaltados, afastaram-se rapidamente. Ela indagou:

_____ O que foi isso???____eles olhavam em volta, mas não havia ninguém no corredor.___oh Deus, tenho até medo de perguntar, mas...aquilo foi o flash de uma máquina fotográfica?____lançando-lhe um olhar enfezado e ao mesmo tempo preocupado, ele respondeu enquanto apressava os passos, checando as entradas e verificando se havia alguém:

____Eu não sei, mas algo me diz que não vamos demorar a descobrir.____ela passou por ele e saiu na frente, nervosa e resmungando:

___Está vendo aí por que eu digo que é perigoso ficarmos juntos?___chegando ao salão, olhou em volta tentando identificar dentre os inúmeros jornalistas, quem se comportava de forma suspeita e poderia ter conseguido a foto, mas outro problema desviou sua atenção. Cassandra estava completamente bêbada e dando o maior vexame na frente da imprensa. David e Willa tentavam contê-la quando Stephen chegou. Ela abriu os braços para ele:

____Amor!! Onde você estava? A festa está o máximo! Vamos dançar?____disfarçadamente, Stephen procurou tirar a mulher dali e no dia seguinte, um artigo com uma manchete estampava a capa dos principais meios de comunicação da cidade: "esposa de Amell toma todas para afogar as mágoas". Mas apesar deste inconveniente, eles estavam mais preocupados com outra manchete com a foto que supostamente poderiam ter tirado deles, porém, estranhamente nada foi divulgado. Talvez tivessem se enganado e ninguém roubou foto alguma. Ela respirou momentaneamente aliviada. Jamais imaginou que ao aceitar o papel para fazer Felicity Smoak, sua vida daria uma guinada tão grande e ela seria o pivô de tantos conflitos emocionais.

Alguns dias depois, meio que para aliviar o clima pesado, David sugeriu a gravação de um vídeo durante os intervalos entre os takes, mas isto acabou precipitando o inevitável. A câmera foi ligada e tenso, Stephen começou a falar. Nervosa, Emily esperava a deixa dela, mas como ele se expressava sem dar espaço, Emily tentou acrescentar algo, porém se atropelaram falando ao mesmo tempo. Ele então perdeu a paciência e foi grosso a interrompendo: “me deixe falar!”, miraram-se em pé de guerra por alguns instantes e ele ainda acrescentou rudemente “ela pensa que é a estrela do show” Ela respirou fundo e terminou o vídeo sem causar alvoroços, mas quando a câmera foi desligada, se afastou dali caminhando quase aos prantos para o refugio de seu trailer. Sentiu que ele a seguia e apertou os passos. Ao chegar, entrou apressada tentando trancar a porta atrás de si, mas Stephen correu e foi mais rápido forçando o corpo e conseguindo invadir o espaço ao mesmo tempo em que este movimento a desequilibrou, a fazendo soltar o trinco e cair no chão. Ele trancou a porta e voltou-se pra ela. Encararam-se, cheios de animosidade:

___Sai daqui agora!!___ela gritou.

___Não! Vamos resolver esta situação de uma vez por todas! Não podemos mais seguir assim!!___ela se levantou soltando um riso de deboche:

___Ah concordo! Por que se continuar desse jeito, o próximo vídeo que fizermos, estarei sendo surrada ao vivo e a cores!

___O que você quer dizer com isto?___e deu alguns passos ameaçadores na direção dela. Quase aos gritos, ela respondeu, enquanto recuava na mesma medida:

___Que você é grosso, estúpido e mal educado!

___Não fala assim comigo!___seu rosto estava retorcido, mas ela não estava nem aí, ele passara dos limites, agora iria ouvir:

___Eu falo do jeito que eu quiser! Quem você pensa que é? Um rei cheio de desmandos, que pode ir tratando as pessoas do jeito que bem quiser e entender? Você tem um ego muito inflado e às vezes gosta de pensar que é Deus, mas é só um mero mortal!___ ele desdenhou:

___Ah coitadinha, você não se cansa de fazer sempre o mesmo papel o tempo inteiro? O de vítima? ___ seus lábios pequenos se tornaram uma linha fina e ela apertou os punhos como se fosse socar a cara dele. Contra atacou:

___Talvez porque eu seja mesmo seu prepotente!___e lhe deu as costas___ Já te mandei sair, quero ficar sozinha!___ Se sentindo provocado, ele a segurou pelo braço e a virou bruscamente:

____Isso só termina quando eu quiser que termine! Olha pra mim!___os dois se encararam e o clima se tornou mais hostil. Ela zombou:

_____Só termina quando você quiser que termine?? Deixe-me adivinhar então onde você quer que termine...na cama? Ah, mas eu tenho uma notícia não muito boa: NÃO VAI ROLAR!!____mexendo onde ela sabia que doía mais, sua provocação tinha o mesmo tamanho de sua cólera e ela viu os olhos dele se transformarem em duas bolas de fogo, mas ao invés de explodir, ele abriu um sorriso presunçoso e levantou o dedo o passando ousadamente pelo contorno de um dos bicos de seus seios por cima do vestido, os deixando imediatamente pontiagudos. Imóvel, Emily perdeu o fôlego e não conseguiu reagir.

___É mesmo? Engraçado, seu corpo parece não concordar com o que você diz...

____Me deixe em paz...____ ela protestou fracamente. Agindo como o macho alfa, a agarrou derrepente, a jogou de encontro à parede e com os lábios contra os dela, sentenciou com a voz entrecortada:

_____Não! Esta agonia acaba hoje, aqui e agora!____puxou sua cabeça pela nuca para prendê-la e a atacou. Pressionava seus lábios sorvendo-os de tal forma, que os deixou inchados e transtornada de desejo, Emily se rendeu. Sabia que estava perdida desde o momento em que começaram aquela confusão sem sentido e idiota. Estava cansada de fugir dele, sentia muitas saudades e todo seu corpo reagia, pulsando, formigando, queimando. Torturada, tentou abraçá-lo pelo pescoço, mas querendo ainda puni-la por tê-lo feito esperar tanto, ele não deixou e prendeu as mãos dela na parede, acima de sua cabeça. Ficou observando sua agonia ao se esfregar excitado nela, enquanto explorava seus lábios usando habilmente sua língua, não permitindo que ela fizesse o mesmo com ele. Sussurrava:

___Pronta para se tornar minha Emily Bett? Heim perdição de minha vida?___Emily fechou os olhos de puro arrebatamento e em frenesi, choramingou:

___Não faz assim...solta minhas mãos...___ele riu baixinho,excitadíssimo com a súplica dela e a atormentou mais um pouco, atacando a região de seu pescoço com pequenos  beijos:

___Não ainda minha princesa...___desceu com os lábios molhados em direção ao seu colo e o chupou. Emily tinha certeza que ele havia acabado de deixar uma marca. Com a única mão disponível, acariciava suas zonas erógenas como seios e vagina, estimulando-os de maneira enlouquecedoramente lenta e Emily se retorcia gemendo, revirando os olhos em êxtase, sob seu toque. Depois, percebendo que ela estava quase tendo um orgasmo, ele finalmente a atendeu, mas apenas para arrancar o vestido de sua personagem junto com sua calcinha, deixando-a completamente nua. Depois, muito rapidamente, despindo-se também, se agarraram numa fricção delirante e se uniram em mais um beijo apaixonado. Uma das mãos dele a envolveu pela cintura a suspendendo e a outra a segurou pelas ancas enquanto ela enrolava as pernas em volta dos quadris bem definidos dele e foram caminhando assim em direção à cama. Murmuravam contra os lábios um do outro:

___Não posso mais viver longe de você...

___Você não vai...____ se jogaram no leito sem se desgrudarem e as mãos dele se perderam naquele maravilhoso e pequeno corpo de mulher. De olhos fechados, ela esticou os braços acima da cabeça, se oferecendo embaixo dele, ora gemendo ou sussurrando, ora gritando, exposta aos desejos e ataques insanos de macho dele, cujos lábios gulosos, lambiam, abocanhavam, mordiam e sorviam todo seu corpo. Ele se sentia vitimado por uma ânsia febril de devorá-la sem entender de onde provinha aquele sentimento. Será que aquilo era normal? Nunca havia experimentado algo tão forte assim por ninguém antes! A necessidade que tinha dela era tão intensa, que se convertia em dor física e Stephen pensou que fosse perder os sentidos. Não pôde evitar comparar com o sexo com Cassandra, que apesar de ser uma tigresa experiente, sempre tinham que inventar muitos joguinhos para ter diversão. Com Emily...só era preciso tê-la nos braços e isto era mais que suficiente! E naquele exato momento entendeu claramente o que sentia...era amor, puro, avassalador, poderoso. A descoberta disto trouxe um significado especial para aquele ato e multiplicou um milhão de vezes, as sensações que estava experimentando.

Stephen adorava tê-la assim, tão entregue e tão à sua disposição. A virou de lado, de costas para ele, passando as mãos do alto de seu ombro seguindo a curva da cintura e quadril até as laterais de suas coxas e pernas. Ficou louco com a visão de suas nádegas arrebitadas e empinadas, voltadas para ele e sem pudor, murmurou em seu ouvido:

____Você tem a bunda mais gostosa que já vi em toda minha vida...e eu sou louco por ela...___sentindo seu membro pulsar desconfortavelmente, baixou a cabeça e sem resistir, deu várias mordidas naquela região. Emily se encolheu um pouco, gemendo fortemente, arrebatada por outra onda de prazer ardente. Em seguida, sua língua lambeu o mesmo lugar, como se quisesse amortecer os efeitos das mordidas,mas em seguida voltou a atacá-la com chupões e foi subindo, passando a língua por suas costas até que envolveu sua cintura, colando seu corpo forte ao delicado dela por trás. Emily levantou uma das pernas num claro pedido e a jogou para trás, em cima das dele enquanto Stephen se encostava e acomodava seu membro muito ereto buscando seu interior quente e apertado, com desespero. Emily quase engasgou quando ele a penetrou como ferro, completando o encaixe. Ele rosnava de prazer, a incitando com as investidas que começou a emplacar:

___Diga o quanto quer ser minha...diga...___ele sentia toda sua umidade e calor e aquele contato era como estar no paraíso.

___Eu quero muito ser sua...todos os dias...o tempo todo...

___Assim minha menina?___e arremetia com impulsos violentos. Ele era experiente, sabia como tocar, sabia dar prazer e ela não conseguia conter os gemidos, sentindo o membro dele crescer mais e mais dentro dela:

___Sim...sim...oh Deus, assim...____ e ele não parava, a esmagando junto a seu corpo numa ligação intensa e febril. Com uma das mãos, apertava os seios dela beliscando, apalpando e Emily virou a cabeça de lado, buscando os lábios dele. Com a outra mão, Stephen segurou seu rosto e marcou seu território como dono dela, num beijo lento, úmido, profundo. Ele a preenchia com uma ânsia descontrolada e uma sensação incompreensível de que estavam se fundindo e se tornando um só. O esfregar frenético dos corpos suados, aquele calor incontrolável, o formigamento, os arrepios de prazer, todas aquelas sensações os assaltavam violentamente em meio aos movimentos urgentes de vai e vem que só foram se tomando mais e mais selvagens em meio a gritos deleitosos de prazer de ambas as partes no silencio do trailer e no momento de gozo final, foram atingidos brutalmente e se agarraram um ao outro, estremecendo convulsivamente.

O que fora aquela explosão de sentimentos?! Havia alguma explicação razoável para o que acabaram de experimentar? Estavam tontos e claramente sentiam que aquela ligação tinha ido muito além do sexo. Na mesma posição de encaixe, ficaram imóveis e em silêncio, até que ele o quebrou primeiro:

___Você está bem?

___Sim...

___Pensei ter te machucado.

___Não, foi...maravilhoso!___mas aos poucos, preocupada com as implicações de um novo envolvimento com ele, se desencaixou, sentou na cama e passou as mãos pelos cabelos desarrumados, fechando os olhos por um instante com um suspiro. ___O que foi que acabamos de fazer heim Stephen?___ele se acomodou entre os travesseiros e não respondeu imediatamente, mas quando o fez, se expressou com os sentimentos que dominavam sua alma:

___Fizemos amor...porque estamos loucamente apaixonados um pelo outro.___ela virou rapidamente a cabeça e se miraram por alguns segundos, a realidade da declaração dele alcançando todos os recantos de seu ser. Ouví-lo expressar aquilo em voz alta, apenas solidificava o que inconscientemente ela já sabia, mas isto não diminuía o tamanho de suas apreensões. Mordeu os lábios, inquieta e expressou seus medos sem negar a afirmação dele:

____E o que vamos fazer com os ataques violentos da rede? Principalmente agora, depois que Canadagraps divulgou aquela foto...não gosto nem de pensar no que aconteceria se eles descobrissem que de fato estamos juntos.____Stephen ergueu a mão, acariciou suas costas nuas e tentou tranqüilizá-la com um sorriso. Em seguida, a puxou pelo ombro, a deitando novamente na cama e a abraçou colocando o corpo parcialmente em cima dela:

___Eu sei que a situação é bem complicada, mas não se atreva a dizer que temos que ficar separados! Vamos encontrar uma solução sim, mas juntos!___porém, Emily ainda parecia insegura:

___Aquela cena nem foi ao ar...mas você já notou como eles se expressam??___e estremeceu___ Não sabemos do que estas pessoas são capazes e se o que elas divulgam são apenas palavras ou se podem levar a cabo suas ameaças...

____Shiii...nem mais uma palavra____ele a interrompeu pondo um dedo em seus lábios.___eu te proíbo de se afligir tanto assim. Vamos tomar cuidado, eu prometo e eles não vão descobrir, a não ser quando estivermos preparados para divulgar isto ao mundo.___ e sentindo novamente aquela vontade pulsante de possuí-la, se colocou entre as pernas dela, se perguntando se não estava doente. Apossou-se mais uma vez de sua deliciosa boca, perdendo-se em mais outro beijo quente. Com a voz rouca de paixão, declarava___ A vontade que eu tenho é de nunca mais sair de dentro de você...___já mais relaxada, Emily riu baixinho de felicidade o lembrando:

___Nosso dia de trabalho ainda não terminou.___arqueando o cenho, ele sorriu sensualmente e declarou malicioso:

___Infelizmente, mas acho que temos mais um tempinho antes que o dever nos chame...___e fizeram sexo novamente, com uma sensação inexplicável de primeira vez. O amor. Promove sentimentos assim e deixa tudo mais brilhante, mais vivo e intenso.

 Algum tempo depois, eles estavam meio que cochilando depois da maratona do sexo, quando o celular dele vibrou e Stephen abriu os olhos, se erguendo lentamente para checar a mensagem. Franziu a testa: "precisamos nos encontrar para falar sobre isto" e logo em seguida, outro barulho denunciando o envio de mais uma mensagem. Era a tão temida foto da qual pensavam estarem livres: Ele a beijando no corredor daquela convenção. A cutucou de leve e em silencio, mostrou a foto para ela. Emily o encarou, aturdida:

___Oh meu Deus...o que isto significa?

___Alguém sabe sobre nós e está nos chantageando.

___O que eles querem?

____É a pergunta que eu também me faço. Se é um repórter, porque ainda não vendeu a foto pra qualquer meio de comunicação?

____Será que eles acham que você pode pagar mais?____ficaram com o olhar perdido por alguns segundos, mergulhados em indagações silenciosas e em seguida ele observou:

____Muito provavelmente. De qualquer maneira eles não perdem; se eu não pagar, tem um monte de tablóides loucos por um furo como este.___outro barulho de uma nova mensagem informando o local do encontro.

___ E você vai ceder à chantagem?____ela acariciou seu rosto, desassossegada.

____Não podemos nos dar ao luxo de ignorar isto.___ ela teve que concordar, murmurando ainda um "tome muito cuidado" antes de levantarem. Aquilo era como a confirmação de seus piores pesadelos e eles mal tinham acabado de unir novamente. Vestiram-se depressa, tentando combinar onde se veriam mais tarde. Apesar dos riscos, acharam que o apartamento dela seria a melhor opção. Emily ainda perguntou por Cassandra:

___Ela está viajando a trabalho. Partiu sem aviso prévio para uma Feira de moda em Paris.___Ele saiu apressado lhe dando um beijo e ela iria segui-lo, mas lembrou que havia esquecido os óculos. Quando voltou para pegá-los, recebeu uma mensagem no celular. Checou e se assustou: VAGABUNDA! ENTÃO É DE HOMEM CASADO QUE VOCÊ GOSTA, HÃ? EU VOU FAZER VOCÊ SE ARREPENDER DE SUA ESCOLHA!” Olhou em volta assustada: o que significava aquilo? Quem tivera acesso a seu número e pior, o cinismo de lhe enviar uma mensagem como aquela justo naquele momento,como se os estivesse observando? Como alguém poderia tê-los descoberto ali e quem seria esta pessoa? Checou novamente, número desconhecido. Parecia uma premonição ruim: todas as vezes que ficavam juntos, problemas se acumulavam tirando o brilho da felicidade deles. Tentando conter o nervosismo, resolveu que falaria com Stephen depois e juntos tentariam resolver aquele mistério.

Stephen não demorou muito para encontrar a boate. Era um recanto desconhecido e um pouco afastado da cidade. Checou o horário: dezenove horas em ponto, como combinado. Correu os olhos pelo local imaginando como iria reconhecer o chantagista, mas ao bater os olhos sobre um homem, entendeu porque ele não enviara nenhuma pista de como achá-lo: Enty Lawyer? Aquilo só podia ser uma brincadeira de mal gosto! Com os sentidos em alerta e preparando-se psicologicamente para aquele confronto, se aproximou, porém, antes que pudesse se acomodar, o outro levantou e com um tom de deboche, o cumprimentou, comentando:

____Feliz que teve o bom senso de aparecer meu chapa, me perdõe, mas ninguém faz o que eu faço com sucesso sem tomar algumas precauções.___e passou um aparelhinho por todo o corpo de Stephen, ficando satisfeito após alguns segundos de inspeção (estava procurando uma escuta). Acomodaram-se.

___Confesso que estou confuso. __Stephen começou ___você tem uma suposta foto com a qual poderia ganhar dinheiro e me chama aqui?___Enty lhe lançou um olhar que o deixou extremamente desconfortável, mas Stephen achou que estava imaginando coisas.

____Meu caro, eu sei de muita coisa a respeito de muita gente, mas nem tudo vai a público, você sabe por quê? Porque eles são bem generosos quando querem manter alguns segredos enterrados.

____Então isto ainda se trata de dinheiro. Muito bem, quanto quer pela foto?___mas o blogueiro lhe lançou novamente outro olhar que lhe provocou um arrepio de asco.

____Não quero dinheiro...___"oh Deus, não podia ser o que ele estava pensando!", a terrível suspeita se confirmando quando Enty completou a frase____...quero uma noite com você.

Stephen abriu e fechou a boca, chocado demais para expressar qualquer coisa. Será que tinha ouvido direito? Seu estômago embrulhou e desorientado, passou os olhos em volta do recinto, sem saber momentaneamente o que dizer, quando notou alguns homens se agarrando e descobriu naquele momento que estava dentro de uma boate gay.

____Você está de brincadeira?? Não foi você que já foi casado seis vezes??!

___E porque você acha que não fiquei com nenhuma das mulheres com quem casei?___Stephen pensava rapidamente em uma saída enquanto protestava:

____Mas eu não sou gay!

____Eu sei, você é um tremendo de um filho da p*** de um adúltero e é por isto mesmo que ir pra cama com você vai ser tão bom!___zombou com uma risada perversa. Stephen encarou seu inimigo com um olhar que demonstrava toda sua aversão:

____Por que está fazendo isto e por que eu??___lançando-lhe o mesmo olhar asqueroso de cobiça, Enty respondeu:

____Você apenas nasceu lindo e isto já é tentação suficiente pra mim___e levantando derrepente, disse ____bem, pra você não dizer que sou um homem muito mal, vou lhe dar um dia para se decidir, então nos encontraremos aqui neste mesmo lugar e horário___e se foi deixando para trás um Stephen estático.

Muito mais tarde, se encontraram no apartamento dela como combinado. Emily o recebeu e o seguiu até o sofá em silêncio, mas ao se acomodarem, o crivou de perguntas:

____E aí, Quem era? Homem ou mulher? Era repórter? O que pediu?___ele nada respondeu de imediato, apenas a enlaçou pela cintura a puxando para seus braços para um abraço apertado. Precisava daquele aconchego que de uma forma incompreensível, acalmava a agitação que dominava seu coração. Emily correspondeu ao gesto, suspirando deleitosa com a proximidade e percebendo a necessidade dele. Sentiu as mãos dele acarinhando seus cabelos e costas até que, afastando-se um pouco, revelou devagar:

____Era o Enty Lawyer.___ ela arregalou os olhos, sobressaltada:

___O que?? Oh meu Deus, isso é um desastre!!! Quanto ele pediu??___o olhar dele lhe provocou um calafrio.

____Ele não queria dinheiro.___ela ficou confusa.

____Não? O que ele queria?___pequena pausa.

____Ele quer transar comigo.___ela deu um pulo do sofá, horrorizada.

____Aquele porco imundo!

____Ele nos tem nas mãos e se não acharmos uma saída urgente...

____Não acredito!! Você está considerando a possibilidade de ir pra cama com aquele monte de banha???___ele torceu o nariz de nojo.

____Está louca??? Prefiro enfrentar dez mil escândalos!

____Quais são as nossas opções?___na meia hora seguinte, eles ponderaram e discutiram diversos caminhos e possibilidades, até que um plano se formou em suas mentes. Stephen lançou-lhe um olhar significativo:

____É bom que isto funcione baixinha.

____Estou apostando todas as minhas fichas nesta jogada.


Notas Finais


Olá minhas queridas leitoras!!

Mais um capítulo entregue e um esclarecimento. A proposta de “Mais que amigos” nunca foi contar uma história com cara de novela mexicana. Os sete primeiros capítulos prepararam o terreno para seguir um caminho, digamos assim, um pouco mais dark e saindo do lugar comum. Como eu não gosto muito de romance água com açúcar, resolvi espremer uns três limões nesta mistura, rsss. Espero que gostem do produto final!!

Beijos e até nosso próximo encontro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...