História Marilynn And WinsLand - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 2
Palavras 1.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Comédia, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Fluffy, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Super Sentai, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Primeiro cap <3
Espero que gostem.

Capítulo 2 - Capítulo Um.


Fanfic / Fanfiction Marilynn And WinsLand - Capítulo 2 - Capítulo Um.

POV of Elizabeth WinsLand...

Acordar ás 07:45 da manhã, e ficar duas horas só para sair do quarto não é fácil. Não pra mim. Bem, minha mãe demora uma hora e meia pra sair do quarto apos acordar e isso tudo para por o vestido, arrumar o cabelo, maquiagem, sapatos, perfume e entre outras... Só sei que estou cansada dessa rotina tão cansativa. 

- Bom dia senhorita WinsLand, viemos trazer seu traje para manhã. - Duas domésticas/empregadas/serviçais ou seja lá, como vocês a chamam, entrou no quarto, me tirando dos meus pensamentos sem futuro. Apenas assenti com a cabeça, afim que ela saíssem e eu pudesse voltar para meu sono e dormir por umas quatros seguidas, mas a vida é dura e duas moças jovens que acompanhou a senhora Dumb permaneceram no quarto, para me ajudar vestir o vestido... 
[...], e já estava pronta. vestido, maquiagem, cabelo, perfumes, sapatos, e bem, todo o esforço vale a pena quando estou em frente ao espelho. Não que eu tenha autoestima super elevada, mas ás vezes, me acho bonitinha. 

- Senhorita WinsLand, a rainha Joanna está a esperar pela a moça no saguão. Desça imediatamente. - Uma bela e formosa loira, acho que Joicy era seu nome, me disse tão delicadamente educada. Uma das vantagens de ser a próxima rainha é que não importa o quão você é tosca, sempre vão te tratar como se fosse um rubi. Entediante. Após alguns reparos, aqui e ali, finalmente desci pela as escada do palácio. Encontrei meus pais, já sentados um na frente do outro na mesa de comer. Quando me viram abriu um sorriso. 
- Bom dia querida, como dormiu? - Se estão achando que minha mãe perguntou isso, tão delicada e amorosa se enganou. E não, também não foi meu pai. Foi minha governanta, Mandy, uma senhora de uns 60 anos. 
- Ótimo, obrigado Mandy. E a senhora como dormiu? Está uma bela manhã. - Apesar de odiar algumas palavras e saudações exageradamente educadas era interessante usar palavras de cortesia com Mandy, ela parecia sempre estar feliz... 
- Dormi excelentemente bem, obrigado á você! Queres tomar leite com achocolatado ou um café ao leite? - Ela me perguntou, e antes mesmo de responder, ela já trouxe meu amado leite. Apenas sorri agradecendo. Como amo essa velhinha. Já faz uns 10 minutos que estou aqui em baixo, e mamãe e papai ainda não trocaram uma palavra. Desde de semana passada ambos estão calados. Normal, eu acho ...
-  Mamãe, bem.. Eu irei na floresta hoje com o Bellick, tá? - E depois de uns 15 minutos de silêncio sereno após a saída de Mandy, consegui a atenção completa da mamãe. 
- Ir na floresta? Aquela atrás da cidade? Jamais, nunca. Ainda mais com Bellick. - Ela colocou a taça de água gelada sobre a mesa de vidro delicadamente mas ainda assim, aparentava estar nervosa. 
- Qual é o problema Joanna? Ela já tem 17 anos, por Deus! Quer proibir a menina de sair com Bellick também? - Meu pai, que também estava calado abriu a boca! Vai dar uma briga!
- Sabe o que é? Não quero que nossa filha tenha uma decepção amorosa por amar alguém e ser totalmente fiel a ela, mas essa pessoa, a trair! - E ela se levantou, batendo as duas mãos sobre a mesa de vidro. Abalada, e totalmente histérica... Depois alguns minutos, de ambos se encarando, ela se retirou. Papai me olhou, abaixou o olhar e saiu! Mais um café da manhã estregado.

- Mãe? - Bati na porta de vosso quarto, na esperança em que ela saísse de lá, enrolada na toalha sorridente e toda alegre. Mas foi ao contrário, apenas ouvi um '' pode entrar '' baixo e desanimado. 
- O que aconteceu hoje mais cedo? Você o papai... - Suspirei. - Vocês estão estranhos.... 
- Você ainda é nova para entender.. Mas quando crescer e encontra seu amor, ou achar que encontrou seu amor, vai entender o que é uma verdadeira decepção... Quando você faz de tudo para ficar com essa pessoa, e ela na primeira opturnidade de te machucar, te machuca. E não é como perder um cachorrinho, é como perder um orgão. Dói lá dentro, sabe.. Filha, nunca, jamais, dependa de alguém pra ser feliz. Você é linda demais pra chorar por quem não merece. - Aquelas palavras foi um pouco sem sentido pra mim, mas mamãe estava com olhos vermelhos e cheio de lágrimas. Apenas a abracei. Abracei como se o mundo fosse acabar e ela sendo meu único ponto seguro. 
- Pode ir na floresta, mas promete pra mim que não vai ser com o Bellick? -Ela me disse, e eu sorri. Ela está melhor. Assenti coma cabeça e dei um beijo em sua testa.  

Após pegar uma bolsa com alimentos e entre outras coisas necessárias para um dia na floresta. Já tinha trocado de vestido, e estava usando um meio simples, sem muita armação. Sai de casa, apé mesmo. Pude ver uma cidadezinha calma e tranquila, sem muitas carruagens ou muitos cavalos. Só várias pessoas trabalhando, passeando... Fui até a casa do Math, meu melhor amigo. Após andar uns 5 minutos finalmente cheguei na sua residência. É simples, mas limpa e aconchegante. 

- Math. - Meio que gritei da porta e ela já estava vindo com suas coisas já que o mensageiro real já tria o avisado. 
- Vamos? - Apenas assenti, e saímos em direção á floreta. Após uns minutos de silêncio finalmente, Math fala.
- Olha... Faz tempo Liz que quero que te falar... É muito estranho isso, você é minha amiga desde de sempre. - Ele suspirou. - Eu, bem... - Ele parou de falar. Mal pude perceber que já estávamos na floresta. E como ela é grande. O vento veio, e meus cabelos se soltaram do coque mal feito.
- Você?... - Continuei no tom dele, até que nós paramos, em um pedra. Ela ficava de frente pro lago. 
- Eu sou gay. - Ele me confessou,e  esperou que eu saísse correndo, mas não. Continuei normal, até porque isso não é nada tenebroso. Assim seguiu o dia, calmo e tranquilo, num piquinique calmo e sossegado, ao som da natureza. 


Notas Finais


Erro depois eu arrumo, ou não.
Cap novo todo diaa <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...