História Married For Contract - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Nina Dobrev, One Direction
Personagens Harry Styles, Nina Dobrev
Tags Ação, Drama, Romace
Exibições 173
Palavras 7.502
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - Chapter 17 - Grande Mentirosa


 

Chapter 17 - Grande Mentirosa

 

Izabella me esperava fora da porta do banheiro, bloqueando o meu caminho, sozinha e assustada. Olhei para ela e fiz que não com a cabeça, nem ela poderia me impedir agora. Passei por ela e senti sua mão se fechando no meu punho, me virei e ela estava chorando.

— Por favor! Não! — ela disse baixinho, enquanto uma lágrima escorria pelo seu rosto. Ela me conhecia bem o suficiente para ler em minha expressão que eu não aguentava mais.

— Eu não posso mais — falei chorando também, aquilo estava me sufocando.

— Me escuta. Eu e o Zayn estamos quase nos acertando... — fez uma pausa, pondo as mãos nos rosto em um gesto de desespero, fiz que não com a cabeça. — Pelo amor de Deus, Alice, eu o amo, se eu contar agora ele vai fazer a coisa certa, mas eu vou perdê-lo, aguenta só mais um pouco, por favor! — terminou em uma súplica. Respirei fundo, me acalmando.

— Será que ele vale tanto assim? — a questionei.

— Sim! — disse, sem pestanejar. — ele vale muito. Um final de semana é isso que eu te peço. — olhou em meus olhos, os seus estavam desesperados. Suspirei e confirmei. Só mais um final de semana, que mal podia fazer?

Ela me abraçou e disse no meu ouvido um obrigada. Afastou-se secou seu rosto e o meu me beijou no rosto e se afastou me olhando.

— Final de semana que vem nos vamos para a cabana da tia da Helena! — anunciou, dando pulinhos.

— Vamos? — perguntei. Gravidez e seus hormônios: do choro às risadas.

— Sim! Antes de eu vir aqui falar com você, o Liam estava falando com o Harry, nós viemos aqui para convidar vocês e dar nosso apoio moral, é claro.

— Não sei se é uma boa ideia. — disse, me lembrando das outras vezes que fui naquela cabana.

— Lógico que é, vocês precisam sair daqui um pouco, depois desse escândalo no jornal, e fora que agora vai ser diferente. Você está com o Harry. — ela disse.

Concordei, não querendo estender o assunto nem lembrar as outras vezes que passamos os finais de semana no chalé.

— Melhor a gente voltar, senão eles podem desconfiar. — falei, desconversando.

— Claro! — concordou.

Entrei na sala e todos pararam de falar e me observavam. Eu ainda estava com vergonha dos meninos por eles mais cedo terem me visto daquele jeito, mas como graças a Deus ninguém fez piadinha com isso, eu estava conseguindo levar, e pelo visto as meninas também não sabiam. Eu agradecia muito a eles por não contar.

— Eu estou bem, gente! — disse, sentando no sofá ao lado do Harry e longe do Liam. Se ele me fizesse carinho de novo é bem capaz que eu conte tudo, por segurança, é melhor sentar ali mesmo.

Harry perguntou se eu queria um refrigerante fiz que sim com a cabeça, e logo ele levantou e foi em direção à cozinha. Olhei para o teto, ainda estava perturbada com a história de voltar à cabana, eu definitivamente não tinha boas lembranças dela.

********

Londres, 21 de junho de 2011.

— Vai ser um máximo, todo mundo vai. A cabana da minha tia é linda. Você não pode ficar sozinha aqui o final de semana todo.

— Por que não? — perguntei, enquanto terminava um trabalho para a faculdade.

— Você vai! — afirmou ela. Olhei para cara dela e fiz que não. — Nem que eu tenha que te amarrar, você vai. — disse, categoricamente.

— Helena, mas só vai casal! O que eu vou fazer lá? — perguntei, tentando argumentar com a minha melhor amiga.

— Quem disse que só vai casal? O Harry também vai. — ela falou me olhando.

Ela estava fazendo de novo, me jogando para ele.

— Piorou, sabe muito bem que a gente não se dá bem. — falei calma, mas por dentro meu coração batia tão forte que parecia que ia sair pela boca. — E fora que ele sempre arranja alguém, e o seu plano nunca funciona. — disse. 

— Isso que eu não entendo. Vocês tinham que se dar bem, só falta você para que tudo fique perfeito. — ela disse.

Agora era a hora em que ela ficava fantasiando sobre como seria bom se todos nos fôssemos casais e por aí vai, me desliguei e continuei a digitar meu trabalho no computador.

Blá, blá, blá, blá, blá...

— ... E lá e isolado de tudo, então ele não arranjaria ninguém...

Captei ao fundo enquanto ela dizia me desliguei do meu trabalho e prestei atenção. Então lá era isolado?

— Helena, por algum acaso isso seria um complô para que a gente ficasse junto? — perguntei, séria. Eu já sabia a resposta.

— Não, eu não tenho culpa se vocês são dois solteiros e nossos amigos. Como a gente pode ir e deixar vocês? — falou não me convencendo nem um pouco, mas se saindo com a sua, como sempre.

— Lógico, agora eu tenho que ir para um final de semana só com casais e um mala porque eu sou solteira. — disse sarcasticamente. — Que castigo! — exclamei.

— Chame como quiser. Você vai. — afirmou.

Voltei a fazer o meu trabalho. Eu não iria mesmo.

— Ainda falta muito para chegar? — perguntei à Helena.

Já estávamos na estrada a mais ou menos duas horas, e eu já estava ficando cansada de ficar ali sentada no carro olhando pelas janelas com suas paisagens corridas, isso estava me enjoando, mas nada me enjoava mais que olhar para frente e ver a mão da Helena percorrer alguns lugares do Liam e o quanto ele ficava vermelho e me olhava pelo retrovisor com vergonha, depois de uma ou duas olhadas fiquei tão constrangida que estava agora com dor no pescoço de tanto olhar só para um lado.

— Não, falta uma hora. Por aí. — disse Helena do seu modo descontraído. 

Uma hora ainda aguentando isso. Eu poderia ter ido a outro carro, mas as outras opções eram Iza e Zayn, Niall e Lorena, Louis e Eleanor ou o Styles. As três primeiras eu iria acabar passando pelo mesmo constrangimento e a última opção talvez fosse eu que ficasse constrangida, por fim a Helena me convenceu com seu jeitinho todo especial que era melhor eu ir com ela, mas antes ela tentou com todas as suas forças me empurrar para o Styles, mas já chega eu ter cedido ir para a cabana, por fim, fiquei no carro deles mesmo. Só que agora eu estava com torcicolo, enjoada e com vontade de ir ao banheiro.

— Quero ir ao banheiro! — falei. Isso fez que a Helena parasse seu carinho e olhasse para trás.

— Sério? — me perguntou.

— Seríssimo! 

— Ok! — disse Liam, ligando a seta e sinalizando que iria parar em um posto de gasolina em que tinha uma loja de conveniência.

Assim que ele parou, desci do carro e praticamente corri para a lojinha. Entrei e fui até uma porta nos fundos, que tinha acima um desenho de uma mulher. Abri a porta e entrei, fiz minha necessidade e com a bexiga vazia o enjoo até tinha parado, lavei as mãos e joguei água no rosto, eu nunca me dava bem com viagens de carro longas, eu deveria ter tomado um remédio para enjoo, mas como sempre, eu esqueci. Saí do banheiro e fui em direção a uma geladeira lotada de bebidas, peguei uma coca e andei até o caixa para pagar, ainda bem que tinha um dinheiro no bolso da minha calça, então o tirei e paguei, pegando dois canudos. Logo me dirigi à saída, antes de abrir a porta, ela se abriu, e por ela entraram as meninas, apontaram para o banheiro e passaram apressadas por mim, fiz que sim e saí. Logo localizei os carros estacionados e fui em direção ao carro do Liam, eu ia esperar fora do carro e me preparar mentalmente para mais uma hora de grude dos meus amigos. 

— Ei! Dobrev! — ouvi o Styles me chamando. Meu coração acelerou e parei a meio caminho de tomar mais um gole da minha coca. Com um suspiro me virei para ele pondo minha máscara de indiferença.

— Oi. — disse apática, sem demonstrar qualquer reação.

— E aí? Está tendo uma boa viagem? — Fiquei me perguntando se ele estava sendo sarcástico ou estava perguntando sério, como não consegui, decidi respondi neutramente.

— Não muito, eu enjoo e me esqueci de tomar um remédio. Talvez essa coca me de um ânimo. — falei, dando de ombros.

— Não precisa disfarçar, eu sei como é enjoativo viajar com esse casal. — disse, apontando com a cabeça em direção ao carro do Liam. — Eu já viajei com eles e não foi nada legal. — terminou de falar rindo. Eu concordei também rindo. — Você pode vir comigo, garanto que eu sou uma opção melhor que eles. — disse, andando até o carona e segurando a porta aberta para mim. 

Olhei para ele desconfiada.

— O quê? Eu to oferecendo de coração, longe de eu deixar alguém sofrendo olhando a Helena e o Liam. — Falou ainda com a porta aberta, quando eu ia responder que tinha que falar com a Helena, ela chegou com o resto do pessoal e praticamente me empurrou dentro do carro.

— Que bom que você vai com o Harry. — disse, já abrindo a porta do carro do Liam pegando a minha bolsa e me jogando encima. Logo deu a volta e entrou no carro.

Que vontade de matá-a!

— Acho que fui despejada! — resmunguei para o Harry.

— Pois é! Entra aí. — ele disse. Eu entrei. 

O ar condicionado estava ligado, deixando o carro em uma temperatura ótima, seu cheiro era tão concentrado no carro, respirei até mais fundo meio disfarçadamente, a voz do locutor preenchia os autofalantes do carro anunciando mais uma música.

— Põe o cinto! — ele disse, dando ré e saindo do posto seguindo o carro do Zayn, olhei pelo retrovisor e o carro do Louis vinha logo atrás.

— Sim, senhor! — respondi, fazendo uma continência.

Ele acelerou e fomos rumo ao nosso fim de semana!

— Então essa é a cabana? — perguntou o Niall, aparentemente para si mesmo, parado enfrente a uma casinha de madeira totalmente isolada do mundo.

Fazia já uma meia hora que a estrada era só de terra batida, o lugar era totalmente isolado, a casa por fora parecia uma cabana que tem naqueles filmes de terror, fiquei parada ali olhando como o Niall e pensando pela milionésima vez porque eu sempre faço o que a Helena quer.

— Gente, eu sei que por fora parece meio assustador, mas eu juro que por dentro ela é linda, minha tia gostava de manter ela assim por fora para não atrair ladrões. — ela explicou a nossa pergunta muda com confiança antes de andar até a varanda e subir os degraus.

— Eu realmente espero. — resmunguei, seguindo-a.

— Eu também! — falou o Harry, passando por mim e me dando uma mochilada.

— Ai! — gritei.

— Foi mal! — respondeu ele rindo e parando na varanda. Bufei de raiva e segui o pessoal.

— Vocês vão ver como é lindo esse lugar. — Lena disse, abrindo a porta com a chave e relevando uma sala ampla e totalmente mobilhada com uma lareira de fundo.

— Realmente, é linda! — sussurrou a Iza na minha frente.

— Concordo — diz Eleanor.

— Bom, a cabana só tem três quartos, então a divisão vai ser essa: o quarto com suíte é meu e do Liam, e os outros três  vocês podem dividir à vontade. — ela falou rindo, pegando a sua mala e o Liam e andando para um corredor à frente, entrando por uma das portas.

— Sacana! — Harry falou, rindo.

Helena sempre se saindo com a sua, pensei.

— Bom, sobrou três quartos. — comentou o Niall.

— A gente pode fazer um dos caras e um das meninas. — disse a Lorena.

— E você acha que isso funciona? —perguntou o Harry sarcasticamente, me fazendo revirar os olhos, mas até que ele estava certo o que ia ter de neguinho em quarto que não é seu e barulhos estranhos à noite.

Um casal olhou para o outro e começaram a rir. Eles sabiam que essa divisão não ia dar certo. Que vontade de matar a Helena.

— Eu fico com o sofá. — ouvi o Styles dizendo e se jogando no sofá maior.

Droga! As minhas opções agora era dormir no quarto de algum casal ou no sofá menor. A primeira opção era totalmente horrível, a segundo era pura loucura, mas diante das duas me joguei no sofá menor e disse que eu ficava com ele. Parecendo extremamente aliviados, meus amigos andaram até um corredor e cada casal abriu uma porta, indo para os seus quartos satisfazer todo o seu desejo carnal aparentemente nunca satisfeito.

— Não sei por que eu ainda ouço a Calisto. — murmurei, suspirando para o nada.

— E eu não sei por que ainda ouço o Payne. — ouvi o Harry me responder.

Sentei rápido no sofá e o encarei. Ele estava deitado descontraído com uma perna no sofá e a outra apoiada no chão da sala.

— Que droga! Provavelmente eu vou ficar com uma dor horrível no pescoço.

— Você sabe por que eles fizeram isso. —ele afirmou. Eu bem que sabia.

— Eles querem que a gente fique junto de qualquer jeito. — respondi sua afirmação.

— Isso! — ele disse se sentando e me olhando agora. — E se nós ficássemos? — me perguntou, fazendo o meu queixo cair. Ele estava realmente me pedindo para ficar com ele?

— O quê? — perguntei depois de fechar a minha boca.

 — Não! Não do jeito que você está pensando, olha a gente finge alguma coisa amanhã você comenta com as meninas que quer ficar comigo e eu faço o mesmo com os meninos a gente tenta se tratar bem e no domingo eu te sacaneio com alguma coisa, porque eles esperam isso de mim mesmo e provamos pra eles que nos dois somos totalmente incompatíveis. E aí, talvez, eles parem de tentar jogar você para mim. — ele terminou de dizer se fosse possível ficar com o queixo mais caído eu digo que sim, fechei a boca.

— E você para mim, né? — perguntei, revidando seu pequeno insulto ao final de seu discurso.

— Tanto faz, Dobrev, eu só quero paz quando estiver com eles e não ficar pensando o que eles vão tramar agora e nem dormir mais em sofá de cabana velho. Isso tem cheiro da minha vó. — disse fazendo uma cara de nojo.

— Que horror! Será que isso daria certo? Você sabe como a Helena é insistente, se ela depois de vê a gente junto ache que foi uma briguinha atoa e piore as coisas? — perguntei.

— Isso não vai acontecer, porque eu vou fazer alguma coisa que vai fazer você me odiar e as meninas também. Aí me livro de você de vez. — ele disse, dando um sorriso convencido de que seu plano já era um sucesso.

— Ok! Qualquer coisa para, enfim, eu ficar livre de você. — eu disse, suspirando e revirando os olhos, eu queria parecer alguém de saco cheio disso tudo, o que realmente eu estava, mas ouvir o Styles falando de mim como se eu fosse um encosto me fez por a minha mascara de indiferença.

— Ótimo! Talvez você goste de saber que esse sofá com cheiro de vó é um sofá-cama. — falou se levantando.

— Caramba! Como você sabia? — olhei para ele desconfiada.

— Está vendo aquele pedaço de tecido na lateral do sofá? — me perguntou e eu olhei observando só agora o tecido que me parecia um puxador. 

— Sim! — respondi. — Então é só puxar e pronto. — ele foi dizendo e fazendo o sofá se transformar em uma cama de casal.

— Que bom pra você! — exclamei e de rabo de olho, olhei para o meu sofá minúsculo. Nada de tirinha. Que droga, o meu era só um sofá mesmo. Suspirei e me arrastei e sentei na minha “cama”.

— Você pode ficar com ele. — Harry disse, me surpreendendo tanto que minha cabeça disparou em sua direção.

— O quê? — perguntei não acreditando, eu devo te entendido errado.

— Você pode ficar com ele, e se você me fizer responder de novo eu retiro o meu ato de bondade. 

Fiquei ali olhando para ele pasma, quando foi que ele tinha tido algum gesto bom para mim? Que dizer, tirando a carona hoje, acho que nunca, ele realmente queria se livrar de mim ou eu realmente não sei.

— Obrigada! — foi tudo que eu consegui dizer, peguei a minha mala e encostei-me ao sofá cama.

— Tudo para não dormir com esse cheiro de vó. — ele disse meio sem jeito.

— E você vai dormir onde? — questionei olhando para minha antiga cama minúscula. De jeito nenhum que ele iria caber ali.

— Nem pensar. — ele falou respondendo os meus pensamentos. Às vezes eu achava que ele lia a minha mente, mas eu logo descartava, a Helena vivia dizendo que eu era tão fácil de ler, clara como a água era isso o que ela sempre dizia, foquei minha atenção no Styles. — Vou sair por aí e encontrar um pub, eu ouvi a Helena dizendo que tem um a vinte minutos daqui de carro.

— Hum... Ok! — falei, desviando meus olhos. Provavelmente ele só ia à caça de mais uma garota. Lugar isolado é?Aparentemente não para o Styles.

— Bons sonhos! — ele falou já se virando e rindo. Poucos minutos se passaram e eu ouvi o barulho do seu carro dando partida. Abri a minha mala e me preparei para dormir.

Acordei com uma luz clara e ofuscante me cegando, automaticamente fechei os olhos, eu ia matar a Helena por ter que dormir nessa sala clara e nesse sofá com cheiro de vó, tentei mudar de posição, mas um braço pesado não deixava eu me mexer.

— Xiu! Calma, sou eu, o Harry — o Styles disse no meu ouvido, como se isso fosse me acalmar. Fiz um movimento para me livrar dele. Nada! 

Ele me agarrava por trás estávamos naquela famosa pose “conchinha”, quanto mais eu me mexia mais eu sentia sua ereção na minha bunda, minha cara estava quente provavelmente agora eu era um tomate ambulante.

— Finge que ta dormindo ainda. O Louis e a Eleanor estão no batente da porta da sala espiando a gente. — ele sussurrou no meu ouvido, me fazendo arrepiar, fiz um gesto de assentimento e ele parou de me segurar forte, mas ainda mantinha o seu corpo colado ao meu e seu braço. — agora vamos fingir que acordamos e que você não ache nada demais a gente estar assim juntinhos. Eu fiz que sim com a cabeça eu só consegui fazer isso aquela aproximação dele estava me matando.

Espreguicei-me e me virei devagar, abri os olhos e encarei o Harry o cabelo dele estava totalmente desgrenhado seus olhos estavam vermelhos e cansados e com olheiras, mas seu sorriso debochado era incrível essa combinação só o fazia ficar mais bonito. Provavelmente ele passou a noite acordado eu tinha absoluta certeza disso.

— Oi! 

— Oi! — me respondeu com a voz rouca. Ele tinha cheiro de wisk e cigarro — Dormiu bem, Dobrev? — perguntou levantando sua sobrancelha questionadora.

— Muito bem! E você? — Respondi, não resisti em pergunta.

— Muito bem! — me respondeu, mentiroso. 

Ouvimos um pigarro, e a Eleanor e o Louis apareceram na frente da cama.

— Então vocês dormiram juntinhos. — ela disse.

— O que te parece. — essa foi a resposta malcriada do Styles.

— O Styles disse que a gente podia dividir a cama dele. — eu falei, me soltando.

— Claro que ele disse. — falou o Louis, meio que rindo.

— Não poderia a deixar dormindo naquele sofá minúsculo. — ele disse, apontando para o mesmo.

— Claro que não. — respondeu o Louis rindo e indo em direção à cozinha.

Era alguma piada interna? Porque eu estou boiando. Por que o Louis estava debochando do Styles? Que estranho. Ficamos em silêncio, vendo-o ir até a cozinha.

— Quem quer café? — desconversou a Lorena chegando. — Eu quero! — disse apenas.

— Eu também. — falou o Harry, ainda deitado no sofá.

— Tudo bem! Café saindo! — disse Eleanor já indo atrás do seu namorado debochado.

Esperei ela passar pelo vão da porta e me virei para o Harry.

— Que droga foi essa? — o questionei baixinho, eu ainda estava vermelha de ter acordado com ele colado em mim.

— Eu já comecei o nosso plano. — ele também me respondeu baixo.

— Da próxima vez mantenha esse seu amigo longe da minha bunda. — disse, apontando para o seu amiguinho farrista.

— Tudo bem! Eu só acho que se você fosse mais de sair e pegar uns caras de vez enquando a gente não estaria nessa situação. Suas amigas não iriam querer empurrar você para mim. — durante seu discurso minha boca foi se abrindo mostrando o quanto eu estava ultrajada, ele tinha acabado de me chamar de encalhada?

— Eu te odeio, Styles, você é a pessoa mais insuportável que eu já vi. — falei já me levantando. Eu não iria ficar ali nem mais um minuto se não provavelmente eu iria dar um belo soco na cara dele.

— Não, você me ama! Esse é o nosso trato. Não se esqueça. — ele falou agora sério. Realmente ele deveria mesmo estar de saco cheio disso tudo. Balancei a cabeça, esse cara era confusão pura, uma hora ria na outra era um tremendo canalha.

— Babaca! — o xinguei, antes de virar as costa e ir tomar o meu café. Ouvi seu riso sarcástico de sempre ao fundo...

 

— Então por que nos estamos nessa merda de pub? Eu já vim aqui, agora me conta se não eu vou sair por aquela porta e vou voltar para casa. — o ameacei.

Ele deu uma risada misteriosa, como se soubesse de algo que eu não tinha nem ideia.

Já era sábado à noite e nada do Styles fazer alguma coisa para que finalmente a gente se visse livre dessa pressão toda feita por eles, eu confesso que eu não odeio o Styles tanto assim, mas também não quero viver assim sempre com medo do que eles vão armar agora. Ele me chamou para vir ao bar e como nos dois hoje ficamos o dia quase todo juntos fazendo a maior cena de casal querendo se pegar. Depois que eu fui tomar café ele desmaiou no sofá e só levantou à tarde quando eu o acordei para o almoço, foi engraçado todos eles me olhando com cara de não acredito quando eu fui chamar o Styles e ainda me sentei ao seu lado, mas, afinal, tudo era apenas um fingimento que eu de verdade estava adorando fazer.

— Claro! Só que antes, que tal uma cerveja? — me perguntou piscando um olho. Desviei os olhos e disse que sim.

Aproveitei para ver melhor o lugar era mediano nada muito bom no estilo de Londres, mas o que eu queria isso era interior, e tinha muitos caipiras, a mesa de sinuca estava lotada, a bancada ao lado estava repleta de copos de cervejas alguns cheios outros já pela metade a música bombava bem alto algumas mulheres sentavam escarranchadas em homens no canto. Que tipo de lugar era esse? Voltei os olhos para o Styles e ele já me esperava com uma garrafinha de cerveja na mão peguei e dei um gole, estava bem gelada.

— Quando você vai parar de me enrolar e me dizer o que a gente veio fazer aqui nesse pub cheio de caipiras? — disse, fazendo cara de nojo, não que fosse metida nem nada, mas normalmente eu não frequentaria aquele lugar fedia a bebida e sexo barato. Vi que sua expressão se fechou quando eu disse caipira.

— Então lembra que eu disse a você que eu iria tirar totalmente qualquer ideia de que nós funcionamos juntos? — ele me perguntou.

—- Sim, você disse. — eu falei. — Mas ainda não fez nada... — duvidei dele.

— Ainda não fiz porque não chegou o momento, mas farei. Certeza. — me explicou, depois tomou um gole da sua cerveja.

— Então? — o incentivei a continuar.

— Bom, vou arranjar alguém que não se importe em ficar com o caipira aqui. — ele falou apontando para si.

— Styles, eu não quis ofender... — tentei me explicar, eu tinha esquecido completamente que parte de sua familia tinha vindo do interior, mas ele logo me cortou.

— Isso não me importa, o plano é esse: Eu vou ali naquela gata, e vou a chamar para sair, vou para a cabana e vou me divertir muito com ela. — disse, me fazendo olhar para ele de olhos esbugalhados. Eu tinha entendido direito?

— O quê? — perguntei só para confirmar.

— Isso mesmo que você ouviu. — falou piscando um olho. Virou-se na direção “da gata” e deu o seu sorriso quero te comer, ela riu e respondeu com um sorriso “de quero te dar”, aquilo me enojou. Puxei seu braço chamando a sua atenção ele se virou sem vontade nenhuma.

— O que é? Não vê que está me atrapalhando? — me questionou.

— Como eu vou embora? — perguntei, assustada.

— Essa parte do plano já é com você.

— Você vai me deixar aqui sozinha, nesse pub com esses... 

— Monte de caipiras? — completou a frase por mim.

Fiz que sim com a cabeça, assustada, olhando para um lado e para o outro eu não via um cara de aparência legal que poderia me levar para casa sem querer nada em troca.

— Vou. — respondeu simplesmente.

— Está de sacanagem? Porque não tem a mínima graça! — exclamei, indignada.

— Eu pareço estar brincando? — falou, bebendo sua cerveja e pondo em cima do balcão tirou uma nota de dinheiro e disse para o barman ficar com o troco, eu olhava aquilo como se eu estivesse em algum pesadelo em que a gente tenta acordar só que não consegue.

— Ta de sacanagem! — sussurrei e depois bebi mais um gole da minha cerveja.

— Acho que daqui a cabana a pé deve dar uma hora mais ou menos já, contando com os seus saltos altos. — falou passando por mim.

— Hazza! — eu o chamei pelo seu apelido coisa que era bem raro de eu fazer peguei em seu braço. Ele parou e se virou, olhou para minha mão no seu braço e depois me olhou nos olhos. — Por favor! — supliquei, o odiava muito nesse momento. Pareceu pensar, mas logo puxou o braço da minha mão e disse:

— Boa sorte! Eu só faço o que é preciso fazer. — virou as costas e andou até a porta onde “a gata” se encontrava disse algo no seu ouvido e ela riu e pegou na mão dele e em um piscar de olhos os dois saiam pela porta do pub. Fácil assim... Muito fácil. Afinal, o que não era fácil para ele?

Fiquei olhando a porta se fechando e o Styles indo embora, comecei a querer entrar em pânico, como ele teve a coragem de fazer isso comigo? Passei as mãos pelo rosto em total descrença, eu não podia acreditar. Olhei novamente em volta só para ter certeza que realmente não ia ter um cara legal para me levar, mas não tinha mudado nada, pior me parecia ainda mais estranho voltei minha atenção para o balcão do bar e fitei minhas mãos que estavam apoiadas lá tentando pensar em alguma coisa, será que eu ia ter que ir mesmo andando para a cabana? 

— Ei, gata, quer uma cerveja? — uma voz rouca disse, logo atrás de mim.

Virei e por um momento achei que a voz pertencia ao Styles, pois o sotaque era o mesmo, mas seria bem impossível dado que ele tinha acabado de passar pela porta. O cara era extremamente sexy, com um blusão xadrez, calça jeans surrada e coturno, forte, alto e muito bonito, em sua cara estava escrito: “Eu escolhi você hoje!”

Ficou me olhando na expectativa, mas eu só ficava ali fitando-o, onde diabos ele estava quando eu passei o olho pelo pub? Esse cara era problema escrito em negrito bem grande e de problemas assim eu já estava farta.

— Não, obrigada! Já estou de saída. — falei já me virando em direção à porta.

— Ei! Espera! — ele disse, segurando-me pelo braço. Olhei para sua mão com a cara fechada e ele logo retirou a mão murmurou um “desculpe” e me soltou.

— Olha, você está aqui sozinha e eu só quero te pagar uma bebida. Que mal há? — perguntou, e olhei para o seu rosto ele me fitava serio o pedido dele não era nada demais e para quem já estava ferrada que mal há?

— Tudo bem! Só uma, hein! — falei, fazendo o gesto de um com o meu dedo indicador. Ele riu e confirmou.

Chamou o cara do bar e pediu duas cervejas iguais as que eu tinha bebido com o Styles, a raiva voltou com tudo como eu queria matar aquele filho da mãe. 

— Que cara é essa, gata? — ele me questionou, acho que era de praxe todo caipira falar “gata”, não é possível.

— Meu nome é Alice. — disse de má vontade, tudo para que ele não me chamasse mais de gata.

— Alex!

Batemos as garrafas em um brinde mudo.

— Então, o porquê da cara feia, você não me respondeu.

— Nada! — respondi, desviando os meus olhos dos dele. 

— Por acaso não tem a ver com o cara que estava aqui com você antes? — levantou a sobrancelha me questionando, eu podia lhe dar um fora, quem ele pensava que era para me questionar assim? Só que minha raiva e desilusão eram tão grandes que me peguei respondendo a sua pergunta.

— Sim! Ele me deixou aqui e saiu com uma vagabunda qualquer. — respondi.

— Minha ex-namorada! — ele disse, me fazendo engasgar com a cerveja. Tossi e ele me deu umas batidinhas nas costas.

— O quê? — perguntei, com a voz um pouco fraca ainda.

— Isso mesmo, o seu namorado saiu com a minha gata. — falou, percebi que ele fechava um dos punhos, acho que o Styles não iria querer esbarrar nesse cara.

— Nossa! — foi a única coisa que eu consegui dizer. Que situação chata, quando você pensa que não podia piorar... — Ele não é meu namorado. — lembrei-me de esclarecer isso, afinal, o que ele achava que eu era? Uma corna passiva?

— Vocês pareciam ser pelo jeito que vocês estavam discutindo. — ele disse e se explicou.

— Não! Ele é apenas... — fiz uma pausa o que diabos ele era? Dei um suspiro e deixei no ar.

— Entendo... — ele falou e desviou os olhos. 

Voltou seus olhos azuis para mim e me encarou ele me dava arrepios, e estava me dando uma vontade louca de beijar. De repente ele quebrou o encanto soltando uma risada descrente.

— Não é engraçado? Eu e você aqui enquanto eles se pegam por aí? — me perguntou, bebendo mais um gole de sua cerveja.

Dei de ombros e confirmei. – É! 

De repente me bateu uma ideia, o Styles tinha acabado de fazer a maior cachorrada comigo, porque eu não poderia fazer o mesmo, olhei para o meu novo amigo e sorri.

— Quando você sorri assim, Alice, eu poderia esquecer essa merda toda, você é quente gata! — ele falou me deixando envergonhada e com tesão o cara era quente demais. Só que eu não queria isso então, comecei a perguntar:

— A sua ex-namorada tem o costume de sair com qualquer um assim? — perguntei tentando chegar ao ponto em que eu queria. Ele aparentemente não esperava essa pergunta depois do que ele me disse.

— Não! Ela fez isso por causa de mim. —disse.

— Sério?

— Sim, faz pouco tempo que a gente terminou, ela sabia que eu ia vir aqui hoje e eu acho que ela saiu com o seu “amigo” para me fazer ciúme. — explicou com uma carinha de chateado, eu fiquei com mais vontade de beijá-lo. Foco!

— Então você ainda quer voltar para ela? — perguntei.

— Não! — ele disse talvez rápido demais, fiquei olhando para ele, questionando-o. — Tudo bem, sim! Eu sei que parece idiota, mas eu gosto daquela mulher. — ele falou totalmente derrotado, tivemos uma evolução de gata para mulher.

— Eu acho que eu posso te ajudar. — deixei essa frase no ar esperando que ele mordesse a isca.

— Pode? Como?

Bingo! Sorri para ele.

— Eu sei para onde eles foram, e como eu preciso muito de uma carona, que tal eu e você trocarmos favores? — propus pegando em seu braço. Ficou claramente pensando no que eu disse. Tentei incentivar. — Qual é você vai deixar outro cara pegar sua garota? — perguntei o olhando fixamente.

Vi ele pegando uma nota do bolso de sua jeans e deixando no balcão me puxou em direção a saída murmurando um “nem fodendo”, andamos rápido até uma caminhonete preta e ele abriu a porta do passageiro para mim e logo deu a volta e se sentou no banco do motorista deu a partida. 

— Para onde? — me perguntou.

— Vira à direita e segue direto. — eu disse já um pouco nervosa pelo que poderia vir a acontecer.

Chegamos à cabana em exatos vinte minutos estava quase tudo escuro lá dentro, a não ser por uma pequena claridade que vinha da janela da sala o carro do Styles estava estacionado ao lado do Liam, ele estava em casa realmente, fez o que me tinha dito. Olhei para o Alex e ele apertava a mão no volante enquanto mirava à cabana. Eu definitivamente não queria estar na pele dele.

— Você realmente quer fazer isso? — perguntei, pois eu já tinha conseguido o meu principal objetivo que era a carona.

Vi ele respirar fundo tomando uma decisão.

— O que é pior: entrar e interromper alguma coisa ou me calar e deixá-la concluir? — perguntou, totalmente perturbado.

— Difícil decisão. — respondi apenas.

— Vamos! Eu já vim até aqui. — falou, desprendendo o cinto de segurança e saindo, fiz o mesmo. Caminhamos até a entrada e subimos com cuidado para não fazer barulho nos degraus.

— Vamos lá. — sussurrei, me preparando também para o que eu pudesse vir. Na minha cabeça passavam várias cenas do Styles transando com a garota de várias formas. 

Sacudi a cabeça, tirando essas imagens nojentas, abri a porta e sinceramente eu não estava preparada para ver de jeito nenhum a cena que eu via diante de mim. Senti o Alex parando atrás de mim. Nunca que eu iria imaginar isso, e olha que eu tinha pensado em muita coisa no caminho para cá, desde eu pegando ele comendo ela, ela pagando um boquete nele, ele fazendo o mesmo com ela, mas isso definitivamente não. Entramos tão silenciosamente que não ficou claro a nossa presença. Na minha frente sentados no sofá cama com cheiro de vovó, estava o Styles e a garota, ele se encontrava de jens, meias e com a parte de cima nu, seus músculos da barriga bem definidos estavam à mostra, do lado dele estava a garota um pouco despenteada, sem a blusa, só com o sutiã, e conservava ainda sua calça jeans, mas eu via uma de suas sandálias bem na minha frente jogada de qualquer jeito, o cabelo dela era uma bagunça, mas até aí estava tudo normal, o que não se encaixava de forma alguma era que ela chorava copiosamente no ombro do Styles enquanto ele fazia um carinho com muita má vontade nos cabelos desgrenhados dela. 

Ele olhava pra baixo enquanto dizia alguma coisa e cada vez que ele falava ela chorava mais alto ainda. Ficando impaciente atrás de mim, vi o Alex bufar, isso fez o Styles olhar para frente. A princípio, ele mostrou o mesmo olhar de má vontade, mas logo se fixou em mim e no meu novo amigo. Seu olhar endureceu, pisquei e eu desviei os olhos sem saber como me comportar diante desse olhar tão intenso, vi o Alex perder a paciência e passar por mim como um furacão.

— Ei, o que você fez com ela? — ele perguntou gritando.

A garota levantou o rosto rapidamente do ombro do Styles, e a vi pronunciar em silêncio o nome do Alex, rapidamente se afastando de Styles, catando a sua camiseta e pondo do lado avesso mesmo. Alex ainda mantinha uma postura impaciente, olhando para o Styles. 

— Eu não fiz nada! — respondeu ele agora de pé. Impressionante como eles tinham o mesmo biotipo, se eles resolvessem se atracar seria uma luta justa, mas já prevendo isso, fiquei no meio deles, como eles eram gatos. 

— Como você não fez nada, ela estava chorando? Aliás, acho que você é ótimo com as mulheres a propósito. — Alex disse. Ele tinha acabado de provocar e muito o Styles, e ainda me meteu no meio.

— Olha aqui, seu babaca, a sua garota estava aqui comigo se lamentando por você! Será que sou eu que não sei cuidar? — Ele falou chegando mais perto do Alex tanto que a distância agora era apenas do meu braço.

— Calma! — Gritei.

— Então estamos quites, pois a sua eu tive que trazer para casa, porque você é tão fodido que deixou uma garota como ela sozinha em um pub em que ela nem deveria entrar. — Alex falava aos gritos pro Styles.

Olhei para o Styles, e ele me fitava através de suas pálpebras levemente fechadas.

— Ela se vira bem! — disse apenas.

— Alex, desculpa! Vamos embora daqui? Eu juro que não fiz nada com ele, eu só... queria te fazer ciúme. — essa foi a explicação ridícula da garota.

Vi o Alex relaxar o corpo e se virar para a gata dele, passou a mão pelo rosto e estendeu a outra mão para ela que com um soluço foi correndo se jogar nos seus braços. Olhei para cena incrédula. Se todas as vezes ele perdoasse ela assim tão rápido, agora eu podia enxergar que tipo de relação era aquela uma que com certeza eu nunca ia querer ter.

— Eu acho que mereço isso mesmo. — O Styles reclamava enquanto catava a camisa do chão e a vestia, me poupando de ter uma visão maravilhosa do seu físico nada bonito. 

— Alice. — Alex me chamou e eu andei até perto dele, a garota me olhava com raiva, desviei os olhos. Fiquei parada esperando ele falar, fez um gesto para ela se afastar e chegou mais perto de mim, pois cada mão ao lado do meu rosto e me segurou assim, olhei para ele meio entorpecida pelo seu olhar fixo em mim.

— Tem uma coisa que eu quero fazer dês de que ti vi no pub. — ele disse baixinho antes de colar seus lábios quentes no meu, arfei e com isso ele aproveitou para aprofundar o beijo sua língua entrou se encostando a minha e se enrolando me fazendo sentir o seu sabor me agarrei mais a ele esquecendo completamente onde eu estava. 

Eu queria muito que ele me deitasse no sofá da vovó e me pegasse de jeito. Ouvimos um gemido alto, quase um grito, e com muita relutância nos separamos. Olhei fixamente para ele e enquanto me afastava e ele olhava pra mim da mesma forma, seu sorriso de canto da boca foi retribuído por um meu totalmente aberto e secreto ao mesmo tempo como se só nós soubéssemos o que compartilhamos. Olhei para o lado e a garota olhava pro Alex com muita raiva, eu não sei o que tinha dado nele, mas eu não estou reclamando.

 — Alex! — ela meio que gruiu o nome dele.

— Encare isso como um troco, cara! — disse, olhando para o Styles. Ele apenas concordou com a cabeça. Como se realmente eu fosse sua garota.

— Vamos! — ele disse apenas pegando ela pelo braço e praticamente empurrando-a enquanto ela o xingava de tudo que é nome; antes de fechar a porta completamente recebo uma piscadela dele, eu ainda estava atordoada, que casal mais louco. – pensei.

O clique da porta parece que fez um vendaval se formar dentro da sala e ele tinha nome, Helena.

— QUE MERDA FOI ESSA AQUI? — ela gritava.

— VOCÊS DOIS. — Ela apontava para eu e o Styles enquanto gesticulava que nem louca, os outros simplesmente olhavam a cena totalmente desconcertados. — NÃO SERVEM JUNTOS, EU NÃO ACREDITO, SEU DESGRAÇADO, QUE VOCÊ LARGOU ELA EM UM PUB NOJENTO E SOZINHA! — ela gritava direcionando sua raiva agora pro Styles que apenas a olhava de cara fechada. — E VOCÊ, , QUE MERDA FOI ESSA DE TRAZER O NAMORADO DA GAROTA QUE O HARRY ESTAVA COMENDO PRA CÁ? VOCÊS SÃO DOIS LOUCOS. QUER SABER, TALVEZ SE MEREÇAM. — Ela ainda gritava, Liam tentou acalmar ela.

— Lena, calma. — Ele a abraça. — Vamos, querida, acho que os dois precisam conversar. E não mais gritaria.

Ela olhou para ele com uma cara tão feia que eu pensei que ia sobrar para ele também, mas logo ela balançou a cabeça concordando e o seguiu para dentro. Se tiver alguém capaz de domar a Lena, esse era o Liam. Vi cada amigo meu sair da sala, mas não sem antes demonstrar o quanto putos estavam por acordar no meio da noite com gritos, eu e o Styles não dissemos nada, saímos daqui como um possível casal e voltamos cada um com seu par, pensando assim era desconcertante. Quando a sala enfim ficou em um silêncio, então fui andando e me sentei no sofá menor. Vi pela minha visão periférica o Styles se sentar no sofá, fiquei olhando para as minhas mãos e de repente toda a emoção da noite veio com tudo para mim me fazendo soltar um soluço alto, eu sinceramente não sabia se estava chorando de raiva ou terror por me ver sozinha em uma cidade sem conhecer ninguém, de fato eu estava muito abalada com tudo que aconteceu. 

Os soluços eram altos e descontrolados, eu ainda matinha a minha cabeça abaixada, e eu estava odiando fraquejar na frente dele. Via pela minha visão embaçada suas pernas, ele ainda estava ali quieto, vi quando ele se levantou e sentou ao meu lado me afastei até a ponta eu não precisava mesmo que ele me tocasse por que talvez, eu iria me afundar tanto nele que isso sim seria pior que tudo, o único pensamento constante na minha mente era o quanto eu não queria ter ido àquela boate, o quanto eu não queria ter o conhecido, o quanto eu queria não ter me apaixonado e o meu pensamento mais secreto: o quanto eu queria ter deixado ele me foder aquele dia. Porque eu já seria só mais uma e pronto seria mais fácil de conformar, mas, nesse momento, eu estava com muito ódio do Styles por tudo que ele me fez passar e sentir.

— Eu te odeio! — Falei baixinho entre os meus soluços.

— Eu sei. — disse.

Começo a chorar de novo o filho da puta só tem isso a dizer? Ele tenta pegar na minha mão e isso é um estopim para eu perder totalmente o controle.

— Você sabe o quanto eu fiquei assustada lá sozinha? Enquanto você vinha pra cá tentar foder uma vagabunda na cama em que eu e você dormimos? — minha respiração era rápida, eu já estava em pé andando de um lado para o outro.

— Desculpa! — Olho para o seu rosto, mas suas desculpas não são sinceras e isso me irrita mais.

— EU TE ODEIO, SEU DESGRAÇADO, VOCÊ NEM ESTÁ ARREPENDIDO DO QUE FEZ, EU NÃO SUPORTO MAIS OLHAR PARA VOCÊ. — eu gritava descontrolada agora seu cinismo foi à gota d’água.

— Eu já saquei que você me odeia, Dobrev, não precisa repetir, eu só fiz o que foi preciso fazer, o que só prova que nosso principal objetivo foi cumprido. — ele disse e pega sua chave do carro, cata algumas roupas soltas e põe dentro da sua mala.

— O que você está fazendo? — pergunto ainda desconcertada pela sua resposta.

— Indo embora e livrando você de olhar para a minha cara. — diz com sarcasmo, pega a sua mala e sai pela porta.

Começo a chorar de raiva, agora Iza sai pela entrada do corredor e eu fico ali meio que deitada no seu colo chorando por tudo que passei, pelas palavras que disse a ele mesmo sabendo agora o qual mentirosas são.

***********

O refrigerante gelado encostando-se à minha mão me fez sair das minhas mais tristes lembranças agora, estou olhando diretamente para os olhos Verdes do Harry, isso me dá um pouco de pânico. A princípio, minha lembrança ainda esta muito viva, ele me olha como se soubesse o que ando pensando, desvio os olhos e pouso no refrigerante.

— Eu lembrei que o seu enjoo passa com refrigerante. — disse, me passando o copo; eu bebo um gole, seu gesto era tão fofo.

— Obrigada! — Falei apenas e tomei mais um gole que desceu me fazendo um bem danado.

A conversa rola solta ao nosso redor, mas nos dois estamos em completo silêncio eu infelizmente ainda pensando nas vezes que eu fui àquela cabana. Sinto-o pegar na minha mão e o olho.

— Já sabe que eles vieram aqui chamar a gente pra ir para a cabana? — apenas fiz que sim com a cabeça. Ele suspirou. — Eu sei que você não tem boas lembranças, mas a gente concordou em tentar, então eu gostaria de ir já que foi lá que eu te magoei bastante. — ele riu meio desconcertado, e isso só me faz ficar mais triste por que talvez que vá magoar ele seja eu, quando ele descobrir a minha mentira.

— Tudo bem! — eu disse tentando dar um sorriso que eu sei que nem chega aos olhos.

— Ei! Vocês dois, parem de cochichar. — falou o Liam, agora chamando totalmente a nossa atenção. 

— Será que a gente pode dormir aqui? — Lorena me perguntou.

— Claro! — disse 

— Que ótimo, os caras podem dormir no estúdio, no meu quarto ou no escritório, e as meninas com você e no quarto de hóspedes. — o Styles disse. Todos confirmaram animados, até me animei também fazia um bom tempo que eu não dormia com elas.

Olhei para o Harry sorrindo, ele realmente estava tentando mudar e isso me deixava cada vez mais feliz... Ou não. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...