História Make me yours - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Carla Tsukinami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Seiji Komori, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Amigas, Amor, Anjos Caídos, Assassinato, Ayato Sakamaki, Bdsm, Castigos, Cenas Eróticas, Cenas Quentes, Comedia, Daddy, Demonios, Desejo, Diabolik Lovers, Enredo Sensual, Fetiches, Hentai, Hot, Make Me Yours, Maldade, Masoquistas, Morte, Noivas Diferentes, Origem, Paraiso, Punições, Sádicos, Sadomasoquismo, Sangue, Segredos, Sem Clichês, Sexo Explícito, Sexy, Submissas, Succubus, Suspense, Terror, Universo Alternativo, Vampiros, Vingança, Yui Komori
Visualizações 403
Palavras 1.346
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Ecchi, Escolar, Fantasia, Ficção, Harem, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Visual Novel, Yuri
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oii gente!!♡
Essa é a primeira vez que escrevo um hentai, então não sei se saiu bom ou não...*0*
Desculpem qualquer erro de ortografia e boa leitura!!!

Capítulo 6 - Pureza esvaída.


Fanfic / Fanfiction Make me yours - Capítulo 6 - Pureza esvaída.


~.~

Ψ Capítulo VI Ψ

Ψ Pureza esvaída Ψ

~.~





"Hey garoto 

 Eu te deixo louco, não é? 

Hey garoto 

 Olhe para o meu rosto 

Eu me sinto intensa 

E isso é tão sério

 Me pegue, me quebre

Me beije, me deseje 

Me ame, me odeie 

Me toque, me possua 

Me faça sua."


POV's Yui Komori


QUEBRA DE TEMPO

Depois que voltamos da aula, consegui tirar Ayato-kun da minha cola. Mal sabia, que seria por bem pouco tempo.

Em casa tomei um banho e fui diretamente para a cama. Se ele achasse que eu estava dormindo me deixaria em paz, certo?

Errado.

Pude perceber o peso de alguém ao meu lado na cama já bem tarde da noite.

Fechei os olhos e comecei a rezar, para ele não percebesse que eu estava acordada.

— Hey, chichinashi, sei que está acordada... — me abraçou. — Não me diga que está rezando? — de olhos fechados ouvi-o rir. — Nem mesmo o seu Deus vai poder te salvar de mim hoje.

Engoli em seco ao ouvir suas palavras. 

— O que quer Ayato-kun? — perguntei ao sentar no colchão, afastando-me do seu abraço com receio.

— Você já vai descobrir... — o ruivo se aproximou de mim com um sorriso que era a junção de malícia e maldade.

Os olhos verdes dele pareciam me hipnotizar, fiquei completamente paralisada, sem ação. Aproveitando-se disso, com um movimento rápido, rasgou a minha camisola branca, deixando-a em míseros farrapos.

— Oh! — meu primeiro instinto foi cobrir o meu corpo seminu, mas ele agarrou a minha cintura, puxando-me para mais perto, enquanto deixava uma trilha de beijos do meu pescoço até os meus lábios mordiscando-os de leve, seduzindo-me.

Fechei os olhos, até que senti a perfuração no meu ombro, produzindo uma dor aguda que eu já deveria ter me acostumado.

Esse é mesmo o meu destino...?

— Me pergunto se o gosto do seu sangue vai mudar depois que deixar de ser uma virgem... — disse, parecendo querer tirar a dúvida agora mesmo ao encarar todo o meu corpo.

— P-Por favor Ayato-kun... Não faça isso... — pedi, gaguejando em vão, a medida que ele corria as mãos por mim.

 Aquelas carícias me tornavam cada vez mais quente e corada.

— Quer que eu pare de fazê-lo?

— S-Sim. — respondi rapidamente. — Pode parar agora mesmo.

— Só porque você quer que eu pare vou continuar te tocando. — me provocou. — Cada vez mais...

— Mas...

Ayato passou a língua gelada nos meus seios, deixando-os rígidos rapidamente. Eu só podia me contorcer, esperando.

— Por que sua boca diz uma coisa e o seu corpo me diz outra, chichinashi?

— N-Não... — falei, até sentir ele morder o meu colo e sugar o meu sangue.

O garoto parou um tempo depois para sussurrar em meu ouvido num tom totalmente pervertido:

— Gosta de me sentir violando todo o seu corpo desse jeito? Nesses lugares onde ninguém tinha te tocado antes?

Eu não conseguia dizer absolutamente nada, a voz dele me deixou toda arrepiada, o corpo trêmulo.

Ele se voltou para os meus seios, os olhos escurecidos de excitação. Assim, começou a chupar o mamilo de um deles bem devagar, enquanto apertava o outro numa massagem ritmada. Claramente me mostrando quem estava no comando.

— Aya...to...kuun... — não consegui me conter e gemi alto de uma maneira sensual e prazerosa, precisando agarrar os lençóis com força.

O jeito que eu quase gritei o seu nome, pareceu tê-lo agradado já que parou para me observar com um sorriso como quem dizia:

"Geme mais pra mim."

Fui jogada na cama novamente.

As mãos do ruivo desceram para o cós da minha calcinha branca. Sabia que era errado, mas... Eu queria. Ele me induzia a ser assim. Estou indo contra todos os princípios que me foram ensinados na igreja.

— Nossa chichinashi, eu nem fiz nada e você já está toda molhada. — um riso satisfatório tomou conta de seu rosto quando olhou a minha lingerie úmida.

— Uh... — desviei o olhar para o lado com vergonha.

— Você é tão deliciosa... Me dê mais do seu sangue... — ele lambeu o meu pescoço.

Suas mãos prenderam meus braços contra o colchão, enfiando os caninos na região e chupando com vontade. O peso de seu corpo prensando no meu por inteiro.

— Aahh... — aquilo estava sendo cada vez mais prazeroso para mim, não podendo evitar soltar gemidos perto do ouvido do garoto. — Isso é tão... Hhmm...

Ele também se livrou da própria camisa e calças ficando só de boxer, jogando-as em algum canto do quarto.

Fiquei perdida em como o vampiro era absurdamente lindo, quando o mesmo, voltava a me beijar sem nenhuma delicadeza, acariciando minhas coxas e apertando meu bumbum.

O jeito que Ayato me abraçava era tão delicioso e fervente que eu só ansiava por mais e mais daquele êxtase.

— Seu sangue quente e doce, seu corpo, está me deixando excitado, chichinashi... — eu que estava muito distraída com aqueles beijos ferozes no pescoço, só pude sentir minha última peça íntima ser retirada e seus dedos invadindo o meu interior. — Vamos, estou querendo ouvir mais dos seus gritos...

— Aahh...!  — me contorci, separando as pernas e levantando os quadris, acompanhando-o.

Minha intimidade contraiu e meu baixo-ventre aqueceu ainda mais, dando indícios que algo estava chegando. De repente, o ruivo para, e eu faço um bico desapontada.

A cada minuto que se estendia eu via a minha pureza e inocência me deixar aos poucos.

Rapidamente terminou de se livrar da sua boxer. Agora nós dois estávamos sem qualquer camada de tecido para nos separar.

Eu lambia o sangue dos meus próprios lábios anteriormente mordidos para provocá-lo, não queria que aquilo acabasse nunca.

Não pude deixar de sorrir envergonhada ao vê-lo me observar com luxúria.

— Oh... — pude perceber o quão ele estava duro, roçando seu membro na minha intimidade já lubrificada. — Já vai...?

— Entregue seu corpo todo pra mim, Yui. — sussurrou malicioso e triunfante no meu ouvido. — E eu irei te mostrar os prazeres de cair no inferno.

Ao dizer isso, afastou as minhas pernas e se acomodou entre elas.

Ayato abafou o meu grito de dor com um beijo quando me penetrou pela primeira vez. Era como se estivessem me partindo ao meio. Meus olhos embaçaram pelas lágrimas.

Ele saiu de mim, observando o sangue liberado pelo rompimento do hímem manchar os lençóis claros ao descer pela minha vagina. O vampiro levou a língua ao local, sorvendo-o lentamente . Soltei um gritinho e entreabri os lábios, ofegante.

Quando ele adentrou-me novamente, já não doía tanto como antes. Seus olhos encaravam os meus ardendo em desejo, felizes por me ter. A cada estocada forte e profunda, um tapa era desferido em minhas coxas.

— Que apertadinha...aah...

— AAH!

Enlacei minhas pernas ao redor do seu quadril, arranhando as suas costas e gemendo, deleitada do mais puro prazer que ele me proporcionava.

Quando menos esperei, senti algo quente escorrer por entre as minhas pernas. Eu tinha chegado ao ápice.

O garoto continuou os movimentos rápidos e frenéticos, logo também se desfazendo dentro de mim. Gritei deliciada ao sentir seu gozo encher todo o caminho do meu útero.

Ficamos assim, parados, e nos encarando por um certo tempo ao tentar recuperar a energia. As respirações se mesclando naquela atmosfera erotizada.

— Ayato-kun! — chamei com a voz manhosa e ainda excitada, fazendo insistentes movimentos com os quadris, pedindo mais toques dele.

O ruivo, novamente ereto dentro de mim, voltou a estocar bruscamente, segurando os meus pulsos contra a cama. Seus rosnados e gemidos em meu ouvido me deixando completamente cheia de tesão e clamando o seu nome.

Naquele meio tempo minha pele era marcada por mordidas e chupões. Ele estava totalmente inebriado com o meu sangue. Eu derretia como sorvete em suas mãos, principalmente com seus beijos famintos.

Havia perdido as contas de quantos orgasmos já tinham acontecido.

Quando nos separamos, minha respiração saia entrecortada e eu tentava acalmá-la com dificuldade.

Completamente no meu limite, só quis fechar os olhos. Ayato segurou meu queixo e selou os lábios deles nos meus.

— Descanse agora, chichinashi.

— Fica comigo. — sussurrei, abracando-o.

Ele se deitou ao meu lado e me apertou contra o seu corpo, cobrindo nos dois com um dos lençóis. Minhas pálpebras pesaram e a última coisa que pude ouvir foi:

— Você é só minha, Yui...

Sim, eu sou sua. Não tenho nenhuma dúvida quanto a isso. 







Notas Finais


Bom, foi isso...
Kissus :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...