História Maria Mercedes - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Feia Mais Bela, A Madrasta, Cuidado com o Anjo, Maria do Bairro, Teresa, Thalía
Personagens Thalía
Tags Amor, Drama, Romance
Exibições 16
Palavras 1.577
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sobre esse capítulo tá pegando fogo e aguardem mais emoções nos próximos.


O ator Jorge Salinas será o delegado Montenegro.

Capítulo 15 - Entre a vida e a Morte.


Fanfic / Fanfiction Maria Mercedes - Capítulo 15 - Entre a vida e a Morte.

Santiago grita e cai no chão desmaiado e Maria Mercedes nervosa grita se agachando e segurando nele:

-Santiago?! Socorro! Socorro!

        De repente Aurélio entra no quarto e fala:

-O que aconteceu? Seu del Olmo. –ele se agacha e segura Santiago.

Maria Mercedes chorava e dizia:

-Eu não sei, eu só dei o remédio que você me deu.

Logo, Jorge Luis entra correndo e pergunta:

-Que gritos foram esses? –ele parou e viu Santiago caído ao chão e ao lado estava Aurélio e Maria Mercedes. –Santiago? O que aconteceu aqui?

Maria Mercedes nervosa e chorava descontroladamente dizendo:

-Ele desmaiou depois que eu dei o remédio dele.

Jorge Luis pergunta a Aurélio:

-Ele tá respirando?

Aurélio coloca a mão sobre o pescoço de Santiago e sente a punção e diz com ar de decepção:

-Sim, ainda tá respirando.

Maria Mercedes juntou às mãos e fala aflita:

-Graças a Deus! –ela o abraça. –Santi, acorda meu amor, por favor, acorda.

Malvina e Dina entram no quarto rapidamente. Malvina diz surpresa:

-Oh! Minha nossa!-tampou as mãos com a boca.

Jorge Luis preocupado diz:

-Dina ligue pra ambulância, por favor. Vamos leva-lo para o hospital.

Dina saiu apressado dizendo:

-Está bem.

Jorge Luis diz:

- enquanto isso Aurélio ligue para o médico do Santiago e diga o que ocorreu.

Aurélio se levanta e diz:

-Sim, senhor Jorge Luis.

Maria Mercedes abraçada a Santiago, pergunta a Jorge Luis:

-Ele vai ficar bem não é Jorge Luis?

Jorge Luis a responde tentando não preocupa-la a mais do que ela estava dizendo:

-Vai dá tudo certo. Fique calma, Maria Mercedes. –ele a abraça.

 

No corredor, Aurélio havia terminado de ligar para o médico de Santiago, até que Malvina se aproxima e diz com arrogância:

-Espero que o plano dê certo, pois não quero ter dores de cabeça depois.

Aurélio a segura pelo braço bruscamente e ameaça:

-Se eu cair eu te levo junto comigo. Escutou, Malvina? –ele a olha fuzilando.

Malvina irritada diz:

-Me solta, seu mordomo estúpido!

 

Logo, a ambulância chega à mansão del Olmo e leva Santiago para o hospital. Na emergência do hospital estavam todos esperando notícias sobre a saúde de Santiago.

Maria Mercedes estava sentada no sofá ao lado de Jorge Luis e Dina enquanto Malvina estava de pé de braços cruzados observando aquela situação e às vezes se comunicava por meio de olhares com Aurélio que estava em pé do outro lado.

Dina abraçava Maria Mercedes e dizia:

-Calma, Mercedes.

Maria Mercedes chorava e dizia:

-Que demora desse médico que não aparece. Será que o Santi já tá bem?

Jorge Luis fala:

-Dina tem razão. Não se desespere, já, já teremos notícias.

Maria Mercedes chorava e dizia aflita:

-Se alguma coisa acontecer com o Santi, eu...eu...não vou aguentar...

Dina abraça novamente e dizia:

-Calma.

De repente aparece o médico e pergunta:

-Parentes do paciente Santiago del Olmo?

Jorge Luis, Dina e Maria Mercedes se levanta e Aurélio e Malvina se aproximam do médico.

Maria Mercedes nervosa diz:

-Eu sou a esposa dele. –ela chora. –Me fala doutor, como ele tá?

O médico olha para todos com ar de preocupação e diz seriamente:

-Serei direto, só um milagre pode salvar a vida do Santiago.

Maria Mercedes grita e chorava:

-Não! O Santi não pode morrer! Não!

Dina consola Mercedes dizendo:

-Calma, Mercedes. Se acalme. –a abraçou.

Jorge Luis pergunta:

-A doença avançou doutor?

O médico respira profundamente e diz:

-Não, ele foi envenenado.

Maria Mercedes fala nervosa:

-Envenenado?!

Todos assustados exceto Aurélio e Malvina que disfarçavam se fingindo de desentendidos e se olhavam discretamente.

Malvina impaciente pergunta:

-Como assim envenenado, doutor?

O médico a responde:

-Sim, a proposito, o que o paciente ingeriu antes do desmaio?

Maria Mercedes fala com voz embargada:

-Eu dei o remédio dele doutor, ele tomou e caiu duro que nem uma pedra.

Malvina demonstra fúria e grita:

-Foi você, bilheteira infeliz, maldita, imunda, foi você que envenenou meu sobrinho, Santiago!

Maria Mercedes nervosa diz:

-Não, não fui eu, eu não fiz nada. –ela chorava.

Malvina puxa o braço de Maria Mercedes e diz colérica:

-Fala a verdade, isso tudo foi parte do seu plano, envenena-lo para ficar com a herança dele! Confessa bilheteira!

Jorge Luis se aproxima e diz sério:

-Pare com de fazer acusações, mamãe.

Maria Mercedes chorava e dizia se virando para Aurélio:

-Aurélio, você que me deu o remédio, por favor, você sabe que eu sou inocente. Que eu jamais faria mal ao Santi, eu o amo.

Aurélio fala com desdém:

-Eu não vi nada, Maria Mercedes. Não posso te defender.

Maria Mercedes se ajoelha aos pés de Aurélio e diz nervosa:

-Por favor, eu te peço de joelhos, fala a verdade, você me deu o remédio do Santiago.

Aurélio diz irônico olhando para a jovem:

-Não queira se livrar da sua culpa, Maria Mercedes. Você o envenenou!-gritou. –Hoje é você se ajoelha em meus pés me pedindo que lhe defenda de seu crime! Bilheteira imunda!

Jorge Luis puxa Maria Mercedes pelos braços e diz:

-Se levante Maria Mercedes. E vocês dois peço que parem com essas acusações! –olhava para a mãe e para o mordomo.

Malvina grita possessa:

-Isso não vai ficar assim! Prendam essa bandida! bandida!

Maria Mercedes grita angustiada:

-Não! Eu não sou bandida! Não!

Uns seguranças do hospital se aproximam e seguram Maria Mercedes e Malvina grita:

-Ela envenenou o meu sobrinho! Chamem a polícia!

Maria Mercedes sendo levada pelos seguranças gritando:

-Não, por favor, não me levem eu sou inocente! Inocente! –ela chorava descontroladamente.

Jorge Luis pergunta:

-Por que fez isso, mamãe? Como pode jugar Maria Mercedes sem provas.

Malvina o pergunta:

-Me diga, Jorge Luis, você realmente acredita na inocência da bilheteira?

Jorge Luis olhou para Dina e ficaram em silêncio então Malvina disse:

-Vejo que meus filhos concordam comigo que a bilheteira, a Maria Mercedes é uma criminosa.

 

Numa boate de periferia, Rosário dançava no palco até que seu Manoel entra e ao vê-la parecia que o mundo havia caído sobre sua cabeça, à decepção era grande vendo sua filha naquelas condições.

Ele gritou:

-Rosário!

A jovem parou de dançar e viu perplexa e disse:

-Pai?

Seu Manuel correu em direção a palco e gritava tirando o cinto da calça:

-Sua vagabunda! Sem vergonha! Meretriz! Eu vou te dar uma surra! –ele subiu no palco.

Rosário nervosa diz:

-Não, pai, não faça isso, deixa eu te explicar.

Seu Manuel a segurou pelos cabelos e lhe dava uma surra de cinta na frente de todos e arrastou descendo do palco enquanto ela gritava:

-Para pai! Para!

Seu Manuel gritava e a batia com o cinto:

-Não criei uma vadia! Vadia!

Tito se aproxima e diz:

-Para com isso, seu Manuel!

Seu Manuel continuava a bater nela e dizia:

-Foi você, seu miserável! Você a trouxe pra esse antro de perdição, pois eu acerto minhas contas com você mais tarde! Safado!

Rosário não se aguentava de tanta dor e diz:

-Para pai, para, por favor.

 Seu Manuel a batia e gritava:

-Não! Eu vou mostrar a todo mundo da vila quem você é uma perdida!

 

A polícia chegou ao hospital e levou Maria Mercedes para a delegacia e Jorge Luis junto com Malvina foram acompanhar para prestar esclarecimentos enquanto isso Aurélio e Dina ficaram no hospital esperando notícias de Santiago.

 

Na delegacia Maria Mercedes era levada pelos policias para a sala do delegado Montenegro e Malvina entrou junto.

Maria Mercedes gritava:

-Eu sou inocente! Me tirem daqui! Eu não envenenei o Santiago! Juro pela virgenzinha! –ela chorava compulsivamente.

O delegado Montenegro estava sentado à mesa e Malvina autoritária grita:

-Eu exijo que prenda essa bilheteira criminosa!

O delegado olha encarando Malvina e depois olha para Maria Mercedes.

 

Seu Manuel saiu arrastando Rosário pelos cabelos e lhe dando uma surra da boate até a vila. Quando chegou ao pátio ele a empurrou no chão e toda vizinhança parou assustada vendo aquela cena.

Seu Manuel grita:

-Estão vendo essa daí? –ele aponta a jovem que estava caída ao chão. –é uma vadia, uma mulher de vida fácil, que ganha à vida se deitando com qualquer homem que a der dinheiro. –ele dizia gesticulando e olhando para todos. –Que decepção, Rosário. –ele chorava. –Minha própria filha, como doí te ver vestida assim seminua, dançando para aqueles marmanjos em troca do quê?

Rosário chorava e dizia:

-Em troca de um prato de comida. Porque o senhor enche a cara de cachaça...

Seu Manuel grita:

-Cala boca, vadia! –ele começou a dar surras de cinto.

 

A vizinhança assistia incrédula aquela cena de Rosário apanhando de seu pai até que Guilherme rapidamente aparece e segura o pai gritando:

-Não, pai! Para!

Rosário machucada no chão diz:

-Guilherme, me ajuda.

Seu Manuel grita:

-Não, ainda não terminei...

Guilherme fala:

-Para pai, por que tá batendo em Rosário?

Seu Manuel diz choroso:

-Eu descobrir, ela é uma perdida. Eu a vi dançando, se vendendo na boate como uma meretriz.

Guilherme surpreso diz:

-Não é possível, Rosário?-ele a olha decepcionado. –Pai, escuta, se continuar batendo nela, ela vai acabar morrendo de tanto apanhar.

Seu Manuel emocionado diz:

-Eu já a matei aqui dentro. –ele bate no peito. –Para mim, eu só tive uma única filha a Maria Mercedes, pois essa daí que vejo suja eu não sei quem é, eu a desconheço. –ele começa a chorar e abraça Guilherme.

Guilherme o aconchega em seus braços e diz:

-Pai, vamos entrar.

Seu Manuel é levado por Guilherme até o barraco enquanto Rosário os via saindo e chorava compulsivamente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...