História Make a Wish - Capítulo 6


Escrita por: ~ e ~thecoolgirl

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Red Velvet, TWICE
Personagens G-Dragon, Irene, J-hope, Jimin, Jin, Joy, Jungkook, Momo, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, T.O.P, V, Wendy
Tags Romance Fanfic Drama Fluffy Revelação
Exibições 23
Palavras 12.717
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drabs, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olaaaaa! Desculpem a demora meus amores! Sério! Esse capítulo ficou enooooorme! Então espero que gostem !

Capítulo 6 - Chandelier


Fanfic / Fanfiction Make a Wish - Capítulo 6 - Chandelier

 

Carol

 

Depois de chegarmos de Hongdae e encontrarmos com nossos amigos novamente começamos a conversar e, por um momento, me esqueço dos sete coreanos que foram nossos guias. Matando a saudade, nós onze fizemos uma roda e interagimos animadamente. 

Porém, como nem tudo é maravilhoso Yuri estava do meu lado, com os olhos viajando pelo meu rosto como um retardado mental e me irritando profundamente. O que me irritava? Lembranças, Yuri e eu já ficamos, quase namoramos, mas bem quase mesmo. Me irritava também que as vezes eu retrucava seu olhar de forma esquisita, como se pensasse "Ta olhando o que vagabundo?" e com isso o clima ficava desconfortável, bem desagradável mesmo. 

Ao observar de relance para o BTS olhando nossa rodinha, vi Suga me encarar de forma intensa como se pensasse algo que suspeitei ser: quem seria esse ser humaninho que estava ao meu lado? 

Sinceramente, estava me achando uma intérprete de olhares, pois vi que Jungkook olhava Malu conversando com Vitor e parecia também querer isso, conversar com ela, interagir com ela, ser um amigo próximo dela. É, eu estava estranha. 

Depois de um tempo, todos se apresentaram, e como estávamos cansadas, ainda mais por causa da corrida, deixamos o BBOYS conversando com o BTS, e fomos para o dormitório e para uma noite de sono necessária e merecida.

    

Acordei quase morrendo uma hora antes das meninas, me arrumando e indo para a sala de Hitman, já que como líder recebo o calendário de atividades e compromissos antes das outras membros. 

Caminhei como um zumbi pelos corredores e após chegar ao meu destino adentrei o escritório e me sentei de frente para meu superior, recebendo um sorriso cansado do mais velho. 

- Sei que é um horário ruim, mas dá próxima vez você poderá vir apenas vinte minutos antes, como de costume. - Começou. 

- E por que os quarenta minutos a mais? - Perguntei. 

- Tenho um assunto sério para tratar com você. - Disse sério.

- Que seria? - Odiava quando as pessoas enrolavam e não iam direto ao ponto, mas é óbvio que não diria isso a ele. 

- Eu gostaria de evitar um medo ou ansiedade em vocês relacionado a internautas e anti-fãs, então quero te pedir para entrar no celular das meninas e bloquear o acesso a sites que as atacam constantemente, como fóruns e blogs feitos por fãs de outros grupos. 

- Está me pedindo para esconder delas que somos atacadas frequentemente por internautas em dezenas de sites? - Não acreditei no que o mesmo me propunha. 

- Não estou pedindo para esconder ou mentir e sim omitir por um tempo até que os comentários e rumores diminuam. Quando todos se acalmarem e seu debut na Coréia acontecer acredito que saberão lidar melhor com isso. Atualmente qualquer atividade que envolva M.B e BTS é acompanhado com mais dedicação do que muitos outros grupos ainda mais famosos juntos e por exemplo, as suspeitas de relacionamento tanto entre Malu e JungKook quanto Fernanda e Jimin aumentaram muito, eu sabia que isso aconteceria mas entendi que vocês também deveriam sair e aproveitar um pouco da Coréia, então autorizei que eles as acompanhassem para que não se sentissem como prisioneiras. Para que isso não as prejudique acredito que será melhor assegurar que elas não lerão nada do que foi dito. 

- É tão ruim assim? Escreveram coisas tão ruins e desagradáveis sobre nós a esse ponto? - Perguntei. 

- Para ser honesto, sim, eles chegaram a um limite que nunca vi algum hater chegar. – Suspirei, tentando encontrar uma saída. 

Devido a acontecimentos passados - alguns mesmo antes do grupo existir -, sofremos muito com comentários tanto nossos quanto de terceiros, então eu tinha duas opções: não esconder e sofrermos antecipadamente ou esconder e depois do debut nem ligarmos para isso.

Tomei a decisão mais óbvia. 

- Eu bloqueio os sites. - Falei em alto e bom som. 

- Estes são os endereços. - Me entregou uma folha com uns quinze links diferentes, senti que eu teria bastante trabalho. - Obrigado por concordar. 

- Obrigada por me avisar. - Me levantei com as folhas e me dirigi ao dormitório, nem fiz reverência pois o mesmo tinha dito que não precisava então fora das câmeras não fazia questão. 

Entrei nos quartos, pegando os celulares de todas as minhas companheiras, que dormiam tão profundamente que nem perceberam ou abriram os olhos, e bloqueei todos os sites que estavam na lista, logo colocando os aparelhos novamente em seus lugares. 

Sem mais nada pra fazer deitei no sofá e com a mente vazia, me apeguei a única novidade na minha mente, eu poderia sair prejudicada mas decidi por curiosidade ler o que os fóruns e sites de anti-fãs diziam. Peguei meu celular e digitei o endereço do primeiro site, e rapidamente encontrei o que procurava. 

"A bosta internacional, mais conhecido como M.B, está em solo coreano se preparando para cagar em todo o K-Pop com seu debut coreano. As seis integrantes mais falsas do que silicone do SNSD estão sendo gerenciadas pela Big Hit Entretainment, que quebrou a confiança dos fãs do grupo BTS ao admitir que eles se metessem em confusões e colocarem o próprio J-Hope ao lado da Mabostinha em uma campanha escrota de roupas de dança, não sei como a marca não está envergonhada com essa situação. ”

Meu mundo caiu, parecia um sonho, melhor, um pesadelo e eu só queria entender de onde veio todo esse ódio e desprezo. Só porque éramos estrangeiras? Só por isso?

Minha boca já estava aberta e meus olhos arregalados, mas o texto logo abaixo apareceu e meus olhos correram pelas palavras.

“Fui ler o que os primeiros fãs daquele país de macacos falavam e é impressionante como são idolatradas lá, nem uma roupa de marca original devem ter! 

E o mais impressionante é a líder das meninas (se é que podemos chamar de meninas, não é?). Carolina, nome de qualquer uma naquele país de merda, loira natural dos olhos azuis, de descendência italiana mas parece alemã.
Porém, acumula características que fazem qualquer ser humano ter nojo.

Além de se vestir como uma mendiga, se faz de vítima não comendo quase nada e as vezes aparenta uma melancolia sem razão. Se ela está feliz com tantas pessoas iludiu com suas músicas, porque essa tristeza? 

Ela nos mostra como ser linda sendo feia, mostrando uma pele, cabelo e olhos que encantam os iludidos que são seus fãs, mostrando depois uma cara em forma de bolacha com bochechas grandes e um corpo inchado e gordo, totalmente fora do esperado para uma idol. Uma total hipócrita!!”

Eu sabia que poderia ser odiada, mas não a esse ponto, e isso não me destruiu, mas abriu uma ferida que a muito tempo foi cicatrizada, meio sem jeito, mas foi cicatrizada.

Aquela sensação horrível voltou ao meu estômago e por um momento o nada que tinha comido voltou para a minha boca, mas engoli rapidamente. Aquilo não poderia ocorrer novamente, eu não poderia voltar a ser a Carolina que eu era antes.

Com essa última frase ecoando desesperadamente na minha cabeça, ouvi as meninas lentamente acordando e se arrumando para irmos tomar café.

Acho que não disse, mas desde que me lembro fazemos todas as refeições junto com o BTS, então já havia me acostumado com a presença dos sete, porém dessa vez estariam também o BBOYS e a nossa equipe, então era provável que nós ficaríamos separadas.

- Bom dia! – Malu disse, mas assim que me olhou melhor veio rápido na minha direção e sentou ao meu lado no sofá. – O que aconteceu?

- Nada! – Falei sorrindo e bloqueei o celular, precisaria ser mais convincente. – Estava pensando em alguns acontecimentos passados e uma letra meio melancólica veio na minha mente. – Disse mentindo para a morena, mas não foi totalmente uma mentira já que realmente depois de ler aquilo fiquei com uma letra na cabeça, então minha consciência estava mais limpa.

- Você não consegue mais mentir para mim, quando estiver pronta pode me contar. – Sussurrou mais perto de mim já que as outras chegaram já nos cumprimentando e conversando animadamente, assenti e nos unimos a conversa, quer dizer, Maju entrou, eu fiquei mais de figurante.

Sem mais delongas nos dirigimos para o refeitório, encontrando o esmo realmente cheio, agora que o número de pessoas aumentara enormemente, em um piscar de olhos todas nos separamos, já que não haviam seis lugares exatamente próximos uns dos outros.

Malu segurou minha mão por um momento como forma de consolo antes de se afastar, sendo agradecida por mim com o olhar, antes dela se sentar entre J-Hope e Iago e eu somente ao lado de Suga, já que o lugar que ocupei estava na ponta da mesa.

Minha refeição logo foi trazida e assim que encarei os pratos cheios de comidas e temperos coreanos, uma frase ecoou pelo meu cérebro, como se alguém falasse no meu ouvido naquele momento.

“...mostrando depois uma cara em forma de bolacha com bochechas grandes e um corpo inchado e gordo, totalmente fora do esperado para uma idol...’

Será que eu era mesma adequada para ser uma Idol? Claro que sou uma já faz quase dois anos, então seria pouco tempo, mas será que isso nunca foi pra mim e só percebi isso agora?

- O que pensa tanto que nem ao mesmo consegue comer? – A voz de Suga me despertou do leve transe e com o susto dei um leve pulo o encarando, fazendo o mesmo me olhar confuso.

- É... Nada. – Dei um sorriso desajeitado.

- Então coma e pare de agir tão estranho. – Disse grosseiramente se voltando ao seu alimento.

Eu era tão estranha a esse ponto?

- Desculpe. – Falei desconfortável com a situação.

Tentei colocar algo na boca, mas infelizmente não conseguia engolir nada, com isso me estressei com a comida e comigo mesma por não conseguir mastigar e engolir um macarrão. Ao bufar acho que pela quinta vez o rapper ao meu lado se dirige a mim novamente.

- Qual o seu problema loira? – Perguntou grosseiramente.

- Nada que te interessa. – Falei mais alto, com raiva e batendo um dos punhos na mesa, assustando o açúcar.

Me levantei rápido e sai daquele ambiente pouco me fudendo se alguém estava olhando para a baleia branca gigante que estava saindo do refeitório, no caso, eu.

Fui para o estúdio do M.B e me tranquei lá, não queria nem saber, só precisava tirar aqueles pensamentos horríveis da minha mente. Tudo bem que da última vez eu não consegui sozinha, mas talvez naquele momento compor já resolvesse tudo. Meu único medo era de retroceder todos aqueles meses de tratamento.

É, eu não deveria ter lido aqueles fóruns.

 

Jin

 

Eu, V e RapMon estávamos no refeitório, tomando o café e assistindo os acontecimentos estranhos de algumas pessoas - especialmente Suga e Carolina - antes de voltar ao dormitório para terminarmos de nos arrumar e ir até os sets do Happy Together, o qual fomos todos convidados, porém os outros estavam ocupados com suas tarefas, então sobraram nós três. Além de nós, teríamos a participação de algumas das integrantes do Red Velvet, o que foi capaz de deixar as orelhas de Taehyung mais vermelhas que os sapatos que Namjoon estava usando. 

– Qual é Tae, só ouvir o nome de Irene que já fica desse jeito? – O líder caçou da cara do coitado que escondeu o rosto nas grandes mãos enquanto ouvia nossas risadas que ecoavam pelo corredor.

– Claro que não Hyung! Não fale besteiras! Eu só estou um pouco nervoso por conta do show! Nada demais! – V inflou as bochechas e apertou o passo até o dormitório.

Ri do comportamento dos mais novos e passei a mão pelos cabelos recém pintados de preto, alguma coisa de diferente iria acontecer nesse show de variedades e eu sentia na ponta dos dedos - pode ser estranho, mas sempre estou certo - só espero que saia tudo como planejado.

Nam e eu chegamos dois minutos depois de Tae e só se ouvia o som da torneira naquele dormitório, Nam até pensou em irrita-lo mais, porém o fiz ir para o closet trocar de roupa, tirando o Tae de sua cola. Depois de uns minutos nos encontrávamos todos arrumados e rumamos finalmente para a van.

O caminho no veículo foi engraçado, no rádio tocavam músicas internacionais - mais no estilo hip-hop, como Namjoon gostava - e nós junto com o resto dos staffs cantávamos as partes repetidas, o que era engraçado já que não sabíamos muito de inglês. 

Ao chegarmos, ajudamos a arrumar as coisas para o set e sentamos para fazer a maquiagem e o cabelo, havia um burburinho feminino na sala ao lado, o que fez meu coração acelerar um pouco, eu ainda era tímido ao lado de mulheres. 

A voz de Seulgi, Wendy e Irene eram claras, dei uma espionada de canto de olho para Namjoon e percebi o sorriso estampado em sua cara ao ou vir a voz de Wendy, a qual percebi ser a nova queda de Namjoon desde a festa dada por ele no dia que Hope e Malu foram filmar a campanha.

Joonie deixava as coisas muito na cara, e era engraçado de ver.

– Vamos pessoal, as gravações já vão começar. Todos têm que estar em suas marcações! – O coordenador das gravações avisou e junto de mim, os outros dois vieram atrás, Tae quase cavando um buraco para se esconder e Nam o provocando.

Esses jovens.

O programa começou com cada um de nós de um lado do estúdio, os apresentadores entraram e descreveram cada um dos grupos, anunciando e nos desafiando a entrar com uma dança estranha. 

- Irene! Tente ao menos se mexer! - Um dos apresentadores gritou para a líder das meninas, que entraram primeiro. Enquanto as outras até que conseguiam se virar, Irene estava mais atrapalhada que RM em uma coreografia nova.

O mais fofo dessa entrada foi a mesma encarando V sem jeito, enquanto todos riam, inclusive ele. É claro que todos estavam rindo, afinal, era para ser cômico de qualquer jeito, mas parecia que ela se importava somente em como Taehyung reagia.

Wendy, Irene e Seugli foram fofas. Mas confesso que eu, Mon e Tae vencemos de lavada!

Depois da entrada todos nos acomodamos, as meninas do Red Velvet estavam sentadas com almofadas cobrindo seus colos e nós do outro lado dos entrevistadores, dando início há alguns dos quadros.

Pude notar a troca de olhares entre V e Irene, os dois pareciam dois adolescentes na primeira paixonite, sorriam sempre que seus olhares se encontravam, depois suas bochechas coravam de maneira fofa. 

Já Namjoon era um pouco mais sucinto, mandava sorrisos discretos para Wendy que totalmente desprevenida fingia não notar, virando a cabeça um pouco ou desviando o olhar, porém eu tinha certeza de que ela também queria mandar aqueles sorrisos, só faltava um pouco de coragem.

Parei para reparar em Seulgi que colocava uma de suas mexas atrás da orelha de forma tímida, um sorriso fofo pairava em seus pequenos lábios, o MC do Happy Together perguntava algo sobre garotos, o que me fez parar de encara-la e prestar atenção em suas palavras.

- Parece que um dos fãs está perguntando sobre os pares ideais e relacionamentos dos idols aqui presentes. - Um dos entrevistadores leu o telão.

– O que mais lhe atrai em um garoto Seulgi? – O outro apresentador, que tinha cabelos escuros, perguntou.

– Hum.... eu acho que uma pessoa carinhosa e que saiba como ser gentil e respeitosa... que seja ela mesma. – A menina respondeu em tom baixo cobrindo a boca para rir junto com as colegas de grupo.

Senti minhas bochechas esquentarem, abaixei a cabeça tentando esconder minha vergonha, porem senti dois pares de olhos em cima de mim. Eram Namjoon e Taehyung. Os dois lançavam caretas sugestivas em minha direção, porém eu tentava a todo custo prestar atenção nas palavras do Red Velvet e dos apresentadores, fiquei mais ou menos 20 minutos evitando os mais novos.

– Ouvi falar que até agora Namjoon não encontrou sua "Miss Right", ou será que sim? Nos conte! – O mesmo homem que direcionou a palavra para Seulgi antes de virou para Namjoon.

– Bom... achar a pessoa certa e difícil, mas na hora certa contarei a vocês, sinto que ela é bem especial. – O líder disse sorrindo timidamente para suas mãos, ou para os tênis que Wendy usava, já que estavam na mesma direção do seu olhar.
Havia um clima no ar.

– E você? V-ssi? – Todos os olhares pairaram para o moreno do sorriso retangular que logo percebeu toda a atenção e limpou a garganta nervoso.

– Bom... eu.... talvez.... Eu vou acha-la, sinto que está perto. – O mais novo se embolou nas palavras e desviou o assunto.

– Perto como? Talvez nessa sala? – Um dos Mc brincou e o moreno virou dando risada.

– Er... yah! O que fazer? – Tapou os rostos com a mão envergonhado.

Lancei um olhar cúmplice para Seulgi, que logo captou a mensagem e deu um leve empurrão nos ombros de Irene que se fingiu de confusa e continuou a prestar atenção no resto das perguntas.

Logo deram uma pausa e voltamos para o camarim, podia chutar que já estava de noite - e o dormitório estaria um caos - então tratei de apressar os dois apaixonados que falavam com as idols e riam sucintamente.

 

Suga

 

Depois do café Hope me chamou para treinar um pouco e aceitei sem um motivo concreto, só que depois de meia hora me arrependi e só desejava a minha cama. Porém, outro acontecimento tomava a minha mente além do desejo incondicional pelo meu colchão: fui extremamente grosso com a líder do M.B sem nenhum motivo e por incrível que pareça, estava me sentindo culpado.

Na verdade, tinha uma certa razão, na noite anterior me peguei encarando a loira olhando desconfortavelmente para um dos membros do grupo que veio junto com sua equipe e seu olhar era correspondido pelo rapaz, que era alto com traços asiáticos.

Me senti um pouco estranho olhando os dois lado a lado se encarando como se tivesse algo mais escondido em seus olhares, algo que eu queria saber.

A pergunta era: porque me incomodei com isso e o que isso tinha a ver com minha atitude naquela manhã?  Pelo tom de voz de Carol ela não estava bem emocionalmente e mentalmente falando e isso já estava me matando de preocupação, já que depois dela falar em um tom alto comigo saiu do refeitório e não a vi desde então. Onde ela poderia estar?

- Suga! – Escuto Hope me chamar enquanto estou parado no meio da sala de dança como um boneco na vitrine de uma loja.

O mais novo ri ao meu lado e o encarei confuso.

- O que foi trenzinho da alegria?

- Você estava paralisado com uma expressão pensativa por uns dois minutos, fez alguma merda e a consciência pesou? Isso não é típico seu... – Riu um pouco mais, me irritando um pouco mais.

-E se eu fiz alguma merda? O que vai fazer a respeito hein? – Perguntei um pouco bravo me sentando no chão mesmo.

- Te ajudar, dar um conselho, ou apenas te ouvir para amenizar um pouco sua culpa. – Deu de ombros se sentando a minha frente e estendendo uma garrafa de água, que abri e bebi um pouco do líquido antes de começar a falar.

- Bem, fui grosso com uma pessoa hoje e acho que ela não estava em um bom dia, então estou me sentindo um pouco culpado por ter sido tão imprudente. – Fui curto e objetivo.

- É a Carol não é? 

- Como você... – Fui interrompido.

- Eu estava na mesa a sua frente, é que você é meio cego, e também algumas pessoas ouviram quando ela quase gritou contigo e saiu do refeitório, não sei se você não percebeu, mas vocês não eram os únicos lá. – Me encarou e posso dizer que a culpa ficou um pouco maior agora.

- O que acha? – Perguntei de forma simples.

- Como sei que você tem uma queda por ela.... – Foi a vez de eu o interromper.

- Pera ae, como assim?

- Eu precisei usar seu computador esses dias e dei uma passada no seu histórico do Youtube, parece que você é bem seletivo no quesito garotas. – Ia gargalhar da minha cara de espanto, mas não iria deixar barato.

- E você que praticamente beijou a Malu e não fez mais nada? Não me diga que não tem uma queda por ela Hoseok.

- Não, já disse que o beijo foi acidental e quando voltamos da gravação conversamos sobre isso e nenhum de nós sentiu nada.

- Como pode ter certeza? - Duvidei. 

- Posso ser bem direto quando quero e o mesmo para Malu e outra, não gostaria de entrar em um "relacionamento" com uma garota que conheço a menos de um mês. Agora continuando, como sei que você tem uma queda por ela e disfarça muito bem quando a encara - menos ontem quando Carol ficou perto do Yuri, mas isso não vem ao caso-, tente conversar com calma com a mesma, ninguém deve ter percebido ainda e pelo que vejo, você é bem ruim para chegar em uma garota. 

- Primeiro, vai se fuder Hoseok! Segundo, como eu converso com calma com ela se não sei onde ela está e se está calma? 

- Não precisa fazer isso agora, por enquanto tente tirar a loira um pouco da sua cabeça e se concentre em outra coisa, vai ser melhor quando for conversar em com ela. 

- Tudo bem, e você, bico fechado! - Avisei. 

- Okay, não direi que está a fim da Carol.

 - Não estou a fim dela. – Rebati.

- Vou fingir que acredito, agora vamos dançar mais um pouco, vai que você se distrai. 

Levantamos e fiz de tudo para tirar uma loira da minha cabeça, consegui um pouco, mas ela ainda vagava pelos cantos da minha mente.

 

Malu

 

Acordei com uma sensação estranha, algo estava errado com alguém que me importava muito e geralmente quando pensava assim estava certa. Ao olhar para a cama ao lado da minha, não tinha sinal nenhuma de uma loira mal-humorada que por sinal era minha melhor amiga e isso já me preocupou.

Me arrumei mais rápido do que o normal e ao chegar à sala, vejo Carol deitada no sofá, mas levanta ao me ver, digo bom dia mas ela não me responde. Meu alarme de problema havia acendido, era ela que estava com problemas. Minha intuição sempre estava certa.

Fui rapidamente na sua direção e sentei ao seu lado no sofá. 

– O que aconteceu?

- Nada! – A mesma mentiu na cara dura ainda sorrindo e bloqueando o celular como seu não tivesse visto aquele tijolo mexendo entre seus dedos, Carol precisaria ser mais convincente. – Estava pensando em alguns acontecimentos passados e uma letra meio melancólica veio na minha mente. – Concluiu seu fracasso em mentir para mim.

- Você não consegue mais mentir para mim, quando estiver pronta pode me contar. – Sussurrei mais perto da loira já que as outras chegaram já nos cumprimentando e conversando animadamente, ela assentiu e nos unimos a conversa, quer dizer, eu entrei, Carol ficou mais de lado.

Seguimos para o refeitório e como estava mais cheio tivemos que ficar separadas, antes de me distanciar da loira, mandei uma espécie de “mensagem corporal” indicando que estaria tudo bem, logo depois, sentei entre Iago e Hope, Carol ficou ao lado de Suga.

Se algo de errado não tivesse acontecido e ela não tivesse saído quase gritando com o mais velho começaria a shippar na hora, mas isso teria que esperar. Logo depois que a mesma saiu Iago queria que queria ir atrás dela, mas falei para deixar a mais velha se acalmar primeiro, se eu conheço ela tão bem tinha certeza que naquela hora já estava isolada em algum canto.

- Vou tentar conversar com Suga, ver o que aconteceu. Ele se abre mais rápido nesse quesito já que não mantem tanto contato com o sexo oposto. – Hope sussurrou ao meu lado e me segurei para não rir ao imaginar Suga constrangido.

- Okay, vou ver se depois acho a raivosa. – Respondi e senti meu celular vibrar no meu bolso e o peguei, vendo que era uma mensagem de um número desconhecido.

“Que horas começam as aulas professora?”

Estranhei e olhei em volta, achando um Jungkook junto com Jin e Jimin olhando na minha direção, até me assustei ao ver o mesmo, não esperava que quisesse mesmo que o ensinasse. Sem mais delongas respondi e combinamos 8:40, assim daria tempo de ir ao dormitório trocar de roupa.

Quando acabei minha refeição, não tardei a ir para o dormitório, me despedindo brevemente de Hope e Iago, deixando minha bandeja no balcão e saindo do lugar.

Já no meu lar provisório, antes de entrar no meu quarto escuto risadas no quarto ao lado, no quarto de Bruna e Feh. Dois segundos depois reconheci a risada de Rafa contrastada com a da Bru. Sorri imaginando a quanto tempo eles estavam aí - já que comeram no refeitório, mas não os vi sair-, porém nem liguei porque sabia que a mesma não seria louca o suficiente para transar no dormitório, eu acho... 

Me troquei calmamente e fui para a sala de dança que tinha combinado com o maknae, o encontrando dançando o refrão de Just One Day calmamente e do ângulo que me encontrava o achei extremamente fofo.

Ao chegar no rap do Hope o mesmo parou e me olhou pelo espelho.

- Oi. – Disse encostada na porta.

- Oi, professora. – Respondeu rindo pela minha cara ao ser chamada de professora enquanto entrava na sala.

- Estava com saudade de ver vocês performando essa música. – Falei colocando minha bolsa apoiada em uma das paredes. – E por favor, não me chame de professora. É estranho.

- Okay okay, não quero você me dando um tapa como a Fabi deu no Jimin-Hyung.

- A Fernanda? – Estranhei.

- Sim, ontem na cafeteria do Harry Potter, o braço dele está com um leve roxo.

- Acho isso improvável, a Feh e a Bruna são as mais fracas do grupo. – Falei.

Jungkook arregalou os olhos.

- Então vocês são muito fortes!

- Ou vocês que são muito fracos. – Deixei no ar com uma cara de desafio, compreendido pelo mais velho.

- Está apostando comigo? – Apontou para si.

- E porque não? Todo dia é dia de uma boa aposta. – Eu poderia me fuder depois, mas seria divertido.

- Tudo bem senhorita aposta, o que sugere?

- Quem dançar melhor, versão contemporânea. – Joguei a bomba enquanto ia para o meio da sala

- Não é justo! Você dança contemporâneo a muito mais tempo do que eu. – Protestou o mais velho ficando ao meu lado de frente para o espelho. Comecei um aquecimento leve e logo Kook foi me seguindo.

- Calma biscoito, por isso vou te dar uma aula de contemporâneo antes. – Expliquei e depois de míseros segundos de silêncio o maknae me encara pelo espelho mudando sua expressão, de um menino revoltado para um menino invocado.

- Eu concordo, contanto que eu escolha a prenda. – Ri, entendendo onde o mesmo queria chegar. Sabia que o mesmo só aceitaria nessas condições.

- Tudo bem, o que sugere?

- Um beijo e um abraço. – Disse simplista.

- O que? – Parei de me aquecer e o encarei surpresa, ele por acaso era tarado também e eu não sabia?

- Depois da decisão, o perdedor terá que ir as ruas de Seul, abraçar e beijar na bochecha um estranho de surpresa. Depois podemos passar em uma loja comprar doce para o ganhador consolar o perdedor.

Voltei a me aquecer pensando na proposta, era divertida, arriscada e surpreendentemente, tentadora.

- Aceito, depois decidimos os jurados. – Estendi a mão e o mesmo a segurou, selando a aposta.

- Tudo bem, agora me ensine logo porque tenho uma aposta para ganhar. – Se gabou.

- Vai sonhando Jungkook, vai sonhando. – Falei ficando de frente para o mais velho. – Antes de começar tenho que verificar sua postura, quero que perca, mas não que se machuque.

O mesmo tentou se endireitar para ficar no que chama de “correto”.

- Pra mim te corrigir, vou ter que tocar em você. – Fiquei um pouco constrangida, meu lado ARMY sabia que Kook não se dava muito bem com garotas, mesmo não sendo tão travado como na minha primeira semana na Coréia não queria que se sentisse desconfortável.

- Tudo bem. – Baixou um pouco o rosto, como estava de frente para ele comecei pela cabeça, com os dedos em seu cabelo localizei o atlas, que fica um pouco acima da nuca, e levantei devagar sua cabeça.

Fui para trás de Jungkook e arrumei seus ombros, depois o resto da coluna até a lombar, a esse ponto até eu estava com vergonha.

- Bom, essa é a sua postura correta, não precisa ficar para do como uma estátua nela, já que no contemporâneo temos muito a quebra de movimento, mas para qualquer dança isso vai ajudar.

Depois disso, aproveitei para alongar um pouco e passei alguns passos básicos, fazendo até uma coreografia que o mesmo pegou muito rápido, ele não seria tão ruim se praticasse mais.

Depois de quase uma hora e meia de treino nos filmamos dançando a mesma música, um instrumental que escolhemos do meu pen drive, para ser sincera o mesmo tinha ido muito bem, então não tinha certeza de quem seria o ganhador, mas ela já valeu pelos risos durante o treino.

Decidimos mostrar os vídeos para Rap Monster, Feh, e surpreendentemente, Hitman, que dariam seus vereditos e com isso o perdedor e ganhador seriam definidos. Como ainda tinha alguns assuntos a tratar com Fernanda, tive que me retirar da sala, mas antes de ir Kook me chama.

- Malu, se a sua agenda permitir, pode me dar mais aulas? – Perguntou um pouco envergonhado, fiquei um pouco constrangida, mas disfarcei o que pude.

- Posso, que tal amanhã nesse mesmo horário? – Perguntei.

- Combinado, até amanhã. – Se eu não o acompanhasse pela internet a anos, até falaria que seu sorriso foi meio estranho, mas sei que por trás das câmeras ele é doido.

- Até. – Me despedi e fui me encontrar com a mais velha.

 

Carol

 

Sai do refeitório pior do que entrei, culpa de Min Demônio Yoongi, precisava ser tão grosso desgraça? Não, não precisava!!!

O pior de tudo era que aquelas palavras não saiam de mim, da minha cabeça e se antes eu já estava pirando, agora u estava a abeira de um colapso.

Como não sou trouxa e vi Bruna e Rafa saindo do refeitório, presumi que os mesmos foram para o dormitório do M.B e com isso me dirigi ao nosso estúdio, me trancando lá dentro e colocando uma música bem alta que nem percebi qual era pelo estado que me encontrava.

Eu só queria que aquelas vozes parassem de gritar na minha cabeça.

Por um tempo fiquei fora de órbita e perdi a noção de tempo e espaço, elas eram as únicas coisas que meus ouvidos captavam.

“Gorda”, “Falsa”, “Hipócrita”, “Deprimida”, Entediante”, Falta de personalidade”, “Péssima líder”, “Inútil”....

“.... Sinta minhas lágrimas enquanto secam
Eu vou me balançar no lustre... ”

Quando voltei a minha realidade percebo que estava em posição fetal debaixo da mesa do estúdio enquanto via – na medida do possível, já que as lágrimas embasavam minha vista – a maçaneta mexendo, provavelmente alguém tentando entrar.

Ao pensar que era Malu levantei e abri a porta, mas arregalo os meus olhos ao me deparar com Jimin ali, abismado com meu estado deplorável atingido com sucesso em menos de provavelmente dez minutos.

Sem qualquer reação vejo o mais velho me empurrar para dentro e fechar a porta atrás de si, se voltando para a pessoinha chorona, no caso, eu.

- Aigoo, o que foi? – Segurou meu rosto e começou a enxugar minha bochecha, mas ainda mantive meus olhos baixos.

- N-nada demais. – Me interrompeu.

- Se não fosse nada demais eu não estaria preocupado e você não estaria chorando dessa forma. – Criei coragem e encarei seus olhos, que me fitavam de forma carinhosa e acolhedora.

Mesmo assim queria ficar sozinha.

- Pode me deixar aqui, estou melhor. – Falei de forma falhada, mas entendível, não queria atrapalhar ninguém com meus problemas.

- Não irei te deixar sozinha, sei que nesse momento seria muito melhor se uma das meninas do M.B estivesse aqui, mas como não estão eu vou ser seu ombro amigo hoje, não precisa falar nada, apenas divida o ambiente comigo e se sinta livre para chorar, lamentar, quebrar algum equipamento ou apenas ficar quieta. – Jimin disse de forma decidida, me encarando como se fosse a criatura mais frágil desse mundo, provavelmente eu era, mas não queria pensar isso.

Depois deter me lançado essas palavras, fez o que quase ninguém faria sem ter intimidade com comigo, me abraçou. Mesmo eu tendo um problema com abraços, não esperava isso dele, mas depois de alguns segundos retribui, um pouco sem jeito, porém retribui. Aos poucos, acredito que a energia do mais velho foi me acalmando, ao passo que não estava mais com vontade de chorar, só queria ficar quieta aproveitando dessa áurea tranquila que Jimin exalava.

Depois de um tempo em pé, sentamos no chão do estúdio e o silêncio continuou, meio sem jeito pousei minha cabeça no ombro do moreno ao meu lado, que nada disse desde que me abraçou.

A vozes continuavam ali, mas digamos que Jimin conseguiu tira-las um pouco do palco.

Para estragar o momento recebi uma mensagem no celular, levantei um pouco a cabeça para ler melhor e vi que era Bia me chamando para o dormitório, conclui que era algo importante pois ela é do tipo que se não tiver alguma urgência, deixa pra depois.

- Tenho que ir. – Falei a Jimin, indicando que iria levantar.

- Tarefas de líder? – Perguntou levantando também e o olhei curiosa.

- Leu a mensagem? – Indaguei.

- Não, é que só um líder sairia para ajudar um de seus membros quando não está perfeitamente bem. – Deu de ombros.

- Está errado Jimin, não são só líderes que fazem isso, amigos também fazem isso, sempre. – Respondi com calma e o mesmo sorriu com a resposta. 

Ué, ele estava me testando e eu não percebi?

- Vejo que está melhor, se cuide loirinha. – Falou divertido antes de dar um beijo na minha testa, me deixando um pouco intrigada pelo seu comportamento e pelo fato que acabei de ser “testada” e nem percebi. – Até mais.

E assim foi se embora Park Jimin, sem esperar no mínimo eu responder alguma coisa e sem mais tempo para pensar me dirigi ao dormitório, estava louca para arrumar uma distração.

 

Bruna

No dia seguinte o refeitório estava mais cheio do que balada e era semelhante a uma mesmo, música, pessoas falando muito alto - principalmente quem era do Brasil -, movimento, comida.... Só faltava a dança! 

Tomei café entre Ju e Rafa e enquanto todos a minha volta conversavam me mantive concentrada em ingerir a comida. Às vezes Rafa conversava comigo mais baixinho, porém ainda tinham pessoas na mesa que não eram da minha convivência e não tinha muita intimidade. 

Pode parecer estranho, mas sou a membro mais tímida do M.B!

Depois de comer, o mesmo sugeriu que fôssemos ao meu dormitório, acho que ele percebeu que realmente estava me sentindo desconfortável então fomos os primeiros a se retirar e como já estávamos perto da porta que levava aos corredores quase ninguém nos notou. 

Caminhamos conversando mais abertamente, quando estou com pessoas que tenho intimidade sou mais extrovertida e como estava com o meu namorado óbvio que tinha intimidade com ele. 

Adentramos o dormitório do M.B e o levei até o quarto que dividia com Feh, que de longe era o mais organizado. No quarto de Malu e Carol a morena até salvava a situação, mas só de entrar no de Ju e Mia entrava no mundo de Oz, era meio impossível sair de lá. 

Deitei na minha cama como se tivesse chegado de uma festa enquanto Rafa olhava o ambiente. 

- Organizado como sempre. - Sentou do meu lado enquanto sentei no colchão macio. 

- Fazemos jus ao apelido de unnies. 

- Eu vi, e vi também que causaram bagunça em Hongdae, como foi? - Perguntou já querendo rir, provavelmente querendo saber a minha versão da história daquele dia. 

- Foi bem divertido, só fiquei um pouco chateada por ter perdido a batalha de dança com aquele grupo, fui a única que perdeu. - Lamentei. - Confesso que fiquei chateada e com vergonha. 

- Mas... Sempre quando nossos grupos faziam competições você nunca participava e em Hongdae competiu com um dançarino que nunca viu antes! Pelo vídeo que vi de um fã nem parecia que você tinha vergonha, teve atitude na dança e a sua sequência foi incrível!

- Me filmaram???? - Quase gritei. 

- Mas é claro!! Vou te mostrar. - Disse determinado e me desesperei. 

- Não! Não quero ver isso. - Peguei o celular dele quando o mesmo ia desbloquear o aparelho. 

- Me devolve Bruna!! - Rafael pulou em mim, fazendo cócegas, cócegas eram o meu ponto fraco. 

- Para!! Por favor não!! - Sai debaixo dele e sai correndo pelo quarto, que mesmo pequeno era possível dar algumas voltas. 

Rafa me seguiu, até nos derrubar no chão e me imobilizar, pegou meu celular e reproduziu o vídeo, tentei virar minha cabeça ou fechar os olhos, mas ele impediu qualquer forma de resistência minha. 

- Até que não foi tão ruim assim... - Disse revirando os olhos quando o vídeo acabou. - Pode me soltar agora. 

- Ainda não, eu tive uma ideia e quero dividir com você. - Sussurrou no meu ouvido e virei meu rosto que ficou extremamente vermelho. Seu puto, porque tem que me fazer passar vergonha o tempo todo? 

- Pelo menos afrouxa um pouco, ta começando a machucar - Pedi e ele me libertou, porém não se separou de mim. 

- Então, qual é a ideia? 

- Vamos viajar! - Disse simplesmente. 

- Oi? Ta doido? 

- Não, nenhum pouco. Eu quero tirar uma semana de férias, pedi para o meu CEO e ele deixou, principalmente depois de eu passar mal em um treino. 

- E porque você não me falou nada Rafael? - Fiquei nervosa, poxa, ele deveria ter me contado. 

- Foi antes de embarcarmos para a Coréia então não queria te preocupar, e também, quando chegamos você estava animada e decidi manter essa animação em você. 

- Falamos sobre isso depois, agora, vai só você? - Me referi a viagem. 

- Quando perguntou se iria sozinho, eu contei que queria levar minha namorada comigo, só comigo, e ele perguntou quem era, como também disse que guardaria segredo eu contei que era você. Ganhei autorização para viajar por uma semana. 

Processei a história com cuidado... 

- Você é maluco Rafael! - Falei imaginando ele falando tudo isso, o mesmo riu e me esperou terminar. 

- Não sei se o Iago vai deixar, vamos iniciar nossas atividades.. semana... que... vem... Você planejou tudo? - Ameacei bater no pálido de cabelos castanhos na minha frente. 

- Surpreendentemente não!!! 

Cai na risada ao pensar na cagada que foi as datas baterem. 

- Mas, isso só vai dar certo se formos daqui a algumas horas. - Observei. 

- Então se você topar, teremos que ser rápidos. - Deu de ombros, é legal quando você está ao lado que alguém que gosta, as coisas ficam mais fáceis. 

- Eu topo, vou pedir pra Carol vir pra cá. - Falei e peguei meu celular chamando a mais nova.

Em menos de dez minutos a loira estava na sala ouvindo atentamente a ideia maluca do meu namorado que logo havia se tornado minha também.

- Bem, já que a animação de vocês é palpável, vamos nos planejar, contar pro Iago que vocês namoram e é isso ae. – Disse a líder, convocando outras duas doidinhas, já que Malu estava ocupada fazendo sei á o que e Feh acordou inspirada para criar o rascunho dos figurinos do comeback já que as músicas estavam prontas.

Rafa foi buscar os membros que também não tinham nada para fazer e logo voltaria para logo colocarmos nosso plano em ação.

 

Julia

 

Carol salvou meu dia, já que estava fazendo vários nadas enquanto andava sem rumo pela Big Hit – que nem tinha mais graça já que eu tinha desbravado o local com as meninas quando chegamos -, a líder me ligou falando que tinha um assunto emergencial para tratar e com isso segui para o dormitório, passando pelas salas de dança e encarando algo em uma delas que me deixou de queixo caído.

Mesmo olhando por uma abertura relevante da porta meus olhos tardaram a acreditar no que estavam vendo, na minha mente, então, tudo passava em câmera lenta.

Malu ensinava algo a Jungkook, o que depois de uns cinco segundos encarei sendo dança contemporânea. O mais impressionante não foi o contemporâneo, já que também dançava, o que me assustou era a morena e o mais velho se tratando como amigos íntimos!

Malu algumas vezes tinha que o tocar para corrigir algum movimento e o mesmo não se importava, mesmo abaixando um pouco a cabeça ou sorrindo minimamente por conta da vergonha do momento. 

Meu “eu” Majung se manifestou, então peguei meu celular e tirei duas fotos, uma dos dois dançando, outra dela com a mão no rosto de Kook, corrigindo um movimento da cabeça e gravei um vídeo deles dançando alguma coreografia que provavelmente a morena tinha criado. 

Pelo que vi, os mesmos estavam tão concentrados no momento que sequer pensaram que alguém estava os observando. E eu estava tão concentrada com meu OTP que sequer percebi que tinham se passado quase quinze minutos desde que Carol tinha me ligado.

Parei com a espionagem e finalmente me dirigi ao dormitório, recebendo um grito da líder pela minha aparente demora e olhares curiosos de Bruna e Mia.

- Julia! Você parou em algum lugar pra cagar sua vagabunda? Que demora foi essa? – Carolina é conhecia por ser delicada como um touro.

- Estava observando uma interação do meu OTP! - Respondi, fazendo as mesmas me olharem de um jeito estranho. 

- Majung? - Mi perguntou e assenti. - Impossível!! O Jungkook é pior que bicho do mato quando se trata de mulheres. - Elas riram com o comentário, Bru vendo que minha feição não havia mudado ficou séria.

- Sério mesmo? - Mostrei a foto da morena tocando no pescoço do maknae do BTS e ela arregalou os olhos. 

- É, dessa vez a Ju tá  certa... – A mais velha disse depois de uns 10 segundos encarando a foto. 

Carol e Mi vieram para o lado de Bruna,ficando paralisadas olhando o meu celular. O virei para mim novamente e coloquei no vídeo, elas se surpreenderam mais ainda, se isso era possível. 

- Bem agora que já vimos isso, posso continuar shippando Majung em paz e eu queria perguntar, porquê me chamou? 

- Bem... - A líder começou, eu já estava imaginando o que viria pela frente. Sempre que ela começava a falar algo assim, significava confusão e uma ideia maluca vindo.

Esse dia não poderia ser melhor, interação do OTP e um esquema chegando, os próximos dias prometiam.

 

Mia

 

Depois daquela baderna de café da manhã, fiquei explorando os corredores da Big Hit com Klaus, Victor e Yuri. Os dois primeiros pareciam duas criancinhas em um ambiente totalmente novo e o pior é que eles eram mesmo! 

O único que me preocupava era Yuri, que desde que viu a “proximidade” entre Carol e Suga ficou estranho.

Quando chegamos a área dos jardins da Big Hit, os moleques começaram a badernar, dançando e lutando capoeira o gramado e Yuri sentou em um banco e ficou lá mongando.
Ahhhh não, perto de mim ninguém fica murcho não!

Sentei do seu lado e já joguei a bomba:

- Que bicho te mordeu pra você ficar tão mole e chato desse jeito? – Perguntei impaciente.

- Não enche Mia, hoje não estou a fim de nada okay? – Retrucou irritado me deixando espantada por míseros segundos.

Liguei todos os fatos, Yuri ainda tinha uma queda pela Carol, viu Suga o encarando mortalmente – todos viram – e nessa manhã ela senta ao lado do rapper.

- Está com ciúmes da Carol, não é? – Me atrevi a perguntar e recebi como resposta um olhar estranho dele, confirmando minhas suspeitas.

- Não são ciúmes, é algo estranho. – Disse.

- Que seria?

- Um assunto não acabado, parece que ficamos em um empasse já que paramos de nos falar do nada e logo depois vocês viajaram, isso deixou um abismo entre nós dois.

- Não foi só entre vocês, poderíamos estar animadas para vir, mas todos sentíamos o clima pesado entre vocês, a diferença é que vocês sabem disfarçar muito bem então todos relevamos. – Expliquei antes de meu celular vibrar indicando uma mensagem recebida.

Enquanto lia a convocação que Carol tinha mandado para mim e para os meninos que estavam comigo Yuri se manifesta:

- Tenho que encerrar esse assunto. – Disse com convicção.

- Vou pedir pra você resolver isso depois, Carol acabou de convocar todos para uma missão envolvendo a Bru e o Rafa.

- Então ela está apoiando o plano? – Perguntou surpreso.

- Que plano? – Não entendi nada.

- Você vai descobrir assim que chegarmos lá. – Disse se levantando e chamando as duas crianças que estavam brincando de acrobacias descalços no meio do gramado, eu mereço viu!

Voltamos às pressas para o dormitório e assim que entrei minha curiosidade não era mais contida.

- O que aconteceu e que raio de plano é esse? – Quase gritei enquanto me dirigia a loira, que revirava os olhos, já conhecendo meu comportamento.

Carol explicou tudo para nós já cansada de repetir a história e isso me dava vontade de rir muito, já que a mesma quando está estressada fica completamente fofa.

- Bem agora que eu sei esse plano até de trás para frente, vamos as tarefas, eu e as meninas vamos contar ao Iago que a Bruna namora, Rafa compra as passagens, Victor e Klaus acham o Chris e os três vão ajudar no transporte das malas até a van e o menos suicida vai dirigindo e Yuri, preciso que veja toda a documentação dos pombinhos aqui para não termos nenhum problema. – Carol disse sem nenhuma interrupção e todos já começaram suas tarefas.

O trio foi procurar uma van, Yuri começou a ver quais documentos era necessário, Rafa já estava comprando a passagem e nós acompanhando Bru e Carol para dar causar mais um ataque cardíaco no nosso CEO. 

 

Carol

 

Fomos até um dos quartos de hóspedes no andar acima do nosso, segundo Renato Iago tinha chegado a umas quatro horas e esperávamos que essa conversa não fosse adiada, por ser um assunto urgente e ele já está acostumado a nós coisas inesperadas vindas de nós. 

Bati na porta com as outras três curiosas me espremendo na madeira fria. A porta foi aberta e a líder sortuda que sou cai com a cara no chão por conta das três atrás de mim. 
Levantei com minha cara de bosta de sempre e olhei para as três desastradas, que sorriram como se eu fosse uma mãe prestes a dar um castigo - mas acho que eu sou mesmo - me virando logo em seguida me virando para o CEO se segurando para não gargalhar da minha cara. 

- Nem pense nisso. - Disse grossa. 

- Okay, prometo não rir enquanto estiverem aqui. Pelo jeito que estavam batendo era urgente. As boas vindas de ontem não eram suficientes? 

- Sim, eram suficientes, mas viemos para oura coisa. – Respondi cortando a sua áurea divertida. - Temos algo bem sério para te falar. 

- Pelo amor de Deus, eu fico fora quase duas semanas e elas já tem algo sério pra me falar, podem me poupar de ataques cardíacos por pelo menos um mês? - Juntou as mãos em forma de oração olhando para o alto. Depois se voltou para mim com uma cara de CEO sério - Ta, pode falar. 

- Ninguém pediu pra ser nosso CEO. - Respondi brincalhona a seu pedido. - É que.... 

Inesperadamente travei. Como contaria que ela namorava a quase um ano? 

- É o que? 

- Bem.... –

- Carolina, o que aconteceu? - Iago começou a se preocupar. 

- Não é o que aconteceu, - Encarei as três atrás de mim, mas recebi olhares de quem não sabia o que fazer, ótimo, maravilha - Mas que provavelmente vai acontecer... 

- Que é.... 

Bru se pôs à minha frente, nervosa e tímida, claro, mas assumindo algo que talvez só ela poderia dizer naquele momento. 

- Eu namoro a quase um ano e quero viajar com o meu namorado por uma semana antes de começar as atividades aqui na Coréia oficialmente. - Disse de uma vez, rápida e direta causando uma confusão na mente do loiro a nossa frente. 

- O que? - Sim, era inacreditável. A mais tímida do grupo era a única que namorava. 

- Eu namoro a quase um ano. - A morena voltou para a primeira novidade. 

- Com quem? - Iago assumiu uma feição curiosa. 

- O Rafa 

- BBOYS? 

- Sim. 

Cinco segundos de silêncio. 

- Okay, isso eu já absorvi. Agora, você disse que quer viajar com ele por uma semana? - Perguntou o CEO novamente. 

- Sim 

- Onde? 

- Noruega 

–Você tem bom gosto baixinha! Bem, isso foi uma surpresa e tanto, mas esperava algo pior, como vocês matando alguém e quiserem minha ajuda para esconder o corpo. 

- Que tipo de pessoas você acha que somos afinal? - Finalmente me manifestei ali. 

- LOUCAS! 

- Okay, okay, sem desviar do assunto. - Bruna estava mesmo focada nisso. - Você deixa? - Perguntou finalmente ao mais velho. 

Iago tentou em vão fazer um suspense mas sabíamos que ele já tinha deixado, ao perceber que não riríamos fez cara feia e desistiu de ser engraçado. 

- Tudo bem, ta liberada. Só que, tudo tem que ser secreto, os grupos podem ajudar na hora de ir ao aeroporto e nos outros processos até a ida. Eu irei junto e quero saber de todos os detalhes da organização da viajem.

- Obrigada! - Disse e eu suspirei aliviada, agora era só organizar essa viajem.

 

Bruna

 

Malas prontas, passaporte, documentos, máscaras, as pessoas que deveriam saber sabendo, enfim, tudo planejado.Saímos quatro horas depois de "iniciarmos" o plano para Rafa e eu irmos em segurança. Saímos com as roupas mais discretas possíveis e na van fomos acompanhados pelas meninas, já que o BBOYS não era do tipo discreto em qualquer situação, os mesmos tratariam de fazer uma bagunça moderada na Big Hit para não notarem a nossa presença.

Durante a viajem Carol foi nos introduzindo a agenda da semana, da qual eu estaria fora por conta da viajem.

- Primeiramente, amanhã vai finalmente ser lançada a campanha que a Malu fez com o Hope e com isso acontecerá uma coletiva de imprensa, durante a tarde e outras duas durante a semana.

Lancei um olhar com um pouco de malícia para a mais nova, sempre lembro do beijo acidental com Hope relatado pela mesma.

- Durante a semana também Mia, Ju e eu seremos as idols convidadas de um programa de variedades, a folha tá borrada então não consigo ler e nem lembro o nome então quando voltarmos damos uma olhada.

Isso seria interessante de ver, Ju é muito boa em variedades.

- Por fim Fernanda receberá quando retornarmos um convite especial, não direi mais nada para não estragar a surpresa.

Olhei para a mais velha do grupo que dirigia com olhar interrogativo enquanto tentava se concentrar no trânsito de Seul.

Só saberia quando retornasse ou se recebesse alguma mensagem durante minha ausência, que merda...

Chegando perto do aeroporto, deixamos Ju e Malu na entrada principal, já que chamariam mais atenção e isso ajudaria, em frente à área de embarque deixamos Carol, Rafa e Mih, que pegaram as malas e iriam fazer o check-in do mesmo. 

Fui com Feh até o estacionamento e ao deixarmos o veículo fomos por outra entrada.

Depois de uns quinze minutos nos movimentando para não parecer suspeito - já que também tínhamos uma aparência que "chamava a atenção" -, recebemos uma mensagem de Carol que dizia que Rafa já havia entrado na sala de embarque.

A mais velha e eu fomos em direção do balcão e os procedimentos foram feitos rapidamente, também entrei na sala e sentei afastada do meu namorado, mas ainda mantendo contato visual.

Vinte minutos depois as portas de abriram e todos se prepararam para entrar, no meio da fila eu e Rafa ficamos lado a lado e totalmente quietos entramos no avião, sentando lado a lado e suspirando por poder relaxar, já que aparentemente ninguém havia nos notado.

- Não foi tão difícil... - Disse ele segurando minhas mãos.

- Pois é, agora partiu Noruega!

 

 

Fernanda

 

Deixei Bruna na sala de embarque e fui encontrar as meninas, nos cruzamos e por mensagem decidimos cada uma sair por onde entrou, fui ao estacionamento e liguei a van, passando depois em cada uma das entradas e pegando as minhas companheiras.

- Pode me contar o que está tramando Carolina? Meu compromisso da semana é desconhecido ainda... - Comecei olhando atentamente para o trânsito de Seul.

- A surpresa não é minha, então não vou contar, só vou te deixar curiosa até chegarmos. - Respondeu ostentando um sorriso vitorioso pelo retrovisor, sorriso este que ficou até chegamos no prédio da Big Hit.

Devolvi a van para sua vaga querida e nos corredores da Big Hit, fui chamada por Vitor no celular, dizendo que Hitman gostaria de falar comigo. Mesmo com medo de levar uma bronca por um motivo que nem sei qual é e estranhando o fato do Vitor ter me avisado, andei até o escritório de meu superior, batendo na porta e entrando após receber autorização para adentrar o cômodo.

- Olá Fernanda, creio que se lembra deste artista a minha frente. - Hitman disse calmo sentado em sua cadeira, gesticulando para G-Dragon sentado à frente dele.

- Sim, olá. - Disse me curvando levemente, fazia tempo que não me curvava.

- Não precisa de toda essa polidez, por favor. - O mais velho respondeu.

- Bem acho que deve estar se perguntando o porquê de estar aqui, - Concordei - mas não sou a melhor pessoa para falar sobre isso, por favor Jiyoung.

- Estou iniciando as primeiras composições para meu próximo álbum, e uma das músicas em especial é uma parceira. Quando escutei novamente o áudio de Borders percebi que sua voz é a que eu estava procurando, então gostaria de saber se quer cantar essa música comigo.

Não..... Não era possível, Kwon Jiyoung, G-Dragon, me convidando para uma parceira!!! Calma mulher,calma, muita calma e responda sem transparecer toda essa alegria.

- Eu adoraria. - Respondi com a calma que ainda estava em mim e fui correspondida por sorrisos gentis dos dois a minha frente.

- Eu gostaria que fosse comigo para a YG, assim te mostraria os arranjos e a letra, Hitman autorizou, mas o que importa é se vc quer e pode ir agora. - G-Dragon disse.

- Eu prefiro ir agora, assim tenho mais tempo pra me preparar para a gravação. - Respondi, afinal, tínhamos que ver os arranjos, voz, letra, melodia, harmonia e tudo mais. - Eu só preciso pegar algumas coisas no dormitório. - Falei com um pouco de medo de parecer inconveniente por ele ter de esperar mais um pouco.

- Claro, pegue o que precisar e me encontre na recepção. - Disse piscando discretamente, tão discreto que Hitman não percebeu.

- Com licença. - Sai da sala e fui para meu dormitório, dando de cara com quatro carinhas ansiosas.

- E aí, aceitou? - Mih perguntou segurando a mão de Jo.

- Mas é claro que eu aceitei!!! - Quase gritei e ela vieram me abraçar, parabenizando pela parceria.

- Okay, agradeço os parabéns mesmo não precisando, agora tenho que pegar alguma coisa pois vamos a YG.

Os queixos de todas caíram juntos.

- Cuidado hein Fernandinha? - Carol me provocou com aquele olhar malicioso que só ela tinha.

- Aquieta o cu aí, a mais velha sou eu! - Rebati indo para meu quarto, deixando as quatro mais novas na sala de zoando.

 

Autora

 

Depois de Bruna embarcar com o namorado para a Noruega e Fernanda ir para a empresa de um quase paquera começar os preparativos de uma parceria, as quatro restantes se viram sem ter o que fazer já que por causa do plano para levar a companheira ao aeroporto receberam o dia de folga.

Porém como se trata de M.B o dia nunca estaria sossegado, já que os quatro membros do BBOYS apareceram de surpresa no dormitório na mesma situação.

- Seção cinema!!! - Gritaram Ju e Klaus ao mesmo tempo, logo depois se olhando de forma provocativa, algo comum entre primos.

Depois do debut do BBOYS os dois descobriram ser primos distantes, mas esconderam esse fato pela mais nova ter medo de criticarem o novo parente por acharem que o mesmo seria privilegiado e teria entrado no grupo de mão beijada e não pelo próprio esforço.

Como ninguém mais tinha uma sugestão decidiram fazer uma tonelada de doces de sua terra natal pra matar a saudade.
Após uns quarenta minutos na cozinha, com a permissão de Fernanda é claro, saíram de lá cada um com um prato - mesmo Carol achando que algo estava faltando.

No caminho, por ironia do destino, deram de cara com Suga, J-hope, Jimin e Jungkook, no mesmo estado de tédio que se encontravam a quase uma hora atrás. Ju com toda sua alegria convidou os mesmos para a seção cinema e por não terem mais nenhum compromisso os membros do BTS seguiram os ainda novos amigos em direção ao dormitório do M.B.

 

Jungkook

 

Não me lembro de quem veio a ideia de fazer uma sessão de cinema do dormitório do M.B, mas sinceramente, queria dar uns belos socos nessa ou nessas pessoas. 

Por que? 

Porque eu via todos conversando na cozinha enquanto estava paralisado no encosto da porta, esperando uma bela oportunidade para sair, já que a porta havia ficado aberta para ajudar o ar condicionado com a ventilação por conta da quantidade de idols ali. 

Ouvi Carol ao longe sugerir que fizessem cookies caseiros e alguns se juntaram na cozinha para ajudar e outros ficaram em volta conversando. 

- Vamos fazer o dobro da receita, aí metade a gente come a massa crua! - A loira exclamou animada e eu me assustei, como ela conseguia comer aquilo cru? 

- Okay, Mih passa a farinha! - Malu chamou a maknae do grupo, que buscou mais um pouco do ingrediente no armário. 

Depois de várias conversas animadas entre eles - já que fiquei de fora devido a uma timidez que nem eu sabia de onde vinha - fui para a sala, me sentei no sofá e tentei me entreter com meu celular, em vão, já que eu desejava estar lá com eles conversando e rindo, mas eu tinha um bloqueio. 

O problema era que depois de dois minutos, meu celular mais me estressava do que ajudava, e isso estava se tornando cansativo. Eu havia até perdido a noção do tempo, até que uma voz conhecida me chamou. 

- JungKook! - Malu apareceu ao meu lado, com um pote cheio de massa de cookie, obviamente cru. 

- Achei que Carol estava brincando, vocês realmente comem a massa crua? - Passei a mão pelos cabelos nervoso, sabia que ela me obrigaria a experimentar.

- Sim, mas esse é seu. Não se isole tanto e venha depois pra cozinha, mesmo que você não perceba, você faz falta. - Disse, colocou o pote nas minhas mãos e saiu sem falar mais nada. 

Olhando para o desconhecido, peguei a colher e pus uma quantidade mínima na boca, esperando as caretas virem, mas fui surpreendido pelo sabor. Aquilo realmente era bom! 

- Pelo visto gostou da massa, não é? - A morena havia retornado, dessa vez com um pote também pra ela, com o pouco menos do que o meu tinha. 

- Estava inseguro no começo, agora estou viciado! - Ri ao perceber o quanto doido eu estava pela massa, arrancando risadas da mais nova também. 

- Você não viu nada ainda do que sabemos fazer, vai querer se mudar para o Brasil depois. 

- Se tudo que tiver lá for tão saboroso, não será uma ideia tão ruim. - Falei e um silêncio confortável se instalou, o único som era das nossas colheres batendo no pote. Até que a morena diz do nada: 

- O cheiro está ficando muito bom! 

Fiquei quieto e senti o cheiro maravilhoso que saia da cozinha e depois de sermos assanhados pelo aroma, voltamos para lá, eu continuei encostado na porta, mas pela primeira vez falei algo naquele ambiente. 

- O Jin vai ficar muito bravo quando perceber que além de perder uma comida maravilhosa, está perdendo o posto de cozinheiro! - Falei alto e Carol, que vigiava seus bebês no forno retrucou. 

- Pois é, acho que teremos que fazer uma competição aqui. 

- Eu apoio, vou ser uma das juradas. - Malu levantou a mão. 

- Você não, você come tudo que tiver pela frente, tem que ser alguém com senso crítico! - Carol exclamou para a amiga. 

- Pare de ser tão má, só quero ajudar. - Se defendeu. 

- Ajudar a alimentar a lombriga que está no seu estômago isso sim!! - Ju exclamou e estranhei, Malu sempre comeu o normal para um ser humano, a não ser quando as meninas chegaram, mas elas ficaram horas dando autógrafos então não contava. 

- Vou fazer a pipoca enquanto vocês continuam discutindo sobre a fome dela. - Klaus se manifestou e foi em direção ao armário pegando o milho. 

- Mas você não come tanto... - Hope disse a Malu, não entendendo o papo sobre a “lombriga”. 

- Isso porque vocês não a viram no dormitório, não é à toa que por isso temos uma cozinha aqui! - Julia respondeu divertida. 

- Okay confesso, como mais do que o M.B todo. - A morena ergue as mãos para cima em rendição. - Mas vamos falar sobre outra coisa, falar sobre minha fome me dá mais fome! 

Todos rimos, foi legal conhecer esse lado bem largado dela, roupa simples, cabelo ao natural, sem maquiagem, sendo ela mesma e simplesmente vivendo o momento. 

Depois de alguns minutos finalmente tudo ficou pronto e nos instalamos na sala com toda a comida, cobertores e travesseiros que tínhamos direito. 

Claro que eu, Hope, Suga e Jimin estranhamos quando eles começar a deitar um sobre o outro, já que aqui não éramos acostumados com contato físico, então ficamos mais nas bordas, ainda confortáveis. 

Observei a posição de todos e isso é o que eu chamaria de grupo de amigos: Ju com a cabeça no colo de Klaus, Mia apoiada na Ju,Christian ao lado de Mia, Carol e Malu uma ao lado da outra já arrumando uma posição boa para dormir e para encerrar Yuri e Victor no chão, o primeiro estava mais largado, já o segundo se encostava nas pernas de Malu procurando um apoio. 

Yuri como estava mais perto colocou o filme assim que acabamos de nos ajeitar. 

Jimin ficou igual a Victor, só que nas pernas de Carol, Hope ao lado de Klaus, Suga largado no que restou do sofá e eu um pouco mais afastado, mas sem deixar de fazer presença cumprindo o desejo da morena, eu acho.

O filme começou e pelo menos metade de todos estávamos prestando atenção, depois alguns dormiram e outros simplesmente voaram para outra dimensão, como eu.

 

Rap Monster

 

Surpreendentemente, a gravação do programa durou o dia todo, porém, não ficamos nenhum pouco cansados já que todos presentes estavam em uma sintonia incrível e tudo corria naturalmente, nenhuma atuação.

Houve um certo clima entre V e Irene, envolvia mais vergonha, é claro, mas eles se encaravam de forma intensa algumas vezes. Sem querer deixamos Seugli e Jin de vela, já que eu e Wendy ficamos mais próximos conforme o tempo passava dentro daquele estúdio.

Eu poderia dizer que Wendy era uma criança presa a um corpo de mulher, isso me encantava e prendia minha atenção em seus olhos que brilhavam a qualquer acontecimento, por mais simples que seja.

Ao contrário de mim, que sou mais neutro da maioria das situações, a mais baixa era uma explosão de alegria e na maioria das vezes, a causa das crises de risadas no meio do Happy Together.

- Corta! Encerramos pessoal, obrigado! - Gritou o diretor e todos começaram a arrumar o cenário, câmeras e outros equipamentos.

Olhei para minha direita e V encarava o celular, me estiquei um pouco e vi qual horário era: 19:45.

- Vai ficar parado até o manager chegar? - Perguntei ao mais novo, parece que quanto mais Tae ficava no mesmo ambiente que sua crush suprema, mais nervoso ele ficava.

- Vou. - Concordou e voltou a se sentar no sofá que gravamos o dia rodo. Olhei para Jin que estava conversando com um dia funcionários e demos de ombro.

Se V quer assim, que assim seja.

- Monster! - Uma voz feminina me chamou do lado oposto e me virando dei de cara com Wendy. - Chame os meninos, trouxeram comida para nós no camarim.

- Okay, estamos indo. - Assenti e como Jin tinha ouvido já estava andando em direção ao local, chamei V e depois de um minuto de resistência o mesmo desistiu e começou a me seguir.

Chegando lá começamos a comer e conversar calmamente, como o assunto mudou de uma hora para outra e Tae amava animes, começou a se soltar.

- O mais legal de One Piece é que os episódios nunca ficam na mesmice, tem sempre algo novo acontecendo... 

Já imaginaram como ele ficou não é mesmo? Assim que o assunto animes surgiu, o mais novo despertou de seu bloqueio, começou a entrar na conversa e a comer animadamente, pelo que vi Irene pareceu ficar mais atenta, tanto no assunto quanto em Taehyung.

Depois de alguns minutos o manager das meninas entrou.

- Com licença, a van que buscaria o BTS está em um trânsito horrível devido a um acidente, então os meninos irão conosco. Passaremos também em um restaurante antes de irmos todos para seus respectivos dormitórios. - O manager das meninas anunciou.

- Okay. - Concordamos e esperamos até que o mesmo voltasse, ou seja, quando estivesse tudo pronto para nossa partida.

Depois de uns dez minutos acabando com o que restava da comida e pegando nossas coisas, entramos no veículo e saímos pelas ruas de Seul.

Dentro da van foi mais calmo comparando ao dia que fomos a Hongdae com o M.B, mas ainda assim não foi como um ônibus cheio de idosos, a van também era menor comparando com as outras que usávamos geralmente, com três fileiras de dois bancos cada um.

O manager foi na frente com o motorista, Wendy e eu fomos atrás, Jin e V depois e por fim Irene e Seulgi, que de todos foram as mais silenciosas.

Chegando ao restaurante percebemos que tanto Jin quanto Seugli haviam dormido, e com isso só nós cinco descemos, já que o motorista havia dito também que não estava com fome.

O restaurante tinha um segundo andar, reservado para pessoas mais "importantes" e que não poderiam se expor, que era o nosso caso. Com isso o manager ficou no andar de baixo, se certificando de que não entraria nenhum sasseng ou repórter.
Subimos e ocupamos uma mesa que ficava de frente para a janela, Irene e V de frente um para o outro mais perto do vidro, eu ao lado de Tae e Wendy a minha frente, conduzindo a conversa e não deixando que os dois tímidos ao nosso lado não parecessem dois mudos.

Depois do choque inicial que foi nos ver sentados a mesa comendo como em um encontro duplo, tudo foi fluindo. Inclusive Irene, que falou mais do que eu ouvi no programa e no camarim.
Conversa vai e conversa vem sinto algo tocar minha mão que estava apoiada na minha perna, aguçando um pouco meu tato, percebo que é um guardanapo e confuso olho para Wendy a minha frente também com uma mão em baixo na mesa.

Peguei o papel e discretamente olhei o que tinha nele, sorri fraco ao ver que era o número das duas e previ que eu e a mais baixa, além de manter contato, vamos fazer o trabalho de cupidos para os dois enrolados que tá na cara que se gostam.

Guardei o guardanapo no bolso e voltei a conversar.

Acabamos a refeição, voltamos para a van e seguimos viagem, Seugli, Irene e Wendy seriam deixadas primeiro então demoraria um pouco para encontrar minha cama e por fim meu corpo não resistiu.

Só lembro de estar com os olhos meio abertos e sentir alguém me dar um beijo na bochecha, sussurrar um "boa noite" e me deixar com meu sono profundo.

 

Suga

Enquanto estava pouco me fudendo para o filme, meus pensamentos flutuavam enquanto meu olhar investigativo alternava entre Carol e Jimin, que estavam muito estranhos. 

Jimin, nenhum pouco interessado no filme, conversava no celular com alguém que parecia ser bem íntimo dele, ao mesmo tempo que Carol observava a conversa de forma curiosa, mas sem segundas intenções, até que seus olhos arregalam e eu percebo pelo brilho da tela refletido neles que a mesma lacrimejava, como se estivesse triste e decepcionada com o que lesse. 

Isso me preocupou? Muito! Já que eu havia chateado a mesma naquele dia e não sabia como ela tinha ficado tão melhor rapidamente, mas outra vez estava estranha e ao ver isso eu também ficava. 

Logo depois Jimin soltou um sorriso sem graça e saquei com que ele falava: Momo. Depois de ficarem na festa feita por Nam os dois não paravam de conversar, além de se encontrarem uma ou duas vezes desde aquele dia. 

A lâmpada no meu cérebro acendeu e então eu liguei os pontos, Carol provavelmente estava vendo Jimin alegre conversando com Momo e agora estava chateada, concluí que a mesma tinha uma queda por ele. 

Um sentimento estranho tomou conta de mim junto com o pressentimento de que algo ruim iria acontecer e me preparei física e psicologicamente para qualquer coisa que viesse e ocorrer nas próximas horas.

Eu me sentia culpado por tê-la chateado então cuidaria para que isso não ocorresse.

 

Carol

 

Assim que todos nos ajeitamos e o filme começou o pior momento do dia estava se iniciando, e eu toda inocente achava que era o momento em que li as mensagens e fiquei mal.

Quem dera eu não ficasse “pior” como nas horas anteriores.

No meio daquele filme que já pouco me importava um brilho invade meus olhos e percebo que Jimin, agora nos meus pés, estava usando o celular, mais especificadamente trocando mensagens com alguém que percebo ser Momo.

Pêra...  Momo do Twice?

Sem acreditar vejo a pequenina foto do lado de seu contato e confirmo minhas suspeitas, Jimin estava falando com minha bias do Twice, que no caso também era bias da morena ao meu lado, agora já quase em sono profundo.

Como o filme já estava sem graça e o fato dele estar falando com Momo despertou minha curiosidade decidi ficar olhando a conversa, sem nenhuma intenção de usar isso contra ele.

“- O que está fazendo?”

“- Assistindo com algumas meninas do M.B e com o BBOYS, mas estamos tão cansados que a maioria está ignorando a televisão kkk”

“- Cansado do que Jimin? Pelo que me falou você não fez nada o dia todo kkkk”

“- Eu ajudei uma amiga e fiquei pensando sobre tudo o que ela me disse.”

“- Foi a líder do M.B não é?”

“- Como você sabe?”

“- Já li sobre ela, vi alguns vídeos em quem o grupo fala sobre os problemas que já tiveram, pelo menos três delas já tiveram depressão, quatro transtornos alimentares e também ouvi sobre déficit de atenção e dismorfia corporal, mas não é nada confirmado.”

“- Não acho que a Carol tenha isso ainda, acho que foi só uma fase...”

“- Não seja ridículo! Essa menina se aproveitou do distúrbio cerebral que ela tem para comover os fãs já que não consegue isso por conta própria. É muito óbvio que todas se fazem de coitadas para todos, essa é a única forma que têm para chamar atenção da população já que além de não fazer uma dieta própria e saudável, ficam por ai se jogando nos cantos e passando fome para tentarem serem bonitas. Especialmente a baleia loira, pessoas depressivas não são felizes igual ela, se a balofa quer tanto acabar com tudo se mata logo ao invés de dar entrevistas! Essas meninas são um bando de fingidas e eu ainda não acredito que você e mias um monte de fãs caíram nessa farsa, essas ai tem que voltar para aquele fim de mudo já que não nasceram para serem idols.”

Jimin não conseguiu responder, acho que por estar sem palavras e nunca ter imaginado que Momo pensasse assim, ou concordando silenciosamente, numa forma de se conformar.

”... Tenho que sair agora
Tenho que fugir disso
Aí vem a vergonha
Aí vem a vergonha...”

 

Eu não sabia o que penar, o que fazer ou como reagir, se é que eu fosse reagir naquele momento, é claro. Ainda estática encarei a cenas do filme que ainda estava rodando e pelo andamento da história constatei que estava por acabar.

Mesmo agoniada esperei silenciosamente, já que todos estavam dormindo – menos Suga que me encarava intensamente, porém desviei o olhar assim que percebi – e quando os créditos começaram, sai delicadamente do sofá, na medida possível, me dirigindo ao quarto que dividia com a dongs.

Tranquei a porta e num piscar de olhos já estava de moletom, calça e tênis, todos pretos na tentativa de disfarçar minha brancura e minhas gorduras, que estavam mais aparentes na minha opinião.

Eu estava voltando a me sentir gorda.

Voltei para a sala e dei de cara com todos “despertando”, já que a maioria havia dormido e Malu foi a primeira a notar minha presença e não deixou escapar as minhas intenções.

- Aonde você vai? – Perguntou séria.

Baixei o olhar e dei as costas, saindo sem responder nem a mais nova nem aos olhares interrogativos de todos presentes.

Me deparei com o escuro corredor, não demorando a sair o mais rápido possível daquele prédio que naquele momento tanto me sufocava.

Sai pelo subsolo, o mesmo caminho dos carros e fui até a avenida mais próxima, andando sem nenhum destino definido e logo tendo minha mente invadida por pensamentos acerca do que eu acabara de ver.

O que tinha levado Momo a pensar assim? De onde vinha aquela raiva que pude sentir pelo seu texto? Eu era tão abominável assim?

Com essas e mais perguntas minha lista de defeitos que minha mente sempre fez sem minha ordem voltou, fazendo cenas do meu passado passarem pelos meus olhos. 

Minha mão me chamando de fraca, eu conhecendo Malu, as conversas com a psicóloga, nós duas conhecendo as meninas, eu chorando com raiva de mim mesma, os primeiros ensaios do grupo, eu vomitando pela quarta vez em um único dia, nossa primeira apresentação, a noite em que tentei me matar ingerindo uma caixa de remédios e por fim nosso primeiro concerto, onde pela primeira vez abracei a morena que tanto me ajudou.

Quando voltei a realidade, me vi virando um copo de alguma bebida forte, coloquei o copo no balcão e sem me levantar olhei em voltar, percebi que tinha parado em um bar, mas ao invés de ser responsável decidi seguir minha merda de instinto, pedindo mais um copo e o virando em seguida.

“... Mas estou aguentando firme pela vida bela
Não olharei para baixo, não abrirei os olhos
Mantenho o copo cheio até amanhecer
Porque esta noite estou aguentando firme
Socorro, estou aguentando firme pela vida bela...”

 


Notas Finais


Enfim! Espero que gostem! Bjsss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...