História Marié - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Originais
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bts, Casamento, Ciume, discordia, Drama, Novela, Romance, Traição
Exibições 9
Palavras 1.445
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Fluffy, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey ^^ Essa é minha primeira fic do Bts, e espero que gostem.

Capítulo 1 - Capítulo 1


Os dias eram sempre os mesmos, a rotina já era bem conhecida por mim. Cada passo, cada atividade listada na minha lotada agenda eletrônica, que costava toda a minha vida, e meu futuros a curto prazo. Não que a minha vida seja ruim, não! Ela está longe disso. Na verdade, ela é muito agradavel, sossegada, e pacata. O que quer dizer que nada de extraordinario acontece, ou se manisfesta na minha passiva vida, o que me remeti 7 dias por semanas de puro tédio.

Nem o conforto da minha imensa casa aqual divido com o meu marido compensa a vida que levo. Há tempos venho sentido isso, há tempos não consigo mais me conformar com o meu estilo de vida e venho tendo uma vida insastifatoria, não ruim, só cansativa.

Então é nesse ponto que você se pergunta: Se a vida dela é tão boa, porque ela está tão insastifeita? Ou: O que tem de errado em ter uma vida assim? De certa forma eu penso isso também e me sinto mal quando ago dessa forma, afinal, eu tenho a vida perfeita. Aquela vida que toda gorota sonha em ter, eu conseguir alcançar o famoso " felizes para sempre ", entretanto, ela não me convém mais, pois se tornou enfadonho e chata demais para se viver. Por isso o fardo se torna tão grande e pesado, quando paro para pensar no quanto estou sendo ingrata, pois sou ciente de tudo que possuo e do quão sou privilegiada em te-la. Eu tenho uma boa casa, um otimo emprego, e um marido lindo e que amo, - O que mais alguém pode querer?  Contudo,  mesmo assim me sinto presa em uma bolha que munca muda, nunca se altera, que é muito... previsivel.

Estou presa em um mudo premeditado, monotomo, que se repete todos os dias, onde tudo que faço é trabalha e dormir, e nada mais.

Enfim, esquecendo um poucpo isso, meu nome é Amanda, tenho 22 anos e trabalho como contadora, um trabalho que exerco em casa. Sou casada a quatro anos e meio com o Min Yoongi, herdeiro e presidente da corporation Min, em nova york, onde moramos atualmente.

Bom, meu dia começa pelas 6:00h da manhã, nunca nem mais nem menos disso. Assim como eu, meu meu marido, Min Yoongi, acorda também as 6:00h. Cada um de um lado da nossa cama espaçosa, trajando nos nossos habituais pijamas beges de seda. Ambos sentados na cama, cada um do seu lado, pômos os nossos pés no açoalho frio da manhã, nos levantando vagarozamente para ir ao banheiro, e nos preparar para o dia que iniciava.

No banheiro, na frente do espelho, me pego mim analisando novamente, avaliando a pessoa e a vida que adirir. Ultimamente venho tendo esse pessimo habito, aqual quero deixar de ter, porém ele tende a me abordar sempre nas piores horas. E meu marido parece não perceber toda esse meu devaneio em frente ao espelho, mesmo estando ao meu lado, repetindo seus mesmos movimentos de toda santa amanhã.

Ele começa sempre lavando os rostos, mesmo que vá tomar banho logo em seguida, em seguida ele retira seu pijama e coloca para lavar, e sem vergonha alguma ele vai para o box totalmente pelado e o liga e inicia finalmente seu banho. Eu sempre pego-me observando-o tormar banho, isso sempre me prende a atenção. Contudo, nada do que vejo é novidade para os meus olhos, nada vem a ser uma supresa, pelo contrario, sou conhencedora de cada pedacinho do seu corpo, cada detalhe ou traço. Sei tudo de có, sei mesmo errar unuca vez.

Entretanto, olha-lo ainda era intrigante, é como olhar um show ao vivo, pois da forma que ele se banha é como se ele estivesse se exibindo para um publico adulto. A forma que ele passa as mãos pelo seu corpo, delizando as mãos por suas barrigas, nos seus braços ou parte inalcancaveis, tudo isso lentamente, prende a minha atenção. Mais o que mais me instiga a continuar a olha-lo, é a forma que ele levanta seus cabelos sob o chuveiro e espera a água cair sobre sua façe pálida e desliza por seus cabelos lisos e passea por todo resto do seu corpo magro, mas muito bem estruturado e definido, é uma visão boa.

Á olhares indiscretos que eu lhe lançava sem medir esfoços em ser discreta, ele notou o quanto eu o fitava, e sem vergonha alguma. Então, ele apenas me olhou desconfiado e falou as unicas palavras no dia que não eram " Bom dia", da sua forma apatica de falar de toda amanhã.

- Viu algo que lhe agradou? - questionou me olhando enquanto passava as mãos pelos cabelos molhados.

Apenas voltei a realidade e o fitei por alguns segundos á mais, reparando o quanto seu corpo continuava pálido, e sem nenhum pingo de cor - O que me lembrava de uma viagem ao litoral que fariamos, mas vinhamos adiando a tempos, mas ainda sim, eu estava louca para faze-la ao lado do Min. Até porque, além de ser uma viagem para relaxar e descontrair, eu conseguiria fugir da rotina da minha afatica vida.

- Vou lhe esperar para o cafer.

Após tais palavras ditas, apenas dei as costa e sai do comodo. No quarto, eu fui vestir as minhas roupas para trabalhar. Ela se resumia a um vestido solto azul e saltos alto preto fechado - Geralmente eu me vestia assim, afinal, o trabalho de contadora em casa não exigia muito dasinhas vestis.

Na enorme mesa que tinha na nossa casa - que era feita de carvalho e estava bastantimente antiga, como tudo que tinha naquela casa. para ser servidos nosso cafe. Que antes de ter como donos  eu e o meu marido, pertenceu aos avôs do Yoongi, depois os pais dele, que sempre vem nos visita, e finalmente, o meu marido. Em todo caso, isso não tornava a casa feia, tornava-a bela e chique. Tudo na nossa cada era assim, rustico adapatado para o moderno, mas sem perder as suas caracteristicas de epoca -, estava dois pratos estrategicamente arrumados, que eram preparados por nossas empregadas.

Seitei-me e logo fui servida. Judite - a empregada -, sempre insistia em fazer isso, mesmo que eu sempre deixasse bem evidente que gostava de eu mesma por a minha propria comida.

- Boa dia. - falou ela sorrimdo como sempre. Me espantava como ela sempre estava sorrindo, e como seu sorriso era verdadeiro, mesmo que seu trabalho fosse servir, limpar e lustrar, ela sempre ostentava um sorriso luminoso.

- Bom dia, Judite. - forcei um sorriso, mesmo que naquela manhã eu não me sentisse igualmente feliz a ela.

Apesar da comida posta, eu me contive em iniciar a comer, afinal, eu iria esperar Min, que odiava chegar na mesa e ver que iniciei comer sem ele.

Fiquei feliz em saber que ele não tardou a se juntar a mim para comer, pois eu já estava bastante fiminta. Ele sentou-se ao meu lado, e pediu para ser servido. Judite que esboçava um sorriso nos lábios, estava séria ao servir o patrão - Me perguntei onde foi parar seu lindo sorriso, ele era a coisa mais alegra daquela manhã.

Observei bem a cena, e me perguntei o que tinha acontecido conosco. Aquele homem que estava sentado ao meu lado, perfeitamente arrumado no seu terno preto feito sob medida, e gravata cinza e semblante sério, nem de longe era o Min Yoongi que um dia eu conheci e nem muito menos era meu suga, a pessoa  estrovertida, amavel e sociavel que um dia conheci.

- Amor... - chamei-o - Eu estava pensando em quando poderiamos fazer aquela viagem que viemos planejando a um tempo.

Ele apenas se mantinha sério, parecendo cogitar a possibilidade, mas reconsiderando.

- Em quando você esta pensando em fazer isso?

- Pensei em fazer na sexta, acho que não teremos nada a fazer nesse dia. - argumentei.

- Hum... - pensou um pouco - Acho que não poderei ir, nesse dia terei uma reunião importantissima, além disso, terei que fazer uma viagem a trabalho para chicago e só voltarei no domingo a noite.

- Viagem?

- Sim, tenho que fazer. Vou me encontrar com alguns acionistas.

- Mas Min, estamos planejando essa viagem a tanto tempo para podermos ir na viagem, acho que se você adiar essa reuniáo não terá problemas.

- infelismente, não poderei ir, mas vamos deixar pra proxima, okay? - e mais uma vez sou tapiada pelo meu proprio marido, mais uma vez sou trocada por um trabalho ou uma reunião importante demais para ser adiada.

Frustada, eu apenas me calei e ignorei o assunto como sempre faço quando toco no assunto e o meu marido me faz ingulir uma desculpa totalmente insastifatoria.


Notas Finais


Esse cao foi apenas um prologo, então relevem o pouco dialogo :) Mas no proximo tem mais e será melhor ^^ bjiss e até xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...