História Medicina do amor - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Martin Garrix, Taylor Marie Hill
Personagens Martin Garrix, Taylor Hill
Exibições 51
Palavras 1.272
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 46 - Eu estou livre não é mesmo? - Por Marie Hill


Fanfic / Fanfiction Medicina do amor - Capítulo 46 - Eu estou livre não é mesmo? - Por Marie Hill

Aquele clube estava cheio. 

Cheio de música boa.

Cheio de ótimos DJ's

Cheio das melhores bebidas.

E cheio de casais.

Tudo o que eu estava desejando era que minha bebida chegasse logo e que nenhum daqueles casais acabasse como foi entre mim e o Martin. E que nenhum deles ali estivesse traindo outra pessoa que nesse exato momento, estaria dormindo, trabalhando, cuidando da família ou sei lá o que.

Peguei minha dose de tequila e virei. Olhei pro lado e vi uma foto do Martin na parede.

Fui até lá e encarei aquilo. Ele sorria. 

Os olhos brilhavam. Olhos que nunca pude saber de que cor realmente eram. Hora estavam azuis com verde, hora estavam verdes com azul.

Os lábios sempre avermelhados e finos. Cabelo penteado pro lado e meio bagunçado. 

Lembrei de quando bagunçava mais enquanto ele estava deitado no meu colo sorrindo pra mim.

Sua assinatura estava ali. Logo abaixo de uma frase na foto.

"O melhor da Holanda esteve aqui. Volte sempre Martin Garrix! x"

Limpei meus olhos que estavam com algumas lágrimas se formando e voltei a encarar aquilo.

Louis: Tirei essa foto. -Virei para trás e dei de cara com o Louis.

Eu: É uma bela foto.

Louis: Martin também ajuda. Ele tem pinta de modelo. Esse é um dos motivos pra que todas as garotas corram atrás dele. -Louis riu e estava saindo quando segurei-o pela mão.

Eu: Louis, eu termimei com o Martin. -Ele arregalou os olhos e piscou três vezes seguidas.

Louis: Sinto muito. Isso explica sua  mão sem a aliança.

Eu: É. -Comecei a andar e ele me abraçou.

Louis: Marie, eu sinto muito. De verdade! -Recebi um beijo na cabeça e segurei seus braços. 

Alguém me puxou e deu um tapa na minha cara. Senti o rosto ardendo.

Louis: BARBARA PARA!

Barbara: Como pode Marie? Está ficando com o Louis? É por isso que estava estranha comigo no shopping não é? 

Louis: Nós terminamos Barbara! E a Marie terminou com o Martin! O que você quer hein?

Barbara: Queria ter uma noite de diversão nesse clube, mas vai ser melhor ficar em casa... Eu ainda te amava Louis!

Louis: É mesmo? Então podia ao menos ter dito isso assim que terminamos! Podia ter corrido atrás de mim já que foi você quem me deixou.

Eu: Louis, para. 

Barbara: Não. Deixa ele se expressar. Fala mais Louis, eu aguento!

Louis: Não tenho mais nada pra falar. Nós já terminamos não é? Pra que fazer discurso agora? -Ele me abraçou mais forte e escutei a Barbara soluçar com o choro.

Barbara: Bem que me disseram. Vocês brasileiras são umas putas! 

Eu: Não foi a única de quem escutei isso hoje.

Barbara: Que bom que aceita. Significa que é verdade. -Ela saiu e Louis continuou me abraçando.

Louis: Me desculpa, me desculpa, me desculpa...

Eu: Lou, para. Você não é o culpado.

Louis: Marie, quem te chamou de puta hoje?

Eu: O garoto que me traiu. E depois traiu amante com amante. 

Louis: Martin.

Eu: Quem mais poderia ser? 

Louis segurou meu rosto e me deu um beijo demorado e suave. Seus lábios eram finos e macios, mas acompanhavam os meus tranquilamente.

Louis: O Martin não te merece! 

Eu: Quer saber? Vem, vamos beber tequila.

Louis: Não acha muito forte? Virei uma garrafa de vodka cinco horas atrás. 

Eu: Tranquilo pra mim.

Louis: Então, permita-me acompanhar sua bebedeira! 

Eu: Permito. Eu estou livre não é mesmo? -Suspirei e encarei a foto do Martin.

POV LOUIS VAN BAAR

Já era minha terceira dose de tequila com a Marie e continuamos dançando. 

Decidi pegar a garrafa que estávamos bebendo e vi que estava na metade. Eram 500 ml de tequila pura.

250 já haviam ido. E nós estávamos com nossas visões ficando distorcidas.

Marie pegou dois canudos e colocou na garrafa. Começamos a tomar sem parar enquanto Prayer in C tocava do Robin Schulz.

Paramos quando nossas gargantas queimaram e colocamos a garrafa na mesa. Além do mais a Marie já havia pagado por ela.

Marie sentou no balcão do bar e fiquei em pé na sua frente. Encarei ela e comecei a dar selinhos em seus lábios. 

Marie: Lou... Para. -Ela riu e voltou a me beijar. Nos afastamos e começamos a rir.

Eu: Por que só conseguimos ficar juntos quando estamos bêbados?

Marie: Nem eu sei. 

Eu: Será que somos o consolo um do outro?

Marie: Não quero pensar nisso agora. -Ela acariciou meus lábios com o olhar meio turvo. Marie estava mais bêbada do que eu. Aos poucos ela passava a ponta de sua unha na minha boca e aquilo me provocava. Afastei sua mão e segurei a no colo.

Marie me abraçou pelo pescoço e me cobriu de selinhos.

Eu: Acho melhor irmos.

Marie: Pra sua casa?

Eu: Marie...

Marie: Aaaain o que Lou?

Eu: Tem certeza disso? Está bêbada minha linda.

Marie: Sei que vai cuidar de mim.

Eu: Maluca. -Ela riu e me beijou dando uma mordida na minha boca.

Entramos no meu carro após passar pela multidão e logo chegamos ao meu apartamento.

Tirei aquela salto da Marie e o meu tênis. Deitei a Marie na cama e fiquei por cima beijando-a.

Ela arranhava minhas costas loucamente, depois passou a mão pro meu abdômen. Minha camiseta que já era grudada, ficou suada e decidi tirar logo. 

Dei mordidas no lóbulo da Marie enquanto ela apertava a minha bunda.

Marie: Lou... Tira essa calça logo!

Eu: Você é maluca! -Começamos a rir sem parar. Fui ao banheiro e coloquei a camisinha. Fui até a cozinha e peguei uma lata de Red Bull. Voltei bebendo e só de cueca.

Marie estava deitada mexendo no celular, a polpa da bunda estava aparecendo com aquele vestido curto. 

Cheguei aos poucos e mordi sua bunda.

Marie: Aaaain Lou! 

Eu: Gostou né? Quer? -Mostrei a lata de Red Bull e ela fez que sim com a cabeça ao sentar. Me sentei perto dela e tive a lata tomada da minha mão. Marie bebeu e me beijou. Caímos na cama e ela colocou a lata no chão.

Eu: Isso é só por que estamos bêbados não é?

Marie: Nem eu sei Lou. Por favor, não me pergunta isso novamente. -Ela me beijou e deu um estalo nas nossas línguas. Abaixei se vestido aos poucos e abocanhei seus seios.

Logo a Marie terminou de tirar e ficou só de calcinha.

Eu: Marie, Marie... Quer mesmo isso? 

Marie: A única coisa que me vai fazer esquecer ele, além da bebida, é você! Sou sua puta não é? -Ela riu e mordeu meus lábios.

Eu: Nunca foi. E jamais vai ser a puta de ninguém! Porque não é o que você é.

Marie: Obrigada. -Ela riu e colocou a mão dentro da minha cueca me masturbando. Comecei a gemer e logo ela afastou a calcinha. Abaixei minha cueca.

E ali estava ela. Rebolando no meu órgão enquanto eu a penetrava. Marie foi ficando sem fôlego e segurei sua cintura ajudando com os movimentos. Depois de duas posições e minutos gemendo, cansamos. Marie vestiu minha camiseta branca e acabamos dormindo.

Acordei com ela abraçada em mim. Peguei meu notebook e liguei pra ver o e-mail.

Marie beijou meu pescoço e sorri.

Eu: Bom dia.

Marie: Bom dia Lou. -Me surpreendi ao ver ela sorrir. 

Eu: Não está arrependida?

Marie: Por que estaria? Foi escolha minha. E nós dois estávamos querendo então... -Ela sentou no meu colo e me abraçou pelo pescoço. Marie me beijou intensamente e senti que meu pênis estava ficando ereto.

Eu: Acho melhor você sair do meu colo agora.

Marie: É, senti um volume. 

POV MARTIN GARRIX

Quando saí do apartamento da Marie fui pra rua com uma garrafa de Red Label. Ali mesmo coloquei dois papéis abaixo da língua e entrei na boate Verdant.

Sentei e vi a ex do Avicii passar. Mas não consegui ir até ela, meu corpo suava mais frio do que o normal e as luzes do lugar pareciam derreter.

Dois papéis faziam o efeito de um normal. Curti aquilo.

Significava que da próxima eu poderia usar quatro!



Notas Finais


Marie com o Louis. Martin com mais drogas novamente.
Onde isso vai parar hein?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...