História Marry You - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Jazmin, Luna Valente, Matteo, Rey, Simón
Tags Romance, Sexo, Sou Luna, Universo Alternativo
Exibições 219
Palavras 2.700
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá amadas! Muito obrigada a todas vocês por favoritarem e comentarem , como também, terem recebido essa Marry You e braços abertos. Vamos hoje com o primeiro capítulo que está show de bola e creio eu que vão amar. Bora lá ler, e boa leitura. Bjs !

Capítulo 2 - Capítulo 1


Propriedade Valente – Roma/Itália.

Miguel caminha de um lado para o outro dentro de seu escritório. Aguardava a chegada de suas filhas para iniciar a reunião que teria com elas. Enquanto isso, seus pensamentos fervilhavam em torno da carta que havia recebido de seu amigo Mauricio Balsano com relação à confirmação que seu único filho iria casar com sua filha mais velha, Âmbar.

Miguel estava certo de que finalmente iria casar sua primogênita geniosa e autoritária, mas que também apetece de uma bondade extrema quando se trata em defender sua família e amigos. Por conta de seu orgulho e descontentamento com os pretendentes que desejava corteja-la Âmbar sempre os rejeitava, com isso resultou em vários boatos e comentários do caráter da jovem e espalhados pela sociedade espanhola. E sendo assim, pesar de bonita nenhum homem suportaria seu gênio, por conta disso até dias atuais ela não foi desposada.

No entanto, mesmo acreditando que seria o momento que casaria Âmbar, a carta que Miguel recebeu mostrou que estava enganado. O filho de Mauricio concordou em se casar, mas depois que conhecesse as suas três filhas e escolhesse entre uma delas sua futura esposa, sem importar com as convenções de ordem.

Miguel não sabia o que fazer, como contar a Âmbar que ela pode ou não se casar dessa vez. Mesmo assim ele não poderia negar a chance de pelo menos casar uma de suas filhas com alguém de índole e boa família. Sendo assim, no mesmo momento respondeu a carta de Mauricio confirmando sua aceitação das exigências de seu futuro genro e para todos os procedimentos que seriam realizados antes da escolha, pelo qual irá ocorrer á três dias após aquele dia que recebeu a carta de comunicado do seu amigo.

Um toque na porta do escritório, e Miguel avistou suas três filhas paradas na saleira a espera para que permitisse suas entradas ali.

-Entrem e fecha a porta. – ele ordenou se aproximando de uma poltrona que fica em frente do enorme sofá que há dentro do cômodo. – Sentem-se.

As três não dizem nada, somente obedecem. Vendo que as meninas estão já acomodadas, Miguel faz o mesmo se sentando na proltona de frente a elas.

-Alguma coisa grave aconteceu papai? – Âmbar perguntou calmamente, embora não conseguia esconder o quanto está radiante.

Ela sabia que Miguel havia recebido uma carta de seu amigo que mora em Veneza, pelo qual será seu futuro sogro. Apesar de não ter tido a chance de conhecer seu futuro marido, Âmbar conseguiu uma foto em um jornal antigo do herdeiro e único filho de Conde Balsano. Obvio que ela não poderia espera que sua vida daria um giro para o lado da perfeição. E quando chegou a noticia de que seu pai a chamava no seu escritório acreditou que seria para avisa-la que logo seria marcado o seu noivado com Matteo, Lorde Balsano, todavia, se sentiu confusa embora não tenha dito nada ao ver que seu pai também chamou suas irmãs.

Miguel respira fundo, e fala por fim.

-Hoje cedo recebi uma carta do meu amigo de Veneza... – ele nota Âmbar se entusiasmar.

-Nos reuniu para confirmar que em breve ficarei noiva do filho de seu amigo? – ela o interrompeu com sua pergunta animada.

-É isso papai? – Luna perguntou com seu olhar meio incrédulo, mas também contente por ver que sua irmã logo se casará, tanto ela quanto Jazmín não terão de suportar mais chiliques da loira por não conseguir marido e ter que ser uma solteirona encalhada.

Miguel se mantem sério, pois mesmo que as noticias de certa maneira fossem positivas ainda sim, há negativas quanto a quem de suas filhas noivaria. Por outro lado não poderia mentir ou enrolar para contar a verdade, mesmo sabendo que depois de contar o que se aplica a união das famílias Balsano e Valente, teria que enfrentar a fúria de Âmbar.

-Bem, sim. Mas há um pequeno detalhe.

-Pequeno detalhe? Que detalhe? Por acaso meu futuro noivo quer me conhecer? Estou de pleno acordo mesmo sabendo que ele irá gostar de mim de qualquer forma. – Âmbar fala não poupando sua alta confiança de que nenhum homem que desconheça seu gênio forte resistiria sua beleza.

De fato Âmbar possui uma beleza estupenda, embora que suas irmãs não ficam atrás. Por ela ser a mais velha, possui atributos femininos que as mais novas não tenham por ainda serem adolescente, todavia, Luna a mais nova mesmo com sua idade estar requerendo curvas e volumes em seus seios as quais jovens de sua idade nunca possui. Mas graças às roupas que usam de menininha dificilmente algum homem notara seus atributos.

-Não exatamente esse tipo de detalhe. Ele quer conhece-la sim, mas não só você como também suas irmãs. Por isso que mandei chamar as três para essa reunião.

A alegria de Âmbar é substituída pela confusão, como também Jazmín que se mantem calada encara Luna que possui uma expressão indecifrável.

-Não entendo. Porque o noivo da Âmbar quer conhecer a gente? É algum tipo de ritual ou costumes na Itália entre as famílias nobres que vão se unir? – Jazmín perguntou se manifestando pela primeira vez.

Miguel sabia que tinha que ser mais claro, e não poderia protelar mais do que está, então resolveu responder de uma vez sem deixar duvidas e confusão para suas filhas.

-A verdade é que o filho do meu amigo concordou a se casar de fato, mas não diretamente com Âmbar, o que seja o certo em se tratando de ser a mais velha.

-Espere? Ele aceitou a se casar, mas não comigo? – Âmbar com sua pergunta já mostra sinais de que logo estaria histérica.

Miguel respira fundo, e responde.

-Sim. Parece que Matteo é um rapaz que sempre declinou as formalidades de um casamento arranjado, e sempre lutou para ter sua autonomia quanto a arranjar uma pretendente a noiva por conta própria. Na ultima visita em que recebi de seu pai, Mauricio após conhecê-las mostrou o quanto gostaria uma de vocês como sua nora, mas especificamente você Âmbar por se enquadra no aspecto para está ao lado de Matteo.

-Mas então? Se recebi a aprovação de meu sogro porque meu futuro noivo tem objeções contra a mim?

-Ele com certeza deve ter descoberto o quanto você é insuportável quando contrariada. – Jazmín murmurou atraindo uma risadinha de Luna que concorda.

Âmbar a fulminou com seus olhos, mas logo voltou a olhar para Miguel dizendo.

-Papai. Não pode permitir que isso aconteça. Se deu minha mão para ele não tem o porquê querer conhecer minhas irmãs. Pelo que sei, Matteo Balsano é bem mais velho que eu e ainda sim sou a mais adequada para ser sua esposa. Não tem o que questionar sobre esse detalhe, mas EU sou a pretendente perfeita para ele.

-Isso é o que você pensa Âmbar. Luna e eu temos nossa graça e cativo. Quanto à idade dele, isso é de total irrelevância. Lembra-se de nossa prima Carolina? Ela ainda tendo mal completado 16 anos se casou com o viúvo, Lorde Parida que na época estava com 37 anos de idade. Tudo porque foi o único homem rico e de boa família que desejou a se casar com ela mesmo sabendo que não receberia nenhuma moeda de seu dote, já que após a morte do titio Ricardo, deixou tia Ana e nossa prima falidas e sem dinheiro algum para sobreviverem, manter sua casa e criados. Além do mais Gastón e Nina se apaixonaram sem importa com a enorme diferença de idade, e são felizes até hoje... Se o filho do amigo do papai deseja conhecer a nós para decidir qual de nós três quem quer se casar, ele pode fazer isso... Até porque não estamos mais na Espanha para seguir as convenções de etiqueta. – Jazmín falou sem se importar que fosse o nítido alvo de ira de sua irmã mais velha por não está-la apoiando.

Acontece que Jazmín é a irmã que sempre se deixou ser dominada pela mais velha, em certos momentos adquiria autonomia próprio para deixar claro sua opinião e até mesmo, deixar de ser covarde quanto a Âmbar.

-Jazmín, cala essa boca. – Âmbar esbraveja olhando furiosa para a ruiva que herdara os traços de sua tia Lady Ana, irmão de Miguel e mãe de sua prima Carolina. – Por acaso está dizendo que quer ter a oportunidade de ser escolhida pelo MEU NOIVO?

-Ele não é SEU NOIVO ainda. Nem te escolheu. – Jazmín rebateu. – E não há problema algum em conhecer um bom homem que possa me converter em sua esposa. E sim, se ele por acaso me escolher aceitarei me casar de bom grado.

Âmbar abriu a boca chocada, mas antes de dizer algo Miguel interrompe a discursão.

-BASTA! – ele esbravejou atraindo atenção das filhas, até mesmo Luna que parecia alheia à pequena discursão de suas irmãs.

-Mas papai, não pode permitir isso eu...

-Chega Âmbar. – as palavras de Miguel calam a loira e está nítido que seus olhos estão cheio de lagrimas de revolta. – Quando decidi que nos mudássemos para esse país foi unicamente por vocês. Para que tenham uma chance de que se casem bem. E se tivéssemos ainda morando na Espanha, obviamente que as regras teriam que ser as mesmas, mas aqui não são como lá. Como pai de vocês não posso me dar ao luxo de seguir essas convenções rigorosas quando só quero que fiquem bem apanhadas e que se case com homens que possam administrar a herança de vocês quando eu morrer. Nada me agradaria mais que ver você Âmbar se casando finalmente com o único filho de meu melhor amigo, mas se tratando das circunstancias não posso impô-lo a isso. Ainda mais agora que meu amigo está doente e deseja ver pelo menos seu primogênito se casar. Não posso nega-lo que tenha esse ultimo desejo, ainda que não se case com você.

-O senhor não pode fazer isso comigo. – Âmbar falou exasperada com lagrimas escorrendo no canto de seus olhos.

-Como não? – Jazmín rebateu outra vez calmamente. – Acabou de escutar o que papai disse. O amigo dele quer ver o filho se casar, então o papai vai atender ao pedido dele permitindo que escolha uma de nós, obviamente que se não aceitasse o seu filho continuará a não querer se casar com você se não pode escolher sua própria noiva. Estou certa papai?

Miguel assente.

-Exatamente isso...

Âmbar nega.

-Não... Não posso ser humilhada assim... Não mesmo. – Ela se levanta saindo em prantos do escritório.

-Âmbar... - Miguel fala dando um passo na intenção de ir atrás da loira.

-Papai, deixe-a ir. – Luna falou com um olhar penoso.

Mesmo sendo a mais jovem, a morena sempre viu o quanto seu pai se dedicou em dá-las tudo o que for preciso para serem mulheres perfeitas para qualquer homem desposa-las, como também está preocupado desde que nenhum rapaz foi mais até sua casa na intenção de cortejar sua irmã mais velha.

-Ela não vai me perdoar. – Miguel disse com pesar.

Tanto Luna quanto Jazmín se aproximam, cada uma se ajoelhando e pegando as mãos dele em sinal de carinho e conforto.

-Não á sua culpa papai. Âmbar é impulsiva e acha que o mundo gira em torno dela... – Jazmín fala. – Não nego em dizer que ficaria mais feliz que tudo se ela se casasse logo e fosse para bem longe com seu gênio de cão. Mas se há uma chance de ser eu a escolhida até mesmo Luna, uma de nós duas terá a paz que não temos há muito tempo tendo Âmbar como irmã.

-Não seja injusta com ela, Jaz. – Luna ralha à irmã do meio. – Ela quer casar e ter a casa dela para cuidar.

-Luna não a defende... Você por ser mais jovem não teve tempo de passar o que passei nos bailes de primavera, não sofrendo o que sofri sendo vitima do controle de Âmbar. Ela simplesmente me obrigava a declinar dos rapazes que se aproximavam de mim na intenção de me conhecer, dizendo que nenhum deles estava a minha altura. Como não? Só porque ela rejeitou todos os seus pretendentes por se achar melhor que eles, eu não tinha obrigação de fazer o mesmo que ela... E agora o que tenho? Já poderia ter me casado se não fosse por sua intromissão... No fundo, Âmbar só fez isso porque ninguém a queria mesmo sendo a mais bela de todas. Nem toda beleza do mundo fará um homem suportar alguém como ela. Controladora, arrogante, gênio de cão, como se tivesse o rei na barriga.

Jazmín disse mostrando certa revolta contra a irmã mais velha. Antes de ir para a Itália a ruiva realmente sofreu pela insistente intromissão controladora de sua irmã mais velha, e assim muitos rapazes também desistindo de aproximar dela quando frequentava os bailes, piqueniques e chá da tarde por está sempre ao lado de Âmbar, e também a considerando ter o mesmo caráter que a loira... No entanto, Jazmín notou que Âmbar por ser orgulhosa nunca iria admitir que sua irmã do meio se casasse primeiro que ela e, portanto, fazia de tudo para atrapalhar que encontrasse um pretendente. No entanto, quando soube da mudança , Jazmín percebeu o quanto foi uma boba fazendo tudo o que Âmbar queria, e que em outro lugar conhecendo novas pessoas seria tudo diferente. E por conta de sua decisão que naquele momento não baixou a cabeça ou hesitou em manifestar sua opinião e vontade própria.

-Mesmo assim está sendo muito dura. Âmbar é nossa irmã e devemos apoia-la. – Luna ainda parecia está na defesa da mais velha.

A morena é uma pessoa de caráter neutro e sua defesa ali não era por aprovar as atitudes de Âmbar e desaprovar as palavras de Jazmín. Via o quanto as duas sofriam de modo diferente, mas que se dependesse dela estaria ao lado delas para apoia-las, mesmo estando no meio do fogo cruzado. Luna mesmo com sua idade, é uma garota inteligente, boa, madura e amável e por isso que conseguia manter controle em meio a tanta confusão.

-No dia em que for uma vitima dela, vai entender o que estou falando. – irritada, Jazmín se levanta e sai do escritório em passos apressados, mas antes ir deu um beijo carinhoso no rosto de seu pai.

Miguel escutou tudo observando o quanto um simples detalhe que sempre o preocupou está sendo o motivo para brigas de suas filhas, mas quanto ao que está acontecendo nada poderá fazer.

Luna olha para seu pai com pena.

-O senhor quer que eu peça para trazer um chá para se acalmar?

-Não... Se beber algo acabarei dormindo. Preciso está acordado para resolver algumas pendências. Fora que a qualquer momento, Âmbar e Jazmín poderão se digladiar.

Luna sorri.

-Eu vou falar com elas... Mas acho que enquanto o filho do seu amigo não vir, os dias serão bem difíceis.

Miguel respira fundo com pesar.

-Serão três dias longos até ele chegar a nossa casa...

Luna franziu a testa sem entender.

-Como assim?

-Daqui a três dias Matteo virá em companhia de um padrinho, que representará seu pai que não poderá vir por conta de sua saúde. Ficará por alguns dias hospedado em nossa casa para poder conhecer cada uma de vocês melhor.

-Mas isso é certo papai? Um homem que nem ao menos ainda pretende se casar com uma de nós vivendo dias sob mesmo tento? – Luna disse não se sentindo segura.

-Fique tranquila. Matteo é um homem correto e deixou especifico para que me encarregasse de arrumar duas criadas para acompanha-lo com uma de vocês quando convida-las para um passeio e até mesmo conversar no jardim. Ele quer garantir e deixar claro que não irá despeitar nossa casa e nenhuma de vocês.

Luna sabia que não se precisa fazer tal pedido, pois as regras não permitem que uma moça em intenção de cortejo passeio ou converse sozinha com seu pretendente sem a companhia de uma criada os vigiando. A não ser que já estejam compromissados dispensando a companhia vigilante.

Sedo assim, Luna assente.

-Está bem então. Vou ver como Âmbar está... Até o jantar papai. – Ela se levanta e deposita um beijo no rosto de Miguel.

-Até o jantar minha filha... – ele falou observando a morena sair o deixando sozinho com seus pensamentos.


Notas Finais


Caraca meu, Âmbar toda trabalhada na confiança que já está noiva e Jazmín esfregando na cara que NÃO , como também que vai aceitar conhecer Matteo e que se ele a escolher vai se casar e ponto. kkk Será que isso é tipo uma redenção da ruiva por tudo o que passou com sua irmã mais velha? Luna só no intermediário... Até quando ela vai ficar assim? Miguel coitado, esse teve que pegar emprestado a paciência de Jó para conseguir aturar o gênio de suas filhas. kkk
Estão curiosas? Querem saber o que vai dar esse momentos de "Conhecer" as irmãs Valentes? Vão saber sim... Aguarde e confie. Comente também. Bjs *--*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...