História May we meet again - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias The 100
Personagens Anya, Bellamy Blake, Clarke Griffin, Costia, Dra. Abigail "Abby" Griffin, Echo, Indra, Lexa, Lincoln, Marcus Kane, Octavia Blake, Personagens Originais, Raven Reyes, Roan
Tags Drama, Reencontro, Romance
Visualizações 145
Palavras 2.404
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Perdão pela demora, espero que gostem do rumo das coisas o/
Enjoy!!!

Capítulo 6 - Arrependimentos


Fanfic / Fanfiction May we meet again - Capítulo 6 - Arrependimentos

Clarke POV

   Deixei a sala com um sorriso contente brincando nos meus lábios era tão bom poder estar ao lado de alguém tão importante, era como reaver o tempo perdido mesmo que ela não fizesse ideia do nosso passado. Fiquei admirada com a coragem dela ao enfrentar meu grupo de amigos. Lexa tinha esse dom de sempre acabar me impressionando da maneira mais simples possível, por ser muito reservada era gratificante vê-la se esforçando tanto para começar uma amizade comigo, fazia eu me sentir especial e com isso ria feito uma babaca sempre que estava por perto.

   A vontade de contar tudo de uma vez por todas sempre tomava conta de mim quando a via tão isolada e amedrontada para iniciar qualquer assunto comigo, eu era praticamente a única pessoa naquela escola que queria realmente tê-la ao meu lado. Quando alcancei minha rodinha novamente pude ver um sorriso sugestivo pontar dos lábios róseos de Octavia e a encarei com reprovação antes que fizesse mais alguma coisa para me desconcertar. Me aproximei tomando meu lugar novamente ao seu lado e deitei a cabeça em seu ombro e pude sentir que encarava o alto da minha cabeça com segundas intenções.

- Olhem quem está de volta. – Raven disse sorrindo.

- Nem demorei tanto assim. – Dei de ombros.

- O que a nerd mais esquecida do colégio queria com você senhorita Harvey? – Bellamy perguntou com um sorriso cafajeste nos lábios.

- Só perguntar sobre a viagem já que sou filha da diretora. – Inventei uma desculpa qualquer para não ter que responder mais perguntas.

- Sua nova amiga é bem interessante Clarke. – Costia disse com aquele seu tom que eu detestava, não a deixaria em nenhum hipótese por as mãos em Lexa.

- Ela não é seu tipo Costia. – Octavia rebateu antes que eu pudesse dizer qualquer coisa.

- Qualquer garota bonita e com aqueles olhos penetrantes é meu tipo. – Disse abaixando o tom de voz e eu senti a raiva ferver meu sangue.

- Ela não é o tipo de garota que você pode usar Costia. – As palavras brotaram da minha boca em uma enxurrada de ignorância e o silêncio reinou alguns segundos antes que obtivesse resposta.

- Ela é bem grandinha pra decidir isso sozinha e além do mais porque se preocupa tanto? – Deu de ombros. – A gente se fala depois, e Harvey se acalme um pouco, não farei nada que ela não queira. – Deu um sorrisinho cínico e saiu da roda andando a passos largos.

- Ás vezes tenho vontade de mata-la. – Octavia balbuciou, mas todos ouviram e caíram na gargalhada.

- Acho que até a própria mãe dela tem, nem precisa sentir culpa O. – Raven acrescentou.

- Raven tem um ponto. – Bell acrescentou percebendo como eu estava incomodada.

- Eu vou ver com minha mãe sobre o pronunciamento de daqui a pouco, a gente se fala depois. – Revelei respirando fundo e me afastando.

   Segui pensativa pelos corredores repletos de alunos baderneiros que só sabiam conversar gritando e gargalhando feito idiotas. Costia me tirou do sério com a forma que tratou Lexa, ela tinha esse costume de pegar todas as pessoas da escola para fazer o que bem entendesse, tratava todos como objetos, mas jamais deixaria minha amiga de infância ser usada dessa maneira. Me pegava pensativa ás vezes sem entender o porque ainda mantinha uma relação amigável com uma pessoa tão fútil e sem coração como a aguada da Costia, mas seu principal dom era simplesmente aparecer em todas as nossas conversas se auto incluindo no grupo.

   Como queria soca-la e manda-la parar de ser tão vadia, mas infelizmente não podia fazer nada a respeito, como a bela cobra que era sabia algo sobre mim, algo que ninguém mais devia saber e não queria que isso fosse descoberto nem em mil anos. Respirei fundo e continuei minha caminhada dando acenos de cabeça para aqueles que me cumprimentavam e tentando manter o controle internamente para não voar na garganta de alguém. Queria que esse maldito dia acabasse logo para poder me recompor e finalmente sair com minha garota, queria reestabelecer nossa relação o mais rápido possível e tinha muito medo que algo ficasse no meio disso, a última vez que me senti tão impotente foi quando perdi contato com meu pai.

   Era engraçado a forma que ficava quando a morena era citada, um desconforto tomava conta do meu estomago de uma forma descomunal e tinha uma vontade imensa de fugir. Odiava esse meu instinto acuado que sempre desejava sumir antes de enfrentar qualquer problema, eu odiava me sentir perdida e sem controle nenhum sobre minha vida. Seis anos após a partida do meu pai eu ainda era incapaz de fazer qualquer coisa para voltar a revê-lo, todas as vezes que citava o assunto minha mãe ficava receosa e amarga, e sempre desistia por medo de perdê-la também, ela sempre disse que era ele quem tinha escolhido me abandonar e seria uma completa idiota se desejasse revê-lo.

   Me sentia idiota agora, assisti os anos passarem sem tomar nenhuma decisão racional, fugi de tudo que me causava desconforto e evitei qualquer coisa que pudesse ser difícil de alcançar, mas cá estava eu tentando desesperadamente recuperar uma amizade arruinada há muito tempo. Pela primeira vez eu quis ir em frente, não me escondi ou tentei inventar desculpas mentais para me afastar do assunto e um maldito obstáculo chamado Costia brotou em meu caminho, tinha medo de que sua presença estragasse tudo que custei a construir. Quando me sentia amedrontada assim apelava para o consolo de Octavia, mas nesse momento tudo que precisava era ficar sozinha para aceitar o fato de que não havia nada que eu pudesse fazer para impedir o que viria a seguir.

- Clarke. – A voz rouca de Bellamy me arrancou da minha caminhada solitária.

- Oi. – Respondi ainda meio perdida.

- Tá tudo bem com você? – Ele sempre notava quando algo pesava em minhas costas, era um bom amigo.

- Só estou pensativa sobre a vida em geral Bell. – Falei sorrindo de leve.

- Você não costuma ser tão avoada senhorita. – Me olhou daquele jeito que fazia, o olhar de que não pararia de me interrogar até obter respostas.

- Tudo bem, - me dei por vencida. - É só que não gosto de como Costia trata as pessoas, isso me tira do sério. – Contei meia verdade evitando me expor muito.

- Ninguém gosta do que ela faz Clar. Infelizmente não pode controla-la.

- Me sinto tão impotente por isso, ás vezes acho o livre arbítrio um erro tremendo para pessoas como ela. – Encostei-me à parede e ele me seguiu fazendo o mesmo com um sorriso brincando em seus lábios por causa de minha fala.

- Sinto muito que se sinta assim. Acredite em mim quando eu digo que aqueles que se deixam seduzir pela Costia querem realmente fazer isso, eles sabem dos riscos e são bem independentes para rejeita-la se quiserem. – Ele tinha um ponto, Lexa podia ser tímida e reservada, mas definitivamente não era alguém que cairia na lábia daquela cobra.

- Eu sei, mas algumas pessoas podem não saber a cobra que ela é e eu queria poder intervir, mas que droga de impotência. – Falei balançando a cabeça negativamente.

- Ela não se esforça para esconder quem é e você sabe disso, qualquer um com a mínima inteligência vai notar na merda que está se metendo. – Seu jeito de ver o mundo era sempre racional e lógico, nunca parecia desnorteado como eu.

- Acho que você tem razão, odeio que isso esteja acontecendo justo agora que... – Cortei minha frase antes que falasse algo sobre Lexa.

- Que? – Arqueou as sobrancelhas.

- Não é nada, obrigada Bell. – Agradeci lhe dando um beijo no rosto e ele sorriu.

- Sei que está escondendo algo, mas não se preocupe não vou dizer isso a ninguém senhorita Griffin. – Meu coração gelou ao ouvir esse sobrenome, ele sabia sobre o divórcio e sobre a mudança repentina quando eu era criança, mas não sabia sobre Lexa e isso era um alivio.

- Tinha até esquecido desse nome. – Revelei sorrindo.

- Me desculpe usa-lo assim do nada.

- Tudo bem, você pode fazer isso, mas não quero mais ninguém sabendo dos meus dramas familiares. – Semicerrei os olhos em uma falsa expressão de descontentamento.

- Eu e ou O jamais contaríamos.

- Eu sei disso, por isso amo vocês. – Falei sorrindo e pude jurar que ele corou.

   Nosso assunto foi interrompido quando minha mãe anunciou nos alto falantes que todos deviam se dirigir para o refeitório antes de irem para casa, ouvi várias reclamações e resmungos infelizes.

- É melhor irmos andando senhor Blake.

- Vou achar a Octavia e já vamos. – Tinha a impressão que estava envergonhado por algum motivo.

- Tudo bem. – Segui meu caminho.

 

*

 

   Foi difícil abrir caminho na multidão de alunos que tomou conta do espaço em questão de segundos, eu nem tinha motivos para estar ali já sabia de tudo envolvendo essa excursão que eu mesma tinha dado a ideia, mas tinha esperança de ver Lexa em meio aquele motim. Fiquei de longe esperando todo mundo decidir o maldito lugar que iria ficar antes de resolver me movimentar, odiava ficar sendo empurrada feito um ioiô e queria ter uma visão ampla para localiza-la sem muitas dificuldades. Como todo mundo desejava muito ir para casa e aproveitar as tão desejadas férias não demorou muito para que o calor humano tomasse conta do ar, senti minha nuca suar com a quantidade de corpos ao meu redor.

   Respirei fundo e ajeitei meu cabelo jogando-o de lado para livrar meu pescoço daquela nuvem infernal, minha mãe parecia estar demorando uma eternidade para fazer esse maldito anúncio, e como se lesse minha mente pude vê-la brotar de longe seguida por Kane um de nossos professores. Quando atingiu o lugar desejado começou a tagarelar a mesma ladainha de sempre quando havia algum passeio na escola, não dei muitos ouvidos a ela e me enfiei no meio da bagunça e finalmente pude avista-la, um belo coque enfeitava sua cabeça com mechas tênues emoldurando seu rosto suado, nossos olhos se encontraram em alguns segundos e aquele sorriso idiota tomou conta dos meus lábios felizmente ela retribuiu e então comecei a caminhar em sua direção.

   Nadar contra a maré era um pesadelo, era como se todos os corpos do mundo me empurrassem para trás enquanto eu desejava ferozmente seguir em frente. Mantive meus olhos colados nos dela para não perde-la de vista, adorava fitar aquelas esmeraldas brilhantes ainda mais quando elas me fitavam de volta. No meio do caminho senti um braço segurar minha cintura e tive que olhar na direção da pessoa, suspirei pronta para dar uma bronca em alguém e meus olhos encontraram os olhos de Finn.

- Esqueceu de mim Clarke? – Perguntou com aquele seu jeitinho bad boy que às vezes me dava nos nervos.

- Achei que estava fora por causa da viagem de seu pai. – Falei dando de ombros.

- Cheguei essa semana, não te encontrei nos outros dias. – Olhei desesperada por cima do ombro dele para ver se Lexa ainda estava lá, mas a mesma parecia ter desaparecido.

- Eu estive ocupada ajudando minha mãe com toda essa coisa do acampamento de férias.

- Admirável da sua parte, tem muitas coisas em você que são admiráveis. – Engoli em seco, pois sabia exatamente do que ele estava falando.

- Cala a boca Finn, aqui não é lugar para gente falar disso. – Senti meu rosto esquentar, queria sair dali e encontra-la logo, mas ele simplesmente não deixava.

- Ainda preocupada com o que os outros vão pensar? – Arqueou a sobrancelha.

- Você sabe muito bem que aquilo tudo foi um erro, Raven é minha amiga e quero que continue assim. – Revelei me desvencilhando dele para caminhar.

- Nossa relação já estava uma merda na época, nada foi culpa sua.

- Não interessa. Foi um erro e sua amiga Costia faz questão de me lembrar dele toda vez que digo algo que ela não goste. – Minha voz saiu exasperada.

- Ela não é minha amiga, já te disse isso, ela só estava perto na hora errada e ouviu uma conversa nossa. – Tentava manter a calma.

- Não importa, só, por favor, fique longe de mim, a gente não devia e você sabe. – Foram minhas últimas palavras antes de andar de volta para dentro da escola, a fim de esfriar a cabeça.

   Segui marchando com meu coração ainda acelerado e rezando para que mais nada desse errado hoje, tudo parecia estar conspirando para me tirar do sério e eu definitivamente não tinha estrutura para aguentar tudo sozinha. Desejei encontrar Octavia para desabafar, mas descartei a ideia na mesma hora que me lembrei que ela também não sabia da merda que eu tinha feito, me arrependia todos os dias por ter ido naquela maldita festa e enchido a cara, queria poder voltar no tempo e reverter esse erro, o pior de tudo é que após a Raven terminar com Finn, nós ainda nos encontramos algumas vezes porque eu estava frágil e precisava de alguém e fui burra o suficiente para recorrer a ele.

   Fiquei feliz ao notar que os corredores estavam completamente vazios e consegui me acalmar um pouco, e então ao pensar um pouco imaginei que Lexa provavelmente tinha que confirmar algo sobre o acampamento, portanto segui até a sala da minha mãe na esperança de encontra-la para distrair minha cabeça. Não demorou muito para que a avistasse apoiada em um canto com o olhar distante e completamente perdido. Aproximei despercebida e a fiz se assustar foi fofa a maneira que reagiu, senti um desconforto quando ela me perguntou sobre Finn e acabei omitindo parte da verdade, disse que éramos amigos que já se beijaram, embora tivéssemos tido uma breve história juntos que envolveu muito mais que beijos.

   Fiquei contente ao notar que parecia incomodada com minha resposta, parecia idiota, mas queria saber se ela se sentia da mesma forma que me senti mais cedo quando Costia ameaçou toca-la, no fundo seu instinto também era me proteger talvez seu coração soubesse da nossa amizade no passado. Fui surpreendida mais uma vez quando ela me chamou para sair hoje mesmo, ela parecia querer tanto quanto eu ir tomar esse sorvete. Seria tão bom poder afastar minha mente de todos os problemas, senti certa tranquilidade em saber que não precisaria ficar sozinha com meus pensamentos, talvez esse reencontro fosse obra do destino.


Notas Finais


Bom gente não pus o encontro delas aqui, porque quero escrever um cap só para isso <3
Quis mostrar um pouco mais da Clarke, espero que tenham gostado o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...