História Maldito Park Jimin! - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Kookmin
Visualizações 422
Palavras 1.369
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Maldito Park que estou perdidamente apaixonado!


Senti a saia ser levantada e a mão do Park apertar minha bunda. Mordi meu lábio e olhei o moreno de relance, este que sorria cínico e me encarava. Jimin se afastou e pegou algo em seu armário novamente, estava tentando deduzir o que era, até que ele bateu em sua mão. Não... Ele não fará isso, não é?

A ardência em minha coxa me fez gemer baixinho, aquilo era estranhamente bom. Jimin riu e novamente chicoteou minha coxa, porém desta vez segurei o gemido, recebendo outra chicotada. Maldito! Senti sua respiração quente em meu pescoço e suspirei, logo ele mordeu o lóbulo de minha orelha e chupou. Sentia sua ereção em minha bunda e eu desejava mais que tudo que ele retirasse aquela droga de roupa e me fodesse logo, porém isso irá demorar um pouco.

Ele passeou o chicote pelas minhas pernas e parou em minha nádega, onde bateu forte, me arrancando um gemido um tanto alto. Vi um sorriso crescer em seus lábios e senti minhas bochechas esquentarem. Maldito! Meu corpo parecia estar em combustão, eu me sentia muito quente e Jimin não colaborava. Ele soltou o chicote e passou com suas unhas curtas pela minha coxa, arranhando levemente minha pele.

O Park simplesmente rasgou a blusa que eu usava e passou a chupar e morder meu pescoço, ombros e costas. Minha saia teve o mesmo destino da blusa e logo eu me encontrava totalmente desprovido de roupas, o que eu estava achando injusto. Jimin ainda estava vestido.

- Hyung – eu o chamei dengoso e ele sorriu me encarando – Isso é injusto... Você ainda está vestido – eu o queria vê-lo também desprovido daquelas roupas desnecessárias no momento.

Jimin não me respondeu, apenas me beijou e se afastou, tirando sua camisa, deixando aquele abdômen maravilhoso amostra. Mas ele logo voltou a me marcar. Eu não disse apenas a camisa, Park Jimin! Ele pareceu ter percebido a minha irritação e riu fraco.

Suas mãos foram para o meu quadril, fazendo com que eu empinasse a minha bunda e ele sorriu. Novamente o chicote estava em suas mãos e ele o apertava, sorrindo divertido para mim, desferindo novamente aquilo em minha nádega, arrancando-me outro gemido. Seu sorriso aumentou e desferiu outra chicotada, e outra, e outra. Eu sabia que minha bunda estava completamente vermelha, já que eram fortes as chicotadas, o que estranhamente me deixaram ainda mais excitado.

O Park tinha um sorriso enorme em seu rosto e mordia os lábios constantemente. Eu sentia meu membro latejar, clamando por atenção e eu não podia dar, já que estava preso. Jimin percebeu e sorriu anda mais, sua mão foi ao meu pênis, apertando levemente, me arrancando um gemido baixo, me movimentei, porém o moreno segurou minha cintura me fazendo parar.

Ele soltou meu membro e se levantou tirando o resto de suas vestimentas. Por um momento pensei que finalmente teria o que queria, porém eu estava errado. Jimin sorriu e voltou para a cama, começando a estapear e morder minhas nádegas, não podia dizer que não gostava daquilo, ao contrário, eu estava amando.

Jimin voltou a se aproximar de minha nuca e depositou um selar singelo na mesma, porém logo o garoto passou a marca-la, passando para meus ombros e o resto de minhas costas, Jimin amava me deixar totalmente marcado. Logo voltou ao meu ombro, deixando uma mordida ali um tanto forte, na verdade, muito forte. Ele apenas soltou minha pele quando a mesma rompeu, de primeira me assustei, porém me acalmei ao sentir seu musculo úmido, ele lambia a ferida, como se dissesse que aquela era sua marca e eu era sua propriedade, e eu seria seu com todo prazer.

- Aguenta a seco, meu anjo? – finalmente o Park se pronunciou, acariciando minhas costas.

- Hyung, apenas me fode – pedi e senti sua glande em minha entrada.

Respirei fundo e logo senti sua glande me penetrar. Mordi forte o travesseiro da cama, a dor era imensa. Eu nunca havia feito sem lubrificante, porém eu estava tão necessitado que não me importei. Ele tornou a me penetrar, minhas mãos se fechavam em punho, furando minha palma. Jimin beijou minha costa, como uma forma de carinho, fazendo-me relaxar minimamente. Ele ficou parado até que eu me movesse, dando-o permissão para continuar.

- Apenas relaxe... – ele disse acariciando minha cintura e respirei fundo, logo soltando o ar.

Jimin passou a se mover lentamente, ainda doía, porém não era insuportável como antes. O olhei de relance e vi que ele se segurava para não ir mais rápido e para não me machucar, porém eu queria mais.

- Jiminie – rebolei contra seu pênis – Mais...

- Mas Kookie – ele me olhou e eu gemi. Já não me importava mais com a dor.

- Mais hyung... Eu quero mais...

Suas pupilas dilataram e ele mordeu o lábio inferior. Sorri e empinei ainda mais minha bunda, suas mãos apertaram minha cintura e senti as estocadas se tornarem mais fortes em meu interior, me arrancando gemidos altos. Minha próstata era acertada várias vezes, o que estava me levando à loucura. Meus gemidos se tornavam cada vez mais alto e eu temia que meus pais ouvissem em casa. Senti a mão de Jimin em meus fios, ele os puxava e eu gemia, suas estocadas se tornavam cada vez mais rápidas e meus gemidos cada vez mais altos, alguns saiam entrecortados por conta de minha garganta que já estava ficando seca.

Suas unhas cravaram em minha cintura e senti a pele romper, mas não me importei. Apenas me importava com todo o prazer que o Park estava me proporcionando. Ainda estava preso, eu queria o tocar, queria me tocar, porém não podia. Estava perto do ápice, e quando pensei que gozaria, Jimin pôs seu dedo em minha glande. Soltei um gemido sôfrego e o Park sorriu travesso. O moreno estocou mais algumas vezes e soltou meu pênis, permitindo que eu me derramasse ao mesmo tempo em que ele gozara dentro de mim.

Ao se afastar, vi o líquido esbranquiçado escorrer sobre minhas coxas, minhas pernas estavam bambas e um sorriso deleitoso estava em meu rosto. Senti o Park me soltar e cai na cama, exausto. Ele se deitou ao meu lado e me abraçou, deixando um beijo em minha bochecha e logo após em minha boca. Sorri e retribui o abraço, me aconchegando em seus braços e permitindo que o sono me levasse. Não tardou muito e eu dormi nos braços do Park.

(...)

Acordei com o som de meu celular. Peguei o aparelho, que piscava o nome de minha mãe e atendi ainda sonolento.

- Jeon Jungkook, onde você está? – a voz de minha progenitora se fez presente antes mesmo de eu falar.

- Estou na casa do Jiminie – respondi sonolento – Estávamos assistindo um filme a acabamos por pegar no sono. – menti e a mais velha suspirou aliviada.

- Eu fiquei preocupada, da próxima vez avise – ri fraco.

- Está bem Omma, me desculpe. – encerrei a ligação e tentei me sentar na cama, porém a dor em meu quadril foi tão forte que voltei a me deitar, ficando imóvel. Droga!

A dor era insuportável, olhei o Park que dormia serenamente ao meu lado, pensei em culpa-lo, mas não era totalmente culpa dele. Sorri fraco e me ajeitei em seus braços, sentindo seu cheiro que tanto amo. Ah Jimin... Você não sabe o quanto eu gosto de você. Senti ele me apertar em seus braços e o olhei, ele me encarava com os olhos semicerrados e um pequeno sorriso nos lábios carnudos.

O beijei e ele retribuiu prontamente. Seu coração estava acelerado, assim como o meu, eu sempre ficava assim quando o beijava. Jimin apertou minha cintura, me arrancando um gemido de dor, se afastou e seu semblante mudou de um calmo para preocupado.

- Desculpe... Eu machuquei você – ele disse envergonhado e eu apenas sorri, acariciando seu rosto.

- Não se preocupe... Está tudo bem – sorri e o beijei novamente.

Ele se levantou e se vestiu, dizendo que pegaria algo para comermos e eu apenas assenti, continuando deitado na cama. Tão fofo, tão educado, tão carinhoso. Jimin era uma pessoa maravilhosa e eu estava perdidamente apaixonado por ele. Ah... Maldito Park Jimin que me fez ficar perdidamente apaixonado.

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...