História Mark My Words - Capítulo 43


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Alfredo Flores, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Pattie Mallette
Tags Fanfic, Justin Bieber, Marky My Words, Mmw
Visualizações 1.821
Palavras 1.648
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


01/01/2017 NADA MELHOR DO QUE COMEÇAR O ANO COM MARK MY WORDS!

Cole e Dylan são nossos irmãos Walker!

Capítulo 43 - Irmãos Walker


Fanfic / Fanfiction Mark My Words - Capítulo 43 - Irmãos Walker

Points of View Justin Bieber

O cheiro de soro e desinfetante invadiu meu nariz, me fazendo acordar. Abri meus olhos devagar, primeiro vendo tudo embaçado e depois, aos poucos, as imagens foram ficando mais nítidas. Minha boca estava seca, todo meu corpo doía.

— Bom dia. — Uma voz de mulher me fez olhar para o lado. — Que bom que acordou.

— Onde eu estou? — Minha voz saiu mais fraca do que o esperado.

— Você está na enfermaria do presídio. Não foi preciso te transferir para o hospital. Você teve sorte de vir parar aqui, cai entre nós, ficar todo quebrado no chão de uma cela imunda não deve ser muito legal.

— Acho que não. — Eu ainda estava confuso. Não lembrava como tinha ido parar ali.

— Você não tem ferimentos muito graves. Só alguns hematomas e sangue preso. Nada do que alguns antibióticos não possam resolver.

A enfermeira fez com que eu tomasse dois comprimidos de uma vez e depois beber um pouco de água. Ela passou uma pomada no meu rosto e depois deixou que eu dormisse de novo. Aquela cama hospitalar era melhor do que o chão onde eu tinha passado as minhas últimas noites.

Quando eu acordei novamente, a tal enfermeira estava séria, até mesmo aflita. Ela checou meus batimentos cardíacos e depois minha pressão arterial. Passou mais pomada e me deu mais remédios.

— Você receberá alta daqui a umas três horas e terá que voltar para sua cela. — Parou de anotar meu estado clínico e se virou para me encarar. — Você precisa falar com o seu advogado. Eu soube que têm alguns homens querendo matá-lo. Não sei por qual motivo, mas querem te matar.

— O que eu vou fazer? — A questionei. — Não quero morrer assim. Preciso fazer tantas coisas.

A enfermeira ficou olhando para meu rosto, pensativa. Ela suspirou e enfiou a mão dentro do jaleco branco e retirou um celular dali.

— Você não pode fazer nenhuma ligação porque o celular é grampeado, mas mande uma mensagem para seu advogado, ou para alguém que possa tirar você daqui. Rápido!

Me entregou o celular e depois foi olhar a porta. Deslizei a tela de bloqueio e fui direto para a mensagem de texto. O único número que eu sabia de cor era o da minha mãe.

"Eles querem me matar. Por favor, mãe, faça alguma coisa e me tire daqui."

Enviei a mensagem e devolvi o celular.

— Você pode tomar um banho agora. Vou trazer uma roupa limpa.

Saiu da enfermaria e me deixou sozinho. Não perdi tempo e fiz exatamente o que ela havia mandado. Tomei um banho rápido e fiquei enrolado na toalha. Me olhei no espelho e tive pena de mim mesmo: meu rosto estava todo machucado, meu olho roxo, minha boca inchada e meus supercílios cortados.

Points of View Angel Fontinelly

— Vocês não vão acreditar. — Caitlin gritou ao entrar no quarto.

— Se você não contar, a gente não vai saber mesmo. — Revirei meus olhos e ela pegou uma almofada para jogar em mim. Desviei e a almofada caiu do lado da cama.

— Conta logo. — Suzana também odiava as enrolações de Caitlin.

— Os irmãos Walker nos chamaram para uma festa hoje à noite. — Pulou e balançou os braços de um jeito engraçado e animado.

— Quem são esses?

— Simplesmente os caras mais gatos da faculdade. — respondeu, Suzana. — Acho que dessa vez eu fico com um deles.

— E eu com o outro. — gritou a estética da Caitlin, dando seus pulinhos animados depois.

— E eu fico sozinha? — Fiz biquinho.

— Não se preocupe, só terá gatos nessa faculdade. Você vai ver só.

— Acho bom mesmo. Estou doida para tirar o meu atraso. — comentei.

Caitlin se jogou na cama ao nosso lado. Ficamos nós três de barriga para cima, olhando para o teto.

— Eu também tenho que tirar o meu atraso.

— Você transou antes de ontem, Suzana, cala a sua boca. — esbravejou Caitlin.  — Eu já não transo há quase dois meses.

— Não transa porque não quer. Ryan está doidinho para ficar com você.

— Ryan é melhor amigo do Christian.

— E desde quando você se importa com isso? — perguntei me intrometendo. — Você já ficou com o Justin.

— É diferente. O Justin ficou amigo do Christian por minha causa, mas o Ryan já é amigo dele há muito mais tempo.

— Eu acho que você está com medo de se apaixonar. — repreendi Suzana com um olhar de "Você está ficando louca?"

— Fala sério, eu nunca iria me apaixonar por Ryan Butler.

— Claro. Afinal de contas, ele é o mais certinho e legal dos amigos. Não é nem um pouco apaixonavél. — desdenhou.

— Olha só quem fala. A menina que é louca por Christian Beadles e não tem coragem nem de dizer isso para ele.

— Se eu disser ele vai surtar. Melhor deixar a nossa relação como está.

— Tudo bem, não vamos falar sobre isso. Existe uma festa maravilhosa esperando por nós — Caitlin fechou o assunto.

Levantamos para escolher nossas roupas e tomarmos banho. As meninas estavam praticamente morando comigo, agora que eu tinha voltado a ficar na mansão. Elas foram para os "seus" quartos e me deixaram sozinha para que eu pudesse me arrumar.

Tomei um rápido banho e fui até meu closet para escolher uma roupa: um vestido azul Royal, um sapato de salto agulha preto e uma jaqueta por cima. Prendi meu cabelo em um coque e fiz a maquiagem, soltei meu cabelo e como havia pensado cachos se formaram nas pontas. Passei um leve perfume e escolhi um anel simples para colocar no indicador direito.

Bati duas vezes no quarto de Suzana, ela atendeu a porta e sorriu ao observar minha escolha de roupas. Ela também estava perfeita, calça de cintura alta, salto agulha e um cropet roxo. Seu cabelo estava solto e ela havia feito cachos com babylis. Fomos até o quarto de Caitlin e tivemos que esperar ela terminar a maquiagem. A escolha de Caitlin tinha sido simples: um vestido curto, preto, uma sapatilha rosa e ela tinha deixado os cabelos presos.

— Não é porque você é a mais alta que não pode usar um salto. — A encarei pelo espelho.

— Eu pretendo beber muito essa noite. Saltos dificultariam as coisas. Não quero cair de cara no chão. — explicou-se.

— Nossa, da última vez que ela usou um salto alto tivemos que levá-la para o pronto socorro. Nunca vi alguém quebrar o pé tão desastradamente. — Suzana riu me fazendo rir também. Recebemos um olhar fulminantede Caitlin Beadles.

(...)

— Angel, esses são Dan Walker e Eric Walker. Os mais lindos e cobiçados irmãos de todos os tempos. — Caitlinapresentou os dois irmãos para mim.

— É um prazer conhecer você. — Dan beijou minha mão e depois se afastou.

— Na verdade, a gente só não tinha a visto pessoalmente ainda, mas você é bem conhecida por todos. — Eric recebeu uma cotovelada no peito pela confissão.

— Por que disse isso?

— A Müller é uma das empresas que patrocinam o curso de medicina. Dan e eu estamos no quarto semestre e já ouvimos muito sobre todos vocês. Mas não foram coisas ruins. — Eric, o mais sensato, respondeu minha pergunta.

— Vamos encher a cara. Precisamos encher a merda da nossa cara. — Suzana quebrou o clima ruim que tinha formado em minutos.

— Quer alguma coisa especial, meninas? Eric e eu vamos buscar para vocês.

— O que vocês escolherem está bom. Adoramos qualquer coisa. — Sorrimos.

— Isso. Mas, por favor, eu quero um suco de uva com energético. — Suzana e Caitlin arregalaram os olhos para mim. Os irmãos Walker saíram em seguida.

— Credo. Pensei que você fosse encher a cara hoje.

— Alguém precisa voltar dirigindo, minha querida. — Revirei os olhos.

(...)

Caitlin estava dançando com Suzana quando Christian e Ryan passaram pela porta da frente. Arregalei meus olhos quando percebi eles vasculhando o ambiente a procura das meninas. Virei de costas para a porta e desci do banco. Andei de costas até a pista de dança e senti braços me segurarem quando entrei na pista. Virei para trás dando de cara com um homem desconhecido. Tentei afastar ele com minhas duas mãos, eu precisava falar com as meninas, porém o rapaz era mais forte e estava bêbado.

— Me larga, seu babaca. — Forcei meu corpo para trás na tentativa de me soltar. Não deu muito certo, ele nem sequer saiu do lugar.

Ele tentou me beijar duas vezes, mas eu não dei passagem para isso. Balancei minha cabeça duas vezes. Eu já estava quase dando um chute no saco do homem quando alguém lhe acertou um murro no rosto e ele me soltou.

Eric tinha acertado o babaca. Dan me puxou para perto dele e Eric continuou esmurrando o idiota.

— Ninguém agarra minhas convidados a força. — Escutei Eric dizer ao carinha que tinha tentado me beijar. Dan me levou para a cozinha e me deu um pouco de água.

— Você está bem?

— Estou. Obrigada por me salvar. — Bebi a água que ele me deu. — Você viu as meninas?

— Estão dançando com Christina e Ryan.

— Você conhece Christina e Ryan? — Ele riu, assentiu e depois colocou meu copo na pia.

— Garota, eu sei mais sobre esses caras do que você imagina. Nós somos irmãos de Mason. Acho que você o conheceu há um ano. — Manson. Esse nome não me era estranho.

— Que Manson?

— Primo de Justin Bieber, o culpado por você ter se casado tão jovem.

Claro. O homem que havia me drogado na festa que Suzana me levou.

— Vocês são irmãos daquele idiota?

— Felizmente só por parte de pai. Infelizmente nosso pai é um idiota. — Sorriu. — Mas não me compare a ele. Sou bem diferente.

— É muito bom saber disso.

— Quer voltar para a festa? — Se aproximou de mim e pousou suas mãos na minha cintura.

— Acho que eu prefiro conhecer o seu quarto. — Sem delongas ele tomou meus lábios para si. Senti sua ereção pressionar minha barriga e gemi contra os seus lábios.

A noite iria ser bastante longa. Dessa vez eu aproveitaria tudo sem estar drogada. Aproveitaria cada momento. 

Continua...


Notas Finais


Obrigada a todas que esperaram pela volta de Mark my words! Vocês são maravilhosas! Feliz ano novo, minhas Baby GIRLS!

GRUPO DA FANFIC NO WHATS (11) 97788 2361

Xoxo, Tay!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...