História Marichat: O Amor Por Trás Da Mascará - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Félix, Gabriel Agreste, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Nathanaël, Nino, Plagg, Tikki
Tags Drama, Luta, Revelaçoes, Romance, Violencia
Visualizações 337
Palavras 2.535
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Outro capitulo para você. Olha queria perguntas se querem que eu continue essa fic ou crie outra; ok? Boa leitura!

Capítulo 30 - Um Jantar?


Fanfic / Fanfiction Marichat: O Amor Por Trás Da Mascará - Capítulo 30 - Um Jantar?

Marinette On

Passou três dias. Por enquanto estava indo um pouco bem. Finalmente parei de faltar as aulas, poderia ser um problema ja que proxima semana é as provas. Chloe continua chata e irritante, como sempre. Ainda se joga em cima de Adrien, mesmo sabendo que o mesmo ja esta bamorando. Que raiva viu. Alya fez uma confusão por não ter me visto esses dias, claro que eu menti né. Naquele dia em que fui visitar minha mãe, demorou um pouco para eu vê-la. Mais depois de um tempinho eu e meu pai recebos a noticia que ela esta bem. Teve uma pancada grande na cabeça, sangrou, mais talvez não vá ser problema. Ja voltou para casa e esta descansando. Claro que ela fez birra por que queria cozinhar, mais eu e meu pai conseguimos convence-la de descansar. Por enquanto, estou ajudando meu pai tanto na padaria como em cada. Ah! É mesmo. Eu e Chat, ou Adrien, tanto faz! Não estamos nos vendo muito. Nos vemos apenas na escola, as vezes quando vamos lutar com o akuma. É muito pouco tempo. Estou bastante cansada e ainda preciso estudar muito, ja que estou com dificuldade em certas materias. Parece que Adrien esta super encrencado com seus pais,tem vários deveres para fazer  Esgrima, varias e varias seções, alua de piano, e outras coisas que ele inventou. Bem, fico muito triste, mais tudo bem outro dia podemos nos ver. Nesse momento, estou na casa de Alya. Faz um tempo que ela havia me chamado, tinha uns 5 meses no minimo. Resolvi vir, em casa estava um pouco chato, achei melhor vir pra cá. Faz 1h que ela não sai do banheiro. Me deixou aqui na sala, sozinha, sem fazer nada. Se eu me lembro bem, Alya disse que Nino a convidou para um curto passei. Ela me chamou, mais eu que não iria ficar de vela, eu mesmo não! 

Seus pais sairam, não tem ninguem em casa tirando nois duas. Quer dizer, três! Eu trouxe Tikki comigo. Nunca conheci seus pais. Bem, ela só me chamava quando eles saiem. Por que será? Passei a mão no rosto e ne deitei ao sofa:

- O que vai fazer quando ela sair? - disse Tikki saindo de meu casaco

- Bem....assistir. Talvez...

Fechei os olhos, mais logo os abri e fiquei encarando o teto:

- Esta assim por cause de Adrien? - a kwami se sentou em meu ombro

- Talvez... - dei um suspiro

- Esta com saudade dele não é? - a vi com uma sobrancelha levantada

- Talvez...

- Marinette... - insistiu

Respirei fundo e me inclinei para frente bem rapido:

- Sim! Isso mesmo! Estou com bastante vontade de vê-lo - falei um pouco alto

- Bem, eu ja sabia...

Peguei o controle e liguei a televisão. Um filme para assistir, dexa eu pensar:

- Tikki, assisti mais eu um filme de terror

- Assistir? Não gosto muito - balanção a cabeça

- Por favor! - juntei as palmas da mão e fiz uma careta

- Pode assistir. Ai a televisão - apontou

- Mais não gosto de assistir sozinha! Ainda mais de terror! Vou ter um infarte! - coloquei a mão no peito

- Por que quer tanto assistir?

- Eu achei a historia interessante. Só isso...

- Hum....ta! Eu assisto esse filme! - levantou as mãozinha para cima

- AAH! Obrigada

Começei a digitar o nome na televisão. Anted de terminar Alya me chamou:

- MARINETEEE! AMIGAA VEM CÁÁ!

Me levantei com basatante preguiça, mais me levantei. Andei devagar até o banheiro. Quando cheguei bati algumas vezes e a porta abriu:

- O que foi Alya? - entrei devagar

- UMA BARATAA! CORREU PRA FORA!

Observei um pouco e vi um besouro voando:

- PORRA OLHA O TAMANHO DA BARATA! MISERICORDIA! - Corri pra fora e tranquei a porta

Sempre odiei baratas, tenho nojo delas. Ainda bem que ela não voou para perto de mim. Soltei o ferrolho deixando a maldita barata lá dentro. Me virei para Alya e me recuperei:

- Porra Alya, por que não disse antes?

- Eu não sabia! Desculpa ai! - levantou as mãos

- Tudo bem - coloquei a mão na testa - só queria isso?

- Nada verdade não, olha isso - se virou e apontou para um determinado lugar o vestido em que usava - Esta rasgado bem aqui!

Me aproximei um pouco mais. Realmente estava rasgado, mais não é problema para mim:

- Certo! Onde esta a agulha e a linha? - voltei a minha posição

- Ali... - apontou para trás de mim - no banheiro...dentro da bouça

Sério, só pode ser brincadeira:

- Eu... não vou entrar... - disse devagar

- O que?! Por favlr! Ja, ja Nino vem aqui me buscar Marinette!

- Caralho Alya, eu não vou entrar! A desgraçada daquela barata vai me atacar!

- Nunca te vi falando palavrão amiga! - colocou a mão na boca

- Eu fico assim qua do estou com raiva ou nervosa

Me virei e cruzei os braços. Meu pé batia no chão rapido. Se ela quer, ela quem deveria buscar! Poxa, olha o tamanho do besouro! Prefiro mil vezes assistir um filme de terror sozinha do que entrar em um lugar com uma barata:

- Maaarineeette! - cantalorou - se você pegar...eu...te dou aquela pulseira que tanto queria...

Droga, ela bateu bem no ponto fraco. Virei meu rosto, mais logo em seguida coloquei a mão no ferrolho:

- Eu vou segurar a porta - disse ela - As vezes ela não quer abrir sabe..

Fui abrindo bem devagar. Coloquei primeiro a cabeça só para ver o lugar:

- Limpo...

Andei bem devagar até a pia onde estsva a bouça. Quando tirei a barata estava ali:

- MERDA!!

Larguei a bouça e pulei para trás. Acabei batento na porta o que fez ela fechar. Ela nâo estava abrindo de jeito algum:

- MARINETTE NÃO QUER ABRIR! - Disse ela do outro lado

- PORRA ALYA! VOCÊ DISSE QUE IRIA SEGURAR ESSA MERDA! - bati na porta

- MAIS RESPEITO! ELA PODE SER SÓ UMA PORTA MAIS AINDA É MINHA! AGORA TEM CALMA!

- CLARO! NÃO É VOCÊ QUE ESTÁ TRANCADA EM UM BANHEIRO COM A INFELIZ DESSA BARATA!

Me virei bem rapido e olhei para os lados. Estava tudo tranquilo, nem um sinal dela. Olhei um pouco e a vi bem no quantinho na parede. Aproveitei que ela estava longe e não estava voando, para pegar a bouça. Fui devagar até ela, quando encostei a barata voou:

- MERDA DE BARATA!

Me abaixei no chão enquanto ela voava lá em cima. Foi ai que ela começou a descer:

- BARATA FILHA DA P...

Peguei a minha chinela e me levantei. Num movimento rapido, taquei com bastante força nela. Só ouvi o barulho da pobrezinha se batendo na parede. Respireo fundo, me ajeitei e esperei um pouco:

- CONSEGUI! - abriu a porta

- Vamos - passei por ela indo até a sala

- O que ouve? Cadê a "desgraçada", "infeliz" da barata? - olhou para o banheiro

- Morreu de traumatismo crâniano. Agora vem

- Amiga cê merece uma foto!

- O que?

Me puxou bem rapido e levantou o celular:

- Vamos sorrir! - disse

começou a fazer cosquinha em mim. Essa Alya é doida viu

[...]

Depois que Alya saiu me joguei no sofá. Havia ficado com dor de cabeça com aquela barata. Peguei o controle e termi ei de digitae o nome do filme:

- Uma pergunta Mari - voou até mim - a professora Li passou um dever para vocé hoje de manhã não foi?

- Ah, foi mesmo - coloquei a mão no rosto - depois faço. Agora vamos assistir

- Onde viu esse filme? - perguntou

- Eu assisti apenas o começo. Tive que ajudar meus pais, então nâo assisti o resto

- Tem certeza?

- Claro que não! Fiquei com medo ja quan do o homem falou o nome do file - sorri - agora silêncio

O nome do filme era "O ultimo soar da noite". Na sipnose diz que um grupo de amigos algam uma casa enorme, antiga, velha e no meio do nada para passar três noite. Essa casa tem vários objetos e moveis, pois uma familia ja havia morado ali. Rélogio daqueles que faz barulho, televisâo antiga, rádio, camas velhas, sofá, armario, brinquedos, livros e etc. Nino ja havia assistido, deu um spoilerzinho. Disse que eles ao entrarem nos quartos sentiram um cheiro esquisito como, se tivesse algo podre nos quarto. Voltando a sipnose. Depois que o velho rélogio tocou meia-noite, algumas coisas começaram a acontecer. Bem, ja me arrepiei com isso. Me encolhi no sofá e fiquei perto de Tikki. A sala é um pouco escura, eu ja estava ficando com medo. 

Quando o filme começou uomti um baita susto. Esqueci de tirar meu celular do silêncio. Peguei e vi uma mensagem:

- Depois olho - apaguei e botei no silêncioso

Pronto, agora esta tudo pronto. O filme começou com o grupo de jovens indo alugar a casa. Achei o dono da casa bem esquisito, super estranho. Conversaram um pouco e esperaram o resto do grupo chegar. Quando chegaram entraram na casa e v...:

- Porra! - a campainha tocou me dando um susto

Me levantei contra minha vontade e fui até a porta. Abri bem rapido:

- O que é?!

Olhei bem direito quem era. Me esqueci o nome dele...ah! Félix:

- M-Me desculpa! Estava ocupada então... - me desculpei pela grosseria

- Tudo bem. A culpa foi minha - sorriu 

- Ah, se veio falar com Alya ela saiu faz pouco tempo...

- Na verdade vim falar com você

Admito que na hora fiquei super curiosa. Me ecostei na parede e cruzei os braços. Logo fiz um sinal para que falase:

- A senhorita terá algum compromisso hoje a noite?

Senhorita? Não é o que se ouve todo dia, mais achei bem educado:

- Ahm... - pensei um pouco - Não por que?

- Gostaria de sair comigo essa noite? Só um jantarzinho...

Sair? Por que ele me convidou? Aliais, não sei se Adrien iria gostar:

- Olha eu acho melhor não, por q...

- Tudo bem vai ser só um jantar entre amigos! E eu ja falei com Adrien. No começo ele não deixou, mais disse que você precisa sair um pouco. E como ele esta ocupado...

Então ele pensou em mim! Por isso que eu o amo. Coloquei a mão no queixo e pensei um pouco:

- Ahm...acho que pode ser...

- Que bom. As 20h?

- Ah claro! - sorri

- Ok, até lá - acenou

Fechei a porta e entrei. Estou feliz! Não por que eu vou sair para jantar, mais por que Adrien pensou em mim! Isso é muito bom. Só ele mesmo. Aliais, quando voltar do jantar, vou até ele. Quero muito ve-lo! Sinto muita saudade. Dei um suspiro e caminhei até a sala:

- Quem era? - Tikki voou até mim

- Apenas um amigo - bati palma - bom! Ja que estu de pé, vou preparar algo. Sabe, acabei ficando com vontade de comer do nada!

- Então eu tambem vou!

Corri para cozinha com ela. Observei um pouco: 

- Procura ali! - apontei - e eu aqui

Me abaixei e abri o armario:

- Maionese, biscoito, cereal, massa, arroz, passas, leite e mingual

Nada de pipoca. Me levantei e abri o armario de cima:

- Mais biscoito, mais cereal, café, açucar, suco, nâo sei o que é isso, farinha, ólho, manteiga e pimenta

Nada de pipoca:

- Achou Tikki? - perguntei

- Ainda não

Resolvi então, olha em outro lugar. Abri a porta, logo a outra:

- Cereal denovo! Fermento, leite, macarrãozinho, bolacha, pipoca....PIPOCA!

Peguei o pacote bem rapido. Finalmente achei. Tikki se sentou em cima do balcão e eu fui até o microondas. Coloquei o pacote, apertei o botão e liguei:

- Pronto agora é só esperar - me sentei na mesa

Depois de poucos minutos, ja estava pronto. Eu e a kwami fomos para sala e tiramos o filme do pause. Me sentei e voltei a assistir. Comi algumas pipocas, poucas, pois estava sentindo algo estranho. Olhei um pouco para elas, me senti diferente. Derrepente senti um tremendo enjoou. Me levantei bem rapido e corri para o banheiro. Abti a porta, me ajoelhei pertos do vaso sanitario e vomitei. Por que isso aconteceu? Que estranho. Ao terminar, me levantei e lavei meu rosto:

- Estou doente? - me olhei no espelho

Na verdade me sinto bem. Que estranho viu. Mais, pode ter sido apenas um enjoouzinho, nada demais. Caminhei devagar até a sala:

- Tikki, eu ac... - fui entemrrompida com um barulho bastante alto - depois eu falo. Vamos!

Fui até a porta de entrada e a abri. Me deprei com uma imagem totalmente destruida. Aquele braulho pode ter sido um akuma concerteza. Fui jogada para trás com a explosão que deu na frente da casa. Não perdi tempo:

- Tikki transformar!! - me levantei e sai - onde esta você?

Não conseguia ver o akuma de forma alguma. Andei para fora olhando para todos os lado. Conseguia apenas ouvir o barulho dos gritos e das chamas. Pude ver alguém lá em cima do prédio uma pessoa, um homem talvez. Pulou e caiu em minha frente. Quando se levantou notei o quanto sua roupa era esquisita. Espera, ele é um mimico? Ah! Sim, ele é um mimico. Sem dizer nada começou a se movimentar. Me afastei para atrás a medida em que seus passos davam. Derrepente ele parou e fez um movimento, como se fosse atirar uma flecha. Quando soltou a flecha invisivel, senti algo cortar meu braço. Então esse é o poder dele! Vai ser um problema. Joguei o ioio e subi em cima do prédio:

- Droga!

Fez como se estivesse com uma grande metralhadora. Que merda hein. Começei a pular paear tentar desviar. Estava dificil ja que não podia ver as balas. Infelizmente, acabei levando um tiro em meu ombro. Me abaixei bem rapido pressioando a ferida.:

- Nunca pensei que levaria um tiro na minha vida!

Me levantei um pouco para ver o que ele fazia. Havia montado uma escada imagiria, subindo agora. Me preparei. Quando o vi pulei e o derrubei la embaixo. Para não cair, joguei o ioio e subi em outro lugar. Como irei derrota-lo? Me ajoelhei no chão e olhei novamente para baixo:

- Quer ajuda?

Me virei rapidamente para trás e vi Volpina. Respirei fundo e me aproximei dela:

- Que otimo que apareceu - coloquei a mão em seu ombro

- Esta ferida! - apontiu

- Estou, mais não é nada demais. Agora vamos!

- Certo!

Joguei o ioio para o outro lado, e desci bem rapido. O mimico ainda estava ali, não sei o que estava fazendo:

- Então ele ai é o akuma? - perguntou Volpina - qual o poder?

- Ele pode ter uma metralhadora imaginaria

- Ele finje que esta com uma? E isso presta?

- Sim, olha a prova - me virei mostrando o fetimento

- Só metralhadora?

- Não. O que ele imaginar...

Vamos ver no que isso ai vai dar...

 

Continua....


Notas Finais


Espero que tenham gostadoo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...