História Maldito Seja Esse Amor! - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Akamaru, Fugaku Uchiha, Hashirama Senju, Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha, Karin, Kiba Inuzuka, Madara Uchiha, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara
Tags Hashimada, hashirama, Hentai, Hinata, Itachi Uchiha, Itahina, Kibaxhinata, Lemon, Madanaru, Madara, Narusasu, Naruto, Sasuke, Sasunaru, Sasusaku, Universo Alternativo, Yaoi
Exibições 425
Palavras 8.158
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Yo Mariposinhas! Como prometido, cá estou eu com o capítulo especial de vocês!
Minhas sinceras desculpas pelo atraso do cap anterior, e um beijo para todos vocês. Que são crianças, que não são crianças, que gostariam de ser ou de ganhar presentes hoje. Feliz dia das Crianças pessoas lindas!
Bem, uns avisos rápidos:
Eu pretendia postar esse capítulo mais cedo, mas acabei vendo Gato de Botas (por que eu amo aquele gato <3 ) e só fui terminar de escrever agora. Enfim, ainda estou no prazo. E como disse no capítulo anterior, eu fiz esse aqui um pouco maior do que o de costume. Espero que não fique cansativo de se ler. Até pensei em faze-lo maior, mas fiquei com medo de que ficasse maçante. Por isso foi só oito mil palavras mesmo. Ainda sim, espero que gostem e divirtam-se.
Vale lembrar que é um especial. Então não é nem uma lembrança e nem uma continuação do enredo original. (respondendo a sua pergunta Taty-chan)
Boa leitura a todos!
Kissus! <3
Obs: Gostaria de agradecer os 200 favoritos! Vocês são fodas demais!

Capítulo 17 - Especial: Me sinto enjoado!


Maldito Seja Esse Amor!

17 - Especial: Me sinto enjoado!

 

Inclinei-me sobre a murada do convés de proa mais uma vez, sentindo minha cabeça girar descontrolada, enquanto meu estômago reclamava e contorcia-se freneticamente. Expulsando tudo o que eu havia comido antes de colocar meus pés naquele monstro. Despejando todas as minhas refeições no mar de águas extremamente escuras não muito abaixo de onde eu estava. O que não me era nem um conforto, muito pelo contrário. Quanto mais longe eu me mantivesse daquelas águas, que poderiam esconder tanta coisa abaixo de sua superfície, mais seguro eu estaria. Infelizmente, eu namoro um cara sem coração, e ele me arrastou até esse iate, sem nem ao menos se importar comigo!

-Você está se sentindo melhor Naruto?- perguntou-me Itachi, passando as mãos pelas minhas costas, que ainda estavam inclinadas para frente. Caso eu vomitasse de novo.

-Não... -murmurei, me sentindo fraco. Minhas pernas pareciam feitas de mingau, como se a qualquer momento fossem fraquejar e eu viraria uma panqueca no chão. –Acho que estou morrendo. - declarei, sentindo os nós de meus dedos ficarem menos brancos, a mediada que eu deixava de segurar a murada com tanta força.

-Não exagera cunhadinho. - não podia ver seu rosto, mais já imaginava o sorriso zombeteiro que brincava em seus lábios. Ele estava se divertindo muito com minha situação. - Você vai sobreviver, um enjoo não mata ninguém.

-Mas um naufrágio mata. - resmunguei, endireitando meu corpo e me virando para ele. Os movimentos lentos e arrastados. Tinha medo que qualquer gesto mais brusco de minha parte ou faria meu estômago revirar mais uma vez, ou me jogaria de cara no chão.

A risada de Itachi me fez levantar os olhos para encarar a cara contorcida em uma expressão divertida, enquanto ele ria e segurava a barriga. O rosto ligeiramente vermelho de tanto que rir de mim. E isso estava começando a me aborrecer. Será que ninguém ali se sensibilizava com a minha situação? O Sasuke não estava nem ai. Provavelmente estaria no quinto sono dele, dentro dos camarotes no andar superior. O que certamente todos estavam fazendo agora. Exceto eu, que me acordei com sede, sentindo minha garganta completamente seca, e sai para buscar um copo da água. Só não conseguindo o fazer por que tive de parar para expelir tudo o que já havia ingerido. Por coincidência, Itachi estava acordado e andando pelo convés. Se não tivesse sido por ele, eu teria caído diversas vezes. Ainda sim, eu não estava nem um pouco contente com ele rindo de mim.  O que o moreno deve ter percebido ao olhar para meu rosto, já que parou de rir em no mesmo momento.

-Desculpe cunhadinho, mas você realmente tem ideias um pouco absurdas. - ele passou uma das mãos pelo cabelos, e a outra me deu um “leve” tapinha no ombro. – Não esquenta sua cabeça loira, não tem chances de naufragarmos.

-Era exatamente isso que a tripulação do Titanic dizia. E olhe onde eles foram parar. Provavelmente estão tendo uma agradável refeição com as irmãs da Pequena Sereia. Lá no fundo do mar!- sai marchando, deixando que ele ficasse rindo mais uma vez. Pensei em ir para o quarto, eu precisava dormir, no entanto não sabia se conseguiria, e não estava a fim de me deitar ao lado do teme. Ele estava precisando ficar um pouco sem mim. Não estava me merecendo. Um bom namorado não deixaria seu parceiro passando mal de madrugada.  Um bom namorado teria voltado comigo pra casa quando praticamente implorei que o fizesse!

 

~*~*~

 

-Naruto, eu não quero ir nessa viajem. - Sasuke resmungou, enquanto arrastava duas malas pelo chão, em direção ao carro dele. Que nos levaria ate onde os outros Uchihas estavam.

-Não seja resmungão Teme. - sorri para ele, ajudando-o a por nossas bagagens no porta malas.- Não vamos fazer essa desfeita com a sua mãe. Ela quer muito que a gente vá.

-Mas ela não iria morrer se disséssemos que preferíamos ter ficado em casa, só eu e você. – ele sorriu maliciosamente, vindo em minha direção assim que fechei o porta malas. Empurrando-me com seu corpo até que eu batesse minhas costas no carro. Prensando-me ao mesmo, enquanto segurava firmemente meu quadril para que eu não escapasse ou caísse ali mesmo. Essa proximidade toda dele mexia muito comigo, isso era inegável.

-Sasuke, se continuar assim, vamos acabar nos atrasando. - murmurei, sentindo a respiração quente dele bater contra as maças de meu rosto. Que estavam ligeiramente mais avermelhadas, por sentir o corpo esguio do Uchiha colado ao meu.

-Não seria uma má ideia. - ele apertou mais meu quadril, subindo um pouco uma da mãos para que entrasse debaixo de minha camisa. A mão gelada contra minha pele quente me fazendo morder os lábios para conter um suspiro. O que, claro, não passou despercebido pelo moreno. –Podemos nos atrasar tanto, que eles não nos esperariam.

Franzi meu cenho, cerrando os olhos na direção dele.

-Nós vamos e pronto!- declarei, cruzando meus braços no pequeno espaço que separava meu peito do dele. –Já confirmei com sua mãe, então nem tente fazer uma gracinha. Sabe que ela vai acabar nos esperando.

-Então ligamos para ela e desmarcamos. - disse como se fosse óbvio, aproximando seus lábios do meu pescoço e beijando suavemente aquela região. Algo que digo aqui: desarmou-me completamente.

-Não podemos. - descruzei meus braços e segurei nos dele, o que pareceu ser um incentivo para que o Uchiha me segurasse ainda com mais firmeza. Pressionando mais ainda seu corpo contra o meu, enquanto uma de suas pernas entrava por entre as minhas. Quase me fazendo sentar sobre a dele. O que claramente, somado com os beijos em meu pescoço, fez com que um gemido baixinho deixasse meus lábios.

-Podemos sim. - ele direcionou sua boca até a minha, mas virei o rosto antes que pudesse me beijar.

-Teme... Não quero me atrasar!- resmunguei, e logo senti os dedos dele no meu queixo. Virando meu rosto em sua direção. Me permitido visualizar o sorriso cafajeste que me lançava. – Eu não vou te beijar. - disse com firmeza, já sabendo que era  que ele faria em seguida. Mas ao contrário do que imaginei, Sasuke não pareceu irritado com isso. Seu sorriso cresceu ainda mais afinal.

-Mas você quer. - disse, e franzi novamente o cenho diante do tom de confirmação explicito em sua voz.

-Não quero. - balancei minha cabeça negativamente.

-Sim, você quer e sabe disso. - ele aproximou novamente o rosto do meu, sua respiração tranquila mesclando-se com a minha, que estava desestabilizada neste momento.

-Talvez eu queira só um pouquinho. - admiti em um fio de voz, fechando meus olhos para não ver o sorriso convencido que me lançava. E para deixar claro que era bom ele juntar seus lábios aos meus de uma vez, ou levaria um soco. Assim ele o fez.

Senti seus lábios juntando-se aos meus, que permaneciam abertos para recebê-lo, o que parece ter o agradado ainda mais. Já que sua língua invadiu minha boca, completamente afoita. Com urgência, reivindicando a minha para dançar junto a sua. Em um doce sabor de desejo que transbordava de nós, e nos envolvia cada vez mais. Cada vez mais sentia meus músculos cedendo, deixando de fazer força para soltar-se dos braços firmes dele. Minhas pernas ficando mais fracas, à medida que sentia o quadril de Sasuke espremendo-se contra o meu. Minha mente ficando mais embaçada, esquecendo-se lentamente de onde estávamos e para onde iriamos.  Deixando-me a mercê dele, ou quase.

Mordi sua língua, não com muita força, mas o suficiente para que se afastasse de mim com um olhar confuso e surpreso. O qual retribui com uma careta irritada. Olhando seriamente para ele. Eu sabia qual era o plano do Uchiha, e não iria cair feito um patinho nele. Tudo o que Sasuke queria era me convencer a desistir dessa viajem, e estava usando de meios baixos para isso. E por esse motivo que ele não conseguiria! Sasuke não pode me controlar desse jeito. Só por que ele é charmoso e praticamente irresistível. Sensual em cada movimento que faz e com um sorriso de tirar o folego, ele não pode usar esses atributos contra mim.

-Por que raios fez isso Naruto?!- me perguntou, agora claramente aborrecido.

-Nós vamos nessa viajem, você querendo ou não. - disse, ignorando o olhar mortal que me lançou, e entrando no carro. Depois de um tempo, o vendo entrar também, engatando a ré e saindo da vaga no estacionamento. A cara fechada, sem nem mesmo olhar para mim durante o caminho inteiro ate o porto. Sem falar absolutamente nada, o que foi um grande incomodo quando percebi para onde estávamos indo.

-Teme, por que estamos aqui?- perguntei, notando o carro dos pais dele estacionado junto com outros dois em uma garagem privada. - Achei que estávamos indo para o aeroporto.

Sasuke não disse nada, apenas saiu do carro, se direcionando ao porta malas para tirar nossas bagagens dele. Puxando-as rapidamente, enquanto eu saia do carro nervoso, fechando a porta com um pouco de mais de força. Angustiado com a hipótese de que iríamos viajar pelo mar. Dona Mikoto não nos informou exatamente para onde iriamos. Ela apenas ligou lá para casa um dia, contando que tinha convencido o marido, o filho e o cunhado a ir em um passeio em família. Em uma viajem de cinco dias, e perguntando se não gostaríamos de ir também. Claro que eu disse sim, sem nem ao menos perguntar para o teme que estava tomando banho no momento. Eu tinha ficado lisonjeado quando ela me convidou para a viajem em família. Então obviamente não recusei. O que a agradou muito. Ela parecia ansiosa quando informou que passaria as informações para o caçula depois, e desligou. Mas ainda pude ouvi-la gritar ao marido que nós havíamos concordado. Eu estava começando a me arrepender disso.

-Sasuke?- ele continuou me ignorando, sem nem ao menos voltar os olhos ônix na minha direção. Ainda chateado por eu tê-lo mordido. –Sasuke!

-Pegue suas coisas, estamos atrasados. - disse, pegando suas malas e saindo na frente. Fechando o carro com o alarme enquanto andava de costas para mim.

Atônito, peguei as minhas malas e segui correndo atrás dele, rezando para que estivéssemos ali por qualquer outro motivo. Mas perdendo completamente as esperanças quando me deparei com um grande iate particular da família Uchiha, com um leque vermelho e branco desenhado no casco. Aquilo não daria em boa coisa, não daria mesmo. E eu soube disso no momento em que meus olhos se focaram no mar que ondulava. Expandindo-se ate onde meus olhos não eram capazes de enxergar. A água ainda que clara, completamente impenetrável pelos primeiros raios solares do dia.

Desviei o olhar, sabendo que se encarasse por muito tempo ao mar acabaria entrando em pânico antes mesmo de subir a bordo. Coisa que eu definitivamente não faria, voltaria para casa agora. A sogra que desculpasse, mas eu não poria meus pés naquele troço é nunca! Não tenho vontade alguma de fazer do mar a minha sepultura. Eu já vi Titanic. Sei como isso termina. E sinceramente, não quero ser nem a Rose e muito menos o Jack. Então daria um jeito de voltar para casa com o Sasuke. Que aliás, estava conversando, ainda de cara amarrada, com seus pais. Cujo tratei de ir cumprimentar também.

-Ah Naruto querido! Que saudades!- a Sra. Uchiha me abraçou, dando-me um beijo na bochecha ao afastar-se de mim. –Fico feliz que tenha convencido meu filho a vir. – não posso mais dizer o mesmo.

-Obrigado dona Mikoto, é bom revê-la. - sorri, tentando não mostrar como estava desconfortável, e me virei para cumprimentar o Sr. Uchiha.

-Naruto. - ele acenou com a cabeça, estendendo-me a mão para cumprimentar-me.

-Senhor. - apertei sua mão, tendo que esticar meus dedos depois que a soltei, por conta do aperto firme. Confesso que tinha um pouco de medo do pai de Sasuke. Sei que eu não tinha nada haver com isso, mas ele nunca sorria e parecia sempre estar zangado. Dona Mikoto disse que é o jeito dele, ate por que o Sasuke tinha que puxar alguém, certo?

-Bom, vamos subindo. Estou ansiosa!- a matriarcas dos Uchihas subiu no iate, indo falar com alguém que estava lá. Logo em seguida seu marido a seguiu, e Sasuke teria feito o mesmo se eu não o tivesse chamado. A voz tremendo de pavor, o que ele deve ter notado para decidir não me ignorar.

-O que é?- perguntou monotonamente, revirando os olhos ao olhar para mim. Obviamente ele tinha mesmo ficado chateado por eu tê-lo mordido.

-Sabe... -respirei fundo, esfregando uma mão contra a outra. Tentando inutilmente enxugar o suor que as molhava. Tamanho era o temor de embarcar. –Eu pensei melhor e... -respirei mais uma vez.- O que acha de voltarmos para casa?

-Você está brincando, não é?- perguntou, cerrando os olhos na minha direção.

-Não, eu realmente acho que você tinha razão. - falei, querendo desesperadamente que ele mudasse de ideia. –Deveríamos ter ficado em casa, eu e você. O que acha?

Sasuke me fuzilou com o olhar, os olhos negros faiscando enquanto ele me encarava seriamente. Eu não sabia o que se passava na mente dele nesse momento, mas tinha certeza que boa coisa não era. Já que as orbes ônix me avaliavam cuidadosamente, examinando minhas mãos ainda suadas, para depois examinar meu rosto suplicante. Em nenhum momento demonstrando que estava ficado sensibilizado com minha situação. Pois claramente ele via que eu estava assustado com a possibilidade quase certa de subir naquele iate.

-Acho que deveria ter pensando nisso antes de me arrastar até aqui. - respondeu friamente, virando-se de costas para mim e começando a subir a rampa de acesso ate o convés de popa. Mas eu não desistira ainda, e inconformado o segui, segurando seu pulso antes que seus pés tocassem o chão da embarcação.

-Vamos voltar, por favor, teme!- choraminguei diante da face rígida dele.

-Agora que eu estou aqui, não vou voltar para casa Naruto. - respondeu, parecia irredutível. –Foi você que insistiu em vir nessa viajem boba, a principio eu nem queria. Então pare de reclamar, conseguiu o que desejava.

-Mas Sasuke... - tentei apelar, contudo ele me cortou antes que eu começasse.

-Nem, "mas" ou meio "mas" Uzumaki. - senti que estava falando com minha mãe naquele momento. –Já disse que não vamos voltar.

-Você não tem coração!?- gritei, mas ele já não estava mais lá. Tinha me dado às costas e subido no monstro flutuante. Deixando-me sozinho e sem escolha a não ser segui-lo. Coisa que fiz relutante, enquanto rezava todas as orações que eu me lembrava. Implorando que deus não me deixasse morrer naquela bendita viajem com a família Uchiha.

 

~*~*~

 

Sentei-me em uma das espreguiçadeiras no convés superior, respirando fundo enquanto olhava para o céu estrelado acima de mim.  Era lindo, como se alguém tivesse jogado purpurina prateada sobre uma grande tela preta. Onde a lua era o maior astro, no entanto eram as estrelas que compunham a magnitude da imensidão. Achei que se eu olhasse para o céu, que quase não se podia ver da cidade grande. Onde os brilhos naturais eram ofuscados pelos faróis dos automóveis, ou outdoors, eu me acalmaria. O enjoo iria passar e eu me sentiria bem o suficiente pra voltar para o quarto. Sinceramente, havia ajudado um pouco, mas por outro lado apenas tinha servido para me deixar mais angustiado ainda. Estávamos no meio do nada. Ninguém para quem pedir socorro caso algo nos acontecesse. Apenas as estrelas, que não serviriam de nada caso tivéssemos um imprevisto.

Tentei não pensar muito a respeito disso, não queria passar mal novamente. Dessa vez, seu eu me inclinasse sobre a murada, teria grandes chances de cair na água escura logo a baixo. Não havia mais Itachi para ajudar. Ele tinha ido dormir a pouco mais de sete minutos, e como eu ainda não me sentia capaz de ir fazê-lo, fiquei aqui. Sozinho. O mesmo até tinha se proposto a ficar comigo, no entanto eu realmente não queria ouvir suas piadinhas ou abusar de sua gentileza, então dispensei. Talvez estivesse me arrependendo disso também. Seria bom alguém para conversar, iria me distrair um pouco.

Com um suspiro resignado, fechei meus olhos e tentei não notar o suave balanço do casco nas ondas. Aconchegando-me o melhor possível na espreguiçadeira, implorando a minha mente que me permitisse dormir. Eu sentia meu corpo pesado, os meus músculos anestesiados, mas simplesmente não conseguia desligar minha mente o suficiente para cair no sono. E essa sensação era terrível. Não mais do que o enjoo, é claro.

Não sei quanto tempo se passou desde que eu tinha fechado os meus olhos, mas sabia que não tinha conseguido dormir. Estava enganando a mim mesmo, e estava começando a ficar com frio. Não tinha levado muitas roupas quentes, pois não imaginei que estaria flutuando no mar durante a madrugada. Então claro, estava desabrigado. Todavia, sem nem perceber, senti algo quente e macio sendo colocado sobre meu corpo. Preguiçosamente abri um olho para enxergar, e me deparei com um grosso edredom branco sobre mim. E a minha frente, de pé, Sasuke.

-Vai pegar um resfriado se decidir cochilar ao relento. –falou ele. Tinha os cabelos bagunçados, indicando que não acordara há muito tempo, e estava descalço. Apenas com uma blusa preta de mangas cumpridas e calças de abrigo. Muito mais quente do que a camiseta de mangas curtas que eu usava.

-Não estava cochilando. - murmurei.- Não consigo dormir.

Ele suspirou, depois de um tempo em silêncio arrastou outra espreguiçadeira, grudando-a ao lado da que eu repousava, e sentou-se. Puxando uma das pontas do edredom para cobrir-se.

-Está sentindo-se bem?- perguntou, e distingui um leve tom de preocupação em seu tom de voz.

-Estou ótimo. - menti, o que fez o moreno revirar os olhos e puxar minha cabeça para deitar em seu ombro. Enquanto ele se aninhava ao meu lado.

-Não gosto quando mente pra mim. - disse calmamente, e começou a passar as mãos nos meus cabelos. Desatando nós feitos pelos próprios fios, que se embolavam há quase todo instante.

-Achei que não estivesse falando comigo. - comentei, depois que me permiti relaxar sobre as leves carias feitas por ele. Fechando mais uma vez meus olhos, e deixando que os dedos frios serpenteassem por meus cabelos. Enquanto eu brincava com a mão livre dele, por debaixo da coberta.

-E não estava. - respondeu, bufando.- Mas se eu não cuidar de você, vai acabar se matando.

-Agradeço pela confiança. - resmunguei, fingindo ter ficado ofendido com ele. Mas pelo modo como me deitava sobre seu ombro, estava claro para nós dois que eu não tinha realmente ficado ofendido. O que se comprovou quando Sasuke riu baixinho.

-Ainda está sentindo-se muito mal?- indagou depois de alguns minutos em silêncio, onde ouvíamos pequenas ondas se quebrando ao longe. Na vasta imensidão.

-Não, me sinto ótimo. - e dessa vez eu estava sendo sincero. A ânsia tinha passado. A tontura também, agora eu já me sentia muito melhor. Nem o gosto ruim na boca tinha ficado, já que eu a lavei, claramente. E talvez fosse pelo ar puro que eu respirava, ou por estar me sentindo tão confortável do lado do moreno. Seja como fosse, eu tinha melhorado bastante, e agora começava a ficar sonolento. Embalado suavemente pelo mar, enquanto me aquecia nos braços do Uchiha rabugento.

-Talvez devêssemos voltar à cabine. - sugeriu, parando de mexer em meus cabelos e me abraçando de lado. Puxando-me ainda mais para perto dele.

-Não! Vamos ficar aqui mais um pouquinho. Por favor!- olhei para ele, fazendo bico.

Sasuke não me disse nada, apenas direcionou seus olhos para meus lábios, mantendo-os fixados ali. As duas ônix ainda mais negras e brilhantes, como sempre, eram fascinantes! Pareciam me hipnotizar, mesmo que não direcionada aos meus olhos, e quando me dei por mim, já estava com o rosto próximo de mais do dele. E no segundo seguinte, Sasuke já me beijava possessivamente. Segurando meu corpo debaixo da coberta, enquanto seus lábios reivindicavam os meus com luxúria. Nossas línguas bailando frenéticas, entrelaçando-se com voracidade, arrebatando-nos de forma avassaladora. E quando vi, já estava deitado sobre as duas espreguiçadeiras. Com Sasuke cobrindo meu corpo com o seu.

Suas mãos passeavam fervorosamente por minha cintura, apertando-a firmemente de vez em quando. Os dedos ainda levemente gelados, entrando em contraste com o calor que agora era a minha pele. Enquanto as minhas se embolavam desastrosamente, subindo e descendo nas costas dele. Levantando sua camisa o suficiente para que eu pudesse tocar sua pele. Arranhando-a quando senti a mão dele apertar minha bunda, e seus lábios despregarem-se do meu. Não perdendo tempo e indo ate meu ombro, chupando e mordendo, ao mesmo tempo em que as mãos permaneciam firmes onde estavam.

Tomando por uma súbita onda de calor, senti que aquele cobertor não era mais necessário, então empurrei o moreno. Deitando-o onde antes eu estivera, e me posicionei por cima dele, deixando o edredom de lado. Não iriamos precisar dele por enquanto. Mas se continuássemos assim, com certeza precisaríamos. Pode estar quente agora, mas isso por que ainda estamos vestidos.

Um sorriso malicioso se espalhou pelos lábios dele, que ergueu sua mão para agarrar com força os cabelos de minha nuca. Puxando meu rosto para baixo, e dando inicio a mais um beijo de tirar o fôlego. Onde ele mordeu meu lábio inferior, com demasiada força, provavelmente por vingança de mais cedo. Não que eu tenha me importando. Aquele gesto apenas serviu para atiçar-me ainda mais, ao ponto de que deslizei uma de minhas mãos para trás, tocando em algo volumoso sobre o tecido das calças dele. Sem pudor algum eu apertei, e no mesmo momento Sasuke gemeu contra meus lábios.

-Naruto!- ele segurou minha nuca com mais força, deixando que a outra mão apertasse firmemente minha coxa.

Satisfeito com a reação que provoquei nele, dei outra leve apertada no membro oculto, incentivado pelos gemidos que ele soltava. Mas que desejava ouvir mais. Por isso infiltrei minha mão por debaixo das roupas dele, acariciando a pele aquecida daquela região. O que novamente fez Sasuke gemer, um gemido mais alto, mais prazeroso ainda. Infelizmente, foi o último que ouvi naquela noite. Pois de repente um pigarreio chamou nossa atenção, me fazendo tirar a mão de dentro das calças dele rapidamente. Voltai então meus olhos para frente, onde uma figura estava parada com cara de poucos amigos.

-Espero não ter atrapalhado nada. - disse ele, olhando diretamente para mim. Como se quisesse me fuzilar apenas com os olhos.

-Nós... ah...- senti meu rosto esquentar, e não era por causa do momento recém desfeito.

-Pois atrapalhou. - Sasuke resmungou aborrecido, sentando-se e delicadamente – o mais delicado que ele com raiva poderia ser – me tirou de seu colo. –O que faz acordado há essa hora?

-Poderia perguntar o mesmo para os dois. - Madara respondeu, e notei que algo no seu tom de voz estava diferente. Ele parecia incomodado com algo, mas não sabia dizer o que exatamente era. –Mas creio que já sei a resposta.

-Bem, acho que estou ficando com sono. - comentei, querendo escapar daquela situação embaraçosa com o tio do meu namorado. Mas principalmente querendo escapar do olhar que ele me lançava, pois sentia que ele pularia em meu pescoço a qualquer momento. Só por precaução, eu trancaria a porta do quarto essa noite. –Vamos dormir teme.

Sasuke virou seus olhos para mim, incomodado com nossa pequena diversão que havia sido interrompida. E infelizmente, isso tinha acabado com todo o clima e a vontade de fazer sexo que eu tinha. Imaginei que ele sentisse-se da mesma forma, visto que bufou resignado. Levantando-se e me estendendo a mão para levantar junto a ele. Logo em seguida pegando nosso cobertor em um bolo fofo no braço esquerdo. Para deixar o direito livre, cujo ele passou por cima de meus ombros.

-Certo, vamos. - Sasuke começou a me puxar, andando em direção a nossa cabine. E quando passamos por Madara, seus olhos ainda estavam em mim. Mais irritados do que nunca, o que me fez tremer levemente. Ele não deveria gostar que seu sobrinho ficasse de agarramento deste jeito. –Boa noite.

O Uchiha mais velho não respondeu, e Sasuke também não esperou por uma resposta. Pois continuou andando, e olhando para ele agora, parecia igualmente cansado. De qualquer forma, só me senti livre dos olhos atentos de Madara, quando entramos em nosso quarto. Onde ele não poderia me fuzilar daquele jeito intimidante que só um Uchiha consegue. Mas esqueci rapidamente dele no momento em que me deitei na cama, macia e convidativa. Muito mais do que quando eu havia saído dela antes. Por tanto, não demorou muito para que eu dormisse. Ainda aninhado ao peito do moreno, que abraçou minha cintura de forma possessiva. Mantendo-me próximo a ele durante o restante da noite.

 

~*~*~

 

Acordei e não encontrei o Uchiha na cama, então decidi tomar um banho demorado e depois si para procura-lo. Ele tinha a obrigação de me alimentar, e eu estava ouvindo minha barriga trovejar de tanta fome. Fome que só aumentou quando me deparei com todos sentados à volta de uma mesa no convés de proa superior. Deliciando-se com um café da manhã digno de rei. Com tudo a que tínhamos direito.

-Ah, você acordou!- Dona Mikoto acenou para mim, sendo a primeira que me viu chegar. Gesticulando para que me juntasse a eles, coisa que fiz com muito prazer. Arrastando uma cadeira ao lado do teme para sentar-me. –Eu tinha dito para o Sasuke chama-lo, mas ele me disse que você não estava se sentindo muito bem ontem de noite. – ela parecia preocupada. Lançando-me o mesmo tipo de olhar materno que minha mãe costumava me olhar quando eu estava doente ou ferido. Na verdade ela ainda olha, e acho que sempre vai olhar.

-Ele parecia muito bem em minha opinião. - Madara falou baixinho do meu outro lado. Baixo o suficiente para que só eu escutasse, o que ainda me perguntei se tinha ouvido certo

-A propósito, melhorou cunhadinho?- Itachi questionou, enquanto colocava um pedaço de torta na boca. Fazendo dona Mikoto contorcer a face em repreensão.

-Sim, obrigada por ontem Itachi. - agradeci, começando a me servir. Eu estava varado!

-Como assim?- Sasuke indagou, olhando de Itachi para mim, mas dei de ombros.

-Ele pôs as tripas para fora de madrugada. Ajudei para que não acabasse caindo no mar.- Itachi respondeu simplista, engolindo outro pedaço de torta. E meu deus! Estava divino! Essa torta é realmente dos deuses!

-Hum...- o teme não disse mais nada, apenas continuou com sua refeição, ignorando a todos ao seu redor. Igualmente Madara, que comia em silêncio ao passo que foleava um jornal. Os únicos que conversavam no momento eram dona Mikoto, Fugaku e Itachi. E o segundo falava quanto e quanto, mais proferindo alguma concordância com algo que a mulher dizia.

Em determinado momento, Fugaku e Madara levantaram-se e foram conversar em algum canto do iate. A Sra. Uchiha também não se demorou muito a mesa, e logo levantou-se pedindo licença. Depositando um beijo na testa de cada um de nós, e alegando que iria desfrutar de um banho de sol. Já que o dia estava lindo, e ela desejava pegar uma cor. Sobrando apenas eu e os irmãos Uchiha a mesa. E ao que parecia, Itachi não tinha a mínima intenção e sair dali muito cedo.

-O que quer fazer hoje dobe?- perguntou-me Sasuke, terminando seu café.

-Qualquer coisa teme. - dei de ombros, estava prestando mais atenção na comida do que no que ele me perguntava.

-Estou com calor, o que acha da piscina?- nesse momento meus olhos se voltaram para ele.

-Tem uma piscina aqui?- ergui uma sobrancelha.

-Nos andares internos. - respondeu Itachi, metendo-se na conversa.

-Parece ótimo!- eu adorava piscinas, mas detestava o mar. O que era de certa maneira irônico, dado ao fato de que eu estaria em uma piscina em alto-mar.

-Então vamos, estou me sentindo derreter nesse sol. - declarou, tomando minha mão e me puxando em direção a escada que levava para baixo, dentro do casco. Eu não a tinha reparado ali na noite passada. Não que eu estivesse muito interessado em desvendar os cômodos do iate ontem. Estava mais preocupado em me concentrar para não por meus rins para fora.

Sasuke me conduziu ate um compartimento fechado, provavelmente o último andar, onde janelas redondas de vidro mostravam o mar abaixo da linha da água. O que certamente me fez entrar em pânico, nem ao menos reparando a piscina com luzes subaquáticas que ocupava todo o recinto. Eu estava simplesmente apavorado, olhando pelo vidro da janela. Era como se estivesse debaixo da água – o que de certo modo eu estava – afogando-me. Rapidamente, senti meus pulmões não mais puxando o ar, o que não era bem verdade. Eu estava respirando, o órgão trabalhava normalmente, mas meu cérebro não assimilava isso. E por tal motivo, comecei a ofegar. Queria sair dali, não me sentia confortável, e o Uchiha percebeu isso no momento em que olhou para mim.

-O que foi Naruto?- perguntou, segurando minha mão e apertando-a, como se para dizer que estava ali. Com dificuldade, olhei para ele.

-Sasuke... - novamente comecei a sentir-me tonto, enjoado.- Acho que eu vou...

-Ah, mas não vai mesmo. - ele me empurrou pro chão, fazendo-me sentar com a cabeça entre os joelhos. –Fica assim. Não quero ter que limpar sua sujeira.

Em qualquer outra ocasião eu teria discutido com ele por estar sendo indelicado desse jeito, mas essa não era uma ocasião qualquer. Eu estava sentindo-me muito mal, sem forças o suficiente para levantar e esmurrar aquele nariz perfeito dele. Mas vou fazê-lo, assim que melhorar. O que é do teme está guardado.

-Isso não está ajudando. - gemi, meus estômago contraindo-se. Querendo expulsar à torta que eu tinha colocado pra dentro há pouco tempo.

-Se parar de falar e respirar fundo, vai. - replicou, mantendo uma mão sobre minha cabeça para deixa-la abaixada. –Quer que eu pegue um copo da água para você?- ofereceu, já se levantando.

-Não!- desesperado para não ficar sozinho ali, levantei a cabeça rapidamente (o que não foi à ideia mais sensata que já tive) e puxei seu pulso. Com tanta força que ele acabou tropeçando nos próprios pés, e logo em seguida só o que vi foi água espirrando para todos os lados.

Mais tonto do que estava antes, me deixei tombar para o lado, deitando de barriga para cima na borda da piscina. Sentindo que a qualquer momento eu iria expelir o café da manhã. Não demorou muito para que o Uchiha emergisse da água, claramente aborrecido comigo. Olhando-me de forma irritada, enquanto os cabelos grudavam nos olhos e a roupa encharcada pesava ao sair da piscina.

-Por que merda você fez isso?- perguntou, parando de pé ao meu lado, espremendo a camisa. Ignorei seu tom de voz raivoso, fechando meus olhos e contando ovelhinhas, a fim de distrair minha cabeça.

-Só... só fica aqui comigo.- murmurei, passando a mão na testa. A sentindo pegajosa. Logo minha mão foi tirada de lá, e algo macio e gelado foi posto ali. Abri meus olhos o suficiente para ver o moreno sentado ao meu lado, colocando sua camisa molha na minha testa. Sorri para ele.

-Por que está sorrindo desse jeito idiota?- perguntou, rangendo os dentes, mas não me importei.

-Por que você consegue ser carinhoso quando quer. - vi o rosto dele ficar ligeiramente avermelhado, ou talvez fosse apenas minha imaginação. Seja como for, achei fofo, e deixei escapar uma risada.

-Se continuar com essa cara de abobado, vou parar de ser carinhoso. - e claro, ele não dá o braço a torcer, já deveria saber disso. Uchiha orgulhoso. - Está muito enjoado?

-Um pouco. - respirei fundo.

-O que foi que aconteceu para ficar assim de repente?- não respondi, apenas apontei para as janelas, e vi seu olhar seguindo a direção indicada. Era o suficiente para ele compreender. –Você é mesmo um idiota.

-Como é?- olhei raivoso para o moreno, que agora sorria e deitava-se ao meu lado.

-Não vamos naufragar Naruto. –comentou sorrindo debochadamente. - A não ser que o Itachi continue comendo feito porco, ai o iate não vai aguentar. –não pude deixar de rir.

-Acho que definitivamente eu não gosto do mar.- murmurei. A tontura deixando meu corpo de vagar, vagamente mais letárgico. –Deveria ter te dado ouvidos e ficado em casa.

-Dá próxima vez então, vai ser como eu quero. - revirei meus olhos, deitando de lado para poder visualiza-lo melhor. Notando seu corpo desnudo e molhado próximo a mim, me fazendo prender a respiração por um instante, enquanto controlava a vontade louca que crescia de agarra-lo. - Pela sua cara, você parece estar melhor.

-Não tenho tanta certeza disso. - respondi.- Estou com muito calor. Talvez eu esteja com febre.

-Penso que seu calor não seja febre. - o tom malicioso na voz dele fez meu copo se arrepiar, o que não passou despercebido pelo moreno. Que se inclinou sobre mim, passando a mão pelo meu rosto, mantendo-o parado para que pudesse tocar seus lábios aos meus.

A água do cabelo dele pingava no meu rosto, e seu corpo molhado começava a encharcar meu corpo também. Mas não me importei, estava agradecido pela água gelada que pingava sobre mim, aliviando vagamente o calor que se instalava. Ao mesmo tempo em que sentia a língua do Uchiha convidando a minha para uma dança, onde ambas disputavam frenéticas pelo pouco espaço que dispunham. Enrolando-se uma na outra, cada vez mais vorazes, sedentas, cheias de desejo. Desejo esse que fora inacabado noite passada. E que me fazia torcer para que não fosse agora também.

Ao que parece Sasuke também não queria nem uma interrupção, e fazia as coisas mais rapidamente, deslizando as mãos por baixo da minha roupa, levantando-a. Até o ponto em que tivemos de separar nossas bocas para que ele tirasse minha camisa, passando-a rapidamente pela minha cabeça, em seguida atirando a peça para qualquer canto. Sem nem se importar onde tinha ido parar. O que não me interessava no momento também, estava concentrado puxando o fecho das calças dele para baixo. Descendo suas calças rapidamente. Mais uma peça que se juntava a pequena pilha de roupas das quais nos desfazíamos. Onde minhas calças foram parar logo depois.

-E se alguém vier aqui?- perguntei ofegante, fixando meus olhos nas duas pedras negras que pairavam acima de mim.

-Ninguém vai vir. - garantiu-me, mas eu não estava convencido. Já não bastava ter sido pego no flagra ontem, não queria ser de novo. Ainda mais se fosse o pai de Sasuke, e principalmente a mãe dele.

-Tem certeza?- ergui uma sobrancelha.

-Não. - ele enlaçou minha cintura me puxando para a borda da piscina. Onde me pôs sentado, para em seguida entrar na água, ficando entre minhas pernas abertas.

Não me importei com mais nada. Quando senti sua respiração bater contra meu membro, já não me preocupava com alguém entrando ali e vendo aquela cena nada convencional. Não existia mais ninguém no mundo se não nós dois. Não fazia mais sentindo pensar nos outros, eles não eram importantes agora. Eu tinha ate me esquecido de onde estava. Do medo que me tomava ao pensar que eu estava debaixo da agua, e seria o primeiro a me afogar caso o iate afundasse. Nada disso me preocupava mais, meus pensamentos agora eram todos turvos de desejo, enquanto sentia os lábios quentes do moreno percorrerem toda a extensão do falo. Lambendo e chupando, enquanto seus olhos mantinham-se fixos em mim. Ainda mais escurecidos do que de costume.

-Sasuke... -gemi, agarrando os cabelos molhados, segurando-os firmemente a onde estavam. Deleitando-me com a sensação que me era proporcionada.

-O que quer Naruto?- perguntou baixinho, a voz chegando aos meus ouvidos em um sussurro.

-Você sabe o que eu quero. - afirmei, e ouvi a risada aveludada dele.

-Parece apressado hoje. - levou uma de suas mãos para meu pescoço, puxando-o para baixo para ficar com o rosto próximo ao meu.

-E estou. Não quero que seu tio apareça de novo. - com um sorriso de orelha a orelha, ele soltou meu pescoço e segurou minhas pernas. Apertando firmemente minhas coxas, puxando-me para dentro da água junto a ele.

A água gelada ao tocar meu corpo superaquecido, fez um suspiro sair de meus lábios, enquanto senti minhas costas se chocarem de leve contra a parede da piscina. Com Sasuke me espremendo entre ela e o corpo dele. Tomando posse de meus lábios mais uma vez, com voracidade. Sem se preocupar em ser delicado, como há pouco tempo tinha sido. Mas não fiz questão de ser carinhoso também, e apertei-me ainda mais contra ele. Entrelaçando minhas pernas na volta de seu quadril, erguendo-me para que ele pudesse ter um acesso mais fácil, por assim dizer.

Sasuke não perdeu mais tempo, sugando com vontade meu lábio inferior, senti-o pressionando minha entrada. E sem paciência alguma, adentrando-me com um gemido abafado, que se mesclava com meu suspiro. Enquanto ele começava a mexer-se, fazendo com que a água ao nosso redor se agitasse, na medida em que ele estocava com velocidade. Ainda que os movimentos ficassem mais lentos por estarmos dentro da piscina.

Agarrei com firmeza seus ombros, para manter-me equilibrado, pois sabia que do jeito que sentia meu corpo amolecido, poderia acabar me desprendendo dele facilmente. Minha cabeça ainda girava, eu ainda me sentia extremamente tonto. Todavia, diferente de antes, não era um sintoma de estar enjoado pelo medo de estar em alto mar. Era pelo prazer que ele me proporcionava, cada vez que atingia o emaranhado de nervos da próstata. Voltando a acertar tal lugar repetidas vezes, deixando-me com as pernas mais moles ainda, sem forças eu sabia, para manter-me de pé caso precisasse. Mas não importava agora, ele estava me segurando, e não me soltaria tão cedo. Ao menos espero que não.

Contudo, para meu grande desagrado, Sasuke me soltou, saindo de dentro de mim de repente. Sem aviso. E antes que eu pudesse abrir a boca para reclamar com ele, e ameaça-lo caso não voltasse ao que estava fazendo rapidamente, o Uchiha já tinha me virado de costas para si. Colocando uma de suas mãos nas minhas costas, para me fazer inclinar para frente. Enquanto a outra conduzia com pressa o próprio membro para o lugar desejando. Encontrando-o com facilidade, e logo em seguida penetrando-me com pressa.

Soltei um gemido alto quando ele veio com tudo, me segurando nas bordas da piscina com tanta força que os nós de meus dedos ficaram brancos. Virei meu rosto para o lado, olhando-o por cima do ombro, e me deleitando com a visão que tive. Da face ruborizada dele, os olhos fechados e a boca semiaberta. Soltando suspiros baixinhos, mergulhado no próprio prazer.

-Naruto... - Sasuke segurou meus cabelos, puxando minha cabeça para trás o suficiente para que ela estivesse na altura da dele. Permitindo assim que seus lábios pudessem tocar na pele de meu ombro, beijando aquela região.

Remexi meus quadris afoito, indo em direção ao moreno atrás de mim. Eu sabia que estava chegando ao meu limite, e pelo modo como os movimentos dele tinham se tornado mais urgentes, soube que ele também não duraria muito mais. E como eu esperava, logo senti o corpo do Uchiha tremer-se, enrijecendo os membros. O aperto ficando mais firme, ao ponto em que latejava dentro de mim. Para enfim libertar-se, o corpo ficando gradativamente mais relaxado, os braços não mais tão firmes a minha volta. Mas o suficiente para que não me deixasse resvalar e tombar na água, quando meu próprio orgasmo foi atingido. Que veio acompanhado de um gemido abafado, quando me deixei amolecer no abraço dele. Virando-me em sua direção, para abraçar sua cintura e deitar minha cabeça em seu peito. Respirando ofegante, e ouvindo o coração dele martelar rapidamente dentro do peito.

Agora eu me sentia mais refrescado, embora de repente a piscina já não parecesse mais tão gelada quanto antes. Quando entramos nela. Então depois de uns segundos, onde esperamos nossas respirações se normalizarem, Sasuke passou o braço pela minha cintura e me conduziu para fora da água. Agachando-se para juntar o bolo de roupas úmidas no chão, me ajudando a vestir minhas calças em silêncio. O que mesmo eu não tendo dito nada, me deixou agradecido. Sentia meu corpo feito de mingau. Como se a qualquer instante eu fosse tombar para frente, de encontro ao chão encharcado pela nossa pequena diversão.

Assim que estávamos “devidamente” vestidos, o Uchiha passou o braço sobre meus ombros e saímos dali. Subindo as escadas de vagar, letárgicos pelo momento de prazer da qual ainda não havíamos nos recuperado. E conforme emergíamos na claridade do dia de sol no convés de popa, me senti um pouco constrangido por ter deixado a piscina fora das condições de uso. Contudo não dei muito valor a isso, e deixei que Sasuke me conduzisse ate o convés de proa, onde os outros estavam reunidos.

Dona Mikoto, assim como dissera que faria, estava tomando banho de sol. Deitada confortavelmente em uma espreguiçadeira, com um chapéu de palha largo sobre os cabelos negros. Mais adiante, debaixo de um guarda sol, Fugaku bebia e conversava com os outros dois homens. Pareciam estar entretidos em algum assunto, exceto Itachi, que nos olhou como se pedisse socorro assim que chegamos.

Paramos diante deles, e Fugaku nos cumprimentou com um sorriso pequeno, logo voltando a beber o que quer que esteja em sua taça. Madara nos lançou um olhar recriminativo, mas sorriu para nós e indicou que nos sentássemos nas cadeiras vazias. Já Itachi parecia extremamente animado, e assim que os mais velhos voltaram a conversar – percebi ser a respeito de politica – ele sussurrou para a gente que não estava mais aguentando. E claro, aproveitou para fazer um de seus comentários nada discretos, a respeito do modo como demoramos lá embaixo e de como o barulho que fazíamos parecia o de duas baleias acasalando.

-Calado Itachi, ou jogo você da murada. - Sasuke ameaçou, olhando de forma minaz para o irmão. Que não se afetou pela intimação do mais novo, e sorriu presunçoso, dando de ombros posteriormente.

-Mas é sério, eu não estava mais aguentando esses dois falando sobre leis, politica e jurisdição. - disse baixinho, tapando um dos lados da boca com a mão para que Fugaku e Madara não escutassem.- Isso foi cruel sabia? Abandonaram-me com dois velhos.

-Isso é problema seu. - Sasuke deu de ombros, cruzando as pernas e me puxando para mais perto. Ele parecia estranhamente possessivo desde que subimos a bordo.  

-Que ótimo irmão você. - Itachi resmungou, depois se levantou informando que iria buscar algo pra comer, como se não tivesse se empanturrado a pouco, e saiu. Não demorou muito para que o patriarca dos Uchihas também se levantasse, andando até sua mulher para fazer-lhe companhia.

-Nós vamos aportar a onde?- perguntou o moreno ao meu lado, olhando para seu tio que se reclinava na cadeira. Apoiando os braços nas costas da mesma, e sorrindo de canto.

-Em uma das ilhas não muito longe de onde estamos agora. - respondeu de forma simplista.- Sua mãe disse que eles fazem um festival com lanternas flutuantes nessa época do ano.

-Nós temos um destino então?- perguntei curioso, não achei que fossemos parar em algum lugar. Apenas que ficaríamos no iate, navegando de um lado pra o outro.

-Sim, o Sasuke não te contou?- Madara questionou, parecia divertir-se com um pensamento que não estava interessado em compartilhar.

-Não, ele não me disse nada. - olhei com os olhos cerrados pra o teme, que deu de ombros. Mas não pude ficar irritado por não ter sabido dos planejamentos antes de embarcar. Pois estava contente de mais que pisaria em terra firme logo. Podia estar conseguindo conter os enjoos e as náuseas aos poucos, quando conseguia me distrair. No entanto a ideia de que naufragaríamos ainda me afligia. Mesmo que já tivessem me dito que não corríamos esse risco.

-Bem, acho que chegamos lá ao anoitecer. – informou-me Madara, parecia tranquilo em comparação ao modo como estava agindo antes.

-Quanto tempo vamos ficar ancorados?- Sasuke serviu uma taça de bebida para si. Só fui perceber que eles tinham uma garrafa de champanhe depois que o mesmo me ofereceu um pouco. Não aceitei, não estava acostumado a bebidas e sabia que faria uma besteira se ingerisse álcool. Mas quando o Uchiha me deu um selinho, pela cara que eu fazia ao ver ele beber, senti o gosto doce que o liquido deixara em seus lábios.

-Não sei exatamente. - Madara fechou o sorriso que expunha.- Sua mãe parecer querer ficar por alguns dias.

-Parece divertido. - comentei, imaginando o tal festival. Já ouvira falar, e parecia ser um espetáculo lindo. Mas ainda que não fosse, tudo me pareceria divertido se eu não estivesse flutuando no mar.

 

~*~*~

 

Quase dei pulos de alegria quando vi pessoas andando em um cais, pisando em terra firme. Eu estava agitado com a ideia de sair daquele iate, e não via a hora de me livrar finalmente dele (ao menos temporariamente). Ao que parece eu não era o único. Assim que atracamos, Itachi foi o primeiro a desembarcar, alegando que tinha visto muitas “raparigas” de belas feições. Dado ao entusiasmo do filho por mulheres, Mikoto apenas suspirou pesadamente, murmurando algo sobre ele não tomar jeito. Fugaku não se manifestou, mas revirou os olhos e ajudou sua mulher com algumas bagagens. Já eu não me importei em pegar nada. Assim que pude sair daquele monstro marítimo, corri para fora deixando um Sasuke indignado para trás. Resmungando comigo por não o estar ajudando. No entanto eu nem estava ouvindo.

Assim que meus pés tocaram o chão, sorri como uma criança faceira e me ajoelhei, agradecendo a deus que eu ainda estava vivo. E não sendo devorado por piranhas debaixo do mar. Madara, que parou ao meu lado, ria da minha reação exagerada, estendendo-me a mão para levantar depois. Novamente ele estava sorrindo, e não parecia aborrecido com nada, o que me fez pensar que ele tinha algum tipo de bipolaridade. O que na real, era algo esperado, levando em conta que ele é um Uchiha.

-Você realmente não gosta de ficar no mar.–constatou com um sorriso gentil, bagunçando meus cabelos com uma das mãos.

-Com certeza não!- eu ri contente. Levantando meus braços, a fim de esticar os músculos dos ombros. Que pareciam ter ficado adormecidos por muito tempo. –Não nasci peixe, então meu lugar não é na água.

Ele riu de forma suave.

-Certo, vamos lá. Reservei uma pousada para a gente. - olhei para ele, que parecia satisfeito consigo mesmo. Como se estivesse me contando que tinha conseguido desvendar um grande e difícil enigma antigo.

-Claro, vamos. - comecei a acompanha-lo, vendo o Sr. e a Sra. Uchiha mais a frente, junto com Itachi, que lançava sorrisos para algumas moças na rua. Que suspiravam diante do ar sedutor dele, e quase iam ao chão. Coisa que eu quase fiz também, quando levei um soco na parte de trás da minha cabeça. Já me virando para ver quem tinha sido o idiota, e me deparando com Sasuke de cara feia. –Por que fez isso?- massageei o local atingido.

-Não sou o seu empregado. Carregue suas coisas seu preguiçoso!- ele apontou para minhas malas, que tinha arrastado com muito esforço para fora do iate. Afinal, tivera de trazer as minhas e as dele.

-Oh, desculpe teme. Esqueci-me de você. - sorri envergonhado, vendo ele estreitar ainda mais os olhos para mim. Direcionando-os em seguida para Madara a meu lado.

-Eu percebi. - resmungou aborrecido, me puxando para o lado dele do nada. Como se eu pudesse ser sequestrado a qualquer momento. - Vem Naruto. Nós vamos dividir um dos quartos. – ele sorriu maldosamente, e saiu me arrastando junto com as malas. Deixando o tio para trás.

-Se eu não te conhecesse, diria que está com ciúmes. - comentei despreocupadamente, ouvindo-o trincar os dentes.

-Pois não estou. - rebateu.- Você é meu, é simples assim. Imagino que isso esteja claro, mas se não estiver, dou um jeito nisso quando chegarmos ao hotel.

-Você não cansa?- sorri, mordendo o lábio em um gesto inconsciente, mas notando que o ato tinha chamado à atenção dele. Que parou de andar e se virou para mim, mantendo-me próximo de seu corpo.

-Não quando se trata de você. - pelo olhar que me lançou, era como se fossemos nos atracar ali mesmo. O que provavelmente teríamos feito, se a mãe dele não tivesse aparecido. Mandando que nos apressássemos, pois ela queria ver o festival que começaria em exatas uma hora e meia. Então teríamos de deixar aquele momento para quando estivéssemos apenas nós dois, em um quarto sozinhos. Onde ninguém poderia interromper-nos durante a noite inteira. Eu poderia esperar ate lá, valeria apena se tivesse meu Uchiha. 


Notas Finais


Gostaram? Ficou cansativo de se ler?
Espero sinceramente que não, e que tenham gostado do Sasunaru. Particularmente tive um pouquinho de dificuldade de escreve-lo. Acho que fiquei muito tempo sem escrever lemons. Tenho que começar a escrever mais de novo. ~aquela carinha~
Bom, vejo vocês no próximo (que vai ser a continuação do dezesseis). Ate lá seu lindos e lindas!
Kissus de Caramelo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...