História Marca evidente - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais, Sango
Tags Amor, Cammy, Hayato, Hentai, Ikeda, Inuyasha, Kami, Maldição, Romance, Sango, Sexo, Shoujo, Street Fighter
Visualizações 15
Palavras 3.993
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Volteeeei depois de dois milênios e três séculos!

Essa é a ultima parte da OVA e no próximo cap eu voltarei para a estória!!!!

Prontos para chorar, gritar de raiva e querer me matar ? Kkkk

Então.. Boh ler

Bjs de luz ;'*/

Capítulo 33 - OVA - KOMINATO PARTE 3


Fanfic / Fanfiction Marca evidente - Capítulo 33 - OVA - KOMINATO PARTE 3

- Ele está demorando para voltar - me levanto e abro a porta, olho para os lados e não o vejo, caminho pelo corredor e o vejo a espreitar algo - o que está fazendo aqui ? - ele pula assustado.

- É.. Nada, já estava voltando - passo por ele e vejo Hayato falando ao telefone de costas para mim. 

- Sim, terei que fazer isso e preciso da sua ajuda, preciso me casar com ela o quanto antes e me livrar dele - tiro o celular de sua mão e o quebro com apenas uma mão.

- Casar com quem ? Se livrar de quem ? - pergunto e ele parece assustado - vou perguntar mais uma vez, acho que você não entendeu - dou um passo em sua direção e ele recua - de quem você estava falando, Hayato? 

- Nada que envolva você - ele olha para Kominato que está atrás de mim - o que está olhando ? Vocês dois são dias aberrações e foram feitos um para o outro.

- Concordo plenamente - Kominato diz ao me abraçar por trás.

- Nunca irei me casar com você, Hayato, você é uma pessoa detestável - Kominato beija meu ombro - ele, com ele que eu irei me casar e adivinha quem terá uma parte da sua preciosa fortuna quando isso acontecer? Acho que não precisa de resposta, não é mesmo - viro de costas - vamos dormir, kominato.

- Você é um monstro, aposto que sua mãe não morreu e sim te abandonou por não aguentar ficar com um ser igual a você - ele ri - tenho mais a absoluta certeza de que ela era tão vagabunda como você - Kominato tenta me segurar.

- Não vale a pena Sango - ele segura meu braço e me arrasta até meu quarto.

- Me deixe mata-lo lentamente - ele tranca a porta e coloca a chave dentro da calça.

- Ele só está querendo mexer com você, o ignore Sango - soco a parede causando um tremor no local.

- Como ele ousa falar dela, assim.. Minha mãe lutou até seu último suspiro - estava querendo chorar de raiva dele, de ódio da situação.

- Calma, vou tomar um banho e depois você vai fazer o mesmo.

- Suas roupas estão no baú ao pé da minha cama - passo as mãos nos cabelos afim de me acalmar - está doendo alguma coisa ?

- estou com o corpo dolorido, mas a cabeça está ótima, não sinto absolutamente nada - ele diz convicto.

- Fico feliz, minha mãe mandou você tomar isso - entrego a ele uma cartela de comprimidos - um agora e o outro amanhã cedo. 

- Certo - ele pega suas roupas e lhe dou uma toalha - não saia dessa quarto ouviu - ele caminha para o banheiro.

- Você está com a chave, não tenho como sair - me sento na cama 

- Como se você não fosse capaz de abrir um buraco na parede e escapar - ele diz e fecha a porta do banheiro.

- Tem razão - digo baixo.

Estava inquieta, o barulho do chuveiro estava me incomodando, ou.. Será o fato de não estar lá com ele - que pensamento horrível - olho para a porta do banheiro - Humm - balanço as pernas em sinal de nervosismo - Aaah que se lasque - tiro a roupa e abro a porta do banheiro, ele não havia notado minha presença, a fecho devagar e ando até o box.

- SANGO! - ele grita quando eu abro o box - o que .. - entro e o encosto na parede.

- Xiu... - coloco o dedo indicador a frente de seus lábios.

Ele permanece parado e me observa molhar meu corpo - isso é algum tipo de texte de força de vontade ?  - ele pergunta.

- Não, eu vim tomar banho com você - pego a esponja de sua mão - algo contra? 

Meus olhos descem de seu rosto corado, passa por aquele peitoral maravilhoso, a barriga definida e .. Era grande, até demais.. E pulsava como se apontasse para mim.

- Não me olha assim... - ele estava com vergonha, o mesmo Kominato que já havia pego toda a escola, estava nú e com vergonha.

- E por que não olharia - deslizo o dedo de sua boca até seu membro - tudo isso é meu - passo o dedo por toda sua extensão e ele segura minha mão.

Ele respirava com dificuldade.

- Para... Não sabe o que você causa em mim - o puxo pela nuca para um beijo apaixonado, por que é exatamente dessa forma que ele fazia eu me sentir, como uma garotinha de quinze anos vivendo seu primeiro e doce amor. 

- Não tenha medo de tocar - digo entre seus lábios, mas ele não faz absolutamente nada, pego suas mãos e coloco em meus seios e os aperto.

- Sango.. - ele gemi em minha boca e eu retribuo o gemido quando ele puxa os bicos, já obtusos. Ele solta minha boca e abaixa para abocanhar um dos seios, arqueio as costas ao sentir sua língua circular pelo bico, seus dentes roçam suavemente nele me enlouquecem.

Minhas costas batem brutalmente contra a parede - Aaah - com um gemidescol quedo eu deixo toda minha luxúria escapar e me deleitar naquele momento.

Suas mãos passeiam por todo meu corpo - quero te foder tão forte contra essa parede que até os azulejos vão quebrar - seus dedos me invadem causando uma dor maravilhosa. Cravo as unhas em seus ombros - Kominatooo - dou um gemido arrastado, ele coloca mais um dedo e os três entram até o final - está .. Doendo - pouco me importa a dor, ele fazia a dor durar milésimos e trazia um prazer que eu jamais havia experimentado antes.

- Quer que eu pare ? - ele diz suplicando com os olhos para dizer não.

- Jamais - com a mão cavada ele pega meu monte vênus e clitóris enquanto me masturbava melhor do que eu mesma.

- Se apertar meu pau da mesma forma que está apertando meus dedos eu irei gozar em você várias vezes - não consigo responder ou pensar, segurando minhas mãos para cima ele usa seu corpo para me prender contra a parede gelada, a água do chuveiro caía sobre nossos corpos e o vapor nos deixava mais quente ainda. 

Aqueles longos, grossos e maldosos dedos me levavam ao paraíso.

- Não grita assim ainda, quero você a plenos pulmões quando eu meter em você - ele sussurra rouco em meu ouvido.

Eu já tinha visto inúmeras faces do Kominato mas nunca essa, era devasso, libidinoso, sexy e irresistível. 

Ele retira os dedos e os enfia em minha boca - quantas vezes você fez isso pensando em mim ?

- Várias... - respondo acanhada.

- E no que você pensa quando se masturba ? - ele pergunta enquanto beija meu pescoço.

- Em você... Por cima de mim.. Aaah.. - não consigo raciocinar, ele me dominava de uma forma inacreditável.

De olhos fechados ouço o chuveiro ser desligado, sem toalha ou vergonha ele sai do box e me toma pela mão para eu segui-lo, encharcando o chão nós saímos do banheiro e andamos até a cama. Ele deita de barriga para cima e eu fico ao seu lado - vem por cima, quero ver esses seus seios pulando.

Com muito receio e inexperiência eu subo em cima dela, ele posiciona seu pau rente minha boceta, sem dizer palavras bonitas como eu vi em filmes ou livros ele enfia, aos poucos, e eu sinto a pior dor - me aperta de novo - ele pede e eu aperto seu pau com minha boceta - caralho... - ele geme.

Involuntariamente eu começo a  mover o quadril para frente e para trás, aquilo doía mais do que me excitava, não sabia que a primeira vez seria tão " ruim " como está sendo - vai com calma, eu vejo pela sua cara que está doendo e muito - ele me tira de seu colo - senta aqui - ele aponta para rosto.

Meu corpo entra na mais profunda combustão - Co-como ? - pergunto.

- Vou deixa-la dormente para poder fazer o que eu quero com você, coloca um joelho de cada lado do meu rosto e se encaixa em minha boca - ele pega em minha mão 

Me sentia desconfortável com aquilo, como poderia sentar na cara dele assim? Sem mais nem menos ? - Kominato... O que irá fazer ? - pergunto enquanto faço o que ele pediu.

- o melhor oral da sua vida - ele percebe meu receio e me arrasta para mais perto, sua língua molha todo meu exterior, ele beija meu clitóris como se estivesse beijando minha boca.

- Humm - aquilo era bom, muito bom - aaah - apoio as mãos na parede. Dou um pequeno salto quando sua língua entra de uma só vez - aaaaaaah deus.. ooh céus ! - grito quando sua língua atinge meu ponto G - por favor não pare.. Não pare - engasgo com minha saliva quando ele faz um movimento circular - sim.. Kominato continua - ele sorri com os olhos - AAAAAH! Caralho! Assim .. Deus - seguro em seus cabelos e rebolo em sua boca - AAAGRH ! - meu corpo treme em sua boca e me derramo sobre ela. Caio para o lado, esse sem dúvida tinha sido o maior orgasmo que eu já havia sentido. Viro de barriga para baixo e sinto ele fazer peso em cima de mim.

- Sango.. Eu não acabei com você ainda - ele diz em meu ouvido.

Sentia meu corpo dormente, mal percebi quando ele levantou meu quadril e abriu mais minha pernas. Seu pau Entra mais uma vez, lentamente ele toma conta do meu interior, dessa vez não dói tanto quanto da última vez, talvez por causa do intenso orgasmo que eu tive.

- Eu irei devagar - ele diz calmo.

Estava com a cabeça apoiada no colchão, suas mãos em meu quadril e estocando devagar. 

- Aah .. Humm - merda, como isso dói, por que ele tem que ser tão bem dotado? E quando começa a ficar somente prezeroso? Quero voltar para o oral.

Mas ele começa a dedilhar o meu ponto mais crítico causando espasmos em meu corpo, aquilo era maravilhoso e fez a dor ficar em segundo plano finalmente.

Ele deita sobre mim - Não me aperta tanto, assim vai doer mais pra você - Ele diz.

- Falar.. Aaaaaah - ele aperta meu clitóris no exato momento em que seu pau empurra meu ponto G. Ele vê que aquilo da resultado e faz de novo - assim - mordo o lençol em contrapartida daquela sensação, era boa demais.

Ele começa a ir mais rápido e nossos corpos colidem causando um som sexy, estava muito molhada e ouvir ele entrar e sair me deixava mais excitada ainda. 

- Sango... Humm Aaah - deus..quero ouvir ele gemer assim de novo. Mexo o quadril no mesmo ritmo que o dele - Pohha.. Aaah - seus dedos entram em minha pele estocando mais rápido, mais fundo.

- Kominato... Não para -  ele puxa meu cabelo e aquilo me pega de surpresa, enrolando os fios em seu pulso ele arqueia mais minhas costas, e mesmo doendo eu agora era amante dores que ele causava em mim.

Com suas estocadas repetitivas ele me leva ao ápice de novo, de uma maneira diferente, mais intenso e mais forte, passando por todo meu ventri e me derretendo por dentro.

Ele me vira de barriga pra cima e sem demora retorna a meter fundo em mim - coloque suas pernas ao rerdor da minha cintura - com muita dificuldade eu as levanto e faço o que ele pedi. Uma de suas mãos me abrem quase me partindo ao meio e a outra segura em meu pescoço - Isso está tão bom.. - seus olhos se reviram me deixando mais molhada, ele abaixa o dorso e geme rouco em meu ouvido - Aaah . San... deus... - minhas unhas rasgam suas costas - eu te amo - ele diz beija meu pescoço.

- Eu te amo muito mais - com mais duas enterradas ele grunhi indicando que ele havia gozado.

- Caralho mulher - suas lábios tocam a ponta do meu nariz - você foi incrível - ele sai de dentro de mim e se joga ao meu lado 

- Que bom, pois estou mais dolorida que você agora - digo com dificuldade para respirar - tive um ótimo professor - ele sorri - amo seu sorriso.

- O seu é mais bonito - ele diz ao mu puxar para deitar em seu peito - obrigado por me escolher.

- E teria como não escolher ? - pergunto.

- Como assim ? 

- Quando eu te vi pela primeira vez eu gostei do seu jeito todo bad boy, sem estar ligando para nada. Pensei comigo que seria bom e engraçado ter uma pessoa como você como amiga, mas algo me dizia que isso não seria suficiente. Fiquei poucos meses na mesma sala que você, e foi suficiente para acabar me apaixonando, mas você com essa marra toda não ligava pra mim, então resolvi ser mais direta - faço círculos com o dedo indicador em seu peito - quando me beijou pela primeira vez, eu senti meu estômago virar de cabeca pra baixo, não que aquele tenha sido o meu primeiro beijo, mas foi o primeiro que eu realmente queria beijar de novo e de novo. Sinto como isso que nós temos, esse nosso amor veio de 900 anos, e eu sei, eu sinto no fundo da minha alma que em todas as minhas vidas passadas eu escolhi você - beijo seu peito com um breve selinho - então ..Agora não seria diferente. Independente das dificuldades, dos empecilhos que colocam a nossa frente eu não vou te abandonar e irei até o inferno matando quem for pra te trazer de volta pra mim, já que é somente ao seu lado que eu quero ficar - percebo que ele está quieto demais - Kominato ? - levanto a cabeça e o vejo chorando calado - o que foi?

- Eu.. Não sei o que dizer .. Olha.. - o interrompo com um beijo.

- Não precisa, eu sei - limpo seu rosto secando suas lágrimas.

- Agora durma, estarei aqui quando acordar - ele beija o topo da minha cabeça.

- Sim, estou quase dormindo - bocejo -  boa noite meu amor - nos cubro com dois cobertores.

- Boa noite minha gostosa - sou um sorriso e fecho os olhos.

Estava feliz, acho que daqui pra frente as coisas serão melhores para nós.

KOMINATO'S pov

Acordo durante a madrugada com meu celular vibrando, o pego e olho no visor e vejo que alguém lá de casa está me ligando.

- Alô... - com voz de sono eu atendo.

- Kominato, venha pra casa a mãe está passando mal e temos que leva-lq ao médico - era Toshihiko.

Olho para Sango que se aninhava em mim, e sair dalí não seria bom.

- Não pode fazer isso sozinho ? - pergunto - afinal, você sempre foi o favorito dela. 

- De qualquer forma ela é a sua mãe também, e como vou leva-la sozinho se ela está convulcionando? Venha logo - ele desliga.

- Merda - tiro meu braço de baixo de seu pescoço de maneira cautelosa. A cubro direito e fico um tempo olhando para ela dormir calma e relaxada - eu volto, prometo - beijo sua testa e levanto. 

Alongo o corpo e me visto sem fazer barulhos, deixo o quarto e sigo rumo a saída - que frio - coloco a touca do meu casaco.

Andando pelo jardim eu observo o local novamente, estava escuro, e para uma propriedade tão grande não havia iluminação pelo local. 

Os portões se abrem quando eu  me aproximo mas não vejo ninguém na portaria ou vigilância - estranho, será automático ? - assim que eu piso na calçada eles se fecham causando um ranger que ecoa por toda a rua - credo.. - olho para os lados e a rua está deserta - bem que ele poderia passar aqui e me pegar - reclamo.

Caminho pela calçada até virar a esquerda e notar um furgão parado com o motor ligado e os faróis baixo.

Penso em atravessar a rua - que idiotice - volto atrás com a ideia. 

Passo pelo veículo olhando para ele mas nada acontece - estou ficando paranóico - apresso o passo e continuo subindo pela rua principal. 

Ouço ao longe um carro derrapar, antes de  virar e ver o que está acontecendo o mesmo furgão passa por mim com a porta aberta e alguem me puxa para dentro dele. Não consigo ver absolutamente nada no meio daquele breu - quem está ai ? - me debato mas sinto quatro mãos me agarrar.

- Tolo irmão... - Ouço a voz de meu irmão.

- Toshihiko! Que brincadeira mais idiota é essa ? - ele me amordaça e segura minha cabeça para frente.

- Olhe com atenção - uma tela a minha frente é ligada, e mostra uma gravação de quando eu e Sango nos escondiamos na sala do zelador para usarmos nossos poderes - nossa querida mãe está dirigindo esse carro e adivinha para onde estamos te levando? Exatamente! Para o lugar como aberração como você merecem ir - dou uma cabeçada para trás e ele me solta, pulo para abrir a porta mas ele me segura me sufocando com o braço.

- Não o mate Toshihiko, ele precisa ser curado - minha mãe abriu a janela que dividia a parte os passageiros e o motorista.

- HUMMM! - tento falar mas aquela merda de pano estava apertad demais, Toshihiko me solta e minha garganta arde. 

- Do ooooutro lado do país há um lugar maravilhoso que cuidam de pessoas como você - ele sorri.

Meu celular toca indicando que uma mensagem havia chegado, ele enfia a mão em meu bolso e pega o aparelho - e veja só quem é! A galinha dos ovos de ouro - ele coloca o visor a minha frente para eu ler a mensagem.

" Poxa! Por que não me acordou?! Agora estou preocupada! Mas, qualquer coisa me avise... Te amo " era ela.. Meu peito dói de tanto desespero, quero vê-la! Mas não consigo fugir dalí, meu irmão é muito mais forte que eu e o carro esta muito rápido para pular com ele em movimento.

- não se preocupe, ela vai ser muito bem tratada enquanto você estiver longe - ele diz em meu ouvido o que faz meu sangue ferver.

Ele tira a mordaça.

- Se encostar nela eu te mato! - grito.

- Não se preocupe, ela já deve estar esquecendo de você, aí você deves estar se perguntando o que eu ganho com tudo isso ... Simples.. Rios e rios de dinheiro - ele sorri diabolicamente - o que vai acontecer com vocês dois pouco me importa.

Salto em cima dele e com uma cotovelada eu abro seu lábio.

- Erro seu - sinto o baque de um soco de esquerda dele agir minha têmpora e dois um de direita me derrubando sobre os bancos, minha vista embaça e sinto algo quente descer pela minha testa e escorrer pelo nariz - exagerei - ele diz irônico.

- San.. Go... 

SANGO's pov

- Ele visualizou, deve estar ocupado, não vou incomodar - fico um tempo olhando para o teto me lembrando de tudo o que aconteceu. Esperneio de felicidade - realmente aconteceu!! Nem posso acreditar... - salto da cama e me visto - já perdi o sono mesmo, vou comer alguma coisa - ouço meu estômago roncar - já entendi barriga, não precisa falar duas vezes - calço minhas pantufas e saiu do quarto.

A casa estava estranha, muito silenciosa e com uma energia estranha. A escuridão estava mais profunda que o normal - tenho que parar de ver filmes de terror, estão afetando minha imaginação - caminho pelo correr e ao chegar a cozinha eu acendo a luz - será que tem algum chocolate na geladeira - caminho de forma preguiçosa, minhas pernas ainda doem, mas fico feliz por assim.

- KO! - alguém grita e meu corpo se paralisa.

 - Mas que caralho está acontecendo ? - não conseguia me mover, sentia como se uma corrente passasse ao redor de todo meu corpo e apertasse - QUEM ESTÁ AÍ ? - tento virar mas não consigo, algo pinga em meu nariz, forço o pescoço para cima até conseguir ver de onde vinha o líquido. No teto acima de mim havia um circulo pintado na cor vermelha, com imagens, ideogramas e letras que eu nunca ouvi falar.

- Eu não queria ter que fazer isso - maldito, essa voz - a culpa é sua por se envolver com ele e tirar tudo de mim - Hayato para a minha frente me encarando com os olhos vermelhos de ódio.

- SEU MALDITO! EU VOU TE MATAR !!! - movo um braço e tento soca-lo - ME TIRA DAQUI!!! 

- Irei tira-la daí quando estiver pronta - em suas mãos havia um livro preto fosco, com as páginas em papiro e um terço que dava voltas e mais voltas em seu braço - nós vamos ser tão felizes juntos.

- O QUE... - ele começa a ler algo que eu julgo ser em latim - AAAAAAARGH! - sinto algo afiado entrar na minha cabeça mas eu não via nada alí - PARA! AAAAH! EU VOU TE MATAR BEM DEVAGAR SEU FILHO DA PUTA - meu ombro queimava, ele estava acordando e dessa vez eu deixaria. Quero trucida-lo membro por membro até me banhar com seu sangue.

Ele enrola mais uma vez o terço em seu braço e sinto meu corpo ser praticamente partido em dois, ele me aperta mais e desloca meus dois braços - NAAO! AAAGRH !  - grito várias e várias vezes - o que.. Você está fazendo comigo? - pergunto sem forças.

- Estou tirando ele da sua memória e a selando - ele diz natural, como se aquilo fosse algo normal - seu EX-namorado já deve estar bem longe daqui pagando por tudo o que ele merece.

" Kominato!! " penso.

- VOCÊ NÃO VAI ESCAPAR DESSA, EU VOU TE MATAR! SE VOCÊ ENCOSTAR UM DEDO NELE .. - ele volta a ler e um peso atinge minha cabeça - Eu.. Te dou.. Cinco segundos para me soltar e implorar pela sua vida! - estava com frio mas meu corpo pegava fogo, ele estava alí próximo, era questão de segundos, meu corpo já havia sido tomado por completo.

- Em cinco segundos ele não fará parte de você - ele fecha o livro e se aproxima de mim - agora.. Abra a boca - ele aperta meu rosto mas eu não a abro - não se faça de difícil é para o seu bem - ele empunhava uma faca pequeninissima, com o cabo em marfim e a lâmina vermelha. Mordi o lábio até sentir o gosto de sangue, algo estava errado, eu não estava me transformando de forma alguma - como você gosta de dificultar as coisas - seu soco me atinge deslocando meu maxilar - boa garota - seus dedos puxam minha língua para fora e com a faca ele desenha algo nela, ele recua e pega uma caixa de fósforo e acende um. 

As lágrimas escorriam como uma cachoeira quando ele queimou minha língua.

- Não chore - ele faz um nó num barbante vermelho e coloca em minha garganta. Eu o engulo e algo dentro de mim arde, minha cabeça dói e algo escorre por meus ouvidos.

- Isso, está saindo - Hayato diz vitorioso. 

Eu.. Estou esquecendo dele.. Não.. Algo está sendo colocado no lugar de hoje.. Dessa memória..

Vomito o barbante que está branco, levando o rosto para ele - Eu.. Ainda vou te pegar.. - eu luto contra o vulto negro que toma minha visão mas é em vão - Ko..mina..to - minha cabeça pende para baixo.

....................... ⭕ ........................

- Sango, acorde - meu corpo era chacoalhado - hey, vamos.

- Hayato... O que aconteceu? Que dor de cabeça dos infernos - estava em meu quarto - aonde está o Kominato?

- Sango.. O Kominato mudou de escola e cidade faz três dias...







Notas Finais


Quem aí ta morrendo de raiva ? 🙋🙆🙌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...