História Marvel Universe: All Different World. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Agent Carter, Agents of S.H.I.E.L.D., Capitão América, Deadpool, Demolidor (Daredevil), Doutor Estranho, Gavião Arqueiro, Guardiões da Galáxia, Homem de Ferro (Iron Man), Homem-Aranha, Homem-Formiga, Inumanos, Jessica Jones, Mulher-Aranha, O Incrível Hulk, Os Vingadores (The Avengers), Quarteto Fantástico, S.H.I.E.L.D., Thor, Viúva-Negra (Black Widow), Wolverine, X-Men
Personagens Akihiro (Daken), Anna Marie (Vampira), Anthony "Tony" Stark, Ben Grimm (O Coisa), Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Dr. Henry "Hank" McCoy (Fera), Drax, o Destruidor (Arthur Douglas), Emma Frost (Rainha Branca), Erik Lehnsherr (Magneto), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Flash Thompson, Frigga, Gamora, Groot, Gwen Stacy, Heimdall, Howard Stark, James Buchanan "Bucky" Barnes, Jane Foster, Jean Grey (Garota Marvel / Fênix), Jessica Jones (Safira), Johann Schmidt (Caveira Vermelha), Johnny Storm (Tocha Humana), Katherine "Kitty" Pride (Lince Negra), Kurt Wagner (Noturno), Lady Sif, Logan (Wolverine), Loki, Maria Hill, Maria Stark, Mary Jane Watson, Mulher-Aranha, Natasha Romanoff, Nick Fury, Odin, Ororo Monroe (Tempestade), Peggy Carter, Pepper Potts, Personagens Originais, Peter Parker, Peter Quill (Senhor das Estrelas), Phillip Coulson, Pietro Maximoff (Mercúrio), Raven Darkhölme (Mística), Reed Richards (Sr. Fantástico), Robert "Bobby" Drake (Homem de Gelo), Rocket Raccoon, Sam Wilson (Falcão), Scott Lang, Scott Summers (Ciclope), Steve Rogers, Susan "Sue" Storm (Mulher Invisível), Thor, Tia May, Venom, Victor von Doom (Dr.Destino), Wade Willson (Deadpool)
Tags Agents Of Shield, Avengers, Aventura, Quarteto Fantastico, Romance, Universo Alernativo, Vingadores, X-men
Exibições 11
Palavras 2.751
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Escolar, Famí­lia, FemmeSlash, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, fico feliz de apresentar mais personagens do núcleo mutante.
Como poderão ver nesse capítulo os níveis de interação e relacionamentos entre eles é tão diverso quanto se pode esperar.

A quem possa interessar eu normalmente desenvolvo as minhas histórias de uma forma bem especifica de acordo com o que pretendo apresentar e os relacionamentos dos personagens e seus dramas pessoas (assim como as storylines de cada um) são realmente importantes para essa história.

Enfim, para quem tiver alguma pergunta ou estiver apenas querendo dizer o que está achando, os comentários estão livres.
Tudo bem?

ATUALIZAÇÃO: A classificação indicativa foi alterada para 18 anos devido a uma reanalise que fiz das temáticas da fic. Ainda não vai ter cenas de sexo explicito, mas achei que como o tema sexo é algo recorrente (não apenas as insinuações, mas as conversas sobre o tema) valia a alteração.

Boa leitura.

Capítulo 5 - Alexandra Nicola.


Fanfic / Fanfiction Marvel Universe: All Different World. - Capítulo 5 - Alexandra Nicola.

Eu não considero os dias como bons e ruins ou como legais e chatos.

Na maioria são apenas dias.

Eu levanto, faço meu treino, medito, tenho aula de magia com a Ororo três vezes por semana, ajudo nas aulas do Instituto, participo das reuniões necessárias, faço minhas refeições, vejo meu irmão e cuido dele um pouco, converso com a Chris e a Claire ou o Andrew, leio algo, assisto ao noticiário e vou dormir.

Independente da ordem ou do tempo que levo para fazer cada coisa o meu dia é uma rotina simples desde o dia em que nasci, cuja única mudança ocasional é a presença de Tália no Instituto, algo raro nos últimos tempos, ou Nate, que é uma constante.

Mesmo assim não é o cúmulo do estranho.

Exceto que hoje tudo começou errado.

A primeira coisa diferente foram as batidas na porta do meu quarto as quatro da manhã.

Eu esperava que não fosse um aluno ou a Christine, porque mataria ambos.

-Eu espero que isso seja importante ou te mando para o Inferno, literalmente. –Assim que terminei de falar vi Emma parada na porta com o hobby de seda branca curto, e é por isso acho que a mente dela funciona em outra frequência. –Fala dona Frost.

-Viu ou falou com a Christine durante o fim de semana?

-Nem. Sumiu e não deu sinal, mas se quiser deixar algum recado eu passo se vir ela aparecer. –Emma me olhou brava. –Olha é o que o posso fazer. Se quer resultados melhores conta pra Chris quem é o pai dela e fim, nunca entendi o drama todo se ele se preocupa com a filha.

-Então você realmente sabe? Não era uma piada para ajudar minha filha. –Ela perecia realmente preocupada.

-Eu sou metade mutante e metade demônio. Além disso, não sou a única capaz de detectar as pequenas nuances de cheiro que são passadas de pais para filhos. –Quase ninguém imagina que posso fazer isso e não vou ficar falando pra meio mundo.

-Então a Claire e a Laura sabem, assim como o Daken e Rose. –Não foi uma pergunta, o que pode ser um problema.

-Não sei se a Claire sabe, por que não perguntei. E os Howlett nem devem ligar, mas me preocuparia com a Rachel podendo ler mentes pelo Instituto. Avisa a mãe dela já que isso é coisa de vocês. –Emma pareceu surpresa com o que falei e então eu me afastei. –É, eu sei disso também, mas não é da minha conta. Agora posso voltar a dormir?

-Antes apenas me diga: por que não quer saber quem é seu pai?

-Minha mãe disse que um dia vou dar de cara com ele, então nem ligo. Até mais Emma. –Fechei a porta sem me importar e me joguei na cama com tudo, dormindo na mesma hora.

 

==========X==========

 

As pessoas estavam me encarando novamente, como se eu tivesse feito algo errado.

Gente chata.

Quase ninguém mais quer fazer o que eu faço nas pequenas missões de espionagem e assassinato que era da X-Force no passado. As exceções como sempre são aqueles que já eram esperados, como o James ou a Claire, em raros casos a Christine e mais recentemente a Rose acompanhada da Cara. Mas como tirar a Cara do laboratório era uma missão de dias isso raramente acontece.

Claro que a X-Force recebia as ordens deles só do Scott e eu recebo dele, da Emma, da Jean e do Logan. Sem falar no nosso acordo com a Shield, que no caso incluem algumas missões com a Viúva e outros Vingadores, e disso eles não sabem.

Arrumei os óculos de lentes amarelas enquanto ouvia Oliver e Rebecca correndo pelo corredor por algo que ele havia feito.

Oliver é uma peste adolescente com a idade mental de um garoto de quatro anos e nesses momentos Rebecca consegue ficar pior que ele.

Ele passou correndo por mim mostrando a língua e em seguida vi a irmã dele chegando perto, outra briga besta.

Me abaixei um pouco e peguei Bekka colocando-a sobre meu ombro esquerdo.

-Faça um favor a si mesma Raven, ignore o Oliver e vá ler um livro ou fazer um exercício. É mais saudável para os dois e para os outros alunos. –Tentei parecer calma e legal, como Claire quando faz isso, mas quando abaixei e coloquei a garota no chão ela me mostrou a língua.

-Não torra Rasputin. –E então ela voltou a correr atrás de Oliver.

Ignorei aquilo.

Se havia algo que eu não tinha era o dom da Claire para fazer as pessoas me obedecerem ou me seguirem, mas isso era herdado dos pais dela. Ambos muito carismáticos, enquanto minha mãe tem um dos infernos no próprio corpo.

-Por que ainda tenta fazer isso Alex? –Eu não precisava virar para ver a cara idiota da Rachel, mas fiz o favor ser educada com a princesinha.

-Por que apesar do que até mesmo você acredite eu sou uma boa pessoa.

-Não disse nunca que duvido disso.

-Mas não tem fé ruiva. Só me deixa em paz que tenho mais o que fazer do meu dia que ouvir seus sermões.

Comecei a andar, mas logo Rachel correu e se colocou na minha frente.

-Vai se reunir com os professores hoje?

-Faça a pergunta certa garota.

-Contou para a Frost sobre o pai dela?

Eu quis bater nela.

-Aproveita que faltou na aula que sua mãe disse para não ficar bisbilhotando a mente alheia e vê de uma vez. –Ela recuou assustada quando ficamos cara a cara. –Acha mesmo que se eu tivesse contato estaria precisando me perguntar isso?

-Eu só não... –Rachel gostava de sorrir de canto sempre que ficava evidente que era mais alta que Christine, era a sua provocação pessoal quando a deixávamos de mau-humor, mas acho que ela não está a fim de fazer isso agora quando nós duas temos praticamente a mesma altura.

-Não me interessa se você é a droga da nossa líder de equipe ou o seu irmão bombado, fica longe da minha mente e da Christine. E fique sabendo que se a Emma e a Jean não fizessem o favor de deixar claro que não deveria conta para a minha amiga sobre isso eu já teria contado há um século.

-Você não pode. –Ela parecia um pouco desesperada.

-Acredite ou não, isso não é da minha ou da sua conta. Agora sai da minha frente que preciso falar com a Emma.

Eu já havia dado a volta em Rachel para ir para a sala da Emma quando a ruiva tentou com sucesso me tirar do sério.

-Essa raiva toda é por que a TJ deu no pé e não falou com você mais?

Ela poderia ter mais sorte falando da minha mãe, sério.

Virei pronta para acertar a cara dela com força, para machucar de verdade, mas ela usou os poderes e desviou a direção do soco alguns centímetros do seu rosto para a madeira da parede atrás dela.

-Fica longe da minha mente!

A madeira rachou e despedaçou um pouco, o barulho fez vários alunos pararem ou aparecerem do nada e Emma sair da sala dela, a sala da parede que acertei.

-O que está acontecendo aqui Alex? –Rachel pareceu pronta para responder quando Emma levantou a mão. –Alexandra?

-Eu perdi o controle Emma. –Me afastei da ruiva e encarei Emma. –Rachel me fez uma pergunta inconveniente e eu reagi mal, sinto muito por isso. –Tentei soar mais calma do que me sentia sobre a invasão dela na minha vida. –Irei pagar o reparo da parede.

-Foi apenas uma pergunta inconveniente mesmo ou ela andou entrando na sua mente? –Já Emma não era a pessoa mais fácil de despistar.

-Provavelmente foi um acidente dela, nós sabemos que isso pode acontecer com telepatas mais treinados e a Rachel é jovem e inexperiente ainda. –Percebi que a ruiva não gostou do que falei, mas a verdade era que ela não poderia contra dizer o que disse sem levar uma bronca da Emma e da Jean. –Em todo o caso eu precisava mesmo falar com você.

-Falou com a Christine também?

-Nem. Ela com o Andrew são um saco de aturar. –Peguei o celular do bolso e estiquei para a Emma. –Quero que fique com o meu celular, a Chris vai mandar uma mensagem avisando que horas deve voltar ou se precisar de algo. Fica com ele e qualquer coisa você não precisa se preocupar.

Emma pegou o celular.

-Mas e se precisar ser avisada de algo? Do Instituto ou pessoal?

-Minha mãe não liga, meu irmão também não, a Claire deve tá com a Laura e se for missão eu ainda estou com o relógio para me avisar, então não preciso do celular.

-Alguém diferente pode te ligar? E se ligar quer que te avise depois?

-Nem. Ninguém com quem eu queira falar ou que realmente eu conheça para retornar.

Emma guardou o celular e olhou para os alunos parados em volta.

-Voltem agora para as suas aulas. –A maioria saiu correndo e então ela me olhou mais calma. –Vai fazer o que agora?

-Vou para o meu quarto meditar um pouco. –Indiquei a parede com a cabeça. –Acho que preciso de um pouco de calma.

Ela pareceu achar graça.

-Não se preocupe com isso e vá descansar. –Concordei e antes de passar por Emma pude ouvi-la. –E você Rachel, temos que conversar. Sua mãe está a caminho da minha sala e concorda que temos assuntos a tratar.

-Eu não entendi. –Acho que a ruiva ficou com medo dessa combinação de telepatas.

Eu ficaria.

-Vai entender.

Resolvi ignorar aquilo.

Já havia aliviado a barra da Rachel o bastante para me preocupar.

 

==========X==========

 

Levantei assustada com o barulho no quarto.

Eu estava quase cochilando quando ouvi, mas minha visão estava embasada. Provavelmente por culpa de alguma coisa demoníaca acontecendo no Inferno que a minha mãe carrega, como sempre.

-Você está com uma cara horrível. –O susto foi tão grande que eu estava do outro lado do quarto no segundo seguinte ouvindo a risada. –Mas continua engraçada.

-Como?

-Como sempre. Só apareci aqui.

Ah!

Eu estava delirando.

É por isso que meus poderes estão falhando: Festa do Limbo.

Realmente é horrível, em especial quando eu começo a delirar e meus poderes ficam tão afiados que acabam se anulando.

-Olha só, que bom então. Faz seis meses que você deu no pé e ninguém ouviu mais falar, Tália. Então, o que tá fazendo aqui agora? –Podia até ser um delírio, mas pelo menos poderia conversar com ela um pouco.

Pude notar ela se aproximar de onde eu estava e mesmo sem enxergar sabia que ela sorria de forma divertida.

-Resolvi voltar. Mas você parece bem calma para quem não sabia onde eu fui nem recebeu notícias. –Realmente, ela é debochada até na minha mente.

-Quer que fique brava ou essa é uma regra para que eu não acorde?

-Ah! Já saquei o que aconteceu! Bem que o Nate me avisou sobre isso, é a Festa do Limbo não é? –Senti a mão dela na minha testa, parecia fria como gelo.

Ou uma ilusão real feita de magia.

-Por que vocês sempre ficam trocando informações a meu respeito?

-Somos companheiro nesse negócio Alex, é normal trocar informações mínimas e básicas a seu respeito.

-Vocês são dois chatos, isso sim. Eu não sei por que... –Então ela me beijou e eu senti como se fosse de verdade. –O que está fazendo? –Minha cabeça estava pesada demais para que tentasse entender como uma ilusão poderia parecer tão real.

-Te beijando enquanto me aproveito que seus poderes estão uma bagunça, não quer que eu te beije de novo? –Minha visão ficou mais embasada.

Eu deveria saber que mesmo uma ilusão da Tália seria o reflexo das minhas memórias sobre ela e que me trataria da mesma forma.

Eu tinha que quebrar o efeito usando magia ou pedindo ajuda...

Que se dane.

-Quero.

-Boa menina.

E ela me beijou novamente.

 

==========X==========

 

Minha cabeça parecia que ia explodir.

Droga de parte demoníaca.

Preciso mesmo que minha mãe me ensine a evitar os efeitos ou me diga o que é isso exatamente para me preparar.

-Você realmente tá com uma cara péssima Alex.

Levantei assustada e dei de cara com Tália deitada na minha cama com a maior cara de sacana.

-O que tá fazendo aqui?

-Ainda tá achando que tudo foi um delírio? –Acho que a minha cara foi o bastante para ela entender e começar a rir. –Nossa. O Nate tinha razão, você não enxerga a realidade quando sofre os efeitos da Festa.

Joguei o primeiro travesseiro a altura da mão na cara dela.

-Seu Demônio Azul imbecil. –Mas tudo que Tália fez foi voltar a rir enquanto eu recolhia minhas roupas e me vestia. –Eu deveria arrancar a sua cabeça.

-Veja o lado romântico, eu vim te ver antes do Nate.

-Grande merda! –Ela continuava a rir das minhas reações quando o relógio no pulso apitou e vi o aviso de missão urgente no visor. –Se manda, tenho compromisso em cinco minutos e você também.

-Onde?

-Pássaro Negro.

E então Tália se teleportou do meu quarto me deixando sozinha para tentar me acalmar em vão.

Peguei meu uniforme branco no armário, troquei de roupa correndo e saí apressada pelo corredor até o elevador. Quase não consegui entrar nele a tempo e quando entrei me arrependi.

Rachel Summers me encarava tensa enquanto o irmão dela, Nathan Summers, ria da situação.

-Já viu que a Tália voltou? –E me perguntei se ele realmente queria me provocar.

Eu acho que Nate é absurdamente alto, então precisei olhar para cima a fim de ver a cara dele e confirmar a provocação, mas não era isso.

O idiota realmente só queria saber se eu já sabia.

-Já sei sim olhos azuis. –Ele deu uma risada contida mexendo no cabelo castanho um pouco desconfortável e percebi que Rachel continuava encarando minhas costas. –Fala ruiva.

-Desculpa por mais cedo. Eu fiquei preocupada com... Eu fui indelicada. –Aquilo não devia ser coisa só dela.

Emma e Jean provavelmente disseram que ela deveria se desculpar. Não que ela não quisesse isso de verdade, mas principalmente por que a ruiva não podia voltar atrás do que falou.

Ela realmente foi indelicada, queria poder dizer isso e depois dar aquele soco, mas achei melhor deixar pra lá.

-Tudo bem Ray, apenas não faça isso novamente e fique realmente longe da minha mente ou a sua sanidade mental é que vai estar em perigo.

-Obrigada.

Achei que não precisaria mais aguentar nada até o Pássaro quando a porta do elevador abriu e a ruiva correu, pelo menos até o contato telepático de Nate.

“Fiquei sabendo que tentou moer a cabeça dela. A Ray falou da TJ, não é mesmo?” Ele parecia se divertir com a ideia.

“Não tem graça Nate. O meu dia está cada minuto pior.” Reclamei um pouco cansada.

“Festa do Limbo, não é loira?” Olhei para ele de canto de olho e notei que estava preocupado. “Não falei com a TJ, mas sabe que fico atento as suas mudanças emocionais em grande escala e hoje mais cedo você teve uma grande, como das outras vezes. Foi como soube que a Tália voltou.” Nate deixou um suspiro cansado escapar. “Também estava preocupado com ela.”

E se alguém consegue me fazer sentir mal por causar preocupação esse alguém tem que ser o Nathan, o cara mais certinho do mundo na opinião do resto do mundo.

“Ela é doida, isso sim. Some por seis meses e não da notícias se tá viva pra nenhum de nós. Que raio de relação é essa afinal?” Tentei parecer mais descontraída do que estava.

Ele deixou uma risada escapar.

“Sabe que essa pergunta é válida apenas para pessoas normais com relacionamentos normais, não é mesmo? E que nós três não entramos nessa categoria, certo?”

Parei um momento para encarar Nathan um pouco chocada, mas ele apenas ficou esperando minha reação.

-Tudo bem, ganhou essa Summers.

-E eu não ganho com frequência loira?

-Metido.

Mas ele apenas riu antes de alcançarmos o Pássaro e nos juntarmos ao resto das equipes que iriam agir em conjunto hoje.

Pelo menos se fosse necessário.

Mas se era um recado de ajuda da Chris que estava acompanhada do Andrew, do Coulson e da May a coisa não parecia muito boa.

E tenho certeza que ela já chamou a Claire e a Laura.

Hoje é dia.

-

-

-

Continua...

-

-

-

No próximo capítulo: Alexandra Barbara.


Notas Finais


Nome: Alexandra Nicola Rasputin
A.K.A.: Caçadora
Idade: 19
Origem: Westchester, Nova York (?)
Aniversário: 25 de Março
Signo: Áries
Raça: Mutante Demônio
Altura: 173
Status: Viva
Cabelo: Loira
Olhos: Azuis
Habilidades: Sentidos Altamente Desenvolvidos; Super Força (até 400t); Super Velocidade (de 500~750 Km/h); Super Agilidade; Flexibilidade Sobre-humana; Super Vigor; Reflexos Aguçados; Alta Densidade Óssea e Muscular (50~75x); Voo; Fator de Cura Melhorado/Acelerado; Capacidade de Aprendizado Rápido; Imunidade a Substâncias Tóxicas; Capacidade de Adaptação Termo Fisiológica; Controle Mental das Funções Físicas; Bloqueio Telepático Moderado/Alto; Aptidão para Magia; Resistência a Magia; Telepatia Magica; Telecinese Magica; Drenagem de Aura Magica; Domínio Psíquico de Demônios Menores; Sopro de Fogo.

Aliança: Heróis
Afiliações: Shield, Vingadores, X-Men, Quarteto Fantástico, Guerreiros Secretos,

Relacionamentos: Illyana Rasputin (mãe); Piotr Rasputin (tio); Nikolai Piotr Rasputin (irmão); Emma Frost (madrinha); Ororo Monroe (mentora); Thália Wagner (parceira); Nathan Summers (parceiro);


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...