História Marriage Contract - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Appa!maudoso, Autoradoida, Homofobia, Jikook, Jimin!marido, Jimin!seme, Jimin!viciadoemsexo, Jungkook!esposo, Jungkook!líder, Jungkook!uke, Namjin, Yoongisolitario!
Visualizações 810
Palavras 3.778
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente, hoje eu estou sem criatividade, então... Boa leitura e um testa no beijo ( Falei tudo errado mas beleza). <3

Capítulo 8 - Sete.


Fanfic / Fanfiction Marriage Contract - Capítulo 8 - Sete.

                   ~Autora~

 

- Então terá que ser do meu jeito. - Falou sorrindo de lado, fazendo Jimin arquear uma sobrancelha curioso.

- O que você fará? - Voltou para o sofá se sentando de frente para seu Appa.

- Será uma surpresa. - Levantou-se e deixou o filho curioso pra trás.

 

                                                       

.

.

.


 

                ~Sábado 20:14~

 

              ~Jeon Jungkook~


 

Enquanto meu Appa conversava com alguns sócios eu fiquei lá sentado encarando os talheres, era como se eu não tivesse nada pra fazer - que de fato era verdade -, passei a mão no meu terno branco que eu nem sei o porquê estou vestindo, enquanto todos estão de terno preto, mas eu tive que usar porque era presente do Appa daquele energúmeno. - Aí vocês me perguntam: Onde está o Park galinha Jimin? Fácil, está do outro lado do salão me encarando à horas. - Levantei-me quando vi meu Appa me chamando e fui em sua direção. - Quem olha pra ele acha que ele é a pessoa mais gentil do mundo, o que eu descobri está semana não ser verdade.

 

                                                                                                   ~Flashback~

 

- De novo com o cheiro do Park? - Perguntou e sem esperar resposta me deu um tapa no rosto. - O filho que eu tanto amava virou uma bichinha por culpa daquele infeliz, mas não vai ficar barato. - Segurou meu braço e me puxou escada a cima.

- O-o que está fazendo? - Perguntei assim que ele me jogou na cama do meu quarto.


Ele não respondeu nada, apenas saiu do quarto me deixando trancafiado no mesmo até que voltou com alguns remédios.


- Toma. - Abriu a minha boca a força e colocou dois comprimidos, me deu um copo de água e saiu do quarto - Durma.


E assim eu vi tudo ficar embaçado, meu olhos pesaram e eu acabei caindo no sono profundo.

 

                                                  

.

.

.


 

Assim que acordei escutei a porta se abrindo revelando meu Appa com uma bandeja na mão, e lá tinha toradas, suco, pudim e bolo, mas o que chamou minha atenção foi os comprimidos.

 

- O que é isso? - Apontei para os comprimidos.

- Eles iram fazer você dormir por pelo menor umas dez horas, assim eu não precisarei perder meu tempo te colocando na linha, a partir de hoje você não vai mais saí de casa, nem mesmo irá para escola, o único lugar você irá é na festa de sábado, sua rotina será comer e dormir de agora em diante. - Colocou a bandeja no meu colo e eu olhei para o mesmo indignado.

- Você vai me dopar todo dia? - Ele assentiu se sentando ao meu lado, passando a mão nos fios do meus cabelos. - Você não pode fazer isso, eu sou seu filho, minha mãe, eu quero minha mãe!

- Acho que está na hora do seus remédios. - Ele segura meus braços e coloca quatro comprimidos de uma vez na minha boca me fazendo engoli-los, ele me entrega o copo de suco e eu bebo para tirar o gosto horrível dos remédios, e não demorou muito 'pra mim apagar.

 

                                                    

                  ~Flashback of~

 

Parei ao seu lado e logo começaram a tirar fotos, meu Appa estava com o contrato em mãos enquanto sorria juntamente com seu sócio, mas o que me surpreendeu foi quando Jimin apareceu atrás de mim com as mãos rodeando minha cintura. - Como pode meu Appa não está vendo isso? - Nesse momento flashs vinha de todas as partes esquecendo os dois sócios, focando somente em mim e no Park mais novo que estava com o queixo sobre meu ombro, sorrindo largo.

 

- Me solta! - Sussurrei dando-lhe um tapa na mão.

- Não. - Olhei para frente e pude presenciar todos os sócios de pé olhando a gente... Sorridentes? Olhei em volta e vi o sorriso de lado do Sr. Park e a fúria nos olhos de meu Appa que vinha em nossa direção.

- Me solta Jimin, agora! - Falei aumentando o tom e ele me soltou.

 

Antes que meu Appa pudesse chegar até nós, o Sr. Park o puxou para assinar o contrato, eu preferi voltar e ficar no meu lugar, mas é bem difícil fazer isso quando se tem alguém te puxando para á direção oposta.

 

- Eu quero sentar! - Falei para Jimin que não tava nem me ouvindo, ele praticamente me arrastou até o escritório da empresa onde meu Appa e o Sr. Park assinariam o contrato.

- Bom, vamos começar, - Falou um homem de terno que parecia ser o advogado do Park. - assinem aqui, aqui e aqui, - O Sr. Park assinou tudo e logo depois meu Appa fez o mesmo. - isso, agora é a vez dos garotos. - Apontou pra mim e 'pro Jimin.

- Como assim? - Perguntei confuso.

- Vocês serão os futuros donos da empresa, então, assinem por favor. - Entregou a caneta a Jimin que assinou onde havia sido pedido e depois me entregou a caneta.

 

Peguei o contrato e encarei ele por um tempo, - E se eles estiverem armando para meu Appa? Ou se eles quiserem tomar a empresa? Meu Appa nem leu o contrato antes de assinar o mesmo. - comecei a ler o contrato. - Se eles acham que eu sou maluco a ponto de assinar algo sem ler, estão enganados. - Notei que o contrato tinha um desfecho, ele falava sobre união, e quando eu estava quase descobrindo de qual união o contrato se referia o mesmo foi tomado de minhas mãos pelo Sr. Park.

 

- Os convidados estão esperando, temos que ser mais rápidos. - Colocou o contrato em minhas maos novamente e eu respirei fundo assinando a primeira folha, depois a segunda e pra finalizar assinei a última folha, e foi quando meus olhos bateram em uma palavra ¨casamento¨ , no mesmo instante que iria rasgar o contrato Jimin puxou a folha entregando para o homem de terno.

- Bom, meu trabalho está completo, com a sua licença, - O homem se curvou indo em direção á porta. - Espero que sejam felizes. - Minha vontade era de pular encima de Park energúmeno Jimin e o enforcar, mas eu não consegui nem sair do lugar, palavras não saiam de mim boca, eu a abria e fechava várias vezes e nada de palavras ou sons saírem.

 

Voltei a raciocinar quando Jimin entrelaçou sua mão na minha me levando para fora do escritório, ele se dirigiu ao pequeno palco no centro do salão, olhei de solário para meu Appa que estava sendo segurado pelo sócio, para não vim em nossa direção - e provávelmente me matar -.


 

- Olá senhoras e senhores, espero que estejam se divertindo nessa bela noite, - Todos começaram a prestar atenção em Jimin. - queria agradecer a todos que estão aqui presentes, devo dizer que isso me deixa muito feliz, queria contar uma novidade que vocês já sabem, mas eu queria confirmar... - Olhei para Jimin que pegou uma caixinha de alianças e colocou uma em meu dedo e outra no seu sorrindo. - Agora estamos oficialmente casados!! - Todos ficaram de pé aplaudindo e eu fiquei outra vez estático.

- Beija! Beija! Beija! - Todos gritaram e eu nem percebi quando Jimin me puxou pela cintura me beijando calmamente enquanto eu podia ouvir gritos e aplausos de todos os lados, empurrei Jimin levemente para trás e o mesmo mordeu meus lábios antes de se separar.

- Bom, - Pigarreou e todos se aquietaram. - se nos derem licença temos que ir para o aeroporto. - Todos gritaram coisas que eu preferi ignorar como ¨pega ele de jeito¨ ¨deixa ele sem andar Jimin¨ ¨cuidado pra não deixar o garoto aleijado¨ entre outras.


 Eu não  raciocinei direito quando Jimin me puxou outra vez, eu tentei o parar, tentei até mesmo travar meus pés no caminho, mas ele práticamente me arrastou enquanto todos tentavam entender o que ocorria comigo, teve um momento que Jimin me ameaçou e eu tive que deixá-lo me levar a contra gosto.

Eu não consegui ver a cara do meu Appa, mas com certeza ele não deve estar sorrindo como os convidados, acho que deve tá até pensando em como matar eu e jimin sem levantar suspeitas para si.

 

.

.

.

 

Assim que o motorista parou o carro do lado do jatinho dos Park’s, Jimin saiu do carro e eu fiquei lá parado dentro do mesmo sem esboçar nenhuma reação, Jimin retornou e entrou outra vez dentro do carro, me encarando.

 

- Vamos? - Perguntou estendendo a mão para mim.

- Não sou obrigado à ir com você. - Virei o rosto para a janela e ouvi Jimin bufar.

- Você agora é meu marido, então sim, você é obrigado, agora vem. - Segurou meu braço afim de me tirar de dentro do carro.

- Eu não vou com você! Anda, me solta, seu energúmeno tapado. - Puxei meu braço me ajeitando no banco.

- Olha, se você está testando minha paciência já vou logo avisando que é melhor você descer desse carro e entrar naquele avião antes que eu perca a paciência! - Quem ele pensa que é pra levantar a voz pra mim?

- Por acaso você acha que eu tenho medo de você? Desculpa aí senhor fodão, mas você não é essa merda toda 'pra achar que mandar em mim não. - Falei debochado.

- Tá legal, agora você conseguiu esgotar minha paciência. - Saiu do carro dando a volta por trás e abrindo a porta onde eu estava.

- O que você e-es-

 

Jimin me puxou e me colocou sobre seu ombro esquerdo e eu por outro lado comecei a me debater, o que não resultou em nada. Ele entrou no jato e fechou a porta indo para o quarto que havia ali, me jogou sobre a cama de casal sem nenhuma delicadeza e avisou à aeromoça que o jato já podia decolar. A mesma assentiu fechando a porta do quarto onde nós estávamos.

 

- Eu sempre quis transar nas nuvens. - Sorriu malicioso subindo na cama, vindo em minha direção.

- E eu com isso? - Falei me levantando da cama indo me sentar na poltrona do quarto.

- Não faz isso, - Veio na minha direção e  segurou meu rosto entre as mãos, - agora somos casados, você tem que me respeitar. - tentou me beijar mas eu virei o rosto.

- Eu respeitar você? Conta outra. - Ri irônico e comecei a prestar atenção nas nuvens do lado de fora do jatinho.

- Eu sei que no fundo você me trata mal porque me ama. - Sussurrou em meu ouvido, me fazendo olhá-lo de imediato.

- Sabe aquela paixão passageira? É o máximo que um dia sentirei por você, você não merece o amor de ninguém - Meu coração estava batendo rápido, eu me sentia angustiado. -, sinto muito, mas você está perdendo seu tempo comigo. - Olhei no fundo dos seus olhos que tentavam a todo custo segurar as lágrimas que ameaçavam descer.

- Não, não estou, - Colocou uma mão no braço da poltrona e se inclinou sobre meu corpo me puxando pela cintura para perto de si com a outra mão. - eu mereço seu amor, seu corpo e tudo que envolva você. - Aquilo fez meu corpo se arrepiar e ele percebeu sorrindo enquanto roçava seu nariz no meu pescoço calmamente. - Eu te amo Jungkook. - Ele não podia ouvir meu coração, não podia. - Diz que me quer, diz que não pode viver sem mim, diz que eu sou o único que fez e faz seu coração bater rapidamente, diz que eu serei somente seu, diz que me a-ama, diz que me ama como eu te amo, diz...- Eu pude ouvir sua voz chorosa em meu pescoço e por um impulso eu o abracei.

- E-eu sinto muito, mas não posso te amar. - Ouvi seu choro se findar e ele se afastar aos poucos.

- Tudo bem, - E o senhor bipolar ataca. - você vai ter que me aturar, querendo ou não. - Deu de ombros saindo do quarto.

 

.

.

.

 

Assim que chegamos em sua casa de férias de frente para o mar ele saiu do carro pegando suas malas e foi aí que eu parei pra pensar. - Eu não teve tempo de pegar nada. - Saí do carro indo em direção a porta da enorme casa. Quando abri a porta pra entrar sentir meu corpo sendo erguido do chão e soltei um pequeno grito de surto ao que Jimin me carregou para dentro de casa estilo noiva sorrindo, me fazendo sentir um frio na barriga, agarrei seu pescoço assim que ele girou comigo em seu colo.

 

- Aquele é o nosso quarto. - Falou assim que me colocou no chão, ele se direcionou para uma porta entrando na mesma.

- Como assim nosso quarto? - Perguntei entrando no quarto, me deparando com rosas vermelhas espalhadas pela cama em forma de coração. - O que é isso aqui? - Apontei para cama e Jimin deu de ombros sentando na mesma.

 

Encarei ele por alguns segundos e depois deixei o bipolar sozinho no quarto. - Ele vai ficar me ignorando, é isso mesmo? - resolvi dá uma volta na praia, então tirei os sapatos, a calça, a gravata e o paletó, ficando apenas de camisa social branca e minha boxer da mesma cor que a camisa. Saí pela varanda e corri na direção ao mar como uma criança, sentei na areia e deixei a água molhar meus pés enquanto deitava na areia.

 Escutei risadas então voltei a me sentar na areia vendo dois garotos bêbados vindo na minha direção.

 

- Olha a bichinha ali. - Falou um garoto loiro apontando o dedo pra mim.

- Belo par de pernas, precisa de um trato, garoto? - O castanho veio na minha direção e eu me arrastei pra trás. - Volta aqui, eu cuido de você pequeno. - Virei pra começar a correr, mas ele segurou meu braço me jogando na areia.

- Hum... Gosta de leitinho baby? - Puxou meus cabelos me colocando de frente para sua calça. - Me chupa gostoso tá?

 

Olhe para seu rosto e sem pensar duas vezes lhe dei um soco em seu membro, que fez ele ir de encontro ao chão choramingando, o outro puxou minha perna, me derrubando no chão.

 

- Não tente nada, se não vai ser pior. -Falou tentando puxar minha boxer para baixo e eu para cima. Dobrei minha pernas e lhe deu um chute no peito, fazendo o mesmo cair pra trás, levantei e corri o mais rápido que pude de volta para a casa de férias.

 

Entrei dentro de casa e corri para todos os cômodos em busca de Jimin, não encontrei ele em lugar nenhum então deixei meu corpo cair no chão e me pus a chorar feito uma criança. Escutei o barulho de uma porta sendo aperta - ele só pode está no quarto -, corri para o nosso quarto e abri a porta do mesmo, vendo Park apenas de toalha. Ignorei o que estava d'baixo da toalha e o abracei chorando.

 

- O que aconteceu? Você está chorando? - Me afastou para me olhar nos olhos.

- E-eu sentir tanto medo. - Limpei minha slágrimas vendo sua cara de confusão.

- Como assim? Onde você estava? - Perguntou segurando meus ombros.

- E-eu estava na praia e... Chegou dois garotos bêbados que tentaram abu- Ele não espera eu terminar de falar e já começa a ir pra fora do quarto, mas eu seguro seu braço, - tá tudo bem, eu estou bem. - ele se vira e segura meu rosto entre sua mãos.

- Não minta pra mim, eles fizeram algo com você? - Eu neguei. - Isso me deixa mais tranquilo, não saía sem me avisar. - Me abraçou fortemente e eu retribuir no mesmo instante assentindo.

- Está com fome? - Perguntei porque eu não comi nada na festa e provavelmente ele também não comeu.

- Depende, você vai deixar eu te comer?

- Não. - Desfiz o abraço deixando ele se trocar no quarto.

 

.

.

.

 

- Jimin, - Chamei ele que respondeu ¨hum?¨ com a boca cheia. - Eu não trouxe nenhuma roupa, será que você pode me emprestar uma roupa pra mim poder compras algumas amanhã? - Ele negou e eu fiquei sem entender.

- Eu comprei roupas pra você. - Não sei o porque de eu ter me assustado quando ele sorriu malicioso no final da frase.

 

.

.

.

 

- Acho que você pegou a mala errada no aeroporto, aqui só tem roupas femininas, e olha isso aqui! - Mostrei os suspensórios rindo pra ele, que me olhou sério, tá isso me deixou preocupado.

- É essa mesma, e você irá usar todas essas roupas pra mim. - Parei de rir no mesmo segundo o encarando incrédulo e depois encarei a mala por alguns segundos antes de voltar meu olhar pra ele.

- Mas nem morto que eu uso isso! - Joguei os suspensórios dentro da mala e fechei a mesma a empurrando para um canto qualquer do quarto indo para o banheiro.

- Pode aposta que você vai usar. - Falou e eu ignorei entrando no banheiro e trancando a porta para ele não entrar que nem da última vez.

 

Tirei minhas roupas e entrei dentro do Box, passei sabonete no meu corpo e depois passei um produto estranho no meu cabelo, assim que terminei saí do Box, sentindo um cheiro de morango, levei meu braço até meu nariz e cheirei minha pele, - Puta que pariu, eu estou cheirando a morango. - Me enxuguei  e coloquei um roupão saindo do banheiro.

Olhei em volta do quarto procurando algum rastro de Jimin e nada, olhei para cama e vi um papel com algo escrito, peguei a folha e comecei a ler.

 

                    ~Carta on~

 

Coloque as roupas que eu separei pra você em cima do criado-mudo, vista e me espere acordadinho.

Ps: Se não colocar vai ter que ficar pelado.

                                                                             Ass: Seu marido gostosão.

 

                    ~Carta off~

 

Fui até o criado-mudo e peguei uma calcinha que estava junto com um suspensório vermelho na mão e fiquei a olhando por volta de uns cinco minutos, - Acho que andar pelado será mais tentador, eu não vou colocar isso aqui nem fudendo! - Respirei fundo e fiquei mais alguns minutos olhando a meia calça. - Droga, droga e mil vezes droga! - Peguei as ¨roupas¨ e as vestir, assim que eu terminei de vestir me olhei no espelho.

 

- Eu estou parecendo uma puta. - Uma bem sexy pelo visto. 


O que eu estou fazendo da minha vida?

 

Olhei rapidamente para porta quando ouvir passos, olhei para um lado e para o outro e corri para cama, me deitei me e fingir está dormindo, escutei o barulho da porta sendo aberta e prendi a respiração.

 

- Já dormiu? - Eu não sou idiota pra responder.

 

Senti a cama afundar do meu lado então tentei parecer o mais normal possível, mas ele não ajudou muito quando levantou a coberta para me olhar, - O que esse demente tá fazendo? - meu corpo se estremeceu por completo quando ele tocou minha coxa, ouvi seu risinho baixo e me segurei pra não bater no mesmo quando ele apertou minhas nadegas, minha atuação foi pelo ralo quando ele me deu um tapa forte na bunda.

 

- Porra! - Gritei sentando na cama o fuzilando com os olhos. - Tá ficando doido? Você não tem amor à vida não meu jovem?

- Ninguém mandou você deitar com a bundinha empinada na minha direção! - Sorriu malicioso olhando minhas pernas e eu me cobrir no mesmo instante. - A vista tava tão bonita, estraga prazeres.

- Cala a boca! - Falei já irritado.

- Vem calar - Falou desafiador e eu virei subindo no seu colo, tampando sua boca, o mesmo levou suas mãos para minha cintura e eu acabei arfando, eu nem sei o que deu em mim, eu sentir uma vontade enorme de rebolar sobre seu colo, então o fiz.

 

 Tirei minhas mãos de sua boca e depositei as mesmas em seus ombros rebolando sobre seu membro coberto, fechei os olhos mordendo os lábios com força assim que ele subiu o quadril, simulando uma estocada.

 

- N-não..ah! - Ele me jogou na cama e começou a simular uma estocada atrás da outra me fazendo perder a sanidade aos poucos. - P-para, J-jimin! - Apertei seus ombros com força ele foi aumentando a velocidade das invertidas.

 

Ele passou suas mãos pelo meu corpo todo e quando chegou na minha calcinha puxou a parte de trás pra baixo, e eu deslizei minhas mãos até a base da sua camisa a puxando pra cima. Jimin pareceu entender o recado então se levantou da cama tirando sua camisa, voltando pra mesma posição em seguida beijando meu pescoço.

 

- Espera! - Jimin quase gritou levantando da cama.

- Que foi? - Perguntei me sentando.

- Eu preciso gravar esse momento! - Falou pegando uma câmera da gaveta do criado-mudo.

- Mas nem por cima do meu cadáver! - Falei ajeitando minha calcinha.

- A sua primeira vez tem que ser memorável, temos que guardar o vídeo de recordação. - Olhei para ele incrédulo tentando pensar no quanto maluco ele era. Nem sei o porquê das garotas da escola gostarem dele, ele é um demente.

- Boa noite Park Jimin. - Me tampei com a coberta e fechei os olhos. 


Se ele acha que eu sou doido de fazer um filme erótico com ele... Ele está muito enganado.


- Você não quer mais? - Perguntou subindo na cama.

- Você ainda pergunta? Isso foi muito broxante.

- Vai me deixar assim? - Perguntou e eu tenho certeza que estava se referindo a sua ereção.

- Pega sua câmera e vai bater punheta,  aproveita e grava, Sr. Pervertido. - Falei rindo.

- Vai ter volta! - Entrou no banheiro pisando fundo no chão e ainda levou a câmera junto.

- Com certeza foi bater punheta, - rir mais alto ainda e ouvi um ¨vai tomar no cu¨ do outro lado da porta. Esperei uns cinco minutos e ele saiu do banheiro sem a câmera e me virou de costas para si, se deitando atrás de mim. - Você tá encostando em mim com essa mão de punheteiro? - Segurei o riso que queria sair do fundo de minha garganta.

- Cala a boca e vai dormir! - Ele abraçou minha cintura e eu ri baixinho antes de cair no sono e dormir profundamente pensando na minha - ou melhor -, na nossa futura morte quando meu Appa nos encontrar.

 

 


Notas Finais


Bom, é isso mesmo... Pera! ESTAMOS QUASE CHEGANDO A 100 FAVORITOS!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...