História Mark My Memories 2 - Capítulo 28


Escrita por: ~

Exibições 186
Palavras 1.256
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Festa, Luta, Mistério, Poesias, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA VOLTEI


SOCORRINHO SENHORA MARIA DE JESUS CRISTO!

NESSE CAP SÓ TEM BABADO GENTE, SOCORRO!

CORRE CORRE POVO <3

BOA LEITURAAAAAAAAAAAAAAAA <3

Capítulo 28 - World Collapsed


Fanfic / Fanfiction Mark My Memories 2 - Capítulo 28 - World Collapsed

 

Ashley Backer

Atlanta

15:33

Quinta-Feira

 

Duas Semanas Depois...

 

Abri a porta do carro, enquanto Justin conversava com um dos guardas, dando ordens.

 

Digamos que nessas duas semanas que de passaram, Justin e eu, nos aproximamos mais. Mesmo ele tendo repicado todo o meu lindo cabelo, ainda não o matei, o que é uma grande evolução, eu acho.

 

Tudo bem, foi só um cabelo, mais caramba, era o MEU cabelo, o MEU lindo cabelo.

 

Respira, Ashley.

 

Sorri pra Justin, avisando que iria entrar. Comecei a caminhar pelo jardim, indo de encontro com a porta da frente e abrindo a mesma. No momento em que eu abri a porta, gritos invadiram meus ouvidos, fazendo com que eu enrugasse minhas sobrancelhas.

 

 Mackenzie, Leyanne, Chris, Chaz, todos menos Ryan e Mary estavam em baixo da escada, provavelmente ouvindo a briga.

 

- O que está acontecendo? - Perguntei, me aproximando deles.

 

Caitlin estava com uma feição de orgulho no rosto, o que me deixou confusa. Ela estava feliz com a briga de Ryan e Mary?

 

- Ryan e Mary não estão no melhor de seus dias. - Murmurou Chaz. Revirei os olhos.

 

 - E vocês vão deixar ele chamar ela de vadia? - Resmunguei, pondo as mãos em minha cintura ao ouvir Ryan gritar.

 

Todos ficaram quietos e eu vi que era minha deixa ao ouvir os gritos de Mary. Subi rapidamente as escadas, abrindo a porta do quarto de ambos.

 

 Ryan segurava fortemente o braço de Mary, enquanto a mesma chorava desesperada.

 

 - Ryan, solta ela. - Rosnei, olhando o pulso de Mary ficando roxo.

 

 - Ashley não se mete. - Ryan rosnou de volta, enquanto Mary chorava.

 

 - Você acha que machucando ela vai resolver o problema de vocês? - Cruzei os braços. - Aja como um homem, não como um covarde. - Finalizei.

 

Ele me encarou com ódio e a soltou com um tranco, no momento em que ele fez isso, Mary fitou seus pulsos, roxos.

 

 Ryan andou em direção a porta, mais antes parou e se virou para Mary.

 

- Eu vou sair, mais quando eu voltar, quero você fora dessa casa. - Falou com ódio. - Caso contrário, te tiro daqui a força e você não vai gostar nada do jeito que isso vai acontecer.

 

 Antes de ele sair, devolvi:

 

- Se você ousar encostar um dedo nela, você não vai gostar das medidas que eu precisarei tomar.

 

Ryan se aproximou, ficando de frente para mim.

 

 - O que você vai fazer? Me bater com uma corda de pular? Menininha.

 

- Talvez eu te enforque com ela depois? Testudo. - Sorri debochada e me aproximei dele, o desafiando.

 

Ryan estalou a língua no céu da boca e deu meia volta, saindo do quarto.

 

Mary se sentou na cama, começando a chorar.

 

- Mary, para. - Pedi, mais ela me ignorou. - Recomponha-se, sua atitude está sendo patética! - Alterei a voz.

 

 - Ele vai me deixar, Ashley. - Soluçou.

 

 - Idai? Ele é ar pra você precisar dele pra sobreviver?- Cruzei os braços, rindo debochada.

 

 Mary me olhou, ao ver seus olhos vermelhos reparei que estava sendo ríspida demais.

 

- Tudo bem, me conte o que aconteceu. - Pedi, me agachando na frente dela.

 

Mary respirou fundo, me deixando curiosa.

 

 - Você vai me odiar. - Soluçou. - Eu... eu matei uma vida.

 

- Eu também, várias vezes. - Ri descontraída.

 

 - Não Ashley, eu abortei meu filho. - Voltou a chorar desesperada, enquanto eu encarava ela.

 

Uh.. Eu ouvi direito? A garota mais meiga que eu já vi nesse mundo falando que abortou um bebê?

 

Não, não era possível, Mary sempre sonhou em ter filhos, Ryan também.

 

- Você deve estar me odiando. – Soluçou.

 

- Não, não estou. - Fui sincera. - Eu te conheço desde que eu era um bebê, sei o quanto você é uma ótima pessoa. - Suspirei. - Sei que você deve ter tido suas necessidades.

 

 - Eu tive, meu filho não merecia nascer neste mundo. - Limpou as lágrimas.

 

- Mas você deveria ter consciência disso quando começou a namorar com Ryan, você sabia desses riscos, porque não se cuidou?

 

- Eu.. eu não sei. - Suspirou derrotada.

 

 - Não estou te julgando e nem vou, ok? - Passei minhas mãos pelos cabelos loiros de Mary, tentando conforta-la. – Mais... você sabia que isso ia dar uma treta enorme, você é burra?

 

Sinceramente, ela devia ser burra mesmo. Como você conta pro seu namorado que no caso é fanático por crianças que abortou um filho dele? Puta que pariu Mary.

 

- Não fui eu que contei. – Sussurrou. – Foi Caitlin. – Arregalei os olhos.

 

Quando eu voltei, Caitlin e Mary estavam mais grudadas do que nunca, porque Caitlin contaria algo com tamanha importância?

 

- Tudo bem, porque está sussurrando?  

 

- Porque ela não pode ouvir, Ash.

 

- Ata. – Dei de ombros.

 

- Eu quero te mostrar umas coisas pode ser?

 

- Pode, mas... porque ela contou se vocês eram amigas?

 

- Éramos amigas, agora vem.

 

Mary me puxou escada abaixo, Justin estava sentado no sofá com os garotos, bebendo cerveja, nem ligou quando eu saí porta a fora com Mary.

 

Entramos no carro dela e Mary o ligou, dando partida e passando pelos enormes portões dourados da mansão.

 

Mary começou a dirigir rapidamente, até a cidade ser substituída por mato, muito mato. Mary estacionou no meio do nada e saiu do carro, esperando que eu fizesse o mesmo.

 

Graças a Deus eu estava de botas.

 

- Então... É agora que você me mata e joga meu corpo por esse barranco? – Perguntei com humor, temendo a resposta.

 

- Idiota. – Empurrou meu ombro e eu sorri.

 

Começamos a caminhar até uma velha cabana aparecer, entramos na mesma.

 

O piso era velho e rangia quando pisávamos, as paredes estavam mofadas e os móveis eram cobertos com panos brancos, isso definitivamente cheirava a morte.

 

- Eu descobri esse lugar quando segui Caitlin, ela saía todo dia as exatas 3 horas da manhã e vinha pra cá, quando ela saiu, eu entrei e achei isso. – Puxou o lençol branco de uma das pratileiras e caixas de documentos apareceram.

 

Mary pegou uma das caixas e colocou em cima da mesa empoeirada, fazendo poeira voar pra tudo quanto é canto.

 

Me aproximei da mesa, vendo Mary mexer nos documentos.

 

Mary me entregou vários documentos, a mesma me olhava com receio, mas mesmo assim coloquei os documentos misturados com fotos e jornais na mesa e comecei a folhá-los.

 

Minhas pernas tremiam a cada letra que eu lia, meu mundo inteiro estava quase desabando.

 

Uma foto da Hailey com meu pai no Starbucks enquanto vários papéis estavam em cima da mesa.

 

E a outra foto, fez com que o ar nos meus pulmões faltasse.

 

Christian Beadles estava sorrindo psicoticamente enquanto mantinha uma faca em suas mãos e corpo morto do meu pai estava ao seu lado.

 

Continuei a folhear, até chegar em outro documento.

 

“Caitlin Portland Lee, fugiu do hospício Backwetten de New Orleans esta sexta-feira.” - Minha boca se abriu em um perfeito O.

“Hailey Baldwin Backer, nascida no dia 11 de novembro de 1994.”

Minha respiração acelerou e minhas pernas desabaram com tanta força que eu não senti nada além da pancada na minha cabeça e meus olhos se fechando, antes de tudo apagar, pude ouvir o grito desesperado de Mary.

 

"Eu tenho um segredo, você pode guarda-lo? Jure que esse você irá guardar. Melhor trancar no seu bolso, levá-lo para a sepultura, porque duas pessoas só podem guardar um segredo, se uma delas estiver morta."

- Pretty Little Liars

 


Notas Finais


EITAAA KRAIU

SEGURA CORASAUN <3 SDLKSDJKSDDJDKDJ

Yeaaah Babys, perceberam que no nome da Caitlin não há Beadles? como ela é irmã do Chris? \O/

QUE BADAAAAAAAAAALO <3


ATÉ O PROXIMO CAPITULOOOO <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...