História Malditas Traições! - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Bangtan Boys, Bts, Jikoook, Lemon, M-preg, Namjin, Vmin, Yaoi, Yoonseok
Exibições 73
Palavras 1.548
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpem-me.
O capítulo não ficou tão bom, mas prometo que melhora quando eu fizer um lemon Jikook.

Capítulo 3 - A conversa - (Jungkook)






Cheguei na escola atrasado – de propósito, é claro.

Alguns estudantes curiosos me olhavam com os olhos vidrados e cochichavam uns com os outros, gargalhavam alto e sorriam torto. Será que eles não tinham mais nada de útil para fazer na vida, não?

Avancei para a sala de aula, ignorando as malditas provocações que caíam como chuva sobre mim. Jin-hyung acenou de longe, repuxou os lábios rosados e me lançou um sorriso reconfortante. Ele era um ômega maduro, gentil e guloso; apesar de ser mais dois anos mais velho – estando no terceiro e último ano – era um de meus melhores amigos e conselheiro nas horas mais difíceis.

Graças à Deus, eu não encontraria Jimin até o final da aula, já que, normalmente nossas aulas eram em salas e períodos iguais. Isso me tirava do sério. Por vários dias eu não suportava olhar para sua cara emburrada e desinteressada de sempre.
Park era baixo e sujo; eu odiava pessoas que usavam seus meios errados e desonestos para conseguirem o que queriam facilmente.

---------------


Mal percebi quando o sinal para o recreio tocou.

Saí da sala feito um zumbi, sem olhar direito para a direção que ia. Eu só queria evitar aquele alfa moreno que me causara tanta desgraça.

Por onde eu ia, os risinhos debochados me perseguiam. Um garoto me perguntara se eu não queria ir para o banheiro masculino, tomar mais um banho de privada para renovar os ânimos.
Quase soquei a cara dele quando disse isso, mas preferi ignorar pelo bem de meu próprio punho.

Ao subir as escadas para o terraço deserto, uma mão delicada encostou em meu braço.
Olhei bruscamente por cima do ombro, assustado pela aproximação repentina.

E adivinhem?
Era Kim Taehyung: O famoso ficante do bad-boy da escola.
Os fios de seu cabelo castanho-claro caiam-lhe pela testa, em uma franja impecável. Seus olhos amendoados realçavam a cor clarinha de sua pele juntamente com sua beleza um tanto óbvia, como que para esfregar na cara das pessoas feias.
Ele humedeceu seus lábios tipicamente, como sempre fazia quando estava nervoso; me olhou nos olhos e puxou o ar lentamente, falando com sua voz tranquila.

- Desculpe, Jungkook. Posso ter um minuto com você? – simplesmente pediu.

Jungkook? Desde quando você me chama de “Jungkook”?
Você nem fala comigo!
​pensei.

Apesar da intimidade forçada, o  ômega trazia consigo um tipo de confiança inabalável. Ele sabia que eu não iria recusar o pedido; porque ele me faria aceita-lo.

- Claro... – engoli em seco, mostrando um contentamento falso. 


Sentamos em um banco no corredor vazio.
Taehyung esfregou ambas as mãos, lambeu sua própria boca novamente e sorriu para mim, sincero.
Estou começando a achar que ele faz isso de propósito, só para parecer sexy.

- Quero pedir perdão, pelo Jimin fez. – soltou após alguns segundos de silêncio – Foi realmente deplorável da parte dele. E eu também sinto muito...

Não foi o que eu esperava, mesmo assim, me surpreendi com o assunto da conversa.
Não era Taehyung quem devia desculpas a mim, era seu namorado.

- Sem problemas – comecei, vendo os olhos do garoto se encherem de esperança rapidamente – para você...
As ultimas palavras quebraram seu otimismo. Sua cabeça caiu para frente, obviamente desapontado.

Mas, o que ele queria que eu tivesse dito? Que perdoava Jimin? Tão facilmente assim?
Não era minha intenção fazer com que o moreno pedisse desculpas e se sentisse culpado pelas atitudes de outro.
Minha paciência já havia se esgotado, eu não estava afim de observar calado as coisas voltando ao que eram antes.
Não vou mais obedecer naturalmente o tirano da escola. Ou ele aprende a me deixar em paz, ou vai me deixar em paz por obrigação.

- Ah, sim, claro. Devia ter previsto que não seria tão... fácil. – Taehyung desviou o olhar, insistente.

- Não precisa me pedir desculpas. – justifiquei – Não é o seu perdão que eu quero.

Ele assentiu cabisbaixo, apertando as mãos.
Vestia o uniforme cinza do colégio, que por algum milagre, caia muito bem nele, realçando suas curvas perfeitas e seus contornos magníficos.
As paredes do corredor eram beges; alguns quadros sem-graça pendiam, presos nela. O piso era de azulejo preto e havia um bebedouro solitário no final da escada que dava para o terraço.

- Não acha que está cheirando um pouco... – o ômega demorou a encontrar a palavra certa – demais?

Arregalei de leve os olhos, exasperado.

Acaso ele estava me chamando de fedido? Me dizendo que eu não tenho um bom odor?!
Estava pronto para levantar e sair andando de cabeça erguida quando ele se deu conta do duplo sentido de suas palavras.
Balançou as mãos juntamente com o pescoço.
- Não. Não!– suspirou, parecendo desapontado consigo próprio – Não foi isso que eu quis dizer! Aff.
Pisquei confuso, resistindo ao impulso de cheirar minhas roupas para conferir.

- O que eu estou dizendo é... Há quanto tempo você não entra no cio, Jungkook? –perguntou, como se exigisse saber.

- Ah... nunca entrei. Por que? – respondi despreocupado, da mesma forma de sempre: monotonamente.

Se eu entrasse no cio meu pai iria me surrar; tanto por ter feito algo vergonhoso que até os vizinhos saberiam, tanto pelos dias em que eu possivelmente iria passar bem longe de casa.
Para mim não era permitido passar noites fora, eu não podia nem sequer chegar alguns minutos mais tarde do horário que o alfa mais velho já começava a me xingar de vadio e de puta, acusando-me de estar sujando o nome da família com meus namoricos sem vergonhas.

Nunca dei nem meu primeiro beijo ainda; como meu pai esperava que eu fizesse isso?

Ele não suportava a ideia de ter o filho sendo comido por outro homem. E se eu conseguisse passar meu cio sozinho em casa, Deus sabe lá como, meu pai iria me castigar por gemer, soltar odores adocicados e implorar por prazer.
Aquele dia seria minha ruina total.
Se eu não morresse ou ficasse com sérias lesões por apanhar, teria de fugir de casa para sempre, abandonando minha adorada mãe e minha vida estável.

Sempre fui a vergonha da família; o arrependimento de meu pai; a desgraça de minha linhagem. Piorar as coisas só resultaria em mais sofrimento para todos.
E se eu engravidasse?!
Ah, Deus. Isso sim seria uma maldita merda; fora que só pensar nisso já me dá náuseas.
Para mim, era tão esquisito ver os homens gestantes, carregando filhos de outros homens  na barriga.
Não podia me imaginar passando por tal coisa absurda.

Eu tenho um útero. Isso já não é suficientemente estranho?



- Não me entenda mal... – falou baixinho, explicando – No meu clã, convivi com vários ômegas de idades diferentes. Claro, não consigo sentir os aromas tão bem quanto os alfas; mas meio que me acostumei.
Esperei para ver onde Taehyung queria chegar com isso.
- Percebo minimamente as mudança no odor. Coisa bem leve, sabe. A maioria dos ômegas não consegue, e nem presta atenção nisso. – Seus olhos me observaram ligeiramente. –Seu cheiro mudou um pouquinho, Jeon. É parecido com o perfume doce que os garotos liberam antes de entrarem no cio. Tome cuidado quando andar na rua sozinho, por favor... – pediu.

Fiz um minuto de silêncio, administrando o que ele havia dito.
Não poderia ser... Se meu cio chegasse tão rápido assim, seria o fim de minha tranquilidade.

- Se não quiser acreditar em mim, tudo bem – ele dá de ombros, calmo – Só estou abrindo seus olhos para uma possibilidade real. E ahh... fique esperto, viu. Ontem chegou um alfa novo no colégio. Tem boa aparência e é muito, muito bonito. No entanto é perigoso, boca suja e um tanto rude com as pessoas. Não sei qual é a dele, mas já está fazendo um baita sucesso na escola. Parece que desrespeita os professores, mas sabe manter o charme e ser gentil quando quer. Não o irrite. – aconselhou

- Qual é o nome dele? – perguntei desinteressado, preocupando-me com o risco que eu poderia correr nas próximas semanas.
- Min Yoongi. Hoseok o conhece; pelo visto era um amigo de infância dele. – Taehyung tamborilou os dedos na calça, subitamente nervoso – Jimin não gostou nadinha disso. Acho que mais cedo ou mais tarde os dois vão arranjar uma briga daquelas. Ele ameaça a popularidade dos outros, o tal novato já chegou querendo mandar em tudo...

Ah, ótimo. Mais um idiota para me preocupar.
Como a vida é bela, hein.


Queria responder que não era da minha conta a opinião de Park, mas achei que seria falta de educação de minha parte, levando em conta a consideração que Taehyung tivera por mim no final.
O moreno procurara me ajudar. Dava para perceber que era uma pessoa simpática, cheia de boas intensões ao contrario do alfa qual namorava.

O sinal tocou e o som percorreu cada centímetro do corredor espaçoso.
Levantei do banco por instinto, seguido pelo ômega moreno.
- Desculpe, tenho que ir. – olhei para ele e coloquei minha mão em seu ombro, como um gesto amigável – Obrigado por me avisar. Diga que não pretendo seguir as ordens do seu namorado de novo.

Assentiu, pegando uma alça da mochila preta.
- Mas, sério; odeio algumas atitudes que Jimin toma.  Sinto muito pelo que ele te fez. – e dizendo essas palavras, ele se virou começando a caminhar.

- Até mais, Jeon. – despediu-se antes de sumir pelas escadas laterais.



 


Notas Finais


Hm. Não vou pedir nada hoje.
Esse capítulo ficou muito bosta...


Obrigado por lerem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...