História Make me yours - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Mark, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Alfa, Jikook, Jimin!ômega, Jungkook!alfa, Ômega
Exibições 1.047
Palavras 3.703
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hoje é terça-feira UHUU

Boa leitura

Capítulo 17 - Perfeito? Puro? Pecado?


Fanfic / Fanfiction Make me yours - Capítulo 17 - Perfeito? Puro? Pecado?


Jungkook

Mais um mês havia se passado e hoje era um dia muito especial, hoje finalmente iríamos oficializar para sempre a nossa união, e enquanto meu lobo uivava ansioso, meu coração batia como um louco e minhas mãos suavam. Eu me sentia um adolescente apaixonado com medo de ser rejeitado, respiro fundo e quase engasgo quando os padrinhos começam a entrar, eram apenas dois casais, o que de certo modo era bom... assim demorava menos tempo para que o meu ômega passasse por esse tapete vermelho.

Mas é claro que o meu primo tinha que soltar algum comentário indecente, fazendo o meu estômago borbulhar de raiva, contudo a raiva se dissipou assim que o cheiro doce de Jimin chegou até mim. Ergui o rosto e minha boca se entreabriu, ele estava tão lindo... não que ele já não fosse, mas havia algo no brilho dos seus olhos, no seu sorriso gentil, no seu andar cauteloso, no seu cheiro viciante... quer saber, Park Jimin é perfeito demais.

Não consigo pensar em mais nada, apenas anseio em sentir o seu toque, ofereço-lhe a minha mão e só então reparo que foi o Jackson quem o acompanhara. Amaterasu do céu, o quão inebriado eu podia estar por esse ômega? Sorrio ao sentir o calor dos seus dedos em contato com a minha pele levemente fria, estávamos agora de frente ao padre, perfeitamente vestidos sem que o sorriso abandonasse as nossas faces.

Tenho certeza de que o padre estava dizendo alguma coisa, mas parecia que estávamos na nossa bolha particular, parecia tudo tão mágico... quando Tae insistiu em me contar como fora a sensação, eu achei que ele estava exagerando. Vejo a boca do meu pequeno se mover e só assim volto a realidade, escuto as palavras que mais desejei escutar durante meses.

- Aceito. - ele diz sem quebrar o nosso contato visual, com as nossas mãos ainda unidas.

O padre repete aquela frase que no momento não consegui entender, na verdade, não era necessário, eu só esperei que o som de sua boca parasse de sair para enfim poder tornar Park Jimin meu.

- Aceito. - Jimin me sorri todo fofo e com os olhos marejados, ahhh senhor, ele será a omma dos meus filhos. - Eu te amo. - murmuro para que apenas ele possa ouvir e as suas bochechas começam a ficar vermelhas... tão adorável.

Então chega um dos melhores momentos, colocar as alianças, Amaterasu sabe o quanto eu sonhei com isso. Sinto-me um bobo, porém não me importo pois sei que no fundo Jimin ama esse meu lado, demoro um tempo analisando os seus dedos pequenos e gordinhos, realmente um bebê... o meu bebê Jimin. Coloca a aliança em seu anelar esquerdo e recebo um eye smile antes de sentir o toque suave do meu ômega em meu anelar enquanto coloca a aliança no mesmo.

Nem mesmo espero o padre me dar permissão, puxo o meu pequeno pela cintura e o beijo, ignorando o suspiro do padre e as palmas dos convidados, claro que não foi um beijo demorado nem muito profundo, mas foi com toda certeza apaixonante. E agora pertencíamos um ao outro, e logo teríamos um filhote, Amaterasu, como pude ser tão sortudo? 

- HORA DA FESTA! - sério, produção, como isso é um alfa mesmo?

- TaeTae! - o seu esposo tenta controla-lo, mas por algum motivo desconhecido para mim, Taehyung sobe no palco e começa a cantar. - Amaterasu amado! - Hobi se esconde, ou melhor, tenta se esconder atrás do Jimin.

- Você que casou com ele. - afirmo rindo. - Vamos dançar, meu amor? - pergunto ao meu esposo.

- Vamos, Kookie. - dá risada, deixando-me puxa-lo até a pista improvisada de dança, havíamos casado no jardim à pedido do meu amor, é claro.

Não era uma música muito agitada, como também não era música de velório, era suave e perfeita ao meu ponto de vista, afinal estávamos praticamente grudados e trocávamos beijos carinhosos enquanto nossos pés se moviam no ritmo da batida... tem coisa melhor do que isso? Sorrio maliciosamente e Jimin ri para depois negar com o indicador.

- Só na lua de mel. - ele brinca.

- Não sei se aguento até lá, meu amor. - faço um bico.

- Ahhh, aguenta sim, Jeon Jungkook. - então ele se afasta assim que a música acaba e me puxa até a mesa de comida. - Estou com fome.

Paramos ao lado da comida e pego-me hipnotizado pela sua face, lábios no formato de um bico, bochechas cheinhas e levemente vermelhas, olhos atentos e brilhantes... tão infantil e lindo. Abraço-o por trás, ignorando a vontade de comer nesse momento, depois roubarei alguns petiscos do seu prato, rio com o pensamento e ouço um resmungo.

- Nem pense que você vai roubar algo do meu prato, Jeon Jungkook. - avisa com um tom mais sério.

- Você vai me deixar morrer de fome, pequeno? - apelo para a fofura. - Eu estou aqui, aquecendo e protegendo as suas costas... e você me agradece assim?

- Oh, alfa dramático. - bufa e depois ri. - Depois eu que sou o manhoso. 

- Mas você é. - murmuro e mordisco o lóbulo da sua orelha, fazendo o meu ômega se arrepiar.

Jimin resmunga alguma coisa e começa a andar em direção a nossa mesa, sentamos lado a lado e por mais que havia dito que não iria me dar comida, o meu ômega fez questão de colocar o prato entre nós dois. Sorrio e ele desvia os olhos ao mesmo tempo em que um bico emburrado se faz presente, puxo uma de suas mãos e levo até os lábios, depositando um beijo terno na mesma.

- Você é um bobo. - ele retruca como se fosse uma criança. - Yah! Pare de me olhar assim! - suas bochechas ganham um tom róseo.

- Você sabe que eu não consigo, meu amor. - dou uma risada e Jimin me mostra a língua antes de começar a comer. - E como vai o nosso bebê? - solto a sua mão e acariciou a sua barriga.

Ainda não havia nada ali, mas Jimin já havia me confessado que estava muito mais sensível, o que era normal e de algum modo me deixava ainda mais protetor com ele.

- Está bem. - ele ri soprado. - Eu quero só ver quando eu estiver de cinco, seis meses. - comenta com um sorriso. - Meu príncipe corujão. 

Agora fora a minha vez de corar, não sabia o motivo ao certo, porém esse apelido "meu príncipe" mexia comigo de uma maneira surreal... não sei se era pelo fato de ter o prefixo "meu" ou pelo jeito que a sua voz parecia cantar ao dizer ou pelos seus olhos que brilhavam. Eu só sabia que meu peito se aquecia, meu lobo se agitava e eu me sentia um bobo apaixonado... não que eu não fosse.

- Kookie? - sinto-o cutucar a minha bochecha. 

- Desculpe, pequeno. - puxo o seu rosto e beijos os seus lábios, chupando-os lentamente antes de nos separar. - Eu te amo tanto, meu amor.

- Você é um bobo, sabia? - um sorriso começa a se formar em seu rosto. - Mas eu te amo mesmo assim, Jungkook. - e o sorriso se completa formando um lindo eye smile.

#

Depois de umas duas horas, nós nos despedimos dos convidados já que Jimin se sentia um pouco cansado e tinhamos que arrumar as malas para a lua de mel. 

- Você vai descansar um pouco antes de pensar em arrumar as malas, Park Jimin. - digo sério, carregando-o até a cama. 

- Mas, Kookie... - interrompo-o com um beijo. - Assim não vale! - faz um bico.

Seus olhos mal ficavam abertos e ele estava se recusando a descansar, reviro os olhos e penso em como convencê-lo. De uns dias para cá, Jimin vem ficando mais "genioso" e é bem complicado quando ele coloca algo na cabeça, ontem por exemplo ele fez birra até que o deixamos ajudar a Bin a fazer o bolo de casamento, claro que isso resultou em uma noite pedindo carinho.

- Pequeno, vamos fazer assim. - falo e vejo que a sua atenção está focada em mim. - Você descansa um pouco e eu vou arrumando as malas.

- Mas isso não é justo com você. - murmura, começando a ceder ao cansaço.

Estamos deitados um de frente para o outro, dou um sorriso ao ver os seus olhos fecharem-se por completo.

- Promete que me acorda daqui a pouco? - pede manhoso.

- Claro, meu amor. - acaricio a sua bochecha.

Fico esperando que o mesmo adormeça e assim que a sua respiração se torna leve, dou-lhe um beijo na bochecha e levanto. Eram muito raras as ocasiões em que arrumava as malas, sempre achei um trabalho chato, porém para preservar a saúde do meu ômega, eu até limparia a casa.

#

- Terminamos! - afirmou com um sorriso e depois sentou-se na beira da cama. - Kookie. - chamou-me ao fazer um bico manhoso.

- Sim, meu amor? - vou até o meu pequeno e com cuidado nos deito na cama.

- Você ainda não me disse onde iremos passar a nossa lua de mel. - murmurou ainda com o bico.

- É surpresa, pequeno. - beijo os seus lábios macios. - Vai ser uma semana cheia de surpresas. - brinco e ele sorri.

Acolho-o em meus braços, envolvendo o meu pequeno no meu calor, sinto seu nariz tocar o meu pescoço causando-me um arrepio leve e gostoso.

- Jungkook, o seu cheiro... - comenta ao erguer o rosto, observando-me cautelosamente. - Está ficando mais forte.

Sabia muito bem aonde ele queria chegar, Jimin só estava com receio de falar algo que me enfurecesse. Era fato que o meu cio estava chegando e provavelmente seria durante a nossa lua de mel, e de certa forma isso me preocupava... eu não queria machuca-los.

- Você quer adiar a lua de mel? - indago com calma, observando cada uma das suas reações.

- Não. - nega meio pensativo. - Eu só queria confirmar... só isso. - as suas bochechas começam a corar.

A conversa poderia terminar assim, desse modo bonito e concreto, porém seria errado e nós precisavamos esclarecer algumas coisas.

- Amor, me diga o que está te incomodando... você não quer passar o cio comigo? - indago com o coração apertado.

- E-Eu quero. - responde meio nervoso, desvia o olhar encarando as próprias mãos. - Mas eu tenho medo.

- Medo de que machuque o bebê? - Jimin parecia tão frágil naquele momento que eu não duvidaria do mesmo começar a falar em terceira pessoa.

- Não acho que você nos machucaria, Kookie. - sua resposta me surpreende. - Eu tenho medo de fazer algo errado, de te decepcionar ou de me assustar com o seu lobo.

Então finalmente compreendi o que estava afligindo-o, dou um pequeno sorriso para tranquiliza-lo e volto a acariciar as suas bochechas enquanto penso nas melhores palavras para lhe dizer.

- Não tem o que você possa fazer errado, meu amor, e você nunca me decepcionaria. - afirmo vendo os seus olhos voltarem a me fitar. - Você é o meu ômega... você é quem eu escolhi para passar o resto da minha vida então pra mim tudo que você fizer será perfeito.

Seu cheiro demonstrava que ainda estava um pouco confuso e amedrontado, o meu pequeno é tão delicado e já sofreu tanto nessa vida, por isso é compreensível esse medo do desconhecido... ainda mais depois de perder anos de memória.

- E o meu lobo nunca faria algo para te assustar, meu pequeno, porque você o aceitou... o seu ômega me aprovou para ser o seu companheiro. - afirmo ao sorrir notando Jimin um pouco mais relaxado.

- Eu confio em você. - ele diz antes de se aninhar em meus braços.

- Eu sei que sim. - sussurro em seu ouvido e ouço algo muito parecido com um ronronar, seguro o riso enquanto lhe faço um afago nas costas. - Está com fome?

- Um pouco. - responde abafado pelo meu peito. - Que horas vamos sair?

- Estava pensando em jantarmos e logo em seguida partirmos, o que acha? - ele ergue o rosto e deposita um beijo em meu pescoço. - Isso foi um sim? - brinco e ele sorri do seu jeito fofo e envergonhado. 

- Podemos comer agora? - indaga com um bico.

- Claro que podemos, pequeno. - beijo a sua testa antes de levantarmos para ir jantar.

#

Depois de nos despedirmos do pessoal, pedi a ajuda do meu primo para carregarmos as malas, Jimin reclamou dizendo que ele poderia fazer isso, mas até parece que alguém naquela casa o deixaria carregar peso. E agora estávamos dentro do carro, que eu raramente usava por me sentir muito preso dentro do mesmo, contudo os meus amores mereciam uma viagem confortável.

Jimin dormia no banco da frente, às vezes murmurando o meu nome, outras pedindo bolo para a Bin noona, seguro o riso ao ouvi-lo dizer "Kookie" de um modo bem manhoso. Amaterasu sabe o quanto estou me controlando aqui, para não parar esse carro e beijar o meu ômega até consumirmos o nosso amor nesse banco de couro preto.

- Kookie? - fito-o e vejo as costas das suas mãos coçando os seus olhos. - Onde estamos?

- Estamos quase lá... daqui meia hora estaremos lá. - informo-o tirando por alguns segundos os olhos da estrada para observa-lo.

Meu ômega parecia um pedaço de mal caminho mesmo com esse bico fofo de quem acabara de acordar, tasco-lhe um beijo na bochecha ouvindo um resmungo do mesmo.

- O que foi, meu amor? - então ele se vira um pouco no banco, encarando-me.

- Eu tive um sonho. - diz de um modo inocente, mas que por algum motivo me pareceu falso. - Com você. - e lá veio o sorriso malicioso.

Senti um arrepio em meu baixo ventre, e antes que desse merda, parei o carro no primeiro acostamente que vi. Por sorte era de madrugada e ninguém estava passando por ali, pois pelo olhar de Park Jimin, iríamos chegar um pouco mais tarde na nossa lua de mel.

- O que você sonhou? - arrisquei mesmo sabendo que provavelmente o foderia dentro desse carro dependendo da resposta.

Mas ao invés de responder, Jimin soltou-se do cinto e ficou praticamente de quatro em minha direção enquanto abaixava a minha calça e tirava o meu membro já ereto de dentro da cueca. Sua mão pequena começou a me masturbar devagar e minha cabeça foi de encontro ao couro do encosto, gemi arrastado assim que língua quente e molhada entrou em contato com a minha glande.

Eu sabia que durante a gravidez, Jimin poderia ter alguns desejos sexuais que nunca foram peculiares da sua pessoa, então ele me abocanha fazendo meus dedos cravarem no estofado do banco. Amaterasu do céu, o que é essa boca quentinha de Park Jimin? Nem tento mais controlar os gemidos, como poderia quando se tem um ômega lhe chupando e bombeando o que não cabe em sua boca, ao mesmo tempo que rebola aquela bunda farta e deliciosamente atrativa.

- J-Jiminnie. - uma das minhas mãos vai de encontro a sua bunda, ansiando em despi-lo.

Então Jimin faz algo que sempre me deixa louco, apoia as mãos em minhas coxas e desce a cabeça até a minha glande tocar em sua garganta. Ele geme fazendo um arrepio percorrer o meu corpo e um grito escapar da minha garganta para em seguida gozar, com a respiração ofegante eu o vejo engolir tudo e lamber os lábios agora brilhantes.

- Podemos prosseguir agora, Jungkookie. - ahhh, ele adora testar a minha sanidade. 

O meu pequeno ômega sorri e volta a se sentar no banco do passageiro, colocando o cinto como se nada tivesse acontecido. Depois me oferece alguns papeis que aproveito para me limpar e vestir-me novamente, ouço a sua risada e decido roubar os seus lábios para mim antes de voltarmos a nossa viagem.

#

Havíamos finalmente chegado ao chalé que aluguei por uma semana inteira, e o medo que eu tive do meu pequeno não gostar sumiu assim que vi o seu sorriso ao sair do carro. Logo na entrada havia um jardim bem colorido, repleto das mais diversas flores, e a natureza seria a nossa única companheira nesses sete dias. 

- Obrigado, meu príncipe. - beijou-me as bochechas antes de correr para tomar um banho.

Sorrio bobo e me jogo de costas na nossa cama de casal, o local não era muito grande, mas era agradável e muito cheiroso, assim como eu havia pedido ao Mark, sim foi aquele ômega que me ajudou na escolha do chalé. Fecho os olhos e ouço a voz de Jimin, ele cantava alguma música calma de forma suave e bonita.


Era o nosso primeiro natal juntos, já era manhã quando acordei com risadas do lado de fora, não demorou muito para que sentisse a falta do meu ômega. Levanto, coloco uma calça de moletom e um casaco, calço uma bota de neve e corro para fora. 

- Kookie! - Jimin acena para mim e perco-me na cena.

Meu ômega parecia uma criança, todo agasalhado e com a ponta do nariz e as bochechas vermelhas devido ao frio, suas mãos envoltas por luvas estavam cheias de neve. Pego-me sorrindo ao ouvir mais uma vez a sua risada enquanto ele se aproxima de mim, abraço-o pela cintura e amasso os seus lábios num beijo urgente.

- Kookie. - sua voz é música para os meus ouvidos e nem mesmo o frio pode me fazer parar de sorrir.

- Sim, pequeno. - encorajo-o a continuar.

- Faz um boneco de neve comigo? - pude ver um rápido brilho de medo passar pelos seus olhos.

Jimin teve um passado tão difícil e admito não ter sido um dos melhores alfas no início, e ainda me dói lembrar do que já lhe fiz... mas eu vou mudar, eu prometi a mim mesmo no dia em que o marquei. Park Jimin era a minha prioridade, então irei protege-lo e ama-lo como ninguém nunca o fez.

- Claro, pequeno. - entrelaço as nossas mãos e tão logo demos início ao nosso primeiro boneco de neve.



- Kookie? - abro os olhos, Jimin sorri enquanto engatinha até mim. - No que estava pensando? - deita ao meu lado, apoiando a cabeça no meu braço.

- Em você... estava lembrando do nosso primeiro natal juntos. - comento e Jimin faz uma feição curiosa. - Você é lindo. - deixo escapar e as suas bochechas ganham uma cor mais viva.

- Aigo! - ele rola o corpo jogando-se mais em cima de mim e encaixa a cabeça no vão do meu pescoço, adorável de fato. - Kookie. - isso foi um gemido? 

Engulo em seco sentindo o meu corpo esquentar, os dentes de Jimin raspam pelo meu pescoço e em um impulso, prenso-o contra a cama enquanto cheiro o seu pescoço, lambendo a sua marca. O meu ômega rebola ainda por baixo de mim fazendo o meu lobo uivar, Amaterasu me dê calma ou eu não sei o que posso fazer com os meus amores.

- J-Jimin. - por algum motivo minha garganta está seca. - Você e-está pronto, meu a-amor?

Jamais que eu iniciaria isso sem o seu consentimento, mas ao olhar em seus olhos pude perceber a confiança que tinha em mim, aquilo de certo modo ajudou a amenizar o controle que o meu lobo tem sobre mim durante o cio. Rosnei antes de arrancar as nossas roupas, pouco me importando se elas haviam se rasgado, tomo a sua boca para mim, sentindo os seus dedos gordinha acariciarem a minha nuca.

Jimin pode não saber, mas tudo que ele fizer durante o meu cio, resultará em um Jungkook excitado e ansioso em fode-lo. O beijo começa a ficar cada vez mais selvagem e ouço um choramingo do meu pequeno, afasto-me rapidamente vendo os seus lábios vermelhos e com um pequeno corte. Então eu afugentei o meu lobo, culpando-me por machuca-lo... se com apenas um beijo fui capaz de fazer isso.

- Príncipe. - saio do meu transe e o fito, sentindo o meu lobo querer me dominar novamente. - Eu confio em você... sei que não irá nos machucar. - segura o meu rosto, mantendo os nossos olhares conectados.

- Como pode ser tão perfeito? - murmuro e ele sorri. - Espero que esteja certo, meu amor. - acabo rosnando.

- Eu sei que estou. - beija os meus lábios, iniciando um beijo calmo, mas que logo se torna mais intenso.

Meu corpo parece estar pegando fogo e não consigo me saciar apenas com a sua boca, por isso ataco o seu pescoço, marcando a pele quente e cheirosa do pós-banho. Escuto seu arfar, algo que me faz avançar em seus mamilos, mordiscando-os enquanto seu quadril se mexe, friccionando os nossos membros.

Meu lobo uiva assim que arranco as nossas peças íntimas, jogando-as no chão para depois trilhar um caminho de beijos e mordidas até a virilha do meu ômega. Os seus gemidos agora estavam mais contantes e mais altos, atiçando cada vez mais o meu lobo, rosno ao puxar a sua perna para cima, mordendo com força a parte interna da sua farta coxa.

Ele grita assim que desfiro um tapa forte na parte externa da sua coxa, vejo seu peito subir e descer rapidamente, controlo-me ao máximo para não fode-lo sem preparação alguma. Ouço um "Kookie" arrastado e volto a beijar a sua coxa, mordendo às vezes e deixando marcas que ficariam ali por dias. 

- De quatro. - minha voz sai rouca. - Agora. - tento não parecer rude.

Até mesmo a sua mudança de posição pareceu-me algo erótico, rosno alto ao ter a visão da sua bunda empina mostrando-me a sua entrada pulsante, pedindo para me ter dentro de si. Mas meu ômega precisa de preliminares, fecho os olhos com força e o seu cheiro me acerta como um soco no estômago, Amaterasu, como pode um ser tão puro também ser um pecado?


Notas Finais


Sim, eu parei antes do lemon hehehehe
Genteee, eu tô praticamente de férias UHUUU
E o que acharam do casamento?

Aliás, alguém aqui vai no show do 24K????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...