História Mas se você vier... - Capítulo 96


Escrita por: ~

Postado
Categorias Frank Iero, Gerard Way, My Chemical Romance
Personagens Bob Bryar, Frank Iero, Gerard Way, Mikey Way, Personagens Originais, Ray Toro
Tags Bromance, Frank Iero, Frerard, Gay, Gerard Way, Lgbt, Longfic, Long-fic, My Chemical Romance, Yaoi, Yaoi Romance
Exibições 49
Palavras 2.515
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Lírica, Poesias, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi trouxas! <3

Desculpem a demora meus amores.
Tive problemas com a internet, mas aqui estou.

Boa leitura! <3

Capítulo 96 - Gerard - Capítulo 96


Fanfic / Fanfiction Mas se você vier... - Capítulo 96 - Gerard - Capítulo 96

-S2-

POV

Gerard

 

Chegamos em casa.

 

Frankie ficou na cozinha preparando algo para Ban comer, porque ela disse estar faminta, enquanto isso eu levei ela para o seu quartinho e ajudei-a no banho.

 

Ban estava uma sujeirinha, porque eu sabia que ela estava se negando a tomar banho normalmente. De certo fez isso poucas vezes enquanto esteve ali e eu tive que cuidar para que ela ficasse bem limpinha e quando saiu do banho, já estava outra menina.

Ou melhor, a minha menina.

 

Arrumei-a bem bonitinha, penteei seus cabelos como eu fazia e ela notou uma coisa diferente em seu quarto.

 

_ A Jam! _ disse Ban se referindo a bonequinha e correu até sua cama para pegá-la em seu colo e abraçá-la com força_ O que ela está fazendo aqui?

 

_ Cher deixou como um presente pra você, pra que ficasse feliz quando voltasse. Ela não duvidou que você voltaria, disse que queria que se lembrassem deles, sempre.

 

Ela continuou abraçando a boneca com carinho e cheirou os cabelinhos desta.

 

_ Tem o cheiro da casa do tio Frankie, eu gosto de lá, eles são muito bons conosco papai...

 

_ São sim filha...

 

_ Eu vou guardar pra sempre! _ falou e beijou a bochecha da boneca deitando-a com cuidado na cama onde estava.

 

_ Que bom que gostou querida, agora vamos descer. Você precisa se alimentar.

 

_ Preciso mesmo, vamos! _ ela falou e pegou a minha mão.

 

Logo descemos e fomos até a cozinha onde Frankie estava preparando um café da manhã caprichado pra ela. Ele fez ovos, panquecas, pegou os biscoitos que ela gostava e o achocolatado ao leite também.

 

_ Ai tio! Essa mesa está linda! _ disse Ban.

 

_ E é só o seu café. Espera pra ver o seu almoço, e depois o bolo que eu farei pra você.

 

_ Pra nós. _ eu falei sorrindo ao lado de Frankie_ Quero todos nós reunidos aqui.

 

_ É mesmo, mal posso esperar pra ver meus amigos. _ disse Ban.

 

_ E nós já iremos à escola buscá-los, mas antes disso tome seu café da manhã. _ falei e me sentei ao lado dela na mesa.

 

_ É, ainda temos tempo. _ falou Frank se sentando ao lado de Ban_ Espero que goste do que preparei. _ ele falou vendo Ban atacar as panquecas.

 

_ Está muito bom tio. _ disse ela e nós nos olhamos e sorrimos_ Tudo que eu mais queria era ver vocês de novo e voltar pra casa.

 

_ É tudo que queríamos também Ban... _ disse Frank.

 

_ Sim minha filha... Nós tentamos te encontrar, mas não conseguimos entrar em contato com sua mãe, só hoje pude te buscar querida, desculpe.

 

_ Eu sabia que ia me procurar papai, e eu não quero falar da minha mãe, não quero mais. A tia Frances é legal e ela cuidou de mim, graças a ela eu estou aqui, se fosse por minha mãe eu estaria longe, eu sei.

 

_ Mas já passou Ban... _ disse Frank fazendo carinho nos cabelinhos dela.

 

_ Sim, e de perto da gente você não sai mais. _ falei

 

_ Não mesmo, nunca mais! _ ela disse de boca cheia sorrindo e nós sorrimos igualmente.

 

Era bom demais tê-la de volta.

 

-S2-

 

Horas depois.

 

Finalmente se aproximava a hora da saída das crianças na escola. Eu, Frank e Ban saímos de casa e fomos a pé mesmo até lá.

 

Ban estava animada e não largava da nossa mão um minuto. Eu realmente não queria pensar mais no que nós passamos, no que ela passou, só no futuro, no nosso futuro.

 

Chegamos em frente a escola minutos depois e os pais e mães já estavam esperando seus filhos, a primeira que nos viu aproximar foi Ann que veio até a calçada sorridente abraçar Ban.

 

_ Senti saudade pestinha, não some de novo.

 

_ Eu não vou tia! _ disse Ban.

 

_ Agora eu vou lá dentro buscar umas pessoinhas que sei que quer ver.

 

_Vai lá!_ disse Ban e ela voltou a segurar nossas mãos apertando-as ansiosa e em poucos minutos vieram ao lado de Ann, Cher, Li e Miles. E eles arregalaram os olhos e sorriram largamente saindo de perto de Ann e se jogando contra Ban em um abraço em grupo.

 

_ Ban! _ gritaram os pequenos e eu e Frank ficados ali assistindo, como dois bobos.

 

_ Senti falta de vocês. _ disse Ban chorando e então notamos que ela e as crianças estavam chorando juntos.

 

_ A gente também... Foi muito ruim ficar sem você Ban. _ disse Li.

 

_ É Ban! Voce é nossa irmã também. _ disse Miles.

 

_ E nós não podemos nos separar. _ disse Cher e eu olhei emocionado para Frankie que me olhou da mesma forma_ A gente te ama Ban.

 

_ Eu também amo vocês irmãos. É bom estar de volta. _ disse ela e só depois de bons minutos ali grudados se afastaram um pouco desfazendo o abraço.

 

_ Nós vamos comemorar não é pai? _ perguntou Miles.

 

_ Vamos filho. A Ban será muito bem recebida por nós. Vamos todos pra casa dela e eu vou preparar um bolo muito gostoso pra vocês comerem a tarde. Enquanto matam a saudade.

 

_ Isso, bolo! _ disse o pequeno.

 

_ Vamos pra casa agora. Quero brincar com vocês o dia inteiro. _ disse Ban e ao que nos preparávamos pra sair dali e voltar pra casa ouvimos alguém chamar.

 

_ Ban! _ ouvi alguma criança e me virei assim como minha filha.

 

Então vi um garotinho loiro que não me era estranho. Ele soltou-se da mão de sua mãe e veio correndo até Ban abraçá-la.

 

_ Just! _ gritou ela abraçando-o.

 

_ Onde você estava Ban? Voce está bem?

 

_ Eu estou bem Just, estava com minha mãe.

 

_ Você não queria não é?

 

_ É... _ disse Ban cabisbaixa_ Mas eu estou de volta.

 

_ Eu fiquei feliz quando te vi. Estava muito ruim sem você.

 

_ Mesmo? _ perguntou Ban... Constrangida? Estreitei meus olhos para aquele espertinho.

 

_ Verdade. _ disse ele a os dois se abraçaram de novo_ Você sabe que eu adoro você e que sem você tudo fica muito chato. _olhei sério pra Frankie e ele sorriu pra mim como se estivesse tudo muito bem. _ Vai ficar todo mundo feliz, a garota mais bonita e legal da escola está de volta.

 

_ Just, assim eu fico com vergonha... _ disse Ban.

 

Aquele pirralinho estava mesmo flertando com a minha princesa? Na minha frente?

 

Eu já ia chamar atenção dele ao que sua mãe o gritou:

_ Justin! Vamos logo querido.

 

_ Me deixa falar com a Ban mãe!

 

_ Amanhã fala mais com ela filho, sabe que se demorarmos, seu pai briga com a gente!

 

_ Está bem, eu vou... _ disse ele e olhou pra Ban de novo_ Amanhã você vem pra aula não é?

 

_ Claro! _ disse Ban segurando a mão dele.

 

_ Então até amanhã Ban! _ disse ele e beijou a bochecha de Ban rapidamente e foi correndo até a mãe, e logo foram embora.

 

_ Quem é esse moleque Ban? _ perguntei ao que passamos todos a andar e ir pra casa.

 

_ É o namorado dela! _ disse Miles.

 

_ Não é meu namorado pai, não liga pra ele! _ disse Ban dando um tapinha em Miles_ Just é meu amigo, não lembra dele?

 

_ Aquele loirinho cresceu bastante, não é filho daquele pessoal esnobe e metido a rico que mora do outro lado do bairro? _ perguntei.

 

_ Acho que sim... _ disse ela dando de ombros.

 

_ E eu achei que eles tivessem se mudado.

 

_ Não, o pai dele que saiu de casa, e ele foi passar um tempo com o pai, mas agora está com a mãe. Acho que ele vai visitar o pai as vezes, talvez vá fazer isso hoje.

 

_ Entendi... _ falei_ Que garotinho mais descarado! Ficou todo cheio de bobeira pra cima de você na minha frente!

 

_ Gerd! _ disse Frankie e eu olhei-o_ Não se incomode com isso, são crianças!

 

_ Eu sei Frankie, mas não quero nenhum menino se engraçando pra cima da minha Ban.

 

_ Não é nada disso... _ disse ele e olhou pra Ban_ Não liga pra isso Ban, seu pai está apenas com ciúmes.

 

_ Estou mesmo, e já vou dizendo que não gosto nada disso, a senhorita é muito pequena.

 

_ Eu não fiz nada! E além do mais o Just é meu amigo. E não pode brigar comigo hoje!

 

_ Por quê?

 

_ Porque eu acabei de chegar. _ disse ela acenando para alguns amiguinhos que passavam por nós pela rua_ E eu quero sorvete!

 

_ Está bem espertinha!_ falei.

 

_ Vamos ao parque comprar. _ disse Frankie e eu concordei, então seguimos andando para o parque que ficava na próxima rua.

 

_ Tio... _ me chamou Li e eu olhei-a que estava ao meu lado andando pensativa.

 

_ Sim querida...

 

_ Quer saber no que estou pensando?

 

_ Sim, no que?

 

_ Que você acabou de ser bastante machista.

 

_ Eu?! O que? _ perguntei aterrorizado_ Não pode ser, eu não sou machista. _ disse já sorrindo tranquilamente, eu não era machista mesmo, óbvio.

 

_ Bem, então por que quando o Miles disse que tinha namorada você só faltou aplaudir de pé, adorou a notícia e só porque o Just disse que é Ban é bonita e legal você já achou ruim?

 

_ Eu só... _ falei pensando ainda no que diria, é... Eu não sabia o que dizer.

 

_ Se a Ban dissesse que tem um namorado então você provavelmente daria um chilique desnecessário, mesmo sendo algo totalmente sem precedentes, claro que não seria como o namoro de adultos. Óbvio. Mas isso que é errado já que nós meninas temos que ter o mesmo direito que os meninos.

 

_ Eu não...

 

_ Eu sei que não queria tio... Mas isso se chama machismo, e é fruto de uma sociedade patriarcal que contribui durante séculos para a desigualdade de sexos e a subjugação das mulheres aos homens. E as pessoas foram acostumadas a achar esse tipo de atitude completamente normal e cotidiana sendo que na verdade não passam de mentiras e infâmias. Mas a nova geração está mudando e acordando para um novo dia, afinal a igualdade de sexos nunca foi tão necessária. _ disse ela tudo aquilo rapidamente e eu estava chocado, ainda tentando assimilar_ Não estou certa papai?

 

_ Certíssima. _ disse Frank sorrindo.

 

_ Então tio, como eu dizia, esse tipo de atitude não é certa com nós mulheres, mas tenho certeza de que se as pessoas se interessarem mais pela causa, vão saber a verdadeira importância dela, aí tudo vai mudar.

 

_ Espera aí mocinha... Quantos anos você têm mesmo? _ perguntei.

 

_ Seis anos.

 

_ E onde aprendeu tudo isso?

 

_ Eu li uns artigos na biblioteca da minha escola, e uns livros sobre feminismo também. Eu me interesso por esses temas mais do que outros.

 

_ Nossa você é muito esperta, na sua idade eu só sabia comer rosquinhas, assistir televisão e fazer uns desenhos estranhos...

 

_ Mas é só isso que ainda sabe fazer pai! _ disse Ban rindo de mim.

 

_ Ei Ban!

 

_ Estou brincando!

 

_ Humn... _ falei olhando pra ela sorrindo e logo me virei pra Li_ Estou impressionado com você Li. E sim, eu fui machista, desculpem meninas. _ falei e ela sorriu_ Eu entendi tudinho que disse, mas eu posso dar pelo menos um pouco de chilique quando vocês aparecem com essas histórias de namorado em casa?

 

_ Está desculpado, mas sobre os chiliques a resposta é não. _ disse Li.

 

_ Sem chiliques. _ disseram Cher e Ban sorrindo.

 

_ Poxa meninas, eu sei que tenho que melhorar isso, mas pode ser aos poucos, não?

 

_ Só uma palavra: igualdade. _ disse Li.

 

_ Está bem mulheres do novo mundo, vou tentar de verdade não dar chilique quando acontecer. Mas vejam lá, isso tem que demorar muito pra acontecer! _ falei e elas riram ao que chegamos ao parque_ Sentem-se nos bancos, já vou comprar os sovertes pra todo mundo. _ eu disse e foram eles, ao que Frank iria atrás ele olhou pra mim e eu fiz uma espécie de leitura labial pra ele, onde eu disse as seguintes palavras sorrindo e sem emitir som algum_ Ela é assustadoramente inteligente. _ disse apontando pra Li.

 

Ele sorriu e falou da mesma forma só movimentando os lábios ao que se juntava as crianças:

_ Eu sei...

 

Então fui até o vendedor de sempre e comprei vários potinhos de sorvetes que eles mais gostavam e mesmo depois da bronca(necessária) que levei da Li, nós nos divertimos muito ali e eu me senti leve de novo, depois de tanto tempo de aflição eu estava com eles de novo.

 

Eu estava feliz.

 

-S2-

 

E pra aumentar essa felicidade depois de todos os sorvetes nós fomos pra casa juntos e assim passamos o restante do dia.

 

Frank e eu fizemos o almoço especial pra Ban.

 

Eu liguei pro meu irmão pra dizer que estava tudo bem, que Ban já estava em casa e ele se alegrou muito, mas não pode vir vê-la porque segundo ele, teve que levar Kristin para mais uma bateria de exames porque naquela mesma semana ela havia passado muito mal, mas por sorte estavam bem, ela e o bebê.

 

Minha mãe estava ocupada em cuidar de Kristin também e só não veio me ver e conversar comigo pessoalmente por isso.

 

Mas ela ligou e disse que estava feliz por Ban ter voltado e que teria uma conversa comigo muito em breve. Não entramos em mais detalhes sobre nossa briga ali, mas eu esperava fazê-lo o quanto antes. Seria um alívio pra mim ficar de bem com minha mãe, ela era mais do que importante na nossa família.

 

Conversei com Frankie sobre tudo aquilo ainda no mesmo dia e ele me disse pra ter calma e dar uma chance real a minha mãe.

 

É claro que eu o faria, ainda mais porque Frank estava pedindo e ele sempre queria o melhor pra mim, eu sabia.

 

Comemos seu famoso bolo de chocolate, mimamos Ban até dizer chega e fizemos planos de levar ela aonde quisesse durante aquela semana, afinal toda comemoração era pouca para o fato de que tínhamos ela de volta.

 

Logo Ban decidiu que queria ir ao zoológico comigo, Frankie e os amigos e eu atendi seu pedido prontamente.

 

Depois daquele dia maravilho, veio outro, o do zoológico onde as crianças aprontaram muito deixando a mim e Frankie loucos atrás deles o tempo todo.

 

Passeamos no shopping em outra tarde, e Cher adorou isso. Levavos eles a biblioteca da cidade em outra, o que Li amou. Fomos a uma doceria no centro e Ban e Miles se fizeram lá já que eu comprava tudo que queriam. Enfim, dias melhores vieram.

 

E agora que tudo caminhava somente para a ordem, melhores dias ainda estavam prestes a chegar.

 

-S2-


Notas Finais


Vamos por partes:
- Sobre o reencontro dos pequenos: <3
- Sobre as verdades que a Li falou pro G: <3 #GoLi
- Sim, ele acabou sendo machista sem saber, e isso acontece muito. As pessoas, homens e mulheres tem esse tipo de atitude normalmente e não que seja por mal, mas é errado e todos tem que entender que ter igualdade é muito bom, e necessário.

<3 Links da fic:

<3 Link com a trilha sonora da fic: https://open.spotify.com/user/msvvfiction/playlist/6B1qnfvEZEN8zPLRJVPrX0

<3 Link com o trailer da fic: https://boyslikeboysohyeah.tumblr.com/post/148658330591/msvvtrailer

Obrigada por tudo meus amores.
Contem-me as opiniões!
Até o próximo capítulo.
Beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...