História Medicine Love (Camren) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Camila Cabello, Camren, Lauren Jauregui
Visualizações 61
Palavras 1.851
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


voltamos anjos, esperamos que gostem. :)

Capítulo 3 - Camila Jordan Cabello Mendes


Fanfic / Fanfiction Medicine Love (Camren) - Capítulo 3 - Camila Jordan Cabello Mendes

Camila Cabello point of view.

Hoje será só mais um dia comum. É o que eu esperava. Ao contrário do que estava acostumada a fazer caminhei até a janela apreciando o local belo que estávamos. Para alguns um sonho, para mim apenas uma viagem na qual não era surpreendente. Paris. Eu estava em Paris.

Fiz um coque em meu cabelo e me direcionei até a cozinha feita por um dos melhores arquitetos e engenheiros desse país, vale lembrar. Ouvir passos e logo uma mão se envolveu em minha cintura. Era Shawn. Meu noivo.

Ah, deixe-me apresentar. Sou Karla Camila Jordan Cabello Estrabão, brevemente  Camila Jordan Cabello Mendes. O nosso casamento está  próximo, a minha sensação? Estou nervosa e ansiosa. Eu e Shawn nos conhecemos na época da escola, éramos melhores amigos e nos tornamos namorados.

E hoje, noivos.

Shawn era um dos melhores jornalistas da Kogut. Uma empresa na qual trabalha desde os seus dezoito anos, e conhecido por ter um programa de televisão onde entrevistas famosos de Hollywood.

— Eu vou tomar café com você hoje! — Disse o homem e sentou-se na mesa enquanto comia uma maçã

— Que bom, meu amor! Fico feliz — Digo empolgada e ele sorri

— O que irá fazer hoje? — Perguntou e pegou o leite que estava dentro da geladeira

— Eu vou a casa da Dinah mais tarde — Falei e ele beijou o topo da minha cabeça

— Eu vou com você — Afirmou

— Não a necessidade, Shawn! Sei que está cheios de trabalhos, eu vi o estado do seu escritório ontem a noite — Falei e sentei-me ao seu lado, ele revirou os olhos

— Camila! Meu trabalho não é mais importante que você — Disse o homem e eu ri

— Eu já sei que não, meu amor! — Disse e o servi com café

— Já que prefere assim... Eu só irei sair daquele escritório ás duas horas da madrugada — Resmungou por eu ter rejeitado o seu convite

— Seu chato — Dei língua para ele

Logo vi Maria se aproximar com um telefone em mãos. Maria é a minha empregada, ela “cuida de mim” desde quando criança.

Uma mãe que nunca tive.

— Senhorita Cabello, o seu pai está no telefone — Disse gentil e eu peguei o telefone de suas mãos

Bufei e vi Shawn ri das minhas expressões. Ouvi meu pai resmungar, levantei-me da mesa e caminhei até o meu quarto.

Tranquei a porta em seguida e me sentei na cama.

— Pode falar pai — Disse baixinho e verifiquei se não estava vindo ninguém pelos corredores

— Karla Camila, como acha que irei te ajudar morando em Paris? — Gritou irritado

— São só alguns dias, logo estarei de volta — Falei calmamente e ele riu debochado da outra linha — Pai, eu te prometi! Não fica bravo! — Exclamei

— Como posso ter tanta certeza que irá fazer o que me prometeu, Karla Camila? — Perguntou entre dentes — Eu irei te dá somente algumas semanas. Me ouviu bem?

— Sim, eu te ouvi! Eu não vou te decepcionar — Disse baixinho e vi a maçaneta da porta girar — Eu vou ter que desligar! Mais tarde nos falamos.

Desliguei o telefone e respirei fundo. Ouvi Shawn me chamar e bater na porta diversas vezes.

— O que seu pai queria? — Perguntou e entrou no nosso quarto

— Me alertar sobre o casamento, gravidez, para eu me cuidar... Que se você me fizesse quebrar a cara iria te partir ao meio — Disse sarcástica e Shawn riu puxando-me para a cama

— O Alejandro não muda nada — Falou e eu assenti — Mila, você está ansiosa?

— Mais que tudo — Ri e ele acariciou os meus cabelos — Logo iremos viver sem temer a ninguém, juntos e felizes!

— Eu te amo...

 

Meses depois:

Pus meu jaleco e adentrei em minha sala que agora estava vazia. A minha mesa estava organizada, e algumas pranchetas que precisavam ser concluídas estavam sob minha mesa. Sentei-me na poltrona grande e girei. Estava radiante.

Agora só faltavam apenas semanas para o grande dia. O meu casamento.

Ouvi batidas em minha porta e logo a maçaneta abriu. Era enfermeira Benson, a loira caminhou até a mim e me passou algumas informações do paciente que estava sendo operado nesse exato momento.

A Dra. Thrilwall estava com tudo sob controle mas ainda assim exigiu minha presença na sala de cirurgia.

Coloquei as roupas adequadas e adentrei na sala. Jade estava fechando a paciente e eu bufei tentando imaginar porque solicitou a minha presença.

— Dra. Camila... Que bom que veio! — Disse pausadamente por conta da sua concentração — Eu estava mesmo precisando da sua ajuda.

— Disponha — Digo gentilmente e observo a enfermeira Benson nos olhar disfarçadamente

— Enfermeira Benson, leve a paciente para a CTI — Diz e se retira da sala, eu apenas a sigo

 

— Dra. Camila, a paciente Zoe Kowalski está sob responsabilidade da Dra. Jauregui desde o primeiro dia que se internou no HCJ — Diz e eu assinto, já sabia dessa história — Foi uma das primeiras pacientes da Lauren, é muito importante isso na nossa careira.

— Dra. Thirlwall, prossiga por favor — Peço e ela assente gentilmente — Eu imagino que me chamou até aqui para dizer algo importante e isso não me parece algo urgente. — Digo tentando ser o menos grossa possível.

— Eu peço para que não se meta nesse assunto, o Dr. Michael e a Dra. Jauregui são pai e filha. Eles não tem uma relação muito boa... — Diz e abaixa a cabeça envergonhada — Enfim, que por mais que o Dr. seja diretor desse hospital, não é seguro fazer o que lhe manda.

— A Dra. está me pedindo para desobedecer o diretor desse hospital? — Pergunto rindo — Me desculpe, sei que deve se preocupar com a reputação desse hospital. Eu não tenho nada a ver com essa história, me dê licença.

— Dra. Camila, por favor! Não sabe o poder que a Dra. Jauregui tem sob esse lugar, ela pode fazer da sua vida um inferno se for contra ela. — Diz assustada me impedindo de sair

— Repito, deve se preocupar com a reputação desse hospital. Mas eu sinceramente não sei do que está falando, eu não estou do lado de ninguém. Não sei o que acontece por aqui, cheguei tem apenas um ou dois dias. Por favor, me dê licença! — Digo agora mais calma e ela assente derrotada

— Não se sinta pressionada com o que acabei de falar, é que mais do que ninguém sei o que se passa aqui — Diz e me abraça — Essa conversa morre aqui!

— Até mais, Dra. Thirlwall.

Saio da sala e bufo ao ver que a loira que nos observava na sala agora a pouco estava atrás da porta provavelmente ouvindo nossa conversa. Quem é ela? Porque me vigia?

Se assustou e adentrou na sala disfarçadamente como se não quisesse nada.

Caminhei pelos corredores e ouvi meu nome ser chamado pelos auto-falantes do hospital.

— Dra. Camila Cabello, por favor se dirigir até a sala da Dra. Lauren Jauregui. Dra. Camila Cabello, por favor se dirigir... — Ouço e franzo o cenho lembrando o que a Dra. Thirlwall acabara de me falar.

 

“Ela pode fazer da sua vida um inferno se for contra ela.”

 

Caminho pelos corredores do terceiro andar do hospital a procura da sala da Dra. Jauregui, a temerosa dos olhos verdes.

Porque todos tem tanto medo dela? Porque todos temem enfrenta-la?

Assim que adentro na sala, sorrio gentilmente para a doutora que mantém uma postura séria. Seus olhos estavam cheios de lágrimas.

— Mandou me chamar? — Pergunto e ela assente freneticamente

— Sente-se por favor Dra. Cabello — Fala e vejo abrindo o seu primeiro sorriso desde que entrei nessa sala — Eu gostaria de conversar sobre um assunto muito sério.

— Oh, claro! Do que se trata?

— Se lhe parecer grossa, me desculpe! Não é a minha intenção — Diz  e fita alguns lápis que estão em um porta-lápis em sua mesa — Eu quero se afaste dos meus pacientes. Não tem esse direito.

— Dra. Lauren... — Ia falando mas ela me interrompe

— Eu sei que foi o meu pai que lhe mandou naquela sala Dra. Camila, eu já sei disso — Diz com a voz grossa

 — Pois bem, não tenho culpa e peço desculpas se o meu ato lhe trouxe conseqüências. — Digo tentando ser amigável — Eu pensei que fosse o certo obedecer o diretor, pelo menos é assim que faço em todos os hospitais que trabalho. Mas vejo que nesse temos um problema.

— Sim, temos um problema! — Diz e ri sarcástica — Era só isso. Até mais Dra. Camila!

— Até mais doutora.

 

{...}

 

Me olho no grande espelho a minha frente tendo a visão de um belo vestido branco com detalhes feito a mão, enquanto o reflexo de Dinah com seu vestido vermelho com uma longa fenda se aproximam de mim.

Meu cabelo está em um coque com algumas mechas de cabelos caindo em meu rosto angelical.

— Finalmente chegou o grande dia — Dinah diz vitoriosa e eu sorrio

— O nosso dia, minha irmã. — A olho brevemente e vejo meu pai nos observar na porta

Eu e Dinah somos irmãs. Não de sangue, mas a consideração destrói todos esses padrões.

Ela é a minha melhor amiga, a única que tive e melhor que todas as outras. Sempre fomos muito unidas, eu e Dinah temos uma relação ótima. Nos entendemos como ninguém, os Hansen’s sempre foram compreensivos e amigáveis.

E quando a minha família estava em crise eu sempre recorria a eles. Eu sou grata por tudo o que fizeram por mim, e fazem. Dinah tem noção disso e se emociona sempre que lembro da nossa infância.

Flashback on.

— DJ, DJ!!! Corre aqui!!! Vem logo!!! — Grito sentada em seu jardim enquanto seguro uma Barbie em minhas mãos

— Mila, o que foi? — Diz a minha frente com seus cabelos louros molhados em seu rosto

— Olha lá no céu, é uma coisa colorida — Digo observando o azul e Dinah se senta na grama também

— Isso se chama arco-íris, Mila! — Diz encantada com as cores

— Vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, violeta... — Digo em voz alta apontando para as cores — Isso é muito lindo, DJ!

— Como a nossa amizade...

— Irmandade, DJ! Irmandade! Somos irmãs, esqueceu? — Falo a olhando e ela deita em meu colo

— Eu te amo, Mila! — Diz e eu beijo sua testa

— Eu também sua loura enjoada! — Falo e rio da sua expressão, ela odeia quando eu a chamo assim

— Irmãs?

— Irmãs!

Flashback off.

Meu rosto agora estava molhado pelas lágrimas que escorriam de felicidade pelo meu rosto, Dinah me abraçou fortemente e eu beijou o topo da minha cabeça.

— Porque está chorando? — Diz e enxuga minhas lágrimas com o seu dedo anelar

— Estava lembrando de quando éramos crianças — Falo tentando não parecer emocionam mas as lágrimas voltam a escorrer pelo meu rosto fazendo DJ cair no choro também

Ficamos assim por alguns minutos relembrando alguns momentos que tivemos, mas fomos interrompidas pelo meu pai dizendo que já estava na hora...

— Tá, já chega desse choramingado! Está na hora — Dinah diz voltando a ser a durona de sempre — Arrase — Completa e eu assinto

— Só mais alguns minutinhos, Alejandro. Senta já nessa cadeira iremos retocar essa maquiagem que você fez questão de borrar! — Ally diz me fazendo arrancar alguns risos

 

Enfim, chegou o meu dia. A minha hora.

Em poucos minutos eu serei esposa de Shawn Mendes, o meu pior inimigo. 


Notas Finais


"a camila vai ser uma the monia nessa fic gente, aguardem kkkkkk" - amanda
"voltaremos logo logo mores, beijos no core!" - cecília


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...