História Marichat: O Amor Por Trás Da Mascará - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Félix, Gabriel Agreste, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Nathanaël, Nino, Plagg, Tikki
Tags Drama, Luta, Revelaçoes, Romance, Violencia
Visualizações 137
Palavras 2.648
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


É agora que vai acontecer uma loucura nessa historia. Se quizer saber é so acompanhar aqui em baixo!

Capítulo 31 - O Mimico


Fanfic / Fanfiction Marichat: O Amor Por Trás Da Mascará - Capítulo 31 - O Mimico

Marinette On

A unica imagem que vem em minha cabeça, é uma cama enorme e confortavel. Sério, estou super cansada. Minhas costas doem muito, estou com muita dor de cabeça, com sono, e ainda tem esse tiro que levei. Por causa desses fatores, esta ficando dificil lutar com esse akuma. Eu e a Volpina estamos escondido dele, em uma esquina não muito longe. O akuma, ou melhor dizendo, o mumico cortou a perna da heroina a meu lado. Dessa vez não consigos identificar o que ele havia imaginado, acabou que varias coisas começaram a nos acertar. Parecia ter algo ainda atravessado na coxa de Volpina, mais não viamos nada. Eu cortei um pouco meu rosto e tambem oa braços. Me ajoelhei no chão e olhei para ela:

- Ainda consegue lutar? - perguntei com a mão em seu ombro

- A-Acho que s... - tentou se levantar, mais a obriguei a continuar ali

- Tudo bem, espere passar um pouco. Se você realmente conseguir se levantar, vai lá me ajudar, ok?

- C-Certo... - voltou a mesma posição

Me levantei rapido ficando colada a parede. Me aproximei um pouco para o lado e tentei ver. Voltei bem rapido com o coração na mão. O mimico estava novamente com o arco flecha, quase ia sendo atingida nesse exato momento. Olhei para frente, em seguida para Volpina:

- Vou distrai-lo, tabom? - a mesma balançou a cabeça

Me preparei, respirei fundo e contei de um a dez. Joguei o ioio no poste a minha frente e pulei. Fui seguida por varias flechas, ainda por cima invisiveis. Só conseguia ver os estragps feitos atrás de mim. Pulei para o lado e percebi que ele não estava atirando mais. Olhei e o vi fazendo algo. Derrepente se sentou. Não tinha nada embaixo dele, um caeeo invisivel. O ligou e o mesmo fez um barulho esquisito, logo começou a sair do lugar bem rapido. Joguei o ioio e começei a acompanha-lo. Achei meio estranho, ele parecia estar sorrindo mais não se ouvia nada sair de sua boca. E por qual motivo estaria rindo. Pensei um pouco e logo olhei para frente:

- Merda!!

Tinha um grande número de pessoas passando pela rua e um trânsito enorme. Eu concerteza não devo esperar que ele vá diminuir a velocidade. Vi um beco não muito longe dali, bem, tenho que tentar né. Acelerei um pouco mais. Quando já estava um pouco a frente dele, pulei em direção ap carro. Quase ia caindo. Ne segurei nele com bastante força, coloquei as mãos para frente. Ficou complicado já que não via nada. Coloquei minhas mãos onde estavam as suas e virei ao mesmo tempo que vi o beco. Por sorte consegui empedi-lo de destruir varios carros e de ferir alguém. Cai no chão e acabei me machucando. O akuma desceu do tal carro e saiu correndo. Me levantei devagar a passei a mão em meu joelho, o lugar onde havia machucado na queda. Eu sei que o Adrien esta ocupado com várias coisas na casa dele, ainda mais que seu pai voltou da viagem negocios. Sei que ele pode estar cansado de tantas  horas de seções e logo em seguida aula de esgrima ou piano. Mais, ele deveria pelo menos vim ajudar. Sei que tem a Volpina, ela ajuda muito, mais acho que três seria bem mais facil de derrota-lo. Antes de começar a caminhar ouvi outra explosão:

- Essse akuma está me dando muito problema - disse correndo

Fui bem rapido para a mesma direção dele. Quando vi fiquei de boca abertar. Em menos de um ou dois minutos ele conseguiu destruir praticamente tudo! Tinha muitos carros pegando fogo, coisas espalhadas no chão, vidros de lojas e apartamento quebrados, e logico que varias pessoas correndo e gritando. Joguei o ioio e peguei uma mulher e uma criança pequeninnha que passava por ali, empedindo-as de serem acertadas por um carrinho de flores. As coloquei em outro lugar, um pouco mais afastado dali:

- Obrigado Ladybug... - disse pegando sua filha

- Tudo bem, agora cuidado

- Sim! Obrigada! - se virou e apressou o passo

Agora tenho que dar conta daquela mimico. Tomará que ninguem esteja machucado. Ja iria ao local quando foi chamada minha atenção:

- Ladybug!!

Me virei para trás ja reconhecendo a voz:

- Ah, olá presidente! Como vai sua filha? Concerteza deve ter avisado-o, quer dizer, brigado muito com o senhor sobre a merda que fez - lembrei os fatos acontecidos

- Não é problema seu! O importante é que agora poderemos coloca-la na cadeia e fazer justiça

- Chama isso de justiça? Deixar os outros morrerem, isso é justiça? Minha mãe quase morreu!!

- Como assim? Você praticamente ja matou alguns, isso poderia ter sido pior - cruzou os braços

Nesse momento meu sangue ferveu. Minha paciência já é pouca, imagine agora! Ja esta totaente esgotada:

- Renda-se...sabe que perdeu - jogou a algema para perto de mim

- Foda-se - me virei

No mesmo tempo recebi um golpe forte em meu rosto. Cai para trás com o nariz sangrando um pouco. Havia quatro, seis homem armados e super protegidos:

- Se acham que assim vão me empedir... - passei a mâo em meu nariz - vocês estão enganados...

Enrolei o ioio no pescoço de dois dos homens. Dei empuso para frente, me levantei e derrubei os dois. Bem rapido corri e sai dali. Um dos idiotas atirou e acertou foi no comparça:

- Idiotas...

Subi em cima de um prédio e sai pulando. Avistei não muito longe e nem muito perto, o akuma. Ele estava de costas, nem iria me notar chegando. Quando se virasse eu ja estaria perto dele. Isso vai ser esse o meu plano eu vou....! 

Algo me empurrou para o lado com tamanha força. Taquei meu rosto no chão e acabei cortando meu labio. Que dia pessimo:

- porra - disse passando a mão em minha boca

- Shiii! Fala baixo... - colocou a mão em minha boca.

Olhei para cima e vi Volpina. Se fosse Chat eu iria matar ele. Tanto por me machucar como por se atrasar e não vir aqui ajudar. A heroina que me dertubou, se levantou um pouco e observou. Logo desceu bem rapido:

- Por que falar baixo? Ele esta a...

- Eu sei que ele esta longe - colocou a mão na minha boca novamente - mais não podemos arriscar que ele está ouvindo...certo?

Tabom, entendi... tabom assim?

- Perfeito!

- Mais por que me dertubou? Eu iria pega-lo por trás! Ele não havia me visto - fiz uma cara emburrada

- Eu sei! Mais olha isso

Colocou o braço direito perto de minha vista d tirou o pano que cobria:

 - Caralho...

- Olha o nome! - me deu um empurrãozinho

quando olhei para seu braço senti foi uma dor em mim! Uma parte de seu braço estava todo queimado. Ja levei varios cortes, mais nunca senti essa dor! E nem quero: 

O que ouve?

- O que ouve? Eu fiz a mesma coisa que você iria fazer agora. Acabou que ele se virou a tempo e me viu. Derrepente senti algo me queimar um pouco na bochecha. Coloquei o braço na frente bem rapudo e isso aconteceu -  pós o outro braço a frente - tambem queimou um pouco esse - Me levantei e olhei para o akuma

O que será que ele imaginou? Não pode ser um lança-chamas. Teria queimado Volp todinha. Mais o que importa agora é se ele ainda esta com lancha chamas. Minha mão subiu ao queixo, começei a pensar:

Eu vou lá... - falei bastante determinada

- O QUE?! Não viu a historia que eu contei!? Olha para meu braço denovo

- Sim! Eu vi! Mais o problema é que não poderemos ficar aqui, certo?

- Mais ladybug...

- Ficarei em uma distância rasoavel. Assim posso saber se ainda esta com o mesmo objeto!

- Espera um momen..

Me levantei e apertei o ioio na mão. Pulei para o prédio a minha frente e em seguida para o outro. Depois de mais um salto ja estava de frente a frente com ele. O mesmo fez outro momimento, outra vez o arco e flecha. Pulei para o lado e desviei das outras. Preciso ter cuidado. Quando não compreender o que ele esta fazendo, irei me afastar o maximo possivel. Com um baita descuido meu, escuerreguei em algo e fui ao chão. Iria me levantar, mais em um passo bem rapido ele veio para cima de mim. Prendeu minhas mãos com uma das suas e fez algo com a outra. Observei um pouco e tentei adivinhar. Fechou seu punho e levantou a mão para cima. Ahm, murro, segurando...faca! É uma faca! Na mesma hora em que compreendi desviei minha cabeça para o lado:

- PORRA!!

Cara ele quer mesmo me matar. Por sorte desviei bem rapido antez de ser atacada. Quando seu braço foi para trás denovo, me soltei e segurei em seu pulso. A faca estava mirada para ser acertada bem em meu rosto. Com as duas mãos segurei e empurrei. O mimico jogou o braço novamente para trás tendo uma nova mira. Tentou tacar em meu peito, consegui devender. Estava pondo toda minha força,pelo msnos o resto que tinha.  Por covarfia sua, colocou o dedo no tiro em meu ombro e pressionou. Dei um grito, logo começando a perder minhas forças. A faca ja estava furando minha pele. Olhei para o lado e vi Volpina correndo até nois. Que bom que não vou morrer hoje. O empurrou de cima de mim com bastante força. Me levantei devagar e olhei para o ferimento em meu peito. A heroina levou um chute fazendo-a dar passos para trás. Quando iria correr algo me barrou. Não conseguia ver nada, mais tinha algo me empatando de continuar. O pior é que estava em todos os lados. Percebi que o mimico é quem havia feito isso comigo. Parece com...parec... parece que estou dentro de uma caixa! Sim! Pode ter sido apenad uma armadilha talvez. Vi Volpina se levantar e golpear o homem. O mesmo fez outro movimento e começou a atirar. Esse é o momento certo:

- Talismã!

Caiu algo como um...pozinho? Pra que irei ussr isso? Aliais, estou dentro dessa "caixa". Me aproximei para tocar o local em que estava preso:

- Espera...

Dei passos para frente e estiquei a mão novamente. Não sentia nada! Deixa eu rsciocinar um pouco. Claro que ele não me deixaria sair assim tão facil, não fiz nada para fazer sumir e nem Volpina. Mis e se ele conseguisse usar um por? Tipo, para ele usar algo para derrorar Volpina teria que me libertar dessa caixa, ou mais ou menos isso. Bom, saber a justificativa agora não vai adiantar. Acho que ja sei como esse pozinho vai servir. Só preciso jogar nesse joguinho. Tomará que ele não saiba desse sei defeito. Esperei um pouco, logo Volpina foi ao chão. Como esperado, o akuma começou a se aproximar:

- Eu vou te pegar! - fingi que ainda estava presa e começei a inventar que estava batendo

Quando ja estava bastante perto, levantei a mão para perto de seu rosto e asoprei o pozinho em seus olhos:

- Eu dou uma otima atriz!

Pulei em cima dele e o segurei contra o chão. Olhei um pouco e puxei um pequeno broche, o quebrando em seguida. O purifiquei e me sentei no chão. Essa luta foi muito fraquinha, oensava que iria demorar mais ou teria mais ação. Me levantei e fui para perto da Volp:

- Ajuda?

[...]

Me sentei no sofá super cansada:

- Aquele akuma deu super trabalho não foi? - disse Tikki comendo Cokkies

- Muitos... - respirei fundo

- Não vai limpar seu nariz? Tomar banho? A qualquer momento alya pode chegar aqui - terminou de engulir o ultimo Cokkie - Não acha que de alguma forma ela pode acabar desconfiado de algo? Aquela garota é super esperta hein! Fica alerta!!

- MERDA É VERDADE! - gritei

Andri bem rapido para o quarto em aue estava durmindo. Bem, é o quarto dela. Durmimos no mesmo lugar, uma cama que é em cima e em baixo. Ele disse que sua mãe havia comprado justamente quando alguma amiga sua vinhese, ou se talvez um bebê vinhesse. Eles são bem previnidos

Peguei minha toalha que estava empendurada e me abaixei perto da bouça. Procurei um short e uma blusa preta sem mangas mesmo. Sutiãn e calcinha nas mão, pro banheiro,la vou eu. Enxi a banheira e me despi. Ao entrar nela me senti tão bem. Minhas feridas arderam um pouco, mais eu aguentei. Deitei minha cabeça para trás e fechei os olhos.

Nesse momento veio aquela pergunta que tive hoje mais cedo. Por que Félix me convidou? Aliais não nos falamos ou nos vemos muito. Sou muito amigaveis com todos, mais não me sinto como amiga dele. Pra mim, ele é um estrango já que o vi apenas três vezes. A primeira Adrien me empediu de ao menos falar com ele, q segunda ele falou algo estranho, e agora. Isso é realmente estranho. Por que Adrien me empediu naquela hora? Estavam brigados? Bem, talvez sim. Se eles ainda estivessem brigados Adrien não me deixaria jantar com ele. Sério, eu realmente estou sem vontadr de ir. Merda! Me sinto bastante cansada. Nem assisti a droga daquele filme! Apesar de já saber que passaria o filme todo com os olhos tampados eu queria assisti-lo:

- Marinette! - Tikki entrou pela brechinha - Alya ja chegou!

- Oque?! Já!

Sai da banheira tirando a tampinha lá do fundo. Piguei o chuveiro, tomei um banho e sair bem rapido enrrolada na toalha:

- Onde estar?

Lembro de ter visto uma caixinha de primeiros socorros aqui, quando ela se machucou com a faca ela o pegou. Deve ter sido ali. Fui até a ultima gaveta do armario e a abri:

- Na mosca!

Nâo limpei o ferinento no ombto, coloquei apenas um curativos bem rapido. Limpei os cortes bem rapido e tambem o nariz. Ja com as roupas nas mãos começei a vesti-las. Quando vesti o short:

- Oi amiga!

- O-Oi! - me sentei na cama bem rapido

- O que ouve? Por que esta aqui? - jogou a bouça na outra cama

- N-Nada. Apenas t-tomei banho e me arrumei - bem, isso é verdade

- Entendi...ei! - se sentou ao meu lado - vamos assistir um filme hoje? Eu marquei, será de noite!

- Que horas?

- 20:10

Que eu me lembre Féliz falou a mais ou menos essa hora:

- Desculpa não posso...

- Por que não? - se levantou - temos que aproveitar ja que você esta aqui!

- Mais é que eu vou sair

- Para onde? - fez uma cara curiosa

- Fui convidade para um jantar tabom?

- Foi Adrien não foi? Finalmente! Ele tem que sair mais com você! Ser mais fofo, gentil e cavalheiro

É verdade que nunca saimos assim,para um janrar ou cinema. Mais eu sei que não é culpa dele:

- Infelizmente não foi ele... - abaixei a cabeça

-  Sério? Ainda tem mais concorrentes?

- Para Alya - a empurrei -é apenas um jantar entre amigos, só isso! E alisais! Eu só amo o Adrien

- Eu ssi, eu sei, mais quem foi?

- Félix...o irmão dele

- Caralho amiga ta pegando o irmão?!

Se levantou com a mão na boca e ficou a me encarar:

- Claro que nâo! Ele é só um amigo!

- Eu sei amiga! - segurou em minha mão - então, vamos assistir um filme agora?

- Ahm, sim - aceitei

- Eba!!

Alya com esse seu jeito super brincalhona, saiu descendo as escadas. Fiquei aqui sozinha com meus pensamentos. Eu não sei, mais sinto que esse jantar não vai ser muito bom, ou melhor! Vai me dar problemas!

 

Continua...


Notas Finais


Duas noticias impressionantes para nossa azulada não acham? Espero que tenham gostado, beijo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...