História Mansão Norman Para Assassinos Aposentados - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jeff The Killer
Personagens Jeff, Personagens Originais
Tags Demência, Jeff, Loucura, Mansão, Slender
Exibições 54
Palavras 2.404
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Peixe: WEEEEE ARE THE CHAMPIONS, MY FRIEND!
Jeff/Sally/Norman/Jenny/BEN: AND WE'LL KEEP FIGHTING, TILL THE END!
Peixe: VOLTEEEI!
Jeff: Ainda bem, tava quase pra te jogar facas!
Peixe: E eu iria te levar pra conhecer Tituliu!
Jeff: Oxe
Sally: Finalmente voltamos.
Norman: Verdade.
Jenny: Eu estou nas notas iniciais, ai que alegria. *flutuando se imaginando dando pulinhos
Peixe: Sim, é tudo uma alegria, mas vamos ao capítulo. Até *acena
Todos: Até *acenam
Peixe: Vocês vão aparecer no capítulo bando de guaribas baleadas!
Todos: Pior.

Capítulo 12 - "Slender's" tem bocas (ou não), Norman tem ouvidos!


Fanfic / Fanfiction Mansão Norman Para Assassinos Aposentados - Capítulo 12 - "Slender's" tem bocas (ou não), Norman tem ouvidos!

- A vida é bela! – disse Jeff se pendurando no lustre.

- Hey, alguém viu meu terno preto? Preciso dele urgente! – gritou tio Slendy.

- Tio, você tá usando ele agora! – disse Sally olhando para o tio Slendy com olhar de paisagem.

- Oxe, não é esse, minha bacurizinha, é o outro, aquele que tem umas litras cinzas na vertical.

- Ata, não, não vi não.

Liu e Jane se aproximaram todos sujos de massa.

- Terminamos de fazer os bolos, agora precisamos de ajuda para fazer as pizzas e as lasanhas! – disse Liu voltando para a cozinha.

- Lasanha, eu quero! – gritou Toby correndo para a cozinha, no caminho teve que levantar o machado para se defender da facada que a Jane tentou acertar nele.

- Vai lavar as mãos antes! – disse ela.

- Tá doida, doida? E se isso me acertasse?

- Você é uma proxy, tú não morre demônio! – disse Jane revirando os olhos.

- Vou ajudar também. – Rake disse indo em direção a Jane.

- Valeu Rake, as luvas estão em cima da mesa e Jack você não vai ajudar! Não quero encontrar um rim na comida.

- Droga. – disse Jack tirando o avental e indo embora.

- Sally, eu sou o homem-aranha! – gritou Jeff ainda se balançando no lustre. Smile Dog corria em círculos embaixo do lustre.

- Então deixa eu ser sua Mary Jane e vamos fazer a cena do beijo na chuva. – Nina subiu na mesinha e fez um biquinho esperando a volta de Jeff que faria a boca deles se encontrarem, talvez, mas logo após ela falar isso a Sally surgiu do nada imitando o Tarzan se segurando em uma cortina.

Sally se segurando na cortina acabou acertando a Nina que caiu em cima de uma cadeira e a quebrou.

- Filha da puta... – quando ela foi se levantar o Smile Dog começou a lamber ela. Não, para... me solta.

Sally ria muito.

- Eita Jão. – BEN saiu de dentro da TV e estalando os dedos mudou para um canal em alta resolução. – Consegui melhorar a resolução da TV.

- Me solta logo, cachorro idiota. – Smile dog mordeu o braço da Nina. – AAAAAH...

Sally, Jeff e BEN riam igual retardados.

- Nossa, tudo isso só por dois caras? – perguntou Jenny se aproximando de mim.

- Bom, são os irmãos do Slender e eles não se veem a mais de três séculos, então eu posso entender toda essa precaução do tio Slendy. – respondi vendo toda aquela zona.

- Ata... entendi. – disse Jenny flutuando acima da minha cabeça.

- Norman, Jenny podem me ajudar a arrumar a mesa? – pediu Clockwork se aproximando de nós.

- Claro Clock. – eu e a Jenny respondemos juntos e fomos ajudá-la.

Escutamos o barulho da campainha, eles chegaram!

- Eles chegaram! – avisou Jeff aparecendo de terno.

- Ué, por que você tá usando terno? – perguntei confuso.

- Haha, o Trenderman odeia!

- Como você sabe o que ele gosta e não gosta se só ouviu falar sobre eles ontem?

- Eu escutei o Slendy comentar isso, aí vou por a ideia em prática pra ver se é verdade.

- Ata.

- Eu atendo, eu atendo. – disse Slender indo abrir a porta. – Bem vindos, irmãos.

- Slender! –gritou um deles se jogando em Slender. – Eu senti tantas saudades.

- Eu já entende Splendor, agora sai de cima de mim. – pediu o tio Slendy e os dois se levantaram. – Trender…

- Cala a boca. – disse o outro dos dois, diferente dos três presentes, ele não usa terno. – Quantas vezes eu tenho que te falar para usar roupas menos antiquadas? Que droga, Slender. Um vermelho combinaria muito bem com você! E QUE MERDA É ESSA? POR QUE ESSE GAROTO USA UM TERNO VERDE COM GRAVATA MARROM, NÃO COMBINA E NEM TEM ESTILO NENHUM!

Jeff começou a ter uma crise de risos.

- Eu sabia… Eu sabia… EU SABIA QUE ELE IRIA PIRAR.

- E O QUE ESSA GAROTA ESTÁ FAZENDO? POR QUE ELA USA SAPATOS AMARELOS SE SEU VESTIDO É VERMELHO? – gritou Trender apontando para a Sally que começou a rir também.

- Socorro. – disse ela tendo uma crise de risos junto ao Jeff.

- Me matem, por favor. Eu não acredito que vi algo tão bizarro assim. – disse Trender se deitando no chão em posição fetal.

Jeff e Sally continuaram a rir e a Jenny do meu lado segurava o riso.

- Vamos irmãozinho, mais alegria, não nos vemos a uns bons séculos. – disse o Offendy tentando levantar o irmão.

- Você não é o meu irmão! – disse Trender cruzando os braços… Espera aí, o QUÊ?

- O QUÊ? – gritamos todos juntos.

- Como assim, eu não entendi. – disse Jeff olhando para os irmãos do tio Slendy. – Explica isso Ofendy.

- Deixem que eu explique. – disse o tio Slendy se aproximando. – Na verdade o Trender não é o nosso irmão e sim o nosso primo, mas o Offender o trata como irmão por ele ser o mais novo de nós quatro. Ah, e o Offender é o irmão mais velho!

- AHN? – o pessoal ficou de boca aberta.

- Tá brincando, né?! – disse Jack.

- Que louco, tio. – falei.

- Então eu acho melhor vocês se apresentarem para o gerente da mansão e os meus filhos. – sugeriu o tio Slendy aos seus irmãos.

- Okay, eu começo. – disse o palhaço. Dos quatro só ele tinha um rosto, chegava a ser surpreendente. – Olá crianças, eu sou o Splendor Man. Sou uma happypasta e faço coisas boas a pessoas que são gentis e de bom coração.

- Vocês já me conhecem, eu sou o Offender Man. Sou uma creepypasta e ajudo donzelas indefesas.

- Tú é um pervertido! – gritou Nina atirando um sapato nele.

- Eu sou Trenderman. O primo e não mato ninguém ou possuo tentáculos, mas odeio pessoas com gosto ruim para roupas, além do mais eu sou um grande estilista de moda.

- E esses são os meus irmãos. – disse Slender suspirando.

- Oe pessoal, a lasanha tá pronta! – Jane e Liu avisaram saindo da cozinha.

- Você disse… lasanha? – Offender, Splendor, Trender, Jeff e Sally olharam em direção aos recém chegados.

- Eita Jão. – Jane assustada engoliu em seco. – C-Com calm…

Eles atropelaram ela.

- Comida faz coisas inimagináveis. – comentou BEN assobiando.

- Desgraçados. – xingou Jane no chão.

- Apenas vamos logo. – disse Nina indo atrás deles e pisando na Jane.

- Sim, vamos. – disse BEN pisando na Jane, e assim foi com ele o Smile Dog, o Rake, o Ticci Toby, o Eyeless Jack, o Jake Risonho, a Clock e o resto da cambada.

- Por que só comigo? – perguntou Jane quase lagrimando.

- Por que só com ela? – perguntou Nina olhando com raiva para a Sally que dividia o prato com Jeff que comiam lasanha juntos.

- Vai saber. É a vida. – falei mexendo os ombros.

Jenny flutuou por cima da Jane.

- Opa, desculpa Jane, pisei em cima de você sem querer. – desculpou-se Jenny.

- Tudo bem Jenny, até porque você flutuou então eu não senti nada. – disse Jane lagrimando.

Fomos todos para a cozinha e começamos a conversar enquanto comíamos e os irmãos do Slender usavam seus tentáculos para roubar comida. – com exceção do Trender, por alguma razão ele não usa seus tentáculos. – Os únicos que falavam eram os três irmãos do tio Slendy, já que eles tinham que responder tudo o que a gente perguntava.

- Por que você tem bom gosto pra roupas? –perguntou Nina para Trender.

- É porque eu antes de ser o que eu sou eu era um manequim de uma loja de roupas muito famosa, mas eu ganhei vida quando me irritei pelo modo como os clientes vestiam as roupas. Aquilo dava vontade de vomitar, ainda bem que eu não tenho boca.

- Por que você é animado? – perguntou Sally para o Splendor.

- É por que eu gosto de animar as pessoas, quem é bonzinho vai ganhar recompensas! – respondeu Splendor.

- Então você é tipo o Papai Noel! – disse junto da Sally, do BEN e da Nina e da Jenny.

- De certa forma.

- E por onde vocês estavam por todos esses séculos? – perguntou o tio Slendy para os seus irmãos.

- Eu estava ornamentando as vendas e estilos de roupas da empresa Hermès Paris. – disse Trender cruzando os braços.

- Eu estava apenas cuidando das crianças nos institutos da California. – disse Splendor rindo. Eu já disse que não consigo me acostumar com alguém igual o Slender só que tendo rosto?

- Pera aí, você estava ornamentando uma das maiores empresas de roupas do mundo? – perguntou Jane surpresa.

- Sim, meu objetivo é superar a empresa Christian Dior.

- Uau.

- Trender, você pode me mandar algumas roupas? – pediu Jane fazendo cara de cachorro que caiu da mudança.

- Claro, na verdade para todos vocês! Pelo meu rastreamento eu percebi que o Slender não compra roupas boas a vocês. Principalmente esse garoto. – ele apontou para Jeff. – Esse garoto só tem dois tipos de roupas no guarda-roupa sendo que uma delas é o uniforme de trabalho. Garoto, você sabe o que é estética?

- Err… algo que estica? – Jeff parecia confuso.

- Um tipo de comida. – gritou Sally alegre. As vezes eu pareço ser mais velho que o Jeff e a Sally juntos.

- Por Deus, vocês tem cérebro pelo menos?

- Claro que sim, por que não teríamos? – perguntaram Jeff e Sally juntos. – Espera aí, o que é esse rastreamento que você falou?

- Talvez Slender já tenha falado para vocês que cada um de nós temos poderes únicos.

- Não. – respondemos. Trender “olhou” para Slender que apenas levantou as mãos em rendição.

- Nem isso você contou a eles. – Trender suspirou. – Bom, como eu disse cada um de nós temos poderes únicos. Eu sou o único da família que não tem tentáculos, no lugar eu tenho um tipo de poder que me faz rastrear em uma área de 2km o que eu quiser, como eu fiz agora pouco querendo saber as roupas que vocês usam.

- Uau. – dissemos juntos. Trender continuou.

- Offender possui tentáculos com lâminas. – quando ele disse isso Offender mostrou seus tentáculos e pela primeira vez eu pude perceber algum tipo de dentes nas pontas dos tentáculos. – Ele tembém possui um poder de ilusão.

- No final ele não é só um pervertido. – observou Jane.

- E-Ei, qual é?

- Splendor possui apenas um tentáculo e ele é preto igual ao seu braço. – Splendor mostrou seu tentáculo totalmente escuro com alguns pontos brancos o que fazia seu braço parecer um pedaço do céu visto a noite. – Quanto ao seu poder é criar um tipo de armadura da cor do seu braço e do seu tentáculo.

- Não é nada demais, hihi.

- E o Slender é o mais forte de todos nós. Ele cria o maior número de tentáculos de nós, sendo que pode mudar a forma deles e esticar o quanto quiser, pode alterar a memória das pessoas e se teleportar, além de se comunicar por telepatia e voar.

- Porra Slender. – disse Jeff.

- Olha o palavreado, tem crianças aqui. – bradou Slendy.

- Oxe. – bufou Jeff rindo depois.

- Vocês vão ficar por aqui? – perguntou tio Slendy para seus irmãos.

- Na verdade eu só vim dar uma visita rápida, pois como eu disse eu almejo o primeiro lugar para a Hermès Paris.

- Eu planejo seguir o Trender para achar mais pessoas boas, meu dever é espalhar alegria as pessoas, afinal. – disse Splendor.

- Então nós vamos agora! – avisou Trender se levantando.

- Mas já? – disse Slender e todos nos levantamos também.

- Sim, fui muito bom te ver de novo, irmão. – E assim os quatro se abraçaram, e eu só não chorei porque aquela cena era bizarra demais.

- Ai que lindo, gente. – disse Jack fingindo chorar, bom, tava derramando um líquido preto do rosto dele, então…

- Slender, poderia nos deixar lá na porta? – pediu Splendor e Slender assentiu. – Você também Offender. Até mais, pessoal.

- Até. – dissemos juntos.

O pessoal começou a jogar UNO na mesa e eu fui para a sala deitar no sofá.

- Hey Norman. – olhei para trás e era a Jenny. – Onde você tá indo?

- Ah, vou me deitar no sofá, não tem nada para fazer.

- Hm… vou com você, companhia é sempre bom. – disse ela sorrindo. E assim fomos a sala.

- Mas não podemos esperar mais!

Escutamos alguém dizer. Nos aproximamos e vimos os quatro irmãos conversando.

- Eu sei que não, mas mesmo nós quatro juntos não somos páreos para ele. – disse Offender e ele parecia preocupado.

- Não quero envolver as crianças nisso, são apenas humanos que sofreram na vida… com exceção do BEN, ele é um vírus de computador, e também a Clock, o Smile Dog, o Rake… enfim, eu não quero envolver nenhuma das minhas crianças nisso! – disse Slender.

- Mas sem elas nossas chances vão baixar e muito! – dessa vez foi o Splendor e pela primeira vez ele não tava sorrindo.

- Mesmo assim…

- Entenda Slender. – começou Trender. – Se o Jeff, a Sally e os outros não ajudarem não vamos poder nos livrar dessa maldição, você o conhece… Zalgo não vai nos deixar em paz…

- Não diga o nome dele! – disseram os outros três juntos tapando o rosto de Trender com os tentáculos. Depois disso eles começaram a olhar para os lados por quase uns cinco minutos e depois suspiraram.

- Você sabe que só de dizer o nome dele já é perigoso. – bradou Offender medroso.

- Tudo bem, essa mansão está sob minha proteção. Ele nunca vai encontrá-la!

- Se você diz Slender. Agora é melhor irmos, adeus irmãos. – despediu-se Splendor. Trender acenou.

- Até irmãos. – disseram Slender e Offender juntos.

- Slender, isso é preocupante. Vamos procurar nos livros da biblioteca alguma dica ou qualquer coisa que possa nos ajudar caso o pior aconteça.

- Okay, Offender. Vamos. – tio Slendy pegou no ombro de Offender e eles se teleportaram acho que para a biblioteca.

Olhei para Jenny surpreso, eu estava suando e um pouco assustado mesmo sem saber o motivo, olhei para a Jenny e ela parecia mais branca que o normal e sem falar que ela tremia.

- O que foi isso? – perguntamos juntos um para o outro. Jenny voltou a sua coloração normal, mas ainda tremia.

- Temos que falar com os outros. – falei para ela que acenou. – Principalmente com o Jeff.


Notas Finais


Norman: Temos que contar ao Jeff e os outros!
Jenny: SIm, vamos.
Peixe: Eu acho melhor vocês fazerem isso no porão...
Norman/Jenny: PEIXE?! O.o
Peixe: Primeiro e único u.u Ah, pois é, se reunam no porão e escolham só alguns para não ficar muito suspeito. Boa sorte,
Norman/Jenny: VALEU! *correram
Peixe: Sinto muito garotos, mas o lado sombrio de cada um dos creepypasta vai aparecer de novo, então que você tenha espírito e estômago para o que está por vir. *vendo os dois longe.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...